Meu Feed

No mais...

Aprenda como fazer uma tabela dinâmica no Excel

canaltech O Microsoft Excel possui uma poderosa ferramenta conhecida como Tabela Dinâmica. Com ela, os usuários podem, de maneira rápida e prática, calcular, analisar e comparar padrões e tendências das informações contidas em bases de dados. Excel online: ferramenta permite criar planilhas sem baixar nada 15 modelos de planilhas prontas que você pode usar no Excel Como ocultar e exibir linhas em uma planilha do Excel Se você possui uma base de dados com muitas informações e gostaria de torná-las mais acessíveis, confira a seguir como criar e configurar uma tabela dinâmica no Excel! Aprenda como fazer uma tabela dinâmica no Excel Passo 1: abra no Excel a sua base de dados e selecione todas as células. Para auxiliar no processo, você pode utilizar o comando “Ctrl + Shift + Barra de espaço” (Windows) ou “Cmd + Shift + Barra de espaço” (Mac). -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- Abra a sua base de dados no Excel e selecione todas as células (Captura de tela: Matheus Bigogno) Passo 2: em seguida, acesse a aba “Inserir” do menu superior e clique em “Tabela Dinâmica”. Acesse a aba "Inserir" no menu superior e clique em "Tabela Dinâmica" (Captura de tela: Matheus Bigogno) Passo 3: verifique se o intervalo está correto e se a nova tabela será aberta em uma nova aba da planilha. Feitos os ajustes, clique em “OK”. Clique em "OK" para poder prosseguir (Captura de tela: Matheus Bigogno) Importante: você pode importar outras bases de dados que não estão em uma tabela do Excel. Passo 4: para configurar a sua tabela, arraste um dos atributos para o campo “Linhas” no menu lateral direito e verifique que a tabela começará a ser criada. Arraste um atributo para o campo "Linhas" (Captura de tela: Matheus Bigogno) Passo 5: arraste outro atributo para o campo de “Colunas’. Arraste um atributo para o campo "Colunas" (Captura de tela: Matheus Bigogno) Passo 6: arraste para o campo “Valores” os números e fórmulas que você quer analisar. Por padrão, ele retorna a soma, mas, caso queira alterar, clique na “Seta para baixo” e selecione o item “Configurações do Campo”. Arraste um atributo para o campo "Valores" (Captura de tela: Matheus Bigogno) Passo 7: caso queira, você ainda pode adicionar um atributo de filtro para a tabela. Arraste um atributo para o campo "Filtros" (Captura de tela: Matheus Bigogno) Passo 8: para alternar entre os filtros, basta apenas expandi-los, selecionar um ou mais e clicar em “OK”. Para aplicar um filtro na tabela, selecioneo e clique em "OK" (Captura de tela: Matheus Bigogno) Pronto! A partir deste momento, você pode criar, configurar e começar a analisar melhor uma tabela dinâmica. Não se esqueça de ajustar o layout e a formatação dela. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21) Ainda usa senhas fáceis? Estas são algumas das piores combinações de 2020 Galaxy A50s começa a receber a One UI 2.5 Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Veja Mais

Moderna: o que sabemos até agora sobre a vacina contra COVID-19

canaltech No mundo, mais de 55 milhões de pessoas que se contaminaram pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), sendo que 1,3 milhão morreram em decorrência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, há uma verdadeira corrida por uma vacina segura e eficaz contra a COVID-19 e cada vez mais imunizantes se aproximam da linha de chegada, como o imunizante da farmacêutica norte-americana Moderna. Vacina da Moderna contra COVID-19 tem mais de 94% de eficácia Fiocruz dá início a estudos com o uso da vacina BCG contra COVID-19 Vacina da Pfizer pode chegar em março ao Brasil; logística é desafiadora Nesta semana, a Moderna chegou a anunciar que sua potencial vacina, a mRNA-1273, obteve uma taxa de 94,5% de eficácia na prevenção da COVID-19, durante os estudos clínicos de fase 3. No entanto, esses ainda são dados preliminares e o resultado pode variar. Aposta contra a COVID-19, vacina da Moderna pode ter uso autorizado ainda em 2020 (Imagem: Reprodução/ McKinsey/ Rawpixel) A seguir, confira tudo o que já sabemos sobre a vacina da Moderna, desenvolvida em parceria com os National Institutes of Health (NIH), nos Estados Unidos, contra a COVID-19:   -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- A vacina contra a COVID-19 é segura? Talvez, uma das maiores dúvidas sobre as vacinas contra a COVID-19 seja sua segurança. Pensando no imunizante da Moderna, até agora, os estudos clínicos demonstraram a segurança de sua fórmula. Isso porque voluntários da pesquisa relataram apenas efeitos colaterais leves ou moderados, como fadiga e vermelhidão no local da injeção.  No entanto, antes de uma avaliação final da vacina, reguladores devem aguardar dois meses, após a aplicação da segunda dose do imunizante, para verificar possíveis efeitos adversos nos voluntários. Vale lembrar que o estudo de fase 3 envolve cerca de 30 mil pessoas. Depois da conclusão da pesquisa, os cientistas ainda acompanharão por meses (e anos) os grupos que receberam o imunizante. Como funciona a vacina da Moderna? Com uma tecnologia promissora entre os imunizantes, a vacina da Moderna — assim como a candidata da farmacêutica Pfizer — adota técnicas atuais da biotecnologia para promover a imunização contra a COVID-19 e desenvolve uma vacina de RNA mensageiro. Dessa forma, o corpo começa a produzir proteínas virais, mas não o vírus inteiro, o que é suficiente para treinar o sistema imunológico para atacar o vírus da COVID-19. A ideia é que essas partículas treinem e preparem o corpo para uma eventual invasão do agente infeccioso, já que foi responsável por desenvolver uma resposta imune, a partir das células T. Quando a vacina contra a COVID-19 deve chegar?  A farmacêutica tem altas expectativas em relação ao seu imunizante e espera que no próximo mês doses já cheguem ao mercado, principalmente nos Estados Unidos. No entanto, esse cronograma depende de uma variável fundamental que é a conclusão dos testes de fase 3. Para isso, mais 56 voluntários do estudo precisam contrair a COVID-19. Atualmente, 95 pessoas adoeceram, sendo que apenas cinco tinham recebido a vacina. Vacinas contra a COVID-19 devem auxiliar o controle da pandemia (Imagem: Reprodução/ Karolina Kaboompics/ Rawpixel) Quando obtiver dados estatísticos suficientes sobre a capacidade de eficácia do imunizante, a Moderna deve solicitar uma autorização de uso emergencial da fórmula para a Food and Drug Administration (FDA). Também não se sabe quanto tempo a agência federal levará para autorizar o uso desta vacina e o estimado é algo em torno de um mês. Quanto ao Brasil, não há uma estimativa para a chegada da vacina, mas isso pode acontecer através do programa COVAX Facility, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Vale lembrar que essa iniciativa busca distribuir de forma global as eventuais vacinas contra a COVID-19 tanto entre os países ricos quanto entre os pobres. Quem deve tomar as primeiras doses da vacina? A Moderna espera ter 20 milhões de doses prontas para embarque até o final do ano, suprimento suficiente da dose de duas doses para 10 milhões de pessoas.  Assim que a vacina for aprovada e começar a ser distribuída, surgirá outra questão: quem deverá receber as primeiras doses do imunizante contra a COVID-19?  Provavelmente, os primeiros beneficiados serão as pessoas com maior pisco de contrair a COVID-19, como médicos e enfermeiros na linha de frente tratando de pacientes com coronavírus. Em seguida, devem ser atendidos os grupos de risco para a infecção, como idosos e doentes com comorbidades, além de professores. Só que os EUA ainda não concluíram as recomendações oficiais sobre o tema.  O que ainda não sabemos sobre a vacina da Moderna? Até agora, todos os resultados são preliminares. A farmacêutica ainda deve liberar resultados adicionais posteriormente, como a eficácia em grupos específicos. Isso porque os resultados em idosos podem ser diferentes e a vacinação ainda pode reduzir a gravidade da infecção. Nestes casos, o paciente que receber a vacina, caso adoeça, pode desenvolver apenas quadros leves ou moderados da COVID-19. Também não está claro quanto tempo dura a proteção da vacina da Moderna contra infecções do coronavírus.  Quando a vida poderá voltar ao "normal"? Mesmo que uma vacina seja aprovada e comece a ser distribuída, o retorno a um tipo de uma "vida normal", provavelmente, levará meses ou até mesmo anos. Isso porque as vacinas não estarão amplamente disponíveis para a população e faltarão doses para atender a todos. Dessa forma, precauções como o uso de máscaras e o distanciamento social continuarão a ser a chave para impedir a propagação do coronavírus até que a pandemia da COVID-19 seja, de fato, controlada. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21) Ainda usa senhas fáceis? Estas são algumas das piores combinações de 2020 Galaxy A50s começa a receber a One UI 2.5 Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Veja Mais

Governo bloqueia R$ 58 milhões do Seguro Defeso em operação de combate a fraudes

Valor Econômico - Finanças Foram analisados 261.000 requerimentos do benefício e bloqueadas 55.503 parcelas de 20.189 contas, informou o Ministério da Economia O governo bloqueou R$ 58 milhões em parcelas do Seguro Defeso, como resultado de uma operação de combate a fraudes, informou, em nota, o Ministério da Economia. Foram analisados 261.000 requerimentos do benefício e bloqueadas 55.503 parcelas de 20.189 contas, informou a pasta. O combate a fraudes no pagamento desse e de outros benefícios sociais já proporcionaram uma economia equivalente a 3% da despesa anual do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), segundo informou o presidente do órgão, Leonardo Rolim. A ação sobre o Seguro Defeso faz parte de um programa de análise de benefícios com indícios de irregularidade, criado na Lei 13.846/2020. A fiscalização no Seguro Defeso foi realizada por um grupo de trabalho composto por integrantes da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, INSS, Polícia Federal, Dataprev, Secretaria de Aquicultura e Pesca e Caixa. Uma portaria assinada nesta quarta-feira (18) formalizou a existência do grupo, que já vinha atuando. O ato ocorreu durante o Encontro de Integridade e Combate a Fraudes. “O INSS também publicou portaria que estabelece uma rotina de apuração da integridade dos dados repassados ao Instituto relacionados à concessão de seguro-defeso", informou o Ministério da Economia. “Em vez de buscar o ressarcimento, a medida visa a bloquear pagamentos indevidos antes mesmo que eles sejam efetivados.” O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, destacou que o combate à fraude é um compromisso do governo de Jair Bolsonaro. O secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Caio Mário Paes de Andrade, ressaltou o papel da tecnologia nas ações preventivas e de detecção de irregularidades. Veja Mais

Anatel determina adequação de mapas de cobertura para refletir lançamento do 5G

Valor Econômico - Finanças Regulador determina que Claro, Telefônica (dona da Vivo) e Oi adaptem os mapas de cobertura disponibilizados aos consumidores para constar as áreas em que os serviços 5G são oferecidos Em memorando assinado na última segunda-feira (16) por Gustavo Santana Borges, superintendente de Controle de Obrigações da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o regulador determina que Claro, Telefônica (dona da marca Vivo) e Oi adaptem os mapas de cobertura disponibilizados aos consumidores para constar as áreas em que os serviços 5G são oferecidos. Mesmo antes do leilão de frequências previsto para o próximo ano, as três operadoras lançaram comercialmente, mas em escala limitada, serviços de quinta geração. Borges informa que, para a Anatel, não há empecilho “em relação à veiculação pelo setor, da terminologia 5G para representar as suas ofertas comerciais”. A Anatel deu prazo de 60 dias para que as operadoras ajustem seus mapas de cobertura do serviço. A TIM Brasil ainda não lançou o 5G comercialmente, mas realiza um projeto piloto de banda larga sem fio com esta tecnologia. Claro, Telefônica e Oi terão ainda de atualizar suas informações no Mosaico, sistema da Anatel que permite a consulta a dados de cobertura por organismos de fiscalização, entre outros usuários. Veja Mais

Presidente da BlackRock no Brasil mapeia quatro tendências para o mercado financeiro

Valor Econômico - Finanças Carlos Takahashi participou do FICE e aponta sustentabilidade como caminho sem volta no mundo dos investimentos Carlos Takahashi, presidente da BlackRock no Brasil, elencou quatro tendências para o mercado financeiro nos próximos anos durante sua participação no Festival de Inovação e Cultura Empreendedora (FICE 2020), evento on-line organizado por Época NEGÓCIOS e Pequenas Empresas & Grandes Negócios. Segundo o executivo da maior gestora de recursos do mundo, os avanços tecnológicos são o principal aspecto a ser levado em conta na nova era do mercado financeiro. “É inevitável que a tecnologia seja usada para dar mais eficiência ao processo de investimentos”, disse. Takahashi também mapeou as questões da transparência e inovação em seu discurso. “Todo portfólio está sujeito a bons retornos e a momentos de volatilidade, por isso quem atua no mundo dos investimentos deve sempre priorizar a transparência. Além disso, a inovação é necessária para encontrar as diversas opções de ativos, simplificar a linguagem de mercado e deixá-lo mais acessível”, avaliou. Sustentabilidade O último, mas não menos importante, ponto abordado pelo executivo foi a questão da sustentabilidade, que norteia o plano estratégico da gestora que assumiu a dianteira na transformação do setor de investimentos e no esforço de incluir o crivo socioambiental nas decisões. “Esta agenda está ligada ao longo prazo, mas precisa ser discutida agora”, disse. Desde sua fundação, a BlackRock se apresenta como uma gestora de recursos de terceiros fiduciária com a missão de ajudar as pessoas a conquistarem bem-estar financeiro no longo prazo e os investimentos sustentáveis estão na jornada há vários anos. Desde 2012, o presidente e chairman Larry Fink envia as tradicionais cartas aos executivos e membros de conselhos das empresas investidas falando sobre propósito, longo-prazo, governança e sustentabilidade. “Mais recentemente, as cartas passaram a tratar das questões ambientais e mudanças climáticas, alertando sobre os riscos pertinentes e que a iniciativa privada teria que assumir seu papel no tratamento do tema”, explicou Takahashi. Jornada longa Em 2020, a gestora assumiu uma série de compromissos para deixar de investir em empresas nocivas ao meio ambiente, como de carvão térmico, mas o executivo assumiu que a jornada é longa. “Compreendemos a ansiedade da sociedade e investidores para que esses planos acelerem e sabemos da urgência do tema, mas acreditamos que as mudanças precisam ser feitas com solidez e consistência”, explicou. Segundo o executivo, fatores como a incorporação do assunto de sustentabilidade na pauta dos responsáveis por composição de índices, uma vez que grande parte do portfólio é de gestão passiva, e a disseminação de informações acerca do tema ainda são desafios. “Precisamos de consistência para mudar o ecossistema como um todo. Temos que fazer que as melhores práticas cheguem aos melhores resultados, mas nunca podemos esquecer dos resultados. Afinal, por isso os investidores confiam na BlackRock”, afirmou. A gestora afirma que faz um trabalho focado em informação e que produz conteúdo sobre sustentabilidade e investimento de forma geral. “Disponibilizamos os materiais para quem se interessar. A ideia não é encontrar culpados pela demora em tomar atitudes e, sim, espalhar informação para ajudar o assunto a ser compreendido e colocado em prática”, disse. Foco em soluções Wilson Poit também marcou presença no FICE. O empreendedor e atual presidente do Sebrae-SP fez um discurso sobre a necessidade de mudança de ponto de vista em relação à crise atual. “Todo mundo conhece alguém que é focado em achar problema e que vive sempre procurando culpados. Esse é um ano que não faltam culpados, mas precisamos estar focados na solução”, disse. Para ele, os últimos meses exigiram um tempo rápido de resposta. “Meu conselho principal dos últimos tempos foi dizer ‘você precisa fazer uma lista do que pode mudar a partir de amanhã e começar a colocar em prática’. Vivemos um tempo em que não se pode ter vergonha de ousar e procurar aprendizado”, avaliou. Em sua fala ao longo do painel Painel ‘Seu negócio ágil, flexível e em forma para 2021’, ao lado de Rodrigo Cartacho, cofundador e CEO da Sympla, e Evandro Cunha, head de marketing e comunicação Mercedes-Benz Vans, Poit identificou oportunidades para os empreendedores. “Houve uma acelerada inclusão produtiva nos últimos meses, que não teria a mesma velocidade sem a pandemia. Por exemplo, pessoas que passaram a vender pelas redes sociais e Whatsapp e que, talvez, nunca mais abandonem essa prática”, disse. O tempo e as redes sociais Além de se consolidar como um importante canal de vendas, as redes sociais ampliaram sua importância no quesito de espaço para aprendizagem. Ronaldo Marques, gerente de parcerias de conteúdo da TikTok Brasil, também participou do FICE e falou sobre como a gigante de mídias sociais implementou o #LearnOnTikTok no início deste ano. A iniciativa está alinhada ao objetivo de democratizar o aprendizado na comunidade digital. “O intuito é ajudar usuários a desenvolver novas habilidades e descobrir mais sobre o mundo ao seu redor. A ideia é aproveitar o tempo nas redes sociais para se aprimorar”, afirmou. Luiza França Gomes, influenciadora e criadora do @inglesdaluiza, que disponibiliza conteúdo sobre o idioma de forma descontraída também participou do evento e ressaltou que as redes sociais podem ser um caminho inteligente para aumentar o acesso à educação. “Evidentemente isso não substitui os métodos tradicionais, mas o que eu ofereço serve como um complemento. A ideia é que a pessoa aprenda no tempo livre, como no caminho para o trabalho”, exemplificou. Veja Mais

Fundações têm espaço para alocar R$ 50 bi fora

Valor Econômico - Finanças O aumento da exposição internacional dos fundos de pensão brasileiros pode representar aportes de dezenas de bilhões de reais no segmento nos próximos anos. Algumas entidades como a Fapes (BNDES) já atingiram o teto permitido pela regulação para investimentos no exterior, mas entre as maiores, como Previ (Banco do Brasil) e Petros (Petrobras), as alocações ainda são muito pouco exploradas. O movimento está na mira de gestoras de recursos nacionais e internacionais e consultorias de investimentos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Débito avança no comércio eletrônico

Valor Econômico - Finanças Os brasileiros aumentaram o uso de cartões de débito no comércio eletrônico durante a pandemia, aponta pesquisa divulgada pela Mastercard sobre hábitos de consumo e de pagamentos desenvolvidos nesse período. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Spray mata o coronavírus e protege máscaras por 3 dias

Spray mata o coronavírus e protege máscaras por 3 dias

Tecmundo Um spray criado por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), capaz de neutralizar o novo coronavírus por três dias, pode ser a solução para quem já se cansou de lavar as máscaras diariamente.Apresentado no início de novembro, o SprayCov é produzido com sais de cobre, usados para combater pragas na agricultura há mais de 100 anos, em conjunto com uma mistura de polímeros biodegradáveis, que funcionam como “cola” para fixar os sais. As interações entre tais materiais eram estudadas pelos cientistas antes da pandemia, e com o surgimento da covid-19, eles resolveram testar a fórmula no Sars-CoV-2.Leia mais... Veja Mais

Eleições 2020: Marília Arraes tem 45% e João Campos 39%, diz pesquisa Ibope

O Tempo - Política Levantamento foi feito entre os dias 16 e 18 de novembro Veja Mais

The Boys: final pode ser tão controverso quanto o de Game of Thrones

The Boys: final pode ser tão controverso quanto o de Game of Thrones

Tecmundo Atenção: spoilers pesados à frente!A série The Boys pode ter um final que enfureceria os fãs mais do que o de Game of Thrones! Em 2019, o final de uma das séries mais assistidas de todos os tempos decepcionou os espectadores ansiosos, enquanto Jon Snow assassinava a aclamada rainha Daenerys Targaryen para assumir o trono de Westeros, rejeitava a coroa e voltava ao seu posto como guardião da Muralha. Leia mais... Veja Mais

Lucas Lucco faz 'Rolê diferenciado' para gravar show em Goiânia

G1 Pop & Arte ♪ Lucas Lucco grava show com repertório majoritariamente inédito e autoral na noite desta quarta-feira, 18 de novembro. Previsto para ser lançado em 2021, o registro audiovisual do show Rolê diferenciado acontece em apresentação feita em formato de drive-in no terraço de shopping da cidade de Goiânia (GO). Com intervenções de artistas de nomes ainda mantidos em sigilo, a gravação ao vivo do show será feita pelo cantor sem a presença do público. Somente convidados de Lucco e da produção do artista ocuparão os cerca de 25 carros previstos para encher o terraço. Lucas Lucco cogita lançar uma das músicas inéditas ainda em 2020, em single que antecederia a edição do álbum ao vivo e do DVD Rolê diferenciado. Veja Mais

This Is Us 5x4: conheça o passado problemático de Kevin (RECAP)

This Is Us 5x4: conheça o passado problemático de Kevin (RECAP)

Tecmundo Infelizmente, a 5ª temporada de This Is Us já chegou ao seu hiato antecipado. Por conta da pandemia da Covid-19, a série precisou ser interrompida antes do esperado e só deve retornar às telas em janeiro de 2021. Porém, os primeiros episódios não deixaram a desejar e o 5x4 foi, sem dúvidas, um dos melhores já lançados. Confira o recap completo a seguir!Leia mais... Veja Mais

Lei Kandir: Senado aprova projeto que viabiliza repasse de R$ 62 bilhões a estados e municípios

G1 Economia Acordo homologado pelo STF prevê que União envie recursos para compensas perdas de arrecadação. Projeto regulamenta essa transferência com cronograma até 2037. O Senado aprovou nesta quarta-feira (18) um projeto que viabiliza a entrega, por parte da União, de R$ 62 bilhões para estados e municípios nos próximos 17 anos. O dinheiro vai compensar perdas de arrecadação decorrentes da isenção da cobrança de ICMS de produtos destinados à exportação. O projeto foi aprovado por 70 votos a 0 e segue agora para análise da Câmara dos Deputados. A proposta é resultado de um acordo – firmado pela União e por representantes de estados e homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em maio – que tem o objetivo de pôr fim a um impasse de mais de 20 anos. Em 1996, entrou em vigor uma lei que estabeleceu regras para cobrança do ICMS – tributo de competência estadual, distribuído entre o estado (75%) e seus municípios (25%). STF homologou acordo que encerra divergência de 24 anos sobre a Lei Kandir Batizada de Lei Kandir, essa legislação isentou da cobrança de ICMS a exportação de produtos primários e semielaborados – como soja, milho, carnes e minérios – com o objetivo de estimular exportações e reduzir custos para o produtor. O texto previa que a União deveria, de forma provisória, compensar estados e municípios pela perda na arrecadação do tributo. Defensores do projeto dizem que a contrapartida nunca foi devidamente equacionada, o que resultou na judicialização do tema. Repasse Pelo texto aprovado nesta quarta, a União deverá entregar aos Estados, Distrito Federal e municípios R$ 58 bilhões no período de 2020 a 2037, da seguinte forma: Entre 2020 e 2030: R$ 4 bilhões por ano; 2031: R$ 3,5 bilhões; 2032: R$ 3 bilhões; 2033: R$ 2,5 bilhões; 2034: R$ 2 bilhões; 2035: R$ 1,5 bilhão; 2036: R$ 1 bilhão; 2037: R$ 500 milhões. Segundo o projeto, do valor devido ao estado, a União deverá entregar 75% ao próprio estado e os 25% restantes aos respectivos municípios. Os outros R$ 4 bilhões – que completam o valor de R$ 62 bilhões – viriam dos leilões de petróleo dos blocos de Atapu e Sépia, na Bacia de Santos. Nesse caso, os recursos, condicionados à realização das vendas, também deverão ser entregues pela União aos estados e municípios na proporção de 75% e 25%, respectivamente. Conforme o acordo homologado no STF, o valor total da compensação pode chegar a até R$ 65,6 bilhões. Os R$ 3,6 bilhões faltantes estão condicionados à aprovação da PEC do Pacto Federativo, atualmente parada no Congresso. Estados mais beneficiados Todas as 27 unidades da Federação serão contempladas com o dinheiro previsto no acordo, cujo pagamento é regulamentado pela proposta de autoria do senador Wellington Fagundes (PL-MT). Os estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul estão entre os principais beneficiários, segundo projeção presente no projeto. Fundo Social Durante a análise da proposta, senadores solicitaram a retirada do texto de trecho que extinguia o Fundo Social do Pré-Sal. Relator do projeto, o senador Antonio Anastasia (PSD-MG), acatou aos pedidos na sessão desta quarta. Segundo ele, o governo concordou com a manutenção do fundo. "O governo, através do senador Fernando Bezerra, aquiesceu para que esse tema fosse retirado, ou seja, acolher os destaques e retirar do texto a extinção do Fundo Social. O Fundo Social continua normalmente como está hoje, existindo. A solução final foi a mais satisfatória porque acalma o tema e permite aos estados, ainda no ano de 2020, receber o valor de cerca de R$ 4 bilhões, que é um valor expressivo num momento de dificuldade que estados e municípios vivem", disse o parlamentar. Criado em 2010, esse fundo é irrigado principalmente com recursos da parcela do óleo excedente devida à União nos contratos de partilha de produção do petróleo. Entre outras finalidades, o dinheiro do fundo é destinado a programas e projetos de desenvolvimento da educação. Em agosto, a polêmica em torno da extinção do Fundo Social fez com que o texto fosse retirado de pauta. Anastasia chegou a afirmar que se preocupava com a extinção do fundo. Em discussões passadas da proposta, o senador mineiro explicou que o governo defendia a exclusão como forma de financiar o repasse dos R$ 58 bilhões até 2037. Veja Mais

Rapaz recebe prótese inspirada no braço biônico de Metal Gear Solid

Rapaz recebe prótese inspirada no braço biônico de Metal Gear Solid

Tecmundo Através de uma parceria entre a Konami e a Open Bionics, uma prótese inspirada no braço de Venom Snake, de Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, foi oficialmente revelada. O modelo é uma customização praticamente idêntica ao Hero Arm apresentado no quinto game canônico da franquia, e já está disponível em países selecionados da Europa, América do Norte e Oceania.Há mais de três anos, o britânico Daniel Melville vem se beneficiando de uma prótese da Open Bionics, colocada em seu corpo devido a um problema de nascença. Agora, o rapaz foi o primeiro a receber a customização, e não conseguiu escondeu sua emoção. "Isso é inacreditável, é tudo o que eu sempre quis de um braço biônico", disse. "Eu sou um jogador ávido e amo muito Metal Gear Solid, e ter o braço de Snake na vida real é simplesmente insano."Leia mais... Veja Mais

Pânico 5 | Produtor confirma título e data da estreia de retorno da franquia

canaltech Pânico, lançado em 1996, fez um baita sucesso na época por não se levar muito a sério e homenagear o gênero slasher, que fez tanto sucesso na década anterior, com clássicos como Sexta-Feira 13, A Hora do Pesadelo e Halloween. O filme também ficou famoso por reunir grandes nomes de Hollywood e virou franquia, com quatro longas — o último chegou aos cinemas em 2011. Desde o início há alguns detalhes sobre a produção de uma sequência, contudo, novidades ficaram escassas conforme o avanço da pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2). Mas, eis que a série de terror ganhou título oficial e data de estreia nesta quarta-feira (18). Pânico 5 | Neve Campbell fala sobre o retorno de Sidney no filme Pânico | Novo filme da franquia tem diretores definidos Os 10 melhores filmes da década (do circuito mais restrito) O criador, roteirista e produtor executivo Kevin Williamson postou um curto vídeo no Twitter, confirmando que as gravações de Pânico 5 foram oficialmente encerradas. O nome será apenas Pânico, o que abre especulações sobre um reboot — embora boa parte dos protagonistas originais estejam de volta. Veja: That’s a wrap on Scream, which I’m excited to announce is the official title of the next film! Nearly 25 years ago, when I wrote Scream and Wes Craven brought it to life, I could not have imagined the lasting impact it would have on you, the fans. (1/3) pic.twitter.com/RCuhVUclG4 -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- — Kevin Williamson (@kevwilliamson) November 18, 2020 “Estou animado para você retornar a Woodsboro e ficar realmente assustado novamente. Acredito que Wes [Craven, cineasta que criou a série e faleceu em 2015] ficaria muito orgulhoso do filme que Matt [Bettinelli-Olpin] e Tyler [Gillett] estão fazendo. Estou emocionado por me reunir com Neve [Campbell], Courteney [Cox], David [Arquette] e Marley [Shelton] e trabalhar ao lado de uma nova equipe de cineastas”, diz parte da publicação. Assim como Williamson, que esteve envolvido em todos os filmes anteriores, voltam a protagonista Neve Campbell, como Sidney Prescott; David Arquette no papel do policial Dewey Riley, Courteney Cox como a repórter Gale Weathers, e Marley Shelton repetindo o papel da deputada Judy Hicks. Entram para a franquia nomes vistos em produções mais recentes, a exemplo de Jack Quaid (The Boys) e Melissa Barrera (Vida). Por apenas R$ 9,90 você compra com frete grátis na Amazon e de quebra leva filmes, séries, livros e música! Teste grátis por 30 dias! Os diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vêm credenciados pela comédia de terror Casamento Sangrento — e assume uma grande responsabilidade, já que será primeira vez que Wes Craven não dirige um título da série. Pânico está programado para chegar aos cinemas gringos em 14 de janeiro de 2022, por enquanto sem confirmação de estreia no Brasil. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Como a astronomia ajuda cientistas a entenderem o que há no centro da Terra? iPhone 12 mini: desmanche mostra como Apple juntou tudo em um modelo compacto Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Este motor termonuclear pode levar astronautas a Marte em apenas 3 meses Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo Veja Mais

Maíra Lemos estreia hoje seu novo canal no YouTube

O Tempo - Diversão - Magazine A jornalista, que ficou conhecida também como apresentadora esportiva, vai falar de comportamento e cultura, entre outros temas Veja Mais

Nubank apresenta instabilidade de acesso ao app nesta quarta-feira (18)

canaltech Quem abriu o aplicativo do Nubank durante a tarde desta quarta-feira (18) talvez não tenha conseguido acessar as informações e pagar seus boletos. Segundo o site DownDetector, a fintech apresentou uma instabilidade por volta das 16h (em Brasília). Nubank: como configurar a impressão digital para entrar no app Como mudar seu e-mail e telefone de contato no Nubank Os problemas relatados na plataforma que reúne reclamações de serviços de internet incluem 56% de usuários que não conseguiram acessar a conta, 28% com dificuldade de realizar operações pelo celular e 15% de falha geral. A redação do Canaltech tentou acessar o app no momento da instabilidade e, de fato, as informações não carregaram, tornando impossível pagar contas, fazer transferências ou até mesmo consultar a fatura ou saldo na NuConta. Plataforma mostra pico de reclamações por volta das 16h (Imagem: Reprodução/DownDetector) Após as 17h, uma nova tentativa foi realizada com sucesso e todas as informações carregaram-se novamente. Conseguimos fazer o pagamento de um boleto, o que indica que o acesso já foi normalizado. -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- Com você aconteceu algo semelhante? Diga nos comentários se você teve ou ainda está com problemas para acessar o Nubank! Informações como horário da tentativa, que processo tentou realizar, sua cidade e estado e até mesmo operadora de internet e sistema operacional do celular podem ser úteis para detectarmos se há algum problema ainda a ser solucionado na plataforma e repassar à empresa. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Como a astronomia ajuda cientistas a entenderem o que há no centro da Terra? iPhone 12 mini: desmanche mostra como Apple juntou tudo em um modelo compacto Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Este motor termonuclear pode levar astronautas a Marte em apenas 3 meses Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo Veja Mais

Fitch mantém rating do Brasil em BB-, com perspectiva negativa

Valor Econômico - Finanças A perspectiva reflete a severa deterioração do déficit orçamentário e da dívida pública este ano e a incerteza persistente quanto às perspectivas de consolidação fiscal A Fitch Ratings manteve o rating do Brasil em “BB-”, com perspectiva negativa. Em maio, essa perspectiva havia sido reduzida de “estável” para “negativa”. Segundo a agência de classificação de risco, a perspectiva reflete a severa deterioração do déficit orçamentário e da dívida pública este ano e a incerteza persistente quanto às perspectivas de consolidação fiscal, incluindo a sustentabilidade do teto de gastos. Além disso, a Fitch afirma que os crescentes vencimentos da dívida interna de curto prazo em meio a um pesado fardo da dívida pública tornam o Brasil vulnerável a choques, incluindo mudanças na confiança dos investidores domésticos e nas condições de financiamento. “Embora a equipe econômica esteja comprometida em retornar à agenda de reformas em 2021, o ambiente político permanece fluido, reduzindo a visibilidade e previsibilidade do processo”. A Fitch espera que a economia se recupere a partir de 2021, mas diz que a incerteza em torno dos desenvolvimentos políticos e políticas econômicas, combinada com um aumento global dos casos de coronavírus, continua a obscurecer o cenário. A agência prevê que o déficit nominal do governo aumentará para 16,7% do PIB, de cerca de 6,0% em 2019. “A recessão econômica e postergação de concessões tiveram um impacto adverso nas receitas, mas o grosso da deterioração veio de uma resposta fiscal considerável à pandemia, ou seja, o coronavoucher que deve custar cerca de 4,5% do PIB sozinho”. A estimativa é que o déficit caia para cerca de 7% em 2021, com a retirada das medidas de apoio e a recuperação da economia. No entanto, afirma que existe uma incerteza considerável quanto à capacidade do governo de cumprir o teto de gastos. “A incerteza contínua em torno da evolução da pandemia e as pressões de gastos podem tornar isso desafiador, como destacado pelas recentes discussões sobre a introdução de uma nova transferência social (Renda Cidadã). O espaço para cortar gastos discricionários diminuiu substancialmente nos últimos anos e resta saber se o governo será capaz de acomodar novas transferências sociais cortando gastos obrigatórios em outros lugares”. Na opinião da Fitch, a flexibilização do teto de gastos para acomodar novas iniciativas de gastos poderia minar a âncora fiscal e prejudicar a confiança dos mercados. Matt Lloyd/Bloomberg Veja Mais

Fortnite terá integração de chat em vídeo no PC e PS4

Fortnite terá integração de chat em vídeo no PC e PS4

Tecmundo Aproveitando o forte apelo social de Fortnite, a Epic anunciou hoje que uma nova ferramenta de chat por vídeo integrada ao game está chegando para permitir conversas e partidas ainda mais legais! Antigo parceira da produtora, o aplicativo Houseparty será a forma oficial para curtir a novidade.ForniteLeia mais... Veja Mais

Apple concorda em pagar US$ 113 milhões para dar fim à polêmica “BatteryGate”

canaltech A novela conhecida como “BatteryGate” ainda não terminou. Após receber uma multa de 25 milhões de euros na França, a Apple concordou, nesta quarta-feira (18), pagar a quantia de US$ 113 milhões (cerca de R$ 606 milhões) para 35 estados dos EUA (incluindo a capital Washington D.C.) para dar um fim aos inúmeros processos judiciais locais. O valor será repartido de forma igualitária aos estados norte-americanos. Brasileiros não têm direito a indenização da Apple no caso BatteryGate Redução de performance em iPhones rende 32 processos contra a Apple nos EUA iOS vai permitir que usuário desative função de redução de desempenho Em 2018, a Maçã se viu em maus lençóis após degradar propositalmente o desempenho de iPhones antigos (do iPhone 6 para baixo) quando a vida útil de suas baterias estavam chegando ao fim. Essa degradação foi aplicada na forma de uma atualização de software que, uma vez instalada, não poderia ser removida. A atitude deixou muita gente furiosa e vários clientes acusaram a marca de praticar obsolência programada. A companhia chegou a ressarcir alguns consumidores em US$ 25 e dar descontos para trocas de baterias, mas isso não foi o suficiente e processos continuaram a surgir. Segundo o advogado General Mark Brnovich, do Arizona, que ficou responsável por fazer investigações sobre o caso, a empresa tinha total ciência dos impactos que tal update poderia causar na experiência dos seus clientes. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- Segundo Brnovich, “a Apple violou várias leis de proteção ao consumidor, como a Lei de Fraude do Consumidor do Arizona, ao deturpar e ocultar informações” sobre os efeitos negativos que a atualização poderia trazer. Além do valor a ser pago, a Maçã também foi orientada a “fornecer informações verdadeiras aos consumidores sobre a saúde da bateria do iPhone, desempenho e gerenciamento de energia”. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21) Ainda usa senhas fáceis? Estas são algumas das piores combinações de 2020 Galaxy A50s começa a receber a One UI 2.5 Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Veja Mais

Ainda usa senhas fáceis? Estas são algumas das piores combinações de 2020

canaltech A sua senha é a primeira linha de defesa contra invasões criminosas em suas contas e perfis em redes sociais. Não que elas, por si só, sejam o suficiente — também é recomendado usar duplo fator de autenticação (2FA) e outras técnicas para impedir a ação de agentes maliciosos. Porém, uma senha de combinação forte e complexa continua sendo o calcanhar de Aquiles de qualquer internauta disposto a manter uma boa higiene cibernética. Aplicativos para gerenciar suas senhas Dicas para criar uma senha realmente segura Google Chrome ajuda usuários a criar senhas mais fortes Já estamos em 2020 — início de uma nova década —, mas, infelizmente, ainda há quem utilize senhas extremamente fracas, seja por preguiça ou por simples desconhecimento dos impactos que isso pode causar. Pensando nisso, o pessoal da NordPass (gerenciador de senhas da NordVPN) resolveu criar uma lista invejável com nada menos do que as 200 piores senhas utilizadas ao redor do mundo em 2020. Não vamos listar todas aqui, já que este conteúdo ficaria um tanto extenso — a lista completa pode ser encontrada na hotpage criada pela NordPass. Porém, achamos interessante listar 25 delas que chamam atenção justamente pelo nível ridículo de simplicidade e agilidade com a qual um criminoso conseguiria “quebrá-la” usando uma ferramenta de força bruta. Vamos lá. -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- 123456 (usada por 2.543.285 de internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 23.597.311 vezes); 123456789 (usada por 961.435 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 7.870.694 vezes); picture1 (usada por 371.612 internautas, pode ser quebrada em 3 horas, exposta 11.190 vezes); password (usada por 360.467 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 3.759.315 vezes); 12345678 (usada por 322.187 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 2.944.615 vezes); 111111 (usada por 230.507 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 3.124.368 vezes); 123123 (usada por 189.327 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 2.238,.94 vezes); 12345 (usada por 188.268 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 2.389.787 vezes); 1234567890 (usada por 171.724 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 2.264.884 vezes); senha (usada por 167.728 internautas, pode ser quebrada 10 segundos, exposta 8.213 vezes); 1234567 (usada por 165.909 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 2.516.606 vezes); qwerty (usada por 156.765 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 3.946.737 vezes); abc123 (usada por 151.804 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 2.877.689 vezes); Million2 (usada por 143.664 internautas, pode ser quebrada em 3 horas, exposta 162.609 vezes); 000000 (usada por 122.982 internautas, pode ser quebrada em menos de 1 segundo, exposta 1.959.780 vezes). A lista inclui ainda senhas como "1234", "iloveyou", "aaron431", "password1", "qqww1122", "123", "omgpop", "123321", "654321", "qwertyuiop" e derivados. No final do ranking, na 200ª posição, temos "angel1", que já é usada por 15.786 pessoas e foi exposta em 258.800 registros. É importante se lembrar que a melhor combinação secreta é aquela que você não se lembra — por isso, é crucial usar gerenciadores, que são capazes de gerar e armazenar passwords complexas, que misturam números, letras e caracteres especiais. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21) Galaxy A50s começa a receber a One UI 2.5 Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Como a astronomia ajuda cientistas a entenderem o que há no centro da Terra? Veja Mais

Nebulosa que intrigou cientistas por 16 anos se formou por "canibalismo estelar"

canaltech Localizada a cerca de 6.300 anos-luz de distância, a TYC 2597-735-1 parecia uma estrela como outra qualquer, dentro de uma nebulosa esquisita. Porém, dados do observatório espacial Galaxy Evolution Explorer (GALEX) mostram que ela está cercada por um anel azul difuso com uma dúzia de anos-luz de diâmetro, o que deixou os astrônomos perplexos, pois nada parecia explicar a origem da nebulosa. Mas uma olhada mais cautelosa matou a charada, e agora os cientistas parecem entender melhor como ela se formou. As novas observações mostraram que existem curvas finas de material em cada lado do anel, formado por gás hidrogênio. Essas curvas são mais quentes e mais densas, e revelaram que o anel é, na verdade, uma estrutura ainda mais complexa em forma de dois cones, um de cada lado da estrela. Parece um anel porque neste ângulo estamos olhando para a abertura mais larga de um dos cones. A estrela TYC 2597-735-1 e o disco que, neste ângulo, se assemelha a um "anel" (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/M. Seibert/K. Hoadley/GALEX Team) Mas o que poderia ter criado uma estrutura como esta? Bem, um grupo de astrônomos publicou um artigo que apresenta uma hipótese bastante convincente de que se trata de um caso de canibalismo estelar — ou seja, um antigo sistema binário de estrelas que orbitavam entre si até que uma delas devorou sua companheira. -Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.- Uma delas (a primária) seria semelhante ao Sol, embora mais velha, enquanto a segunda (a secundária) teria massa muito inferior, provavelmente uma anã vermelha com cerca de 1/10 de massa solar. Toda estrela semelhante ao Sol está destinada a envelhecer e inchar, tornando-se uma gigante vermelha, e foi isso o que aconteceu no caso deste sistema. Enquanto se expandia mais e mais, sua superfície ficou cada vez mais perto da anã vermelha. Isso vez com que todo o material de expansão da gigante vermelha começasse a ser puxado para a estrela secundária. Acontece que esse fluxo foi tão forte que a pobre anã vermelha não conseguia segurar tudo, e esse gás acabou formando um disco circumbinário — ou seja, um disco largo ao redor de ambas as estrelas. O processo roubou a energia rotacional da dupla, e assim a estrela secundária começou a espiralar rumo à primária, até que elas colidiram, resultando em uma fusão. Um diagrama com a nebulosa em dois diferentes ângulos revela sua real forma (Imagem: Reprodução/Mark Seibert) A colisão entre duas estrelas costuma ser um evento cataclísmico, mesmo quando elas não são muito grandes. Após devorar sua companheira, a estrela primária acabou explodindo, ejetando uma quantidade de gás e poeira (não está claro neste ponto como foi a liberação de poeira, mas é possível que tenha sido uma nuvem bem espessa). Felizmente para nossa estrela, não foi seu fim. Não por enquanto; ela agora vive o estágio pós-fusão, que não deve durar muito. Quando os astrônomos olham agora para a TYC 2597-735-1, estão provavelmente vendo como ela estava há cerca de mil anos após o evento da fusão (considerando a distância e o tempo que sua luz leva para chegar até a Terra). É tempo o suficiente para que civilizações terrestres caiam e outras nasçam, mas para uma estrela que vive alguns bilhões de anos, é um piscar de olhos. Com a colisão, ela passou a girar mais rápido e sua superfície se agita com toda a atividade que acontece por lá, como o material do disco caindo sobre ela. Além disso, ela sopra um vento de gás que está se movendo a inimagináveis 400 km/s. Porém, não em todas as direções, porque o disco bloqueia o caminho. Então, o vento desviou, fluindo para cima e para baixo, perpendicular ao disco. O resultado é o gás formando a nebulosa na forma de dois cones apontados para fora.   Descobrir a real forma daquilo que antes parecia um anel foi um grande passo para a astronomia, e marca o fim de um mistério que durou 16 anos, desde que os astrônomos ficaram perplexos com a nebulosa. É que esse tipo de estrela, vivendo o evento pós-colisão estelar, é um tanto difícil de se encontrar. Na verdade, este é o mais jovem caso conhecido de duas estrelas fundidas em uma. De acordo com a NASA, fusões estelares podem ocorrer uma vez a cada 10 anos na Via Láctea, e isso significa que muitas estrelas que vemos hoje no céu já um sistema binário, muito tempo atrás. Também já conhecemos muitos sistemas binários que podem se fundir algum dia, mas pouco se sabe sobre o que acontece logo após a colisão. Agora, esta nebulosa, conhecida como Blue Ring Nebula, oferece aos cientistas dados valiosos sobre o tema. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21) Ainda usa senhas fáceis? Estas são algumas das piores combinações de 2020 Galaxy A50s começa a receber a One UI 2.5 Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Veja Mais

Covid-19: EUA superam as 250.000 mortes; Nova York fecha escolas

O Tempo - Mundo Na falta de uma estratégia nacional, estados e cidades americanos impuseram diferentes restrições, que vão do lockdown à proibição de reuniões sociais ou fazer refeições dentro de restaurantes Veja Mais

Senado aprova nova rodada do Pronampe

Valor Econômico - Finanças Nessa terceira etapa do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, o aporte será de R$ 10 bilhões O Senado aprovou nesta quarta-feira (18) projeto que promove uma terceira etapa do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). O aporte será de R$ 10 bilhões. O programa cria uma nova linha de crédito e autoriza a União a aumentar sua participação no Fundo Garantidor de Operações (FGO), que destinou anteriormente quase R$ 28 bilhões. Medida Provisória Os senadores estão preocupados que, com o embate entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e integrantes da ala governista, as sessões da Casa vizinha continuem sem deliberações, travando a proposta. Por isso, o líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), ficou de levar aos auxiliares do presidente Jair Bolsonaro a proposta de se editar uma Medida Provisória (MP) com o mesmo teor, garantindo a liberação imediata do recurso. Veja Mais

Senado aprova terceira fase do Pronampe com mais R$ 10 bilhões

O Tempo - Política Programa é voltando a microempresas com faturamento de até R$ 360 mil por ano e pequenas empresas com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões Veja Mais

BC mostra prontidão para intervir no câmbio

Valor Econômico - Finanças Em um período do ano que o mercado já costuma sofrer com saída de recursos, o Banco Central está acompanhando de perto o mercado de câmbio para definir sua atuação na oferta de liquidez em moeda estrangeira. Na Live do Valor, o diretor de política monetária do BC, Bruno Serra Fernandes, deixou claro que a instituição atuará para suavizar a pressão de uma compra massiva de dólares pelos bancos, devido ao ajuste no “overhedge”, caso o mercado não consiga absorver sozinho essa demanda. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Senado aprova acordo sobre repasses da Lei Kandir

Valor Econômico - Finanças O Fundo Social do Pré-Sal, um impasse na aprovação do acordo, vai permanecer e os Estados e municípios poderão receber o recurso extra se a PEC do Pacto Federativo for aprovada O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (18) um projeto que prevê o pagamento das perdas de arrecadação provocadas pela Lei Kandir. O texto estabelece a transferência de pelo menos R$ 62 bilhões para Estados e municípios, conforme acordo firmado no Supremo Tribunal Federal (STF) entre a União e o Fórum Nacional de Governadores. Este valor pode ser acrescido de outros R$ 3,6 bi, se os parlamentares aprovarem a proposta de emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, que está parada no Parlamento. A matéria segue agora para a Câmara dos Deputados. A proposta aprovada hoje estava pendente desde agosto. Na época, a matéria também chegou ao plenário, mas não foi apreciada porque os senadores tiveram dificuldade de chegar a um consenso sobre o artigo que extinguia o Fundo Social do Pré-Sal — os repasses do fundo garantem investimento em educação pública. O dispositivo havia sido mantido no texto pelo relator do projeto, senador Antonio Anastasia (PSD-MG), e isso fez com que não houvesse acordo em torno da matéria. Diante do impasse, Anastasia decidiu, hoje, aceitar um requerimento do PSDB que pedia a revogação do artigo e, consequentemente, manutenção do fundo. A partir daí, todas as bancadas aceitaram votar a matéria. A extinção do Fundo Social estaria relacionada justamente ao repasse de R$ 3,6 bilhões decorrentes da aprovação da PEC do Pacto Federativo. Pelo desenho final, o fundo vai permanecer e os Estados e municípios poderão receber o recurso extra se a PEC do Pacto for aprovada. O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), anunciou também que R$ 4 bilhões, do montante total, serão disponibilizados ainda neste ano. Os outros R$ 58 bilhões serão transferidos no período de 2020 a 2037. "Para que o entendimento celebrado com o Supremo Tribunal Federal pudesse se concretizar, pudesse se materializar com a votação de hoje, [estamos] abrindo a possibilidade para que os recursos de quase R$ 4 bilhões possam ser transferidos a Estados e Municípios brasileiros ainda este ano. Até porque, com a votação do PLN 18, que foi sancionado pelo Presidente da República no dia de hoje, já existe dotação orçamentária para o pagamento dessa despesa que a União terá ao fazer o ressarcimento a Estados e Municípios, fruto das isenções que são oferecidas no ICMS quando das exportações realizadas pelos Estados e Municípios brasileiros", disse Bezerra. Apesar disso, o líder do governo voltou a alertar que os congressistas deverão discutir a questão do espaço orçamentário. Ele disse que o governo espera que seja aprovada a PEC dos Fundos, que dá prazo de dois anos para extinção de fundos públicos da União, Estados e municípios. "Essa despesa irá se estender por um período muito longo e isso vai pressionar o orçamento público federal. Portanto, é importante destacar que essa matéria voltará a ser revisitada", disse. "O governo já aprovou, quando da votação da PEC dos fundos, a extinção de todos os fundos infraconstitucionais, para que se possa abrir espaço fiscal nos orçamentos públicos federais dos anos vindouros. Portanto, o Governo espera concluir a votação da PEC dos fundos ou quem sabe até aproveitar a janela de oportunidade, com o relatório do Senador Marcio Bittar, para que de fato a gente possa reduzir alguns fundos, sobretudo os infraconstitucionais, no sentido de termos as dotações orçamentárias para viabilizar esse importante acordo entre a União e os Estados brasileiros", complementou. Veja Mais

A Voz do Brasil - 18/11/2020

A Voz do Brasil - 18/11/2020

Câmana dos Deputados RÁDIO CÂMARA - Confira nesta edição, entre outros assuntos: ✔️Deputados avaliam o desempenho dos partidos no primeiro turno eleitoral ✔️Frentes articulam para reforma tributária cobrar mais de quem polui mais ✔️Relator da regulamentação do Fundeb pede urgência na votação do texto Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: http://www2.camara.leg.br/participacao/saiba-como-participar/institucional/canaisConfira nesta edição, entre outros assuntos: #CâmaraDosDeputados #AVozDoBrasil #RádioCâmara Veja Mais

Alvo de dois inquéritos no STF vai à PGR pedir anulação das eleições municipais

O Tempo - Política A posição de Daniel vai na mesma linha que a do presidente Jair Bolsonaro, que colocou em xeque a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro Veja Mais

Bolsas dos EUA fecham em queda com aumento de caso de Covid-19

G1 Economia Investidores temem novos bloqueios para frear o avanço da doença. As ações norte-americanas fecharam em forte queda após uma liquidação de fim de sessão nesta quarta-feira (18), com investidores avaliando salto nas infecções por Covid-19, aumento de restrições por causa da doença e notícias encorajadoras sobre vacina. O índice Dow Jones caiu 1,16%, a 29.438 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 1,15%, a 3.568 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,82%, a 11.802 pontos. Embora os três principais índices de ações dos EUA tenham oscilado durante grande parte do dia, com papéis de setores cíclicos - sensíveis às perspectivas econômicas - e de "small caps" (empresas de menor capitalização) à frente, acabaram fecharam em firme queda. "É um mercado confuso porque os gestores de portfólio não sabem em que período se concentrar", disse Tim Ghriskey, estrategista-chefe de investimentos da Inverness Counsel em Nova York. "É esse dilema entre o curto prazo de seis a nove meses de disseminação contínua do vírus e o período depois disso, quando todos estiverem vacinados e o vírus, erradicado." "Há muitos problemas por aí, mas o viés tem sido em direção a ações de valor e cíclicas", acrescentou Ghriskey. A Pfizer Inc e sua parceira alemã BioNTech revelaram uma taxa de sucesso de 95% na conclusão de seu ensaio da vacina para a Covid-19, poucos dias após a Moderna Inc anunciar uma taxa semelhante de sucesso em dados preliminares de sua vacina. Vacina da Pfizer e BioNTech contra Covid conclui estudos da fase 3 e anuncia 95% de eficácia Os participantes do mercado têm saudado o desenvolvimento de vacinas com otimismo cauteloso, mas isso está sendo testado à medida que novas infecções globais atingem níveis recordes e a reversão de reaberturas e novos bloqueios continuam a aumentar. Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

Como usar o Guias do Instagram para conhecer produtos e serviços

canaltech O Instagram (Android | iOS) liberou o recurso Guias globalmente para todos os usuários. Com a ferramenta, é possível acessar listas com curadoria de conteúdos e textos, ilustradas com publicações de um perfil ou de produtos à venda no Instagram Shopping. Além de navegar pelos guias criados pela comunidade, é possível criar o seu próprio material pelo aplicativo. Como usar a loja do Instagram para fazer compras online 5 dicas para você aproveitar ao máximo o Reels do Instagram Central de contas: como sincronizar Facebook, Instagram e Messenger A aba "Guias" pode ser encontrada dentro dos perfis da rede social, sinalizada por um ícone de folheto. Além disso, na área do Instagram Shopping, é possível encontrar guias específicas sobre produtos, com listas e indicações. Veja abaixo como conhecer novos produtos com o "Guias" e como criar seu próprio conteúdo na rede social! Instagram: como usar a ferramenta Guias Em um perfil da rede social Passo 1: abra um perfil e procure pelo ícone de guia, destacado abaixo; -Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.- Acesse o ícone de Guias (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 2: toque para abrir os guias disponíveis e, em seguida, abra o que deseja ler; Abra um Guia (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 3: leia o guia destacado, contendo publicações e produtos; Leia os conteúdos (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) No Instagram Shopping Passo 1: na barra inferior, toque no ícone de sacola para abrir o Shopping. Em seguida, navegue nas abas até encontrar a opção "Explorar Guias"; Acesse a opção na loja do Instagram (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 2: acesse a aba e visualize diferentes sugestões de guias para produtos. Toque em um deles para abrir; Escolha uma lista de acordo com o tema (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 3: navegue pelo guia. Quando há produtos anunciados, há a possibilidade de acessar um link para compra. Visualize os produtos vendidos (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Instagram: como criar um Guia Passo 1: abra seu perfil e toque no ícone de "+" para abrir opções; Selecione o ícone para criar uma nova publicação (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 2: em seguida, selecione "Guia"; Crie um Guia (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 3: escolha o que deseja destacar no guia. É possível selecionar produtos, publicações ou recomendar um local; Selecione um enfoque para a publicação (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 4: para essa demonstração, foi escolhida a opção de produtos. Escolha um perfil com loja integrada ao Instagram Shopping; Escolha um perfil com produtos à venda (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 5: em seguida, escolha o produto que deseja incluir na lista; Selecione um produto ou serviço (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 6: associe uma publicação a esse produto. Para isso, é possível usar materiais do perfil da loja ou de sua própria conta. Toque em "Avançar" para prosseguir; Use uma imagem para ilustrar o guia (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 7: comece a editar seu guia. Adicione títulos, descrições e novos produtos para a lista. Quando terminar, toque em "Avançar"; Edite seu guia (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 8: confira os detalhes finais e pressione "Compartilhar" para publicar em seu perfil; Compartilhe seu guia (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) Passo 9: o Guia ficará armazenado na área específica da sua conta. Visualize o material em seu perfil (Imagem: André Magalhães/Captura de tela) O que achou da novidade? Deixe seu comentário! Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Como a astronomia ajuda cientistas a entenderem o que há no centro da Terra? iPhone 12 mini: desmanche mostra como Apple juntou tudo em um modelo compacto Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Este motor termonuclear pode levar astronautas a Marte em apenas 3 meses Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo Veja Mais

Intenção do governo de Minas de fundir a Epamig e Emater é criticada

O Tempo - Política O presidente da Frente Parlamentar de Extensão Rural na Câmara, deputado federal Zé Silva, tem se posicionado contra a proposta Veja Mais

Biden pede que agência do governo Trump formalize início da transição

Valor Econômico - Finanças Segundo o presidente eleito dos EUA, a demora pode atrasar o processo de distribuição de vacinas para a covid-19 O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu, nesta quarta-feira (18), que a Administração de Serviços Gerais (GSA) do governo americano formalize o início da transição de poder no país. Segundo ele, a demora pode atrasar o processo de distribuição de vacinas para a covid-19. “Não conseguimos ter acesso a tipos de coisas que precisamos saber”, disse Biden, em uma reunião com profissionais de saúde hoje, reiterando que sua equipe não conhece os planos do governo de Donald Trump para distribuição de uma vacina contra a doença. A chefe da GSA, Emily Murphy, indicada por Trump para o cargo, se recusou, até o momento, a assinar uma carta na qual o governo reconhece a vitória de Biden, formalizando, assim, o início da transição de poder no país. O documento é necessário para que a equipe do democrata tenha acesso a prédios públicos, informações sigilosas e recursos para bancar pessoas que trabalham na transição, antes da posse de Biden, em 20 de janeiro do próximo ano. Veja Mais

Boulos estima em R$ 29 bi custo do seu programa de governo em quatro anos

O Tempo - Política Procuradores municipais estimam que é possível aumentar a arrecadação em mais R$ 10 bilhões cobrando grandes empresas que devem à Prefeitura, segundo candidato Veja Mais

Spider-Man para PS4 já vendeu mais de 20 milhões de cópias

Spider-Man para PS4 já vendeu mais de 20 milhões de cópias

Tecmundo Não há dúvidas de que Spider-Man é um dos exclusivos de maior sucesso do PlayStation 4. Uma prova disso é que a Sony divulgou que o jogo bateu um novo recorde, alcançando a marca de 20 milhões de cópias ao redor do globo.A informação em questão surgiu na página de David Bull, chefe de marketing global para o PlayStation, no LinkedIn, e foi capturada por um usuário do Twitter conhecido como Timur222, como é possível ver a seguir:Leia mais... Veja Mais

Organização oferece apoio psicológico gratuito a candidatas negras e LGBT

O Tempo - Política Constantes ameaças sofridas por essas candidatas e políticas em exercício, como o assassinato da vereadora Marielle Franco, fizeram surgir a iniciativa Veja Mais

Pânico 5: gravações são concluídas e filme recebe título oficial

Pânico 5: gravações são concluídas e filme recebe título oficial

Tecmundo Após adiamentos por conta do coronavírus, as gravações do filme Pânico 5 foram finalmente concluídas. A informação foi revelada através das redes sociais de Kevin Williamson, criador e produtor-executivo da franquia de terror slasher.Na legenda da foto ao lado do assassino Ghostface, Williamson revelou que a “continuação/soft reboot” terá um título simples: “Scream”. Assim, é possível imaginar que o longa seja batizado apenas como “Pânico” também no Brasil.Leia mais... Veja Mais

Vittorio venceu em todas as 797 seções eleitorais de Betim

O Tempo - Política Em vários locais de votação, prefeito chegou a ter dez vezes mais voto que a 2ª colocada; ele teve maior votação na zona eleitoral 319, com a preferência de 86.763 betinenses Veja Mais

P&G lança projeto de inclusão Racial 360°

Valor Econômico - Finanças O projeto promove e reúne iniciativas de inclusão étnico-racial que permeiam quatro esferas: colaboradores, suas marcas, parceiros de negócios e o compromisso com a comunidade A Procter & Gamble (P&G) está lançando neste mês o projeto Racial 360°, que promove e reúne iniciativas de inclusão étnico-racial que permeiam quatro esferas: colaboradores, suas marcas, parceiros de negócios e o compromisso com a comunidade. Embora o projeto seja lançado agora, a presidente da subsidiária brasileira da companhia de bens de consumo, Juliana Azevedo, explica que alguma das iniciativas que compõem o programa começaram a ser pensadas há dois anos, quando passou a pedir que os candidatos às vagas identificassem sua raça. Naquele momento, a empresa percebeu que não conseguia atrair muitos talentos negros para seus processos seletivos. “A pandemia nos fez colocar o pé no acelerador com as pautas de cidadania. Nós temos a consciência de que a jornada ainda é longa, temos muito o que fazer. Mas nosso compromisso é sério e veio para ficar”, disse Juliana na apresentação do projeto à imprensa. “P&G Para Você” Algumas das iniciativas já estão em prática há alguns meses, como o programa “P&G Para Você”. Ele busca impulsionar a trajetória dos estagiários da companhia, com aulas de inglês e mentoria, de modo a ampliar a contratação de jovens negros e mantê-los na companhia a longo prazo. Em 10 meses do lançamento do programa a organização já absorveu 25% dos seus participantes. Além disso, a companhia também fechou parcerias com os coletivos negros das universidades e com a Empregueafro. Na frente de colaboradores, a empresa já colhe alguns frutos. Dos quatro mil funcionários, 32% são pretos e pardos e estão majoritariamente concentrados nas funções de manufatura. No entanto, a empresa já conseguiu ampliar em 63% o número de funcionários negros no setor administrativo, nos últimos dois anos. Hoje, eles são cerca de 13% do quadro de colaboradores do escritório da P&G, em cargos de gerência e diretoria. Uma das principais novidades anunciadas junto com o Racial 360º é o lançamento da 2.ª onda da Aceleradora P&G Social, que tem o objetivo de alavancar o desenvolvimento de empresas fundadas e geridas por negros. Junto com o Movimento Black Money e a Integrare será oferecido um programa de desenvolvimento para criar condições de reparações estruturais contribuindo com empreendimentos de pessoas negras no mercado de trabalho. Serão ofertadas pelo menos 10 vagas no site da iniciativa (https://try.descubrapg.com.br/aceleradora-pg-social/) . Mais apoios a projetos O projeto também ampliou os esforços da 1.ª onda da Aceleradora P&G Social. A empresa anunciou apoio ao projeto Capacita-me, que tem como foco atender pessoas negras desempregadas e em situação de vulnerabilidade socioeconômica com cursos gratuitos, fez uma parceria com a consultoria de diversidade e inclusão Tree para desenvolvimento de talentos negros, especialmente mulheres. Além disso, a P&G fez um aporte financeiro na fintech Coletando, que, no final de outubro, realizou a implementação de dois ecopontos móveis no Pavão e Pavãozinho, as maiores comunidades do Rio de Janeiro no Complexo do Alemão. Essa iniciativa, segundo a empresa, poderá gerar renda para 25 mil pessoas. Veja Mais

Fortnite recebe conteúdos com personagens da Marvel e DC Comics

canaltech A semana para os jogadores de Fortnite está um tanto quanto movimentada. Depois de receber a atualização para os videogames de nova geração, o battle royale da Epic Games receberá pacotes de skins e armas das duas principais legiões de heróis da história: Marvel e DC. Fortnite dá desconto por fora, é banido pela Apple e caso vai parar na justiça Como ativar a tela dividida no Fortnite no seu console Fortnite | Epic Games estuda assinatura mensal para o game O pacote The Last Laugh (ou A Última Risada) apresentará skins baseadas no Coringa e na Hera Venenosa, bem como um novo personagem, Midas Rex. Este update também apresentará três Back Blings, como o "Laugh Riot" e "Back Bloom". Ele contará com quatro picaretas, incluindo "Bad Joke" e "The Joker's Revenge". O pacote também virá com 1.000 V-Bucks para comprar armas e skins no jogo. Assine já: Xbox Game Pass Ultimate é um pacotão que inclui o Live Gold, biblioteca com mais de 100 jogos de Xbox e PC, além de descontos exclusivos! Já para os fãs da Marvel, mais surpresas. Fortnite vai receber uma skin especial do vilão Venom, presente nos filmes e animações do Homem-Aranha. Para obter esse conteúdo em primeira mão, os jogadores precisarão ter um bom desempenho no torneio Marvel Knockout, que acontece ainda nesta quarta-feira (18). Depois do certame, será possível comprar essa skin. -Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.- Imagem: Divulgação/ Epic Games Em Marvel Knockout, os jogadores precisarão formar uma equipe (duplas ou trios) para participar, com exceção aos jogadores de Xbox Series X/ Series S e PlayStation 5, que ainda não possuem o sistema competitivo. ????????️ pic.twitter.com/jTtxcbobIB — Fortnite (@FortniteGame) November 16, 2020 Tanto o pacote The Last Laugh quanto a skin de Venom devem receber preços no Brasil em breve, nas respectivas lojas de consoles, PC e mobile. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21) Ainda usa senhas fáceis? Estas são algumas das piores combinações de 2020 Galaxy A50s começa a receber a One UI 2.5 Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Veja Mais

Gol registra crescimento de 34% na oferta de voos diários em outubro

Valor Econômico - Finanças A companhia aérea reportou uma taxa de ocupação ficou em 78%, queda de 2 pontos percentuais em relação a setembro A Gol Linhas Aéreas registrou crescimento de 34% na oferta de voos diários em outubro, para 363, em comparação ao mês de setembro. Por outro lado, a companhia informou que as operações diárias foram equivalentes a 52% do montante contabilizado no mesmo período do ano passado. A taxa de ocupação ficou em 78%, queda de 2 pontos percentuais em relação a setembro. Já as vendas brutas atingiram R$ 827 milhões, montante 3% maior. A companhia informou que houve um crescimento de 38% na busca por passagens aéreas e de 25% nas vendas em todos os seus canais de comercialização, ante a média do terceiro trimestre. “Esperamos que as vendas cresçam novamente este mês em antecipação a uma movimentada temporada de verão, e prevemos terminar o ano operando todos os destinos atendidos no pré-pandemia”, afirmou o diretor-presidente da Gol, Paulo Kakinoff. A receita de passageiros transportados aumentou 21% em relação a setembro devido a uma “melhor eficiência de ‘yield’ [retorno] frente a competidores, decorrente da gestão racional e da capacidade da Gol”, afirmou a companhia. A aérea apresentou um consumo líquido de caixa operacional de R$ 1 milhão ao dia, durante o mês de outubro, excluindo amortizações, dívidas bancárias e juros pagos sobre bônus, resultado melhor do que o registrado em setembro, quando registrou um consumo líquido de caixa de R$ 3 milhões por dia. Para o período entre novembro e dezembro, a companhia estima um consumo de caixa de R$ 3 milhões por dia. A liquidez total, por outro lado, registrou queda de 1%, para R$ 2,2 bilhões, em outubro. Os dados informados pela companhia são preliminares. Redução da frota A companhia informou que reduziu 11 aeronaves arrendadas da sua frota e planeja devolver outras três até o final do ano. Além disso, cancelou o recebimento de outros 34 aviões Boeing 737 Max que estavam previstos para o período entre 2020 e 2022. O modelo, que estava suspenso há 616 dias, após dois acidentes com o avião causarem a morte de 346 pessoas, voltou a ser liberado nesta quarta-feira (18) pelo órgão regulador da aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês). A companhia afirmou que seus contratos permitem a redução de frota em mais 30 aeronaves, entre 2021 e 2022, além de ter a possibilidade de devolver um número maior, caso a tendência de demanda seja mais tímida. “Esses cancelamentos representam uma redução definitiva nos gastos de investimentos por adiantamentos de aquisição de aeronaves e endereça o planejamento de capacidade da companhia para os próximos anos, com opção de financiar totalmente os gastos com aeronaves e revisão de motores remanescentes em 2020”, afirmou a empresa. Veja Mais

Rede D’Or adquire Hospital América, em São Paulo

Valor Econômico - Finanças A Rede D’Or destaca ainda que a operação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) A Rede D’Or anunciou ao mercado na noite desta quarta-feira (18) a aquisição de toda a participação societária do Hospital América, localizado em Mauá, São Paulo. A operação foi realizada pela afiliada Clínica São Vicente e não teve valor revelado. De acordo com o comunicado, a unidade tem 112 leitos e realiza cirurgias, além de consultas ambulatoriais e atendimento em pronto-socorro. A Rede D’Or destaca ainda que a operação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Veja Mais

Deputados debatem autonomia do Banco Central - 18/11/20

Deputados debatem autonomia do Banco Central - 18/11/20

Câmana dos Deputados Está tramitando aqui na Câmara dos Deputados um projeto de lei que trata da autonomia do Banco Central, que já foi aprovado pelo Senado agora no início de novembro e que tem como um dos seus principais pontos estabelecer mandatos fixos de 4 anos, permitida uma recondução, para o presidente e para os diretores do Banco Central. Foram ainda adicionadas duas novas competências para o Banco Central, que também dividem opiniões: suavizar as flutuações do nível de atividade econômica e fomentar o pleno emprego no país. Quem defende a aprovação da autonomia do Banco Central, argumenta que os mandatos independentes e escalonados dão mais credibilidade ao Banco Central ao dissociar os mandatos dos gestores do Bacen do mandato do presidente da república, pois protege o pais contra pressões políticas, além de contribuir para atrair mais investimentos para o Brasil Quem é contrário a autonomia do Banco Central argumenta que o mandato do presidente do Banco Central não pode ser dissociado do mandato do presidente da república, pois o presidente e o seu projeto de governo foram eleitos pela maioria dos brasileiros, logo o presidente da república deve ter a indecência para escolher e eventualmente trocar, tanto o presidente quanto os diretores do banco central que não estiverem atuando alinhados com o seu projeto de governo. E para conversar sobre esse assunto polêmico, os nossos convidados de hoje são os deputados Celso Maldaner (MDB-SC), que e o relator do projeto e o deputado Enio Verri, que é o líder do PT aqui na CD. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados #Autonomia #BancoCentral Veja Mais

Bancos reestruturam ativos para melhorar valor e competição

Valor Econômico - Finanças Os três maiores bancos privados brasileiros estão neste momento debruçados sobre processos de reestruturação, e não há coincidência nenhuma nisso. Com lucros em queda e desempenho das ações fraco desde o início da pandemia, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander buscam formas não apenas de destravar o valor de alguns ativos, mas também de gerar mais eficiência. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Não está claro que segunda onda da covid seria deflacionária, diz Serra

Valor Econômico - Finanças A segunda onda da covid-19 na Europa está repercutindo no mercado financeiro de uma forma diferente da primeira, sem provocar quedas nos preços de ativos. Por isso, é difícil afirmar se o recrudescimento da pandemia terá efeitos deflacionários, afirmou o diretor de política monetária do Banco Central (BC), Bruno Serra Fernandes. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Em sete anos, brasileiro passou a beber mais álcool e a fumar menos, aponta IBGE

Glogo - Ciência Fatia que bebe uma vez por semana ou mais subiu de 23,9% da população para 26,4%; usuários de tabaco ou derivados caíram de 14,9% para 12,8%. Mulheres estão bebendo mais no Brasil, diz IBGE Unsplash/Divulgação De 2013 para cá, o Brasil registou um salto no consumo de bebidas alcoólicas, sobretudo entre as mulheres. O tabagismo, no entanto, recuou. É o que mostra a quarta etapa da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2019, publicada nesta quarta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento, 26,4% da população com 18 anos ou mais costumava consumir bebida alcoólica uma vez ou mais por semana em 2019. Em 2013, esse percentual era de 23,9%. A pesquisa foi realizada no segundo semestre de 2019, quando foi entrevistado pelo menos um morador com mais de 18 anos em 108 mil domicílios do país. Brasil tem mais de 5,1 milhões de domicílios em situação precária, aponta IBGE SUS reúne menos da metade do número de UTIs disponíveis no país, aponta IBGE Desagregando o dado por sexo, o IBGE identificou que esse hábito prevalecia entre 37,1% dos homens, taxa que cai para 17% entre mulheres. Apesar da diferença, a edição anterior da PNS, de 2013, identificou que esse percentual era de apenas 12,9% para o público feminino. "Embora o consumo de bebida alcóolica tenha aumentado em linha e ainda seja muito menor no caso das mulheres, o avanço desse hábito entre elas foi maior. Foi isso que puxou o número geral", explica o analista do IBGE Gustavo Fontes. IBGE: 2 em cada 3 brasileiros consideram ter saúde boa ou muito boa No caso do álcool, o especialista destaca, ainda, o fato de ser bem mais difundido entre as pessoas com maior nível de escolaridade, o que contraria a correlação entre informação e hábitos saudáveis. De fato, segundo o IBGE, 36% daqueles com ensino superior completo consomem bebida alcoólica uma vez ou mais por semana, percentual que cai a cada grau de instrução menor, até chegar a 19% para o público sem nenhuma instrução, ou ensino fundamental incompleto. O IBGE também apurou que 17,1% das pessoas tinham praticado consumo abusivo de álcool nos 30 dias anteriores à realização da pesquisa e parcela parecida, 17% havia dirigido logo depois de beber nos 12 meses antes anteriores à abordagem do instituto. Em trajetória diferente, o tabagismo caiu no Brasil. Segundo o IBGE, em 2019, cerca de 20,4 milhões de brasileiros, 12,8% da população com 18 anos ou mais, eram usuárias de produtos derivados de tabaco. Em 2013, esse percentual era de 14,9%. No ano passado, 16,2% dos homens fumavam, ao passo que, entre as mulheres, esse número cai para 9,8%. Em 2013, esses percentuais foram de 19,1% e 11,2% respectivamente. Para o tabaco prevaleceu a correlação entre nível de instrução e grau de consumo: só 7,1% dos mais instruídos fumavam em 2019, enquanto entre a faixa menos instruída, essa parcela chegou a 17,6%. Para Fontes, a queda generalizada nos percentuais do tabagismo no Brasil reflete o acúmulo e sucesso de políticas públicas como propaganda antitabaco e restrição ao fumo em locais fechados. Veja Mais

'Saída fácil é furar o teto. Nós não faremos isso', diz Paulo Guedes

G1 Economia Regra do teto de gastos define que despesas da União não podem superar inflação do ano anterior. Instituição Fiscal Independente vê 'risco elevado' de governo furar limite. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (18) que a "saída fácil" é furar a regra do teto de gastos, mas que o governo não fará isso porque seria "irresponsabilidade com as futuras gerações". Guedes deu a declaração em um evento organizado pela revista "Exame". A emenda constitucional do teto de gastos foi promulgada em 2016, vale por 20 anos e prevê que os gastos da União (Executivo, Legislativo e Judiciário) não podem crescer acima da inflação do ano anterior. Na segunda (16), a Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado, divulgou um relatório no qual afirmou que a retomada da economia brasileira será "lenta" e com "risco elevado" de rompimento do teto de gastos em 2021. "Enquanto o Brasil não tiver a coragem de enfrentar esse problema de indexação automática de despesas, onde a classe política não controla 96% dos orçamentos, nós não podemos sonhar em abrir mão dessa bandeira do teto", disse Guedes nesta quarta. "O teto foi colocado lá sem paredes. Colocaram o teto, mas não havia paredes, que são as reformas. E o pior, com um piso que sobe o tempo inteiro, espremendo os gastos do governo contra o teto. A saída fácil é furar o teto. Nós não faremos isso. Isso é uma irresponsabilidade com as futuras gerações", completou o ministro. Segundo Paulo Guedes, o governo vê o ano de 2021 como um ano de "forte recuperação cíclica". De acordo com o ministro, a economia brasileira deve crescer no ano que vem "entre 3% e 4%". Guedes disse ainda que o Brasil deve terminar 2020 com um número menor de empregos formais fechados do que o registrado na crise de 2015. O ministro costuma dizer que a economia terá "retomada em V", numa referência ao desenho do gráfico de desempenho, indicando queda acentuada da atividade econômica, seguida de retomada acentuada. Entre os fatores que, segundo Guedes, podem ajudar na retomada econômica, está o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19. 'Ideia' de furar o teto Em 13 de agosto deste ano, o presidente Jair Bolsonaro disse que a 'ideia" de furar o teto "existe" e que "o pessoal debate", emendando: "Qual o problema?'. Um dia antes, no entanto, em 12 de agosto, Bolsonaro havia defendido a responsabilidade fiscal e afirmado que o teto de gastos era o "norte" do governo. Privatizações No evento promovido pela revista "Exame", Paulo Guedes também defendeu a privatizações de empresas estatais, como a Eletrobras e os Correios. O ministro criticou o que chamou de "acordo político", em Brasília, contra a pauta de privatizações. "Somos um governo de centro-direita, ganhamos a eleição dizendo que vamos privatizar, como é que vai ter um acordo político que impede privatizações? Então, o governo finalmente está achando o seu eixo político. Não vamos aumentar impostos [...]. Há acordos políticos de centro-esquerda que impedem a privatização”, disse o ministro, sem dar detalhes. Segundo Guedes, o Brasil poderia obter quase R$ 1 trilhão com a venda de estatais e outro montante semelhante com a venda de imóveis da União. Outros temas No pronunciamento, o ministro da Economia também: comemorou a aprovação, pelo Senado, da proposta que dá autonomia ao Banco Central ao prever mandatos para os diretores da instituição; disse que a alta nos preços de alimentos e de materiais de construção é "transitória" e relacionada ao pagamento do auxílio emergencial; defendeu a desoneração da folha de pagamento das empresas e disse que a tributação da folha é um tipo de "arma de destruição em massa de empregos". Veja Mais

Senado aprova terceira rodada do Pronampe e mantém regras para micro e pequenas empresas

G1 Economia Regras de financiamento serão as mesmas das rodadas anteriores, com juros de Selic + 1,25% ao ano. Empresas podem pegar até 30% da receita bruta anual de 2019. O Senado aprovou nesta quarta-feira (18), em sessão remota, o projeto que autoriza a continuidade do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Se virar lei, essa será a terceira rodada de financiamentos do programa, criado em maio. Para isso, o texto ainda precisa do aval da Câmara dos Deputados. A relatora, senadora Kátia Abreu (PP-TO), apresentou relatório inicial em que propunha juros mais altos para a concessão dos empréstimos. Durante a discussão nesta quarta, no entanto, a parlamentar optou por manter as regras originais do programa. A decisão foi tomada sob o argumento de que os recursos reservados para o Pronampe são "crédito extraordinário" e não poderão ser "postergados" para o próximo ano. Governo confirma 3ª fase de crédito para micro e pequenas empresas De acordo com o projeto aprovado, a taxa de juros anual máxima será igual à taxa Selic (atualmente em 2% ao ano), acrescida de 1,25%, incidentes sobre o valor contratado. A proposta inicial era acrescentar à Selic 6%. Segundo o projeto, o valor financiado poderá ser dividido em até 36 parcelas. O Pronampe é destinado a microempresas com faturamento de até R$ 360 mil por ano e pequenas empresas com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões. Juliana Rosa: em setembro, crédito do Pronampe se esgotou na maioria dos bancos Valor do empréstimo Em relação ao valor que poderá ser emprestado aos pequenos negócios, as principais regras do programa foram mantidas: O valor é de até 30% da receita bruta anual da empresa no ano passado, o que corresponde a, no máximo, R$ 108 mil para microempresas e R$ 1,4 milhão para empresas de pequeno porte; Para novas companhias, com menos de um ano de funcionamento, há duas opções: o limite do empréstimo pode ser de até metade do capital social ou de 30% da média do faturamento mensal – neste caso, a média é multiplicada por 12 na hora do cálculo. Covid-19 e economia: 83% das micro e pequenas empresas já voltaram a funcionar A lei em vigor para o Pronampe também dá a possibilidade de empréstimo aos profissionais liberais, desde que não possuam vínculo empregatício de qualquer natureza ou tenham participação ou sociedade em alguma empresa. Neste caso, eles têm a chance de começar a pagar o empréstimo somente oito meses depois da formalização da operação de crédito. O valor do financiamento feito pelos liberais não pode passar de R$ 100 mil. As micro e pequenas empresas podem usar os recursos obtidos para investimentos, para pagar salário dos funcionários ou para o capital de giro, com despesas como água, luz, aluguel, reposição de estoque, entre outras. O projeto proíbe o uso dos recursos para distribuição de lucros e dividendos entre os sócios do negócio. Financiamento do programa Em cada fase do programa, a União aumentou a participação no Fundo de Garantia de Operações (FGO) para dar suporte ao Pronampe. Na primeira etapa, o aporte foi de R$ 15,9 bilhões; na segunda, de R$ 12 bilhões. Agora, tanto o autor da proposta, Jorginho Mello (PL-SC), quanto a relatora, Kátia Abreu, estimam um aumento de R$ 10 bilhões no fundo, na cota do governo federal. Esse fundo privado foi criado em 2009 e é administrado pelo Banco do Brasil. Ele garante operações de crédito a micro, pequenas e médias empresas, e também aos micro empreendedores individuais (MEI). O valor de R$ 10 bilhões não está especificado no projeto. Os recursos que vão compor o fundo, para possibilitar a terceira fase, virão do dinheiro não usado em outra iniciativa, o Programa Emergencial de Suporte a Empregos. A lei determina que os bancos que não emprestarem os recursos desse programa terão de devolvê-los à União. A legislação também diz que o montante devolvido servirá exclusivamente para pagamento da dívida pública, de responsabilidade do Tesouro Nacional. A relatora propôs excluir esse trecho da lei. Veja Mais

NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21)

canaltech O Sentinel-6 Michael Freilich, o maior satélite de observação da Terra, está passando pelos ajustes finais para seu lançamento, que deverá ocorrer no próximo sábado (21). A missão é desenvolvida em uma parceria entre a NASA e Agência Espacial Europeia (ESA), e terá o objetivo de analisar o aumento do nível dos mares, consequência das mudanças climáticas que ocorrem em nosso planeta. Startup Iceye investe em satélites que fotografam a Terra com muito mais nitidez Satélite que observa a Terra conta com IA da Intel na escolha das melhores fotos Satélite aposentado pela NASA há 50 anos cairá na Terra neste sábado (29) O lançamento será feito com um foguete Falcon 9, da SpaceX, o mesmo da missão Crew-1 no último fim de semana: "em breve, vamos ver o satélite em sua jornada para a órbita a 1300 km acima da Terra", disse Parag Vaze, gerente de projeto da missão. Inicialmente, o satélite era chamado de Sentinel-6A, mas houve uma mudança no início do ano. Agora, o satélite se chama Sentinel-6 Michael Freilich como uma homenagem ao cientista da NASA de mesmo nome. Esta nave compõe uma dupla de satélites idênticos da missão Sentinel-6/Jason-CS, parte do programa Copernicus, da ESA; o outro, chamado Sentinel-6B, deverá ser lançado em 2025.   Ao observar a Terra do espaço, o Sentinel-6 Michael Freilich poderá proporcionar uma visão única da tendência preocupante do aumento do nível dos mares, o que ajudará a tomada de medidas contra o problema. "As pessoas estão interessadas em medir o nível do mar", explicou Vaze durante uma videoconferência realizada no início da semana. Entretanto, ele ressalta que esse é um processo difícil, e sugere que as análises remotas feitas por satélite sejam o caminho para entender o efeito global da subida do nível dos mares. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- É que quando estão orbitando a Terra, os satélites têm uma visão privilegiada do nosso planeta, que permite a coleta de dados precisos e abrangentes. "Entender e quantificar o que está acontecendo no oceano é difícil; está mudando lentamente, mas muda. Entender o quão rapidamente essas mudanças acontecem exige medidas precisas e contínuas", coloca. Para isso, o radar altímetro do Sentinel-6 calcula a distância entre o satélite e a Terra com medidas do tempo que um pulso de radar leva para se refletir na superfície do planeta; o eco do pulso que retorna da superfície do mar fornece uma onda, que é processada para determinar a altura da superfície do mar e da onda e a velocidade do vento no oceano. Diferentemente de missões anteriores de observação da Terra, o Sentinel-6 vai coletar medidas em resolução bem mais alta, além de ser capaz de medir variações mais discretas no nível do mar próximo às costas. Por fim, o satélite vai fornecer medidas quase em tempo real da altura da superfície do mar, altura das ondas e velocidade dos ventos. Esses dados serão importantes para previsões do oceano, além de serem cruciais para o gerenciamento dos recursos do oceano e proteção ambiental. A NASA pretende realizar o lançamento às 14:17 no horário de Brasília no próximo sábado, e a cobertura ao vivo terá início às 13:45 na NASA TV e no site da agência espacial. Para conferir, clique aqui. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Como a astronomia ajuda cientistas a entenderem o que há no centro da Terra? iPhone 12 mini: desmanche mostra como Apple juntou tudo em um modelo compacto Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Este motor termonuclear pode levar astronautas a Marte em apenas 3 meses Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo Veja Mais

Armazenamento a -70°C é desafio para a vacina contra a Covid da Pfizer e da BioNTech, dizem especialistas

Glogo - Ciência Vacina é pioneira e aposta no RNA, que é uma molécula que degrada com facilidade e, por isso, requer mais cuidados de armazenamento. Vacina da Pfizer e BioNTech contra Covid conclui estudos da fase 3 e anuncia 95% de eficácia As farmacêuticas Pfizer e BioNTech se tornaram, nesta quarta-feira (18), as primeiras a anunciarem a conclusão dos testes da fase 3 de uma vacina contra Covid-19. Os resultados dos testes com a BNT162b2 ainda não foram publicados em uma revista científica, mas foram considerados animadores, embora a empresa ainda tenha um desafio pela frente: contornar a necessidade de manter a vacina em temperatura inferior -70° C durante o transporte para que o imunizante não perca sua eficácia. Vacina da Pfizer e BioNTech contra Covid conclui estudos da fase 3 e anuncia 95% de eficácia Anvisa aprova medidas para acelerar registro de vacina contra Covid-19 no Brasil Em nota, a Pfizer afirma que já traçou estratégias para driblar a questão. "A companhia elaborou um plano logístico detalhado com ferramentas para apoiar o transporte eficaz, armazenamento e monitoramento contínuo da temperatura da potencial vacina contra a Covid-19. Para isso, foi desenvolvida uma embalagem especial (em formato de caixa) com temperatura controlada, fácil de transportar e manipular, que utiliza gelo seco para manter a condição de armazenamento recomendada (...) por até 15 dias", disse a empresa. A microbiologista e pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), Natalia Pasternak, explica que a BNT162b2 poderá se tornar a primeira vacina no mudo produzida em larga escala feita com o RNA, método que usa parte do material genético do vírus para estimular o corpo a produzir defesa contra o Sars-Cov-2. Entretanto, a técnica exige cuidados extras no armazenamento. "O RNA é uma molécula fácil de sintetizar, trabalhar com ela é relativamente barato, tem muitas outras vantagens. Mas há um único problema: o RNA é uma molécula que degrada com facilidade e, por isso, requer mais cuidados de armazenamento" - Natalia Pasternak Armazenamento e transporte O epidemiologista da Faculdade de Medica da USP, Paulo Lotufo, explica que a maioria das vacinas que estamos acostumados a tomar são armazenadas entre 2º C e 8° C. "A vacina que mais se aproximou de uma temperatura polar de armazenamento foi a Varicela, vacina contra a catapora, que precisa ser armazenada a -20 °C. Temos freezer para manter essa temperatura, mas mesmo assim não é fácil armazená-la. Imagina transportar uma vacina que precisa estar a -70° C", compara Lotufo. "Enquanto a Pfizer não resolver este problema de armazenamento, é impossível você transportar em escala mundial uma vacina que precisa ser mantida a -70°C, prefiro me manter cauteloso com a quanto à aplicação da vacina", explica o epidemiologista. Aumentar a temperatura "Adaptar as cadeias de frio de armazenamento de vacina para -70° C é algo que nem países desenvolvidos conseguem com facilidade, não é algo trivial", aponta Pasternak. Por isso, a microbiologista afirma que, concluído os testes da fase 3, o próximo passo deverá ser adaptar a resistência da vacina ao armazenamento em temperatura mais altas. "Não é fácil fazer esta adaptação, mas a Moderna, que também está desenvolvendo uma vacina de RNA, já conseguiu alcançar um armazenamento a -20° C e mantê-la em geladeira por até um mês", diz. A farmacêutica norte-americana Moderna anunciou, nesta segunda-feira (16), que sua candidata a vacina contra Covid-19, a mRNA-1273, é 94,5% eficaz na prevenção à doença. A Moderna ainda não terminou os testes de fase 3, contudo. Próximos passos da BNT162b2 Há ao menos dois passos que a vacina ainda precisa cumprir para chegar até a população: Revisão da comunidade científica: Os dados divulgados nesta quarta pela Pfizer sobre os testes da fase 3 não foram submetidos a revisão da comunidade científica, critério para uma vacina entre com o pedido de registro junto aos órgãos reguladores de saúde. Registro pelos órgãos reguladores: vacinas podem ser comercializadas e disponibilizadas somente depois que os órgão reguladores de saúde analisem todos os dados de pesquisa e, ao final do processo, concedam o registro. No caso do Brasil, por exemplo, o órgão responsável pela análise e registro é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Pfizer destacou que todos os dados de segurança exigidos pela agência americana de saúde, a Food and Drug Administration (FDA), para a Autorização de Uso de Emergencial foram alcançados. Com isso, a farmacêutica informou que pretende entrar com o pedido de uso emergencial da sua vacina "em poucos dias", mas sem dar uma data específica. Porém, mesmo com o uso emergencial, a vacina precisará passar pelo processo de validação do registro no FDA. VÍDEOS: veja novidades sobre vacinas contra a Covid-19 Veja Mais

Covid-19 diminui exportações na América Latina e recuperação é incerta, diz Bid

O Tempo - Mundo Principal economista do Setor de Integração e Comércio do BID, Pablo Giordano, fala sobre desafios no setor durante e após a pandemia da Covid-19 Veja Mais

Festival Estudantil de Teatro faz edição virtual com 24 espetáculos

O Tempo - Diversão - Magazine Edição 2020 começa nesta quarta-feira (18) e também terá a seção memória, debates e oficinas com Grace Passô e Janaína Leite Veja Mais

Spider-Man: Miles Morales para PlayStation 5 viraliza com bugs hilários bizarros

canaltech Lançado com muita expectativa por ser um dos únicos títulos de nova geração, Spider-Man: Miles Morales, exclusivo para PlayStation 5 (e, também, PlayStation 4) tem sido bem avaliado mundo afora. Mas isso não quer dizer que seja um jogo perfeito — sobretudo na parte técnica. Isso porque o game está apresentando bugs bizarros, que estão viralizando na internet e protagonizando cenas muito engraçadas. Animal Crossing e The Last of Us são indicados ao TGA; confira a lista completa PS5 | God of War Raganarok pode ser lançado também para PlayStation 4 O Rambo chegou! Mortal Kombat 11 Ultimate é lançado oficialmente Vídeos mostram que, em dados momentos no gameplay, o Homem-Aranha é transformado em uma lata de lixo, pacotes de cigarro e até pedaços enormes de gelo. O detalhe é que mesmo com esses bugs, a "nova aparência" do herói permanece jogável, o que rende, claro, boas risadas. Segundo alguns especialistas, não está muito claro sobre o que estaria causando essa falha. Usuários avaliam que pode ser devido à colisão com objetos no mundo. I BROKE SPIDERMAN LMFAOOOOOOOOO pic.twitter.com/xJUQi6BCsI -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- — Froste ???? (@Froste) November 18, 2020 A parte menos engraçada disso, porém, é que antes que o Aranha volte ao normal, o game trava por completo, sendo necessária uma reinicialização do console. Assine já: Xbox Game Pass Ultimate é um pacotão que inclui o Live Gold, biblioteca com mais de 100 jogos de Xbox e PC, além de descontos exclusivos! Sony e Insomniac não se pronunciaram a respeito. Spider-Man: Miles Morales está disponível para PlayStation 4 e PlayStation 5. E você, amigo leitor? Está tendo problemas com o título? Conte para nós nos comentários. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Realme é a marca de celular que mais cresce no mundo NASA e ESA lançam o maior satélite observador da Terra no próximo sábado (21) Ainda usa senhas fáceis? Estas são algumas das piores combinações de 2020 Galaxy A50s começa a receber a One UI 2.5 Xiaomi Mi 11 Pro pode reacender a corrida dos megapixels com novo recorde Veja Mais

Deputados apresentam relatório com normas do novo Fundeb - 18/11/20

Deputados apresentam relatório com normas do novo Fundeb - 18/11/20

Câmana dos Deputados Os deputados que estudam formas de regulamentar o Fundeb, fundo que financia o ensino básico no país e que foi renovado e incrementado este ano pelo Legislativo, apresentaram a fórmula que pretendem usar na distribuição dos recursos. Chama-se VAAT e pretende reduzir a desigualdade na divisão do bolo de receitas que sustenta esta parte da educação pública. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados #Fundeb #Live #Relatório Veja Mais

Governo bloqueia R$ 58 milhões em parcelas do Seguro Defeso

G1 Economia Ao todo, foram analisados 261 mil requerimentos do benefício; bloqueio foi realizado em cerca de 55,5 mil parcelas e 20,1 mil contas. O governo informou nesta quarta-feira (18) que realizou o bloqueio de R$ 58 milhões que seriam pagos em parcelas do Seguro Defeso por causa de fraude. Ao todo, de acordo com o instituto Nacional do Seguro Social (INSS), foram analisados 261 mil requerimentos do benefício, e o bloqueio foi realizado em cerca de 55,5 mil parcelas e 20,1 mil contas. Bloqueio foi realizado em cerca de 55,5 mil parcelas Reprodução/TV Morena Com as medidas já adotadas para combater fraudes, o governo diz já ter economizado 3% da despesa anual com pagamento de benéficos. O seguro é um benefício previdenciário, destinado aos pescadores profissionais que ficam impossibilitados de pescar devido ao defeso (período de reprodução das espécies, quando a pesca é proibida). Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

TRE determina realização de eleições em Macapá em 6 e 20 de dezembro

Valor Econômico - Finanças As eleições na capital do Amapá foram adiadas devido à insegurança causada pelo apagão que atingiu o Estado O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) aprovou que as eleições municipais em Macapá (AP) sejam realizadas em 6 e 20 de dezembro — primeiro e segundo turno, respectivamente. A decisão do plenário aconteceu em sessão realizada nesta quarta-feira (18), após o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, informar que era tecnicamente possível a antecipação das datas. A previsão inicial para o pleito era 13 e 27 de dezembro. As eleições na capital do Amapá foram adiadas devido à insegurança causada pelo apagão que atingiu o Estado — na terça-feira (17), um novo blecaute atingiu a região. O TRE então, marcou as novas datas, mas o segundo turno previsto entre o Natal e o Ano Novo gerou reclamações. Após a nova decisão do tribunal local, o TSE deve oficializar as datas nesta quinta-feira (19). Veja Mais

'Mulher-Maravilha 1984' estreia em cinemas e HBO Max nos EUA em dezembro

G1 Pop & Arte Após ser adiado algumas vezes, filme da heroína vai ser lançado de forma simultânea em cinemas e plataforma de vídeos em 25 de dezembro. Assista ao novo trailer de 'Mulher-Maravilha 1984' Além de ser lançado nos cinemas, "Mulher-Maravilha 1984" vai estrear ao mesmo tempo na plataforma de vídeos HBO Max nos Estados Unidos em 25 de dezembro. O lançamento simultâneo foi confirmado pela diretora Patty Jenkins nesta quarta-feira (18) no Twitter. "O momento chegou. Em algum ponto você tem que escolher entre compartilhar qualquer amor e alegria que você tem para dar, acima de qualquer outra coisa", afirmou a cineasta. Initial plugin text "Nós amamos nosso filme assim como amamos nossos fãs, então realmente esperamos que nosso filme leve um pouco de alegria e alívio para todos nesse fim de ano." A estreia na HBO Max acontece apenas nos Estados Unidos, e não vai custar nada para os assinantes da plataforma. O lançamento de "Mulher-Maravilha 1984" foi adiado três vezes em 2020 por causa da pandemia do novo coronavírus. A data de 25 de dezembro foi anunciada em setembro. Initial plugin text Veja Mais

Em novo momento, Alfa acelera transformação digital

Valor Econômico - Finanças Primeiro como Banco da Lavoura de Minas Gerais, depois como Banco Real e desde 1998 como Alfa, por mais de 70 anos os destinos desse conglomerado financeiro estiveram ligados à imagem de seu fundador, Aloysio de Andrade Faria. Com sua morte, em setembro, o banco se prepara agora para um novo momento, marcado pela aceleração da transformação digital. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Banco segue otimista apesar de questão fiscal

Valor Econômico - Finanças Mesmo com muitas incertezas em relação ao próximo ano, em especial diante do risco de uma segunda onda do coronavírus e dos rumos das contas públicas, os principais bancos do país estão otimistas com a recuperação econômica. A expectativa é que a inadimplência saia das mínimas históricas atuais e suba um pouco, mas nada que assuste, enquanto o crédito deve continuar crescendo. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Senado aprova projeto que repassa R$ 4 bi para serviço de transporte público

O Tempo - Política Os recursos serão repassados para estados, Distrito Federal e municípios com mais de 200 mil habitantes que devem revisar contratos com empresas até 31 de dezembro de 2021 Veja Mais

Plenário aprova MP que prorroga contratos do Incra e encerra votações - 18/11/20 - 14:20

Plenário aprova MP que prorroga contratos do Incra e encerra votações - 18/11/20 - 14:20

Câmana dos Deputados A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (18) a Medida Provisória 993/20, que autoriza o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) a prorrogar, até 28 de julho de 2023, 27 contratos de pessoal por tempo determinado para atender as necessidades do órgão. A MP será enviada ao Senado. Em seguida, a Ordem do Dia do Plenário da Câmara foi encerrada. A MP perde a vigência no dia 24 de novembro e foi aprovada com parecer favorável do relator, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), na forma do texto original. A extensão de prazo é aplicável aos contratos firmados a partir de 2 de julho de 2014. O impacto orçamentário-financeiro da medida é de aproximadamente R$ 6,7 milhões para o período, segundo a Secretaria-Geral da Presidência da República. Fonte: Agência Câmara de Notícias Veja mais: https://www.camara.leg.br/evento-legislativo/60087 #CâmaraDosDeputados #SessãoDeVotação Veja Mais

Google Pay não poderá ser utilizado em mais de um smartphone

Google Pay não poderá ser utilizado em mais de um smartphone

Tecmundo O site 9TO5Google informou hoje (18) que a Google está lançando uma nova configuração de segurança para o Google Pay que poderá representar um problema para alguns usuários: a partir de agora, o aplicativo ficará bloqueado para uso em apenas um smartphone por vez.Portanto, se você aceitar aquele convite simpático para usar o Google Pay (e ganhar um prêmio no primeiro pagamento), conseguirá configurar facilmente o seu dispositivo para a utilização. No entanto, durante o processo você não será informado desse novo detalhe.Leia mais... Veja Mais

Rajada de rádio na Via Láctea gera discussões entre cientistas

Rajada de rádio na Via Láctea gera discussões entre cientistas

Tecmundo Desde abril de 2020, um fenômeno na Via Láctea atraiu bastante a atenção dos astrônomos. Começou a ser percebida uma emissão forte de sinais de rádio advindos do espaço, e foi seguro afirmar que a fonte era um magnetar, basicamente uma estrela composta por nêutrons com forte carga que, em consequência, transmite um altíssimo sinal magnético.Estrelas de nêutrons comuns já possuem um alto potencial, mas o magnetar é colocado em um nível ainda mais acima. O CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment) começou a realizar estudos a partir do sinal captado e foi levado até o magnetar SGR 1935 + 2154, sendo esse um feito importante, pois foi possível localizar uma fonte específica. Ao contrário do que muitos esperavam, nem mesmo isso foi suficiente para sanar as dúvidas - pelo contrário, apenas levantou outras.Leia mais... Veja Mais

Edge recebe notificações na área de trabalho, anotações em PDF e mais

Edge recebe notificações na área de trabalho, anotações em PDF e mais

Tecmundo Uma atualização está introduzindo o sistema de notificações do Edge ao Windows 10, apresentando-as mesmo quando o navegador está fechado. O update trouxe uma série de melhorias ao navegador, incluindo uma experiência melhor na leitura de arquivos em PDF e mais recursos para multitarefas.Anteriormente apresentado na versão do Edge 85, o sistema de notificações do Edge apresentava alertas de sites autorizados pelo usuário tanto com o navegador aberto, quanto fechado, aproveitando a integração do Microsoft Edge com o sistema da Microsoft. A ferramenta é especialmente útil para acompanhar os sites de notícias favoritos.Leia mais... Veja Mais

Tecnologia e uso de dados são vitais para enfrentar pandemia, diz VP da Intel

Valor Econômico - Finanças Rick Echevarria, que abriu a edição deste ano do Festival de Inovação e Cultura Empreendedora (FICE 2020), é coordenador da Iniciativa Tecnológica de Resposta à Pandemia da Intel, empresa que investiu US$ 50 milhões para driblar a crise A pandemia causada pelo coronavírus obrigou as empresas a olhar para o próprio negócio e buscar saídas para a nova realidade imposta pela Covid-19. Rick Echevarria, um dos vice-presidentes da Intel e coordenador da Iniciativa Tecnológica de Resposta à Pandemia (PRTI, na sigla em inglês), foi o responsável por conduzir uma das maiores companhias do mundo durante os últimos meses e ajudou a direcionar um aporte de US$ 50 milhões para combater a crise atual. Echevarria abriu a edição deste ano do Festival de Inovação e Cultura Empreendedora (FICE 2020), evento online organizado por Época NEGÓCIOS e Pequenas Empresas & Grandes Negócios, ao apresentar o painel “A Cura está nos Dados” ao lado de Marcos Coronato, editor-executivo de Época Negócios e PEGN. Rick Echevarria VP da Intel Divulgação Apesar de ser um projeto criado bem antes do surgimento do coronavírus, que já funcionou em momentos de combate a doenças como surtos de gripe aviária, SARS, Ebola, Zika e H1N1, a Iniciativa Tecnológica de Resposta à Pandemia fez com que a Intel agisse de forma rápida nos últimos meses. “A finalidade da nossa empresa é criar tecnologia em escala mundial e esta tecnologia atinge cada pessoa. Temos que nos preparar para todos os tipos de desastres e seguir entregando o nosso serviço”, afirmou Rick. A Intel, gigante com faturamento de US$ 72 bilhões e operações em 45 países, investiu US$ 50 milhões em três áreas principais – aprendizagem online; resposta e prontidão para acelerar os avanços no diagnóstico e tratamento; e um fundo de inovação para projetos de necessidade imediata de comunidades. Rick contou que uma das estratégias da Intel foi compreender que o pensamento não deveria ser apenas no “aqui e agora” e em como remediar a crise, mas sim no futuro e em como evitar situações como essa. Ele dá o exemplo do investimento em educação. Nos últimos meses, a Intel distribuiu 300 mil computadores. A ideia é não parar por aí. “Precisamos pensar em conteúdo, na infraestrutura e em como engajar os estudantes à distância. Isso tem nos levado a grandes parcerias, como a com a Universidade de Los Angeles. Na área da ciência, temos que investir em pesquisa a longo prazo para prevenir futuras pandemias”, afirmou. A Intel já aportou mais de US$ 35 milhões. “Temos parcerias com mais de 100 organizações do mundo inteiro. Geramos em torno de 120 projetos nas áreas de educação, investimento e inovação. É algo bastante amplo que traz um escopo grande de soluções. Continuaremos a investir a partir do fim deste ano”, disse Rick. O executivo também ressaltou que os últimos meses reforçaram a importância do acesso a todos os tipos de dados. “Quanto mais dados e com melhor qualidade de processamento deles, melhores e mais rápidos são os resultados. A tecnologia integrada é uma forma de otimizar resultados e reduzir riscos em cenários como o atual”, resumiu. Não é hora para negação O criador do método customer experience, que serviu de base para a Lean Startup, Steve Blank, também foi um dos palestrantes do evento com transmissão online e aberta ao público. Steve Blank Divulgação Empreendedor serial, escritor e consultor que acabou virando uma espécie de ‘guru da pandemia’ ao aconselhar empreendedores sobre como lidar com o atual momento, Blank foi taxativo ao defender que as empresas não devem contar com o tal do novo normal para garantir a sobrevivência dos negócios. “Não é hora para negação. O modelo de negócio mudou, quer você queira ou não. Os empreendedores precisam reaprender o que os consumidores querem depois das mudanças causadas pela pandemia”, disse. Ele afirma que os efeitos do coronavírus não vão perdurar apenas por meses, mas sim mudarão para sempre a forma de as pessoas consumirem. “É melhor não fazer previsões sobre quanto tempo as coisas vão demorar para voltar ao normal, mas sim buscar atender às novas necessidades desses consumidores, entender o que eles querem fazer quando tudo isso acabar”, finalizou. O FIPE também contou com palestras de nomes como Alfredo Soares, vice-presidente na VTex e empreendedor, Maitê Lourenço, fundadora e CEO da BlackRocks e Douglas Bego, Diretor de Negócios da Claro Empresas. O evento será transmitido ao vivo até às 20h pelo site http://fice.globo.com. A última palestra é Unicórnios x Zebras: dinheiro, poder e startups, com Aniyia Williams, cofundadora da Zebras Unite. Veja Mais

PDT de São Paulo confirma apoio a Boulos; campanha busca atrair PSB e Rede

Valor Econômico - Finanças Adversário do candidato do Psol, Covas recebeu o apoio de Russomanno e Andrea Matarazzo O diretório municipal do PDT confirmou nesta quarta-feira apoio à candidatura de Guilherme Boulos (Psol) à Prefeitura de São Paulo. O anúncio oficial deverá ser feito na sexta-feira, quando a campanha do Psol espera divulgar também os apoios do Rede e do PSB. O PDT nacional já havia decidido apoiar o candidato. O diretório municipal, no entanto, aguardava a resposta do candidato derrotado do PSB, Márcio França, para divulgar uma posição em comum dos dois partidos. O PDT era vice na chapa do ex-governador. França, no entanto, deverá se posicionar na quinta-feira. A tendência é que a militância do PSB apoie Boulos e França fique neutro. Covas e Boulos vão disputar 2º turno em SP Roberto Casimiro/Fotoarena/Agência O Globo O Psol aguarda ainda a definição do Rede, com a possível entrada da ex-senadora Marina Silva na campanha. O Rede conversou também com a campanha do prefeito e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB). PT e PCdoB já aderiram à campanha do Psol. Nesta quarta-feira, os candidatos dos dois partidos, Jilmar Tatto e Orlando Silva, participaram de agenda de rua de Boulos. Agora, o Psol tenta construir uma frente progressista com lideranças nacionais, como Marina, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Covas Adversário do candidato do Psol, Bruno Covas (PSDB) recebeu na terça-feira o apoio do deputado federal Celso Russomanno, quarto colocado no primeiro turno, e seu partido, o Republicanos. O candidato do PSD, Andrea Matarazzo, também derrotado, declarou voto em Covas, mas disse ser uma decisão “pessoal”, não do PSD nacional. A coligação montada por Covas conta com dez partidos: PSDB, MDB, DEM, Podemos, PSC, Progressistas, PL, PROS, Cidadania e PV. Veja Mais

Petróleo fecha em alta com otimismo por vacina

Valor Econômico - Finanças Mesmo com a alta dos estoques da commodity nos EUA, os preços dos contratos atingiram o maior nível desde o início de setembro Os preços do petróleo encerraram a quarta-feira (18) em alta, no maior nível desde o início de setembro, impulsionados pelas notícias positivas relacionadas ao desenvolvimento de vacinas contra a covid-19. Os ganhos para a commodity vieram mesmo com o segundo aumento consecutivo nos estoques semanais dos Estados Unidos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

A estratégia defendida por pesquisadores para não fechar comércio em segunda onda de Covid-19

Glogo - Ciência Limitar ocupação máxima de estabelecimentos e levar em conta necessidades de mobilidade da população podem reduzir a contaminação sem obrigar fechamento total de estabelecimentos, aponta estudo americano; especialistas brasileiros comentam como isso pode ser adaptado à realidade brasileira. Limitar ocupação máxima de estabelecimentos e levar em conta necessidades de mobilidade da população podem reduzir a contaminação sem obrigar fechamento total de estabelecimentos, aponta estudo americano Getty Images via BBC No momento em que alguns indicadores sinalizam que o Brasil pode estar no início de uma nova onda de Covid-19, a possibilidade de intensificar medidas restritivas e fechar estabelecimentos comerciais novamente preocupa epidemiologistas, economistas, comerciantes e a população. Mas um estudo publicado neste mês na revista "Nature" defende que desenvolver estratégias mais direcionadas para cada tipo de estabelecimento, com base em dados dos deslocamentos das pessoas pelas cidades, pode ser mais eficaz do que adotar o fechamento generalizado de comércios. Desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Stanford e da Universidade de Northwest, o estudo coletou dados de mobilidade de 98 milhões de pessoas de 57 mil bairros situados nas dez maiores cidades dos Estados Unidos (Atlanta, Chicago, Dallas, Houston, Los Angeles, Filadélfia, Miami, Nova York, San Francisco e Washington). LEIA TAMBÉM: Prefeitura de Nova York determina fechamento de escolas VALDO CRUZ: Aliados alertam governo sobre 2ª onda de Covid Os dados são anônimos, foram registrados entre março e maio de 2020 e disponibilizados gratuitamente pela empresa Safe Graphic para acadêmicos e pesquisadores. Esses dados reúnem informações como: o bairro de origem e o destino do deslocamento, qual foi o tempo médio de permanência no estabelecimento e o número de visitantes por hora que este recebeu. Em seguida, foi feito um cruzamento entre esses dados e o número de casos da Covid-19 em cada cidade, os pesquisadores calcularam os níveis médio de infecção em alguns estabelecimentos fechados e concluíram que alguns lugares têm maior potencial de disseminar o coronavírus. Esse é o caso sobretudo de restaurantes, mas também de cafés, bares, hotéis, academias e templos religiosos. Ocupação máxima e timing Além de diminuir os riscos de novas infecções, estudo aponta que limitação não reduz a clientela de forma linear durante o período de funcionamento Alessandra Goes Alves via BBC Os pesquisadores utilizaram um modelo matemático para simular cenários com diferentes taxas de ocupação máxima desses estabelecimentos — como seria a taxa de contaminação se um restaurante estiver 100% lotado e com 50% das mesas livres, por exemplo. A conclusão foi que limitar a ocupação a 20% pode reduzir em 80% novas infecções pelo coronavírus nesses lugares. Além de diminuir os riscos de novas infecções, essa limitação não reduz a clientela de forma linear durante todo o período de funcionamento do estabelecimento. De acordo com o estudo, uma taxa de ocupação máxima de 20% provocaria a perda de 42% do total de visitas (e não de 80%). "Limitar a ocupação só diminui realmente a clientela nos horários de pico. É mais estratégico reduzir as ocupações nesses horários do que fechar os estabelecimentos de modo indiscriminado", afirma Emma Pierson, PhD em ciências da computação pela Universidade de Stanford e uma das autoras do estudo. A pesquisadora diz que a principal contribuição dele é mostrar como a mobilidade é um fator decisivo para a disseminação do novo coronavírus. "Medidas preventivas como usar máscaras, lavar as mãos e manter o distanciamento continuam essenciais. Mas é importante pensar essas medidas conjuntamente com a mobilidade, já que ela pode ter impactos dramáticos. O objetivo é fornecer análises mais detalhadas para sustentar decisões políticas mais equânimes e efetivas." Os pesquisadores também analisaram a eficácia dessa medida quando ela é aplicada em cada semana do período estudado. E concluíram que o timing (avaliação do momento) é elemento primordial para a eficácia das medidas de limitação da ocupação. "Há dois fatores que realmente importam: quando você começa a fazer essa limitação e com que intensidade", complementa Pierson. Desigualdades socioeconômicas Para o médico Márcio Sommer, a limitação máxima não deve ser dada por uma porcentagem, mas sim pela relação entre número de pessoas e a metragem quadrada do estabelecimento Alessandra Goes Alves via BBC Os dados de mobilidade também mostraram como desigualdades raciais e socioeconômicas intensificam a disseminação da Covid-19 entre populações de cor e mais pobres. Nas cidades estudadas, os bairros com menos brancos apresentaram riscos menores de infecção. Outro dado aponta que mercados e mercearias de bairros mais pobres receberam, por hora, um número de visitantes 59% maior do que daqueles situados em regiões mais ricas. E os mais pobres também permaneceram uma média de tempo 17% superior. Tudo isso dobra o risco dessa população ser contaminada pelo coronavírus nesses estabelecimentos, em comparação aos mais ricos. Os autores do estudo afirmam que essas diferenças são explicadas por alguns fatores. Um deles é que minorias raciais e populações mais pobres têm menos possibilidades de reduzir os seus deslocamentos (por não terem empregos que permitam home office) e menos flexibilidade de horário para ir a esses comércios. Outro é que aqueles situados em bairros mais pobres tendem a ter uma área menor e serem mais lotados. Os pesquisadores concluem o estudo apontando algumas medidas para reduzir a disseminação da Covid-19 em bairros mais vulneráveis. Além de limitar a ocupação máxima, eles sugerem a criação de centros emergenciais de distribuição de alimentos (para reduzir a lotação de mercados e mercearias), a ampliação de testagens gratuitas, suportes governamentais de renda e locais de trabalho adequados (com boa ventilação e distanciamento quando possível). "Este estudo pode oferecer uma visão otimista, já que essas intensidades de deslocamentos podem ser mudadas", afirma Pierson. Questionada sobre por que o estudo focou somente em áreas nos arredores das estações de metrô das metrópoles pesquisadas, a pesquisadora afirma que essas áreas abrangem uma população que equivale a quase um terço da população total dos Estados Unidos, o que pode oferecer um bom parâmetro de análise. "Um bom próximo passo seria pesquisar dados de mobilidade de populações das áreas rurais", conclui. Avaliações Possibilidade de intensificar medidas restritivas e fechar estabelecimentos comerciais novamente preocupa epidemiologistas, economistas e a população Alessandra Goes Alves via BBC Especialistas ouvidos pela BBC News Brasil consideram que o estudo publicado na Nature traz um quadro amplo sobre as dinâmicas de disseminação do coronavírus. "Os modelos adotados permitem avaliar os impactos das medidas de restrição, acompanhar a dinâmica da pandemia e planejar de forma adequada as medidas restritivas. Ele combina uma base grande de dados de mobilidade e um modelo epidemiológico robusto", diz Bernardo Lanza, docente do Departamento de Demografia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Para a economista Monica de Bolle, o estudo inova ao trazer análises com mais nuances (fora da lógica "tudo ou nada"): "Ele oferece um meio termo que permite preservar os sistemas de saúde e a saúde das pessoas, sem ter impactos econômicos tão fortes ou restritivos como ocorreu com o lockdown." Na avaliação dela, o estudo evidencia que limitar a ocupação máxima é a melhor forma de calibrar as medidas sanitárias que funcionaram até agora. "É fundamental ver quantas pessoas compartilham um único espaço ao mesmo tempo. Para evitar aglomerações é melhor receber 100 visitas em 5 dias do que em 1 só. Enquanto não houver vacinas, nenhum país vai poder reabrir os comércios com 100% da lotação", afirma Bolle, que também é pesquisadora-sênior do Peterson Institute for International Economics (PIIE). Na opinião de Paulo Lotufo, docente de epidemiologia na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), o estudo trabalha com um volume muito grande de dados, o que deixa algumas informações sem detalhamento. "Não fica claro se os restaurantes analisados estavam funcionando em locais abertos ou fechados e como era esse funcionamento. Mas isso é fruto da opção dos pesquisadores por um estudo com uma grande amplitude, que permite uma generalização sobre o processo. Para ter um conhecimento mais detalhado, é preciso analisar um volume menor de dados, cidade por cidade." Para o médico Márcio Sommer, a limitação máxima não deve ser dada por uma porcentagem, mas sim pela relação entre número de pessoas e a metragem quadrada do estabelecimento. Ele também frisa que as chances de contaminação não dependem apenas do tipo de estabelecimento, mas também de como ele se adapta para reduzir os riscos. "A discussão deixa de ser 'abrir ou não abrir' e passa a ser: como reabrir oferecendo poucos riscos? Não se trata apenas de uma decisão individual, mas de adaptação do projeto dos comércios e de fiscalização pelas autoridades. É uma discussão social. A única forma de controlar essa cadeia de transmissão é fazer intervenções sempre no coletivo: na comunidade, com a comunidade e pela comunidade", pondera o integrante do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica do Hospital Universitário da USP. Além do grande banco de dados, todos os especialistas entrevistados pela BBC News Brasil consideraram a inserção de fatores socioeconômicos e raciais outro ponto forte do estudo. "As pessoas não são homogêneas e têm diferentes capacidades de isolamento e distanciamento. Alguns grupos podem precisar circular mais do que outros e frequentar locais de maior risco", lembra Bernardo Lanza. "Quando a Covid-19 atinge uma pessoa, ela interage não só com as comorbidades, mas também com o contexto socioeconômico em que ela vive. É uma soma de fatores que não dá para separar; em termos de pesquisa e de intervenção de política pública, é fundamental ter esse olhar mais completo", complementa Monica de Bolle. Realidade brasileira Outro aspecto importante é que o Brasil apresenta maiores desigualdades sociais, o que torna o cenário mais complexo, segundo especialistas Alessandra Goes Alves via BBC Como as autoridades brasileiras podem utilizar esse estudo para traçar estratégias mais direcionadas contra a Covid-19 no país? Segundo os especialistas ouvidos pela reportagem, o primeiro passo é considerar algumas diferenças entre as realidades dos Estados Unidos e do Brasil. "Existem contextos sociais diferentes entre os mais pobres dos dois países. Nas favelas brasileiras, mais pessoas costumam dividir uma casa, o que reduz o potencial de distanciamento delas", pondera Sommer. Lanza lembra que o Brasil tem o InfoGripe, uma base de dados importante organizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). "Ela permite acompanhar de forma adequada a dinâmica da pandemia no nível local e, sendo combinada com informações de outros estudos, nos ajuda a ter um planejamento mais adequado de medidas. O custo da pandemia descontrolada é muito maior do que o de restrições e limitações", afirma o demógrafo. Os especialistas também consideram que o país precisa repensar a reabertura de comércios. "Nós nunca saímos da primeira onda. Temos hoje um recrudescimento com transmissão comunitária persistente e estamos perdendo o timing. A boa hora para agir é agora, quando o crescimento de internações hospitalares por Covid ainda não está muito grande. Depois que a doença chega, só podemos fazer controle de danos", avalia Sommer, que também é mestre em saúde pública pela USP. Para ele, o estudo incentiva a busca por várias estratégias que podem ser aplicadas simultaneamente. "Pequenas e médias empresas não sobrevivem funcionando só com 20% da sua capacidade máxima. É preciso pensar soluções individualizadas e combinadas para cada tipo de estabelecimento: investir em delivery, limitar o fluxo de clientes, ampliar o horário de funcionamento, ocupar mais espaços públicos." Os médicos ouvidos pela reportagem defendem um maior uso de áreas públicas ao ar livre, já que espaços abertos são mais seguros do que os fechados. Nesse contexto, algumas medidas possíveis envolvem uma utilização de ruas, parque e praças. "A pandemia é uma oportunidade de voltar a fazer, de forma controlada e com um fluxo menor de pessoas, atividades que nos acostumamos a fazer em lugares fechados. A gente pode fechar ruas que tenham muitos restaurantes e bares e colocar alguns mesas desses estabelecimentos de forma espaçada nas vias públicas. Isso oferece menos riscos e não diminui tanto o número de clientes", aponta Sommer. Essa também é a opinião de Paulo Lotufo: "No Brasil, precisamos melhorar as praças e os parques públicos e torná-los mais atrativos. Muitas vezes, a quantidade de mesas para as pessoas utilizarem é mínima, o que impede um uso maior desses espaços. Não faz sentido reabrir parques depois de shoppings e academias. A gente acabou reabrindo lugares com pouca ventilação e sem muito controle." Outro aspecto importante é que o Brasil apresenta maiores desigualdades sociais, o que torna o cenário mais complexo. Para Monica de Bolle, a limitação da capacidade máxima tem uma repercussão considerável no país, onde é grande o contingente de pessoas empregadas nos setores de serviços e comércio. A economista não acredita que haverá o mesmo nível de aumento do desemprego visto no começo da pandemia no país, mas considera muito provável parte das pessoas que foram readmitidas no terceiro setor devem perder a renda novamente, qualquer que seja a porcentagem de limitação. "A abertura ilimitada também foi feita na Europa. Ela acreditou que podia reabrir tudo sem maiores restrições e nisso surgiu o espaço para o coronavírus se reinstalar. Mas no Brasil há muito mais gente vulnerável e pobre, o que faz tudo mais exacerbado. Daí a importância de medidas como o auxílio emergencial." Para ela, este quadro torna o planejamento de estratégias ainda mais necessário. "O estudo mostra que existe uma sintonia fina que pode ser feita. Mas isso tem um timing, e as autoridades precisam ajustar essa sintonia às circunstâncias de cada região. Vai haver segunda onda no Brasil e é preciso agir antes do vírus", diz a pesquisadora, que também é diretora do Programa de Estudos Latino Americanos da Universidade Johns Hopkins. VÍDEOS de reportagens sobre a pandemia do coronavírus Initial plugin text Veja Mais

Fux diz que é preciso aprimorar segurança após ataques ao STJ e TSE

O Tempo - Política A Polícia Federal (PF) apura, em inquérito sigiloso, o alcance da invasão e se houve cópia de processos em segredo de Justiça Veja Mais