Meu Feed

No mais...

Considerado extinto na natureza, animal é encontrado na Indonésia

Glogo - Ciência Último de registro de cão cantor da Nova Guiné selvagem datava da década de 1970. Cientistas cruzaram o material genético dos exemplares que vivem em cativeiro com as amostras coletadas dos animais encontrados em ilha. Cão cantor da Nova Guiné, em cativeiro cyclewidow/CC BY 2.0 Pesquisadores descobriram que o cão cantor da Nova Guiné não está extinto e ainda vive na natureza, afirma estudo publicado na revista "Proceedings of the National Academy of Sciences" na segunda-feira (31). Conhecidos por um uivo característico que justifica seu nome, o cão cantor costuma viver nas áreas mais altas da ilha dividida pela Indonésia e pela Papua-Nova Guiné. Até a descoberta desta semana, o último registro do mamífero em seu habitat natural datava da década de 1970. Estima-se que de 200 a 300 exemplares da espécie vivam em cativeiro. No entanto, relatos dos moradores do lado indonésio da ilha de Nova Guiné informavam uivos característicos do animal ouvidos a partir das colinas. Os animais, então, foram vistos e tiveram o sangue coletado pelos pesquisadores. As amostras comparadas com os exemplares mantidos em cativeiros comprovaram que se tratava do cão cantor da Nova Guiné. Segundo a revista "Science", a geneticista Elaine Ostrander, do Instituto Nacional de Genoma dos Estados Unidos, afirmou que havia na amostra traços de material genético de cães que vivem nas cidades da ilha. Porém, ela disse que essencialmente se trata da mesma espécie. O desafio, agora, é permitir que esses animais encontrados na natureza cruzem com os mantidos em criadouros para dar variabilidade genética e evitar que a população do cão-cantor-da-Nova-Guiné diminua ainda mais. Veja Mais

Não tinha papel, por isso fizemos nota de R$ 200, diz Bolsonaro

Valor Econômico - Finanças O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) explicou em live nesta quinta-feira (3) as razões de o Brasil ter lançado nesta semana a nota de R$ 200. Disse que não havia papel-moeda e que não se podia falar isso para não gerar uma corrida aos bancos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Semana do Brasil: golpistas já estão aplicando ofertas falsas; fique de olho

canaltech A Semana do Brasil, campanha nacional similar à Black Friday, começou nesta quinta-feira (3) e se estenderá até o dia 13. Em menos de 24 horas, porém, pesquisadores da Kaspersky já identificaram campanhas maliciosas criadas por criminosos cibernéticos para lesar internautas desatentos. Os golpistas, como esperado, estão disseminando falsas ofertas através de páginas que simulam com perfeição grandes lojas online. Conheça os golpes de e-commerce mais comuns no Brasil Compras online: evite golpes e dores de cabeça! Redes sociais podem ser processadas por golpe de anúncio falso da Black Friday? Em um dos casos mais graves entre os encontrados pela companhia, os estelionatários criaram um perfil falso no Facebook, utilizando todos os elementos visuais da marca de ecommerce original, e publicou uma oferta de uma smart TV por apenas R$ 599. A postagem foi impulsionada com as ferramentas de publicidade da rede social para atingir um número ainda maior de vítimas. Ao clicar na promoção, o internauta era direcionado para um site que simulava com perfeição o original. Quem cair na armadilha, além de perder dinheiro com um produto que jamais será entregue, também oferece seus dados pessoais (incluindo endereço e CPF) para os criminosos. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- “O cibercrime brasileiro está sempre atento a datas especiais para lançar os seus ataques. Então, é importante que o usuário tenha consciência de que nem tudo que é oferecido na internet — mesmo em redes sociais confiáveis, como o Facebook — é verdadeiro”, observa Claudio Martinelli, diretor-general da Kaspersky para a América Latina. “Desconfie de preços absurdos, não acredite em ‘lojas’ que só aceitam pagamento em boleto, não clique em anúncios que redirecionam para sites cujo nome é diferente do legítimo e não compartilhe estes anúncios. Não seja instrumento para prejudicar um amigo ou familiar”, acrescenta o executivo. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

O que é LGPD e o que muda com essa lei

canaltech A proteção de seus dados pessoais, é um direito garantido por plataformas e aplicativos, mas ainda, assim existem casos de violações sobre suas informações na internet. No entanto, conforme a nova Lei Federal 13.709/18, que legisla sobre a proteção de dados pessoais, você terá sua privacidade e proteção garantidas em todo o território nacional. Mas, você sabe como ela funciona? Confira nossa matéria a seguir para entender como funciona a lei Geral de Proteção de Dados ou, simplesmente, LGPD. Saiba como proteger dados e evitar prejuízos com vazamentos Privacidade: como protegê-la com 10 medidas incrivelmente simples 5 coisas que você pode fazer para proteger os seus dados no celular Entenda o que é a LGPD De forma resumida, a lei tem por objetivo assegurar o direito à privacidade e à proteção de dados pessoais dos usuários, através de práticas transparentes e seguras, para garantir seus direitos fundamentais. Dessa forma, a LGPD regulamentará qualquer atividade que envolva utilização de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa física ou jurídica, no território nacional ou em países onde estejam localizados os dados. -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- A lei federal surgiu da necessidade de estabelecer regras únicas e harmônicas sobre tratamento de dados pessoais, por todas as entidades e agentes gestores de dados. Como a LGPD funciona Entenda como funciona a lei de proteção de dados - (Reprodução: Canaltech/Felipe Freitas) Segundo a legislação federal, dados pessoais são todos aqueles relacionados à pessoa natural identificada ou identificável. Nesse sentido, dados pessoais são todos aqueles que podem identificar uma pessoa. Em uma situação hipotética, ao publicar um dado de um terceiro, por exemplo, sem a permissão da pessoa, tal situação estará infringindo a LGPD. A lei também, regulamenta como deve ser o tratamento de “Dados Sensíveis”. É considerado pela legislação como dado sensível todas as informações que podem ser utilizadas de forma discriminatória. Portanto, essas informações carecem de proteção especial. Também é regulamentado em letra de lei que dados sensíveis são aqueles que implicam sobre origem racial ou étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, informações referentes à saúde ou à vida sexual, dado genético ou biométrico e todos esses dados quando vinculados a uma pessoa natural. Dessa forma, ao estar violando o direito de terceiros, consoante a proteção de suas informações, você estará infringindo a LGPD. O que mudará quando a lei entrar em vigor LGPD pode começar a valer hoje, mas sem um "chefe" que controle as regras A LGPD, estava em período de adaptação, como medida provisória desde 2018. Atualmente, a Câmara dos Deputados está realizando votações para sancionar a medida provisória que deseja adiar a vigência da legislação, mas caso a MP seja revogada a lei entrará em vigor em caráter imediato, ainda que suas penalidades passem apenas a valer em agosto de 2021. Com a legislação em vigor, certos tipos de relacionamento, principalmente os que são relacionados a dados pessoais, serão regulamentados e protegidos pela LGPD. Por exemplo, em relações de trabalhistas e empregatícias, como o empregador é detentor de informações pessoais de seus empregados, ele deve observar a LGPD, sob pena de responsabilização civil. No entanto, um fator determinante no momento para a instituição da nova lei, é a ausência de um órgão federal que realize a fiscalização de tais regras, com isso, muitas empresas ainda enxergam esse cenário com certa insegurança, essas defendem seu adiamento. Sendo assim, é necessária a instituição da "Autoridade Nacional de Proteção de Dados" ou ANPD, a qual seria responsável pela aplicação correta dos artigos previstos pela LGPD e mediaria eventuais conflitos, empresas, usuários e a própria legislação. Para mais informações, você poderá pesquisar pelo número da lei 13.709/18, para obter acesso aos artigos e incisos da nova legislação federal. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Irritado com protagonismo de Maia, Guedes veta conversas com sua equipe

Valor Econômico - Finanças Após uma série de estremecimentos, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, estão definitivamente rompidos. A ruptura tornou-se pública nesta quinta-feira (3), quando o parlamentar do DEM revelou que o chefe da equipe econômica estaria proibindo seus auxiliares de se encontrarem com ele. O protagonismo de Maia teria irritado Guedes e determinado o veto às conversas. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Wall Street tem dia de fortes perdas

Valor Econômico - Finanças Wall Street viveu nesta quinta um pregão como não se via há algum tempo. As ações de empresas de tecnologia, que têm sido o grande destaque dos últimos meses, beneficiadas pelas mudanças de comportamento e consumo em meio ao isolamento social provocado pela pandemia, lideraram as perdas e puxaram o resto do mercado. Com isso, a Nasdaq registrou forte desvalorização de 4,96%, no seu pior pregão em quase três meses. Os outros principais índices do mercado americano também ficaram no vermelho: o S&P 500 perdeu 3,51%, e o Dow Jones, 2,78%. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Crise impulsiona fintech de serviços bancários

Valor Econômico - Finanças Uma empresa de serviços de entregas, uma fintech de crédito e um provedor de tecnologia para gestão de micro, pequenos e médios varejistas. A Box Delivery, a A55 e a Pag.Aí — companhias desses três setores — vão passar a oferecer serviços bancários a seus clientes, mesmo sem ser instituições financeiras. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

CVM monitora atuação de infuenciador, diz presidente

Valor Econômico - Finanças A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vê com bons olhos o aumento do número de influenciadores que divulgam conteúdo financeiro, mas também monitora as manifestações dessas pessoas nas redes sociais. Para o presidente do regulador, Marcelo Barbosa, o novo perfil do investidor que chega ao mercado enseja uma nova forma de comunicação também das empresas e da própria CVM. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Sony WF-XB700 Extra Bass: bonito não é, mas os graves valem a pena

canaltech De uma tacada só, a Sony lançou no Brasil três modelos intermediários de fone de ouvido: o WF-XB700, o WH-CH710N e o WI-SP510 — dois in-ears e um over-ear. Hoje estamos analisando o pequeno e diferente WF-XB700, um modelo "pau para toda obra" com tecnologia Extra Bass que promete dar aquele gás no seu dia a dia — seja no trabalho, nos corres pela cidade ou até mesmo durante a malhação. Completamente sem fios, o XB700 é um TWS (truly wireless) daqueles que vêm com estojinho para você carregar (nos dois sentidos) por aí, conferindo bastante mobilidade e ocupando pouco espaço no bolso, bolsa ou mochila. O fone também conta com suporte a chamadas telefônicas, ou seja: dá para usar enquanto recebe uma ligação ou até mesmo participa de uma reunião online com o pessoal da empresa. Análise: Jaybird Vista, um fone de ouvido pequenininho, bonitinho e... parrudão! Análise: Samsung Galaxy Buds Plus e o poder da assinatura AKG Se você busca um fone pequeno, com graves encorpados e que não limite seus movimentos, chega mais que vamos destrinchar o que esse novo integrante da Sony é capaz de fazer. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!-     Design & Ergonomia Ousado. Não tinha palavra melhor para descrever o design desse fone, que apesar de ser um TWS, tem um formato… ousado. Falamos isso porque, ao comprar um fone TWS, o usuário geralmente idealiza uns buds pequenininhos, discretos e fáceis de perder. No caso do WF-XB700, esse lance de "pequenininho" não cola, porque o fone é… grande. Grande para os padrões, inclusive bem mais volumoso que a média. Mas isso tem explicação: para acomodar os componentes que dão a tônica do Extra Bass, a Sony precisou dar um jeito na questão do espaço, e por isso aumentou um pouco o tamanho do fone — que na orelha, mais parece um botão de casaco do que um fone de ouvido, mesmo. É feio? Não, feio, não... talvez "esquisitinho", mas sem perder seu charme. É aquela coisa de abrir mão de um atributo para privilegiar uma tecnologia a mais, algo que ficou bem claro para nós neste review. Eis aqui os TWS parrudinhos: esse tamanho todo tem explicação: graves! (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech) Posicionado no segmento intermediário de fones de ouvido da marca, o XB700 é fabricado usando o mesmo material plástico poroso do WH-CH710N. Então, não espere ver aqui uma superfície emborrachada como a do WF-1000XM3, ou detalhes metálicos... nada disso. De emborrachado, aqui, só mesmo as ponteiras dos buds. Mas apesar de estranhos à primeira vista, os fones são para lá de confortáveis e o material plástico tem uma leveza digna de nota: você pode passar horas curtindo um som nesse modelo sem sentir qualquer desconforto. A ergonomia, aqui, é um dos pontos altos: mesmo grandinhos, os earbuds prometem servir em praticamente qualquer orelha, sem pesar, sem machucar e sem incomodar — graças ao apoio dos buds em três pontos de cada orelha. Simplesmente não caem. Tal como no modelo mais premium dos in-ears da Sony, O WF-1000XM3, a física dos três pontos serve justamente para que o fone não caia da sua orelha e nem fique se desadaptando enquanto você anda, pula corda, pratica esportes, passeia com cachorro… enfim: se une leveza com estabilidade, serve para a maioria das atividades que você pratica no dia a dia. Junto com os foninhos vem também o case de carga e transporte, igualmente plástico e moderninho. Com tampa em acrílico translúcido na mesma cor do fone (recebemos o modelo na cor azul), você consegue ver os buds carregando dentro do case. Um charme a mais, em nossa opinião. O case tem um tamanho bem legal para quem quer mobilidade. Tem um formato de pílula, abaulado na tampa para economizar espaço, e cabe fácil no bolso. Isso é, depende do bolso: pode ficar um pouquinho volumoso em roupas esportivas, já que não vem com cordinha, mas vale o "sacrifício": ele guarda 9 horas extras de carga. Para melhor adaptação, você pode trocar as ponteiras de silicone: são 3 pares extras, mais o que vem nos fones. Ao todo, você tem ponteiras PP, P, M e G. Conectividade Os novos fones intermediários da Sony contam com Bluetooth 5.0 e NFC (que te ajuda a parear fones e dispositivo móvel sem precisar ficar abrindo menus, basta aproximá-los, quando o recurso é suportado pelo telefone) e a qualidade da conexão é bem bacana. Em nossos testes, não tivemos problemas com repiques e gargalos durante a reprodução — nem em ambientes abertos, nem dentro de casa. Bateria Fones TWS precisam de estojinhos de carga para serem recarregados e, de quebra, guardados e transportados. Sozinhos, os buds têm autonomia de 9 horas — o que é expandido para um total de 18 horas, somando-se a carga extra que o case retém. Então, sim: você pode sair por aí com os fones nas orelhas sem precisar levar o case, caso vá correr na rua, por exemplo. Mas se for sair para trabalhar e não quiser ficar na mão, é bom levar o estojo sempre na mochila. Pra um fone TWS, essa quantidade de bateria é bem bacana e acima da média. Se fôssemos pensar em defeitos, o case até poderia guardar duas cargas, mas provavelmente a Sony optou por uma só para conseguir diminuir seu volume para que as pessoas possam carregá-los no bolso numa boa. Mesmo assim, passar 9 horas longe da estação de carga é excelente para um fone com recurso de graves reforçados e, ainda por cima, in-ear totalmente sem fios. Vamos combinar que 18h de bateria, no total, é algo a considerar, hein? A autonomia desses fones está acima da média (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech) E sim, ele tem opção de carga rápida: se você espetar o case por 10 minutos no PC ou carregador (não incluso) ou colocar os fones carregando nele por esse mesmo tempo, vai ganhar 1 hora de reprodução de música. Um ponto negativo é que não tem como você monitorar a bateria dos fones pelo case ou pelos próprios fones. E como eles não possuem suporte do app da Sony, ou você vai ter que ir nas configurações do seu telefone ou esperar o aviso sonoro de carga chegando ao fim. Controles De cada lado, ou melhor, em cada bud, você vai encontrar um pequeno botão físico que faz tudo. Nada de superfície touch, aqui: o modelo é um intermediário, portanto essa "perfumaria" foi deixada para os premium. Um botãozinho físico (esse azul marinho) em cada fone, no melhor estilo "faz-tudo" (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech) Enquanto você ouve música, o esquema é o seguinte: Pressione uma vez: pausa/reprodução Pressione duas vezes: próxima música Pressione três vezes: música anterior Ao pressionar e segurar, ele vai ativar a assistente pessoal do seu celular. Assim, você consegue realizar buscas e fazer chamadas sem tirar o smartphone do bolso. Para atender chamadas, pressione uma vez. E para recusar, pressione duas. Microfone O WF-XB700 traz um microfone para te ajudar a manter as mãos livres quando seu telefone toca. É um microfone comum, padrão para fones TWS. Como você está falando enquanto está em movimento ou não está usando o telefone, diretamente, para isso, não espere uma qualidade excepcional: o áudio soa enlatado, bastaaaante comprimido, o que é normal para a maioria dos fones Bluetooth e TWS do mercado. Vai quebrar um galho? Vai, sim. Dá para usar durante uma reunião no Zoom? Até que dá... mas a galera vai perceber que você está usando um microfone "mais-ou-menos". Pudera, né? Você comprou o XB700 para ouvir música, não para fazer reunião online. Mas se você quer usar o fone esporadicamente para participar dos tais calls ou meetings, pode usar. Nos nossos testes, o fone teve um comportamento meio "temperamental": gravando áudio para mandar em apps de mensagem, pareceu que minha voz estava se esvaindo, ora voltando, ora cortando… em calls, além de enlatada, a voz pareceu distante. As pessoas tiveram um pouco de dificuldade de compreensão do outro lado da "linha". Ou seja, se você puder usar outro aparelho para calls importantes, como reuniões da empresa, use. Deixe o XB700 para conversar abobrinha com os amigos, receber ligações quando não puder pegar o seu telefone ou mandar áudio no WhatsApp. Suporte de aplicativo? Esqueça! Infelizmente, parece que a Sony "flopou" o suporte via app a todos os novos fones de ouvido de segmento intermediário. Então, nada de ajustar parâmetros como equalização no XB700. Áudio A ideia da Sony com este TWS intermediário é gerar conforto e batidas fortes nos graves em um fone relativamente pequeno. A tecnologia Extra Bass, em um fone true wireless, é algo novo, já que precisa de componentes especiais para dar boost nas frequências mais baixas. Por isso, como já mencionamos aqui, o XB700 é tão "bojudinho" e tem esse formato… estranho. Confortável, mas mesmo assim, diferentinho. Mas será que com isso a Sony conseguiu o que queria com os graves? Bom, com os graves, sim, eles realmente são bem proeminentes — e vamos analisá-los, além de médios e agudos, agora. Versátil, o WF-XB700 tem graves poderosos e são bastante confortáveis — para suas orelhas e para seus ouvidos (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech)  Graves As frequências mais baixas do espectro que o WF-XB700 entrega realmente vêm com esteroides, considerando que estamos usando fones pequenininhos, com drivers de menos de 1 centímetro (ou 0,47 polegadas, conforme especificações). São graves e subgraves que servem para dar movimento e energia no dia a dia que quem gosta de dinamismo: desde a vida agitada de idas e vindas ao trabalho (salvas as limitações da pandemia) até a prática de esportes. É um fone bem versátil e claramente voltado à galera mais jovem. Como é um fone intermediário, o WF-XB700 não suporta o codec aptX (que dá uma turbinada na qualidade sonora dos arquivos de música em streaming), ficando mesmo com os básicos e velhos conhecidos AAC e SBC via Bluetooth. Em Little L, do Jamiroquai, você sente a pressão da batida electro-disco realmente bombando nos seus ouvidos. O baixo é super, super grave nessa música, que como já é de praxe da banda, é permeada de efeitos e sintetizadores. A resposta dos graves chega firme, profunda e enérgica, sem atropelar a voz de Jay Kay nem frequências vizinhas, muito menos agudos. Para quem quer graves poderosos em fones relativamente pequenos, é um diferencial a se considerar. E se você é um fã de linhas de baixo, vai gostar do resultado também em músicas, digamos, "menos eletrônicas", com menos drum & bass, por assim dizer. Por exemplo: Another One Bites the Dust, do Queen, chega a soprar os tímpanos no WF-XB700. Uma das linhas de contrabaixo mais famosas da história recebe um tratamento especial com reforço de graves nesse modelo da Sony (o que, claro, respinga um bocado nos médios-graves dos vocais mais graves de Freddie e das bases mais gordas da guitarra de Brian May). Fique tranquilo: não é uma panela de pressão (o modelo não vai distorcer as notas mais graves e potentes da música mesmo em volumes mais altos). Mas… tem pressão. Muita. Nota: se você é sensível a graves muito profundos e insistentes, melhor não arriscar. Médios Recuados em relação aos graves, obviamente, os médios do WF-XB700 não são ruins. Aliás, levando em conta apenas essa faixa de frequência, o fone também não soa como um radinho de brinquedo. De maneira geral, eles não são tão afetados pelo Extra Bass — e, para sermos sinceros, até ganham um pouquinho de ênfase nessa brincadeira. Ouvindo Young Folks, de Peter Bjorn and John, você tem clareza nas caixas da bateria e nos vocais. O baixo, aqui, não se sobrepõe — é mais "recatado", dando o devido holofote aos vocais, principalmente no Refrão. Vocais femininos e masculinos têm definição e não há atropelos entre as frequências — inclusive, os efeitos de sintetizador e bongôs do refrão estão presentes, sem se misturar com a percussão. E, por incrível que pareça, o baixo dessa música fica recuado, embora presente. Em Bichos Escrotos, dos Titãs, os médios mostram-se bem legais: você sente a presença das notas médias da guitarra, do slap do contrabaixo, dos teclados e da caixa da bateria sem se misturarem. A voz de Paulo Miklos aparece bem forte, aliás. Sem nunca perder para os graves, sem se misturar, sem atropelos. Na hora do solo de guitarra, há uma mescladinha entre cordas e teclas, mas… natural para o peso da música. O solo de contrabaixo, repleto de filtros, que dá espaço para uma base de sintetizador no final da música, veio bastante honesto (já que, nessa música, o contrabaixo é mais médio-grave do que grave). De modo geral, a performance de médios nos surpreendeu! Agudos Estamos indo muito bem até agora na avaliação dos espectros de frequências. Nada a reclamar de graves e médios, considerando que estamos falando de um fone intermediário. Mas, os agudos é que são a frequência temperamental desse modelo. Isto é, em termos — e vamos explicar o motivo com exemplos: A implicância com os agudos veio quando uma das primeiras músicas que usei para testar o fone mostrou uma distorção bem desagradável logo na introdução (que é patológica, aliás: vem da masterização original e fica realçada em fones que seguram menos a frequência): a versão de Porque Te Vas, gravada pelo Pato Fu em 1996 — vinte anos após o lançamento da original. Talvez influenciado pelo nível de compressão das plataformas de streaming, o WF-XB700 não conseguiu reproduzir sem estourar bastante a introdução de metais que explode nessa música: quando o trompete alcança as notas mais altas, elas simplesmente… rasgam. No primeiro segundo. Escolhemos essa música por um motivo maior que esses metais da introdução: a voz de Fernanda Takai, a bateria que mistura surf music com post-punk e a guitarrinha "fininha" com tremolo formam um conjunto interessante de agudos. E sim: chimbais, pratos, voz da Fernanda, guitarra do John, ambiência, órgãos… tudo soa legal, e ia ficar bem bom ouvir essa faixa várias vezes no XB700N, não fosse a mancada do início. Home, do Edward Sharpe & The Magnetic Zeros, já soa bem mais legal. A música é repleta de elementos que utlizam frequências altas: assobios, pianos, percussão, vocais femininos… na versão remasterizada em 2019, a música soa equilibrada. Mas falta brilho na marcação da meia-lua e presença nos fraseados de piano, que sim, são abafados pelos graves. Os riffs de metais que antecedem o refrão soam bem médios, já que poderiam ter mais brilho, também. Só que em nenhum momento os agudos são distorcidos, como na música do Pato Fu. Também há falta de definição nas palmas que acompanham os "heys" aos 2:51 e o final, quando a música cresce totalmente, fica bem embolado nas frequências mais altas. Normal… não é um fone hi-end, nem Hi-Res, e o foco dele claramente é turbinar os graves, não os agudos. Isolamento de ruído O WF-XB700 não é um fone que conta com o recurso de cancelamento ativo de ruído, trazendo apenas o isolamento passivo proporcionado pelas ponteiras de silicone — se bem adaptadas ao canal auditivo. Ele tem um bom nível de "vedação sonora", mas nada que se compare ao poder de imersão do modelo intra-auricular topo de linha da Sony, o WF-1000XM3, é óbvio. Preço e onde comprar Você encontra o WF-XB700 nas cores preta ou azul no site oficial da Sony ou no e-commerce nacional custando R$ 799,99. Para acompanhar promoções, fique sempre de olho no Canaltech Ofertas — sempre aparecem oportunidades bacanas separadas a dedo pela nossa equipe. Specs Tamanho do driver: 4 mm Resposta de frequência: 20 Hz - 20.000 Hz (amostragem de 44,1 kHz)/20 Hz - 40.000 Hz (amostragem LDAC 96 kHz, 990 kbps) S-MASTER HX: Não Resistência a água: sim, IPX4 (suor e respingos) O que vem na caixa 1 Headphone WF-XB700 1 Estojo de carregamento 1 Cabo USB tipo C 2 cada Earpads de silicone SS/S/M/L 2 cada Earpads triplo conforto S/M/L 2 cada Suportes de ajuste M/L 1 Cartão de Garantia 1 Manual de instruções 1 Guia de referência Conteúdo da caixinha do XB700 (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech( Veredicto O WF-XB700 é um fone desenvolvido para quem vive em movimento e, claro, que exija realce em batidas e frequências graves. Para um fone TWS, ter esse recurso é realmente um "plus", uma vez que reforço de grave é algo comum em fones circumaurais, e não intra-auriculares. Ele cumpre o que promete: os graves são realmente enfatizados, aqui, e vão trazer bastante diversão para seu dia a dia — se você curte batidas mais fortes nas suas músicas. Apesar de parecer um modelo "em miniatura" do Sony WH-XB900N, ele ainda não tem a dose cavalar de graves que o over-ear proporciona (e que, aliás, é beeeem intensa). As frequências mais baixas têm um ganho substancial mas nada avassalador, o que é, particularmente, algo muito bom: você não tem sobreposição indesejada dos graves sobre os médio-graves e nem mesmo sobre os médios. E enquanto isso, os agudos também não se intimidam, mantendo a harmonia na grande maioria das músicas e dos estilos. Se o seu negócio é graves e liberdade de movimentos, o WF-XB700 pode ser uma boa pedida (Foto: Luciana Zaramela/Canaltech) Projetado para ser um fone para todas as horas, o WF-XB700 pode, realmente, ser um parceirão tanto para quem pretende trabalhar ouvindo música, quanto para quem se movimenta muito e gosta de se exercitar ou mesmo perambular por aí. Apesar de in-ear e de ter um design diferentão, os fones são um pouco volumosos, o que pode causar estranheza nos primeiros dias, mas acaba sendo o preço que você paga para ter graves a mais. Com o tempo, você se acostuma com isso. Algo que pode chatear alguns, além do tamanho, é o material plástico empregado tanto no fone, quanto no case, já que a Sony não colocou nenhum detalhe emborrachado no aparelho, exceto pelas ponteiras. Tudo bem, estamos cientes que o WF-XB700 é um fone intermediário, e que o material de escolha dele precisa ser leve, já que o fone é grande (senão todo o conforto iria por água abaixo)… mas, pelo valor que se paga num bichinho desses, ficamos com a impressão de que falta mais reforço... O case, mais que o fone, parece ser bastante frágil — por sua leveza e pela transparência da tampla plástica, que é legal, mas… parece que vai quebrar. No mercado, é possível encontrar fones tão legais quanto, porém custando de 150 a 250 reais a menos — mas não vão contar com o reforço de graves, que é o diferencial deste modelo aqui. Aí, vale a boa e velha máxima: o melhor é testar antes de comprar. Ouvidos são bastante relativos, não é mesmo? Para quem é o WF-XB700? Para quem curte um som com mais impacto nas batidas graves, sem saturar Para quem está sempre em movimento (e quer um fone pau-para-toda-obra) Para quem busca um fone legal, com sonoridade bacana, abaixo dos R$ 1.000 Para quem não quer saber de fios, e busca um in-ear com bateria acima da média Com quais modelos ele compete? Samsung Galaxy Buds Jaybird Vista JBL Free X JBL Tune 120 TWS Prós Bateria acima da média Cumpre o que promete com graves bem presentes Boa qualidade sonora Extremamente leve e confortável Contras Grande e volumoso para um TWS Muito plástico — passa impressão de fragilidade Valor um pouco salgado para o que oferece Nota: 8,0 Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Em convenção, PROS define Fabiano Cazeca como pré-candidato à PBH

O Tempo - Política O nome do vice-prefeito vai ser definido em outro momento; partido está aberto a coligações Veja Mais

Acompanhe o Menos30 Fest, evento de empreendedorismo e inovação - dia 5

G1 Economia Acompanhe o Menos30 Fest, evento de empreendedorismo e inovação - dia 5 G1 transmite o 5º dia do festival a partir das 17h. A educação voltada para o empreendedorismo está em pauta, de forma gratuita e 100% digital.. Veja como foi o 1º dia do evento. Veja como foi o 2º dia do evento. Veja como foi o 3º dia do evento. Veja como foi o 4º dia do evento Veja Mais

Senado aprova projeto que flexibiliza o Código de Trânsito

Valor Econômico - Finanças Texto que amplia o número de pontos necessários para a perda da carteira é uma promessa de campanha do presidente Bolsonaro; proposta volta à Câmara O Senado aprovou nesta quinta-feira (3) projeto de lei do governo que flexibiliza uma série de regras do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). A matéria é uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro e, por isso, o Palácio do Planalto estava trabalhando diretamente pela aprovação da medida no Congresso. Como o texto sofreu mudanças na Casa, a proposta terá de voltar para a análise da Câmara dos Deputados. O projeto amplia de cinco para dez anos de validade a carteira nacional de habilitação (CNH) para pessoas com até 50 anos de idade. Além disso, o texto aumenta o número de pontos para o motorista ter suspenso seu direito de dirigir. Hoje o condutor perde a carteira ao atingir 20 pontos em infrações de trânsito. Pelo texto, haverá uma graduação neste mecanismo. Os 20 pontos serão o limite apenas se o motorista tiver recebido duas multas gravíssimas. Se não houver nenhuma multa gravíssima, o motorista poderá tomar até 40 pontos antes de perder a CNH. Motoristas profissionais poderão ser multados em até 40 pontos, independentemente da gravidade. trânsito; carros Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas O projeto também tinha o objetivo de diminuir a rigidez do código em relação ao uso das cadeirinhas e outros dispositivos de retenção infantil em carros. O presidente propôs transformar a multa (gravíssima, de R$ 297 e sete pontos na CNH) para quem circular sem o equipamento em advertência (o carro ficaria retido até a regularização). A Câmara, por sua vez, rejeitou isso e ampliou a obrigatoriedade, hoje de zero a sete anos e meio, para até dez anos ou para quando a criança atingir 1,45 metro. O Senado, no entanto, também optou por ajustar este dispositivo. A Casa decidiu incluir as regras sobre o equipamento no texto do CTB e não apenas nas normas infralegais, o que afasta qualquer dúvida sobre a compulsoriedade da instalação desse item. Os senadores ainda alteraram a proposta para que as cadeirinhas tenham que ser adequadas também ao peso da criança, e não apenas à sua idade e altura. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) regulamentará as especificações técnicas das cadeirinhas e as exceções. Hoje, por decisão do Contran, a criança já pode ser transportada sem o dispositivo de segurança em caminhonetes simples, ônibus, transporte escolar, vans e táxis. Carros que atuam por aplicativos como Uber e 99, contudo, não estão autorizados. No Senado, a matéria foi relatada pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI), um dos principais líderes do grupo conhecido como "Centrão". Como forma de quebrar resistências de algumas bancadas, ele aceitou uma série de emendas ao texto em vez de tentar aprovar a versão enviada pela Câmara. “O projeto não vem de forma alguma para aumentar a impunidade, vem, sim, ajustar necessidades, como a questão das cadeirinhas. Tenho certeza que esse código vem [para] ajudar muito”, defendeu. As alterações não foram suficientes para angariar votos da oposição e de senadores com conhecimento do assunto. Ex-diretor do Detran do Espírito Santo, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES), por exemplo, criticou os colegas pela aprovação da matéria sem a “devida discussão". “Este é um momento de luto e queria pedir perdão aos parentes de vítimas fatais do trânsito pelo que o Senado está fazendo”, disse. Durante a votação dos destaques, quando trechos específicos da proposta são analisados pontualmente, o relator decidiu fazer um aceno a Fabiano Contarato e incorporou uma emenda do senador à versão final do texto. A proposta impede que haja a substituição da pena de prisão por pena restritiva de direito — como, por exemplo, a prestação de serviço à comunidade — em caso de homicídio ou lesão corporal cometidos no trânsito por condutores alcoolizados ou sob a influência de substâncias psicoativas. Nogueira ainda acatou uma emenda, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que faz um ajuste no artigo que trata da questão do uso do capacete por motociclistas. “Uma interpretação literal da redação proposta no Projeto sugeriria que, se a pessoa estiver sem o capacete, mas com a roupa adequada, não restaria configurada a infração”, explicou o parlamentar na emenda. “De modo que é necessário o pequeno ajuste redacional, para evitar quaisquer dúvidas." Consternação do Idec Após a votação, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) divulgou nota na qual afirma estar “consternado” com o resultado. “[Trata-se de] votação totalmente inoportuna de uma alteração do Código de Trânsito Brasileiro, votada remotamente, sem nenhum debate ou realização de audiência pública”, diz o comunicado. “O projeto possui mudanças sem justificativa técnicas, que comprovado por diversos estudos internacionais irão ampliar a insegurança e as mortes no trânsito. O Instituto irá avaliar as possíveis ações judiciais para modificar instrumentos graves do projeto que sequer foram debatidos no Senado”, complementa. Veja Mais

Um dos maiores bordéis do mundo declara falência devido à crise da pandemia

O Tempo - Mundo O estabelecimento tem dez andares, e fica na cidade e Colônia. Na estrutura, trabalhavam 120 prostitutas, além de 60 outros funcionários Veja Mais

Minas Gerais receberá R$ 300 milhões do Ministério do Turismo

O Tempo - Política Os recursos são provenientes da segunda etapa do Fungetur e foram anunciados nesta quinta-feira em evento entre o titular da pasta, Marcelo Álvaro Antônio, e o governador de Minas, Romeu Zema Veja Mais

Cinco crianças são encontradas mortas em apartamento e mãe é principal suspeita

O Tempo - Mundo A mulher tentou cometer suicídio em uma estação de trem em Dusseldorf e, apesar de ferida, foi resgatada e levada a um hospital; uma sexta criança, filha dela, sobreviveu Veja Mais

TJ-SP mantém inadimplente em parcelamento

Valor Econômico - Finanças No processo, contribuinte demonstrou o impacto da crise da covid-19 na sua atividade; PGE recorrerá Um contribuinte inadimplente obteve no Judiciário o direito de continuar no Programa Especial de Parcelamento (PEP) do ICMS, aberto pelo governo de São Paulo. Pela decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que manteve liminar obtida em primeira instância, ele terá que quitar duas das cinco parcelas devidas — a mais antigas — e manter em dia as cobranças a vencer. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Vale realiza primeira transação de minério de ferro via ‘blockchain’

Valor Econômico - Finanças Segundo a mineradora, a a carta de crédito foi emitida pela plataforma da Contour, gestora americana A Vale informou ter completado, nesta quinta-feira (3), sua primeira venda de minério de ferro por meio da tecnologia “blockchain”, em que a carta de crédito foi emitida pela plataforma da Contour, gestora americana. Segundo a companhia, um carregamento de 176 mil toneladas do produto Brazilian Blend Fines (BRBF) — mistura de minério entre diferente tipos, que aumenta a qualidade média do produto — deixou o Terminal Marítimo Teluk Rubiah, na Malásia, e foi entregue na China para a Nanjing Iron & Steel Group International Trade, subsidiária da Nanjing Iron and Steel. “Este é um marco importante rumo à digitalização do processo de vendas ao trazer inovação para as transações que normalmente demandam um grande uso de papel e ao oferecer um nível de serviço mais elevado para os clientes, além de previsibilidade na cadeia de valor do aço”, diz trecho do comunicado da mineradora. Veja Mais

Trabalhadores da Embraer aprovam estado de greve após demissão em massa

Valor Econômico - Finanças Em assembleia realizada na tarde desta quinta-feira (3) em frente à matriz da Embraer em São José dos Campos (SP), os trabalhadores da fabricante de aeronaves aprovaram estado de greve, numa tentativa de reverter as 900 demissões anunciadas hoje. A assembleia foi convocada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José, que alega que não houve negociação antes da nova rodada de cortes e pediu uma reunião com a empresa. A entidade informou ainda que tentará reverter os desligamentos que foram acertados nos três programas de demissão voluntária (PDV) abertos pela companhia nos últimos meses. “Durante o período de PDV, o sindicato recebeu diversas denúncias por parte dos trabalhadores de que gestores da Embraer estariam pressionando aqueles que estavam em licença remunerada para que aderissem ao PDV. O caso está, inclusive, sendo investigado pelo Ministério Público do Trabalho”, informou, em nota. Veja Mais

Dona do iFood lança conta digital de pagamento para empreendedores

Valor Econômico - Finanças A conta de pagamento permite a realização de saques, compras e transferências, mas não é aberta a investimentos O grupo Movile, dono do iFood, oficializa, nesta quinta-feira (3), sua oferta de serviços de conta de pagamentos para empreendedores parceiros, incluindo cartão pré-pago para compras e saques com a bandeira Visa. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

"O USO DO VAR FOI EQUIVOCADO AO EXTREMO" | Fernando Diniz fala após Atlético-MG 3x0 São Paulo

Fox Sports Brasil Em entrevista coletiva, Fernando Diniz falou após o Atlético-MG bater o São Paulo por 3 a 0, no Mineirão. Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! https://bit.ly/3dhfI3I ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #SãoPaulo #AtléticoMG #FernandoDiniz Veja Mais

Governador de SC enfrenta segundo processo de impeachment

Valor Econômico - Finanças Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Pesquisa aponta que 73% aprovam gestão municipal

O Tempo - Política Estudo, feito de casa em casa, com todas as medidas de segurança e encomendado pela CDL Betim, entrevistou, ao todo, mil moradores Veja Mais

Rede opta por manter reunião de forma presencial

O Tempo - Política Na noite de quinta (3), o partido realizou o ato com cerca de 15 pessoas no centro de Betim Veja Mais

Clubes de futebol somam 4 milhões de seguidores nas redes sociais

Clubes de futebol somam 4 milhões de seguidores nas redes sociais

Tecmundo Em apenas um mês, os 50 maiores clubes de futebol do Brasil atraíram juntos 4 milhões de novos seguidores em suas redes sociais, segundo uma análise do IBOPE Repucom realizada durante agosto. O crescimento expressivo se deu logo após o retorno dos jogos, que ficaram paralisados temporariamente devido à pandemia.Especialistas acreditam que o resultado das competições estaduais e o início do Campeonato Brasileiro foram os principais motivadores desta interação, que fica atrás apenas do recorde histórico de 4,7 milhões registradas em julho deste ano. No gráfico abaixo, você pode conferir as projeções desde 2018:Leia mais... Veja Mais

Criminosos estão extorquindo empresas com ameaças de ataques DDoS “fatais”

canaltech Uma nova campanha maliciosa organizada por criminosos cibernéticos está dando muita dor de cabeça para várias empresas ao redor do mundo. De acordo com informações da Akamai, gangues adotando nomes de grupos famosos (como Fancy Bear e Armada Collective) estão disparando emails para extorquir companhias, ameaçando lesá-las com ataques DDoS caso não paguem um valor específico. Mais de US$ 100 mil de empresas foram extorquidos em ameaça falsa de ataque Ataques DDoS geram preocupação no setor financeiro Microsoft localiza hackers do governo russo que usavam IoT para invasões Um ataque DDoS (distributed denial-of-service ou ataque de negação do serviço), vale lembrar, nada mais é do que o ato de inundar a capacidade de um servidor ao enviar um alto fluxo de tráfego para o próprio, simulando milhões ou até mesmo bilhões de acessos simultâneos. A grosso modo, é como sobrecarregar uma loja de departamentos com mais clientes do que sua equipe de vendedores pode atender. Esse tipo de ataque pode causar disrupções em serviços online, o que é potencialmente fatal para determinados modelos de negócio com foco em digital. No caso, os golpistas estão disparando emails prometendo ataques massivos contra a empresa vítima caso ela não pague o valor do “resgate”, que, segundo relatos, variam de 5 a 20 bitcoins (R$ 282 mil a R$ 1,1 milhão na cotação atual da criptomoeda). -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- “Seu website e outros serviços conectados ficarão indisponíveis para todo mundo. Por favor, perceba que isso vai ferir gravemente a sua reputação perante seus consumidores. [...] Nós vamos destruir completamente a sua reputação e ter certeza de que seus serviços vão continuar offline até que você pague”, ameaçam os criminosos. Ainda segundo a Akamai, em certos episódios, foram registrados “amostras” de ataques de até 200 Gb/s. Imagem: Reprodução/Clint Patterson A campanha parece focar em organizações dos Estados Unidos, Reino Unido e região da Ásia-Pacífico. Apesar do uso do nome Fancy Bear, vale observar que, historicamente falando, tal grupo costuma ser associado às agências de inteligência da Rússia e campanhas de espionagem política; eles dificilmente se envolveriam em um ataque com finalidades puramente financeiras. Por outro lado, vale lembrar que o nome Armada Collective já foi usado anteriormente para ataques “de mentirinha”, em uma campanha similar à atual. Na época, os criminosos lucraram horrores e nunca sequer efetuaram um único ataque DDoS. O uso desse nome, porém, pode ser justamente uma estratégia dos novos golpistas para atingir empresas que se sentirão descrentes em relação às ameaças. A Akamai sugere que, caso as empresas recebam tal tentativa de extorsão, ignorem a mensagem dos criminosos e acionem provedoras de soluções anti-DDoS. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Como limpar o histórico de navegação do Safari no iPhone

canaltech Está com problemas para acessar sites e seus cookies não estão carregando? Não se preocupe! A equipe Canaltech, pode ter a solução para seus problemas com a navegação. Existem casos de navegadores que podem apresentar travamentos ou certa demora no carregamento de suas páginas, devido ao extenso armazenamento de dados em cache. WWDC 2020 | Navegador Safari recebe controles de privacidade aprimorados Aprenda a configurar sua página inicial no navegador da Apple, o Safari iOS 14: todas as novidades da nova versão do sistema da Apple No entanto, se você estiver com problemas no carregamento e acesso de seus sites no Safari (iOS | Mac OS) existem configurações nativas do sistema que podem solucionar esses cenários. Veja a seguir como limpar dados e o histórico de navegação do Safari.  iOS 14: 5 recursos legais que a Apple não deu tanto destaque Como ativar a atualização automática de aplicativos no Android e iOS 7 truques que todo usuário de Mac precisa saber O seguinte tutorial foi realizado através do sistema iOS na versão 13.6.1. -Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.- Como limpar os dados e o histórico de navegação do Safari  Passo 1: em seus ajustes, acesse a aba de configurações do “Safari”; Acesse a aba "Safari" em Ajustes - (Captura: Canaltech/Bruno Salutes) Passo 2: rolando a página para baixo, você poderá apagar todo o conteúdo de seus dados e histórico de navegação, tocando na opção “Limpar Histórico e Dados dos sites”;  Então você pode limpar seu histórico e dados dos sites - (Captura: Canaltech/Bruno Salutes) Passo 3: mas caso você esteja com problemas no carregamento de sites, você pode remover apenas o conteúdo de seus dados de navegação tocando na aba “Avançado”; Toque em "Avançado" - (Captura: Canaltech/Bruno Salutes) Passo 4: em seguida, basta acessar a opção “Dados dos sites”, aqui será possível gerenciar seu armazenamento de dados e se necessário apagar todos tocando em “Remover Todos os Dados”. Acesse "Dados dos Sites" - (Captura: Canaltech/Bruno Salutes)  Pronto! Agora você sabe como limpar seus dados e histórico de navegação para solucionar problemas com o Safari. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Desencanto com Lavvi pressiona IPOs do setor de construção

Valor Econômico - Finanças A oferta de ações da incorporadora Lavvi, subsidiária da Cyrela, foi difícil de emplacar e continua reverberando. Insatisfeitos com o desempenho da operação, alguns investidores estão revendo a possibilidade de entrar em ofertas de outras companhias do setor. Afinal, são 18 empresas do mercado imobiliário com pedido de oferta registrado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

BNDES prepara oferta de ações da Suzano

Valor Econômico - Finanças O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já selecionou os bancos que farão a venda das ações que detém da empresa de papel e celulose Suzano, conforme antecipado pelo Valor PRO, serviço de notícia em tempo real do Valor. O sindicato é liderado pelo J.P. Morgan e conta ainda com Itaú BBA, Bank of America, XP Investimentos e Bradesco BBI. A oferta subsequente (follow-on) deve movimentar R$ 7,05 bilhões, considerando a cotação de fechamento desta quinta do papel. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Rodrigo Maia recebe do governo a proposta de reforma administrativa

O Tempo - Política Com entrega simbólica feita pelos líderes do governo no Congresso, Bolsonaro cumpre uma de suas promessas de campanha Veja Mais

Entenda o imbróglio da liberação de verbas para a ampliação do metrô de BH

O Tempo - Política Um dia depois de anúncios do governo federal sobre repasse de R$ 1,2 bilhão para obra da linha 2, que ligará a região do Barreiro ao metrô, ministério da Economia aponta problemas técnicos na operação Veja Mais

Santas Casas exigem do governo programa de sustentabilidade - 03/09/20

Santas Casas exigem do governo programa de sustentabilidade - 03/09/20

Câmana dos Deputados A pandemia de Covid-19 e seus reflexos na saúde pública tornaram ainda mais grave a situação contábil das Santas Casas. A frente parlamentar que representa as reivindicações dessas instituições discutiu o quadro criado com autoridades do Ministério da Saúde e já está buscando soluções por meio do BNDES e Caixa Econômica Federal. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: http://www2.camara.leg.br/participacao/saiba-como-participar/institucional/canais #CâmaraDosDeputados #SantasCasas Veja Mais

Maia diz que Guedes proibiu equipe econômica de falar com ele

Valor Econômico - Finanças Por isso, o parlamentar disse que tem negociado diretamente com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos Após receber a proposta de reforma administrativa do governo pelas mãos do ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira que não tem conversado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, porque o chefe da Pasta teria proibido que ele dialogasse com outros membros da equipe econômica. Por isso, o parlamentar disse que tem negociado diretamente com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos. “Eu não tenho conversado com o ministro Paulo Guedes, ele tem proibido a equipe econômica de conversar comigo. Ontem, a gente tinha um almoço com o Esteves e com o secretário do Tesouro para tratar do Plano Mansueto, e os secretários foram proibidos de ir à reunião”, disse Maia em entrevista à GloboNews ao ser questionado sobre a ausência de Guedes na entrega da proposta. “Então, decidi que a relação da presidência da Câmara será com o ministro Ramos, e o ministro Ramos conversa com a equipe econômica, para não criar constrangimento mais para ninguém. Mas isso não vai atrapalhar os nossos trabalhos, de forma nenhuma”, completou. Em outro momento da entrevista, o presidente da Câmara reforçou que a interlocução com Guedes foi encerrada. “Guedes não é político. Como não é, ele não tem experiência na articulação”. Apesar das diferenças com o ministro da Economia, o parlamentar do DEM disse que não fará nada divergindo da equipe econômica. Sobre a reforma administrativa, ele disse que a proposta do governo não é tímida e que tem “toda condição de votar esse ano”. O deputado disse que não será possível fugir do rito tradicional, mas descartou que o tema será debatido em uma comissão mista, como chegou a defender o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). “A comissão mista atrasa. Caminhar para uma comissão mista atrasaria pelo menos em 40 dias”. Maia repetiu que decisão do presidente Jair Bolsonaro de encaminhar reforma administrativa neste momento foi “corretíssima”. Ao ser indagado sobre a tramitação da prorrogação do auxílio emergencial, ele disse acreditar que “o governo tem base para ganhar votação”. Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados Najara Araujo/Câmara dos Deputados Veja Mais

Heels: atores das séries Arrow e Vikings aparecem em foto de bastidores

Heels: atores das séries Arrow e Vikings aparecem em foto de bastidores

Tecmundo Stephen Amell, o astro de Arrow, compartilhou em seu Twitter uma foto dos bastidores de sua nova série, Heels, na qual ele aparece ao lado de seu novo colega de elenco, Alexander Ludwig, o Björn Ironside de Vikings.A nova série do canal de TV Starz irá explorar o mundo das lutas livres, tanto dentro quanto fora dos ringues.Leia mais... Veja Mais

Altos salários e 'regalias': por que a reforma administrativa de Bolsonaro é mais branda do que desejava Paulo Guedes

G1 Economia Com primeira fase da reforma, governo propõe facilitar demissão de parte do funcionalismo. Governo Jair Bolsonaro apresentou nesta quina-feira a primeira fase da reforma administrativa Reuters Após quase um ano da previsão inicial, o governo Jair Bolsonaro deu início a sua proposta de reforma administrativa que pretende mudar regras de contratação e progressão na carreira para futuros servidores — um movimento que responde à pressão do Ministro da Economia, Paulo Guedes, mas que tem impacto mais brando do que ele pretendia, já que não afeta os que já ingressaram no funcionalismo. Além disso, a primeira fase da reforma ainda não prevê mudanças na remuneração — a intenção é que uma proposta que reduza salários iniciais e alongue o tempo necessário para conseguir aumentos seja encaminhada posteriormente. Entenda a reforma administrativa enviada pelo governo Nesta quinta-feira (03/09), foi apresentada a primeira fase com uma proposta de alteração da Constituição que prevê o fim da progressão automática na carreira por tempo de serviço, possibilita a contratação de concursados por contrato temporário e facilita a demissão (fim da estabilidade) para servidores que não estejam em carreiras típicas de Estado. A definição de quais carreiras exatamente entram nessa categoria será feita posteriormente, em um projeto de lei, caso a proposta de alteração da Constituição avance no Congresso. Mas, segundo o secretário especial adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Gleisson Rubin, as carreiras que devem ter estabilidade são aquelas que precisam estar protegidas de pressões e cujo serviço prestado é de longa duração. "A função que ele desempenha é uma função que perpassa os governos, que permanece ao longo dos anos? E também o trabalho que ele realiza está exposto a pressão de fazer algo que é flagrantemente contrário ao interesse público? Se essa atividade atende a essas duas características, então, sim, é necessário manter a estabilidade desse profissional", explicou. Proposta exclui 'membros' de outros Poderes e militares Nessa primeira fase, o governo também propõe acabar com alguns benefícios, que críticos consideram regalias, como a possibilidade de tirar mais de 30 dias de férias no ano e a aposentadoria compulsória como modalidade de punição. Essas mudanças, porém, não devem atingir algumas carreiras da elite dos servidores, como os juízes, promotores e procuradores, que além de terem benefícios como o direito a 60 dias de férias por ano, também estão entre as que recebem os maiores salários do funcionalismo. Segundo Gleisson Rubin, a proposta de reforma administrativa do governo inclui servidores dos três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) nas esferas municipal, estadual e federal, mas não alcança os membros dos Poderes Legislativo e Judiciário (parlamentares, juízes e integrantes do Ministério Público). Na leitura do governo, a Constituição não permite que parta do Executivo a iniciativa de mexer na estrutura de carreira dos outros Poderes. "Uma eventual inclusão deles depende de que cada Poder faça uma proposta ou que a nossa proposta seja ampliada, mas essa decisão cabe ao Congresso", disse. No entanto, há muita resistência dentro do Poder Judiciário em reduzir benefícios como os 60 dias de férias. Na semana passada, o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, inclusive determinou que os juízes federais e do trabalho têm direito a vender um terço dos dois meses de férias, criando mais gastos para tribunais regionais. Já o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, defendeu as férias maiores dos membros do Ministério Público em nota divulgada no ano passado, quando a reforma administrativa começou a ser debatida. "Tratam-se de agentes políticos que, tanto quanto parlamentares e chefes do Executivo, não podem estar submetidos a jornadas de trabalho pré-estabelecidas. (...) Reduzir as férias de promotores e procuradores para 30 dias, igualando-os ao servidor público em geral seria ignorar as importantes atribuições que lhe foram conferidas pela Constituição", argumentou. Exclusão de categorias é criticada Para o economista Nelson Marconi, professor nos cursos de Administração Pública e Governo da FGV-SP, realmente não faria sentido incluir parlamentares na reforma administrativa, já que são cargos políticos eletivos, com duração fixa (oito ano para senadores e quatro anos para deputados federais e estaduais e vereadores). No caso do Judiciário, Marconi reconhece que membros do Ministério Público e juízes precisam ter uma proteção maior de estabilidade, para poder investigar e julgar com independência. No entanto, ele considera importante que a reforma administrativa atinja os privilégios dessas carreiras, assim como mexa na remuneração. "Faz sentido algumas normas (da reforma administrativa) não se aplicarem a eles. Agora, qual a lógica de terem férias maiores?", questiona. Outros que ficaram de fora da reforma administrativa são os militares, grupo que tem sido beneficiado no governo Bolsonaro, capitão reformado do Exército. No ano passado, o Congresso aprovou uma reestruturação das carreiras das Forças Armadas com elevação de salários, proposta pelo presidente com compensação à reforma da previdência. Vídeo: Entenda a reforma administrativa entregue pelo governo Entenda a reforma administrativa entregue pelo governo O Ministério da Defesa justifica o tratamento diferenciado argumentando que a carreira tem características distintas das civis. Integrantes das Forças Armadas não têm direito, por exemplo, a pagamento de hora extra, fazer greve e ao FGTS. "Também é uma categoria que precisa ter estabilidade maior, mas a proposta já prevê diferenças (para as carreiras de Estado e as que não são)", afirma Marconi. Proposta de reforma tem impacto mais brando do que gostaria Paulo Guedes, ministro da Economia REUTERS "Por que os militares não podem se submeter à avaliação de desempenho, por que eles não têm que cumprir metas, por que não pode se aplicar a eles as mesmas regras (de progressão) de salários que a reforma cria para outras carreiras? É uma escolha política do governo", crítica também. Câmara propõe corte de salários, e governo deixa para depois Ficou para a segunda fase da reforma a proposta de mexer nos salários do funcionalismo público, um ponto defendido pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Ambos consideram que os servidores — com destaque para carreiras exclusivas de Estado como gestão tributária, Justiça, diplomacia — já começam ganhando alto para padrões brasileiros e progridem rapidamente para o teto de remuneração de cada categoria. Nesse sentido, eles querem uma reforma que reduza os salários iniciais, torne mais gradativa a evolução na carreira e atrele a progressão a avaliações de desempenho. Segundo o secretário Gleisson Rubin, a sugestão do governo para redução dos salários iniciais será encaminhada por meio de projeto de lei conforme avance no Congresso a proposta de alteração da Constituição encaminhada nesta quinta. Rodrigo Maia, porém, apresentou na quarta-feira (02/09) uma proposta de reforma administrativa específica para os servidores da Câmara dos Deputados já prevendo redução dos salários iniciais dos concursados em até 40%. Governo quer regulamentar demissão de servidores por 'baixo desempenho' Caso sua sugestão seja aprovada pelos deputados, a remuneração inicial de consultores legislativos na Câmara cairia de 32.844,88 para R$ 21.977,10, enquanto a dos analistas diminuiria de R$ 24.716,88 para R$ 13.849,10. A proposta também prevê que o servidor da Câmara só possa alcançar a maior faixa salarial da sua carreira em pelo menos 25 anos, com novos critérios de avaliação. Hoje, isso é possível em dez anos. O Senado ainda não apresentou sua proposta. Servidor federal no topo Segundo o Atlas do Estado Brasileiro, uma publicação do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), em média os salários dos servidores federais (R$ 9.186) são mais altos que dos servidores estaduais (R$ 5.040) e municipais (R$ 2.865). No Poder Executivo, algumas das carreiras que se destacam pela elevada remuneração paga aos recém-concursados são as de delegado da Polícia Federal (R$ 23.692,74), auditor-fiscal da Receita Federal (R$ 21.029,09), advogado da União (R$ 21.014,49), diplomata (R$ 19.199,06) e analista do Banco Central ou de Planejamento e Orçamento (R$ 19.197,06). São valores que colocam esses servidores entre os brasileiros mais ricos, no instante que ingressam na carreira. De acordo com a Oxfam Brasil, parte de uma confederação internacional que atua na redução de desigualdades, trabalhadores com salário mensal a partir de R$ 15 mil já estão entre os 2% de maior renda no país, quando consideradas pessoas de mais de 18 anos que possuam alguma fonte de recursos. Já uma remuneração a partir de R$ 23 mil coloca o indivíduo entre o 1% mais rico. Os salários pagos à elite do Poder Executivo não estão apenas muito acima da renda per capita do país (R$ 1.439, segundo o IBGE), mas superam também largamente a de pessoas altamente escolarizadas. De acordo com o Relatório Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério da Economia, a remuneração média de profissionais com doutorado no Brasil, seja no setor privado ou público, estava em R$ 12.141 em dezembro de 2018. Mas há salários iniciais ainda mais altos nos Poderes Judiciário e Legislativo. A remuneração mais baixa oferecida hoje para juízes federais no Brasil, por exemplo, é de R$ 32 mil, um patamar acima do salário pagos a novos magistrados em países ricos. Um estudo de 2018 da Comissão Europeia para a Eficiência da Justiça (Cepej, na sigla em francês) mostra que o salário inicial médio pago a juízes em 48 países (a maioria europeus) era de 50.529 euros anuais (cerca de R$ 236 mil) em 2016. Naquele ano, o juiz federal brasileiro ganhava no mínimo R$ 27.500 ao mês, além de auxílio moradia de R$ 4.377. Considerando o 13º salário e o adicional equivalente a dois meses de férias aos quais a categoria tem direito, o ganho anual de um magistrado federal era de ao menos R$ 428 mil. Após o envio da proposta inicial do governo, Rodrigo Maia cobrou nesta quarta que o Judiciário seja incluído na reforma. "O Judiciário também precisa de reforma administrativa para os seus novos servidores. Estamos em 2020, e as regras são de 1988", disse, depois de se reunir com secretários estaduais da Fazenda no Recife. Vídeos: Últimas notícias sobre a reforma admnistrativa Veja Mais

A Voz do Brasil - 03/09/2020

A Voz do Brasil - 03/09/2020

Câmana dos Deputados RÁDIO CÂMARA - Confira nesta edição, entre outros assuntos: ✔️Avanço da Covid entre indígenas preocupa parlamentares e organizações; ✔️Serviço e indústria divergem em diversos pontos da reforma tributária; ✔️Reforma administrativa atinge futuros servidores civis de todos os Poderes. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: http://www2.camara.leg.br/participacao/saiba-como-participar/institucional/canais #CâmaraDosDeputados #AVozDoBrasil #RádioCâmara Veja Mais

Fachin nega pedido para tirar da Lava-Jato ação que envolveria autoridades com foro

Valor Econômico - Finanças A reclamação foi movida pelos advogados do empresário Roberto Luís Ramos Fontes Lopes, e envolve executivos e pessoas ligadas à Cervejaria Petrópolis O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido de um empresário para tirar da Lava-Jato de Curitiba um processo que investiga doações ilegais de campanha. A ação apresentada na Corte foi apontada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) como um dos indícios de que a força-tarefa estaria investigando pessoas com foro privilegiado. Foi sob essa justificativa que a PGR pediu para ter acesso a todos os dados da Lava-Jato — o que também foi negado por Fachin. A reclamação foi movida pelos advogados do empresário Roberto Luís Ramos Fontes Lopes, um dos alvos do caso que ficou conhecido como "caixa 3", e envolve executivos e pessoas ligadas à Cervejaria Petrópolis, acusados de lavar dinheiro e operar propina para a Odebrecht. O argumento da defesa foi de que os fatos que levaram à denúncia da Lava-Jato oferecida à 13ª Vara Federal de Curitiba, em dezembro do ano passado, estariam sob investigação no Supremo em um inquérito instaurado para apurar supostos repasses de vantagem indevida dissimulada de doações eleitorais ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e seu pai, o vereador Cesar Maia. Foi nessa denúncia que os nomes de Maia e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), apareceram “camuflados” em uma tabela, sem os sobrenomes completos. Nas peças produzidas pelos procuradores de Curitiba, Maia é identificado apenas como “Rodrigo Felinto” e Alcolumbre como “David Samuel”. Em seu despacho, Fachin afirma que, em um primeiro momento, não verificava "ilegalidade evidente" no caso. Ele, no entanto, apontou que isso não significava sem prejuízo a uma eventual "reapreciação da matéria no julgamento final". A decisão é de quarta-feira (2). A força-tarefa da Lava-Jato de Curitiba nega que tenha investigado pessoas com foro privilegiado e argumenta que “parte dos nomes não coube por inteiro no campo da tabela dos beneficiários das doações“. Veja Mais

A cruel estabilidade da Covid-19 no Brasil: 4 milhões de casos e 124,6 mil morto

O Tempo - Mundo País vem saltando posições em rankings mundiais que analisam o progresso da doença no globo Veja Mais

Campos Neto admite que a volatilidade atual do câmbio preocupa o BC

Valor Econômico - Finanças Presidente da autoridade monetária atribuiu a piora aos ruídos na cena fiscal O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, reiterou nesta quinta-feira que a volatilidade do câmbio tende a cair "se mostrarmos responsabilidade no tema das reformas e fiscal". "Antes dessa minicrise fiscal, a volatilidade vinha caindo", disse em 'live', na qual foi entrevista pelo empresário Abilio Diniz. Ele admitiu, no entanto, que a volatilidade atual "preocupa o BC" e está no radar da autoridade monetária, que vem tentando entender com mais detalhes as causas dos movimentos bruscos. Campos destacou que a desvalorização vista no câmbio durante a pandemia foi causada por uma combinação de fatores. "Um pouco de incerteza fiscal, um pouco de ruídos internos, um pouco de juros baixos", afirmou. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, diz que a volatilidade atual está no radar Raphael Ribeiro/BCB Na 'live', ele também reforçou que o início da recuperação da economia brasileira "já está dado" em formato de 'V'. "Não sei se vai ser um 'V' completo", afirmou. Ele também chamou a atenção para o grande volume de transferência de recursos do governo para as famílias durante a crise, afirmando que '90% foi para pessoas físicas e 10% para pessoas jurídicas". O presidente da autoridade monetária ainda garantiu que a agenda de modernização do sistema financeiro continua a pleno vapor. "Não paramos nada (da agenda de tecnologia) durante a crise", disse. Segundo ele, em breve a indústria de pagamentos passará por uma convergência "muito importante" entre conteúdo, pagamentos e mensageria. "Isso vai mudar totalmente a indústria", disse. Por fim, reiterou o plano do BC de criar uma moeda digital, mas afirmou que ela não é causa, e sim "consequência de um sistema digitalizado, instantâneo, interoperável e aberto". Teto de gastos O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira que "pessoas e ministérios diferentes do governo têm objetivos diferentes". Campos destacou que ministros como o da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e o do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, têm os seus próprios projetos. Ele defendeu, no entanto, a estratégia de desvincular, desindexar e desobrigar despesas para abrir espaço para esses projetos sem estourar o teto de gastos. "O que está na mesa de desvincular, desindexar e desobrigar é fundamental", disse . Segundo Campos, recentemente houve fatores de três naturezas distintas que causaram volatilidade nos preços dos ativos: externos; políticos; e que misturaram política com fiscal. "Todo ruído ligado ao fiscal causou volatilidade maior", afirmou. Ele relatou conversa com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em que ambos chegaram à conclusão "que qualquer notícia que resolva nossos problemas sem atrito com teto é fundamental. O presidente da autoridade monetária reiterou que foi justamente o teto que permitiu gastos extraordinários durante a pandemia, por dar ao mercado a segurança de que a situação fiscal voltará a ficar equilibrada no futuro. Ele também destacou que, com reformas e fim de subsídios, está sendo quebrado um "ciclo vicioso", ao diminuir "a taxa longa (de juros) para níveis que não preciso mais subsidiar". A disciplina com as contas públicas, segundo Campos, também tem permitido baixar a taxa básica de juros, atualmente em 2% ao ano. Outros fatores que influenciam a Selic nas mínimas históricas, de acordo com ele, são os juros globais também baixos e "o ganho de credibilidade [do BC], que vem desde a gestão anterior". Veja Mais

Vereadores do Rio rejeitam abertura de impeachment contra Crivella

Valor Econômico - Finanças O pedido de impeachment se baseou no escândalo dos “Guardiões do Crivella” O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), escapou da abertura de processo de impeachment, em pedido votado nesta quinta-feira pela Câmara Municipal. Dos 51 vereadores, 25 rejeitaram a admissibilidade da denúncia, apresentada pelo Psol; e 23 foram favoráveis. Era necessário a maioria simples dos parlamentares. O pedido de impeachment se baseou no escândalo dos “Guardiões do Crivella”, revelado nesta semana pela TV Globo. Pelo esquema, o prefeito mobilizou uma rede de servidores da prefeitura para intimidar reclamações de usuários da rede municipal de saúde, além de cercear o trabalho de repórteres à frente de hospitais públicos. Os funcionários, nomeados em cargos de confiança, se organizaram em pelo menos três grupos de WhatsApp, denominados Guardiões do Crivella, Assessoria Especial GBP – gabinete do prefeito – e Plantão. Durante os discursos, vereadores compararam os servidores a uma milícia, “capangas” ou “jagunços”, pagos com dinheiro público para coibir queixas sobre o mau atendimento médico das unidades de saúde e tolher a liberdade de imprensa. “O que virou o governo Crivella? Virou uma milícia, paga com dinheiro dos nossos impostos. Passou de todos os limites. Está todo mundo louco lá com esse desejo de continuar no poder, é caso para tarja preta”, disse Paulo Messina (MDB), que já foi homem-forte do governo Crivella e rompeu com o prefeito no ano passado. Marcello Siciliano (Progressistas) defendeu Crivella: “O prefeito está sendo pré-julgado. Todo mundo sabe que esse processo não termina em menos de 90 dias e até lá já houve a eleição. O movimento é para sangrar o cara [Crivella]. Isso é politicagem, não é política”. O vereador foi eleito em região que é reduto de milicianos. A título de esclarecimento, a pedido dos vereadores de oposição, o presidente da Câmara, Jorge Felippe (DEM), informou que três meses são o prazo máximo para a conclusão do processo. Filho do presidente da República e recém-filiado ao partido de Crivella, Carlos Bolsonaro votou a favor do prefeito. Mesmo integrantes do bloco de legendas lideradas pelo DEM, do ex-prefeito Eduardo Paes, principal concorrente contra a reeleição de Crivella, votaram contra o acolhimento do pedido de impeachment. Entre as razões apontadas está o fato de não dar suposto palanque à esquerda, às vésperas da eleição. A denúncia foi protocolada na Câmara pela deputada estadual Renata Souza, candidata do Psol à prefeitura. Vereadores argumentaram que, se for para não dar palanque a uma postulante na corrida municipal, que os pares sejam coerentes e apoiem o pedido de Atila Nunes (DEM) — apresentado logo depois ao do Psol e considerado prejudicado, mas que pode ser novamente protocolado. Crivella já foi alvo de quatro votações que analisaram pedidos de abertura de impeachment e perdeu apenas a segunda. Nesta ocasião, porém, no ano passado, ele reorganizou sua base na Câmara, com oferta de cargos na prefeitura, e se fortaleceu, vencendo a votação final que impediu o afastamento. Marcelo Crivella Márcia Foletto/Agência O Globo Veja Mais

Performance da mineira Lucimélia Romão está no Arte como Respiro

O Tempo - Diversão - Magazine "Mil Litros de Preto (a maré está cheia)" faz uma crítica contundente ao extermínio da juventude preta no Brasil Veja Mais

SpaceX vai começar a produzir o foguete Super Heavy, garante Musk

SpaceX vai começar a produzir o foguete Super Heavy, garante Musk

Tecmundo A SpaceX vai iniciar a produção do primeiro protótipo do foguete Super Heavy ainda nesta semana. Quem garante é o CEO da companhia Elon Musk, que anunciou a novidade na última segunda-feira (31), durante a conferência online “Humans to Mars”.O equipamento, apontado como o maior foguete de combustível líquido já construído, será o responsável por impulsionar a também gigantesca espaçonave Starship até a órbita da Terra, nas futuras missões da empresa rumo a Marte e também à Lua.Leia mais... Veja Mais

Maia diz que Guedes proibiu secretários da Economia de conversarem com ele

G1 Economia Presidente da Câmara diz que agora interlocução será só com ministro Ramos (Secretaria de Governo). Economia não comenta. Guedes não compareceu à entrega da reforma administrativa. Maia diz que Guedes proibiu diálogo com secretários e que vai negociar com ministro Ramos O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (3) que passará a negociar com o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, porque o ministro da Economia, Paulo Guedes, proibiu o diálogo dele, Maia, com os secretários da área econômica. Procurado, o Ministério da Economia informou que não vai comentar o assunto. Maia deu as declarações em entrevista à GloboNews, logo após ter recebido a proposta de reforma administrativa do governo. A entrega foi feita pelo ministro Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e pelos líderes do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), e na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR). Maia: ‘Paulo Guedes tem proibido a equipe econômica de conversar comigo’ "O senhor tem conversado com a equipe econômica? Por que a ausência do ministro da Economia?", indagou o jornalista a Maia. "Eu não tenho conversado com o ministro Paulo Guedes. Ele tem proibido a equipe econômica de conversar comigo. Ontem, a gente tinha um almoço com o Esteves [Colnago, assessor especial] e com o secretário do Tesouro [Bruno Funchal] para tratar do Plano Mansueto, e os secretários foram proibidos de ir à reunião", respondeu Maia. "Então, decidi que a relação da presidência da Câmara será com o ministro Ramos, e o ministro Ramos conversa com a equipe econômica, para não criar constrangimento mais para ninguém. Mas isso não vai atrapalhar os nossos trabalhos, de forma nenhuma", acrescentou. Questionado, então, se está encerrada a interlocução com Guedes, Maia respondeu: "Foi encerrada a interlocução." Em seguida, o presidente da Câmara disse que convida assessores, secretários e consultores do governo para conversas desde a gestão de Michel Temer e que o resultado "é muito positivo". "Geralmente, os ministros têm pouca agenda. E os secretários, os assessores, os consultores são de grande qualidade no governo federal e nos ajudam, nos ensinam, constroem conosco textos de grande qualidade. A Previdência, por exemplo, o teto de gastos, tantas coisas que nós fizemos. Agora, eu não vou deixar de falar as coisas como elas são. Eu decidi e comuniquei ao governo que, dessa forma, eu prefiro conversar com o ministro Ramos", completou. À GloboNews, Maia disse que o diálogo com o Poder Executivo por meio da Secretaria de Governo é "muito melhor" porque a relação dele com o ministro Ramos "é de grande confiança". O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante entrevista à GloboNews nesta quinta-feira (3) Reprodução/GloboNews Guedes 'não é político' Ainda na entrevista à GloboNews, o presidente da Câmara disse que a interrupção do diálogo dele com o ministro da Economia não vai prejudicar a relação do governo com o Legislativo nem o andamento das reformas porque a articulação política continua na Câmara. Conforme Rodrigo Maia, Guedes "não é político" e tem "pouca experiência" na articulação política. “Como ele [Guedes] não é político, ele tem pouca experiência na articulação política. O deputado Ricardo Barros [líder do governo na Câmara] tem muita experiência, o senador Eduardo Gomes [líder do governo no Congresso] tem muita experiência. O ministro Ramos está aprendendo rápido. Mas já aprendeu, já avançou bem. Então, eu não acho que a participação do ministro [Guedes], pelo menos não comigo, claro que ele vai articular com os líderes dos partidos da base, mas acho que não tira nenhum tipo eficiência. Muito pelo contrário: aqueles que sabem fazer política continuam fazendo política e articulando dentro da Câmara”, afirmou Rodrigo Maia. Rodrigo Maia: ‘Câmara tem toda condição de votar reforma administrativa em 2020’ O que diz a reforma administrativa? Entre outros pontos, a proposta acaba com a estabilidade de parte dos futuros servidores. Pelo texto, a estabilidade passará a ser garantida somente para os servidores das chamadas carreiras típicas de Estado, como diplomatas e auditores da Receita Federal. Especial G1: Entenda a proposta de reforma administrativa Vídeos: As últimas notícias sobre a reforma administrativa Reforma administrativa: governo propõe fim da estabilidade para parte de novos servidores A proposta também tem o objetivo de pôr fim à aposentadoria compulsória de servidores como modalidade de punição. Atualmente, algumas categorias de servidores públicos aplicam como sanção, a profissionais que tenham cometido alguma irregularidade, a aposentadoria compulsória. Nesse caso, a pessoa punida deixa de trabalhar, mas mantém o salário. Com a reforma, se aprovada pelo Congresso, isso não vai mais acontecer. Outras propostas de mudança apresentadas pelo governo são a vedação de promoções ou progressões na carreira exclusivamente por tempo de serviço e a proibição de mais de 30 dias de férias por ano. O texto enviado pelo governo modifica somente as regras para os futuros servidores, aqueles que ingressarem nas carreiras após a promulgação da emenda constitucional, e não afeta os chamados membros dos Poderes (magistrados no Judiciário, deputados e senadores no Legislativo, por exemplo). Para esses casos, se quiserem alterar as regras, os poderes Judiciário e Legislativo terão que elaborar textos próprios, ou que a proposta do Executivo, enviada ao Congresso, seja alterada. Miriam Leitão: ‘Reforma administrativa traz medidas boas’ Tramitação de PEC Propostas que alteram a Constituição têm rito mais demorado dentro do Congresso se comparadas a projetos de lei. Pelas regras regimentais: o texto passa primeiro pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, que analisa se a proposta fere algum princípio constitucional. Nessa etapa, não é analisado o mérito (conteúdo); Se a CCJ aprovar a constitucionalidade do texto, será criada uma comissão especial formada por deputados para discutir o mérito da proposta; Se aprovada pela comissão, a PEC segue para votação no plenário da Câmara, onde precisará do apoio de ao menos 308 dos 513 votos, em dois turnos de votação nominal. Em razão da pandemia do novo coronavírus, a CCJ da Câmara está parada. Para autorizar o funcionamento por sistema remoto, seria necessária aprovação de um projeto de resolução, o que Rodrigo Maia já disse que pode ser votado na próxima quarta-feira (9). Se aprovada na Câmara: a PEC seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado; em seguida, vai ao plenário, onde precisará de ao menos 49 votos entre os 81 senadores, também em dois turnos de votação; se houver alguma alteração no texto aprovado pelos deputados, o texto voltará para a Câmara; se aprovada com o mesmo conteúdo, segue para promulgação, pelo Congresso. Initial plugin text Veja Mais

Veja as vagas de emprego do Sine para 4 de setembro em Macapá e Santana; inscrições são pela web

G1 Economia Há oportunidades para ajudante de rota, conferente, motorista categoria D, operador de empilhadeira, entre outras funções. Uma das vagas ofertadas pelo Sine no Amapá é para operador de empilhadeira Thomaz Fernandes/G1 O Sistema Nacional de Emprego no Amapá (Sine-AP) oferta vagas de emprego em Macapá e também em Santana para sexta-feira (4). O atendimento ao público está suspenso nas sedes do órgão e os candidatos interessados devem encaminhar e-mail com currículo anexado. As inscrições e cadastros devem ser feitos pela internet. Para os candidatos de Macapá, o endereço de e-mail é sinetrabalhador@sete.ap.gov.br; já para os de Santana é o sinesantana@sete.ap.gov.br. As vagas estão disponíveis apenas para o dia divulgado. O atendimento do Sine por e-mail já era feito para as empresas que ofertam as vagas e agora o órgão estendeu para os interessados em enviar currículos. A alternativa, que visa compensar o tempo em que o Sine ficou fechado, deve durar até o fim do decreto de isolamento. Veja as vagas disponíveis de acordo com as solicitações das empresas, para sexta-feira: Macapá aplicador de adesivo (veículos) ajudante de rota babá caseiro carpinteiro conferente cobrador externo cozinheiro industrial mecânico de máquinas pesadas motorista categoria D operador de empilhadeira operador de escavadeira operador de pá carregadeira operador de trator de esteira técnico em refrigeração vendedor interno vendedor pracista Santana carpinteiro (3 vagas) pedreiro (5 vagas) servente (4 vagas para sexo masculino) ferreiro (2 vagas) Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá Veja Mais

Startup cria 'troco digital' para facilitar a vida de varejistas

Startup cria 'troco digital' para facilitar a vida de varejistas

Tecmundo A cédula de R$ 200 pode provocar grandes inconvenientes para comerciantes que trabalham com dinheiro em espécie. Para contornar a eventuais faltas de trocos, a startup Troco Simples tenta simplificar transações financeiras que envolvem dinheiro utilizando a nuvem e transferências digitais.Atuando primeiramente em estados da região Sul do país, a startup Troco Simples tenta solucionar a falta de troco que tanto preocupa empreendedores após a introdução da cédula de R$ 200 com alternativas digitais. O sistema é simples: seu cliente paga pelo serviço com dinheiro físico e você devolve a diferença em saldo no app Troco Simples.Leia mais... Veja Mais

Convenções partidárias digitais têm início em Betim

O Tempo - Política Partidos inauguram nova forma de interagir com filiados ao optarem pelas plataformas virtuais em virtude da pandemia da Covid-19; medida atende pedido da Justiça Eleitoral Veja Mais

Nvidia mostra vídeo de DOOM Eternal rodando a 4K/120fps com a placa RTX 3080

canaltech A Nvidia anunciou a sua nova linha de placas de vídeo GeForce RTX 3000 na terça-feira (1º) e já começou a mostrar o verdadeiro poderio das GPUs. A empresa está trabalhando com o modelo RTX 3080 como principal flagship (embora haja a RTX 3090 mais potente) e lançou um vídeo em seu canal oficial mostrando DOOM Eternal rodando em 4K. Novas GeForce RTX 3000 têm até o dobro de desempenho da RTX 2080 Ti Nvidia tem receita recorde graças a data center e games Crysis: Remastered terá ray tracing no PlayStation 4 Pro e Xbox One X O vídeo compara ainda o game com a RTX 2080 Ti, até então, a placa mais potente da Nvidia. Ambas versões rodam DOOM Eternal com as configurações no máximo. O objetivo do vídeo é mostrar o poderio da nova geração do ray tracing, com efeitos de iluminação ainda mais realistas. Além disso, é perceptível que o jogo tem mais fluidez com a RTX 3080. Isso porque ele roda na faixa de 120 fps quase que o tempo todo com a nova placa, sendo que, na RTX 2080 Ti, isso fica por volta de 90 fps. -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.-   Pelo apresentado pela Nvidia, a RTX 3080 tem o dobro da capacidade de desempenho da RTX 2080, com 10 GB da nova memória GDDR6X, barramento de 320 bits, 4352 núcleos CUDA, 760 GB/s de largura de banda e 320W de TDP para executar jogos a 60 FPS em resolução 4K. No caso de DOOM, chega até 120 fps. Vale perceber que, para conseguir identificar as mudanças em resolução para o 4K no vídeo do YouTube, é preciso ter um monitor ou TV que comporte isso. Assim, se você está apenas com uma tela em full HD, pode perceber apenas pequenas mudanças em iluminação e variações em taxa de atualização de quadro. Assine o Xbox Live Gold aqui para jogar multiplayer no seu console e ainda ter acesso a ofertas exclusivas A RTX 3080 chega em 17 de setembro, a partir de US$ 699 (cerca de 3.698 na conversão direta, mesmo preço da RTX 2080). Já a RTX 3090 será lançada no dia 24 de setembro, por a partir de US$ 1.499 (R$ 7.930). Por fim, a RTX 3070 desembarca em outubro, a partir de US$ 499 (R$ 2.640, menos da metade da RTX 2080 Ti). Leia mais: Qual será o preço das novas GeForce RTX 3000 no Brasil? Nvidia "deixa escapar" A Nvidia ainda não informou oficialmente nem data nem preço para a linha chegar ao Brasil. Contudo, por conta de um possível erro, valores da linha já podem ter sido divulgados antes da hora. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Criminosos usam Semana do Brasil como isca para golpes na internet

Criminosos usam Semana do Brasil como isca para golpes na internet

Tecmundo No primeiro dia da Semana do Brasil 2020, especialistas da empresa de cibersegurança Kaspersky identificaram golpes com objetivo de roubar dados pessoais – como credenciais bancárias – postados nas redes sociais. Em um deles, divulgado por meio de um post patrocinado no Facebook, os golpistas imitam um anúncio de uma conhecida rede de varejo com uma oferta de TV 4K por menos de R$ 600. O link direciona para uma página de phishing. Ao efetuar a suposta compra, a vítima fornecerá aos criminosos informações privadas como CPF e número do cartão do banco, entre outros.Leia mais... Veja Mais

Magalu compra AiQFome, startup especializada em entrega de refeições

canaltech O Magalu anunciou nesta quinta-feira (03), a compra da AiQFome, uma das maiores plataformas de food delivery do Brasil, presente em mais de 350 municípios, distribuídos em 21 estados. Sediada em Maringá, a companhia tem aproximadamente 90 funcionários e atende mais de dois milhões de clientes nas cidades onde atua. Os valores da aquisição não foram divulgados. Junto a estes milhões de clientes cadastrados, a AiQFome afirma que processa 20 milhões de pedidos por ano, preparados por 17 mil restaurantes. Segundo números da empresa, em média, os clientes ativos fazem mais de 3 pedidos por mês Com base no último mês, a AiQFome movimenta mais de R$ 700 milhões anuais, com crescimento de 264% em relação ao mesmo período de 2019. Além disso, a plataforma tem crescido de forma exponencial, com resultados positivos e geração de caixa. Em comunicado aos investidores, a Magalu afirma que a AiQFome vem adotando uma estratégia de expansão inovadora, crescendo com foco em cidades pequenas e médias no interior do país (com população que varia entre 15 mil a 300 mil habitantes), licenciando sua marca e tecnologia para empreendedores locais. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- Dessa forma, com o comprometimento de centenas de licenciados e uma operação hiperlocal, a AiQFome desenvolveu um modelo de negócio ágil, escalável e com elevado nível de serviço para os clientes e restaurantes. O foco do app deve continuar a ser fora das grandes capitais. Nas cidades onde ele atua, 70% contam com lojas da rede Magazine Luiza. Ainda que esteja no ramo de entrega de comida, o AiQFome funciona de forma diferente de rivais como iFood, Uber Eats e Rappi. Isso porque o aplicativo faz a intermediação envolvendo o pedido e o pagamento das refeições. A entrega, no entanto, fica sob responsabilidade dos restaurantes. Mas, para os próximos meses, a plataforma pode incluir seu próprio serviço de entregas, em um modelo semelhante ao de seus concorrentes. Além disso, haverá investimento para atender cidades de maior porte. SuperApp reforçado Com a aquisição, o Magalu afirma reforçar a expansão dos serviços oferecidos no seu SuperApp, aumentando a frequência de compra dentro do seu ecossistema. Adicionalmente, com a AiQFome, o Magalu poderá oferecer sua tecnologia a milhares de restaurantes. Atualmente, o app da rede varejista já integra a carteira digital MagaluPay e os e-commerces Zattini, Época Cosméticos, Estante Virtual e Netshoes. Com a aquisição, o AiQFome poderá ganhar escala, beneficiando-se, por exemplo, da força do LuizaLabs, laboratório de inovação que já conta com 1.300 desenvolvedores. A operação de aumento de escala deverá reproduzir o que já ocorreu com outras startups compradas pea rede, como a Logbee, de tecnologia logística. Em maio de 2018, quando foi adquirida, a Logbee atuava apenas na cidade de São Paulo. Hoje, está presente em centenas de municípios. "Esse é mais um movimento cirúrgico do Magalu para desenvolver seu ecossistema de negócios e fortalecer seu superapp", diz Roberto Bellissimo, CFO da companhia. "Com a aquisição trazemos para dentro da empresa competências que ainda não possuímos." Recentemente, o Magalu adquiriu as startups Hubsales e Stoq, a plataforma de mídia da Inloco e o site de notícias de tecnologia Canaltech. A realização desses negócios -- todos integrados à estratégia de formação de um ecossistema digital -- estava prevista desde o follow-on realizado pela companhia em novembro do ano passado, quando foram levantados 4,2 bilhões de reais para suportar metas de crescimento exponencial. "Mais do que executar nossa estratégia, acreditamos que estamos contribuindo para fortalecer o ambiente de inovação do país, formado principalmente por startups", afirma Bellissimo. "Negócios como esse mostram ao mercado que há oportunidade de saída para os empreendedores e de ganho de escala para essas empresas." Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Banco Inter define preço de R$ 62,50 por unit e levanta R$ 1,2 bi em oferta, diz fonte

Valor Econômico - Finanças O Banco Inter definiu nesta noite preço de R$ 62,50 por unit em sua oferta subsequente de ações (follow-on), apurou o Valor. Com a venda de lote básico e de lote adicional, o banco levantou R$ 1,2 bilhão.  Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Startups testam oferta de ações na bolsa brasileira

Valor Econômico - Finanças Antes concentradas em listagem no mercado internacional ou apenas em rodadas fechadas de captação, startups começam a buscar capitalização com oferta de ações na bolsa brasileira. Já pediram registro de oferta o site de intermediação de vendas Enjoei, o aplicativo de cupons e cashback Méliuz e a plataforma de imóveis Housi também está na lista. Ainda na fila de ofertas está outra companhia em etapa mais avançada, mas também considerada por alguns gestores como startup por seu modelo de negócio: a loja virtual de vinhos Wine. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Bancos sobem e destoam em dia negativo para bolsa

Valor Econômico - Finanças Destoando do restante do mercado que sofreu com o tombo das bolsas de Nova York, as ações dos grandes bancos do país se destacaram de maneira positiva na bolsa nesta quinta. Os papéis tiveram firme alta e um expressivo volume de negócios. Segundo profissionais, houve um claro movimento de rotação da carteira de alguns fundos, que vendem papéis ligadas ao varejo on-line — que acumulam ganhos impressionantes no ano — para comprar ações dos grandes bancos, consideradas descontadas diante do mercado. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

FT: Especulação com derivativos em NY gera forte oscilação

Valor Econômico - Finanças Um furor especulativo com relação a derivativos de ações de tecnologia dos Estados Unidos tem se espalhado pelos mercados financeiros, em um sinal de que haverá mais grandes oscilações nos próximos meses, depois de uma alta que quebrou recordes. Esta semana, as expectativas de volatilidade futura no Nasdaq 100, um índice de ações dominado pela Apple e por um punhado de outras gigantes da tecnologia, dispararam para sua maior alta em 16 anos, em relação ao resto do mercado, logo antes do forte movimento de queda que atingiu as ações nesta quinta-feira. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Aras diz que é ‘inviável’ STF suspender efeitos da decisão que afastou Witzel

Valor Econômico - Finanças Segundo procurador-geral da República, a decisão monocrática do ministro Benedito Gonçalves já foi referendada pela Corte Especial do STJ, pelo placar de 14 a 1 O procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifestou contra o pedido apresentado no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar reverter o afastamento de Wilson Witzel (PSC) do cargo de governador do Rio. Para Aras, é "inviável" atender ao pleito apresentado pela defesa de Witzel. Ele afirma que o instrumento jurídico utilizado pelos advogados, a suspensão de liminar, não tem o poder de reverter uma decisão proferida pelo juízo competente para o processamento e julgamento da ação. O PGR também aponta que a decisão monocrática do ministro Benedito Gonçalves já foi referendada pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), pelo placar de 14 a 1. Para Aras, Witzel não comprovou que o seu afastamento traz uma situação de grave risco à ordem pública. “Ao contrário, os elementos e informações constantes nos autos indicam que o risco de grave dano à ordem é inverso, e estaria caracterizado pela manutenção do requerente em seu cargo durante a instrução probatória da demanda originária”, disse o PGR. Ele afirmou ainda que a saída de Witzel do comando do Executivo estadual “é medida que se mostra imprescindível para garantir a higidez da investigação judicial subjacente, em razão da própria natureza das infrações perpetradas”. A PGR denunciou Witzel, a primeira-dama, Helena, e outras sete pessoas por corrupção e lavagem de dinheiro. A denúncia, apresentada na semana passada, aponta a suspeita de que o governador afastado utilizou o cargo para estruturar uma organização criminosa que movimentou R$ 554 mil em propinas pagas por empresários da saúde ao escritório de advocacia de sua mulher. Além do pedido de afastamento, a PGR também solicitou a prisão de Witzel, mas esse pedido foi negado pelo STJ. Veja Mais

Câmara do Rio rejeita abrir processo de impeachment de Marcelo Crivella

O Tempo - Política Por 25 votos a 22, prefeito foi absolvido da acusação de improbidade administrativa no uso de funcionários da prefeitura para cerceamento da imprensa às portas de hospitais Veja Mais

Novo vídeo da polícia de Washington indica que negro baleado estava armado

O Tempo - Mundo Divulgação é feita apenas um dia depois de a família de Daniel Prude - homem negro morto em março - exibir imagens da ação que resultou em sua morte em Rochester, Nova York Veja Mais

Exclusivo: hackers expõem dados de clientes em fintech de empréstimos pessoais

canaltech Empresa global especializada em empréstimos online, a Lendico afirmou que sofreu na última semana uma ação de hackers em seu banco de dados. Com isso, os invasores tiveram acesso não-autorizado a informações dos usuários da plataforma da companhia - incluindo dados pessoais. Entre os dados possivelmente acessados, estão informações cadastrais, tais como nome, CPF, data de nascimento, e-mail, endereço postal, número telefônico, renda, documento de identificação, informações bancárias ou fotos. O vazamento foi informado pela Lendico a sua base de clientes na última segunda-feira (31/8), mais precisamente às 22h45. O Canaltech teve acesso ao e-mail que aborda o tema. Nele, além do reconhecimento de que dados sensíveis foram expostos, a empresa afirma que está adotando medidas apropriadas para garantir a proteção das informações pessoais dos usuários. A companhia afirma ainda que assim que foi detectada a ação, foram adotadas diversas medidas para reforçar ainda mais a segurança e evitar futuras ocorrências. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- Site da Lendico: banco de dados da empresa teria sofrido uma ação de hackers (Captura da imagem: Rui Maciel) Entre essas providências, a Lendico afirma que contratou uma renomada empresa especializada em análise forense de sistemas e segurança da informação, bem como técnicos em cibersegurança, para auxiliá-los na apuração da ação dos hackers e ajudar na reparação de eventuais danos aos sistemas da empresa. Além disso, foi implementada uma adição de novas camadas de criptografia e novos sistemas de proteção. Suspensão das atividades Como medida de segurança, o e-mail da Lendico afirma que também suspendeu sua plataforma eletrônica por alguns dias. Como consequência, os usuários não puderam ter acesso aos boletos para pagamento e antecipações. No entanto, o sistema já foi reestabelecido e os clientes já podem acessar suas contas normalmente. A companhia ressalta que os usuários do serviço não sofrerão nenhum tipo de prejuízo financeiro devido a esse período de inatividade da plataforma. O comunicado da Lendico recomenda ainda, por precaução, que seus usuários troquem a senha da sua conta na plataforma. A empresa solicita ainda que seus usuários entrem em contato com seus canais de atendimento  caso notem qualquer atividade suspeita relacionada à conta mantida na base de dados. A companhia sugere também que os clientes confirmem seus dados na Área do Cliente e, caso haja alguma informação incorreta, solicitem a apuração e retificação.  Em relação aos boletos de pagamento de empréstimos, quando os usuários receberem o documento por e−mail, a Lendico pede que eles verifiquem as informações para conferência. No entanto, é recomendável que tais boletos seja, preferencialmente, baixados na Área do Cliente.  Confira abaixo o comunicado na íntegra: Comunicado aos Clientes - Segurança de Dados Prezado Cliente, Nós, da Lendico, valorizamos a relação com nossos usuários e respeitamos a privacidade de suas informações. E é por isso que, como medida de precaução e transparência, estamos lhe escrevendo para que tenha conhecimento sobre um incidente de segurança que pode ter envolvido suas informações pessoais. A Lendico tomou conhecimento de que foi alvo de uma ação de hackers em uma de suas bases de dados. Os invasores provavelmente tiveram acesso não autorizado a informações dos usuários da plataforma da empresa (incluindo dados pessoais). Entre os dados possivelmente acessados, estão informações cadastrais, tais como nome, CPF, data de nascimento, e-mail, endereço postal, número telefônico, renda, documento de identificação, informações bancárias ou foto. Estamos adotando as medidas apropriadas para garantir a proteção das informações pessoais de nossos usuários. Assim que foi detectada a ação, foram adotadas diversas medidas para reforçar ainda mais a segurança e evitar futuras ocorrências. Entre essas providências, foi contratada uma renomada empresa especializada em análise forense de sistemas e segurança da informação, bem como técnicos em cibersegurança, para auxiliar a Lendico na apuração da ação dos hackers e a auxiliar na reparação de eventuais danos aos sistemas da empresa. Além disso, implementamos uma adição de novas camadas de criptografia e novos sistemas de proteção. Como medida de segurança, a Lendico também suspendeu sua plataforma eletrônica por alguns dias. Como consequência, os usuários não puderam ter acesso aos boletos para pagamento e antecipações. Informamos que o sistema já foi reestabelecido e você já pode acessar sua conta normalmente. Ressaltamos que os clientes não sofrerão nenhum tipo de prejuízo financeiro devido a esse período de inatividade da plataforma. Por precaução, recomendamos que você troque a senha de sua conta na Lendico. Dentro do esforço que estamos fazendo para enfrentar a situação, pedimos também que nos avise, assim que possível, sobre qualquer atividade suspeita relacionada à sua conta mantida em nossa base de dados. Além disso, sugerimos que confirme as suas informações na Área do Cliente e, se houver alguma informação incorreta, contate-nos para apuração e retificação. Em relação aos boletos de pagamento de empréstimos, quando receber por e−mail verifique as informações para conferência. Recomendamos preferencialmente baixar os boletos da Área do Cliente. Lamentamos o ocorrido e reforçamos que todas as medidas cabíveis relacionadas ao incidente já estão sendo tomadas. A Lendico tem a confidencialidade das informações de seus clientes como um de seus pilares. Por isso, sempre operou de acordo com os mais altos padrões internacionais de segurança. Ainda assim, ressaltamos que, diante do fato identificado, decidimos adotar medidas adicionais para reforçar, ainda mais, a proteção de nosso sistema. Se você tiver quaisquer questões ou acreditar que possamos ajudá-lo em suas dúvidas, por favor nos contate por e-mail: dpo@lendico.com.br ou por telefone: (11) 3230-3332. Atenciosamente,Lendico Serviços de Administração e Correspondente Bancário S.A. O que diz a Lendico? O Canaltech entrou em contato com a Lendico para obter mais informações a respeito do caso. Entre os questionamentos enviados, perguntamos quantas pessoas foram atingidas pelo vazamento; se houve registros de perdas financeiras junto aos clientes; se os dados vazados vêm sendo monitorados e que medidas foram tomadas pela área de segurança da empresa para corrigir esse vazamento e tornar o seu banco de dados mais seguro.  Em nota, a empresa respondeu: A Lendico gostaria de comunicar que foi alvo de uma ação de hackers contra uma de suas bases de dados. Tão logo a ação foi detectada, a empresa suspendeu sua plataforma eletrônica por alguns dias. Além disso, contratou uma renomada empresa especializada em análise forense de sistemas e segurança da informação, bem como técnicos em cibersegurança, para auxiliar na apuração da ação dos hackers e na reparação de eventuais danos aos sistemas da empresa. A empresa também adicionou novas camadas de criptografia e novos sistemas de proteção. As investigações realizadas indicam que os invasores provavelmente tivera  acesso não autorizado a informações dos usuários da plataforma da empresa. O sistema já foi restabelecido a Lendico já entrou em contato com seus clientes para informá-los sobre o fato. Todas as dúvidas estão sendo sanadas por meio de seus canais de atendimento. A Lendico reforça que todas as medidas cabíveis a essa investigação já estão sendo tomadas e que manterá seus clientes e parceiros informados. Quem é a Lendico? Fundada em 2013 na Alemanha, a Lendico iniciou as suas operações no Brasil em julho de 2015. Em março de 2017, a fintech já havia registrado mais de 1,3 milhão de pedidos de empréstimo, cujo processo é 100% online. Já em julho deste ano, a companhia já havia emprestado mais de R$ 500 milhões para cerca de 60 mil clientes.  Por dia, a empresa afirma receber cerca de oito mil solicitações de empréstimo pessoal. O público da empresa tem, em média, 35 anos, sendo que 63% do gênero masculino, segundo o jornal Valor Econômico. O tíquete médio das operações é de R$ 7,5 mil. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Bolsonaro diz esperar que a Selic caia da 'próxima vez'

Valor Econômico - Finanças Em live nas redes sociais, presidente afirmou que não tem como interferir na decisão do Copom, mas sinalizou a intenção de ver os juros em patamar mais baixo O presidente Jair Bolsonaro disse hoje que espera que a taxa Selic caia na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para os dias 15 e 16 de setembro. Ele ponderou, no entanto, que não interfere nessa decisão. "A Selic está 2%, ninguém nunca esperava acontecer isso no Brasil. Não foi no canetaço, não. [...]", disse Bolsonaro em sua live semanal no Facebook, ao lado do ministro da Justiça, André Mendonça. Bolsonaro reafirmou que a responsabilidade sobre os juros é do Banco Central. "E eu não participo disso, não interfiro, e, logicamente, [...] a gente fica feliz. Espero que caia na próxima vez, espero." Marcos Corrêa / Presidência da República Reforma administrativa Bolsonaro rebateu críticas ao fato de os militares não terem sido incluídos na reforma administrativa encaminhada hoje ao Congresso. Segundo ele, os militares têm características específicas que justificam esse privilégio. Além das Forças Armadas, algumas carreiras foram excluídas do texto, como juízes, membros do Ministério Público e parlamentares. "Agora, o pessoal militar, por exemplo. Se alguém quiser a previdência, tudo militar, está à disposição. Nós não temos hora extra, não temos Fundo de Garantia [do Tempo de Serviço], não tem um montão de coisa", disse Bolsonaro. "A estabilidade [dos militares] é com dez anos de serviço, não com três, tá certo? Mas ninguém quer comparar nada não." Segundo o presidente, "o quadro de servidores encheu muito no Brasil, alguns prefeitos no passado mais que dobravam o efetivo de servidores, e a conta é alta para pagar". "O que mais pesa para nós é a Previdência e servidor, aí incluindo o servidor civil e os militares da União. É enorme", afirmou. Veja Mais

Governo apresenta Plano de Retomada do Turismo no Brasil

O Tempo - Política Das quatro fases, duas faltam serem implementadas; governo liberará R$ 13,5 milhões para promoção nos Estados Veja Mais

Maia fala em votar reforma administrativa ainda neste ano

Valor Econômico - Finanças Ele ressaltou, no entanto, que a real prioridade até dezembro deve ser regulamentar os gatilhos do Teto de Gastos para abrir espaço para o programa de renda mínima O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), parabenizou o presidente Jair Bolsonaro no ato simbólico de entrega da reforma administrativa no Congresso e afirmou que espera votar a proposta pelo menos na Câmara até o fim do ano, mas que a real prioridade até dezembro deve ser regulamentar os gatilhos do Teto de Gastos para abrir espaço para o programa de renda mínima. "Temos certeza que nosso tempo é curto, principalmente para a PEC emergencial, para que na hora que o Congresso for aprovar o Orçamento possamos ter espaço pra renda emergencial. Vamos trabalhar para que seja promulgada ainda este ano, porque será fundamental para milhões de brasileiros", disse. Para Maia, a proposta de reforma administrativa "vai no ponto correto, olhando o futuro do serviço público brasileiro para oferecer um bom serviço ao cidadão". Ele também elogiou os ministros da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e o da Secretaria Geral da Presidência, Jorge Oliveira - que representou Bolsonaro no ato desta quinta-feira - pelo "bom diálogo" e "relação transparente" que permitiu votar rapidamente projetos como a Lei do Gás e a nova Lei de Recuperação Judicial e Falências. Esse diálogo, afirmou, dará condição ao Congresso de "cumprir um grande desafio" e votar as reformas tributárias e a administrativa e o pacto federativo até o fim do ano. Oliveira disse que a reforma possibilitará ao Estado brasileiro “avançar nos próximos anos e prestar melhor serviço à população”. Ele destacou que, assim como na reforma da Previdência, as propostas serão analisadas no tempo do Congresso e que deputados e senadores poderão aperfeiçoar a medida. “A PEC transfere legitimamente ao Parlamento brasileiro a possibilidade de aperfeiçoar" o texto, afirmou. O ministro reforçou que o PEC preserva os direitos dos atuais servidores e propõe mudanças que possibilitem a criação de um Estado mais “moderno e enxuto”, capaz de fazer frente “a demandas sazonais sem gerar impacto previdenciário”. Atrito com Guedes Mais tarde, Maia deixou claro seu desconforto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e disse que passará a negociar apenas com Ramos, da Secretaria de Governo. Ele afirmou que as propostas de interesse do governo têm avançado por conta da articulação política de Ramos e disse que o ministro “tem sido peça fundamental”. Segundo Maia, Guedes proibiu o diálogo dele com secretários da área econômica. Em entrevista à CNN, o presidente da Câmara afirmou que a reforma tributária está “muito bem, organizada” e defendeu a manutenção do Teto de Gastos. “Se não regulamentarmos rápido o Teto de Gastos, a garantia dessa política pode estar ameaçada”, disse. “O governo não fez previsão desse tema no Orçamento de 2021. Se não organizarmos direito o teto de gastos, a pressão vai ser muito grande por um furinho no teto”, afirmou o parlamentar. “Se abrirmos uma brecha para desrespeitar essa despesa, vamos dar sinal ruim e podemos abrir 2021 com dificuldades.” Maia criticou também a possibilidade de o governo federal criar um novo imposto e disse que a “sociedade não tem condições de pagar mais tributos”. “Será um erro histórico”. Ao voltar a falar sobre a reforma administrativa, Maia disse que os servidores da ativa não foram incluídos porque isso poderia gerar contestações na Justiça. Com Cristiane Agostine, de São Paulo Rodrigo Maia Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados Veja Mais

Zoo de Moscou divulga imagens de filhotes de tigre-siberiano brincando; vídeo

O Tempo - Mundo Animais em extinção nasceram em maio na Rússia e são dois machos e duas fêmeas Veja Mais

Total de mortos por covid-19 no Brasil passa de 124 mil, aponta consórcio de veículos de imprensa

Valor Econômico - Finanças Segundo a pasta, foram contabilizados 43.773 novos casos de ontem para hoje e total de diagnósticos confirmados nas estatísticas oficiais sobe para 4.041.638 O Brasil registrou 44.728 casos de covid-19 nas últimas 24 horas elevando o total de infectados no país a 4.046.150, segundo levantamento desta quinta-feira (2) feito pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde do país. A média móvel de casos foi de 40.237 por dia, um aumento de 9% em relação aos casos registrados em 14 dias. De acordo com o balanço desta quinta, fechado às 20h, foram registradas 830 mortes pela doença de ontem pra hoje, chegando ao total de 124.729 óbitos provocados pelo novo coronavírus. A média móvel de novas mortes no Brasil na última semana foi de 858 por dia, uma queda de 13% em relação aos dados registrados em 14 dias. Os dados divulgados pelo consórcio de imprensa foram obtidos após uma parceria inédita entre G1, “O Globo”, “Extra”, “O Estado de S.Paulo”, “Folha de S.Paulo” e UOL, que passaram a trabalhar de forma colaborativa desde o dia 8 de junho para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal. Dados do governo Segundo o Ministério da Saúde, o país registrou 43.773 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim desta quinta. Com isso, o total de diagnósticos confirmados nas estatísticas oficiais sobe para 4.041.638. Os óbitos provocados pelo novo coronavírus totalizam 124.614 no país. De acordo com os dados da pasta, foram contabilizados 834 óbitos de ontem para hoje. Segundo o órgão, o último balanço, fechado às 19h, aponta 3.247.610 pacientes recuperados da doença e 669.414 sob acompanhamento. São Paulo é o Estado com mais mortes (30.905) e casos confirmados (837.978) de covid-19. A Bahia é o segundo Estado com mais casos (265.739) e o Rio de Janeiro é o segundo com mais óbitos (16.394). Veja Mais

Estudo mostra deslocamento de influenciadores digitais da direita para o centro

O Tempo - Política Maiores variações estão nas contas com perfil de seguidores posicionados nos pontos mais extremos da direita em 2019. Veja Mais

Tarcísio teria desistido de usar R$ 1,2 bi para bancar metrô de BH, diz jornal

O Tempo - Política Recuo teria vindo após técnicos da Economia alertarem para a necessidade de incluir valores na proposta orçamentária de 2021; Ministério da Infraestrutura nega a desistência Veja Mais

Vídeo: drone causa ‘chuva de maconha’ em praça de Israel e leva a corre-corre

O Tempo - Mundo Ação foi orquestrada por um grupo que defende a legalização da cannabis em Israel, sendo "amor livre" seu slogan Veja Mais

Magazine Luiza compra AiQFome e estreia em encomendas de refeições

G1 Economia Com sede em Maringá, o AiQFome atende 350 cidades com uma plataforma de 2 milhões de clientes e 17 mil restaurantes. Valor da operação não foi revelado. O Magazine Luiza anunciou nesta quinta-feira (3) a compra do startup de delivery de comida AiQFome, ampliando a prateleira de serviços para tentar a recorrência de uso de seu marketplace. Com sede em Maringá (PR), o AiQFome atende 350 cidades com uma plataforma de 2 milhões de clientes e 17 mil restaurantes, movimentando cerca de 700 milhões de reais por ano. Magazine Luiza Divulgação Magazine Luiza tem salto de quase 50% nas receitas no 2º trimestre O valor da operação não foi revelado. Segundo o diretor financeiro e de relações com investidores do Magazine Luiza, Roberto Bellissimo, o valor não é materialmente relevante. Além de atender principalmente cidades menores, com população de 15 mil a 300 mil habitantes cada, o AiQFome tem um modelo distinto dos aplicativos de entrega de comida mais conhecidos, como iFood, Rappi e Uber Eats, já que o aplicativo é usado apenas intermediar a encomenda e o pagamento das refeições, enquanto a entrega fica a cargo dos restaurantes. O AiQFome será integrado ao superapp do Magalu, que nos últimos anos passou a incluir carteira digital e os e-commerces de Netshoes, Zattini e Época Cosméticos, entre outros. Segundo Bellissimo, o Magazine Luiza começará em breve a fazer testes com o AiQFome incluindo os serviço de entregas, enquanto amplia investimentos no negócio para atender cidades de maior porte. "Além de ampliar a oferta de serviços do nosso marketplace, o objetivo com a compra é de que o AiQFome aumente a recorrência de uso do nosso superapp", disse o executivo a jornalistas em transmissão pela internet. Assista às últimas notícias de Economia: Veja Mais

Mulan chega sem taxa extra a todos os assinantes do Disney+ em dezembro

canaltech Em agosto, foi anunciado pela Disney que o live-action de Mulan, inicialmente previsto para lançamento no dia 27 de março, perdeu a data no cinema e agora será disponibilizado diretamente no Disney+. Mantendo a última data confirmada de estreia nas salas de exibição, no dia 4 de setembro, o título estará disponível para locação e qualquer usuário poderá assistir, mesmo quem não for assinante. Depois de Mulan, Disney fala sobre possibilidade de Viúva Negra no Disney+ Reabertura dos cinemas: será que está na hora? O Canaltech conferiu de perto Isso inclusive causou uma enorme discussão nas redes sociais, por conta do preço do aluguel para assistir ao filme. Devido à alta do dólar, a locação de Mulan custaria cerca de R$ 159 na conversão direta (US$ 30). Essa estreia foi chamada de Premier Access, e empresa ainda não tinha dado uma data de distribuição do live-action para todos os assinantes do Disney+. De acordo com o TechRadar, Mulan fará parte dos títulos do catálogo da plataforma de streaming no dia 4 de dezembro. A companhia ainda confirmou que não será necessário pagar nenhuma taxa extra para assistir ao filme, desbloqueando o longa para todos os usuários. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- A "oferta Premier Access estará disponível até 2 de novembro de 2020 às 23:59", ou seja, o live-action só estará disponível para locação durante dois meses, começando nesta sexta-feira (4). Filmes, Séries, Músicas, Livros e Revistas e ainda frete grátis na Amazon por R$ 9,90 ao mês, com teste grátis por 30 dias. Tá esperando o quê? Vale lembrar que o Disney+ chega à América Latina no dia 14 de novembro e o valor da assinatura é especulado para ser R$ 28,99 mensais, com possibilidades de desconto para quem optar pelo pagamento anual, que deve ficar por volta de R$ 289,99. Segundo informações oficiais, os assinantes da plataforma de streaming terão acesso a "todos os títulos originais produzidos por e para o Disney+, assim como as coleções completas de todos os conteúdos disponíveis" das suas cinco marcas, que incluem Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e National Geographic. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Não sei por que a família Bolsonaro se preocupa tanto comigo, diz presidente argentino

Valor Econômico - Finanças O presidente argentino, Alberto Fernández, afirmou em uma entrevista a uma emissora local na noite desta quarta-feira (2) que não sabe por que "a família Bolsonaro está tão preocupada" com ele. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Facebook desenvolve áudio ultrarrealista para realidades virtual e aumentada

canaltech As tecnologias de realidade virtual e aumentada (RV e RA, respectivamente) já são um tanto convincentes do ponto de vista gráfico — basta uma rápida pesquisa no YouTube para encontrar indivíduos surtando ao experimentar um dispositivo de óculos com simulador de montanha-russa pela primeira vez. Para o Facebook, porém, há como melhor a imersão, especialmente em um aspecto, o áudio. Oculus estreia tecnologia VR que usa gestos em vez de controles para jogar O que é realidade virtual? Conheça esta tecnologia que pode mudar o mundo Realidade Virtual e Aumentada | Diferenças, possibilidades e aplicações O Reality Labs Research, laboratório de pesquisas em RV e RA da rede social, acaba de publicar um extenso relatório detalhando os seus esforços para criar um sistema de som “indistinguível da realidade” e que possa “redefinir a audição humana”. A ideia é amplificar sons específicos enquanto silencia ruídos irrelevantes para aquilo que está fora de sua zona de foco atualmente. A ideia aplicada em óculos de RV envolveria o uso de microfones direcionados que, junto com sensores de posicionamento, identificam para onde o usuário está olhando e intensifica o som daquele elemento (uma TV em um bar ou uma pessoa específica em uma sala de reunião). Naturalmente, o ser humano já regula automaticamente a sua percepção sonora quando presta atenção em algo. -CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.- Embora o conceito possivelmente tenha uma aplicação em futuros óculos do Facebook ou da Oculus, a equipe também ressalta que ele poderia ser usado para equipamentos projetados para deficientes auditivos, otimizando próteses através do cancelamento seletivo. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Veja Mais

Pesquisa da CDL aponta liderança de Vittorio Medioli

O Tempo - Política Disputa na cidade mostra polarização entre o atual prefeito de Betim e a pré-candidata do Partido dos Trabalhadores, Maria do Carmo (MDC) Veja Mais

'Bolsonaro tem que se posicionar', diz Viana após recuo em verba do metrô de BH

O Tempo - Política Senador afirma que ministério da Economia voltou atrás após pressões de bancadas, o que se deu após anúncio antecipado do envio da verba Veja Mais

Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX

canaltech Durante o lançamento do novo lote de satélites Starlink, que ocorreu às 9h46 (horário de Brasília) desta quinta-feira (3), a SpaceX divulgou detalhes sobre a qualidade atual da transmissão de dados através do serviço de internet banda larga. De acordo com a empresa, a constelação Starlink mostra agora “latência super baixa e velocidades de download superiores a 100 Mbps”. Satélites Starlink podem render US$ 30 bilhões anuais à SpaceX Constelações de satélites prejudicam observações astronômicas, alerta a IAU Satélites Starlink também ameaçam busca por asteroides potencialmente perigosos Considerando que o plano da SpaceX é de lançar pelo menos 12.000 satélites para fornecer acesso à internet, o resultado não é ruim para o estágio atual do projeto, que conta com pouco mais de 700 satélites em órbita. Ainda não está tão rápido quanto a SpaceX prometeu, mas já houve um pequeno avanço em relação a testes anteriores. Em agosto, por exemplo, a velocidade de download variava entre 11 Mbps e 60 Mbps. Essas medições de agosto foram feitas por usuários do Reddit, que participaram dos testes betas e fizeram testes anônimos através da ferramenta speedtest.net, da Ookla. Para upload, esses testes mostram velocidades de 5 Mbps a 18 Mbps. Quanto à latência, os mesmos testes mostram taxas de ping variando entre 20 ms e 94 ms. -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- Agora, o projeto está perto das 800 unidades necessárias para fornecer “recursos operacionais significativos”, de acordo com Elon Musk, CEO da SpaceX. De acordo com Kate Tice, engenheira sênior da SpaceX, a equipe do Starlink está “verificando a velocidade com que os dados viajam dos satélites para nossos clientes e, em seguida, de volta para o resto da Internet”. Tice completou dizendo que “os resultados iniciais foram bons”. Implantação dos Satélites Starlink na órbita terrestre (Imagem: SpaceX) Ela também afirmou que as latências são “baixas o suficiente” para os jogos online mais exigentes, e que “a velocidade de download é rápida o suficiente para transmitir vários filmes HD de uma vez e ainda ter largura de banda de sobra”. No entanto, um dos alvos da SpaceX são as áreas rurais ou de difícil acesso, onde as velocidades podem ser mais baixas. Ainda assim, são boas melhorias para o estágio atual da constelação de satélites, ainda mais considerando que a empresa ainda implementará uma comunicação inter-satélites. Tice contou que a SpaceX fez um teste com essa nova conexão entre dois satélites em órbita. Essa conexão funciona através de um “laser espacial” e permite às unidades transferir “centenas de gigabytes de dados” entre si. O teste foi realizado com sucesso, e quando os lasers espaciais estiverem totalmente funcionais, “o Starlink será uma das opções mais rápidas disponíveis para transferir dados em todo o mundo”, disse Tice. Results from these tests have shown super low latency and download speeds greater than 100 mbps – fast enough to stream multiple HD movies at once and still have bandwidth to spare — SpaceX (@SpaceX) September 3, 2020 A SpaceX já começou a pedir que os interessados em testar a internet da constelação Starlink forneçam seus endereços, permitindo assim que os moradores de locais cobertos pelo serviço na primeira fase fossem avisados assim que os betas abertos forem iniciados. O teste estará disponível inicialmente nas zonas rurais em Washington, e depois para o norte dos Estados Unidos e sul do Canadá. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Arianespace enfim consegue lançar foguete Vega com diversos satélites a bordo Veja Mais

Qualcomm anuncia 5G para celulares básicos com linha Snapdragon 400

Qualcomm anuncia 5G para celulares básicos com linha Snapdragon 400

Tecmundo A Qualcomm anunciou nesta quinta-feira (3) que vai lançar, no início de 2021, chipsets da série Snapdragon 4 compatíveis com 5G. A empresa espera atender a disponibilidade global, principalmente em regiões que possuem cerca de 3,5 bilhões de usuários ativos combinados, como disse o presidente da empresa Cristiano Amon.A linha de plataformas Snapdragon 4 é voltada para dispositivos de baixo custo. Ela se divide, até então, em modelos como o Snapdragon 429, 435, 439, 450 e 460. Os próximos modelos, cita Amon, devem cumprir "a promessa de tornar o 5G acessível a todos usuários de smartphones".Leia mais... Veja Mais

'Quem vai decidir o 5G sou eu', diz Bolsonaro; competência legal é da Anatel

G1 Economia Presidente afirmou que conversa com autoridades brasileiras e com 'outros países' para tomar decisão. Leilão da Anatel foi adiado para 2021; tema inclui briga comercial entre EUA e China. O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (3) que caberá a ele próprio a decisão sobre a implementação da internet móvel de quinta geração (5G) no Brasil. Segundo Bolsonaro, não vai ter "ninguém dando palpite". O leilão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para as novas frequências de telecomunicações, onde vai "trafegar" o 5G, foi adiado para 2021 em razão da pandemia. Até o momento, há apenas um aparelho de celular habilitado para a frequência no Brasil, e as operadoras fazem testes usando a própria frequência do 4G. "Olha só, temos o negócio do 5G pela frente. Deixar bem claro, quem vai decidir o 5G sou eu. Não é terceiro, ninguém dando palpite por aí, não. Eu vou decidir o 5G", declarou o presidente, durante transmissão em redes sociais. A definição dos parâmetros do leilão cabe à Anatel – que, segundo a Lei Geral de Telecomunicações, goza de "independência administrativa, ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e estabilidade de seus dirigentes e autonomia financeira". Há, no entanto, debates sobre a tecnologia 5G em temas como segurança nacional, espionagem e privacidade de dados (veja detalhes abaixo). Nestes casos, o tema cabe à inteligência do governo e à própria Presidência da República. Apesar de afirmar que não aceitará palpites, Bolsonaro também disse que conversa com autoridades do próprio governo, e com "governos de outros países" sobre os prós e contras dos modelos disponíveis. “Não é da minha cabeça, apenas. Eu converso com o general Augusto Heleno, do GSI, converso com Ramagem, que é chefe da Abin [Agência Brasileira de Inteligência], converso com o Rolando Alexandre que é o diretor-geral da Polícia Federal, com mais inteligência do Brasil, com gente mais experiente", enumerou Bolsonaro. O presidente prosseguiu: "Converso com o governo americano, converso com várias entidades, países, né, o que temos de pró e contra”, afirmou. Bolsonaro começou a falar do assunto enquanto defendia a necessidade de o Brasil ter um sistema robusto de inteligência. Nesse momento, o presidente comentava a produção de um suposto dossiê contra movimentos antifascistas pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública – algo não relacionado ao 5G. "Nós somos uma uma potência. Nós temos que ter um sistema de inteligência robusto para poder trabalhar ali na frente. Olha só, tem o negócio do 5G pela frente", disse Bolsonaro, ao entrar no tema. Debate mundial Além de questões tecnológicas, o debate do 5G envolve disputas ideológicas, econômicas e de segurança nacional. O tema está, ainda, no centro da guerra comercial entre Estados Unidos e China. A nova tecnologia permite conexões cerca de 10 vezes mais rápidas que o 4G e é considerada fundamental para a chamada "internet das coisas", com a automatização de casas, veículos e objetos de uso diário. Trump: ‘Vamos vencer a guerra pelo 5G e construir a melhor defesa cibernética de mísseis’ Uma das principais detentoras de patentes no 5G é a empresa chinesa Huawei, que enfrenta restrições nos Estados Unidos e na Inglaterra e é acusada de manter ligações excusas com o Partido Comunista Chinês. A empresa nega envolvimento em qualquer tipo de espionagem, governamental ou privada. O presidente norte-americano Donald Trump, de quem Jair Bolsonaro é aliado, chegou a declarar emergência nacional em 2019 para proteger a internet dos Estados Unidos de "adversários estrangeiros", sem citar nominalmente a firma chinesa. Em workshop com jornalistas brasileiros, em março, a Huawei afirmou que não participará do leilão de frequências – o foco da empresa é na fase posterior, quando as operadoras que vencerem a concorrência precisarão de equipamentos para colocar o 5G em operação. Múltiplos fatores Também em março, integrantes do conselho diretor da Anatel afirmaram ao G1 que a questão sobre quem poderia, ou não, participar do 5G brasileiro deveria ser discutida pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e pela Presidência da República. A afirmação indica que a decisão não será apenas de ordem técnica, ou tecnológica, mas também sofrerá influência de temas econômicos, diplomáticos e de segurança nacional. Ao banir a Huawei do 5G em julho, por exemplo, o governo do Reino Unido justificou a decisão com um posicionamento do governo dos EUA que, na prática, impediu a gigante chinesa de receber chips de empresas de outros países para fabricar seus equipamentos. A decisão deve atrasar o 5G britânico em três anos, a um custo extra de 2 bilhões de libras (R$ 13,6 bilhões), e foi justificada com a necessidade de segurança do sistema. Já o bloqueio dos EUA foi justificado por supostos riscos à segurança nacional. Governo britânico anuncia banimento da empresa Huawei das redes de 5G No Brasil, a proposta de edital para o leilão foi aprovada pela Anatel em fevereiro e submetida a consulta pública. Serão ofertadas quatro faixas de frequência: 700 MHz, 2,3 GHz, 26 GHz e 3,5 GHz. As faixas de frequências são espectros usados, por exemplo, para a oferta de telefonia celular e de TV por assinatura. A quem cabe a decisão? Como agência reguladora, a Anatel não tem poder para definir quais empresas poderão, ou não, participar do leilão do 5G no Brasil. Isso, porque a concorrência deve se basear apenas em critérios técnicos, e a restrição excessiva desses itens pode, inclusive, configurar direcionamento indevido. As discussões sobre segurança nacional e espionagem, no entanto, ultrapassam a atuação da agência reguladora. Em evento no Rio, em junho, o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, declarou que o tema não seria analisado apenas com base na técnica. "A discussão não será somente técnica, tá? Entra o lado político, avaliação... Exatamente neste pós-pandemia, isso não é um posicionamento nosso – é um posicionamento do mundo inteiro. O mundo inteiro está repensando essas parcerias e tudo mais, tá? Eu não posso aprofundar muito com o senhor o assunto, mas eu garanto para o senhor. Já tenho, inclusive, diretrizes do próprio presidente no tocante a esse assunto. Mas não é exclusivamente técnica. Tá bom?", afirmou. Em novembro, por exemplo, Jair Bolsonaro recebeu o CEO da Huawei para a América Latina, Zou Zhilei, e o presidente da Huawei do Brasil, Yao Wei, em reunião no Palácio do Planalto. Ao comentar o encontro, disse que apenas ouviu sobre a situação da empresa e o interesse dela em participar do 5G. Em 2019, Bolsonaro se reuniu com presidente de gigante chinesa para discutir 5G Veja Mais

Empresa e banco disputarão acesso a clientes

Valor Econômico - Finanças Inovações tecnológicas vão colocar instituições financeiras frente a frente não apenas com fintechs, mas com empresas de diversos setores na disputa pelos clientes. A competição se dará no ponto de contato com o consumidor, e levará vantagem quem oferecer a ele a experiência mais natural e integrada a seu dia a dia. Essas são conclusões de um estudo da consultoria EY obtido pelo Valor. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Política é desafio para integração energética na América do Sul, diz Oddone

Valor Econômico - Finanças Apesar de exemplos bem-sucedidos, como a hidrelétrica de Itaipu, a baixa confiança entre os países dificultou o avanço de iniciativas na área Desafios políticos são o maior entrave para avanço da integração energética regional na América do Sul. A afirmação foi feita nesta quinta-feira (3) pelo ex-diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) Décio Oddone. “Numa região como a nossa, em que há mudanças políticas o tempo todo, há países com tradição de monopólios e dificuldades para atuação de empresas privadas, a regulação acaba sendo um tema secundário [na questão da integração energética]”, afirmou Oddone, que participou de debate on-line organizado pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri). Apesar de exemplos bem-sucedidos, como o gasoduto Brasil-Bolívia (Gasbol) e a hidrelétrica de Itaipu, a necessidade de maior integração regulatória e a baixa confiança entre os países dificultou aos longo dos anos o avanço de iniciativas nessa área. Na visão de Oddone, as oportunidades de grandes obras de infraestrutura na região para ampliar o intercâmbio de energia já passou e, hoje, novas iniciativas devem estar voltadas para projetos pontuais em regiões de fronteira. “Quando víamos grandes obras de gasodutos e hidrelétricas, havia maior possibilidade de integração, mas, hoje, temos geração distribuída, renováveis, hidrogênio, e tudo isso caminha para uma maior regionalização. Nesse espaço, a integração perde importância. Acredito mais em oportunidades de complementaridade”, acrescentou. Por outro lado, há executivos que acreditam que as oportunidades de sinergias entre diferentes fontes de geração renovável na região ainda podem gerar novas iniciativas de integração, principalmente a partir de novas tecnologias, como o chamado ‘hidrogênio verde”. “O Brasil vai ter muita dificuldade de ocupar um espaço cada vez mais relevante internacionalmente se ele estiver com as costas viradas para os seus vizinhos”, defendeu Thiago Barral, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). No momento, o Ministério de Minas e Energia discute a elaboração de novas diretrizes para a exportação de energia elétrica proveniente de excedentes de usinas de fontes renováveis. Duas consultas públicas sobre o assunto, abertas em julho, receberam cerca de 30 contribuições, incluindo comentários de grandes players do setor, como Enel e Engie. Veja Mais

Banco Original vai fazer pré-cadastros no PIX com uma IA

Banco Original vai fazer pré-cadastros no PIX com uma IA

Tecmundo Em breve, o PIX, novo sistema brasileiro de pagamentos instantâneos estará disponível, e diversas empresas já estão implementando o recurso. Acompanhando o movimento, nessa semana, o Banco Original anunciou o uso de inteligência artificial para oferecer informações sobre a plataforma, disponibilizando um bot com o mesmo nome da companhia.Segundo comunicado, o lançamento visa, também, a realização do registro de intenção para cadastramento futuro das chaves de endereçamento – formas de identificação que serão exigidas para que as pessoas utilizem o PIX. Além disso, foi criado um hub de conteúdo, dedicado à realização de registros prévios das senhas de acesso e que conta com materiais para que os clientes possam tirar dúvidas e entender os próximos passos e funcionalidades da ferramenta.Leia mais... Veja Mais

Quem vai decidir o 5G sou eu, diz Bolsonaro sobre o leilão

Valor Econômico - Finanças Presidente afirmou que conversa com o governo americano sobre a tecnologia e levará em consideração as consultas feitas a GSI, Abin e Polícia Federal O presidente Jair Bolsonaro disse hoje que conversa com o governo americano sobre a tecnologia 5G. E, embora tenha dito que conversa com várias entidade e países sobre o tema, Bolsonaro não citou a China, que antagoniza com os americanos a disputa pela supremacia mundial sobre essa tecnologia. O governo tinha programado para este ano fazer um leilão para escolher as empresas que instalarão a rede de telefonia 5G no país. Entretanto, por conta da pandemia, o plano foi adiado para 2021. O presidente Jair Bolsonaro afirma que dará a palavra final sobre o 5G Carolina Antunes/PR Os EUA têm pressionado o Brasil e outros países para que vetem a empresa chinesa Huawei, argumentando que ela é um braço do Partido Comunista da China. Alinhado ao governo de Donald Trump, Bolsonaro afirmou em live no Facebook que quem dará a palavra final sobre o fornecedor será ele. O presidente comentou sobre o assunto ao lado do ministro André Mendonça, que havia sido questionado por jornalistas da rádio Jovem Pan, que participaram da transmissão, sobre o dossiê de antifascistas preparado por seu ministério e que foi proibido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). "Nós somos uma potência. Nós temos que ter um sistema de inteligência robusto para poder trabalhar ali na frente. Olha só, tem o negócio do 5G pela frente", disse o presidente. "Vou deixar bem claro, quem vai decidir 5G sou eu. Não é terceiro, ninguém dando palpite por aí, não. Eu vou decidir o 5G." Bolsonaro disse, na sequência, que a decisão não partirá da sua cabeça "apenas". "Eu converso com o general Augusto Heleno, do GSI. Converso com o Ramagem, chefe da Abin. Converso com o Rolando Alexandre, que é diretor-geral da Polícia Federal. E com mais inteligência do Brasil, com gente mais experiente", afirmou. "Converso com o governo americano. Converso com várias entidades, países, o que temos de prós e contras." Veja Mais

Sonda da NASA encontra formações misteriosas em Marte

canaltech Nos anos mais recentes, foram feitas muitas descobertas sobre Marte, mas o Planeta Vermelho ainda guarda vários outros mistérios para os cientistas desvendarem. E, recentemente, a Mars Reconnaissance Orbiter (MRO), da NASA, encontrou mais um deles: a sonda registrou mais uma formação enigmática na área Aureum Chaos. Ali, existem formações irregulares no solo, cuja origem ainda é desconhecida. Misteriosas nuvens alongadas voltam a aparecer em Marte; veja foto Encontrados metais em crateras da Lua que podem dar pistas sobre sua formação Estranho padrão de oxigênio recém-descoberto em Marte intriga cientistas A câmera HiRise Context da MRO conseguiu registrar o curioso relevo da área mais de perto. A equipe de pesquisadores da Universidade do Arizona, que operam a câmera, propôs uma explicação sobre o que poderia causar essa formação: é possível que sedimentos tenham se acumulado tanto pela atividade da água quanto por substância no ar — como ocorreria em erupções vulcânicas. Ainda não se sabe o que formou essa textura em Marte (Imagem: NASA/JPL/UArizona) Assim, o padrão poligonal formado no solo poderia ter se formado por pressões nos sedimentos. “Fluxos de água subterrâneos fluíram por essas aberturas e depositaram minerais que cimentaram os sedimentos”, explicam os pesquisadores no comunicado. Depois, com o vento causando erosão durante bilhões de anos, as aberturas cimentadas ficaram com a aparência como cristas de ondas. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- Como essa explicação está incompleta ou até incorreta, essas formações têm enorme potencial para estudos científicos. Entretanto, elas não são um terreno favorável para um rover se deslocar ou para humanos pousarem — e é exatamente aí que futuros helicópteros como o Ingenuity, que chegará a Marte em fevereiro de 2021 com o rover Perseverance, poderiam ser utilizados e, quem sabe, dariam início a uma nova forma de exploração de outros mundos, ao estudar o que outros robôs não conseguem. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Velocidade de conexão da internet Starlink já ultrapassa os 100 Mbps, diz SpaceX Neste sistema estelar, planetas podem nascer em órbitas totalmente desalinhadas Estudo apoia a hipótese de que o universo se encolherá até um novo Big Bang Novo lote de satélites Starlink é lançado e constelação ultrapassa 700 unidades Arianespace enfim consegue lançar foguete Vega com diversos satélites a bordo Veja Mais

INSS vai passar pente-fino em 1,7 milhão de benefícios

Valor Econômico - Finanças Segundo o instituto, quem for notificado terá prazo de 60 dias para apresentar documentos que comprovem o direito à renda previdenciária O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) vai revisar 1,7 milhão de benefícios previdenciários, incluindo aposentadorias, pensões e auxílios. Os comunicados serão enviados por meio de carta e também estarão disponíveis no aplicativo dos Correios. O pente-fino nos benefícios tem como base o artigo 69 da lei 8.212/1991, atualizada pela lei 13.846/2019, que permite ao instituto manter "programa permanente de revisão da concessão e da manutenção dos benefícios por ele administrados, a fim de apurar irregularidades ou erros materiais". Segundo o instituto, quem for notificado terá prazo de 60 dias para apresentar documentos que comprovem o direito à renda previdenciária. Os segurados serão chamados para realizar o procedimento conhecido como "cumprimento de exigência". O envio da documentação deve ser feito pela plataforma Meu INSS, na internet ou por meio do aplicativo. Quem não cumprir a exigência terá o benefício bloqueado. Ao acessar o sistema, o usuário deve escolher o serviço "Atualização de dados de benefício". Será necessário anexar os seguintes documentos do titular, procurador ou representante legal: CPF, RG, certidão de nascimento ou casamento, título de eleitor e carteira de trabalho. O segurado que não conseguir enviar os documentos pela internet deverá fazer o agendamento para fazer a entrega pessoalmente em uma das agências do INSS. Para agendar, é necessário ligar para o telefone 135 e escolher a opção "Entrega de documentos por convocação". Atualmente, com as agência fechadas, há urnas nas quais o beneficiário consegue deixar cópia da documentação, em um sistema chamado de drive-thru pelo INSS. Adriane Bramante, presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), afirma que as revisões são motivadas pela lei 13.846, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em junho do ano passado. O texto, originado pela MP (medida provisória) 871/2019, instituiu o Programa Especial para Análise de Benefícios com Indícios de Irregularidade, que tem duração até dezembro deste ano, podendo ser prorrogado até 2022. Adriane orienta os segurados para que verifiquem se seus benefícios passarão pela revisão. "Também é importante manter os dados atualizados, como o endereço correto, para que se possa receber os informativos enviados pelo INSS", diz a especialista. O advogado Roberto de Carvalho dos Santos, presidente do Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários), adverte que o INSS só pode fazer revisão nos benefícios concedidos há menos de dez anos. Se passar deste prazo, a revisão só pode ser feita se houver suspeita de fraudes. Prazo insuficiente Para Santos, o prazo de 60 dias dado pelo INSS para que o segurado apresente documentações que comprovem a regularidade de seu benefício é insuficiente, principalmente em meio à pandemia da covid-19. Na opinião dele, isso pode fazer com que parte dos casos seja levada à Justiça. Ele afirma que, caso o beneficiário não consiga ter acesso aos documentos solicitados em 60 dias, deve apresentar as justificativas pelo Meu INSS. "Porém, pela minha experiência, esse pedido de prorrogação do prazo não vai ser acolhido", diz Santos. "Em casos como esse, se a situação estiver muito complicada, às vezes é mais fácil judicializar o processo, ou seja, entrar com um mandado de segurança para sustar a exigência, tendo em vista que não se mostra possível conseguir a documentação neste momento excepcional de calamidade pública", diz Santos. O especialista também sugere que o segurado notificado sobre o procedimento de revisão busque um advogado na tentativa de não ter o benefício cortado. Veja Mais

Witzel diz que impeachment é ação nacional para pulverizar oposição a Bolsonaro

O Tempo - Política O ex-juiz aumentou as críticas depois de ser denunciado pela PGR que o acusa de ter comandado um esquema de desvio de recursos para combate à pandemia do novo coronavírus no Rio. Veja Mais

Texto da reforma foi elaborado para tramitar rapidamente, diz líder do governo

Valor Econômico - Finanças Segundo Ricardo Barros (PP-PR), estratégia foi deixar as mudanças nas regras de carreira para os servidores atuais para um segundo momento O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou nesta quinta-feira, após o ato simbólico de entrega da proposta de emenda constitucional (PEC) da reforma administrativa ao Congresso, que o projeto é um primeiro passo para o novo serviço público e que só atingirá os futuros servidores para diminuir as resistências, mas que, num segundo momento, os atuais também serão cobrados a se enquadrarem na nova regra. O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que mudanças serão estendidas a servidores atuais no futuro Najara Araujo/Câmara dos Deputados “O objetivo da construção dessa PEC foi permitir que ela fosse aprovada, que déssemos um passo na direção certa. Evidentemente, a partir da aprovação desse novo marco será cobrado também dos demais que se enquadrem na nova regra, mas isso é um passo à frente. Quando terminarmos essa tarefa começaremos outra”, disse à imprensa. “Não vejo razão para agregarmos resistência a esse processo. Pelo contrário, o texto foi criado para tramitar rapidamente e se tornar um referencial do que vai ser o novo serviço público”, emendou. Segundo Barros, o projeto foi divulgado às 10h e, até o momento do ato simbólico, às 19h, nenhum parlamentar o procurou para criticar o texto. “A aceitação da reforma está boa por todos”, disse. “Claro que, quando ocorrer o debate, podem surgir mudanças para endurecimento ou deixá-lo mais leve. Embora eu não veja motivos para ser mais leve porque os futuros servidores saberão quais são as regras e decidirão se querem ou não [se candidatarem à profissão], não vai tirar direitos dos atuais”, afirmou. Barros disse ainda que a apresentação do texto é um “passo importante para o futuro” do país e sinaliza “rigor fiscal e respeito ao teto de gastos”. O texto, segundo ele, foi “muito bem aceito pelos deputados”. Não houve resistências, destacou. Ele reforçou que a reforma é para os novos servidores e disse que 25% da força de trabalho se aposentará nos próximos cinco anos. Com a digitalização e outras mudanças no ambiente de trabalho, afirmou, o serviço público precisará de menos pessoas e com uma “qualificação diferente”. “Esse novo modelo permitirá a meritocracia no serviço público." Líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Gomes frisou que a reforma moderniza o Estado sem retirar direitos dos atuais servidores. Veja Mais

Seria o Universo fruto de um ciclo infinito de nascimento e morte?

Seria o Universo fruto de um ciclo infinito de nascimento e morte?

Tecmundo A teoria mais aceita para explicar o surgimento do Universo, como você deve saber, é a do Big Bang, evento explosivo que ocorreu há 13,8 bilhões de anos. Segundo acreditam os cientistas – e apontam os modelos –, o Cosmos teria nascido a partir de uma singularidade, isto é, de um “ponto” com campo gravitacional infinito que concentrava todo o espaço-tempo e a energia do Universo. Aliás, conforme mostram as observações, ele segue em expansão.Essa teoria não consiste em uma ideia aleatória, uma vez que os cientistas conseguem medir a velocidade com a qual o Cosmos está se ampliando através da medição da maneira que galáxias, estrelas e outros objetos estão se distanciando uns dos outros – algo que está inclusive ocorrendo cada vez mais depressa.Leia mais... Veja Mais

Reforma administrativa: Entenda os privilégios que o governo propõe que acabem

O Tempo - Política Se aprovadas, as novas regras valerão para novos servidores dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, Estados e municípios Veja Mais

STJ tranca ações contra empresários que não pagaram ICMS declarado

Valor Econômico - Finanças Entendimento do STF melhorou o cenário até então desenhado pela Seção do STJ Empresários têm conseguido no Superior Tribunal de Justiça (STJ) trancar processos penais por não recolhimento de ICMS declarado. Os ministros mudaram de entendimento e passaram a levar em consideração os critérios estabelecidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em dezembro, para a criminalização da prática — frequência (contumácia) e intenção de deixar de pagar o tributo mesmo tendo condições financeiras (dolo de apropriação). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Magazine Luiza anuncia aquisição do AiQFome, plataforma de delivery

Valor Econômico - Finanças Aplicativo de alimentação da startup movimenta mais de R$ 700 milhões em termos anualizados e registrou crescimento de 264% em relação a 2019 Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Governo manterá urgência em texto da reforma tributária para forçar debate

Valor Econômico - Finanças Projeto de lei que unifica o PIS/Cofins na Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) tranca a pauta do plenário da Câmara a partir de segunda-feira O governo Bolsonaro decidiu que manterá o regime de urgência para o projeto de lei que unifica o PIS/Cofins na Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e que tranca a pauta de plenário da Câmara a partir de segunda-feira. Com isso, os deputados não poderão mais votar outros projetos de lei até que essa parte da reforma tributária seja deliberada. A estratégia, segundo fontes, é forçar o debate sobre a proposta do governo e sinalizar para a sociedade empenho para aprovação da reforma tributária, mesmo que os articuladores políticos reconheçam que o mais provável é que só esteja maduro para votação em novembro ou dezembro no plenário da Câmara, numa versão mais completa. “A tendência é manter a urgência como forma de enviar o recado de que a reforma tributária é prioridade para o governo. Desde que o texto chegou, segue intocado. Não avançou nada. A expectativa é que a gente espere qualquer aceno de andamento para retirar a urgência e viabilizar o avanço das demais pautas”, afirmou um articulador governista. No momento, deputados e senadores estão com as atenções voltadas às duas propostas de emenda constitucional (PECs) que promovem unificação mais ampla de tributos, incluindo também impostos estaduais e municipais. O tema é debatido numa comissão mista e o relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), prometeu o parecer para o fim de setembro. A PEC 45, de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), junta PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS num Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). A PEC 110, do ex-deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), unifica IPI, IOF, PIS/Pasep, Cofins, ICMS, ISS, Cide, salário-educação no IBS. O projeto do governo se limita ao PIS e Cofins, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem incentivado o Congresso a ampliar a reforma se houver o apoio de governadores e prefeitos. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem elogiado a proposta do governo e dito que ela é convergente com as PECs, mas que prefere a reforma mais ampla pelo impacto na economia. Por isso, manteve paralisado o projeto de reforma tributária do governo – que seria a primeira etapa de quatro, mas as outras três ainda nem foram enviadas pelo Executivo. Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, elogiou a reforma do governo, mas defende texto mais amplo Najara Araujo/Câmara dos Deputados O requerimento de urgência assinado pelo presidente Jair Bolsonaro faz com que a pauta da Câmara fique trancada se o projeto não for votado em 45 dias. Isso impede a votação de outros projetos de lei e só podem ser analisadas medidas provisórias (MPs), projetos de lei complementar e PECs. Há movimentações de bastidores para que o governo recue na urgência e permita o funcionamento normal da Câmara. A interpretação entre os governistas é que o projeto foi muito debatido por advogados e empresários, mas que a discussão não chegou ao Congresso. Se uma ação mais efetiva não for tomada, afirmam, a CBS seguirá escanteada e irá a reboque das outras propostas - com os louros por uma possível aprovação da reforma tributária colhidos por outros atores que não o governo. Segundo um parlamentar, o trancamento da pauta não causará prejuízo para o governo porque os principais projetos de lei defendidos pela equipe econômica já estão aprovados, como a nova Lei do Gás, votada na terça-feira passada, e a reforma na Lei de Recuperação Judicial e Falências. Além disso, outros projetos que o Executivo tem buscado contornar, como o auxílio emergencial aos profissionais do esporte, ficarão impedidos de serem votados. Essa estratégia também levará uma natural priorização das medidas provisórias do governo, afirmou esse governista. Há 32 MPs aguardando votação pela Câmara – a maioria delas, de abertura de créditos extraordinários para pagar despesas causadas pela pandemia da covid-19, como a reorganização societária da Caixa Econômica Federal e a criação do Ministério das Comunicações. Veja Mais