Meu Feed

No mais...

Como compartilhar músicas do Apple Music no Stories do Instagram

canaltech Compartilhar músicas nos Stories do Instagram é um recurso comum em serviços de streaming. A Apple Music, plataforma de transmissão musical da Apple, implementou essa função em seu aplicativo para iOS a partir da versão 13.5 do sistema operacional. Ainda não há previsão para a funcionalidade chegar em dispositivos Android. iOS 14: todas as novidades da nova versão do sistema da Apple Apple Music: saiba como criar e configurar conta na plataforma Como colocar letra de música no Stories do Instagram É possível compartilhar músicas, álbuns, rádios e listas de reprodução do catálogo da Apple Music. No Instagram, o resultado é similar ao de outros concorrentes, como Deezer e Spotify, exibindo uma miniatura da capa e uma opção de redirecionamento para poder ouvir o conteúdo. Saiba como fazer! Apple Music: como compartilhar músicas nos Stories do Instagram Passo 1: abra o app em dispositivos com a versão iOS 13.5 e selecione qualquer música ou álbum do catálogo; -CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.- Escolha entre os conteúdos do catálogo (Foto: Reprodução/André Magalhães) Passo 2: aperte o ícone de três pontos ou aperte e segure o botão da música que deseja compartilhar para abrir um menu; Clique no ícone para abrir mais opções (Foto: Reprodução/André Magalhães) Passo 3: selecione "Compartilhar"; Compartilhe sua música favorita (Foto: Reprodução/André Magalhães) Passo 4: entre as opções de compartilhamento, escolha o Instagram; Escolha o ícone do Instagram (Foto: Reprodução/André Magalhães) Passo 5: o usuário será redirecionado ao editor de Stories do Instagram, no qual poderá inserir textos, gifs e desenhos para poder publicar. Exemplo de compartilhamento nos Stories (Foto: Reprodução/André Magalhães) Muito simples, não achou? Conte para a gente qual o seu streaming musical favorito! Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Apostas elétricas! Xiaomi pode anunciar carro e carregador de 100W em breve

canaltech Desde o final do ano passado a Xiaomi promete agora para 2020 o lançamento de um carregador ultrarrápido de 100W, o Super Charge Turbo, capaz de encher o tanque de um smartphone de 4.000mAh em apenas 17 minutos. No início do ano a tecnologia até foi demonstrada e rumores apontavam sua presença no smartphone top de linha da fabricante, o Mi 10, algo que não se concretizou diante algumas aplicações técnicas e comerciais. Xiaomi dá mais detalhes sobre seu supercarregador de 100W Super Charge Turbo: Xiaomi não vai lançar carregamento rápido de 100W tão cedo Contudo, segundo informações recentes de especialistas chineses, compartilhadas na rede social Weibo, a companhia já finalizou todos os testes de segurança e dissipação de calor, estando pronta para ser a primeira fabricante a revelar um smartphone com carregamento ultra-rápido a 100 watts. Não se sabe, no entanto, qual aparelho deve oferecer esse recurso, com algumas apostas para o Xiaomi Mi Mix 4, que pode chegar ao mercado neste segundo semestre do ano. Rumores no Weibo apontam lançamento do Super Charge Turbo da Xiaomi em breve (Reprodução: Gizchina) Vale destacar que, segundo o Gizchina, entre as principais características dos smartphones gamers a serem lançados ano que vem baseados no processador Qualcomm Snapdragon 875 está o suporte ao carregamento de 100W. A publicação diz ainda que as fabricantes chinesas têm se empenhado em popularizar as tecnologias de carregamento muito rápido e pretendem equipar os aparelhos da próxima geração com baterias de alta capacidade. -Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.- Xiaomi pode entrar na corrida do setor automobilístico A Xiaomi é conhecida por inovar e fabricar os mais diversos produtos, de smartphones, patinetes elétricos, escova de dente inteligente e até mesmo máscaras de esterilização elétrica que carrega por USB. Sem medo de arriscar, a fabricante chinesa pode anunciar amanhã, 29 de junho, a sua entrada no setor automobilístico. Ao menos é isso que indica o teaser de um novo produto publicado em sua conta oficial no Weibo - e excluído logo em seguida. Publicação da Xiaomi no Weibo indica lançamento de carro (Reprodução: Gizchina) Além da silhueta de um carro, a publicação traz uma mensagem despertando a curiosidade dos fãs: “Faça um carro? Nós estamos falando sério!”, em tradução livre. Considerando que Xiaomi tem cooperado com várias montadoras locais e, no ano passado, chegou a investir na Xiaopeng Motors, uma fabricante chinesa de veículos elétricos que está se posicionado no mercado local como uma alternativa aos carros da Tesla, a informação não deve ser tratada como uma piada. Operação apreende 4 mil celulares Xiaomi ilegais na região central de SP Mas tratando-se da Xiaomi, pode ser que o novo produto seja um brinquedo ou de fato a companhia esteja investindo no setor automobilístico, mas em algum software de condução autônoma ou então pneus, volantes e peças afins. Resta esperar e ver qual surpresa a gigante chinesa nos aguarda. Façam as suas apostas! Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

PALMEIRAS: PROPOSTA POR DUDU CHEGA ESSA SEMANA?

PALMEIRAS: PROPOSTA POR DUDU CHEGA ESSA SEMANA?

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Dudu #Palmeiras #FOXSports Veja Mais

"OU ELE BEBEU, OU ESTÁ DROGADO": Atitude de dirigente do Flamengo contra Abel Braga gera polêmica

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #AbelBraga #BAP #Flamengo Veja Mais

A frustrada tentativa de Monteiro Lobato em ganhar mercado nos EUA com livro considerado racista

G1 Pop & Arte Monteiro Lobato (1882-1948) já tinha vários livros publicados quando vislumbrou fazer sucesso no mercado editorial anglófono. Na bagagem carregava sua esperança: o romance 'O Presidente Negro'. Lobato bateu à porta de pelo menos cinco editoras nos Estados Unidos — e colecionou nãos. Monteiro Lobato Wikimedia Commons/BBC Monteiro Lobato (1882-1948) já tinha vários livros publicados — entre os quais Cidades Mortas, Urupês e O Saci e contos que depois seriam incluídos no famoso Reinações de Narizinho, de 1931 — quando vislumbrou fazer sucesso no mercado editorial anglófono. Sonhando se tornar um novo H. G. Wells (1866-1946), cultuado pelo A Guerra dos Mundos, de 1898, passou cerca de quatro anos nos Estados Unidos, na segunda metade da década de 1920. Na bagagem carregava sua esperança: o romance O Presidente Negro — originalmente O Choque das Raças ou O Presidente Negro. Com um enredo fortemente racista, a obra não teve aceitação entre os editores americanos. De acordo com o livro Um País se Faz com Tradutores e Traduções: A Importância da Tradução e da Adaptação na Obra de Monteiro Lobato, do escritor e tradutor britânico John Milton, Lobato bateu à porta de pelo menos cinco editoras nos Estados Unidos — e colecionou nãos. "Lobato se via como um novo H. G. Wells, mas os temas centrais (a segregação completa entre brancos e negros, a tentativa dos brancos de esterilizarem os negros e a influência da eugenia, sugerindo que os brancos fossem superiores aos negros) eram sensíveis demais para qualquer editora norte-americana se arriscar", escreve Milton. No segundo semestre de 1927, uma carta escrita a ele pelo editor da agência literária Palmer, de Hollywood, sacramentou sua frustração, alegando que "o enredo central se baseia em uma questão particularmente difícil de ser abordada neste país, porque certamente resultará no tipo mais amargo de sectarismo". "E, por esse motivo, os editores são invariavelmente avessos à ideia de apresentá-lo ao público leitor", prossegue a carta. "Nem mesmo o fato de estar ambientado 300 anos no futuro mitigaria esse fato na mente dos leitores negros." A avaliação do editor ainda alerta a Lobato que "os negros são cidadãos americanos, parte integrante da vida nacional" e promover "seu extermínio por meio da sabedoria e habilidade da raça branca" seria endossar uma "divisão violenta". O escritor brasileiro não parece ter se convencido a mudar suas ideias. Em carta enviada ao escritor Godofredo Rangel (1884-1951), seu amigo e correspondente ao longo de 40 anos, Lobato reclamou que O Presidente Negro não havia sido aceito porque "acham-no ofensivo à dignidade americana". "Errei vindo cá tão tarde", escreve. "Devia ter vindo no tempo em que linchavam os negros." "Tinha lido há muito tempo [esse livro] e reli, mais recentemente. Tenho duas considerações, na verdade duas impressões fortes que me ficaram da obra. Primeiro, do ponto de vista de uma análise externa, fiquei impressionada com a certeza, seguida da decepção, de Lobato de que a obra seria bem recepcionada, um grande sucesso nos Estados Unidos. Lobato fica perplexo porque seu livro não encontra editor, não entende por que os americanos o acharam ofensivo", comenta à BBC News Brasil a historiadora Lucilene Reginaldo, professora de Estudos Africanos na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). "Do ponto de vista da construção da obra, é surpreendente como Lobato se instrumentaliza das ideias eugenistas, das quais ele era um entusiasta confesso. Mas ele tinha plena clareza que a literatura era uma forma sutil, indireta e eficiente de promover a eugenia." Ilustração de 'A chave do tamanho', um dos livros mais populares de Lobato Divulgação/BBC Enredo O Presidente Negro começa no Brasil dos anos 1920. Ayrton sofre um acidente e acaba resgatado por um cientista excêntrico que lhe apresenta sua grande invenção: o porviroscópio, uma máquina que mostra o futuro. Assim, os personagens acompanham a vida nos Estados Unidos de 2228, em plena campanha eleitoral. A sociedade futurista americana é descrita como uma utopia modelo. Mas, segundo a história criada por Lobato, esse sucesso era devido a algumas medidas que haviam sido tomadas: o fim da imigração, a execução de todos os recém-nascidos com malformações e a esterilização dos "doentes mentais" — balaio no qual o autor inclui prostitutas, ladrões, preguiçosos e desocupados. Outra medida implementada por esse governo futurista era a intervenção estatal na reprodução. Para poder ter filhos, o casal precisava se submeter a uma análise oficial de suas características. A ideia era garantir que apenas os melhores passassem seus genes adiante. É nessa sociedade que Lobato insere uma campanha eleitoral norte-americana. E vence um candidato negro, Jim Roy. Trata-se do gatilho para que Lobato apresente os negros como "o único erro inicial contido naquela feliz composição". O livro aponta que a sorte dos Estados Unidos era que ali, devido ao ódio racial, ao contrário do Brasil não ocorreu a miscigenação — que para o autor causaria uma "degeneração" racial irreversível —, mantendo os negros segregados. Por outro lado, segundo o livro, os negros teriam uma propensão maior a se reproduzir. O que fazia com que sua população aumentasse em um ritmo superior a dos brancos. Algumas "soluções" são apresentadas para esta questão. Os negros pedem a divisão do país em dois. Os brancos sugerem extraditar todos os negros para o Amazonas. Mas a Suprema Convenção Branca cria um plano, chamado de "solução final" para o "problema negro". Eles desenvolvem uma tecnologia para alisar os cabelos dos negros — mas instalam no aparelho um componente que esteriliza quem usa. "É um livro claramente racista na ideia, na proposta, no desenlace. É um livro que ficou datado, por demais preconceituoso. Não vejo motivo para ser estudado em universidades nem escolas, muito diferente do universo infantil de Monteiro Lobato", afirma à BBC News Brasil a historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz, professora da Universidade de São Paulo (USP) e coautora do livro Reinações de Monteiro Lobato, uma biografia do escritor. "É um livro que serve apenas para teses e dissertações que analisam o racismo do Brasil. Não é um livro para ser adotado com alunos." Com a eleição de Barack Obama, o livro O Presidente Negro voltou a ter uma edição no Brasil Pete Souza/BBC Autora do artigo Você Já Pensou no Impacto da Obra de Lobato na Construção da Estima Negra?, a psicopedagoga Clarissa Brito, especialista em Educação Infantil, enfatiza à BBC News Brasil que considera O Presidente Negro a "expressão explícita de seu posicionamento político, defensor da eugenia e seu desejo de extermínio do povo negro". Quando Barack Obama disputava a Presidência dos Estados Unidos, em 2008, a editora Globo Livros relançou o romance. À BBC News Brasil o editor Mauro Palermo enfatiza que Lobato precisa ser lido considerando que ele "escreveu suas obras entre 1920 e o fim da década de 1940". "Creio que leitores atuais encontrarão nessas histórias, além do entretenimento, uma oportunidade rica de entender e discutir como se comportava a sociedade brasileira há um século e, a partir daí, refletir sobre o quanto já caminhamos na luta contra o racismo e o tanto que ainda precisamos nos desenvolver e aprimorar", diz. "Infelizmente nos entristece perceber que essa longa caminhada está longe de chegar ao fim." "Não me julgo competente para opinar, de formar mais circunstanciada, sobre a tipificação do crime de racismo na produção artística em geral e literária em particular. É evidente que minha postura de cidadã diante de um texto ou autor contemporâneo que propaga ideias racistas, xenófobas, homofóbicas, machistas é de firme repúdio, denúncia e execração", avalia Reginaldo. "Creio que é diferente tratar de textos e autores contemporâneos e de textos e autores do passado, embora para mim o racismo seja execrável, um cancro maligno, no século 19, no século 20 e nos dias atuais." Ela ressalta, contudo, que como historiadora, lê obras que formularam e propagaram ideias racistas. "São fontes de pesquisa. Por exemplo, como dever de ofício e também por interesse, li mais de uma vez o livro Africanos do Brasil, de Raimundo Nina Rodrigues. Este e outros livros deste autor são fundamentais para a compreensão do ideário racista que está na base do pensamento social brasileiro do século XIX e início do XX. Mas a obra de Rodrigues informa muito mais, por exemplo, para os estudiosos das religiões afro-brasileiras e dos africanos no Brasil. Um olhar crítico sobre estas produções me permite analisar texto e contexto; singularidades, diálogos intelectuais, sub-textos. Poderia dizer o mesmo sobre clássicos da literatura ocidental e brasileira. Aí também se inscreve parte da polêmica e resistência sobre o reconhecimento do racismo na obra de Monteiro Lobato. Querem lhe preservar uma aura insustentável e, quero crer, desnecessária." Até janeiro do ano passado, quando Monteiro Lobato entrou em domínio público, a Globo detinha a exclusividade da publicação de suas obras — de acordo com Palermo, foram 7 milhões de livros vendidos, considerando todo o catálogo do escritor, nos últimos 12 anos. As insinuações preconceituosas de Lobato não se restringem ao romance O Presidente Negro. Estão presentes em toda a sua obra, inclusive nos clássicos infantis que compõem a coleção Sítio do Picapau Amarelo. Obras infantis "Metaforicamente, podemos dizer que Narizinho e Pedrinho tinham duas avós. A de sangue, que incessantemente buscava repassar seu conhecimento formal para seus netos. E a tia Nastácia que era a responsável pelos ensinamentos advindos de sua experiência de vida. As duas avós eram igualmente importantes na criação e na formação de seus 'netos'. As referências à tia Nastácia na obra refletem o pensamento da época e isso nos choca tremendamente hoje", analisa Palermo, sobre o universo infantil de Lobato. A Companhia das Letras, outra editora que tem publicado obras de Lobato, afirma à reportagem que opta por notas de rodapé para que os mediadores da leitura — sejam eles professores, sejam eles pais — contextualizem a questão às crianças. "Ficou estabelecido que todos os livros viriam com notas que pudessem contribuir às discussões das questões problemáticas da obra dele", afirma a assessoria de comunicação da editora. Sobre O Presidente Negro, a editora afirma que a polêmica obra "não está e não estará em catálogo". O racismo na obra infantil de Monteiro Lobato chegou até o Supremo Tribunal Federal. A história começou em 2010, quando o Conselho Nacional de Educação (CNE) determinou que o livro Caçadas de Pedrinho não fosse mais disponibilizado às escolas do sistema público, por conta do conteúdo racista. "Tia Nastácia, esquecida dos seus numerosos reumatismos, trepou, que nem uma macaca de carvão" e "Não vai escapar ninguém — nem Tia Nastácia, que tem carne preta" foram trechos utilizados para justificar a medida. Diante de recurso do Ministério da Educação, o caso chegou ao Supremo. Os debates foram encerrados apenas no mês passado. "Tratava-se de mandado de segurança do STF com o qual se pretendia obter indiretamente a anulação de pareceres do Conselho Nacional de Educação. Referidos pareceres trataram da aquisição de obras literárias pelo Ministério da Educação destinados ao Programa Nacional Biblioteca na Escola. Alegavam os impetrantes que o Ministério da Educação, ao autorizar a aquisição de livros que contenham expressões reforçadores de estereótipos raciais, viola frontalmente as normas gerais da Administração Pública e a legislação internacional sobre o racismo", contextualiza à BBC News Brasil o jurista Carlos Ari Sundfeld, professor da FGV-Direito. "A tentativa de proibir os livros de Lobato parece estar baseada na ideia de que a ficção literária não poderia, sob pena de praticar crime, tratar do racismo sem fazer sua crítica explícita. É uma visão que reclama que toda literatura, para ser lícita, seja militante. A visão é compreensível em função de nosso grave problema, não superado, com o racismo. Mas não há fundamento jurídico para a proibição de livros em casos assim, o que seria incompatível com a liberdade, um valor fundamental, cuja prevalência justifica uma orientação muito restritiva quanto ao poder de o Estado intervir no mundo das palavras", afirma Sundfeld. "Para que se proíba a circulação de um livro não basta que ele incorpore, nos personagens, nas situações, nas frases ou nas palavras, algum tipo de elemento que, sem condená-lo, remeta ao racismo. É preciso que se trate de um caso extremo, difícil, aliás, de ocorrer em obras apenas literárias, de apologia e incitação inequívoca e grave ao racismo." "As referências à tia Nastácia em 'Reinações de Narizinho' refletem o pensamento da época e isso nos choca tremendamente hoje", analisa o editor Mauro Palermo Divulgação/BBC O assunto foi encerrado no Supremo em 22 de maio, mas sem julgar o mérito. "O STF entendeu que não lhe cabia analisar o assunto, pois o que se estava impugnando era o ato de homologação, pelo Ministro da Educação, desses pareceres. Mas o STF não tem competência originária para julgar mandados de segurança contra atos de ministros de Estado", explica o jurista. Especialistas e educadores acreditam que a obra infantil de Lobato deve ser lida e debatida em escolas. "Não se trata de retirar suas obras do mercado. Muito melhor do que isso é que a obra venha acompanhada por notas que problematizem a questão do racismo", defende Schwarcz. "Sempre acho que em história precisamos problematizar esses termos para que eles não passem 'em branco', com muitas aspas. É preciso fazer com que fique evidente o racismo presente nessa obra, isso é fazer muito mais do que censurar o autor." Ela defende a necessidade de, no ambiente escolar, formar e informar os professores, para que eles saibam como tratar livros assim. "Que o professor alerte o aluno a todo momento em que houver personagens ou situações ou contextos racistas. Chamar a atenção, perguntar por que a Tia Nastácia tinha apenas saberes localizados enquanto os personagens brancos conheciam história, ciência, civilização. Por que personagens negros foram descritos a partir de seus beiços alargados e sua cor, enquanto os brancos, não, como se brancura fosse uma não cor. Minha atitude como professora nunca é de censura, e sim de interpelar essas narrativas com outras questões, que são as questões do nosso momento", afirma. "Os livros de Lobato devem estar em catálogo, com notas de rodapé", prossegue. "E essas notas precisam servir de gatilho para que a classe discuta a questão do racismo no Brasil. Isso é fundamental em um país que vive um racismo estrutural e institucional." "Sou favorável às edições críticas", complementa Reginaldo. "Parece que há algumas iniciativas nesse sentido neste momento, o que mostra a importância e ressonância do debate iniciado em 2010. Há tempos, circula uma nota crítica nas Caçadas de Pedrinho sobre a proibição da caça das onças. Num artigo publicado em 2010, Ana Maria Gonçalves chama a atenção para a a mea culpa de Lobato reconhecendo seu preconceito contra os camponeses representados pelo personagem Jeca Tatu, que foi incorporado na quarta edição de Urupês. Mas como já confessei em outra ocasião, ao ler Caçadas de Pedrinho e outros para meu filho com então 6 anos, me vi na obrigação de mãe de protegê-lo. Editei e omiti termos que me soavam impronunciáveis. Mas sei que isso também foi praxe nas versões televisivas do Sítio do Picapau Amarelo." Importância de Lobato para crianças "Não tenho nenhuma ressalva — na verdade acho fundamental — que se publique a obra de Lobato na íntegra. Lobato deve ser lido", comenta Reginaldo. "Como historiadora, vejo aí uma fonte preciosa para os estudiosos e para reflexão crítica sobre o Brasil. Com outras preocupações e recursos analíticos, em razão do seu valor literário — que aliás, aqui não se discute, também é fonte para os estudiosos da literatura e de outras áreas. No ambiente escolar, especialmente para jovens e adolescentes, acompanhado de boas edições críticas, pode ser lido. Mas nas mãos do público infantil, no qual a literatura é sobretudo expressão do lúdico, mas que ao mesmo tempo introjeta valores, creio que não se pode ignorar o debate que vem sendo feito desde 2010, pelo menos. Ouvi muita gente dizendo que leu Lobato na infância e não se tornou racista. Mas acho que, por meio de processos indiretos sem ódio, sem truculência, podem ter aprendido a naturalizar as hierarquias raciais, se colocarem como personagens centrais e protagonistas da história, tornado-se, por conseguinte, insensíveis às dores e humilhações alheias. Defender ardorosamente a aura de Lobato é um lugar de privilégio!" Série do Sítio do Picapau Amarelo, remake feito pela TV Globo dos anos 2001 a 2007 Divulgação/BBC Para a especialista em Educação Infantil Clarissa Brito, é preciso atentar para o fato de que expressões da obra de Lobato — como "negra cor de lodo", "carne preta" ou próprio uso do termo "negra" no vocativo — sejam compreendidas como ferramenta de reprodução do racismo. Ela defende que as obras do autor sejam utilizadas em escolas, mas não na Educação Infantil, tampouco nas séries iniciais do Ensino Fundamental. É para alunos mais maduros, opina. "Monteiro Lobato pode atravessar salas de aula no momento em que são estudadas as marcas da opressão colonial e os recursos políticos, sociais e econômicos para a perpetuação da segregação racial", defende ela. "Acredito que as crianças não precisam entrar em diálogo com uma obra que por anos vem estigmatizando figuras negras, reproduzindo um imaginário social que agride a estima de tantos homens e mulheres negras", completa. "Vejo a iniciativa de comentário e notas, como uma questão forte que assola nossa sociedade, que são os recursos que tratam de minimizar o racismo e buscar caminhos de não legitimar o crime de injúria racial." Editor da Globo Livros, Palermo acredita que livros de Lobato, sejam os infantis, seja o polêmico O Presidente Negro, "podem ser usados como subsídio à discussão do racismo em escolas". "Proibir me parece a negação da existência", comenta ele. "Entender o passado é o melhor atalho para mudarmos o presente e melhorarmos o futuro." Veja Mais

Israel utiliza inteligência artificial para combater covid-19

Israel utiliza inteligência artificial para combater covid-19

Tecmundo Uma segunda onda de contaminações por coronavírus preocupa autoridades mundiais. Para combater o problema, Israel resolveu adotar câmeras térmicas, capazes de medir a temperatura até de multidões, e algoritmos conectados a bancos de dados, visando detectar novas fontes de covid-19 em tempo real.Ran Balicer, chefe de inovação da Clalit, maior prestadora de serviços de saúde no país, afirma que pretende "usar a melhor tecnologia para monitorar o estado de saúde da população” para que autoridades locais possam tomar decisões precisas e rápidas.Leia mais... Veja Mais

No dia em que completaria 75 anos, Raul Seixas ganha homenagens dos fãs

O Tempo - Diversão - Magazine Vida e obra do baiano, um dos nomes mais importantes da música brasileira em todos os tempos, é tema de lives e encontros virtuais Veja Mais

iPhone 12: Apple deve cortar EarPods e carregador da caixa para reduzir preço

canaltech Com o anúncio do iOS 14 na última segunda-feira (22), durante a WWDC 2020, as atenções agora estão em torno do lançamento do iPhone 12. A próxima geração de smartphones da Apple promete mudanças significativas em relação ao antecessor, o iPhone 11, e não só por especificações como o conjunto de câmeras, bateria e tela, mas também pelos itens que acompanham a caixa do produto. iPhone 12 pode trazer carregamento mais rápido que antecessor, diz rumor iPhone 12 deve ter laterais retas e notch grande, indica modelo baseado em CAD Segundo informações de Ming-Chi Kuo, analista da TF International Securities conhecido por ter um histórico de acertos, a Apple pode tomar uma decisão polêmica, mas que não causaria espanto por se tratar da companhia: não fornecer mais o carregador de 5W (USB-A) e os fones de ouvido EarPods na embalagem do iPhone 12, que precisariam ser adquiridos separadamente, deixando apenas um cabo USB-C para Lightning na caixinha. Cortando os custos com os acessórios a Apple espera deixar o iPhone 12 em valor equiparável ao iPhone 12 que, em contrapartida, deve terá componentes de alto valor como os usados para a conexão 5G. A medida também visa reduzir custos com frete, já que o tamanho e peso da embalagem estariam menores, além de contribuir para o meio-ambiente. -Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.- Apple também quer reduzir tamanho e peso da embalagem do iPhone para cortar custos (Imagem: Reprodução) Carregador de 18W também está na fila de cortes Ming-Chi Kuo revela ainda que os modelos de 18W, que acompanha os iPhone 11 Pro e 11 Pro Max também deixariam de ser produzidos pela maçã a favor do novo carregador de 20W. Caso a previsão se concretize, apenas o iPhone 12 Pro viria com o acessório já na caixa, enquanto as versões mais básicas do smartphones não teriam nenhum incluso. Resta agora esperar o reflexo dessa estratégia aqui no Brasil, onde o carregador simples de 5W custa R$150 e o de 18W R$219. Nos Estados Unidos é possível adquirir o EarPods mais a versão mais potente do carregador por aproximadamente US$60, em torno de R$ 330 em conversão direta. Ou seja, além de um aparelho com preço bem salgado o consumidor interessado ainda terá de desembolsar um valor a mais para poder ter os acessórios oficiais da maçã. iPhone 12: tudo o que podemos esperar dos próximos lançamentos da Apple A próxima geração dos iPhones são aguardados para setembro, porém com o surto do novo coronavírus (SARS-CoV-2) impedindo o desenvolvimento do smartphone, não se descarta a possibilidade de um atraso do lançamento do iPhone 12 em um mês. É esperado que a Apple revele quatro variantes do smartphone: iPhone 12, iPhone 12 Max, iPhone 12 Pro e o 12 Pro Max, mais poderoso entre eles. Conte-nos abaixo a sua opinião sobre essa possível decisão polêmica da Apple! Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Starbucks pausa anúncios em Facebook, Twitter e Instagram contra o discurso de ódio

G1 Economia Empresa irá "realizar discussões internas e com parceiros de mídia e organizações de direitos civis para impedir a disseminação do discurso de ódio" Logo da rede de cafeterias Starbucks Reuters O Starbucks irá pausar seus anúncios publicitários em todas as plataformas de mídias sociais enquanto tenta da melhor maneira ajudar a impedir a disseminação do discurso de ódio, disse a empresa em comunicado neste domingo (28). A empresa irá "realizar discussões internas e com parceiros de mídia e organizações de direitos civis para impedir a disseminação do discurso de ódio", afirmou o comunicado. Coca-Cola anuncia pausa por 30 dias em anúncios em Facebook e Twitter Unilever suspende publicidade nos EUA por Facebook, Twitter e Instagram Uma reportagem da CNBC neste domingo acrescentou que essa pausa nas redes sociais do Starbucks não incluirá o YouTube, de propriedade do Google. E a empresa continuará publicando nas mídias sociais, mas sem posts pagos. A reportagem também diz que, embora o Starbucks esteja pausando a publicidade, não irá participar da campanha de boicote "Stop Hate For Profit" , que começou no início deste mês. Mais de 160 empresas, incluindo a Verizon e a Unilever, assinaram a campanha para parar de comprar anúncios no Facebook, a maior plataforma de mídia social do mundo. Facebook e Instagram removem vídeo publicado por Bolsonaro R$ 39 bilhões Após uma série de empresas suspenderem seus anúncios nas redes sociais, as ações do Facebook tiveram uma queda de 8,3% na última sexta-feira (26), uma perda de US$ 56 bilhões (R$ 306,8 bilhões) do valor de mercado da empresa. Segundo a agência Bloomberg, com essa desvalorização, o presidente da companhia, Mark Zuckerberg, viu sua riqueza pessoal recuar US$ 7,2 bilhões (R$ 39,4 bilhões). A medida das marcas é um marco importante na escalada de esforços dos anunciantes para que as companhias tecnológicas adotem mudanças em relação ao conteúdo publicado nas redes. A iniciativa quer que sejam feitos mais esforços para impedir o discurso de ódio. Fundador do Facebook, Mark Zuckerberg disse que plataforma vai evitar moderar o debate político GETTY IMAGES/BBC Como resposta à pressão dos anunciantes, o Facebook anunciou também na sexta que começará a marcar postagens com discurso político que violem suas regras e tomará outras medidas para evitar a repressão a eleitores e proteger minorias contra abusos. O Facebook declarou que não toma decisões políticas por causa da pressão das receitas, e um porta-voz disse que as mudanças são uma decorrência do compromisso feito por Zuckerberg de se preparar para as próximas eleições. * (com informações da agência Reuters e do jornal Valor Econômico) Veja Mais

Ministro do STF suspende processos que discutem correção de débitos trabalhistas

O Tempo - Política Decisão de Gilmar Mendes atende a um pedido de liminar requerido pela Confederação Nacional do Sistema Financeiro Veja Mais

Análise | Logitech G PRO X é o teclado ideal para quem quer apenas jogar

canaltech Periféricos gamers são, por via de regra, produtos almejados pelos jogadores para tornar a jogatina mais confortável, competitiva e, por que não, mais atraente, por assim dizer. O design, os retoques e todas aquelas cores chamam a atenção dos clientes, que sempre estão de olho no que esses dispositivos são capazes de fazer. Quando vamos para os teclados, a coisa fica ainda mais interessante, pois são esses produtos que, em um setup, acabam chamando mais a atenção. Mais do que isso, em conjunto com o mouse, o teclado é onde os jogadores passam mais tempo com as mãos. Geralmente, são dispositivos grandes e pesados, o que por vezes acaba tornando a tarefa de encontrar um modelo ideal ainda mais complicada. Lançado em 2020, o Logitech G Pro X é um teclado que foi pensado com um único propósito: jogar. Com um design Tenkeyless, ou seja, sem as teclas numéricas da direita, ele se torna uma opção para lá de vantajosa, principalmente para setups com pouco espaço. -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- Leia também: Logitech lança StreamCam Plus, nova câmera voltada para lives em redes sociais Seus switches mecânicos são os novíssimos GX Blue Clicky, e são eles que acabam brilhando mais (com o perdão do trocadilho), pois proporcionam uma jogabilidade muito precise e veloz quando necessário. Robusto e discreto Algo que impressiona no Logitech G Pro X é sua robustez. Mesmo não sendo muito pesado (são cerca de 1,3kg), ele passa uma sensação de durabilidade como poucos modelos no mercado brasileiro. Em seu uso normal, mesmo quando precisamos apertar quaisquer teclas repetidamente, em momento algum o produto pareceu frágil, o que trouxe ainda mais segurança para a jogatina. Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech E por falar em teclas, o Logitech G Pro X conta com os novos switches mecânicos da marca, o GX Blue Clicky. Durante o uso, percebe-se o esmero da empresa com esse recurso, já que é uma delícia pressionar esses switches, além de ouvir o barulhinho característico. Para jogadores mais veteranos e que fazem questão de um teclado mecânico, o desempenho mostrado por esse modelo da Logitech é digno de elogios. Porém, algo que pode incomodar, sobretudo pessoas com braços e mãos grandes, é que o teclado é bem compacto. Ou seja, você deve posicioná-lo de modo que seu punho não fique desconfortável depois de tantas horas jogando. Por ser pensado para profissionais, o G Pro X não vem com as teclas numéricas, e sua base é mínima – para não dizer inexistente. Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech Sendo assim, por mais compacto e robusto que ele seja, seu tamanho menor pode ser um incômodo para algumas pessoas. De fato, ele não é para todos. Pensado nos detalhes Algo que também agradou no G Pro X e que escancara seu foco nos jogadores profissionais é o botão “Modo de Jogo”. Com ele, podemos selecionar quais teclas não funcionarão enquanto estamos jogando. Por meio do software GHub, selecionamos os botões e, quando ativamos o modo por meio de um outro botão, localizado na parte superior do teclado, podemos jogar sem medo de esbarrar em determinadas teclas. Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech Esse nível de personalização também pode ser visto para as demais funções do teclado, e aqui vai outro destaque: o aplicativo GHub. Geralmente, todos os periféricos gamers trazem consigo uma plataforma para personalizações e demais configurações e com o G Pro X não é diferente. O que muda aqui é que a interface do GHub é muito amigável e clara, proporcionando uma facilidade imensa para personalizarmos as cores da retroiluminação RGB, macros, funções de teclas, atalhos, ações, entre outras coisas. Além disso, é possível criar perfis dentro do programa e já deixar tudo predefinido, bem como sincronizar os efeitos com outros periféricos da marca que também são compatíveis. Não é bom para o trabalho A menos que você resida nos Estados Unidos ou demais países que utilizam o padrão americano, não é uma tarefa simples trabalhar com o G Pro X. E aqui vai uma crítica: pelo preço que ele custa, bem que a Logitech poderia ter pensado em deixá-lo no padrão ABNT, assim como fez com seu irmão de linha, o G512 Brown GX ABNT2. Imagem: Felipe Ribeiro/ Canaltech Tudo bem que é possível se acostumar com a nova padronização e o teclado tem como objetivo escancarado atingir um público profissional, mas posicionar um produto, ainda mais no Brasil, exige criatividade e só faria bem à Logitech adaptar este modelo para o nosso padrão de teclas. Em termos de experiência, não muda quase nada. Mas fica o adendo. Ficha Técnica Logitech G Pro X Requisitos do sistema Porta USB Windows 7 ou posterior, mac OS 10.11 ou posterior Acesso à Internet para download de software (Opcional) Conteúdo da embalagem Teclado PRO X com switches GX Blue Clicky Cabo de dados Extrator de teclas e switches Documentação do usuário Garantia de 2 anos do fabricante Dimensões do teclado Comprimento: 153 mm Largura: 360,5 mm Altura: 34,3 mm Comprimento do cabo: 1.8 m Recursos Teclas mecânicas com switches GX Blue Clicky Compacto, durável, ultra-portátil, e com design tenkeyless Iluminação RGB LIGHTSYNC com memória integrada para gravar o padrão de iluminação para torneios Cabo micro USB removível para fácil transporte Três níveis de altura para maior conforto Especificações do teclado Inspirado no design tenkeyless profissional. Switches mecânicos GX Blue Clicky. Iluminação RGB LIGHTSYNC. Perfil integrado para armazenamento de iluminação 12 teclas FN programáveis. Taxa de transmissão de 1 ms Veredicto Jogar com o Logitech G Pro X é tarefa fácil. O teclado é robusto, resistente, confortável, possui switches velozes e duráveis e cabe em praticamente qualquer setup. O preço, um pouco salgado, pode afastar jogadores casuais ou aqueles que gostam de ter apenas um teclado para jogar e trabalhar. Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Logitech G Pro X Mesmo sendo “rústico”, tem uma infinidade de opções de personalização para a retroiluminação e mapeamento dos botões e funções. O modo de jogo, aliás, é uma feature importantíssima e de extrema utilidade, principalmente quando pensamos em um usuário competitivo. Se sua ideia é apenas ter um produto para a jogatina, o Logitech G Pro X é o ideal. O Logitech G Pro X pode ser encontrado pelo preço sugerido de R$ 649,90. A análise do Logitech G Pro X foi feita com um exemplar gentilmente cedido pela Logitech ao Canaltech. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

"JESUS É SONHO IMPOSSÍVEL": Jornal português descarta retorno ao Benfica

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Benfica #Flamengo #JorgeJesus Veja Mais

Atores brancos deixarão de dublar personagens de outras etnias em 'Os Simpsons'

G1 Pop & Arte Apu, o médico Dr. Hibbert e Carl Carlson, amigo do protagonista Homer Simpson devem ganhar novos dubladores. Decisão acompanha as manifestações após a morte de George Floyd. 'Os Simpsons' enfrenta acusações de racismo envolvendo personagem indiano Apu Divulgação Em comunicado divulgado nesta sexta-feira (26) os produtores da animação "Os Simpsons" informaram que atores brancos deixarão de dublar personagens de outras etnias e que o elenco será reformulado. A decisão foi tomada após outras séries de animação como "Family Guy", "Central Park" e "Big Mounth" anunciarem mudanças no elenco, pressionadas pelas manifestações Black Lives Matter, após o assassinato de George Floyd em Minneapolis nos Estados Unidos. No comunicado os produtores afirmam que “dando um passo em frente, os Simpsons deixarão de ter atores brancos a dar voz a personagens de cor” Há cerca de 5 meses o personagem de Apu Nahasapeemapetilon — dono de um supermercado e de origem indiana, dublado pelo ator branco Hank Azaria desde o começo da série — um dos mais problemáticos da série por representar indianos de uma maneira estereotipada deixou de aparecer nos novos episódios da produção. O ator que dublava o personagem decidiu abandonar a animação após o lançamento do documentário "O problema com Abu" de 2017, no qual o ator e comediante de origem indiana Hari Kondabolu denuncia os estereótipos associados ao personagem, começando por seu sotaque carregado. Além do Apu, o médico Dr. Hibbert e Carl Carlson, amigo do protagonista Homer Simpson também devem ganhar novos dubladores. Veja Mais

Games no iPadOS 14 poderão ser jogados com teclado e mouse

Games no iPadOS 14 poderão ser jogados com teclado e mouse

Tecmundo O iPadOS 14 finalmente permitirá que donos de iPad aproveitem jogos na plataforma com mouse e teclado. Em uma sessão especial para desenvolvedores, a Apple informou que produtores de games para iPadOS poderão permitir que seus jogos sejam aproveitados com os periféricos convencionais através de um framework.Com acesso a controles convencionais, o iPad se torna uma plataforma ainda melhor para games. O aparelho ocupa uma posição única no mercado mobile, já que tem acesso a todo catálogo de jogos da App Store e títulos exclusivos do Apple Arcade.Leia mais... Veja Mais

TikTok: saiba como remover um filtro ou efeito de um vídeo

TikTok: saiba como remover um filtro ou efeito de um vídeo

Tecmundo Para quem gosta de fazer vídeos rápidos e usar diversos filtros, o aplicativo TikTok pode ser uma boa opção para trazer maior descontração ao dia a dia. Com a possibilidade de criar, capturar e compartilhar momentos com muita criatividade, a aplicação para smartphones viralizou primeiramente na China, seu país de origem, mas se tornou popular no Brasil recentemente.O que torna esse aplicativo mais interessante é a quantidade de filtros e efeitos que podem ser adicionados aos vídeos. Neste artigo você aprenderá como remover aquele filtro que não gostou ou que não combinou muito com a sua gravação.Leia mais... Veja Mais

Trump apaga vídeo em que apoiador grita lema de supremacistas brancos

O Tempo - Mundo Após repercussão, presidente americano excluiu postagem em que homem aparece gritando 'white power', que significa, na tradução literal, 'poder branco' Veja Mais

Boeing 737 MAX realizará voos de teste para certificação nesta semana

O Tempo - Mundo Aeronaves permanecem em solo há 15 meses, desde os dois acidentes que resultaram na morte de 346 pessoas e provocaram o maior golpe na reputação da fabricante de aviões Veja Mais

Rodrigo Maia diz que fica feliz por 75% dos brasileiros apoiarem a democracia

O Tempo - Política Presidente da Câmara dos Deputados comentou pesquisa Datafolha que mostrou que três quartos da população são a favor do regime democrático Veja Mais

COVID-19 | NASA desenvolve colar que ajuda a lembrar de não tocar o rosto

canaltech Às vezes, a gente só percebe a quantidade de vezes que tocamos nosso rosto quando ele está machucado, como com um nariz pós-operado ou um olho irritado, por exemplo. Esse hábito bastante comum do ser humano precisa ser evitado ao máximo neste momento de pandemia, pois se tocarmos em alguma superfície em que esteja o coronavírus e, logo após, levarmos as mãos ao rosto, poderemos nos contrair a doença. Para ajudar a controlar esse hábito, a NASA divulgou gratuitamente as instruções de código aberto para a impressão de um colar desenvolvido especialmente para evitar essa prática. Batizado de Pulse, o acessório foi projetado por três engenheiros do laboratório Jet Propulsion Lab, que trabalha com pesquisa e desenvolvimento da agência espacial norte-americana. Imagem: Reprodução/Pulse O colar possui um sensor de proximidade de alcance de 12 polegadas que é ativado toda vez que a pessoa começa a levar as mãos ao rosto, emitindo uma vibração. Quanto mais perto a mão se aproxima do rosto, mais intensas ficam as vibrações. De acordo com a NASA, o objeto foi criado especialmente para evitar a propagação do novo coronavírus. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- Todas as instruções necessários para a impressão 3D do acessório estão disponíveis sem custo neste link, com montagem fácil e acessível. A NASA alerta, no entanto, que o Pulse não deve ser usado como um substituto de máscaras, mas sim como uma adição à prevenção da COVID-19, juntamente à higienização das mãos. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Partido de Emmanuel Macron é derrotado nas eleições municipais francesas

O Tempo - Mundo O República em Marcha (LREM), legenda do governo, perdeu em todas as grandes cidades da França; em Paris, a socialista Anne Hidalgo teve 50% dos votos, enquanto a candidata apoiada pelo presidente ficou em terceiro lugar Veja Mais

TikTok: como aumentar o tempo de gravação dos vídeos

canaltech Faz algum tempo que o TikTok permite gravar vídeos que vão além do limite de tempo originalmente estipulado pela plataforma, de 15 segundos. O novo limite vai até 60 segundos, mas é possível configurar o temporizador para que ele pare a qualquer momento. Challenges do TikTok: 7 dicas para você cumprir os desafios da rede social Como fazer efeitos de transição em vídeos do TikTok Como fazer duetos no TikTok A maneira mais simples de postar um vídeo com mais de 15 segundos no TikTok consiste em fazer o upload de um vídeo que tenha, no máximo, 1 minuto. No entanto, também é possível configurar o aplicativo para que os seus vídeos tenham maior duração mesmo quando gravados através dele. Veja a seguir. TikTok: como gravar vídeos mais longos no aplicativo Primeiro, abra o TikTok (Android | iOS) e toque em “+” para começar a criar o seu vídeo. -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- Depois, na barra inferior da tela criação do TikTok, basta arrastar a opção “15s” para a direita, até que os “60s” sejam selecionados. Agora, é só gravar o seu vídeo normalmente. Você também pode tocar em “Temporizador”, do lado direito da tela, para gravar o vídeo sem usar as mãos e configurá-lo para encerrar antes dos 60 segundos. Vale lembrar que você também pode usar a opção para dublar áudios no TikTok com mais de 60 segundos. Para isso, é só tocar no ícone de disco, no canto inferior direito de um vídeo e selecionar a opção “Usar este som”. Você sabia que os vídeos do TikTok não precisavam mais ser tão curtos? O que acha dessa atualização? Conte pra gente nos comentários. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Em caso semelhante ao de George Floyd, argentino morre asfixiado ao ser detido

O Tempo - Mundo Homem foi abordado por policiais na província de Tucumán diante de dezenas de testemunhas, que disseram que vítima teve pescoço pressionado contra o chão Veja Mais

Mercado Cinza: 4 mil celulares são apreendidos pela Receita em SP

Mercado Cinza: 4 mil celulares são apreendidos pela Receita em SP

Tecmundo A Receita Federal apreendeu cerca de 4 mil celulares na cidade de São Paulo, ontem (25), em uma operação conjunta com a prefeitura da capital paulista. A ação tinha como alvos os shoppings populares que funcionam na região central da cidade.Batizada como “De onde fala”, em referência à expressão utilizada ao atender uma ligação sem saber a origem da chamada, a operação deflagrada pela Divisão de Vigilância e Repressão ao Contrabando e Descaminho (Direp) foi realizada com a finalidade de impedir a comercialização de smartphones novos e sem origem lícita, famoso "mercado cinza".Leia mais... Veja Mais

Com histórico de acidentes, Boeing 737 MAX fará voos de teste para certificação a partir de segunda-feira

G1 Economia Aeronaves estavam proibidas de voar desde março de 2019, depois que acidentes mataram 346 pessoas na Etiópia e na Indonésia. Aviões modelo Boeing 737 MAX 8 estacionados em depósito de aeronaves do aeroporto de Victorville, na Califórnia Mike Blake/Reuters Pilotos e tripulantes da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos e da Boeing estão programados para iniciar uma campanha de teste de certificação com duração de três dias para o 737 MAX começando na segunda-feira (29). A Administração Federal de Aviação confirmou os planos neste domingo (28). O teste é um momento crucial na pior crise corporativa da Boeing, já agravada pela pandemia de Covid-19, que reduziu as viagens aéreas e a demanda. Suspensão do 737 MAX pode resultar em impacto de US$ 25 bilhões para Boeing A decisão de manter no chão as aeronaves 737 MAX em março de 2019, depois que acidentes mataram 346 pessoas na Etiópia e na Indonésia, provocou ações judiciais, investigações do Congresso e do Departamento de Justiça e cortou uma fonte importante de renda da Boeing. Depois de um briefing pré-vôo por várias horas, a tripulação embarcará em um 737 MAX 7 com equipamento de teste no Boeing Field, perto de Seattle, disse uma das pessoas. Boeing decide suspender produção do modelo 737 MAX a partir de janeiro Mensagens de funcionários da Boeing criticam insegurança do 737 MAX A equipe executará metodicamente alguns cenários roteirizados no ar, como curvas acentuadas e também manobras mais extremas em uma rota principalmente sobre o Estado de Washington. O plano ao longo de pelo menos três dias pode incluir aterrissagens no aeroporto da região leste de Washington, em Moses Lake, e uma rota ao longo da costa do Oceano Pacífico, ajustando o plano de vôo e o tempo necessário para o clima e outros fatores, disse uma das fontes. Os pilotos também acionarão intencionalmente o agora reprogramado sistema de características de manobra, conhecido como MCAS, que falhou nos dois acidentes aéreos. Veja Mais

REDUÇÕES SALARIAIS CAUSAM INCÔMODO NO SÃO PAULO! "Fox Sports Rádio" debate

REDUÇÕES SALARIAIS CAUSAM INCÔMODO NO SÃO PAULO!

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #SãoPaulo #Tricolor #FoxSportsRádio Veja Mais

SOB PROTESTOS, BOTAFOGO GOLEIA NO CARIOCA! "Fox Sports Rádio" debate vitória por 6 a 2

SOB PROTESTOS, BOTAFOGO GOLEIA NO CARIOCA!

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Botafogo #Cabofriense #CampeonatoCarioca Veja Mais

JOGOS NO RIO DE JANEIRO COM PÚBLICO; Nossa equipe debate a decisão! | FOX Sports Rádio

JOGOS NO RIO DE JANEIRO COM PÚBLICO; Nossa equipe debate a decisão! | FOX Sports Rádio

Fox Sports Brasil Prefeitura libera clubes de terem partidas com 1/3 da capacidade a partir do dia 10 de julho. Nossa equipe do FOX Sports Rádio debate essa decisão! Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Torcida #Flamengo #CampeonatoCarioca Veja Mais

"OU BEBEU OU ESTÁ DROGADO"; Vice do Flamengo detona ex-técnico | FOX Sports Rádio

Fox Sports Brasil BAP detona Abel Braga sobre sua passagem pelo Rubro-negro e frases ditas em coletivas. Pascoal rebate as declarações do BAP: "Deselegante, descortês, fora de propósito!" Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Flamengo #AbelBraga #BAP Veja Mais

Manifestação contra Bolsonaro lembra mortes por Covid-19 e instala cruzes no DF

O Tempo - Política Junto aos objetos, havia uma faixa crítica ao presidente, que estampava: "mais de 50 mil mortos. Bolsonaro, pare de negar" Veja Mais

Microsoft e Harvard analisam dados sem comprometer privacidade de usuários

Microsoft e Harvard analisam dados sem comprometer privacidade de usuários

Tecmundo Em colaboração com a iniciativa OpenDP, da universidade Harvard, a Microsoft desenvolveu uma plataforma de código aberto para privacidade diferencial. Trata-se de uma tecnologia cujo objetivo é gerar informações úteis através de dados sem ferir a privacidade dos usuários.A parceria para o desenvolvimento do projeto foi anunciada no ano passado e finalmente ele será disponibilizado para o público através de uma licença livre de royalties para a Microsoft. Com a privacidade diferencial, pesquisadores e cientistas podem extrair importantes informações de um grande volume de dados não rastreáveis.Leia mais... Veja Mais

Oito perguntas sobre: open banking!

canaltech Já há algum tempo, tem se falado muito sobre a chegada do open banking ao Brasil, mas poucas pessoas, de fato, conseguem visualizar o que esse novo padrão trará ao sistema bancário brasileiro. Mas o fato é que não demorará muito para que ele comece a influenciar no cotidiano financeiro do país. Isso porque, no último 1º de maio, o Conselho Monetário Nacional (CMN) e o Banco Central (BC) regulamentaram o open banking no Brasil. Sua implementação começará no dia 30 de novembro deste ano e, ao longo de quatro etapas, ela será concluída em outubro de 2021. E, para finalmente deixar mais claro para você o que é o open banking e como ele entrará no seu dia a dia, esta nova edição do "Oito perguntas sobre..." conversou com dois especialistas no assunto: Leo Monte, diretor de inovação da Sinqia, uma fintech especializada em tecnologias financeiras; e Renato Terzi, CEO da GR1D, startup que desenvolve soluções tecnológicas para áreas de Finaças e Seguros. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- Oito perguntas sobre: criptomoedas! Oito perguntas sobre: lawtechs! Oito perguntas sobre: Inteligência Artificial na América Latina Oito perguntas sobre: bike nas ruas! Confira como foi o papo logo abaixo: Canaltech- Falando de uma forma prática: o que é o open banking e como ele influenciará a vida bancária do brasileiro? Leo Monte: Para entender o conceito de Open Banking é preciso pensar na lógica de quem é detentor das informações dos consumidores. Historicamente, o mercado financeiro sempre funcionou da mesma forma: o usuário abre sua conta e todas as transações são realizadas dentro desta mesma empresa, mantendo todas as suas informações em posse desta instituição. Isto limita as oportunidades, aumenta as barreiras e direciona os produtos financeiros pela ótica da empresa, limitando preço, modo de oferta e operacionalização. O Open Banking, ou Sistema Financeiro Aberto, surge para quebrar este paradigma. Ele parte da premissa que as informações financeiras dos usuários pertencem a eles e não às instituições. Com isso, permite - desde que haja autorização do usuário - o compartilhamento de seus dados e suas movimentações financeiras, além de utilização de produtos e realização de serviços entre as instituições reguladas pelo Banco Central. Esse contexto abre um leque infinito de possibilidades, desde serviços a novos modelos de negócios que serão criados a partir da iniciativa e da convergência de tecnologias que estão surgindo. Renato Terzi: Essa mudança tem um enorme efeito em produtos que exijam precificação com informações, tais como créditos, financiamentos e seguros. Além disso, permite a uma grande quantidade de empresas (não necessariamente bancos) que iniciem pagamentos, de modo a facilitar as transações financeiras dos clientes. CT - Que serviços ficarão facilitados - ou eliminados - a partir da adoção do open banking no dia a dia do correntista brasileiro? L.M.: Por conta dessa lógica dos dados, atualmente os serviços ainda são vendidos de forma vertical, ou seja, estão limitados à estrutura e funcionalidade de cada instituição financeira. Com o cenário do open banking vamos experienciar uma horizontalidade nos serviços. Para citar um exemplo, com os dados dos consumidores abertos para instituições variadas, podemos experimentar novas formas de escoragem de crédito, baseadas em dados de saúde, por exemplo, não apenas no seu comportamento financeiro. Além disso, as instituições financeiras passem a se concentrar mais em suas operações principais,o que possibilita que outras empresas tenham acesso às suas interfaces e desenvolvam novos produtos a partir disso. Esse é também é o cenário para o surgimento dos bancos exponenciais. Resultado da convergência de diversas tecnologias emergentes e do avanço da computação quântica, esse novo conceito de banco voltado completamente para o cliente, como objetivo utilizar os gigantescos bancos de dados para criar uma nova gama de serviços financeiros e democratizá-los, por meio da tecnologia. Leo Monte - diretor de inovação da Sinqia R.T.: A cotação e precificação de produtos que exigem análise de risco serão bastante facilitados, pois o cliente poderá permitir que a candidata a lhe prestar serviço tenha acesso a dados que, hoje, não tem. Uma operação que terá sua função reduzida será a do Cadastro Positivo, que fornece apenas um parecer binário sobre o histórico de cumprimento dos compromissos financeiros. Com o open banking, uma grande quantidade de dados – dos 12 meses anteriores – estarão disponíveis para análise. CT - O custo dos serviços bancários e do crédito tendem a diminuir com a entrada do open banking em nosso sistema bancário? L.M.: Não é uma certeza, mas é bem provável que haja um cenário positivo em termos de custos para os consumidores, já que existe uma tendência a um aumento da competitividade do mercado e a possibilidade de realizar a comparação das contas de diferentes instituições e seus respectivos produtos financeiros. Desta forma, a proposta é que o usuário ter a visão de toda a sua vida financeira em um só lugar e com acesso aos produtos mais adequados ao seu perfil e com taxas mais atrativas. R.T.: O open banking tem a capacidade de permitir que novos entrantes ou pequenos operadores precifiquem os riscos dos clientes com informação muito semelhante àquela que os atuais bancos do cliente têm. Isso reduz o risco das operações e deve aumentar o número de empresas oferecendo serviços, reduzindo os custos de todos os produtos, em especial dos que exijam precificação baseada em análise de dados pregressos (crédito, seguros, garantias etc.). CT - O WhatsApp liberou na última semana o seu sistema de pagamentos*, bem como o Banco Central regulamentou oficialmente a PIX. Esses sistemas de pagamentos instantâneos estão, de alguma forma, relacionadas ao open banking? Se sim, como? L.M.: Tanto o PIX como os pagamentos via Whatsapp são tecnologias que poderão ser incorporadas ao sistema do Open Banking convergindo em novas oportunidades de negócios e serviços. Nesse contexto, o Whatsapp pode representar um marco importante pela questão da democratização desses serviços, visto que o aplicativo já é amplamente utilizado por mais de 120 milhões de pessoas no Brasil. A funcionalidade também pode indicar um movimento da empresa na oferta de multi serviços, à exemplo do que acontece com o Wechat na China. Os SuperApps são uma grande tendência que deve vir com o Open Banking, já que com os dados abertos crescerá a necessidade de gerenciamento de diferentes contas de diferentes instituições. R.T.: Sim. A regulamentação do open banking organiza a forma como empresas poderão iniciar o Pagamento Instantâneo, sem que isso tenha de ser feito pelo cliente. De forma simples, o restaurante em que o cliente almoçou poderá iniciar o pagamento, enviando uma mensagem para a instituição financeira do cliente que, por sua vez, vai pedir uma confirmação imediata a esse correntista, para que o pagamento seja finalizado. Isso facilita a operação, fazendo com que o cliente tenha apenas de se identificar, o que poderá ser feito por um número de telefone, um endereço de e-mail, o CPF ou um QR Code, sem que seja necessário agir para iniciar o pagamento, apresentar o cartão ou se lembrar de banco, agência e conta. *Nota da redação: na última semana, o WhatsApp Pay, sistema de pagamentos do WhatsApp, teve sua operação suspensa tanto pelo Banco Central, quando pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Ambos analisarão se oferece riscos à livre concorrência. Logo, ela não tem prazo para voltar a funcionar. Saiba mais aqui. CT - Como será a adoção do open banking entre as grandes e pequenas instituições, além das fintechs? Quem está mais preparada para se adaptar a esse cenário? L.M.: Do ponto de vista das grandes instituições financeiras, acredito que Open Banking pode ser visto como uma grande oportunidade de acelerar a inovação, melhorar a experiência de seus clientes e ampliar suas fontes de receita. Se hoje um grande bancos está limitado à venda de seguros a seus correntistas, por exemplo, com o novo sistema, estará disponível para quantas outras instituições quiser, com acesso aos correntistas das mesmas e mais. Pelo lado das fintechs, é uma oportunidade de oferecer produtos para uma base muito maior de consumidores, compartilhando suas ofertas com a de grandes instituições financeiras. Não acredito em que exista alguma vantagem competitiva em nenhum dos lados dessa corrida, mas sim um ambiente de convergência de tecnologias, uma troca, que virá em benefício dos consumidores e do mercado, com múltiplas oportunidades de negócio. R.T.: O open banking pode ser adotado por todos que enxergarem valor nele, sendo essa a sua maior fortaleza – igualar instituições de dimensões muito diferentes. Algumas poderão ter mais dificuldades em função da necessária organização de seus sistemas e bancos de dados legados e outras, talvez, tenham mais facilidade por ter seu público alvo já concentrado em uma faixa mais tecnológica da população ou por ter sistemas novos, mais fáceis de se adequar. Renato Terzi - CEO ds GR1D CT - O Brasil, hoje, vive um cenário econômico delicado, ampliado pela pandemia da COVID-19. A entrada do open banking nesse momento é algo positivo? L.M.: Com certeza. Em meio a tantas más notícias, acredito que a chegada e a manutenção do cronograma de regulamentação é um movimento positivo para o mercado brasileiro. Nesse cenário de retração econômica, as pequenas empresas, que são as grandes responsáveis pela criação dos empregos, são as primeiras a quebrar. Uma das grandes dificuldades para a obtenção de crédito é a perda de confiança na capacidade de pagamento. As instituições financeiras, que também são afetadas pela crise, ficam mais receosas com a inadimplência e, na falta de informações mais precisas, preferem não arriscar. A chegada do Open Banking permite uma rica troca de dados em tempo real que proporciona uma avaliação mais rápida e precisa sobre a saúde financeira de um negócio. Com o novo sistema, é possível conhecer a saúde de um negócio, seu nível de liquidez bem como seus fluxos de caixa. Desta forma, o Open Banking se torna uma ferramenta vital para garantir que as empresas possam mitigar os riscos criados durante a pandemia e fornecer de maneira eficiente uma recuperação econômica robusta. R.T.: À medida que o open banking consiga, efetivamente, democratizar o acesso de empresas aos clientes e o acesso de clientes a mais produtos e serviços, então haverá uma efetiva redução de custos para o cliente, em especial para produtos que serão muito demandados no futuro próximo, de crédito e financiamentos. O open banking surge em um ótimo momento para ajudar o consumidor brasileiro a passar por um dos momentos mais difíceis de nossa história. CT - Já existe algum país que pode ser considerado um case de referência na adoção do open banking? L.M.: Podemos considerar a Europa como o berço do Open Banking no mundo, com 279 terceiros registrados até março deste ano para prestar serviços junto a alguma autoridade nacional competente do continente. O Reino Unido lidera na produção de iniciativas com 129 empreendimentos, ou 46% dos casos. A Alemanha segue no segundo posto com 35 ou 12,5% dos registros, logo à frente da Suécia, com 24 ou 8,6%. Mas existem iniciativas em outros continentes como em Singapura, que liberou a política de APIs, que serviu de base para os padrões de comunicação, a serem utilizados no Open Banking em 2016. Austrália e Hong Kong também têm se destacado com iniciativas e celeridade no processo de implementação do sistema. R.T.: Há diversos casos mais maduros, embora não muito mais do que dois ou três anos à frente. Mais do que ser referência, são exemplos do que dá certo e do que deu errado. Vimos o crescimento desordenado nos EUA, não permitindo uma cobertura mais ampla do open banking. No Reino Unido, a falta de regulamentação inicial sobre UX quase colocou o projeto todo em risco. O Banco Central brasileiro está atento e aprendendo com essas experiências. CT - A adoção do Open Banking envolve o uso de APIs e esse conjunto de instruções que conecta um sistema ao outro pode ser um alvo de cibercriminosos. Como se vem trabalhando a questão de segurança nesse ambiente? L.M.: A segurança com certeza é um dos pontos mais levantados quando falamos em Open Banking. O Brasil é possui um dos sistemas bancários mais seguros do mundo e o que vemos é que o País vem adotando os mesmos passos que países que foram bem sucedidos considerando uma padronização tecnológica, o faseamento na implementação, e a necessidade do consentimento do usuário para compartilhamento dos dados. É claro que novos sistemas podem encorajar novos golpes, mas do ponto de vista da estrutura todo o processo é completamente seguro. R.T.: O risco de crimes cibernéticos sempre existirá. O uso de APIs confere mais segurança para o processo, pois são sessões monitoradas e reguladas e a arquitetura de sistemas baseado no consumo de APIs tende a ser mais seguro do que nas interações desenhadas P2P. Seguramente, os criminosos continuarão a inovar nas formas e esforços para quebra de segurança. Por enquanto, os demais caminhos de acesso aos sistemas legados tendem a ser mais frágeis do que as integrações por APIs. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Vivaldi para Android | Navegador completo, leve e adaptável [análise]

canaltech Ainda distante de ser o primeiro nome lembrado por quem busca uma alternativa aos principais navegadores do mercado, o Vivaldi vem conquistando seu espaço com muita competência graças à variedade de recursos e dedicação ao usuário que apresenta. O navegador, criado Jon von Tetzchner, ex-presidente da empresa responsável pelo navegador Opera, o aplicativo tem uma versão mobile que faz jus a todo o hype que recebe a versão de desktop, oferecendo uma experiência de uso muito qualificada e repleta de personalização. Ficou curioso para saber mais? Confira agora a nossa análise completa deste que é um dos melhores navegadores mobile da atualidade. Este é mais um artigo da série de análises de navegadores aqui do Canaltech. Tem uma sugestão sobre qual navegador deveríamos avaliar na sequência? Conte nos comentários ao final do texto. -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- Ficha técnica Vivaldi Browser (Android) Versão: 3.1.1935.19 Testado no Android 9 Tela inicial do Vivaldi no Android (Imagem: Douglas Ciriaco/Canaltech) Destaques positivos Visual totalmente personalizável Gerenciador de senhas Sincroniza com outros dispositivos Tema escuro avançado (força páginas para adotá-lo também) Visual se adapta à cor do site visitado Definições de privacidade bem acessíveis Atalhos rápidos para copiar, colar e compartilhar links Destaque negativo Não tem opção “abrir no aplicativo” como outros navegadores Do jeito que você quiser De longe, o maior destaque do Vivaldi é a capacidade de personalização que ele oferece. Se você já usou o mesmo navegador em um computador, deve saber que é possível alterar diversos aspecto do navegador, especialmente do ponto de vista de interface, mas também em relação a funcionalidades. O aplicativo permite, por exemplo, ativar gestos para encerrar abas abertas e usar a exibição das páginas no modo desktop como padrão. Quando falamos de mudanças visuais, a coisa vai ainda mais longe: além de um tema escuro completo (com direito a forçar páginas da web para eu também fique com fundo preto), no tema claro a barra superior do app assume a cor predominanten nos sites visitados — se acessar o Canaltech, por exemplo, você vai ver um tom de azul semelhante ao da nossa marca. Visual muda de cor conforme a tonalidade do site visitado (Imagem: Douglas Ciriaco/Canaltech) Isso casa muito bem com a opção de visual com abas do Vivaldi, tal qual um navegador de PC. Essa função especificamente pode ser muito útil para quem utiliza dispositivos de tela grande, como smartphones de 6,7 polegadas ou mesmo tablets (que normalmente começam com telas de 8 polegadas). Nesse caso, fica muito mais fácil alternar entre as abas abertas. Outro detalhe interessante do Vivaldi é a barra de status, presente na base do navegador. Ela traz acesso rápido para o Speed Dial (um menu de atalhos personalizáveis para páginas da web) e também botões para retroceder e avançar na navegação. Apesar de ser uma boa para telas grandes, ela pode ocupar espaço demais em aparelhos menores — mas ocultá-la é simples, então, conta mais um ponto a favor deste navegador. Privacidade na ponta do dedo Sempre com enfoque em privacidade, o Vivaldi mobile também conta com três opções básicas em relação a níveis de bloqueio: sem bloqueio, bloqueio apenas de rastreadores e bloqueio de rastreadores e de publicidade. É possível ainda criar uma lista de permissões, ou seja, de sites que não serão regidos pelo nível de bloqueio escolhido por você. Ou seja, até o nível de privacidade e como tais definições se relacionam com páginas específicas da web estão disponíveis aqui. É um cuidado interessante e que vem se tornando comum e cada vez mais útil para quem deseja (ao menos em tese) uma navegação menos observada nesse imenso Big Brother que é a web. Abas tradicionais no topo da tela e um menu para configuração rápida de privacidade (Imagem: Douglas Ciriaco/Canaltech) Controles simples De que adiantaria muitas funções se tudo estivesse oculto em menus obscuros, certo? Os criadores do Vivaldi parecem ter levado isso em conta e deram ao navegador uma organização exemplar dada a variedade de recursos da qual ele dispõe. Uma rápida rolagem pelo menu de configurações mostra acesso rápido a central de senhas do navegador, aos favoritos e a tantas funcionalidades bacanas. Podem-se destacar, por exemplo, a opção de download rápido de páginas para disponibilizá-la offline e botão de acesso às abas fechadas recentemente. Acesso rápido a um meni de compartilhamento e cópia de links (Imagem: Douglas Ciriaco/Canaltech) Aliás, o gerenciamento das abas abertas aqui é um show à parte: elas são dispostas em cards exibidos de forma panorâmica e contam com quatro botões no topo da tela. Da esquerda para a direita, eles mostram as abas normais, as anônimas, as sincronizadas com outros dispositivos e as fechadas há pouco tempo. Outro grande adianto oferecido pelo Vivaldi é uma série de controles rápidos disponíveis para facilitar cópia, colagem e compartilhamento de links. Se você toca sobre a barra da URL, ela abre um menu com opções para copiar ou compartilhar um link, e se houver alguma URl na área de transferência do Android, ela vai aparecer ali também. Multiplataforma Outro trunfo do Vivaldi é a sincronização, recurso quase indispensável para um navegador completo de fato na atualidade. Criando uma conta no aplicativo, você pode fazer login em outros dispositivos e compartilhar abas de forma rápida, mas também histórico de navegação, senhas e favoritos. Essa solução é especialmente útil para quem quer alternar entre PC e celular sem perder nada, algo que o Vivaldi oferece com primor, sem dever nada para Chrome, Opera ou Firefox. Tela inicial (Douglas Ciriaco/Canaltech) Modo escuro também nas páginas visitadas (Douglas Ciriaco/Canaltech) Menu repleto de opções, mas bem organizado (Douglas Ciriaco/Canaltech) Abas tradicionais, estilo navegador de PC, também podem aparecer por aqui (Douglas Ciriaco/Canaltech) Abas abertas exibidas de forma panorâmica (Douglas Ciriaco/Canaltech) Crie definições gerais de privacidade (Douglas Ciriaco/Canaltech) Claro ou escuro? Você escolhe (Douglas Ciriaco/Canaltech) Controle rápido de privacidade (Douglas Ciriaco/Canaltech) Vivaldi é bom? Sim, é muito bom. Sem dúvida um dos melhores à disposição na atualidade, ele tem tudo o que um navegador de peso precisa ter, sem pesar de fato em seu dispositivo. Ele flui, tem um visual excelente, pode ser personalizado em diferentes níveis e traz acesso rápido para controles de privacidade, um combo invejável e que o coloca entre os grandes navegadores do momento. Talvez ele assuste um pouco ao ser aberto pela primeira vez, dado que vem de cara mostrando barra de status e abas tradicionais estilo navegador de computador — isso, aliás, pode afastar um pouco quem não tem disposição para fuçar nas configurações assim que abre o app pela primeira vez. Mas o conjunto de boas ofertas aqui é imenso e compensa qualquer possível estranheza inicial. O Vivaldi é altamente indicado para quem quer fugir do Chrome ou do Opera Mini e está atrás de um navegador que conversa com múltiplos dispositivos e oferece diversos recursos. A ausência sentida, mesmo, é a opção de abrir no aplicativo (ideal para quando você cai em um link do YouTube ou Twitter pelo navegador, por exemplo), mas isso não tira o brilho da boa experiência geral que se tem com o app. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Donald Trump posta vídeo em que apoiador grita lema dos supremacistas brancos

O Tempo - Mundo Na gravação, manifestante a favor do presidente responde a protesto contrário com o termo "White Power" Veja Mais

Quem é o Homem-Pateta que está aterrorizando crianças pela internet

canaltech Desde a última semana, autoridades e jornais vêm veiculando alertas sobre o Homem-Pateta, um perfil cujo nome é Jonathan Galindo e que viria assustando crianças na internet e promovendo desafios que envolvem o suicídio como objetivo final. O aviso, feito inicialmente pela Polícia Civil de Santa Catarina, é para que os pais monitorem o uso da internet pelos filhos e, principalmente, com quem eles se comunicam, buscando as autoridades e auxílio psicológico caso necessário. Como evitar que conteúdos inapropriados cheguem às crianças? Como preparar as crianças para o futuro? Hackers abandonam coronavírus e escolhem outros temas para aplicar golpes O alerta publicado no dia 17 de junho foi dado pelo Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional (NIS) do Tribunal de Justiça do estado (TJSC) e teria sido publicado após avisos de pais e professores. A ideia é que os perfis que se identificam como Jonathan Galindo e utilizam imagens uma versão antropomórfica do Pateta, da Disney, surgiram em 2017 em países de língua espanhola e estão chegando apenas agora ao Brasil, buscando contato com crianças por meio de mensagens diretas ou ligações de vídeo e áudio, por onde também exibem seu conteúdo perigoso, voltado para “causar desconforto, medo e, em alguns casos, tentar provocar o suicídio”. -Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.- O aviso logo foi reproduzido em sites de notícias, principalmente naqueles focados em educação infantil, enquanto alertas semelhantes também eram dados por forças policiais de outros estados. Conforme levantamento do site e-Farsas, a Polícia Civil de Campo Grande (MS) também falou no assunto, enquanto o jornal Tribuna do Paraná também publicou reportagem sobre o caso. Entretanto, algo em comum: não existem boletins de ocorrência registrados sobre o tal Homem Pateta nem casos confirmados, enquanto as autoridades dizem estar realizando um trabalho de prevenção baseado em informações de pais e professores. A divulgação, claro, fez com que o caso ganhasse corpo. Uma pesquisa rápida no Facebook revela dezenas de perfis com o nome de Jonathan Galindo e imagens do Homem-Pateta, além de páginas que compartilham publicações sobre essa figura misteriosa e de aparência incômoda. O mesmo também vale para outras redes sociais, enquanto no YouTube, começam a surgir diversos relatos sobre encontros com essa figura e histórias de terror que, no intuito de assustar, acabam também demonstrando que a história se trata de um grande rumor. Origens Vídeo de YouTuber mexicano explorando as publicações de Jonathan Galindo é um dos primeiros registros sobre a história macabra que circula até hoje (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini) Os primeiros relatos sobre a existência de um perfil desse tipo datam de 2017. Uma publicação de 9 de janeiro daquele ano, do YouTuber mexicano Rey Del Random, fala sobre um perfil que não deixará as pessoas dormirem e faz um passeio pelas imagens perturbadoras do perfil, à época, com uma grafia diferente: Jhonatan Galindo. No momento em que essa reportagem é escrita, o vídeo acumula quase 230 mil visualizações e acabou dando origem a vários outros, com números semelhantes ou até maiores. A história, também, foi aumentando a cada postagem nova. Alguns criadores afirmam ter entrado em contato direto com Galindo, que seria uma pessoa deformada por um acidente químico — daí o uso da maquiagem inspirada no Pateta. Em outros, vinha a ideia de que ele seria um sequestrador de crianças, algo potencializado por algumas das publicações vistas por estes YouTubers, com fotos de crianças e adolescentes segurando um papel com o nome deste homem misterioso escrito. Em todos os casos, porém, algo em comum: nenhuma confirmação oficial. Uma pesquisa rápida, porém, ajuda a revelar a verdade, pelo menos, quanto às imagens utilizadas. O personagem é obra de um cineasta e artista de efeitos visuais chamado James Fazzaro e começaram a surgir na internet no final de 2011 como uma forma de demonstrar o uso de prótese e maquiagens para a criação de personagens e divulgar sua empresa, a JMF Filmworks. A criatura que ficou conhecida como Homem-Pateta, na realidade, começou sua carreira na internet como Tony the Toon em um fórum voltado à cultura furry, que reúne entusiastas da personificação de animais de forma antropomórfica, com expressões e atitudes humanas, andando em duas patas e outras características do tipo. O Homem-Pateta é um personagem do cineasta e artista de efeitos visuais James Fazzaro, com uma personalidade e traços que foram se tornando mais sombrios com o tempo (Imagens: Divulgação/James Fazzaro) Fazzaro seguiu com personagens desse tipo, mas optou por um rumo mais realista e um tanto sombrio com seu personagem seguinte, Garry the Goof. Aqui, saem as roupas coloridas e a maquiagem pesada para entrada de uma aparência um pouco mais decrépita, que também conversava com a história criada para ele, que tem duas personalidades: à noite, ele é um gentleman, que passia por aí cumprimentando a vizinhança e usando ternos vistosos. Durante o dia, porém, o personagem é funcionário de uma empresa de controle de pragas e, apesar do sorriso sempre presente, é citado como alguém que odeia sua vida e todas as pessoas que conhece. Essa aparência perturbadora e sombria deu origem a um segundo personagem, Larry LeGeuff, que o artista dar indícios de ser o verdadeiro Garry. Entre 2012 e 2014, foram publicadas a maioria das fotos que são usadas, hoje, nos perfis de Jonathan Galindo, retratando um personagem com a barba por fazer e roupas velhas, que fuma sem parar e é viciado em bebida. O ambiente doméstico, também, foi substituído por galpões e porões, enquanto ele aparecia portando ferramentas de forma ameaçadora. Fazzaro não publica em seu site oficial desde janeiro de 2014, onde fazia críticas de filmes a que assistia. Seu currículo no site IMDb, entretanto, o mostra ativo na indústria do cinema até o ano passado, quando atuou como operador de câmera em duas produções independentes, uma minissérie de sete episódios chamada Disconnected e o filme de terror religioso Schism, ambos inéditos no Brasil. No Facebook, ele permanece ativo e, em uma publicação recente, criticou a recente viralização de Larry LeGeuff, que levou terceiros a tentarem tomar crédito por seu trabalho. Histórias de terror As imagens de teor perturbador circularam por anos na internet, sempre destacadas de seu contexto original. Para chegarem às redes sociais, foi um pulo, com o perfil original usado por Rey Del Random sendo apenas o primeiro de muitos. Essa conta, inclusive, é atualizada até hoje, atualmente fazendo piadas com a viralização do conteúdo e o envolvimento de forças policiais, além de convidar os seguidores para chamadas de vídeo e áudio via Instagram ou Messenger. Variações da história de Jonathan Galindo, no melhor estilo "aconteceu comigo" começaram a surgir entre YouTubers de língua espanhola antes de chegarem ao Brasil (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini) Vários “fakes dos fake”, claro, também surgiram, com a história, finalmente, ganhando corpo entre YouTubers de língua espanhola como o criador colombiano chamado Pipelon. Seu canal é especializado em pegadinhas e desafios, mas o relato de um suposto contato direto com Jonathan Galindo pelo Facebook Messenger angariou mais de um milhão de visualizações muito rapidamente. Nas cenas, ele afirma não apenas ter recebido ameaças do personagem, como também ter tido seu dispositivo hackeado só de falar com ele, com direito a fotos não autorizadas sendo enviadas como prova. O conteúdo angariou público rapidamente e, no momento dessa publicação, já tem mais de 1,3 milhão de visualizações. O assunto se tornou uma série no canal de Pipelon, onde ele relata estar sendo perseguido pelo Homem-Pateta, com direito a avistamentos em sua própria casa. A história finalmente explodiu pelas mãos do influenciador mexicano Carlos Name, que tem mais de 1,7 milhão de seguidores devido a seus trabalhos com maquiagem e marcas, além de contar histórias de terror pelos Stories. Foi por lá que ele contou a história de Jonathan Galindo, agora, com novas facetas: ele seria um homem de cerca de 40 anos com problemas psicológicos que perseguia mulheres e crianças. Um dos grandes responsáveis pela viralização da história de Jonathan Galindo foi um influenciador chamado Carlos Name, que conta histórias de terror no Instagram e chegou a se maquiar como o personagem misterioso (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini) Antigas nuances também ressurgiram aqui, com Name afirmando que um contato pelo Facebook seria suficiente para que o Homem-Pateta surgisse na casa das pessoas e que ele usaria a maquiagem devido às deformações de seu rosto. Em uma série de stories, ele chegou a demonstrar um encontro com Galindo do lado de fora de sua residência. A exposição lá fora, claro, chamou a atenção de YouTubers brasileiros, que rapidamente começaram a publicar conteúdos sobre a história e também alertas quanto ao suposto contato do perfil de Galindo com crianças por meio do Facebook. Foi na chegada ao Brasil, também, que a pronúncia original, como “Jhonatan”, saiu para dar espaço ao mais reconhecível “Jonathan”. No Brasil, o mistério de Jonathan Galindo também virou série nos canais de vários criadores de conteúdo, que repercutiam histórias internacionais e adicionavam novas ideias a elas (Imagem: Reprodução/Felipe Demartini) A busca pelo termo nas pesquisas do YouTube brasileiro traz diversos resultados, com um dos canais mais ativos na disseminação da história sendo o de Diogo Gomez. Em uma série, ele conta a história do encontro entre Carlos Name e Galindo, além de relatar conversas diretas com o próprio personagem. Seis conteúdos sobre a história haviam sido postados até a publicação desta reportagem, e juntos, eles acumulam quase um milhão de visualizações. Não existem indícios dessa relação, mas se tivéssemos de apostar, diríamos que a conexão entre o alerta feito pela Polícia Civil caminha lado a lado com a disseminação dos vídeos sobre Galindo no Brasil. Diante de tais postagens, crianças e adolescentes, logicamente, ficariam interessados em contatar o personagem, seja para criar conteúdos próprios, gerar assunto entre os amigos ou simplesmente ver se a história é real. Criando perigo O fato de existir todo um contexto por trás da história de Jonathan Galindo e de não existirem ocorrências oficiais registradas sobre casos relacionados a ele, porém, não faz com que o alerta das autoridades deva ser deixado de lado pelos pais e responsáveis. Isso se deve à similaridade da história com outras duas, bem recentes e que devem estar ainda frescas na memória dos brasileiros. O primeiro deles, com alcance internacional, envolvia Momo, um suposto espírito que se comunicava com as pessoas pelo WhatsApp e parecia saber tudo sobre elas. A imagem perturbadora era de uma estátua do artista japonês Keisuke Aisawa, enquanto o que surgiu como mistério acabou sendo usado como uma armadilha para roubar dados pessoais e financeiros ou exibir conteúdo assustador para crianças, além de as incitar à automutilação e suicídio por meio de vídeos de desafio. Caso Jonathan Galindo lembra outros desafios que viralizaram e geraram temor no país, como o de Momo ou do jogo da Baleia Azul (Imagem: Reprodução/Canaltech) O YouTube chegou a negar o caso, apenas para ver uma proliferação de clipes com Momo, que apareciam em meio a conteúdo infantil ou desenhos animados com mensagens suicidas e aterrorizantes. Enquanto autoridades e psicólogos infantis emitiam alertas, o site começou a desmonetizar vídeos relacionados à situação, como forma de reduzir seu alcance o interesse na criação de conteúdos desse tipo, até que a história acabou esfriando e morrendo. Diante da repercussão negativa, Aisawa também anunciou que destruiria a estátua que criou, originalmente, para um festival de monstros inspirado no folclore japonês. ​​Boneca Momo: maneiras de evitar o contato com as crianças Baleia Azul: Brasil registra casos de jogo que incentiva mutilações e suicídio CCJ aumenta punição para jogos que estimulam suicídio, como o da Baleia Azul Outro caso similar é o da Baleia Azul, que surgiu na rede social russa VK e rapidamente chegou ao Brasil por meio do WhatsApp. No jogo, os chamados “administradores” propõem uma série de desafios a jovens, que entram em contato com eles, normalmente, de forma involuntária. As tarefas envolvem automutilação e atos de violência, com o suicídio sendo a fase final — ameaças à família e entes queridos dos envolvidos eram feitas para forçar a realização dos atos dentro do tempo especificado. Filipp Budeykin, de 21 anos, foi apontado pelas autoridades russas de ser o criador do jogo da Baleia Azul. Ele está preso desde novembro de 2016, acusado de aliciamento de menores e de envolvimento no desaparecimento ou suicídio de pelo menos 15 jovens no país. Ele aguarda julgamento após ter se declarado culpado, afirmando ter criado o desafio como uma forma de “limpar a sociedade”. Jonathan Galindo não existe, assim como suas imagens perturbadoras, que são obras de um artista americano de efeitos visuais. A popularidade do caso, entretanto, não torna irreais os indícios de que jovens estariam sendo contatados diretamente em nome dele, com criminosos podendo muito bem utilizar essa trama intrincada e assustadoramente instigante para aplicar golpes ou, pior ainda, gerar atos de violência contra terceiros ou os próprios interlocutores. Sendo assim, por mais que o alerta das autoridades não seja necessariamente baseado em evidências, é importante dar atenção a ele e observar o comportamento dos filhos, bem como o que eles andam fazendo internet afora. Se você está sendo assediado por um destes perfis, procure ajuda e orientação de pessoas em quem confie e interrompa o contato de forma imediata, bloqueando perfis e impedindo o acesso destes indivíduos às suas contas ou informações pessoais. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

O que chega em julho no Amazon Prime Video: confira as novidades

O que chega em julho no Amazon Prime Video: confira as novidades

Tecmundo O Amazon Prime Video Brasil revelou a relação de novidades para seus assinantes no mês de julho.A nova temporada da série original Hanna, a aclamada Mad Men, a divertida Modern Family, além de filmes sucesso de bilheteria como Piratas do Caribe e Velozes e Furiosos estão entre os destaques do mês.Leia mais... Veja Mais

Unicamp sugere novo protocolo para detectar vírus da zika em placenta

Glogo - Ciência Cientistas apontam que maior representatividade de amostras aumentaria chance de diagnóstico, e poderia esclarecer casos em que bebê nasce com microcefalia e cuja mãe não apresentou sintomas da infecção durante a gestação. Aedes aegypti fêmea é a transmissora da febre amarela, dengue, zika e chikungunya no Brasil Pixabay/Divulgação Uma pesquisa desenvolvida na Unicamp, em Campinas (SP), promete auxiliar no diagnóstico do vírus da zika em casos de bebês que nasceram com microcefalia e a mãe não apresentou sintomas da infecção durante a gestação. Em vez de analisarem uma única amostra da placenta, conforme orienta o protocolo do Ministério da Saúde, os cientistas estabeleceram um novo padrão com maior representatividade na coleta, e os resultados mostraram efetividade: em 14 amostras que testaram positivo, todas deram negativo no método atual. Diante do cenário, os autores do trabalho sugerem ao Ministério da Saúde uma readequação do protocolo, pelo menos em centros e cidades com maior estrutura médica, para um retrato mais fiel dos casos envolvendo o zika. De acordo com Maria Laura Costa do Nascimento, professora do departamento de Obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, a testagem em placenta é essencial para o diagnóstico. "A placenta é um local de persistência viral, mesmo meses depois da infecção. Muitas vezes a paciente tem poucos sintomas clínicos, e a janela para colher no sangue é pequena, e podemos perder a oportunidade do diagnóstico nesse momento", explica. Coautor do trabalho, o professor José Luiz Proença Módena, do Instituto de Biologia da Unicamp, destaca que a ideia inicial era entender a dinâmica de infecção do vírus em diferentes regiões da placenta e eles viram que com uma maior amostragem, a capacidade de detecção do zika no órgão aumentou muito. "Foi estabelecido um protocolo de coleta sistemática das placentas, para que tivéssemos uma amostra de diferentes regiões da placenta, que é diferente do protocolo convencional, que coleta uma punção única, e divide para vários testes. Com isso, a gente acabou propondo esse novo protocolo, que vai além da coleta, mas também envolve maiores cuidados no armazenamento e envio", pontua. Vista aérea do campus da Unicamp, em Campinas (SP) Reprodução/EPTV Segundo Módena, enquanto no protocolo atual a amostra pode ser refrigerada e mantida assim até a análise, o grupo da Unicamp identificou que os resultados seriam melhor obtidos com o imediato congelamento das amostras e manutenção em freezer -80º C para a análise. "Uma das coisas que buscamos é garantir maior representatividade, porque a placenta é um órgão grande, com 400, 500 gramas. A outra é assegurar a qualidade do material, que inclui a coleta no menor tempo possível após o parto, o congelamento rápido e depois o processamento do material com qualidade", explica a professora da FCM. Novo protocolo Os cientistas apontam a eficácia do método, mas reconhecem as dificuldades de adoção dos critérios em todas as localidades brasileiras. Por isso, a proposta ao Ministério da Saúde seria para uma readequação, ou para que a proposta com coleta de mais amostras ocorra pelo menos em centros e cidades com maior estrutura, para melhor retrato e diagnósticos dos casos de zika. "Em nenhum momento nossa ideia é criar uma rixa com o Ministério da Saúde, mas a gente é a favor de garantir maior efetividade nos testes", conclui Maria Laura. O G1 entrou em contato com o Ministério da Saúde para comentar a proposta dos pesquisadores e a viabilidade de mudança no protocolo, mas a pasta não enviou as respostas até esta publicação. Veja mais notícias da região no G1 Campinas Veja Mais

Google Fotos aposta em IA para colocar as pessoas em primeiro plano

canaltech Em 2018 nasceu meu sobrinho. Na época, morava em Berlim, na Alemanha, e fui conhecer o Lucca quando ele já tinha seis meses. Nesta visita, criei alguns gigabytes de fotos e vídeos, e foi quando a Inteligência Artificial (IA) do Google Fotos sugeriu que eu criasse um álbum com base no rosto do meu sobrinho. Na hora, achei aquilo bastante lógico e fiz o que meu celular havia sugerido. Há duas semanas, o Lucca completou dois anos, e foi quando minha irmã compartilhou o álbum com os avós que moram em outro estado e estão sem ver o neto por causa da quarentena consequência do novo coronavírus. Depois disso, minha irmã então me contou como foi a reação dos avós ao ver as fotos reunidas em ordem cronológica: “ficamos muito emocionados”. Assim, percebi que naquele dia a minha decisão de seguir a sugestão da IA do Google Fotos e criar o álbum não passava apenas pela razão. Google explica como funciona a IA de recomendações da Play Store Nesta semana, o Google Fotos recebeu uma repaginada no design para oferecer às pessoas a chance de reviver momentos únicos, desde o corriqueiro passeio com o cachorro no parque do bairro, às viagens com amigos e familiares pelo mundo. Pelo menos é isso que afirma David Lieb, o Diretor de Produto do Google Fotos, em entrevista exclusiva ao Canaltech. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- Notamos que, ao longo dos anos, as coisas que as pessoas realmente amam no Google Fotos são, na verdade, as partes do produto que têm mais a ver com as lembranças. [...] Por isso, decidimos redesenhar o Google Fotos e fazer dele uma ferramenta ainda melhor para recordar as memórias da sua vida. É disso que se trata a atualização. David Lieb, o Diretor de Produto do Google Fotos No ano passado, o Fotos entrou para a seleta lista de aplicativos a atingir 1 bilhão de usuários. E o Brasil, de acordo com Lieb, é um dos países em que o serviço é bastante popular. Muito simpático, logo no início da nossa conversa, o executivo fez questão de frisar isso: Existem dezenas de milhões de pessoas usando o Google Fotos no Brasil todos os dias, o que torna o país um dos mais engajados no uso do Google Fotos. Na quinta-feira (26), anunciamos as novidades que chegam à nova versão do Google Fotos, porém, o que realmente muda é a navegação no aplicativo, que foi simplificada. Durante a demonstração* do novo layout do Fotos, logo lembrei do visual do Instagram, com os Stories na parte superior e a grade de imagens logo abaixo. Isso porque agora, a IA do sistema faz uma análise das fotos e mostra apenas aquilo que realmente importa às pessoas, como momentos em família, recordações de viagem, passeios no parque e assim por diante. Logo, diga adeus às imagens de boletos e capturas de tela da primeira página do aplicativo. Além disso, as miniaturas das imagens estão maiores e os vídeos são reproduzidos automaticamente, oferecendo uma visualização prévia, acentuando ainda mais esse caráter de Instagram privado. Se você usa o aplicativo Fotos, da Apple, vai notar rapidamente a semelhança. Muitas das coisas que cada um desses aplicativos [Instagram e Fotos] está tentando fazer é semelhante. Mas o Google Fotos é um espaço privado, que inclui todas as suas memórias de vida, enquanto o Instagram reflete apenas o que você escolheu compartilhar. Portanto, são duas visões diferentes da sua vida. As “Recordações”, na parte superior, ganharam mais destaques e contextos, e se parecem muito com o que temos nos Stories do YouTube. Vale lembrar que a seção "Recordações" é toda sugerida por inteligência artificial. As "Recordações" ganham mais destaques no Google Fotos (Divulgação: Google) Distinto de qualquer outro aplicativo do Google, como Gmail, Mapas ou Keep, o Fotos já não possui o campo de busca na parte superior da tela, mas na guia central. A princípio, isso me causou estranheza, pois adicionaria um novo clique na ação da busca, o que colocaria em xeque a simplificação do serviço. Contudo, isso não acontece, dado que ao pressionar longamente o ícone da pesquisa (lupa), vamos direto para a busca dentro do app. Então por que fazer essa mudança? Tornando a busca uma tela secundária, Lieb e sua equipe passam a oferecer ainda mais possibilidades às pessoas no que toca à pesquisa no aplicativo. Você sabia que ao digitar na pesquisa “aniversário” ou “São Paulo”, por contexto, apenas as imagens capturadas em festas de aniversário ou na cidade de São Paulo irão parecer para você? Muita gente não sabe disso e é por isso que a pesquisa agora ganhou mais importância no Fotos. A razão pela qual nós fizemos esse novo design está ligada ao fato de que o Google Fotos categoriza automaticamente todas as imagens, mas muitas pessoas não percebem isso, então confiar demais numa caixa de busca é um problema, pois as pessoas não sabem tudo o que podem fazer. [...] A ideia é ter uma guia de pesquisa mais visual. Em outras palavras, o trabalho da IA do Fotos estará mais visível para você, mostrando atalhos para categorias que você talvez nem imaginasse que poderia usar. Somado a isso, temos o novo mapa interativo de fotos e vídeos para auxiliar na busca por imagens. Usando a tag de geolocalização das fotos, a qual deve ser ativada pelos usuários, é possível viajar pelo globo e revisitar os locais em que você já esteve através de imagens e vídeos. A experiência é realmente muito bacana, pois enquanto navegamos pelo mapa, na parte inferior, vemos as imagens se movendo conforme muda a região na tela. Este serviço não é exclusivo do Google Fotos, pois a Apple oferece o mesmo recurso. No entanto, é preciso dizer que o time de Lieb conseguiu oferecer uma experiência mais viva. Sugiro que você teste este recurso depois de atualizar o app na Play Store. Cinco anos de Google Fotos em cinco momentos marcantes Há cinco anos, o Google Fotos surgia como uma ferramenta de gerenciamento de fotos, possuía integração com o Google Drive e outras características que identificam este tipo de serviço, mas com o tempo, evoluiu para algo mais condizente com uma experiência. Muitas pessoas ainda sentem falta dessa ferramenta de gerenciamento, porém, o conceito do Fotos mudou há algum tempo e, depois do que vimos nesta última atualização, a experiência dos usuários com as lembranças é o que guia a equipe de Lieb. Quando conversamos internamente sobre repaginar o app, tínhamos dois objetivos: um deles era tornar a experiência do usuário mais simples em vez de lançar uma série de funcionalidades novas, repensamos em como as que já existem poderiam trabalhar juntas. E o outro objetivo foi o que você falou, queremos apresentar essas memórias que são habilitadas pela IA. Não que as pessoas não possam necessariamente encontrá-las, mas queremos colocá-las em primeiro plano, porque ela [IA] entende bem o que as pessoas que abrem o aplicativo gostam de fazer. Em resumo, tudo o que tínhamos antes no Google Fotos, continua lá, mas as mudanças feitas no aplicativo irão, aos poucos, impactar na forma como consumimos as nossas próprias memórias. O que em tempos de isolamento social acaba funcionando como uma válvula de escape. Mas lembre-se, apesar de contar com todas essas facilidades, é você quem está no controle daquilo que deseja permitir que o assistente inteligente do Google faça. As permissões do Fotos estão cada vez mais granulares, acessíveis a partir das configurações de segurança do celular e do próprio aplicativo, tanto para Android quanto iOS. A essência do Google Fotos é ter um lugar seguro e privado para suas fotos e memórias. Então nossa regra número um é manter a privacidade dessas fotos. Agora, inclusive, as próprias "Recordações" podem ser limitadas às pessoas e aos momentos que você deseja ver. Basta acessar as configurações do aplicativo e ocultar o conteúdo das imagens que não deseja ser ver nas memórias. Além disso, se você não quiser compartilhar dados de localização nas fotos, restrinja o acesso de geolocalização ao serviço. O mesmo funciona para pesquisas sobre pessoas no seu Google Fotos, pois você pode sempre remover tais marcações. Isso, no entanto, limitaria o uso do serviço. Nenhum ser humano consegue ver as suas fotos. Nós tentamos melhorar a experiência do usuário sempre, recebendo feedbacks. Por exemplo, se você busca o rosto de alguém no Google Fotos, clica no rosto do seu irmão e aparece uma foto do seu primo, então com o seu feedback você melhora os algoritmos, mas isso não requer nenhuma informação pessoal, nós levamos isso muito a sério. Por fim, afirmar que o Google Fotos está apostando em Inteligência Artificial para colocar as pessoas em primeiro plano pode parecer contraditório. Contudo, foi por isso que criamos computadores e outras tecnologias, para que pudéssemos passar mais tempo fazendo aquilo que amamos fazer: criar memórias. *Até a publicação desta matéria, a atualização do Google Fotos via Play Store ou App Store ainda não havia sido disponibilizada. O artigo foi construído com base na demonstração do novo Google Fotos realizada pelo diretor de produto do serviço com exclusividade ao Canaltech. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Cientistas encontram duas 'superterras' próximas ao sistema solar

Glogo - Ciência Os dois planetas e sua estrela, a GJ 887, formam o sistema planetário mais compacto e mais próximo ao sistema solar de que se sabe. Por causa da proximidade à estrela GJ 887, os planetas têm órbitas mais curtas do que a que Mercúrio faz ao redor do Sol MARK GARLICK/PA WIRE Dois planetas foram encontrados por uma equipe internacional de cientistas perto da zona habitável de uma estrela que fica próxima ao Sistema Solar. E existe a possibilidade de que haja ainda um terceiro planeta. Ambos os planetas orbitam muito perto da zona habitável de GJ 887 (também conhecida como Gliese 887), uma estrela anã vermelha com cerca de metade da massa do Sol e localizada a 11 anos-luz. A proximidade entre esses planetas e sua estrela - maior que a proximidade entre Mercúrio e o Sol - transforma o grupo de GJ 887 em um conjunto "compacto" e é o sistema desse tipo mais próximo do Sistema Solar descoberto até agora. Os dois planetas cuja existência foi confirmada foram classificados como "superterras" porque possuem entre quatro e sete vezes mais massa que o nosso planeta, mas são menores que Urano e Netuno. "Eles também devem ter um núcleo sólido, como o da Terra", disse à BBC News Sandra Jeffers, da Universidade de Göttingen (Alemanha) e principal autora da pesquisa. Acredita-se que tenha uma atmosfera mais espessa que a nossa. A pesquisa foi realizada pelo projeto Red Dots, formado por várias universidades ao redor do mundo e que busca exoplanetas semelhantes à Terra e próximos ao Sistema Solar. Os resultados foram publicados nesta quinta-feira na revista Science. O que se sabe sobre esses dois planetas recém-descobertos? A Proxima Centauri é outra estrela anã vermelha que tem um exoplaneta rochoso em sua órbita, mas suas explosões solares tornam improvável que possa haver vida nos planetas ao seu redor ESO/M. KORNMESSER "Sistema compacto" Ambos os planetas, chamados GJ 887b e GJ 887c, foram detectados usando o Buscador de Planetas em Velocidade Radial de Alta Precisão (Harpa, na sigla em inglês), um instrumento do Observatório Europeu do Sul (ESO) em La Silla, no Chile. Com base no que foi observado, foi possível dizer que os dois planetas ficam relativamente "próximos" de sua estrela. O mais "remoto" da estrela, GJ 887c, leva apenas 21,8 dias terrestres para completar uma volta; e o GJ 887b leva apenas 9,3 dias terrestres. Essas órbitas são muito mais rápidas e mais curtas que a que o planeta Mercúrio faz em torno do Sol, que leva 88 dias terrestres. Os astrônomos já descobriram outros sistemas planetários mais próximos do Sistema Solar, como Proxima Centauri e Wolf359, localizados a 4,2 e 7,9 anos-luz de distância, respectivamente. Mas eles não são tão "compactos" quanto o GJ887. "Esse tipo de sistema planetário é bastante comum em outras estrelas - entre 15 e 30% das estrelas do tipo solar - mas não havíamos encontrado nenhum muito próxima do Sol", disse Guillem Anglada-Escudé, do Instituto de Ciências do Espaço (ICE-CSIC) da Universidade Autônoma de Barcelona e um dos autores da pesquisa, para a agência EFE. Mercúrio (o pontinho nessa imagem) leva 88 dias terrestres para dar a volta em torno do Sol GETTY IMAGES/BBC A "melhor estrela" Os dois planetas ficam perto do limite da chamada "zona habitável" de sua estrela, ou seja, da região em que os planetas de um sistema podem apresentar condições que permitem a existência de vida. Mas estando fora desta zona, os cientistas acreditam que o GJ 887b e o GJ 887c podem ser muito quentes. Tanto é assim que a água não pode nem ser mantida em estado líquido. A temperatura de ambos é estimada entre 70º e 200ºC, segundo o Instituto de Estudos Espaciais da Catalunha (IEEC). No entanto, os pesquisadores do projeto apontam que a estrela GJ 887 é bastante "inativa", o que é favorável para as atmosferas dos planetas próximos. "A Gliese 887 é a melhor estrela que está próxima do Sol porque é geralmente uma estrela calma. Não passa pelas explosões energéticas (por exemplo, flashes) que vemos no Sol", diz Jeffers, da Universidade de Göttingen, à BBC Mundo, serviço da BBC em espanhol. Se a GJ 887 "fosse tão ativo quanto o nosso Sol, é provável que o forte vento estelar [que produziria] simplesmente varresse a atmosfera dos planetas", explica a Universidade de Göttingen em comunicado divulgado na última quinta-feira. Mas a ausência desse vento significa que "os planetas recém-descobertos podem reter suas atmosferas ou ter atmosferas mais espessas que a Terra e potencialmente abrigar vida, mesmo que recebam mais luz que a Terra", acrescenta ele. "Os planetas recém-detectados são as melhores possibilidades (de todos os planetas conhecidos próximos ao Sol) para ver se eles têm atmosferas e estudá-los em detalhes. Ao estudá-los, os cientistas serão capazes de entender se as condições são adequadas para a vida", disse Jeffers à BBC Mundo. Ambos planetas foram encontrados por um instrumento do Observatório Europeu do Sul (ESO) em La Silla, no Chile AFP/GETTY IMAGES/BBC Um terceiro planeta? Os cientistas também detectaram sinais do que poderia ser um terceiro planeta, ainda maior que os dois anteriores, no sistema GJ 887. Este terceiro planeta estaria dentro da zona habitável. O Dr. John Barnes, astrofísico da Universidade Aberta, no Reino Unido, e outro dos autores do estudo, disse à Press Association (PA) que "se o sinal veio de um planeta, esse planeta teria uma órbita de 51 dias". "No entanto, também vemos sinais semelhantes que sabemos que devem vir da estrela. É por isso que atualmente não podemos dizer com certeza que o terceiro sinal vem realmente de um planeta. Se observações subsequentes o confirmarem como um planeta, ele estaria localizado bem dentro da zona habitável", acrescentou Barnes. Melvyn Davies, professor de astronomia da Universidade Lund, na Suécia, que não participou da pesquisa, escreveu na revista Science na sexta-feira que "se outras observações confirmarem a presença do terceiro planeta na zona habitável, então o GJ 887 poderá se tornar um dos sistemas planetários mais estudados". Veja Mais

'Eu fiquei muito mal', diz sertanejo Zé Neto após anunciar que testou positivo para Covid-19

G1 Pop & Arte Em vídeo, cantor que faz isolamento na casa dele, em Rio Preto (SP), reforça pedido para fãs se cuidarem. "Para não cometerem os mesmos erros que eu talvez tenha cometido, se cuidem. Fiquem em casa." Sertanejo Zé Neto, da dupla com Cristiano, revela que testou positivo para Covid-19 O sertanejo Zé Neto, da dupla com Cristiano, publicou na tarde deste domingo (28) um vídeo nas redes sociais agradecendo pelo apoio que está recebendo depois de ter testado positivo para Covid-19 e pedindo para as pessoas não cometerem erros. Além o cantor, o pai dele foi diagnosticado com o novo coronavírus. O artista permanece em isolamento social na casa onde mora com a família em São José do Rio Preto (SP). Sertanejo Zé Neto está em isolamento em casa, em Rio Preto (SP), após testar positivo para Covid-19 Arquivo Pessoal "Eu fiquei muito mal e, segundo o médico, não sofri um terço do que uma pessoa com Covid, no pior estágio, sofre", comentou no vídeo. "Meu pai foi assintomático. Queria até ter falado antes para vocês, mas meu estado de saúde não permitiu. Quero agradecer pelas palavras de conforto”, afirmou o cantor. De acordo com Zé Neto, algumas pessoas "meteram a boca" depois de ele ser diagnosticado com a doença. Zé Neto e Cristiano fizeram live na noite de domingo em Rio Preto Reprodução/Youtube “Alguns aí meteram a boca dizendo que a gente não respeita. A gente respeita, mas comete falhas em algum momento. Ninguém é 100% perfeito, todo mundo está sujeito a erro. Infelizmente, essa doença não permite erros”, disse. “Para vocês não cometerem os mesmos erros que eu talvez tenha cometido, se cuidem e fiquem em casa. Realmente é muito sério." Ao final do vídeo, o cantor sertanejo fez um comentário para as pessoas que "falaram mal". “Eu só lamento. Daqui alguns dias, estou zero bala de novo. Beijo no coração e Deus abençoe”, disse o sertanejo. Mulher e filhos testaram negativo Natália Toscano, mulher de Zé Neto, também publicou um vídeo em uma rede social para tranquilizar os fãs. Segundo Natália, apesar de morarem na mesma casa, o sertanejo não está tendo contato com a família. “Por isso vocês não o viram nas redes sociais. Eu não falei nada antes, porque estávamos esperando o resultado. Nenhum de nós estamos. Nem a Angelina, nem o José, nem eu, nem minha sogra, nem minhas funcionárias”, disse. Natália Toscano gravou vídeo para dizer que família está bem Reprodução/Instagram Natália também afirmou que a família está tomando todos os cuidados possíveis e que o marido está bem. “Ele [Zé Neto] está isolado por precaução, para que não passe para frente. Estou cuidando super bem. Estamos sendo bem auxiliados. Infelizmente, faz parte da nossa vida atual. Estamos sujeitos a pegar ou não”, afirmou. Zé Neto decidiu fazer o teste de coronavírus no Hospital de Base após apresentar tosse, espirro e febre. No entanto, a assessoria não soube informar exatamente quando o exame foi realizado. Cantor Zé Neto, da dupla com Cristiano, testa positivo para Covid-19 Reprodução/Instagram Veja mais notícias da região no G1 Rio Preto e Araçatuba Initial plugin text Veja Mais

Dia do orgulho LGBT | 10 líderes tech que representam diversidade

canaltech Neste domingo (28), comemora-se o dia do orgulho LGBT. Essa data é lembrada mundialmente, e marca um episódio ocorrido em Nova Iorque, em 1969, em que os frequentadores do bar Stonewall Inn protestaram contra a perseguição da polícia às pessoas LGBT. No ano seguinte, a ocasião resultou na organização na 1° parada do orgulho LGBT. Em homenagem a esse dia, listamos 10 executivos da área da tecnologia (do Brasil e de outros lugares ao redor do mundo) que fazem parte dessa comunidade. Dia do Orgulho LGBT | 20 filmes, séries e documentários para maratonar Pride Bank: o primeiro banco digital LGBT do mundo Tim Cook, da Apple Tim Cook, CEO da Apple (Imagem: Reprodução) Ninguém melhor para abrir essa lista do que o próprio CEO da Apple, Tim Cook. O executivo inclusive já foi homenageado por sua defesa dos direitos LGBTQ no prêmio GLSEN Respect Awards, no ano passado. Desde agosto de 2011, ocupa o cargo que antes era de Steve Jobs. Iniciou sua carreira na empresa em março de 1998. Foi COO (Chief Operating Officer) de 2004 até 2011. Sua principal responsabilidade é a gestão diária das operações da empresa. Ele falou pela primeira vez sobre sua sexualidade no ano de 2014, e desde então, apontou inúmeras vezes o quanto sente orgulho de ser homossexual. Eliezer Silveira Filho, da Azion Technologies Eliezer Silveira Filho (Imagem: João Mattos) Além da função como diretor de marketing da Azion Technologies (empresa voltada a plataforma de edge computing), Eliezer Silveira Filho contribui para a ampliação das iniciativas e projetos de diversidade na empresa, além de projetos externos de inclusão. O executivo foi citado como um dos 100 executivos LGBT mais influentes do mundo em 2019 pela Role Model Lists, feita pela Outstanding, da Involve (organização global de associação e consultoria que defende a diversidade e a inclusão nos negócios). -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- Silveira Filho também dá aula de Diversidade e Inclusão no MBA de Negócios da faculdade de tecnologia FIAP. Além da Azion, o executivo também atua em diversos projetos para inclusão e empregabilidade de populações minorizadas. Em 2016, Eliezer ingressou no GAMES, que se concentra no desenvolvimento de ações para a população LGBT, onde ensinou inglês para pessoas trans e desenvolveu também um projeto de orientação para pessoas trans, juntamente com o Transempregos, focado na empregabilidade. Em 2017, ele também chegou a fundar a Divercitizens, organização que busca dar visibilidade à comunidade LGBT a partir de estudos. Pedro Pina, do Google Pedro Pina (Imagem: Reprodução/YouTube/Think with Google) O gestor português Pedro Pina chegou a ser um dos nomeados para a categoria de Líder Inspirador LGBT dos British LGBT Awards, que são considerados os principais prémios da comunidade LGBT do Reino Unido. Ele é responsável pela área de grandes anunciantes e soluções para agências, e tem liderado as políticas inclusivas LGBT da gigante tecnológica. Ele ainda marca presença em seminários e conferências dedicadas às questões LGBT em ambiente empresarial. Pina trabalhou com a equipe de gerenciamento para garantir que toda a empresa tenham uma meta trimestral para se tornar um local mais inclusivo para trabalhar. Ele foi simplesmente o primeiro colocado da lista de 100 executivos LGBTs mais influentes de 2019 da Outstanding. Ken Janssens, da JP Morgan Chase Ken Janssens (Imagem: Reprodução) Ken Janssen é Gerente de Tecnologia Global da empresa financeira JP Morgan Chase, e co-presidente do Conselho Executivo LGBT, que ele ajudou a fundar em 2017. No ano passado, dois representantes transgêneros foram adicionados ao Conselho. No ano passado, o gerente de tecnologia coordenou uma campanha global em que 16 CEOs emitiram memorandos locais incentivando a contratação de LGBTs. Janssen também participa de inúmeras iniciativas externas para gerar a inclusão de pessoas da comunidade no mercado. Alex Schultz, do Facebook Alex Schultz (Imagem: Reprodução/YouTube/Khosla Ventures) Alex Schultz é o vice-presidente de análises do Facebook, e atualmente patrocinador executivo do grupo Facebook Global Pride. "Tenho muito orgulho de ser abertamente gay no trabalho e na minha vida pessoal e de ter uma carreira de sucesso em algumas empresas de Internet de grande nome. Eu gostaria que isso servisse de exemplo para outras pessoas LGBT", consta a descrição de seu LinkedIn. Schultz trabalha com analytics e marketing digital há mais de 10 anos. "Não acredito que exista um emprego melhor para um profissional de marketing e analista do que o meu e me sinto incrivelmente sortudo por ter transformado meu hobby e paixão em meu trabalho", ele ainda declara em seu perfil na rede social corporativa. Alex costuma dar algumas palestras sobre marketing digital. Claudia Brind-Woody, da IBM (Imagem: Reprodução/IBM) Claudia Brind-Woody é uma executiva da IBM sediada no Reino Unido. Como líder do Licenciamento Global de Propriedade Intelectual da IBM, Claudia dirige uma equipe de licenciamento de código-fonte, a Small Divestiture Practice da IBM, o programa IP Partnership e um grupo de consultoria especializado conhecido como IP Management Solutions. Ela trabalha na IBM desde 1996. A executiva também é uma das co-presidentes da Força-Tarefa Executiva Global da IBM para LGBT. Como parte dessa função, ela fala para o mundo inteiro sobre o tema da diversidade, além de treinar funcionários e clientes com foco na diversidade. Josh Graff, do Linkedin Josh Graff (Imagem: Reprodução/Evening Standard) Josh Graff é gerente do LinkedIn no Reino Unido, e também lider dos negócios de publicidade da plataforma na Europa, no Oriente Médio e na África. O executivo é também administrador da organização beneficente Founders4Schools, cuja missão é incentivar jovens a entrar no ramo da ciência e tecnologia. No LinkedIn, Graff também é o patrocinador executivo global do grupo de recursos para funcionários LGBT. O gerente também está envolvido na Outstanding. Vivienne Ming, do Socos Labs Vivienne Ming (Imagem: Divulgação) A neurocientista Vivienne Ming carrega consigo um longo trabalho em empreendedorismo, filantropia, política e educação. Ela é a cientista-chefe da empresa de tecnologia de RH Gild, e está envolvida na junção de neurociência cognitiva, aprendizado de máquina (machine learning) e economia. Em suas pesquisas, Vivienne utiliza sistemas de inteligência artificial para estabelecer como será o futuro do trabalho e da Educação. Na Socos, uma startup educacional, o foco está no uso de algoritmos para dar aos professores medidas mais precisas de quanto um aluno compreende de cada disciplina e tema. Por meio de palestras pelos Estados Unidos, ela também defende as causas LGBT e frequentemente fala sobre sua experiência de ter nascido Evan Smith. Miquel Serra Alquezar, da Schneider Electric Miquel Serra Alquezar (Imagem: Divulgação) Outro brasileiro de nossa lista é Miquel Serra Alquezar, de 34 anos, vice-presidente de recursos humanos da Schneider Electric. Ele comanda uma equipe na multinacional de energia elétrica e fala abertamente sobre sexualidade desde que entrou na Schneider, há 11 anos. O executivo é responsável por iniciativas para inclusão na empresa onde atua. Vale observar, por exemplo, que em 2016 levou a companhia a se envolver com o Fórum Empresas e Direitos LGBT. Desde então, uma vez por ano, a Schneider Electric reúne as lideranças para discutir o tema diversidade. Martine Rothblatt, da United Therapeutics Martine Rothblatt (Imagem: Reprodução/Business Insider) A CEO mais bem paga do mundo é uma mulher trans. Trata-se de Martine Rothblatt, ex-empreendedora de telecomunicações, advogada especializada em direito espacial, Doutora em Ética da Medicina, filósofa existencialista, escritora, líder de sua própria religião, promotora da Inteligência Artificial e multimilionária. Ela é fundadora da United Therapeutics, uma empresa de biotecnologia com foco em pesquisa, desenvolvimento e venda de medicamentos para pessoas com doenças crônicas, cardiovasculares e câncer. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Lava Jato não será prejudicada com saída de procuradores, diz PGR

O Tempo - Política De acordo com a Procuradoria-Geral da República, o trabalho será feito por assessores e auxiliares sem prejuízo à operação Veja Mais

Como criar capítulos em vídeos no YouTube

Como criar capítulos em vídeos no YouTube

Tecmundo Desde maio de 2020, o YouTube está liberando o recurso de criação de capítulos nos vídeos. É uma opção para os criadores de conteúdo, que podem ou não usar a ferramenta.É uma boa ideia para vídeos extensos, shows, compilados, receitas, tutoriais, entre outros. A diferença para os já existentes "timestamps" é que, agora, os capítulos são visíveis na barra de carregamento. Leia mais... Veja Mais

Ubisoft cria twitter de Prince of Persia e deixa fãs esperançosos [rumor]

Ubisoft cria twitter de Prince of Persia e deixa fãs esperançosos [rumor]

Tecmundo A desenvolvedora francesa responsável por Prince of Persia criou uma conta no twitter que pode significar que há possibilidade de anunciar um novo título, aumentando a expectativa de fãs do mundo todo. A conta @princeofpersia poderia ser criada por qualquer usuário, uma vez que estivesse disponível. Porém, como apontado por usuários do Reddit e averiguado pelo portal DualShockers, ao tentar realizar login e recuperar a senha da conta, é informado o que parece ser um e-mail oficial da Ubisoft.Leia mais... Veja Mais

Nova onda de casos faz governo da China confinar meio milhão de pessoas

O Tempo - Mundo Desde junho, Pequim é atingida por um novo surto da Covid-19, descrito como "sério e complexo" Veja Mais

Mário Frias chama de 'esmola' auxílio emergencial de R$ 600

O Tempo - Política Novo secretário da Cultura também afirmou que artistas preferem trabalhar a receber o benefício pago pelo governo federal por causa da pandemia Veja Mais

Pixar lança novo trailer de 'Soul'; assista

G1 Pop & Arte O teaser de um minuto mostra um dia típico na vida de Joe, o protagonista dublado por Jamie Foxx, que é professor de música do ensino médio. Imagem do novo filme de animação 'Soul' da Pixar Divulgação A Pixar lançou novo trailer do filme de animação "Soul". O teaser de um minuto mostra um dia típico na vida de Joe, o protagonista dublado por Jamie Foxx, que é professor de música do ensino médio. "Música é vida. Você só precisa saber onde procurar ”, diz Joe no trailer. “Gaste seu tempo precioso fazendo o que trará à tona o seu verdadeiro eu, brilhante e apaixonado que está pronto para contribuir com algo significativo neste mundo. Prepare-se, sua vida está prestes a começar". Joe sonha em ser um artista de jazz, mas antes que ele consiga, um acidente inesperado faz com que sua alma se separe do corpo. Ele então é transportado para o Great Before, um lugar fantástico onde novas almas obtêm suas personalidades, peculiaridades e interesses antes de ir para a Terra. Lá, ele se une a uma alma gêmea chamada 22 (dublada por Tina Fey). Os dois trabalham juntos para devolver a alma de Joe ao seu corpo na Terra antes que seja tarde demais. Os cineastas de “Soul”, incluindo o diretor Pete Docter, o co-diretor e roteirista Kemp Powers e a produtora Dana Murray, fizeram parceria com a antropóloga e educadora americana Johnnetta Cole e o renomado pianista de jazz Jon Batiste para oferecer essa prévia do filme. O trailer também apresenta a música "Parting Ways", que foi escrita, produzida e executada por Cody Chesnutt. Tanto Cole como Batiste, que emprestaram sua experiência aos arranjos e composições de jazz de "Soul", trabalharam como consultores culturais do filme. Após ter sua data de lançamento original em junho adiada pela pandemia de coronavírus, "Soul" será lançado em 20 de novembro. Veja o trailer do filme: Veja Mais

BAILE DOS CAMPEÕES! Veja os melhores momentos de Wolfsburg 0x4 Bayern de Munique pela Bundesliga

BAILE DOS CAMPEÕES! Veja os melhores momentos de Wolfsburg 0x4 Bayern de Munique pela Bundesliga

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #FoxSports #BayerndeMunique #Alemão Veja Mais

Amazfit GTR: o 'quase relógio inteligente' da Xiaomi [Review]

Amazfit GTR: o 'quase relógio inteligente' da Xiaomi [Review]

Tecmundo A Amazfit GTR é uma pulseira inteligente com uma cara de relógio inteligente. Ela traz muitos recursos premium, como uma tela de qualidade e suporte a treinos aquáticos. Mas, no meio do meu teste, eu precisei resetar ela duas vezes. Uma porque a sincronização foi perdida, mesmo com celulares diferentes. Em outra, recursos como o monitoramento de batimentos cardíacos parou de funcionar.Leia mais... Veja Mais

Os 10 filmes mais pirateados da semana (28/06/2020)

canaltech Ultimamente, o ranking dos 10 filmes mais pirateados da semana tem sido uma montanha-russa cheia de surpresas e emoções. Por isso, é até esquisito quando notamos uma certa estabilidade na lista de produções com mais downloads ilegais nos trackers de torrent internet afora. Filmes, Séries, Músicas, Livros e Revistas e ainda frete grátis na Amazon por R$ 9,90 ao mês, com teste grátis por 30 dias. Tá esperando o quê? Ao contrário da movimentação intensa a que nos acostumamos nas últimas semanas, nesta daqui o Top 3 permaneceu intacto, com os mesmos filmes da semana passada ocupando a mesmíssima colocação. Também é perceptível algum nível de marasmo no restante da lista, que foi chacoalhada por apenas um filme inédito: Wasp Network - Rede de Espiões. O filme é uma produção da Netflix lançada há duas semanas, mas que só ganhou força agora nos meios ilegais. Para além disso, o ranking dos 10 filmes mais pirateados da semana permanece praticamente inalterado, com apenas algumas movimentações no posicionamento das produções. Confira a seguir a lista completa que o Canaltech elabora com exclusividade para o Brasil para fins informativos. -Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.- Leia também: Lançamentos da Netflix na semana (26/06/2020) 10. Magnatas do Crime   Um dos filmes que estrearia nos cinemas, mas teve seu lançamento online antecipado devido à pandemia do novo coronavírus, Magnatas do Crime mostra a vida do chefão do crime Mickey Pearson (Matthew McConaughey), que construiu um império traficando maconha no Reino Unido. Agora, ele quer vender seu negócio lucrativo, mas acaba virando alvo de conspirações, esquemas, subornos e chantagens. Leia também: Crítica | Magnatas do Crime reúne o que há de melhor no cinema de Guy Ritchie 9. Parasita   Vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2020, Parasita acompanha a história da família de Ki-taek, que está desempregada e vivendo em um porão sujo e apertado. Uma obra do acaso faz com que o filho adolescente da família comece a dar aulas de inglês a uma garota de uma família rica. Fascinados com a vida luxuosa dessas pessoas, pai, mãe, filho e filha bolam um plano para se infiltrarem na família burguesa, um a um. Mas os segredos e mentiras necessários para ascender na sociedade custarão caro a todos. Leia também: Crítica | Parasita mostra a sociedade em canibalismo Além de Parasita: 10 filmes sul-coreanos para assistir na Netflix 8. Infamous   Bella Thorne sempre arranja um jeito de chamar a atenção, seja pelo contraste absurdo entre sua carreira como estrela teen na Disney e a decisão de se tornar diretora de filmes pornôs, ou por encarnar uma assaltante em Infamous. O longa retrata a vida de Arielle, uma garota nascida e criada numa cidade pequena cujo sonho é se tornar famosa, não importando o que tenha de fazer para isso. Ao conhecer o ex-presidiário Dean, eles decidem fugir e levar uma vida roubando postos de gasolina e pequenas lojas, numa história de Bonnie & Clyde contemporânea, já que a jovem grava os assaltos e transmite nas redes sociais. Leia também: Ex-Disney Bella Thorne estreia como diretora de filme pornográfico 7. Destacamento Blood   Depois que levou para casa o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado por Infiltrados na Klan em 2019, Spike Lee volta a chamar a atenção do público de massa com esta produção para o streaming. Destacamento Blood mostra a jornada de quatro veteranos que voltam ao Vietnã para procurar o corpo do líder do seu esquadrão. Para além disso, eles também estão em busca da inocência que perderão durante o tempo que serviram na selva. Leia também: Crítica | Destacamento Blood é uma obra-prima técnica que exige esclarecimentos Os lançamentos da Netflix em junho de 2020 6. Wasp Network: Rede de Espiões   Estrelado por Wagner Moura e Penélope Cruz, o filme conta a história de cinco agentes cubanos infiltrados em território norte-americano para acompanhar as atividades de uma organização direitista na década de 1990. A missão deles é neutralizar as ações do grupo, que tem como objetivo derrubar o governo de Fidel Castro em Cuba. 5. Scooby! O Filme   Scooby! O Filme revela como os amigos de longa data, Scooby e Salsicha, se encontram pela primeira vez e como se juntaram aos pequenos detetives Fred, Velma e Daphne para formar a famosa Mistério S/A. Agora, com centenas de casos resolvidos e aventuras compartilhadas, Scooby e sua turma encaram o maior e mais desafiador mistério de todos os tempos: uma trama que libera o fantasma do cão Cerberus sob o mundo. Enquanto eles se apressam para impedir esse "apocãolipse", a gangue descobre que Scooby tem um legado secreto e um destino mais épico do que qualquer um poderia imaginar. Leia também: Crítica | Como SCOOBY! O Filme deu tão errado é o verdadeiro grande mistério 4. A Arte de Ser Adulto   A mais nova dramédia da Universal Pictures acompanha a vida de Scott, um jovem que largou os bets e decidiu levar uma vida devassa e irresponsável depois que seu pai morreu enquanto trabalhava como bombeiro. Em negação e sem conseguir superar o acontecimento, o rapaz acaba descobrindo o real valor do trabalho desses profissionais e acaba decidindo seguir os passos do pai. 3. You Should Have Left   Neste terror psicológico escrito pelo lendário David Koepp, o casal Theo e Susanna Conroy (Kevin Bacon e Amanda Seyfried) estão com o casamento por um fio. Numa tentativa de reparar o relacionamento, eles decidem sair de férias com a filha de seis anos e passar um tempo numa casa afastada na zona rural do País de Gales. Mas não demora até que o refúgio se transforme num pesadelo, com uma força sinistra tentando acabar de uma vez por todas com a família. 2. Artemis Fowl: O Mundo Secreto   Originalmente previsto para chegar aos cinemas, Artemis Fowl: O Mundo Secreto foi diretamente para o Disney+ e já caiu nas mãos do pirata. A trama segue o personagem-título, um garoto de 12 anos que usa sua extrema inteligência para roubar. Quando descobre um local mágico chamado "Mundo das Fadas", ele decide roubar toda a fortuna do local, sequestrando um elfo e cobrando resgate para libertá-lo. Só que não demora muito para a polícia partir em seu encalço. Leia também: Crítica | Artemis Fowl: O Mundo Secreto mal nasceu e já merece reboot 1. Force of Nature   Novo filme estrelado por Mel Gibson, Force of Nature é um thriller de ação que acompanha Troy (Kate Bosworth) tentando convencer o pai Ray (Gibson) a abandonar sua casa devido à chegada de um furacão. Sem saída, ela pede o auxílio da polícia, mas eles acabam descobrindo que uma gangue tem planos de roubar o condomínio depois de os moradores se afastarem. Agora, Ray e o policial Cardillo (Emile Hirsch) se unirão para enfrentar os bandidos. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Governador da Califórnia ordena o fechamento de bares em 7 condados

O Tempo - Mundo Decisão foi tomada devido ao forte aumento de casos do novo coronavírus no Estado americano Veja Mais

Fãs de Mia Khalifa fazem petição para que seus vídeos adultos antigos sejam retirados da internet

G1 Pop & Arte Petição conta com mais de 800 mil assinaturas. Ex-atriz pornô Mia Khalifa Reprodução/Mia Khalifa/Instagram Fãs da ex-atriz pornô Mia Khalifa, agora influencer e comentarista esportivo, criaram uma petição online pedindo a remoção de todos os seus vídeos adultos da internet e a recuperação de seu domínio de sites adultos. O abaixo-assinado ultrapassou mais de 800 mil assinaturas neste domingo (28). Segundo a petição, Mia e sua equipe já fizeram ofertas aos proprietários dos sites para a remoção do conteúdo, no entanto, não teve retorno. A iniciativa ganhou força depois que a influencer fez um apelo para que suas seguidoras nas redes sociais não entrem na indústria de filmes eróticos. "Meninas, não façam isso. Não vale a pena", disse ela. Khalifa tem usado Twitter, TikTok e Instagram para conversar com seus fãs sobre comentários e ataques que recebe diariamente. Khalifa, de 27 anos, não atua em filmes adultos há seis anos. Ela participou de 11 filmes quando tinha 21 anos. A ex-atriz agradeceu o apoio dos fãs por meio de uma rede social e afirmou que a petição está ajudando ela a recuperar sua dignidade. "A geração Z nunca dorme? Eu estou realmente preocupada. Vocês viram isso há 30 minutos no tiktok e tinham 500 assinaturas. Eu amo tanto vocês que assinaram este convite para minha festa de aniversário. É uma lista de convidados, não uma petição". Initial plugin text Veja Mais

Veja concursos e seleções com editais publicados na PB de 28 de junho a 5 de julho

G1 Economia Cinco editais com inscrições abertas oferecem 459 vagas. Divulgação/UBM Pelo menos 459 vagas são oferecidas em cinco editais de concursos e seleções publicados na Paraíba, nesta semana de 28 de junho a 5 de julho. Concurso da prefeitura de Congo Vagas: 56 Níveis: todos Salários: R$ 1.045 a R$ 4 mil mais R$ 8 mil de gratificação Prazo de inscrição: até este domingo (28) Local de inscrição: site da organizadora, Contemax Consultoria Taxas de inscrição: R$ 60 (fundamental), R$ 75 (médio/técnico) e R$ 90 (superior) Provas: 2 de agosto Edital do concurso da prefeitura de Congo Concurso da prefeitura de Poço Dantas Vagas: 21 Nível: fundamental, médio e superior Salários: a partir de R$ 1.045 até R$ 8 mil Prazo de inscrição: até sexta-feira (3) Local de inscrição: site da organizadora, Facet concursos Taxas de inscrição: R$ 60 (fundamental), R$ 80 (médio) e R$100 (superior) Provas: suspensas Edital do concurso da prefeitura de Poço Dantas Concurso para Guarda Municipal de Pitimbu Edital do concurso para Prefeitura de Pitimbu Provas: 27 de setembro de 2020 Taxas de inscrição: entre R$ 70 e R$ 130 Local de inscrição: site da organizadora, Idib Prazo de inscrição: até 19 de julho Salários: variam de R$ 1.045 a R$ 2.892,67 Nível: fundamental, médio e superior Vagas: 305 para contratação imediata e 305 para cadastro de reserva Edital do concurso para Guarda Civil de Pitimbu Concurso para Prefeitura de Pitimbu Provas: 20 de setembro de 2020 Taxas de inscrição: R$ 100 Local de inscrição: site da organizadora, Idib Prazo de inscrição: até 19 de julho Salários: R$ 1.045 Nível: médio Vagas: 10 (sendo 5 para cadastro de reserva) Concurso da prefeitura de Mogeiro Vagas: 72 Nível: fundamental, médio e superior Salários: a partir de R$ 1.045 até R$ 6,9 mil Prazo de inscrição: até 7 de agosto Local de inscrição: site da organizadora, Facet concursos Taxas de inscrição: R$ 75 (fundamental), R$ 85 (médio) e R$ 115 (superior) Provas: 13 de setembro Edital do concurso da prefeitura de Mogeiro Veja Mais

Mercado canadense de maconha enfrenta dificuldades mesmo com aumento nas vendas

O Tempo - Mundo Por medo da escassez, ou para controlar o estresse, canadenses recorreram às lojas e sites de cannabis durante o confinamento Veja Mais

Maduro afirma que opositor planejou atentado da casa de embaixador espanhol

O Tempo - Mundo Leopoldo López, mentor de Juan Guaidó, se hospeda há mais de um ano na casa do diplomata Veja Mais

Cinco anos de Google Fotos em cinco momentos marcantes

canaltech Durante a Google I/O 2015, o Google Fotos era anunciado como um simples gerenciador de fotos. De lá para cá, muita coisa mudou: as pessoas envelheceram, a tecnologia evoluiu e o Fotos se tornou um dos principais serviços de compartilhamento e armazenamento de imagens disponível para Android e iOS. Como melhorar imagens pelo celular usando o app Google Fotos Google Fotos: como baixar todas as suas imagens de uma só vez Google Fotos: como acessar backups antigos Para comemorar os cinco anos de lançamento do Google Fotos, o Canaltech listou cinco momentos que marcaram a história do aplicativo até aqui. Confira abaixo. 1. Independência O Google Fotos é um aplicativo independente para dispositivos Android, iOS e computador, mas nem sempre foi assim. Antes de seu lançamento, em 2015, ele era uma extensão do Google+ e permitia a visualização e o compartilhamento somente dentro da rede social. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- Após a separação do Google+ — que foi encerrado oficialmente em 2019 —, o Google Fotos caiu nas graças do público e acumulou números expressivos: em apenas cinco meses, 100 milhões de usuários já usavam o app. Em 2017, o Fotos já contava com 500 milhões de usuários e mais de 1 bilhão de fotos e vídeos adicionados por dia.   2. Inteligência Ao longo do tempo, o Google aprimorou sua tecnologia de Inteligência Artificial (IA) e passou a integrar o recurso aos seus serviços. O Google Fotos, por exemplo, passou a identificar e organizar a biblioteca de imagens por locais, pessoas ou coisas e também a sugerir fotos. Além disso, com o lançamento do Google Assistente em 2016, foi possível visualizar as fotos no celular com apenas um comando de voz.   3. Praticidade Há cinco anos, poucas pessoas imaginavam que hoje estaríamos pagando boletos com a câmera de um celular, não é mesmo? Mas, em 2017, o Google já dava os primeiros passos para os novos tempos integrando o Fotos ao Google Lens. O Lens é um aplicativo baseado em IA e aprendizado de máquina (ML) que identifica a imagem e extrai informações dela. Por exemplo, através de uma foto, é possível selecionar números de telefone e endereços, além de identificar vestuários e objetos para descobrir em que lojas comprá-los.   4. Hello, Apple! Outro grande marco do Google Fotos foi o lançamento para iPhone (iOS). Concorrente direto do iCloud, o app do Google oferece diversas vantagens em relação ao serviço da Apple, como armazenamento ilimitado para fotos, criação de álbuns automáticos e, principalmente, sincronização com outros dispositivos.   Na App Store, o Google Fotos é o app nº 4 na categoria de Foto e Vídeo, além de possuir uma avaliação de 4,8 de 5. Se você é usuário da Apple e ainda não experimentou o Google Fotos, baixe aqui. 5. 1bi Como resultado de diversas implementações e acertos, o Google alcançou, em 2019, a marca de um bilhão de usuários. O app é o nono produto do Google a chegar neste número, juntando-se a Gmail, Chrome, Android, Drive, Play Store, YouTube, Mapas e Pesquisa. David Lieb, diretor de produto do Google Fotos, disse em uma rede social que é difícil de acreditar que o aplicativo tenha chegado a cinco anos. "O que começou como uma simples ferramenta de gerenciamento de fotos se tornou o lar de mais de 1 bilhão de memórias das pessoas", complementa o executivo. Hard to believe Google Photos is 5 years old today. Couldn't be more proud of this team -- what started as a simple photo management tool has become the home to more than 1B people's memories. Much more to build. (Also, much to improve!) pic.twitter.com/bm4fTsuy8g — David Lieb (@dflieb) May 28, 2020 Novidades Em comemoração aos cinco anos do Fotos, o Google anunciou na última quinta-feira (25) uma repaginada do app e trouxe uma série de ferramentas para aprimorar a visualização de fotos e vídeos — confira todas as novidades. Tem algum recurso do Google Fotos que você não vive sem? Deixe seu comentário abaixo! Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Mulher de Zé Neto grava vídeo ao lado dos filhos após cantor testar positivo para Covid-19: 'Nenhum de nós estamos'

G1 Pop & Arte Cantor foi diagnosticado com coronavírus depois de sentir sintomas e fazer exame no Hospital de Base de São José do Rio Preto (SP). Músico continua em isolamento social. Natália Toscano gravou vídeo para dizer que família está bem Reprodução/Instagram Depois de o cantor Zé Neto, da dupla com Cristiano, testar positivo para Covid-19, a mulher dele, Natália Toscano, publicou um vídeo em uma rede social para falar da situação e tranquilizar os fãs. Segundo Natália, o marido está em isolamento social desde a última quarta-feira (24). Apesar de morarem na mesma casa, em São José do Rio Preto (SP), o sertanejo não está tendo contato com a família. “Por isso vocês não o viram nas redes sociais. Eu não falei nada antes, porque estávamos esperando o resultado. Nenhum de nós estamos. Nem a Angelina, nem o José, nem eu, nem minha sogra, nem minhas funcionárias”, disse. Além de Zé Neto, o pai do cantor também foi diagnosticado com o novo coronavírus. No entanto, ele não apresentou sintomas. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do artista. Natália também afirmou que a família está tomando todos os cuidados possíveis e que o marido está bem. “Ele [Zé Neto] está isolado por precaução, para que não passe para frente. Estou cuidando super bem. Estamos sendo bem auxiliados. Infelizmente, faz parte da nossa vida atual. Estamos sujeitos a pegar ou não”, afirmou. Zé Neto decidiu fazer o teste de coronavírus no Hospital de Base após apresentar tosse, espirro e febre. No entanto, a assessora não soube informar exatamente quando o exame foi realizado. Cantor Zé Neto, da dupla com Cristiano, testa positivo para Covid-19 Reprodução/Instagram Zé Neto e Cristiano em live realizada em São José do Rio Preto (SP) Reprodução/Youtube Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Rio Preto e Araçatuba Veja Mais

Microsoft não vai mais deixar usuários adiarem atualizações do Windows 10

canaltech A Microsoft tomou algumas decisões importantes e até um pouco polêmicas na última semana. Após anunciar o fechamento permanente de todas as suas lojas físicas, a companhia de Redmont também divulgou que não vai mais permitir o adiamento manual de atualizações em versões corporativas do Windows 10, em uma tentativa de "evitar confusão" entre os usuários. As informações estão disponíveis na documentação da versão 2004 do sistema operacional para profissionais de TI, publicada na terça-feira (23). Microsoft libera correções para erros de impressoras no Windows 10 Microsoft encerra Mixer e leva streamers para o Facebook Gaming Até então, usuários corporativos das versões Pro, Education e Enterprise podiam adiar os downloads do Windows Update em até 365 dias, a menos que seus dispositivos estejam executando uma atualização de recurso do Windows 10 que está chegando ao fim do suporte. Entretanto, isso acarretou muitos dispositivos serem atualizados apenas uma vez por ano, algo não visto com bons olhos pela companhia. “Para permitir que todos os dispositivos aproveitem ao máximo essa alteração de política e evitar confusão, removemos adiamentos da página ‘Opções avançadas’ das configurações do Windows Update, iniciando pelo Windows 10, versão 2004”, revela trecho da publicação. -Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.- A opção de adiamento das atualizações foi vista pela primeira vez com o lançamento do Windows 10 1703 (Reprodução: ZDNet) Microsoft disponibilizou solução alternativa prevendo reclamações Para os usuários comerciais que, por algum motivo, ainda tenham o interesse em manter o sistema operacional desatualizado para a versão mais recente, a companhia informa que será possível adiar as atualizações através de políticas de grupo. "Se você deseja continuar aproveitando os adiamentos, use os recursos locais em Política de Grupo (Configuração do Computador > Modelos Administrativos > Componentes do Windows > Windows Update > Windows Update for Business) para selecionar quando a compilação de visualização e atualizações de recursos devem ser recebidas". Vale ressaltar que além dessa mudança, o Windows 10 também deve passar por uma série de outras modificações. O menu inciar, por exemplo, teve seu novo visual com estética mais alinhada ao “Fluent Design” divulgado em um teaser oficial pela companhia recentemente. Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais

Albert Einstein: os 2 grandes erros científicos que o gênio cometeu na carreira

Glogo - Ciência Albert Einstein, exemplo de gênio visionário, se equivocou por conta de convicções que nada tinham a ver com ciência, sustenta pesquisador. Einstein é um exemplo de espírito livre e criador que, no entanto, manteve seus preconceitos Getty Images/BBC A pesquisa científica se baseia na relação entre a realidade da natureza — compreendida através de observações — e uma representação dessa realidade, formulada por uma teoria na linguagem matemática. Quando todas as consequências derivadas de uma teoria são verificadas experimentalmente, ela é validada. O que é a 'luz proibida', descoberta que pode revolucionar a física quântica O que são os exóticos 'buracos de minhoca' de Einstein e Rosen Esse enfoque, aplicado há quase quatro séculos, permitiu a construção de um conjunto coerente de conhecimentos. Mas esses avanços dependem da inteligência humana que, apesar de tudo, conserva suas crenças e preconceitos, os quais podem afetar o progresso da ciência, mesmo entre as mentes mais privilegiadas. O primeiro erro Em sua obra-prima sobre a teoria geral da relatividade, Albert Einstein escreveu a equação que descreve a evolução do Universo em função do tempo. A solução dessa equação mostra um Universo instável, no lugar de, como se acreditava anteriormente, uma enorme esfera de volume constante em que as estrelas deslizavam. No início do século 20, todos viviam com a ideia bem enraizada de um Universo estático no qual o movimento dos astros se repetia sem descanso. É provável que isso se devesse aos ensinamentos de Aristóteles, que estabelecia que o firmamento era imutável, em contraposição ao caráter perecível da Terra. Essa crença provocou uma anomalia histórica: no ano de 1054, os chineses notaram uma nova luz no céu que não é mencionada em nenhum documento europeu e que poderia ser vista em plena luz do dia durante várias semanas. Tratava-se de uma supernova, isto é, uma estrela moribunda, cujos restos ainda podem ser vistos na Nebulosa do Caranguejo. O pensamento dominante na Europa impedia aceitar um fenômeno tão contrário à ideia de um céu imutável. Uma supernova é um evento muito raro, que só pode ser visto a olho nu uma vez a cada cem anos (a última foi em 1987). Então, Aristóteles estava quase certo ao afirmar que o céu era imutável, ao menos na escala de uma vida humana. Para não contradizer a ideia de um Universo estático, Einstein introduziu em suas equações uma constante cosmológica que congelava o estado do Universo. A intuição falhou: em 1929, quando Edwin Hubble demonstrou que o Universo se expandia, Einstein admitiu que tinha cometido "seu maior erro". A aleatoriedade quântica Juntamente com a teoria da relatividade, foi desenvolvida a mecânica quântica, que descreve a física do infinitamente pequeno. Einstein fez uma contribuição notável nesse âmbito, em 1905, com sua interpretação do efeito fotoelétrico como uma colisão entre elétrons e fótons, isto é, entre partículas infinitesimais portadoras de energia. Em outras palavras, a luz, tradicionalmente descrita como uma onda, se comporta como um fluxo de partículas. Foi por esse avanço, e não pela teoria geral da relatividade, que Einstein recebeu o Prêmio Nobel em 1921. Mas, apesar dessa contribuição vital, ele persistiu em rejeitar a lição mais importante da mecânica quântica, que afirma que o mundo das partículas não está submetido ao determinismo estrito da física clássica. O mundo quântico é probabilístico, o que implica que somos capazes de prever apenas uma probabilidade de ocorrência entre um conjunto de sucessos possíveis. A obstinação de Einstein novamente sugere a influência da filosofia grega. Platão ensinou que o pensamento deveria permanecer ideal, livre das contingências da realidade, que é uma ideia nobre, mas longe dos preceitos da ciência. Assim como o conhecimento precisa de uma concordância perfeita com todos os fatos previstos, a crença se baseia na verossimilhança fruto de observações parciais. O próprio Einstein estava convencido de que o pensamento puro era capaz de abranger toda a realidade, mas a aleatoriedade quântica contradiz essa hipótese. Na prática, essa aleatoriedade não é plena, pois é regida pelo princípio da incerteza de Heisenberg. Esse princípio impõe um determinismo coletivo aos conjuntos de partículas: um elétron por si só é livre, pois sua trajetória não pode ser calculada quando se cruza uma fenda, mas um milhão de elétrons desenha uma figura de difração que mostra listras escuras e brilhantes que sim, podem ser previstos. Einstein não queria admitir esse indeterminismo elementar e o resumiu em um veredito provocador: "Deus não joga dados com o Universo". Ele propôs a existência de variáveis ​​ocultas, de magnitudes não descobertas além da massa, carga e rotação, que os físicos usam para descrever as partículas. Mas a experiência não lhe deu a razão. Devemos assumir a existência de uma realidade que transcende nossa compreensão, de que não podemos saber tudo sobre o mundo dos infinitamente pequenos. Os caprichos fortuitos da imaginação No processo do método científico, há uma etapa que não é totalmente objetiva e é o que leva à conceitualização de uma teoria. Einstein dá um exemplo ilustrativo disso com seus experimentos mentais. Assim, ele declarou: "A imaginação é mais importante que o conhecimento". De fato, a partir de observações díspares, um físico deve imaginar uma lei subjacente. Às vezes você tem que escolher entre vários possíveis modelos teóricos, momento em que a lógica assume. Portanto, o progresso das ideias é nutrido pelo que chamamos de intuição. É uma espécie de salto no conhecimento que vai além da pura racionalidade. A fronteira entre o objetivo e o subjetivo não é mais completamente fixa. Os pensamentos nascem nos neurônios sob o efeito de impulsos eletromagnéticos e, entre eles, alguns são particularmente férteis, como se causassem um curto-circuito entre as células, obra do acaso. Mas essas intuições, essas "flores" do espírito humano, não são iguais para todas as pessoas. Enquanto o cérebro de Einstein concebeu E = mc², o de Marcel Proust criou uma metáfora admirável. A intuição se manifesta aleatoriamente, mas essa chance é moldada pela experiência, cultura e conhecimento de cada pessoa. Os benefícios do acaso Não deveria nos surpreender que exista uma realidade que exceda nossa própria inteligência. Sem o acaso, somos guiados por nossos instintos, nossos costumes, tudo o que nos torna previsíveis. Nossas ações estão confinadas quase exclusivamente a esse primeiro nível de realidade, com suas preocupações comuns e suas tarefas forçadas. Mas há outro nível no qual o acaso manifesto é a marca registrada. Einstein é um exemplo de espírito livre e criador que ainda conserva, no entanto, seus preconceitos. Seu "primeiro erro" pode ser resumido na frase: "Eu me recuso a acreditar que o Universo teve um começo". Mas a experiência mostrou que ele estava errado. Sua sentença sobre Deus jogando dados significa: "Eu me recuso a acreditar no acaso". No entanto, a mecânica quântica implica uma aleatoriedade forçada. Alguém pode se perguntar se ele teria acreditado em Deus em um mundo sem o acaso, o que reduziria bastante nossa liberdade quando ao nos vermos confinados no determinismo absoluto. Einstein se mantém em sua rejeição porque, para ele, o cérebro humano deve ser capaz de entender o Universo. Com muito mais modéstia, Heisenberg responde que a física se limita a descrever as reações da natureza em determinadas circunstâncias. A teoria quântica mostra que não podemos alcançar uma compreensão total de nosso entorno. Em compensação, nos oferece o acaso com suas frustrações e perigos, mas também com seus benefícios. O lendário físico é o exemplo perfeito do ser imaginativo por excelência. Sua negação do acaso, portanto, representa um paradoxo, pois é o que possibilita a intuição, o germe do processo de criação, tanto para as ciências quanto para as artes. Veja Mais

iPhone 12 para todos os bolsos, WhatsApp Pay bloqueado, homem pateta do mal e mais | Plantão TC

tudo celular Vazamentos de iPhone 12, vazamentos de Xbox, lançamento de mais smartphones da Philco, WhatsApp Pay empacando no Brasil e nova ameaça a crianças e adolescentes no facebook. Venha conferir esse... Veja Mais

Como funciona um sistema de frenagem autônomo?

canaltech Os carros estão cada vez mais seguros e isso não é nenhuma novidade. Mesmo modelos mais modestos hoje já possuem tecnologias antes imaginadas apenas para veículos premium, como controle de estabilidade, controle de tração, airbags de cortina e por aí vai. No entanto, de uns anos pará cá, atingimos outro patamar, com a indústria desenvolvendo sistemas que auxiliam o motorista nas mais diversas situações. Entre esses sistemas estão os que, talvez, chamem mais a atenção dos consumidores: a frenagem autônoma. Evidente que os sistemas são vários e variam muito de veículo para veículo. Aqui no Canaltech, por exemplo, já tivemos a oportunidade de experimentar alguns desses recursos em carros caros, mais acessíveis, picapes, sedãs e SUVs. Basicamente, os automóveis são equipados com câmeras e sensores que detectam a distância para o carro ou obstáculo à frente. Sua instalação, geralmente, ocorre no para-choque dianteiro e no pára-brisa. Com o intuito de minimizar acidentes e salvar vidas, o recurso conhecido também como AEB (Auto Emergency Breaking) ou Frenagem Automática de Emergência, funciona como um alerta de colisão nos freios para diminuir o tempo de reação do condutor. Se o motorista não reagir ou se acelerar, o sistema entra em ação. A quantidade de sensores e radares no veículo varia de modelo para modelo. -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- Trabalhando em conjunto com softwares e, em alguns casos, até com inteligência artificial, os sistemas de frenagem autônomo atuam de modo a evitar tragédias em momentos que o motorista está, por via de regra, fora do controle total do automóvel. Mas não se engane: por mais avançados que esses recursos possam ser, nada substitui um motorista atento e com os olhos na estrada. Nos Estados Unidos, a frenagem automática se tornará obrigatória para todos os veículos a partir de 1º de setembro de 2022. No Brasil, ainda estamos atrasados quanto a isso, mas ao menos existem modelos em que podemos ter amostras de como o recurso funciona. Veja abaixo alguns dos veículos que o Canaltech já testou e que possuem esse recurso: HB20 Diamond Plus Principal automóvel da Hyundai, o HB20 ganhou uma nova geração no fim de 2019. Entre as novidades, está o sistema de frenagem autônomo que a montadora sul-coreana preparou para o carro. Ele atua da seguinte maneira: em caso de distração completa do motorista, o sistema entra em ação com um alerta sonoro bem chamativo e com leves toques no freio. Isso serve, claro, para alertar o condutor.   Análise | Novo HB20 tem visual polêmico, mas é o mais eficiente do segmento Para o caso do motorista não reagir, aí sim o HB20 frenará sozinho, mas desde que esteja a uma velocidade inferior a 50km/h. Ou seja: ele foi pensado para situações em que o motorista, de fato, se distrai e causa pequenos acidentes. Algo positivo nesse sistema, aliás, é que ele também é capaz de identificar pessoas e animais maiores. Toyota Corolla Hybrid e RAV4 O sistema adotado pela Toyota em dois de seus principais veículos foi o Assistente de Pré-Colisão (Pre-Crash System – PCS). Quando testamos o PCS (de modo seguro, é claro), a ferramenta também se mostrou eficiente. Análise | Toyota RAV4 Hybrid: potente, econômico e delicioso A diferença é que o recurso foi projetado para casos em que de fato o motorista está mesmo sem o controle do veículo ou completamente distraído e não é ativado ao menor sinal de controle por parte do condutor.   O sistema detecta veículos à frente na estrada através da câmera e radar de onda milimétrica ajudando o carro a evitar ou reduzir os danos causados por colisões. O grau de perigo é avaliado a partir da posição, velocidade e percurso previsto do próprio veículo, bem como da velocidade e posição de outros automóveis ou caminhões. Análise | Toyota Corolla 2020 Hybrid dá show em consumo, tecnologia e conforto Se o sistema determinar a possibilidade de colisão, o carro alertará o motorista com avisos visuais e sonoros. Se o motorista aplicar pressão insuficiente no freio, o sistema ajudará com uma força de frenagem adicional. Se o motorista não frear completamente, o sistema aplicará os freios automaticamente. Ford Ranger Limited Na Ranger, o recurso ativa todos os freios da picape eletronicamente caso o sistema identifique qualquer automóvel ou pedestre no caminho, parando o veículo caso esteja com velocidade de até 60km/h. Se o motorista estiver mais rápido, o sistema também atuará, mas com menos eficácia. Ford Ranger 2020 mostra que picapes também podem ser tecnológicas e divertidas Ele pode ser desativado caso o software detecte que o condutor está sob total comando da direção e da frenagem. Durantes os testes, tivemos a oportunidade de vê-lo em ação e ele funcionou perfeitamente, com frenagens pausadas e sem que houvesse tantos solavancos dentro da cabine, por mais que estivéssemos em uma picape com centro de gravidade alto.   Leia a matéria no Canaltech. Veja Mais