Meu Feed

Últimos dias

Brasil vive pior momento da pandemia, com média móvel de 1.180 mortes diárias

Valor Econômico - Finanças Com isso, o país completou 38 dias com a média acima de 1.000 O Brasil registrou 1.275 mortes pela covid-19 e 50.840 casos da doença neste sábado. Com isso, o país alcança 254.263 óbitos e 10.508.634 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia. A média móvel de óbitos dos últimos sete dias ficou em 1.180. Com isso, o país completa 38 dias com a média acima de 1.000. A média é um recurso estatístico que busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete. O Brasil enfrenta o seu pior momento na pandemia. Vários Estados adotaram nos últimos dias medidas restritivas que vão de toque de recolher a cirurgias em hospitais, veto à celebração de missas e comercialização de bebidas alcoólicas. No Estado de São Paulo, mais de 40 hospitais privados estão lotados. Os dados do país, coletados até às 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. O consórcio também atualizou informações repassadas sobre a vacinação contra a covid-19 por 16 Estados. Já foram aplicadas no total 8.453.425 doses de vacina (6.535.363 da primeira dose e 1.918.062 da segunda dose), de acordo com as informações disponibilizadas pelas secretarias de Saúde. As vacinas disponíveis no Brasil são a Coronavac, do Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, e a Covishield, imunizante da Fiocruz desenvolvido pela parceria entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca. Veja Mais

Argentinos protestam contra nepotismo de fura-filas contra a Covid-19

O Tempo - Mundo Parentes e aliados do governo usaram influência para receber imunizante antes de grupos prioritários Veja Mais

Brasil supera marca de 10,5 milhões de casos de covid-19 e tem 1.386 mortes em 24h

Valor Econômico - Finanças Desde o começo da pandemia, total de mortes no país chega a 254,2 mil, segundo boletim do Ministério da Saúde O Brasil ultrapassou a marca de 10,5 milhões de casos de covid-19. Foram registrados 61.602 novos casos da doença nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim do Ministério da Saúde. Com isso, o total de diagnósticos confirmados nas estatísticas oficiais sobe para 10.517.232. Os óbitos provocados pelo novo coronavírus totalizam 254.221 no país, conforme o balanço fechado às 18h40 deste sábado. Segundo os dados do Ministério, foram contabilizadas 1.386 mortes de ontem para hoje. De acordo com o órgão, são 9.386.440 pacientes recuperados da doença e 876.571 sob acompanhamento. São Paulo é o Estado com mais mortes (59.428) e casos confirmados (2.037.267) de covid-19. Minas Gerais é o segundo Estado com mais casos (874.884) e o Rio de Janeiro é o segundo com mais óbitos (33.035). Veja Mais

Reforma da migração nos EUA pode beneficiar milhares de brasileiros

O Tempo - Mundo "Ato de Cidadania" propõe um caminho de oito anos para a legalização de estrangeiros que já moram no país Veja Mais

Lira chama governadores após ataques de Bolsonaro a medidas restritivas

O Tempo - Política Reunião virtual para discutir pandemia ainda não tem data confirmada Veja Mais

Rastreadores de sono vão usar menos bateria do seu Android graças a nova API

canaltech Dispensável para alguns, essenciais para outros — os aplicativos de rastreamento de sono enchem a Play Store prometendo lhe dizer exatamente se você está dormindo bem. O grande problema desses softwares é que eles costumam drenar muita bateria do dispositivo, já que são executados continuamente em segundo plano (ou seja, “escondidos”) e verificando diversos sensores do smartphone para saber como anda a sua soneca. 5 apps para Android que vão ajudar no seu sono Sleep as Android: aplicativo para ter melhores noites de sono Como usar a Mi Band 4 como monitor de sono Esse panorama pode estar prestes a mudar, já que o Google anunciou, nesta última quinta-feira (25), a nova biblioteca Sleep API. Como seu nome sugere, trata-se de um conjunto de códigos integrado ao Play Services e que pode ser utilizado pelos programadores em seus projetos de rastreamento de sono. A API fornece, então, ao app algumas métricas essenciais de sono, dispensando a necessidade de o próprio fazer isso. No fim das contas, isso significa que boa parte do trabalho de monitoramento dos sensores passará a ser feita junto com o Play Services, que já é obrigatoriamente executado 100% do tempo em segundo plano; ao adotar a API, seu aplicativo favorito é dispensado da obrigação de refazer esse serviço, o que possivelmente resultará em uma economia considerável na bateria do gadget. -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- Imagem: Divulgação/Google “Nossos telefones se tornaram ótimas ferramentas para tomar decisões mais informadas sobre o nosso sono. E ao serem informadas sobre os hábitos de sono, as pessoas podem tomar melhores decisões ao longo do dia sobre o sono, o que afeta aspectos como concentração e saúde mental”, comentou o Google. Vale a pena observar que a Sleep API já existia, de forma privada, como parte da Detecção de Atividade (usada no Google Fit). Também é importante frisar que a abertura da API não significa que seu aplicativo de rastreamento de sono se tornará mais econômico da noite para o dia — tudo depende da adoção de cada desenvolvedor. Sleep As Android, o app mais famoso da categoria, foi o escolhido pelo próprio Gigante das Buscas como primeiro sortudo a receber a novidade; logo, se você utilizá-lo, vale a pena conferir se você já possui a versão mais atualizada. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível Destaques da NASA: fotos astronômicas da semana (20/02 a 26/02/2021) Veja Mais

Verallia, de garrafas de vidro, investe R$ 400 milhões em expansão em MG

Valor Econômico - Finanças Investimento vai dobrar capacidade de produção na fábrica de Jacutinga, inaugurada em 2019 A francesa Verallia, terceira maior fabricante mundial de embalagens de vidro para alimentos e bebidas, está investindo 60 milhões de euros (cerca de R$ 400 milhões ao câmbio atual) para implantar um segundo forno na fábrica de Jacutinga (MG) e ampliar presença no mercado brasileiro. O investimento, que estará operacional em 2022, vai dobrar a produção na unidade mineira e elevará a 4 milhões de garrafas por dia a capacidade produtiva da empresa no país. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Karol Conká será destaque no Faustão e no Fantástico após rejeição recorde

O Tempo - Diversão - Magazine Cantora dará entrevista a dois programas da TV Globo após saída do BBB 21 Veja Mais

Olija é mais um excelente e criativo jogo de ação da Devolver

Olija é mais um excelente e criativo jogo de ação da Devolver

Tecmundo A Devolver Digital sempre tenta publicar jogos de ação com uma pegada diferenciada, e Olija é mais uma ótima adição para o seu catálogo! Com versões para PC, Nintendo Switch, Xbox One e PlayStation 4, esta produção do estúdio Skeleton Crew usa uma estética de jogo retrô para criar uma aventura nova, única e envolvente.Aqui, controlamos o náufrago Faraday enquanto ele e sua tripulação ficam presos no arquipélago de Terraleva, um país hostil repleto de ameaças em cada esquina. Os poucos sobreviventes logo estabelecem uma pequena base que serve como o seu hub central, a partir de onde é possível embarcar para as outras áreas do jogo, várias dungeons lotadas de colecionáveis e segredos.Leia mais... Veja Mais

Imunidade parlamentar tem limites, afirma Arthur Lira

O Tempo - Política Presidente da Câmara rejeita comparação de regulação de artigo 3 a uma "PEC da impunidade" Veja Mais

Igreja peruana condena sentença judicial que ampara eutanásia de psicóloga

O Tempo - Mundo Ana Ugarte sofre de poliomielite incurável desde os 12 anos Veja Mais

'Sistema de governo da China não nos diz respeito', diz Kátia Abreu

O Tempo - Política O Brasil é um vendedor, um comerciante de produtos agropecuários e de tantos outros. Não estamos lá para discutir isso (o sistema político da China)", afirma ela Veja Mais

Spotify Grátis: como usar o serviço sem pagar nada [Guia]

Spotify Grátis: como usar o serviço sem pagar nada [Guia]

Tecmundo Recentemente, o Spotify vem se consolidando como a plataforma de transmissão musical mais popular do mundo, segundo dados da empresa no último ano. Com quase 345 milhões de usuários — e, entre eles, 155 milhões de assinantes —, o serviço dispõe de um vasto acervo musical, diversos podcasts e programas episódicos, além possuir ferramentas que complementam sua experiência de uso.Embora parte destas funções seja limitada aos usuários com contas Premium, é perfeitamente possível usufruir do serviço sem uma assinatura e até mesmo participar de um período de testes gratuito para avaliar tudo o que o Spotify pode oferecer. Nesse contexto, o Tecmundo preparou um guia para apresentar alguns recursos gratuitos e dicas importantes aos novos ouvintes da plataforma.Leia mais... Veja Mais

Belchior ganha caixa indicada para quem traz na cabeça as canções do artista nos anos 1970

G1 Pop & Arte Dois discos menos ouvidos do cantor, de repertórios retrospectivos, são editados em CD no box 'Paralelas'. Capa da caixa 'Paralelas', de Belchior Divulgação / Warner Music Resenha de caixa de CDs Título: Paralelas Artista: Belchior Gravadora: Warner Music Cotação: * * * * ♪ Há paralelo curioso entre os cultos a Antonio Carlos Belchior (26 de outubro de 1946 – 30 de abril de 2017) e a Raul Seixas (1945 – 1989). Ambos os cantores e compositores são idolatrados pelos respectivos séquitos por conta de obras que marcaram época ao longo da década de 1970 e, depois, perderam impulso e inspiração, ainda que os artistas tenham gravado discos eventualmente bons após o período áureo. O desnível do cancioneiro de Belchior é sinalizado pelas escolhas dos repertórios selecionados pelo cantor e compositor cearense para os dois álbuns retrospectivos embalados pela gravadora Warner Music na recente caixa Paralelas (2020), lançada em dezembro. Nada menos do que 14 das 19 composições autorais são dos anos 1970. Projeto do jornalista e pesquisador musical Renato Vieira, autor dos textos inseridos nos encartes dos discos, o box Paralelas reapresenta dois álbuns retrospectivos de Belchior, Um show – 10 anos de sucesso (1986) e Trilhas sonoras (1990), ambos até então nunca editados em CD. Pelas capas, tem-se a impressão de que se trata de discos ao vivos, mas os álbuns foram gravados em estúdio, embora, sim, ambos se originem de shows em que Belchior dava voz a um cancioneiro autoral que adquiriu relevância geracional por ter traduzido em verso as angústias e decepções de quem acreditou na mudança do mundo com as armas pacíficas do exército hippie. Editados originalmente pela gravadora Continental, os dois álbuns possuem repertórios complementares que, por não repetirem sequer uma música, acabam montando painel expressivo da obra de Belchior na década de 1970. Remasterizado por Ricardo Garcia, o som do álbum Um show – 10 anos de sucesso resulta quente no CD, graças à remasterização do sempre certeiro Ricardo Garcia. Os “dez anos de sucesso” do título do disco aludia ao fato de que, em 1986, completava uma década do álbum que projetara Belchior, Alucinação (1976), pedra fundamental da obra do compositor. Desse disco, o cantor revive Como nossos pais e Velha roupa colorida, músicas apresentadas ao Brasil na voz de Elis Regina (1945 – 1982) em novembro de 1975 no show Falso brilhante (1975 / 1977). Contudo, o maior destaque do álbum é a abordagem densa de Paralelas (1975) em gravação que adquire clima meio progressivo em algumas passagens (sobretudo na introdução) pelo toque dos sintetizadores de Raposo. Também no piano, Raposo dividiu a direção artística e os arranjos do disco com o baixista João Mourão (produtor musical do disco de 1990). Surpreendentemente, os arranjos jamais soam datados e dominados pelos timbre sintetizados do tecnopop dos anos 1980. Há aura do rock'n'roll da década de 1950 em volta de Canção de gesta de um trovador eletrônico (1984) e há flertes com a cadência do reggae em Comentário a respeito de John (1979) e Medo de avião (1979) – destaques do último álbum do artista a emplacar um hit popular, sintomaticamente no fecho da década de 1970. Com palmas que simulam clima de gravação ao vivo, feita em estúdio com a presença de pequena plateia e com direito à apresentação dos músicos como se o cantor estivesse no palco, o álbum Trilhas sonoras é baseado no homônimo show que Belchior vinha apresentando pelo Brasil com a banda Radar – e cabe lembrar que, mesmo em épocas crepusculares, o cantor nunca deixou de ter agenda cheia pela fidelidade de público disposto a ouvir músicas como Coração selvagem (1977). No todo, o repertório de Trilhas sonoras é menos aliciante do que o álbum de 1986. Faltou a centelha de brilho e também a (sutil) inovação dos arranjos do disco gravado quatro anos antes pelo cantor. E, quando houve inovação, como o sopro de latinidade bafejado na recém-descoberta Sujeito de sorte (1976), a mudança foi para pior pela diluição da densidade da letra que embute versos do cordelista paraibano Zé Limeira (1886 – 1954). De toda forma, para colecionadores de discos, é importante que esses dois álbuns menos ouvidos de Belchior estejam enfim disponíveis em CD em edições de capricho evidenciado inclusive na reprodução das letras das músicas no encarte. Até porque sempre haverá novos ouvintes dispostos a conhecer a obra do artista. Revelado para o Brasil em 1971, ano em que registrou Na hora do almoço, canção interiorizada que havia sido apresentada em festival daquele ano, o cearense de Sobral (CE) construiu obra que carregou o peso da cabeça desse artista singular. E é pela força dessa obra, notadamente a da década de 1970, que, 50 anos depois, o nome de Antonio Carlos Belchior ainda mobiliza público e gera reedições como a da bem-vinda caixa Paralelas, indicada sobretudo para quem ainda traz na cabeça as canções do artista naquela década áurea. Veja Mais

Doom: do pior ao melhor, segundo a crítica

Doom: do pior ao melhor, segundo a crítica

Tecmundo Se atualmente vocês podem curtir seu Battlefield, Call of Duty e Halo na maior tranquilidade, devem agradecer muito a John Romero e seus amigos. O designer que cocriou a id Software junto de três camaradas foi a mente brilhante por trás de Wolfenstein 3D, Quake e, claro, a franquia que nós vamos falar hoje.Matar monstros bizarros enquanto se movimenta freneticamente ao som de um belo heavy metal é definitivamente a fórmula para o sucesso. Vocês pediram, votaram e aqui está o do "Pior ao Melhor da franquia Doom". A seguir estão descritos os nossos critérios, portanto prestem bastante atenção.Leia mais... Veja Mais

Lira rechaça “culpa” de Bolsonaro na crise sanitária e diz que CPI é inapropriada

Valor Econômico - Finanças Para ele, o Executivo liberou recursos em diversas frentes e ninguém sabe exatamente como atuar diante da pandemia Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) rechaçou a tese de que o presidente Jair Bolsonaro seja culpado pela dificuldade de o Brasil enfrentar a crise sanitária. Para Lira, o Executivo liberou recursos em diversas frentes e ninguém sabe exatamente como atuar diante da pandemia. “Divirjo quando falam da gestão da crise [imputando culpa a Bolsonaro]. O auxílio emergencial foi muito importante, todos os setores receberam repasses. Nós não temos a receita da gestão da crise”, defendeu. “Não adianta agora alguém fazer proselitismo. Lá na frente a gente vê quem errou, acertou, quem errou dolosamente”, disse, em participação na live do grupo Prerrogativas. Para Lira, o momento é de manter foco em iniciativas que permitam a chegada das vacinas. Por isso, ele criticou a proposta de abertura de uma CPI no Senado para investigar as ações do governo federal e dos Estados na pandemia. “Todos nós temos que estar focados no mesmo caminho, encontrar soluções, remarmos juntos. Eu acho a CPI inapropriada nesse momento. O que vai adiantar ver se quem teve culpa de não chegar respirador foi o governador, o secretário?”, questionou. “Estamos em guerra sanitária. Em guerra vale tudo, você tem que ter emergência para achar soluções”. Arthur Lira Luis Macedo/Câmara dos Deputados Veja Mais

Lira chama governadores para debater pandemia após ataques de Bolsonaro

Valor Econômico - Finanças Os governadores criticam campanha de Bolsonaro contra medidas restritivas e falam em insensatez e negacionismo O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), chamou governadores neste sábado (27) para uma conversa virtual na próxima semana para discutir questões relacionadas à pandemia diante do recrudescimento de casos e mortes por covid-19. O aceno ocorre um dia depois de os chefes de Executivo dos Estados serem atacados pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por causa da adoção de medidas restritivas quando o Brasil enfrenta o seu pior momento na pandemia. Os governadores criticam campanha de Bolsonaro contra medidas restritivas e falam em insensatez e negacionismo. A data da conversa entre Lira e os governadores ainda não foi divulgada, mas a intenção do deputado é discutir alocação de recursos no Orçamento e definir projetos emergenciais para pautá-los na Câmara. Na publicação que fez em uma rede social para expor sua intenção, o presidente da Câmara disse que as propostas a serem votadas terão que respeitar o teto de gastos. O encontro contará com a participação da presidente da CMO (Comissão Mista de Orçamento), deputada Flávia Arruda (PL-DF), e o relator do Orçamento, senador Marcio Bittar (MDB-AC). "Com o recrudescimento e nova onda da pandemia, quero chamar todos os governadores para contribuírem com sugestões na formulação do Orçamento Geral da União", escreveu Lira. "Também ouvirei os governadores sobre sugestões legislativas emergenciais para tramitarem em caráter de urgência que possam ser adotadas, respeitando o teto fiscal, com o objetivo de enfrentar os efeitos da covid-19", afirmou o deputado. Lira encerrou o comunicado mencionando medidas restritivas que estão sendo adotadas por governadores por causa do aumento de casos. O Brasil registrou na sexta-feira (26) 53,7 mil casos e 1.148 mortes, totalizando 10,5 milhões de casos e 253 mil óbitos. Diante deste cenário, dez estados e o DF endureceram as restrições. "Neste momento em que inúmeros governadores estão tendo que tomar a difícil decisão do lockdown, é hora de contribuir, buscando novas alternativas e novas vias legais para, juntos, mitigarmos essa crise", escreveu Arthur Lira. Pouco antes, Bolsonaro foi às redes sociais divulgar vídeo com trecho de seu discurso, no dia anterior, em um dos eventos com aglomeração e com pessoas sem máscara que ele promoveu no Ceará. "Os que me criticam, façam como eu: venham para o meio do povo. O que mais ouvi no meio deles foi: EU QUERO TRABALHAR", escreveu Bolsonaro, destacando em letras maiúsculas trecho de sua fala. "A satisfação de estar no meio de vocês não tem preço. Aos políticos que me criticam, sugiro que façam o que eu faço, tenho um prazer muito grande de estar no meio de vocês e dizer a esses políticos do Executivo, o que eu mais ouvi por aqui é: presidente eu quero trabalhar. O povo não consegue mais ficar dentro de casa, o povo quer trabalhar", disse ele em Tianguá. No mesmo discurso, ele disse que "esses que fecham tudo e destroem empregos estão na contramão daquilo que seu povo quer". "Não me critiquem, vá para o meio do povo mesmo depois das eleições porque durante as eleições é muito fácil. Eu quero ver é depois." Horas depois, ainda na sexta-feira, Bolsonaro voltou ao assunto em novo discurso em Fortaleza, transferindo para os governadores que adotam medidas restritivas o pagamento de auxílio emergencial. Em sua live de quinta-feira (25), o presidente disse que o governo deve pagar, a partir de março, uma nova rodada do benefício. Agora, seriam R$ 250, durante quatro meses. O governo considera fundamental a aprovação da PEC Emergencial antes de encaminhar ao Congresso a proposta para uma nova rodada de auxílio emergencial. Esta proposta de emenda à Constituição prevê o acionamento de medidas em caso de crise nas contas públicas. "O auxílio emergencial vem por mais alguns meses e, daqui para frente, o governador que fechar seu estado, o governador que destrói o emprego, ele é que deve bancar o auxílio emergencial. Não pode continuar fazendo política e jogar para o colo do presidente da República essa responsabilidade", disse Bolsonaro. O governador do Ceará, Camilo Santana (PT-CE), não foi eventos com Bolsonaro. Em uma rede social, Camilo disse, antes da visita, que não queria participar de aglomerações. "Sobre a vinda do Presidente da República, ao Ceará, amanhã, para a assinatura de ordens de serviço e visitas a obras, conforme a imprensa tem noticiado, não estarei presente a qualquer desses eventos, diante da real possibilidade de muitas aglomerações, algo frontalmente contrário à gravíssima crise sanitária que vivemos neste momento, com o aumento preocupante de casos e óbitos", escreveu o governador. "Tenho todo respeito à autoridade, mas não posso compactuar com aquilo que considero um grave equívoco", concluiu Camilo Santana. O Ceará registra um total de 11.227 mortes e 421.763 casos. Em fevereiro, Fortaleza registrou a maior média diária preliminar de casos confirmados de coronavírus, segundo informe semanal epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde –até o dia 20, a média diária preliminar atingiu 664 casos, um aumento de cerca de 40%. O Estado adotou restrições mais severas a partir deste fim de semana. Entre as medidas, foi imposto um toque de recolher entre 20h e 5h, de segunda a sexta-feira, e entre 19h e 5h aos sábados e domingos. A circulação está permitida somente em situação de comprovada necessidade. Lira Pablo Valadares/Câmara dos Deputados Veja Mais

Alphabet: tudo o que sabemos sobre a empresa dona do Google

Alphabet: tudo o que sabemos sobre a empresa dona do Google

Tecmundo A Google é uma empresa que começou simples em 1998, como um serviço de buscas na internet, até virar uma gigante da tecnologia com projetos em áreas bem diferentes. E o empreendimento cresceu tanto ao longo dos últimos anos que ela precisou se reestruturar, ganhando uma "dona" para ajudar a traçar os seus planos para o futuro.É a Alphabet, uma empresa criada em outubro de 2015 e que até hoje causa certa confusão de quem é ou não ligado no mercado da tecnologia. Afinal, a Google foi comprada por alguém? Quem são os atuais donos dela? Essas respostas são explicadas pelos próprios cofundadores da empresa e indicam a preocupação da gigante em não se acomodar.Leia mais... Veja Mais

Como a pandemia alavancou o nicho de conteúdos eróticos exclusivos

canaltech Já não é segredo que a pandemia mexeu com o emocional das pessoas. Já conversamos com psicólogas e sexólogas para entender melhor as carências e as abstinências a que nos sujeitamos durante o período de quarentena, algo que fez o consumo de pornografia aumentar, e levantou debates sobre o sexo virtual. No entanto, um nicho que também tem sido verdadeiramente alavancado pela pandemia é o de conteúdos eróticos exclusivos. 5 youtubers brasileiras que falam com naturalidade sobre... sexo! As 10 melhores séries sobre sexo feitas pela Netflix Como a era digital impactou os relacionamentos amorosos Quando se fala de conteúdo adulto exclusivo, a primeira coisa que vem à mente é o Onlyfans, serviço de conteúdo por assinatura com sede em Londres, no Reino Unido. Criadores de conteúdo podem ganhar dinheiro de outros usuários do site que assinam seu conteúdo. É popular na indústria de entretenimento adulto, mas também hospeda criadores de conteúdo de outros gêneros. Mas em seu nicho principal, a rede social foi responsável por abrir portas para uma nova forma de se ganhar dinheiro com o corpo, e da maneira mais tech possível: com fotos, vídeos e interações virtuais. O Canaltech procurou o Onlyfans para entender como está a situação na pandemia, e a equipe revelou um total de 500 mil usuários novos por dia. -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- A busca por conteúdo adulto exclusivo na pandemia Atualmente, o total de criadores de conteúdo presentes na plataforma ultrapassa a marca de 1 milhão, enquanto o total de assinantes ultrapassa a marca de 100 milhões. Os criadores chegaram a faturar, juntos, cerca de US$ 3 bilhões (o equivalente a R$ 16 bilhões), e mais de 200 deles faturaram, sozinhos, US$ 1 milhão (cerca de R$ 5,4 milhões). Na esteira do Onlyfans, outras empresas passaram a investir no conteúdo exclusivo, como a Privacy, que começou a ser desenvolvida em janeiro e foi lançada em setembro de 2020 pelos empreendedores Fábio Monteiro, Victor Albuquerque e Vanderson Tibau, que viram no Brasil e no mundo o “boom” meteórico de redes sociais com a estratégia de monetizar conteúdos exclusivos. E em meio a pandemia, essa rede se fortaleceu e os amigos identificaram uma oportunidade de trazer ao Brasil a mesma proposta. "Nós, como seres humanos, precisamos de contato e interação para saúde física e mental. Com a pandemia, as pessoas se viram privadas disso e a forma tradicional de consumir conteúdo sensual e adulto mudou, acelerando assim a mudança que já estava em iniciando. As pessoas querem consumir um conteúdo mais íntimo e personalizado, sem tanta produção", analisa Fábio Monteiro. Como a pandemia alavancou o nicho de conteúdos eróticos exclusivos (Imagem: Timo Wagner/Unsplash) "Nós entendemos que, hoje em dia, a criação de conteúdo está tão em alta, que ao mesmo tempo que existe facilidade, existe confusão. Somos diariamente bombardeados com conteúdo em vídeo, texto, áudios, fotos, que nos prendem a rede, e a cada dia nos deixam menos interessados. Anos atrás, ver a foto de uma pessoa bonita que te chamava atenção, era motivo de felicidade diária. Hoje em dia, vemos a foto, e já passamos para a próxima. Nós queremos ser o contrário disso, queremos dar a sensação de conteúdo único, exclusivo, e os usuários buscam essa seleção de conteúdo cada vez mais", o CEO da Privacy complementa. Questionado se a busca por conteúdo exclusivo vai aumentar ao longo de 2021, considerando esse crescimento ocorrido justamente por causa da Pandemia, Fábio estima: "Nossas expectativas são bem positivas. A quarentena fez com que as pessoas em geral ficassem mais tempo nas redes sociais, e isso faz com que elas busquem por conteúdo exclusivo, personalizado, e que crie um 'funil' com conteúdo que realmente interesse, afinal, você recebe fotos e vídeos do seu criador favorito, que eles não divulgam para todo mundo". Fábio ainda conclui que a quarentena foi um catalizador para surgirem mais criadores de conteúdo, e que as pessoas se viram com mais tempo livre e muitas vezes sem uma fonte de renda. A visão de dentro Considerando que nada se compara com a experiência obtida na prática, a nossa equipe conversou com oito criadoras de conteúdo adulto exclusivo, almejando compreender os impactos trazidos pela pandemia nessa área. Para a influenciadora Maikelly Mühl, que reúne 1 milhão de seguidores no Instagram e se intitula rainha do Close Friends (recurso do Instagram que permite fazer stories exclusivos), houve um aumento geral na busca por conteúdo exclusivo. "Como muitas pessoas ficaram em casa e com mais tempo livre, muitas passaram a consumir mais conteúdo na internet. Percebi que muitas produtoras de conteúdo se lançaram no mercado, ativando a sua base de seguidores, e isso fez com que novos consumidores se formassem. Então, acredito que os números aumentaram para os dois lados: quem cria e quem consome", analisa. Enquanto isso, a criadora de conteúdo Kat Vans observa que foi natural a forma com que as pessoas começaram a procurar entretenimento virtual. "Devido a falta de contato com outras pessoas, sejam familiares ou colegas de trabalho e amigos, essa carência física e emocional acabou sendo descontada na Internet", reflete. Kat acredita que o aumento de criadores de conteúdo pode ter sido causado pela busca por uma renda sem precisar se expor a riscos saindo de casa. "Mas eu vejo também um crescimento grande de consciência feminina no sentido de liberdade pessoal, e consequentemente liberdade sexual. Junta com a necessidade de independência financeira, temos a busca por esse tipo de trabalho. Foi o meu caso, antes mesmo da pandemia. E vejo ser o caso de muitas amigas também", aponta. (Imagem: Anna Shvets/Pexels) Amra, que cria esse tipo de conteúdo desde 2017, também diz notar uma popularização pelo conteúdo exclusivo. "Diferente do pornô tradicional, que é apenas consumo de pornografia, agora busca-se uma experiência diferenciada, mais interativa. Falar com a modelo, conhecê-la, fazer amizade. Eu, pelo menos, senti bastante diferença no perfil do consumidor. A gente acaba fazendo o papel de amiga, namorada virtual, confidente, às vezes até psicóloga", conta. Na opinião de Amra, aumentou o número de modelos, pela ideia de "dinheiro fácil". "Mas poucas realmente investem na carreira quando percebem que é muito mais difícil e cansativo. Não é só criar conteúdo: é marketing, propaganda, estudo de mercado, saber se reinventar, adaptar, evoluir, dedicar tempo para o trabalho. Tem que trabalhar pesado e ter apoio psicológico para lidar com todo tipo de pressão. Mas, felizmente, há um público muito bacana ultimamente, que trata a gente muito bem, e é nele que a gente tem que focar", aponta a criadora de conteúdo. Já na visão de Anna Códon, que começou há três anos por meio de um Instagram privado, houve também um aumento de clientes buscando conteúdos por um preço mais baixo, o que não é uma coisa muito boa para sua profissão. "Houve um grande aumento de meninas tentando trabalhar com venda de conteúdos. Muitas acabam desistindo depois de alguns meses, e eu particularmente acho isso prejudicial pra quem realmente leva a criação de conteúdo a sério, porque essas meninas aparecem vendendo conteúdos a preço de banana para fazer dinheiro rápido, e acabam deixando os clientes mal acostumados, achando que geral precisa ter aquela faixa de preço também", revela. Joy Mermaid, que vê nos conteúdos exclusivos uma maneira de trabalhar de maneira autônoma e flexível, conta que seu primeiro mês com um retorno financeiro satisfatório no Onlyfans foi justamente em Março, no começo da pandemia: "Tem sido maravilhoso, porque consigo ficar muito mais tempo em casa e tenho conseguido mais tempo para me dedicar a divulgar e produzir conteúdos. A procura por um trabalho remoto aumentou e consequentemente no meio das sex workers também, justamente pela liberdade que nos traz". Enquanto isso, Rasta Girl, que trabalha no ramo há dois anos, observa que esse aumento de demanda aconteceu não só com o conteúdo adulto, mas também com qualquer evento transmitido online. "Muitas sex workers da pandemia estão aparecendo online e é normal que as pessoas pensem que a maioria delas veio porque precisava de dinheiro. Em parte, isso é verdade, mas acontece independente da pandemia. O que pouca gente percebe é que parte dessas meninas que entraram agora já eram sex workers de trabalhos offline e só estão se adaptando à quarentena, e muitas com certeza vão ficar em definitivo no Onlyfans", observa a criadora de conteúdo. Já Wichitak chegou a vender conteúdo exclusivo até uns dois anos atrás e parou, retornando apenas com o início da pandemia. "Para mim, conforme o tempo foi passando, mais pessoas foram entrando. Mas é um ciclo, temos épocas com muita procura, e épocas com pouca. Acho que a falta de emprego, e a possibilidade de ganhar dinheiro em casa, junto com a popularização da plataforma, fez com que muito mais gente entrasse no mercado, principalmente na ilusão de que ganharia muito dinheiro rapidamente", opina. Para Luna Wolfy, que integra o Grupo F!re juntamente com outras 8 garotas, esse aumento não foi só por conta da pandemia: "Claro que o fato das pessoas estarem em casa um tanto entediadas facilitou para que algumas meninas que trabalhavam ou ainda trabalham fora tivessem tempo pra testar esse ramo, sem falar que como a visualização em cima das criadoras de conteúdo aumentou, elas começaram a abrir suas mentes para o conteúdo adulto exclusivo". Os desafios da criação de conteúdo exclusivo (Imagem: Valeria Boltneva / Pexels) Entretanto, mesmo que seja um nicho em pleno ápice, a criação de conteúdos adultos exclusivos também tem seus desafios. Dentre os mais citados pelas entrevistadas, destaca-se a volatilidade desse mercado e a pressão social. "Quando você decide ir para esse lado, sabe que vai encontrar uma pressão social absurda, que muita gente vai te xingar, te ofender, sem nem te conhecer ou sequer entender o que você faz. O sexo e o trabalho sexual são tabus", menciona Amra. "Para a maioria das meninas é lidar com o julgamento, já que muitas pessoas sem entendimento do assunto acham erroneamente que venda de conteúdos é o mesmo que prostituição. E também tem o desafio de lidar com compradores que acham que estão te fazendo um favor ao chegar interessados para adquirir algo", opina Anna Códon. "O que eles não entendem é que plataformas como o Onlyfans são a revolução da indústria sensual e pornô, você apoia diretamente as modelos, sem dar dinheiro a empresas que só lucram em cima da imagem de outras pessoas", complementa Joy Mermaid. Wichitak ressalta que uma das partes mais difíceis é lidar com o que as pessoas acham sobre isso não ser um trabalho de verdade, e com uma errônea impressão de que as profissionais da área são fúteis. "Ser vista apenas como um objeto, e não como pessoa intelectual, inteligente e que tem uma vida normal", expõe a criadora de conteúdo. Já para Rasta Girl, os desafios incluem o inglês e o fuso horário, considerando que a maioria esmagadora dos clientes acaba sendo de outros países. Enquanto isso, para Luna Wolfy, os maiores desafios envolvem a restrição da divulgação da venda de conteúdo adulto. "Outro fato que eu acho bem desafiador é o mental, as criadoras de conteúdos são muitas vezes atacadas verbalmente por outras pessoas pela questão do preconceito, e também tem muitos homens que tratam a gente como um tipo de robô que está ali pra ele fazer o que quiser. Não é assim que funciona, isso afeta muito o psicológico das meninas", ressalta. Kat Vans levanta o olhar para outras questões: "Precisamos trabalhar demais. É como ter uma empresa, mas é só você sozinha, então você precisa aprender muitas coisas, desde parte técnica em criar conteúdos, até marketing pessoal e finanças", observa. No entanto, a criadora de conteúdo também menciona a questão mental. "Outro desafio é o psicológico, porque você está em constante contato com o mais diverso público masculino que conseguir imaginar. Diria que terapia é necessária". Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Moto G10 vs. Moto G9 Play: qual vale mais a pena? O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone Veja a 1ª foto panorâmica em 360º de Marte registrada pelo rover Perseverance Veja Mais

Vacina da J&J contra a covid-19 recebe autorização nos Estados Unidos

Valor Econômico - Finanças Imunizante é o primeiro com dose única e pode começar a ser aplicado já na próxima semana A primeira vacina contra a covid-19 de dose única, da Johnson & Johnson, recebeu autorização de uso nos Estados Unidos, dando mais um impulso à campanha de vacinação em massa que pretende acabar com a pandemia mais mortal em mais de um século. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Shining Girls: Wagner Moura estrelará série ao lado de Elisabeth Moss

Shining Girls: Wagner Moura estrelará série ao lado de Elisabeth Moss

Tecmundo O astro brasileiro Wagner Moura foi escalado para estrelar a próxima série da Apple Shining Girls. Ele junta à Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale) no elenco.A série é uma adaptação do romance homônimo escrito em 2013 pela autora sul-africana Lauren Beukes – no Brasil, intitulado Iluminadas – e que mistura elementos de thriller policial, ficção científica e romance histórico.Leia mais... Veja Mais

Brasil ultrapassa 254 mil mortes por Covid-19

Glogo - Ciência País contabilizou 10.508.634 casos e 254.263 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. Média móvel diária de mortes bateu recorde de 1.180 no país, sem contar os dados de Roraima. Brasil registra maior média de mortes desde o início da pandemia O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h deste sábado (27). O país registrou 1.275 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 254.263 óbitos desde o começo da pandemia, no dia em que se completa um ano do 1º caso no Brasil. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias bateu recorde de 1.180, o maior número registrado desde o início da pandemia. A variação foi de +7% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de estabilidade nos óbitos pela doença. Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 10.508.634 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 50.840 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 52.910 novos diagnósticos por dia. Isso representa uma variação de 19% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de alta nos diagnósticos. A alta nos casos vem após 35 dias com essa tendência indicando estabilidade. Os números não incluem os dados de Roraima, que não foram divulgados até às 20h. Onze estados e o Distrito Federal estão com alta nas mortes: BA, PB, RS, AC, MA, PA, CE, RN, PR, SC, DF, PI Mortes e casos de coronavírus no Brasil e nos estados Brasil, 27 de fevereiro Total de mortes: 254.263 Registro de mortes em 24 horas: 1.275 Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 1.180 (variação em 14 dias: +7%) Total de casos confirmados: 10.508.634 Registro de casos confirmados em 24 horas: 50.840 Média de novos casos nos últimos 7 dias: 52.910 por dia (variação em 14 dias: +19%) Estados Subindo (11 estados mais o Distrito Federal): BA, PB, RS, AC, MA, PA, CE, SC, RN, PR, DF, PI Em estabilidade (11 estados): AL, GO, MG, MS, SP, MT, SE, TO, ES, RJ, RO Em queda (3 estados): PE, AP, AM Não divulgou: RR Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia). Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. Vacinação Balanço da vacinação contra Covid-19 deste sábado (27) aponta que 6.535.363 de pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 3,09% da população brasileira. A segunda dose já foi aplicada em 1.918.062 pessoas (0,91% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal. Variação de mortes por estados Estados com número de mortes em alta Arte/G1 Estados com número de mortes em estabilidade Arte/G1 Estados com número de mortes em queda Arte/G1 Sul PR: +48% RS: +54% SC: +90% Sudeste ES: -9% MG: -12% RJ: -2% SP: +2% Centro-Oeste DF: +20% GO:-10% MS:-8% MT:+12% Norte AC:+18% AM: -51% AP:-22% PA:+61% RO:-10% RR: Não divulgou TO:+14% Nordeste AL:+10% BA:+66% CE:+42% MA:+44% PB:+33% PE:-20% PI: +58% RN:+51% SE: 0% Brasil Sul Sudeste Centro-Oeste Norte Nordeste Consórcio de veículos de imprensa Os dados sobre casos e mortes de coronavírus no Brasil foram obtidos após uma parceria inédita entre G1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL, que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal (saiba mais). Veja vídeos sobre a vacinação contra a Covid no Brasil: Veja Mais

Nova remessa de insumos de vacina contra a covid-19 chega ao Rio

Valor Econômico - Finanças Ingredientes serão usados na produção de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca Uma nova remessa de insumos que serão utilizados para a produção de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, contra a covid-19, chegou ao Rio de Janeiro no início da noite deste sábado. O avião com os lotes do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), que será utilizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), chegou por volta das 18h05 no Aeroporto Internacional do Galeão, em voo da companhia aérea de cargas Cargolux, proveniente de Luxemburgo, com passagem anterior por Xangai, na China. Antes de ser encaminhado para a Fiocruz, os lotes vão ser inspecionados Receita Federal e seguirão diretamente para a sede da fundação, sob escolta da Polícia Federal. Insumos serão utilizados para produção de 15 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus no Rio Danny Lawson/PA via AP O novo carregamento se junta à primeira remessa que desembarcou no Rio de Janeiro no dia 6 de fevereiro, para que sejam produzidas 15 milhões de doses de vacina contra o novo coronavírus. Ao chegar a Bio-Manguinhos, as amostras vão passar por um controle de qualidade. A segunda etapa será o descongelamento dos insumos a fim de serem embalados, rotulados e utilizados na fabricação do imunizante. Todas as vacinas serão destinadas ao Programa Nacional de Imunização do governo federal e o Ministério da Saúde ficará responsável pela distribuição em todos os Estados. Veja Mais

Como fazer um PIX pelo Bradesco

Como fazer um PIX pelo Bradesco

Tecmundo Com regulamentação aprovada e anúncio feito pelo Banco Central em agosto de 2020, o PIX estreiou em outubro com 3,5 milhões de cadastros atingindo picos de acesso que causaram instabilidade nos serviços online dos principais bancos do país.Após o período de testes dos bancos o Tecmundo testou o PIX, o sistema que chegou para revolucionar os métodos de pagamentos digitais. Hoje vamos te ensinar a fazer uma transação utilizando o PIX no banco Bradesco.Leia mais... Veja Mais

Salvador da Rima é detido em São Paulo; vídeo mostra cantor sendo derrubado e levando mata-leão

G1 Pop & Arte Equipe do MC diz que ele foi detido por desobediência após discussão e aponta 'nítida demonstração de excesso e flagrante violência'. PM diz que ele resistiu à prisão após aglomeração e som alto. Salvador da Rima é preso em São Paulo O cantor de funk Salvador da Rima foi detido neste sábado (27) na Zona Leste de São Paulo. Imagens nas redes sociais mostram Salvador sendo tirado de dentro de uma casa com a camisa rasgada, derrubado, enforcado com a mão e levando um mata-leão. Assista acima. Advogados da GR6, produtora que gerencia a carreira de Salvador, disseram que ele foi preso por desobediência após discutir com policiais por causa de um carro parado na contramão, e afirmaram que houve "nítida demonstração de excesso e flagrante violência". A Polícia Militar afirma que "recebeu uma denúncia de atitude suspeita" e constatou "aglomeração de pessoas e som alto" no local, mas não menciona a discussão por um carro citada pelos advogados. A PM diz que foi ao local "em razão de ligações ao telefone 190, para averiguar indivíduos em atitude suspeita numa festa no bairro de Itaquera. Ao chegarem ao local foram desrespeitados por um dos frequentadores que além de desobedecer a ordem dos policiais resistiu a ordem de prisão." "Todas as pessoas que estavam na festa, inclusive o detido, estavam aglomerados e sem máscaras", diz a PM em nota. Nas imagens, também há vários policiais sem máscaras. Ele foi liberado por volta das 20h. " A partir de segunda-feira medidas jurídicas serão tomadas quanto a atuação da polícia militar por eventual abuso de autoridade", disseram os advogados. Policiais em 'live' A mulher de Salvador da Rima estava filmando a prisão ao vivo, teve o celular apreendido, e a transmissão continuou captando a conversa dos policiais. Em um trecho reproduzido por seguidores dela no Instagram que estavam acompanhando a transmissão, a voz que seria de um dos policiais que conversam entre si diz: "Machuca aí a mão" (veja vídeo mais abaixo). A PM diz que vai analisar a ação do ponto de vista operacional e técnico-administrativo, mas que não houve ilegalidade, e nega "que os policiais teriam forjado lesões para incriminar o detido", pois nas declarações dos agentes "não há menção de lesões sofridas na ação". Salvador da Rima leva mata-leão de policial Divulgação As imagens mostram amigos tentando impedir que a polícia leve o cantor e questionando a abordagem. Os policiais apontam armas para as pessoas, pedem para que elas se afastem e depois jogam spray de pimenta, enquanto Salvador é colocado na viatura. "Ao orientar todos os participantes do evento, os policiais militares, que são negros, foram xingados e hostilizados por um homem branco, que ao receber voz de prisão, resistiu, conforme as imagens", disse a PM ao G1 ao ser questionada pela primeira vez sobre o caso. O G1 perguntou à PM se os xingamentos mencionados na nota foram relacionados ao fato de os policiais serem negros, se houve ofensa racial e se haverá representação nesse sentido, mas não teve resposta. Em seguida a PM enviou outra nota que não faz nenhuma menção racial. Quem é Salvador da Rima? Salvador da Rima, 19 anos, é um dos MCs de funk de maior sucesso no Brasil hoje. Ele canta em "Cracolândia", parceria com o DJ Alok, que chegou ao 1º lugar das paradas nacionais no fim de 2020. Seu estilo de funk consciente com relatos sobre a vida na periferia foi marcado pelo sucesso "Vergonha pra mídia". Salvador da Rima se destaca em parcerias, de batalhas de rap na rua a hit de funk com Alok Salvador da Rima Divulgação / Instagram do artista Mulher filmou ação ao vivo e celular ficou ligado A mulher de Salvador da Rima, Kelly Araujo, também filmou o momento em que ele foi detido. Ela vai para cima dos policiais e tenta impedir que ele seja levado, enquanto transmite as imagens pelo Instagram, até que os policiais tomam o celular das mãos dela. Veja abaixo: Initial plugin text Initial plugin text Depois, Kelly registrou um vídeo na porta da delegacia, dizendo que foi agredida e que os policiais ficaram com o celular dela. Os amigos dizem que estão acompanhando a conversa dos policiais na viatura, indicando que os PMs não desligaram a transmissão ao vivo que ela estava fazendo do aparelho, e tentam descobrir para onde ele estaria sendo levado. Veja abaixo: Initial plugin text Vários internautas que seguem Kelly no Instagram e assistiam à transmissão ao vivo registraram um trecho do vídeo em que o celular já estava com os policiais e eles conversam entre si. Um deles diz: "machuca aí negão, a mão, machuca a mão, o rosto" (...) "eu bato a testa aqui já, ó”. Veja abaixo: Vários internautas que seguem Kelly no Instagram e assistiam à transmissão ao vivo registraram um trecho do vídeo em que o celular já estava com os policiais e eles conversam entre si. Um deles diz: "machuca aí negão, a mão, machuca a mão, o rosto" (...) "eu bato a testa aqui já, ó”. Veja abaixo: Initial plugin text "Não houve ilegalidade na ação dos policiais, no entanto, os procedimentos serão analisados do ponto de vista técnico-operacional e administrativo. Em relação ao suposto áudio atribuído aos policiais, ele é improcedente vez que nenhum agente policial declarou no registro da ocorrência qualquer lesão sofrida durante a ação", diz a PM. Os advogados de Salvador disseram que vão apurar os vídeos e procurar a corregedoria da PM e os órgãos responsáveis para saber o que aconteceu. Salvador da Rima é preso em SP Reprodução Veja Mais

Disney+: as 11 séries da Marvel mais esperadas no streaming

Disney+: as 11 séries da Marvel mais esperadas no streaming

Tecmundo Com 23 filmes de sucesso, o Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) começou a expandir suas histórias em séries originais para o Disney+. Após alguns atrasos por conta da pandemia do coronavírus e mais de um ano sem nenhum novo lançamento, o MCU deu início oficialmente à sua fase 4 com a estreia de WandaVision. Leia mais... Veja Mais

Mônica Salmaso chega aos 50 anos entre as grandes cantoras do Brasil

G1 Pop & Arte Artista é reverenciada no nicho da MPB pelo raro esplendor vocal e pela inteligência com que transita em universo musical sofisticado. ♪ Nascida em 27 de fevereiro de 1971, na cidade de São Paulo (SP), Mônica Salmaso Pinheiro chega hoje aos 50 anos com lugar já garantido no templo das grandes cantoras do Brasil. Tivesse surgido nos anos 1960 ou 1970, décadas do apogeu da música rotulada como MPB, Mônica Salmaso certamente seria idolatrada como as maiores estrelas reveladas naquela época. Como entrou em cena bem mais tarde, em 1989, gravando discos somente a partir de 1995, Salmaso é reverenciada no nicho dos seguidores de uma MPB já empurrada há tempos para as margens do mercado fonográfico. Intérprete de grande rigor técnico, mas capaz de atingir profundas regiões emocionais com o canto límpido e luminoso, Salmaso vem construindo na música brasileira obra que guarda certa similaridade com a discografia da cantora norte-americana Ella Fitzgerald (1917 – 1996) no universo do jazz. Em bom português, Salmaso vem se tornando cada vez mais uma cantora de songbooks, dedicando discos e shows às obras de um ou dois compositores específicos. No estúdio e/ou no palco, a artista já deu voz às obras de Baden Powell (1937 – 2000) com Vinicius de Moraes (1913 – 1980), Chico Buarque, Dorival Caymmi (1914 – 2008), Guinga com Paulo César Pinheiro – no sublime Corpo de baile (2014), álbum que gerou show estreado em 2015 e perpetuado em DVD editado em 2018 – Milton Nascimento e Wilson Baptista (1913 – 1968). Mesmo quando diversifica o repertório, como nos álbuns Voadeira (1999) e Iaiá (2004), Mônica Salmaso se movimenta dentro de universo particular pautado pela sofisticação. Pelo canto rigoroso, a intérprete já se afinou com o Quarteto Maogani e com o Quinteto da Paraíba, sempre no tom da melhor música produzida no Brasil. Basta ouvir o (por ora) último álbum da cantora – Caipira (2017), disco em que a artista redimensionou o conceito de música caipira – para atestar a beleza e a inteligência da voz da (a partir de hoje) cinquentenária Salmaso. O canto da intérprete é uma das mais perfeitas traduções da alma lírica da canção brasileira. Mônica Salmaso é uma cantora que nem todo mundo conhece, mas que é fervorosamente admirada por todo mundo que a conhece pelo raro esplendor vocal. Veja Mais

Após sinal verde para privatizações, Guedes e Onyx disputam programa do governo

Valor Econômico - Finanças Auxiliares de Jair Bolsonaro esperavam que ele desse um fim à queda de braço entre seus ministros até o final desta semana No momento em que o governo tenta mostrar ao mercado que começou a destravar o processo para privatização de estatais como Eletrobras e Correios, o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) se tornou alvo de disputa entre os ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral), empossado na quarta-feira. Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) esperavam que ele desse um fim à queda de braço entre seus ministros até o final desta semana, mas, até ontem, a questão continuava indefinida. O programa está sob o guarda-chuva do Ministério da Economia há cerca de um ano, quando saiu da Casa Civil, então comandada por Onyx. À época, Bolsonaro anunciou a transferência, por rede social, na esteira da demissão de Vicente Santini, que perdeu o posto de secretário-executivo da Casa Civil após usar um jato da Força Aérea Brasileira (FAB) para uma viagem exclusiva para a Índia. No início deste mês, o presidente levou o amigo da família de volta ao Planalto, nomeando-o secretário-executivo da Secretaria-Geral, novamente o número dois de Onyx. Ministro da Economia pediu ao presidente Jair Bolsonaro que o programa de privatizações continue sob sua pasta Pablo Jacob/Pablo Jacob De acordo com duas fontes do governo ouvidas pela reportagem, Guedes pediu a Bolsonaro que não tire o programa de sua pasta. Além disso, o ministro tem dito nos bastidores que o PPI não vai mudar de lugar. A retirada do PPI da Economia representaria mais um esvaziamento do poder de Guedes após Bolsonaro derrubar Roberto Castello Branco, indicado pelo ministro, da presidência da Petrobras. Membros do governo dizem que o PPI já foi alvo da cobiça de ministros em outras situações e nem por isso saiu da Economia, mas ressaltam que a decisão sobre o assunto será do presidente da República. No governo Bolsonaro, o PPI já esteve também na Secretaria de Governo. O programa, criado em 2016 no governo Michel Temer (MDB), dá suporte aos processos de privatização e concessão com a contratação de estudos, atua na interlocução dos projetos no Tribunal de Contas da União (TCU) e funciona ainda como vitrine de realizações. É justamente neste último ponto que Onyx tem interesse. Ele se prepara para disputar o governo do Rio Grande do Sul em 2022. A migração do PPI para a Secretaria-Geral teria um efeito compensatório, já que a Subchefia para Assuntos Jurídicos (SAJ) continuará na estrutura da pasta, mas prestará contas diretamente ao presidente. Além disso, Onyx deixou o Ministério da Cidadania, responsável por iniciativas como o programa Bolsa Família, para cedê-lo ao centrão, grupo que ganhou ainda mais força junto ao governo depois da eleição para as presidências da Câmara e do Senado. O deputado João Roma (Republicanos-BA) também tomou posse na pasta na quarta. O PPI tem hoje mais de 150 projetos em áreas como portos, aeroportos, ferrovias, rodovias, geração de energia, infraestrutura e óleo e gás. Na terça-feira, no primeiro de uma série de acenos ao mercado, Bolsonaro publicou um decreto com a lista de empreendimentos que foram qualificados na reunião do conselho do PPI no início de dezembro. No mesmo dia, entregou ao Congresso uma medida provisória que abre caminho para a venda da Eletrobras. O plano é diluir a participação acionária da União e de outros braços do Executivo federal na estatal de energia. Na quarta, entregou um projeto de lei que quebra o monopólio dos Correios e abre a empresa pública para o capital privado. O texto permite que serviços postais, inclusive os prestados hoje pelos Correios em regime de monopólio, sejam explorados pela iniciativa privada. O objetivo é eliminar a restrição de entrada de empresas no setor, ampliando a competição. Atualmente, os Correios têm o monopólio do envio de cartas, telegramas e outras mensagens. A medida ainda estabelece que os Correios serão transformados em sociedade de economia mista (pública e privada). Hoje, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos é 100% pública. O PPI está, desde 2019, sob o comando da secretária especial Martha Seillier, servidora pública federal de carreira e especialista em políticas públicas e gestão governamental. Antes, ela foi a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da Infraero. Em governos anteriores, foi diretora do Departamento de Regulação e Concorrência da Aviação Civil da Secretaria de Aviação Civil e coordenadora no Departamento de Política do órgão. Veja Mais

Inundável, Miami anuncia plano para enfrentar aumento do nível do mar

O Tempo - Mundo Aumento do nível do mar avança sobre as praias e deixa os moradores particularmente vulneráveis a inundações durante a temporada de furacões Veja Mais

Como desativar a vibração do celular

canaltech Oi, gente! Hoje vim dar uma dica bem legal para vocês. Certas vezes as vibrações do celular podem acabar incomodando, né? Mensagens, notificações, ligações… são muitos tipos de vibração ao longo do dia. O que é uma Notificação Push Saiba como silenciar várias conversas de uma só vez no Whatsapp Mas, olha só! Você sabia que dá para silenciar suas vibrações? Alguns modelos de smartphone oferecem até mesmo um botãozinho físico para isso, sabia? Quer aprender como desativar as vibrações do seu celular? Deixa que eu te explico :) Saiba como desativar a vibração do celular Vamos lá! Gente, para desativar a vibração de seu smartphone é bem fácil, mas infelizmente não existe um caminho universal para todos os aparelhos. Então vou ensinar como desativar as vibrações em algumas das marcas mais populares aqui no Brasil, tá? Dá só uma olhadinha. -Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.- iPhone iOS Começando pelos smartphones da Apple, os modelos mais novos do iPhone tem um recurso chamado “Retorno tátil” que faz vibrações quando você aperta as teclas ao digitar, manter a câmera pressionada, segurar um áudio, entre outros momentos. Isso é bem legal, porque além de dar uma resposta sonora para suas ações, também faz o celular emitir uma “resposta física”. O que é muito bom! Mas, além disso, os celulares da Apple, possuem uma espécie de botãozinho físico que silencia totalmente as vibrações de ligações, mensagens e até mesmo de notificações. Interessante, né? Ele normalmente fica na lateral esquerda dos iPhones, mas pode variar de acordo com o aparelho. Para desativar ou personalizar, suas vibrações no iOS (sistema operacional do iPhone) também é bem simples. Veja só. Passo 1: toque no ícone de “Ajustes”; Passo 2: feito isso, é só tocar na categoria “Som e Tato”; Passo 3: então, nessa página, você pode desativar algumas das vibrações do seu celular. Para isso, é só desmarcar as opções “Vibrar ao tocar” e “Vibrar quando Silenciado”; Android Já no sistema Android que está presente na maioria dos Smartphones aqui no Brasil, em marcas como: Motorola, LG, Samsung… O caminho para desativar a vibração do celular, tem algumas poucas mudanças de uma marca para outra. Mas ainda assim, é bem fácil de silenciar suas vibrações sabia? Dá só uma olhadinha. Samsung Para silenciar vibrações em geral em seu smartphone da Samsung: Passo 1: toque em “Configurações”; Passo 2: depois disso, é só tocar na categoria “Sons e Vibração”; Passo 3: feito isso, nessa página você pode silenciar todas as suas notificações temporariamente ativando a opção “Silêncio temporário”. Mas caso você queria silenciar apenas vibrações de mensagem de aplicativos é só fazer assim: Passo 1: em “Configurações”, toque na categoria “Notificações”; Passo 2: então, selecione o aplicativo que você deseja silenciar tocando sobre ele. Ah! Você pode ver a lista completa em “Visualizar tudo”; Passo 3: feito isso, lá em baixo toque em “Config. de notificação no app”; Passo 4: depois, toque em “Vibração”; Passo 5: por fim, é só apertar em “Desativado” para que você receba mensagens sem que seu celular fique vibrando. Xiaomi Em smartphones da Xiaomi também é muito fácil: Passo 1: em “configurações”, toque sobre a categoria “Sons e Vibração”; Passo 2: feito isso, é só personalizar as opções “Vibrar para chamadas”, “Vibrar no modo silencioso” e “Vibrar ao tocar”; Asus Em smartphones da linha Asus: Passo 1: deslize seu dedo na tela para abaixo, assim, você vai abrir a “Central de controle” do seu celular; Passo 2: feito isso, é só tocar duas vezes sobre o ícone de “Som” para colocar seu celular no modo “Mudo” e desativar as vibrações; Pronto! Agora você sabe como desativar as vibrações do seu celular. Essa matéria te ajudou? Compartilhe com seus amigos! Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais

Lira defende "desvinculação total" do Orçamento

O Tempo - Política Para parlamentar, obrigações comprometem 96% da previsão dos recursos federais Veja Mais

Galaxy Tab S7: o melhor tablet Android passa longe de caber no bolso | Análise / Review

tudo celular Confira a análise completa do tablet top de linha da Samsung. Veja Mais

Nova Zelândia retoma confinamento em sua maior cidade

O Tempo - Mundo Segundo Ardern, um novo caso de coronavírus representa uma "causa de preocupação", pois trata-se de uma pessoa contagiosa há uma semana que não estava em isolamento Veja Mais

Melhores apps de stickers para você usar no WhatsApp

Melhores apps de stickers para você usar no WhatsApp

Tecmundo Desde que foram lançados, em 2018, os stickers (mais conhecidos no Brasil como figurinhas) do WhatsApp vêm se tornando cada vez mais populares e variados, principalmente por serem alternativas divertidas para a comunicação. O recurso permite salvar diversas imagens — estáticas ou animadas — para serem enviadas nas conversas representando reações ou expressões do usuário.Para facilitar o uso no dia a dia, o WhatsApp liberou no fim de 2020 uma atualização que adicionou a possibilidade de pesquisar por stickers dentro de cada conversa, de modo semelhante ao que já existia para a parte de GIFs. Leia mais... Veja Mais

Adultos infectados com a variante identificada em Manaus têm 10 vezes mais vírus no corpo, aponta Fiocruz

Glogo - Ciência Carga viral maior contribui para transmissibilidade. Pesquisa, ainda não revisada por outros cientistas, aponta que o relaxamento das restrições contribuiu para o espalhamento do vírus. Pessoas usando roupas e equipamentos de proteção contra o coronavírus Sars-CoV-2 andam em meio a túmulos de vítimas da Covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus, no dia 25 de fevereiro. Michael Dantas/AFP Um estudo feito por pesquisadores da Fiocruz aponta que adultos infectados pela variante brasileira P.1 do coronavírus, identificada primeiro no Amazonas, têm uma carga viral – quantidade de vírus no corpo – dez vezes maior do que adultos infectados por outras "versões" do vírus. Uma maior carga viral contribui para que a variante se espalhe mais rápido. A pesquisa ainda não foi revisada por outros cientistas nem publicada em revista, mas está disponível on-line. "[Se] a pessoa tem mais carga viral nas vias aéreas superiores, a tendência é que ela vai estar expelindo mais vírus – e, se ela está expelindo mais vírus, a chance de uma pessoa se infectar próxima a ela é maior", explica Felipe Naveca, pesquisador da Fiocruz Amazonas e líder do estudo. Os pesquisadores analisaram 250 códigos genéticos do coronavírus durante quase um ano. A amostragem cobriu o primeiro pico da doença, em abril, e o segundo, no final do ano passado e início de 2021. VACINAS E VARIANTES: entenda como o perfil das vacinas influencia a eficácia contra as mutações Eles perceberam que essa maior quantidade de vírus não acontecia, entretanto, nos homens idosos (acima de 59 anos). Uma possível explicação para isso é que a resposta imune de homens idosos tende a não ser tão eficiente de forma geral. "Em homens mais velhos, a resposta imune já não consegue responder tão eficientemente, e aí não teve diferença sendo P.1 ou o outro [vírus]", aponta Felipe Naveca. Também é possível que isso tenha acontecido nesse grupo porque a quantidade de pessoas analisadas nessa faixa etária foi menor, explicou o pesquisador Tiago Gräf, também autor do estudo, em uma publicação na rede social Twitter. Na imagem abaixo, retirada do estudo, quanto menor a altura das das bolinhas no eixo vertical, maior é a carga viral dos pacientes: Na imagem acima, quanto menor a quantidade das bolinhas no eixo vertical, maior é a carga viral dos pacientes: Reprodução/Twitter Tiago Gräf Felipe Naveca afirma, entretanto, que não há relação entre quantidade de vírus no corpo e gravidade da doença ou, até mesmo, presença deles. "Carga viral não está relacionada com gravidade – a gente tem pacientes com alta carga viral e sintomas muito leves ou até sem sintomas", diz o pesquisador. A P.1 já vinha sendo apontada por vários pesquisadores ao redor do mundo como mais transmissível, por causa de mutações que ela sofre na região que o vírus usa para infectar as células humanas. Apesar de ter surgido no Amazonas, ao menos outros 18 estados já detectaram infecções pela variante: os mais recentes foram Mato Grosso e Maranhão. Relaxamento de restrições contribuiu para disseminação Movimentação na frente do Hospital e pronto-socorro 28 de Agosto, em Manaus, no dia 14 de janeiro. SANDRO PEREIRA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Os pesquisadores também apontaram que o espalhamento da P.1 se deu por uma combinação de fatores relacionados ao próprio vírus e ao relaxamento do distanciamento social no Amazonas. Brasil chega a 250 mil mortos com ritmo acelerado de óbitos por Covid-19; especialistas culpam falta de medidas de isolamento 7 capitais têm leitos de UTI do SUS com mais de 90% de ocupação; 'pior cenário já observado', diz Fiocruz Os cientistas apontam que as chamadas intervenções não farmacêuticas – como uso de máscaras e distanciamento social – em abril do ano passado foram "suficientemente eficazes" em reduzir a velocidade de transmissão do vírus no estado, mas não em colocar a epidemia sob controle. Isso permitiu ao vírus sofrer mutações e contribuiu para o surgimento, em novembro, da P.1 – que logo se tornou dominante. "A falta de distanciamento social eficiente e outras medidas de mitigação provavelmente aceleraram a transmissão precoce da variante de preocupação [VOC, na sigla em inglês] P.1, enquanto a alta transmissibilidade desta variante alimentou ainda mais o rápido aumento de casos de SARS-CoV-2 e hospitalizações observados em Manaus após seu surgimento", dizem os pesquisadores brasileiros. Eles reforçam, ainda, que "a fraca adoção de intervenções não farmacêuticas, como ocorreu no Amazonas e em outros estados brasileiros, representa um risco significativo para o contínuo surgimento e disseminação de novas variantes". Na quinta-feira (25), o Brasil bateu o recorde, desde o início da pandemia, do número de pessoas mortas em apenas um dia pela Covid-19: 1.582 vítimas. 1xVelocidade de reprodução0.5xNormal1.2x1.5x2x Veja VÍDEOS da vacinação no Brasil: Veja Mais

A solidariedade portuguesa na crise de saúde gerada pela Covid-19

O Tempo - Mundo "O Estado não tem dinheiro para tudo. Precisamos ajudar uns aos outros", declarou um empresário de 38 anos, empenhado em fazer a sua parte Veja Mais

Após ondas de frio polar, Biden e primeira-dama visitam o Texas

Valor Econômico - Finanças Tempestade de inverno excepcionalmente severa atingiu o estado, levando a rede elétrica à beira do colapso, causando dezenas de mortes e deixando milhares de moradores sem água potável O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e a primeira-dama, Jill, visitaram na sexta-feira (26) centros de ajuda humanitária em Houston, no Texas, depois que uma tempestade de inverno excepcionalmente severa atingiu o estado, levando a rede elétrica à beira do colapso, causando dezenas de mortes e deixando milhares de moradores sem água potável. "Há uma operação incrível aqui. É provavelmente a melhor do país", disse Biden, elogiando a equipe do Centro de Operações de Emergência em Houston. "Eles estão salvando a vida das pessoas. Como minha mãe diria, eles estão fazendo a obra de Deus." Biden e Jill também visitaram o Houston Food Bank, o maior centro de distribuição de alimentos do país, que atende mais de 1 milhão de pessoas no sudeste do Texas. "Estamos aqui para ajudar, então nos coloque para trabalhar", disse a primeira-dama, que ajudou a embalar caixas com aveia e pêssegos enlatados. Mais tarde, o casal ainda foi a um centro federal de vacinação contra a covid-19, onde Biden procurou reforçar seu discurso de unidade. "Não estamos aqui como democratas ou republicanos. Estamos aqui hoje como americanos", disse. Carro trafega por via coberta de neve em Spring, no Texas, após tempestade David J. Phillip/AP Veja Mais

Satélite brasileiro Amazônia I será lançado na madrugada de domingo

O Tempo - Mundo Equipamento que partirá de base indiana vai aprimorar sensoriamento de biomas nacionais Veja Mais

Aracy Balabanian é vacinada contra Covid-19

O Tempo - Diversão - Magazine Atriz de 81 anos é protagonista da campanha "Vacina Sim" Veja Mais

Larry Page: conheça o cofundador do maior buscador do mundo

Larry Page: conheça o cofundador do maior buscador do mundo

Tecmundo Quem vê Larry Page pela primeira vez não imagina que aquele homem tranquilo e de fala mansa é uma das pessoas mais ricas e poderosas do planeta. Cientista da computação de origem, foi ele quem teve a ideia de criar, em 1998, a empresa que se tornou um dos maiores impérios da tecnologia mundial: a Google.   Junto com seu parceiro Sergey Brin, Page se manteve à frente da companhia, que evoluiu de um simples buscador para um conglomerado que vale mais de US$ 1 trilhão. Ele foi duas vezes CEO da própria Google e depois CEO da holding Alphabet, até transferir o comando de ambas para Sundar Pichai no final de 2019.Leia mais... Veja Mais

Cobra Kai: Vanessa Rubio e Peyton List são promovidas ao elenco regular

Cobra Kai: Vanessa Rubio e Peyton List são promovidas ao elenco regular

Tecmundo Os fãs de Tory e Carmen da série Cobra Kai podem ficar mais felizes. Peyton List e Vanessa Rubio, que interpretam respectivamente as personagens, foram promovidas ao elenco regular da 4ª temporada do programa da Netflix.Vanessa está em Cobra Kai desde o início com sua personagem Carmen Diaz, mãe de Miguel e interesse amoroso do protagonista Johnny Lawrence (William Zabka). Sua entrada ao elenco regular da série pode significar um aprofundamento do relacionamento entra ela e Lawrence.Leia mais... Veja Mais

Deputados aprovam socorro de US$ 1,9 tri de Joe Biden nos EUA

O Tempo - Mundo Plano de recuperação da pandemia segue agora para o Senado Veja Mais

Papa diz crer que morrerá em Roma e não voltará a viver na Argentina

O Tempo - Mundo Afirmações de Francisco fazem parte de livro que será lançado em março Veja Mais

Pressionado, governo do DF volta atrás e flexibiliza quarentena

Valor Econômico - Finanças Novo decreto, que altera restrições mais rígidas anunciadas ontem, entra em vigor amanhã e vale até 15 de março O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), publicou neste sábado novo decreto ampliando as atividades econômicas que poderão funcionar no período em que vigorarem as medidas de restrição devido ao agravamento da pandemia de covid-19. O decreto entra em vigor à 0h deste domingo e tem validade até o dia 15 de março. O decreto anterior, divulgado ontem, estabelecia regras menos flexíveis e não tinha prazo de validade. Em entrevista neste sábado, ele disse que as restrições devem seguir até o índice de ocupação das UTIs baixar dos atuais 95% para 85%. "A expectativa é que isso aconteça até sexta-feira", afirmou Ibaneis. Governador do Distrito Federal foi pressionado por diferentes setores econômicos e ampliou o leque de atividades que podem funcionar na quarentena Marcello Casal Jr. / Agência Brasil Pressionado por diversos setores econômicos, Ibaneis Rocha recuou e ampliou o leque de atividades autorizadas a abrir as portas, incluindo todo o segmento da construção civil, cartórios, hotéis, papelarias, bancas de jornal e até mesmo escritórios de profissionais autônomos, como os de advocacia e contabilidade. O governador informou que a quantidade de ônibus e trens do Metrô não será reduzida. Ibaneis decidiu baixar o decreto após a ocupação dos leitos de UTIs alcançar 98% no DF. Em um primeiro momento, no início da tarde de ontem, o governador havia produzido um decreto com a previsão apenas de restrição noturna e partir da segunda-feira. Foi criticado nas redes sociais por parte da população e por adversários políticos. Mais tarde, em novo decreto, decidiu antecipar as medidas e ampliar as restrições. Não proibiu, por exemplo, o funcionamento de "cultos, missas e rituais de qualquer credo ou religião", atividades que seguem liberadas na medida anunciada neste sábado. Nas redes sociais, Ibaneis afirmou que "muitos" o perguntam porque missas e cultos são permitidos. Ele disse que no DF foi aprovada lei, questionada no Tribunal de Justiça, que define igrejas e templos como serviços essenciais. "Sou obrigado a cumprir", disse. De acordo com o governador, tratativas estão sendo feitas com o Ministério da Saúde para que haja uma ampliação na oferta de UTIs no DF. Até sexta-feira, afirmou, mais 100 unidades serão ofertadas, o que, segundo ele, baixará o índice de ocupação para 85%. Veja Mais

Apps de monitoramento de sono ficarão mais precisos no Android

canaltech O Google liberou uma API recheada de ferramentas para monitoramento de sono para desenvolvedores Android. A biblioteca Sleep API passa a ser um conjunto público de recursos de baixa demanda de processamento e energia para criação de aplicativos voltados à saúde do sono. Sleep as Android: aplicativo para ter melhores noites de sono 5 apps para Android que vão ajudar no seu sono Função do Android que cuida do sono chega a versões antigas do sistema; confira Os profissionais da companhia comentam que há dois modelos de coleta e apresentação de dados disponível na API: a coleta dentro de 10 minutos e o relatório pós-sono, encaminhado aos aplicativos logo após a detecção de atividade do usuário. Segundo o Google, a ferramenta pública foi disponibilizada em colaboração com os desenvolvedores do aplicativo Sleep as Android. A solução pode ser utilizada por qualquer aplicativo de monitoramento de sono, rotina ou que complementa o funcionamento de smartbands ou smartwatches para uma melhor experiência — mais discreta, robusta e econômica. -CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.- (Imagem: Reprodução/Urbandroid) A biblioteca também atua no gerenciamento de desempenho do sistema, já que esse tipo de detecção é capaz de identificar horários de sono otimizar o consumo de bateria. Entretanto, fique tranquilo: a API não demanda o uso de câmeras, localização ou registro de atividades para monitorar a soneca. Na verdade, a biblioteca usufrui de ferramentas de sono nativas incluídas no Android, como a “Hora de dormir” definida pelo usuário, combinadas à inteligência artificial integrada aos sinais de entrada do sensor de luz e de movimento. Portanto, desenvolvedores já podem conferir a biblioteca disponibilizada no site oficial do Android Developers Blog para obter detalhes de implementação e as iterações da Sleep API. A solução foi disponibilizada como parte da última atualização do Google Play Services e poderá integrar todos os dispositivos compatíveis com a plataforma. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais

Carro autônomo é comandado por 'cérebro de minhoca'

Carro autônomo é comandado por 'cérebro de minhoca'

Tecmundo Uma equipe de pesquisadores da Áustria e dos Estados Unidos provou que dirigir é uma tarefa mais fácil do que parece. O grupo desenvolveu um sistema de inteligência artificial neuromórfico que imita o funcionamento do sistema nervoso de animais como minhocas e lombrigas e resolveu testá-lo em um carro autônomo. E, para a surpresa de todos, o sistema obteve um desempenho positivo.Essa não é a primeira vez que a equipe apresenta uma proposta ousada. Afinal, o trabalho é um melhoramento de outro sistema, apresentado em 2018, que estacionou um pequeno robô usando apenas 12 neurônios. Leia mais... Veja Mais

O Exterminador do Futuro: anime baseado na franquia é produzido na Netflix

O Exterminador do Futuro: anime baseado na franquia é produzido na Netflix

Tecmundo Segundo informações apuradas pela imprensa internacional, a Netflix encomendou uma série de anime baseada diretamente na famosa franquia O Exterminador do Futuro (Terminator, no original), protagonizada por Arnold Schwarzenegger. Como o projeto ainda está se encontra em seus estágios iniciais, detalhes acerca do enredo estão sendo mantidos sob sigilo. A produção é uma parceria da plataforma de streaming com a Skydance, responsável pelos dois últimos filmes de O Exterminador do Futuro lançados no cinema. A franquia é uma das mais famosas quando se fala em ficção científica. O primeiro longa-metragem foi lançado em meados dos anos 1980 e fez um grande sucesso no mundo todo. Leia mais... Veja Mais

4 mil universos virtuais podem solucionar mistério do Big Bang

4 mil universos virtuais podem solucionar mistério do Big Bang

Tecmundo Munidos de um supercomputador, cientistas, buscando respostas para perguntas relacionadas ao Big Bang, criaram 4 mil versões virtuais do Universo para entenderem o que levou, em menos de um microssegundo, tudo o que conhecemos (e desconhecemos) a se expandir para uma dimensão 1 trilhão trilhão de vezes maior que o tamanho ocupado originalmente por toda matéria (e antimatéria) espalhada por aí.O retrocesso aplicado pela equipe se vale de um método usado em simulações e observações reais que revelam as variações de densidade encontradas no espaço, com algumas manchas ricas em galáxias e outras relativamente áridas. Leia mais... Veja Mais

Crítica | Pit Stop é sitcom com fórmula antiga que até diverte, mas não faz rir

canaltech   Quando você aperta o play no primeiro episódio de Pit Stop, a mais nova série de comédia da Netflix, tem a impressão de que já assistiu aquilo em algum lugar, sem saber muito bem se foi há pouco tempo ou mais antigamente. Isso, porque a produção conta com uma essência já conhecida em sitcoms dos anos 2000, o que provoca um sentimento que é justificado ao descobrir que Jeff Lowell, responsável também pelas últimas temporadas de Two and a Half Men e pela mais recente The Ranch, é o criador do lançamento. Os lançamentos da Netflix em fevereiro de 2021 Crítica | Eu Me Importo atira no alvo e acerta embaixo Netflix lança download automático de conteúdos baseados no gosto do usuário Pit Stop conta a história de uma equipe de corrida chamada Bobby Spencer Racing, que compete pela associação esportiva Nascar, de stock car, e que enfrenta uma mudança no escritório: o fundador da equipe, Bobby Spencer (Bruce McGill), decide se aposentar e coloca para trabalhar em seu lugar a filha Catherine (Jillian Mueller), que já trabalhou no Vale do Silício, para tomar conta da empresa e tentar modernizar as suas estratégias. Imagem: Divulgação/Netflix Atenção: esta crítica contém spoilers da série Pit Stop, da Netflix! -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- Desde o início, a série investe em um humor carregado de estereótipos que são reforçados em tentativas constantes de piadas, que até chegam a ficar cansativas, valorizando diversos comportamentos antiquados dos personagens. A trama aposta em um personagem que é visto por todos como burro, traz ainda a mulher que faz tudo na empresa e não é valorizada, o mecânico mal-humorado, um engenheiro que todos odeiam, em uma tentativa frustrada de criar um novo Toby de The Office, e em um protagonista que foi criado para ser carismático, mesmo com seus pensamentos machistas e por estar estacionado no tempo. Filmes, Séries, Músicas, Livros e Revistas e ainda frete grátis na Amazon por R$ 9,90 ao mês, com teste grátis por 30 dias. Tá esperando o quê? A presença de Catherine incomoda desde o início, não apenas por ela ser a filha do homem com o maior poder ali dentro, como por não ter experiência com o esporte. Mesmo com um bom currículo de gestão, o seu trabalho é constantemente criticado pelos colegas, em meio a muito humor, claro, principalmente por Kevin Gibson (Kevin James), que tenta até sabotar a nova chefe. Mas o ódio velado da equipe por ela é firmado quando Catherine tenta substituir o piloto atual, Jake (Freddie Stroma), pela novata Jessie De La Cruz (Paris Berlec), em uma estratégia de atrair mais investidores interessados em vender com a valorização de mulheres em cargos que são dominados pelos homens. Imagem: Divulgação/Netflix Tanto Catherine quanto Jessie não são bem recebidas, mesmo que a nova piloto seja uma grande aposta para a equipe, uma vez que Jake não vem trazendo bons resultados nas corridas. Então, a trama dá início a uma guerra constante entre os pilotos e entre Kevin e a nova chefe. Kevin James, inclusive, assim como o próprio personagem, parece que parou no tempo, se aproveitando das personalidades de papéis anteriores, abusando do humor autodepreciativo ao mesmo tempo em que esbanja um ar de superioridade. Pela competitividade ser mostrada com humor, afinal se trata de uma série de comédia, depois de um certo tempo começa a ficar cansativo, já que são 10 episódios de história. Os roteiristas conseguem, no entanto, criar piadas fáceis e diretas, sem que haja a necessidade constante de buscar alguma referência para entendê-las, ou ainda "pescar" no ar o que cada piada quis dizer. Isso faz com que a série seja divertida, pois não há nenhum momento que possa ser definido como entediante, na forma mais extrema da palavra. Imagem: Divulgação/Netflix É um humor engessado no qual já estamos acostumados, o que faz com que Pit Stop também seja fácil de assistir, além de ser divertida. Até mesmo as questões antiquadas citadas acima não são flagradas a todo momento, pois cada cena traz uma distração diferente, se transformando em uma produção dinâmica. Quando você está se indignando com alguma atitude de Kevin, outro assunto entra em pauta, com os temas sendo intercalados regularmente. A série não consegue trazer grandes gargalhadas, até porque se todas as piadas fossem extremamente engraçadas seriam quase 30 minutos de riso constante, tamanhas são as tentativas. Os cenários, todos se passando no Bobby Spencer Racing, também acabam sendo cansativos visualmente, com muitos detalhes, mesmas cores e objetos a todo momento, trazendo uma grande poluição visual. Imagem: Divulgação/Netflix A série pode até ser interessante para quem está familiarizado com o tema Nascar, ou corridas em geral e outros esportes, mas existe uma longa distância entre ser uma produção divertida e muito engraçada. Pit Stop pode até arrancar sorrisos de quem está assistindo, mas Kevin James, desta vez, ficou devendo nas gargalhadas. Pit Stop está disponível na Netflix em 10 episódios. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais

Veja os destaques do Globo Rural deste domingo (28/02/2021)

G1 Economia O programa vai mostrar os pedidos de selo de origem para o queijo cabacinha em Goiás, e para a laranja Tanguá no Rio de Janeiro. Tem ainda reexibição da Folia das Almas em Minas Gerais, rito popular do campo que canta e reza para os mortos. Veja os destaques do Globo Rural deste domingo (28/02/2021) O Globo Rural deste domingo (28) mostra os pedidos de indicação geográfica para o queijo cabacinha em Goiás, e para a laranja Tanguá, no Rio de Janeiro. O selo é uma certificação para produtos típicos de uma localidade ou região. Assista a todos os vídeos do Globo Rural E na série de melhores reportagens do programa, relembre ainda a Folia das Almas, rito popular do campo que canta e reza para os mortos, e reveja a pesca do mapará, sustento de famílias das ilhas do baixo Tocantins. Não perca, o Globo Rural começa a partir das 8h30. Veja os vídeos mais assistidos do Globo Rural Veja Mais

Netflix anuncia série futurista em que ciência pode revelar nossas almas gêmeas

canaltech   A Netflix liberou nesta sexta-feira (26) o trailer de uma nova série distópica que promete conquistar os fãs de Black Mirror. Intitulada The One, a produção passa-se num futuro onde a única coisa que separa você de sua alma gêmea é um teste de DNA. Assista acima. Black Mirror: Bandersnatch cumpre pelo menos uma de suas funções Disney+ revela datas de Loki, Star Wars e outras estreias de séries originais "A única pessoa pela qual você está geneticamente predisposto a se apaixonar apaixonadamente nunca esteve tão perto de ser revelada, graças a ciência. Por melhor que seja seu relacionamento, quem pode dizer se há alguém melhor por aí? E se uma amostra de cabelo for suficiente para encontrá-los? A ideia é simples, mas as implicações são explosivas. Nunca mais pensaremos no amor e nos relacionamentos da mesma maneira", revela a sinopse oficial, divulgada pelo streaming. Seria um teste capaz de mostrar quem é sua alma gêmea? (Imagem: Divulgação / Netflix) Assine a Disney+ aqui e assista a títulos famosos da Marvel, Star Wars e Pixar quando e onde quiser! Com oito episódios ao todo, The One promete mostrar até onde a tecnologia é capaz de levar o mundo do namoro de paquera a um novo lugar assustadoramente científico. Na teoria, tudo parece perfeito, mas depois que um homem envolvido no experimento morre, o conto de fadas se revela estar longe demais de ter um final feliz. -Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.- Numa primeira impressão, a série assemelha-se muito com Soulmates, a antologia da AMC que traz um mundo futurista em que um teste pode mostrar quem é sua verdadeira alma gêmea, explorando diferentes histórias a cada episódio. Crítica | Soulmates é cheio de boas intenções, mas tem medo de ousar Do mesmo roteirista de Misfits, vem aí The One (Imagem: Divulgação / Netflix) Assine Amazon Prime por R$ 9,90/mês e ganhe frete grátis, catálogo de filmes e séries que compete com a Netflix, livros, músicas e mais! Teste 30 dias grátis! Quem assina o roteiro dos oito capítulos é Howard Overman, da série Misfits (2009-2013). Jeremy Lovering ()Sherlock, Doctor Foster), Catherine Morshead (No Offence, Downtown Abbey, The Hour) e Brady Hood (Minha Nova Vida, Hanna) dividem-se na direção dos episódios ao longo da primeira temporada. The One chega à Netflix em 12 de março. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais

Navegador Mint é bom? Confira a nossa análise completa

canaltech Mudar de navegador nem sempre é algo simples, mas basta dar uma olhada nas vastas opções disponíveis nas lojas de apps para ficar com a pulga atrás da orelha. É inegável que o Chrome ou o Samsung Internet Browser são ótimos, mas você pode estar atrás de uma alternativa e, nessa busca, se viu diante do Mint. Microsoft Edge mobile | Enfim, um navegador que faz jus à Microsoft [análise] Mi Browser | Um canivete suíço em forma de navegador [análise] Firefox Focus | Além do essencial para quem quer foco na privacidade [análise] Trata-se aqui de um navegador da Xiaomi, uma das opções que a empresa oferece para navegação mobile, e desponta como uma escolha leve, com foco em navegação e capaz de garantir fluidez e personalização para quem navega na web. Ele já esteve envolvido em questões de privacidade, mas agora tudo parece resolvido, então, fica a pergunta: o Mint é um bom navegador? Mint é a outra aposta da Xiaomi para os navegadores mobile (Imagem: Douglas Ciriaco/Captura de tela) Ficha técnica Mint Browser (Android) Versão: 3.7.2 Testado no Android 10 Destaques positivos Leve Bloqueador de publicidade Modo leitura Sincronização de conteúdo Destaques negativos Não abre páginas em aplicativos instalados Sem versão para computadores Modo escuro problemático Leveza e personalização A grande atração aqui é o fato de o Mint ser um navegador bem leve, o que o torna indicado especialmente para celulares antigos ou menos potentes. Ele conta ainda com um modo de economia de dados, função útil para quem precisa navegar na web usando o plano de dados móveis e não quer nenhuma surpresa negativa nesse sentido. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- Nesse sentido, de recursos, o Mint é bastante personalizável. Ele permite ocultar a barra de endereços ao deslizar a tela ou não, pode ter ativadas funções como sempre abrir novas guias anônimas por padrão ou até mesmo um aviso toda vez que você for sair do navegador (evitando fechamentos acidentais, por exemplo). E tudo isso flui bem, apesar de algumas falhas em termos visuais mesmo — alguns recursos são dispostos em frases muito longas nas configurações, o que simplesmente impede que o usuário tenha uma compreensão exata do que diz ali. Claro que é possível presumir o que está escrito ali se você for experiente nesses apps, mas novatos podem encontrar dificuldade aqui. Sem publicidade e paz para ler As opções de bloquear publicidade de forma nativa vêm se tornando cada vez mais comum e, apesar de isso jogar contra um site como o Canaltech, cuja parte da receita vem também dos anúncios que pingam aqui e ali, como usuário, é bom poder contar com um recurso que torna a navegação muito mais leve e visualmente agradável. O bloqueador de anúncios do Mint é fácil de ser ativado e até avisa quantos foram bloqueados quando você acessa uma página, algo simples e direto ao ponto do jeito que a gente gosta. Sendo assim, conta pontos a favor do app da Xiaomi. Modo leitura é um recurso sempre bem-vindo (Imagem: Douglas Ciriaco/Captura de tela) O modo leitura é algo que deveria ser obrigatório em todo e qualquer navegador que se preze. Além de bloquear publicidade, essa função elimina qualquer distração que possa haver em uma página da web e foca no texto, funcionando muito bem por aqui e com direito à personalização (você pode mudar tamanho da fonte e esquema de cores, por exemplo). Conteúdo sincronizado Apesar de não ter uma contraparte para desktops, o Mint oferece um sistema de sincronização bem honesto e fácil de usar. Basta fazer login e decidir se você quer sincronizar histórico de navegação e configurações na nuvem, ou seja, isso vai permitir que você utilize o navegador em outro dispositivo Android sem perder nenhum dado nessa migração. Ele não permite compartilhar abas abertas entre os diferentes aparelhos, por exemplo, o que é um ponto negativo, mas funciona bem e vai deixar você não perder sites registrados em seu histórico de navegação. Atalhos práticos Uma das surpresas legais do Mint é a função que monitora a sua área de transferência a fim de identificar links copiados em outros lugares. Quando isso acontece, o aplicativo emite uma notificação para que você abra a URL no navegador rapidamente, sem ter que ir até ele de forma manual para colar a informação na barra de endereços. Entre os atalhos práticos estão ainda um painel com jogos online (algo que também dá as caras no Mi Browser) e fácil acesso a favoritos e sites mais acessados a partir da tela nova guia. Modo escuro: poderia ser melhor O modo escuro é de praxe atualmente e cada vez mais aplicativos oferecem tal recurso. O Mint não fica de fora desta dança, porém, o resultado final não é tão satisfatório. Ele escurece todo o site, não apenas a barra de navegação, mas “esquece” de clarear a fonte utilizada na página, ou seja, se os caracteres estão numa cor escura, é quase impossível lê-los normalmente. Modo leitura na versão escura não funciona muito bem (Imagem: Douglas Ciriaco/Captura de tela) Essa falha praticamente inviabiliza o modo escuro, mesmo que a alternância entre isso e a versão clara do navegador esteja a dois toques na tela de distância. Sem atalho para aplicativos Diferente do Firefox, que permite abrir uma página no aplicativo (quando é o caso) por meio de um atalho no menu, o Mint não conta com algo assim. Apesar de isso ainda ser um privilégio quase exclusivo do navegador da Mozilla, a ausência em outros navegadores limita a navegação e entra na lista de pontos negativos. Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Navegador Mint (Douglas Ciriaco/Captura de tela) Mint é um bom navegador? A resposta curta é sim, é um bom navegador. Ele tem algumas falhas pontuais que se corrigidas aprimorariam a experiência de uso, mas no geral não deixa a desejar. Diferente do Mi Browser, espécie de irmão mais parrudo que funciona como um canivete suíço, o Mint prima pela simplicidade, mas traz alguns extras bem legais que o tornam uma ótima opção para quem busca um navegador leve, bonito e funcional. Você já usou o Mint? Qual a sua opinião sobre ele? Diga aí embaixo, nos comentários. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais

Leilão da CPTM é suspenso por liminar do Tribunal de Contas de SP

Valor Econômico - Finanças Decisão atendeu a um pedido do escritório Fabichak & Bertoldi Advogados O leilão das Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foi suspenso por uma liminar do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), na noite de sexta-feira (26). A concorrência estava marcada para a próxima terça-feira (2). O governo paulista ainda não recebeu intimação por parte do TCE, mas deverá recorrer. A decisão, assinada pela conselheira substituta Silvia Monteiro, do gabinete do conselheiro Robson Marinho, atendeu a um pedido do escritório Fabichak & Bertoldi Advogados. Os advogados já haviam tentado impugnar o edital nas últimas semanas, mas o pedido fora negado. Na decisão, a conselheira entendeu que o edital apresenta inconsistências que dificultam a “mensuração de custos e fluxo de caixa estimado por uma aparente falta de clareza sobre alguns detalhes sensíveis do projeto”. Entre os problemas apontados estariam estimativas subestimadas sobre os custos de aquisição de novos trens e despesas operacionais, o que poderia comprometer a viabilidade econômica do projeto. Outra questão apontada seria uma “insegurança jurídica a respeito da desoneração do ICMS referente a material rodante e peças de manutenção”. As questões referentes à compra de novos trens são bastante sensíveis aos participantes, porque a aquisição responde por boa parte dos R$ 3,2 bilhões de investimentos exigidos no contrato de 30 anos. O governo paulista buscou dar um benefício fiscal na compra do material rodante para garantir a isonomia entre os fabricantes de trens. O problema é que apenas a Siemens tem produção no país e, sem uma isenção, os demais fornecedores teriam uma desvantagem - assim como os operadores que fechassem contrato com os demais fabricantes. Porém, diante da dificuldade para aprovar isenções fiscais no Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), essa isenção foi inserida em forma de reequilíbrio econômico-financeiro — ou seja, em caso importação, haverá direito a um ressarcimento posterior do imposto. Alguns grupos, porém, reclamam que a regra não ficou clara e que a falta de isonomia pode persistir. Procurada, a Secretaria de Transportes Metropolitanos afirmou que “quando houver notificação, todas as ações cabíveis serão tomadas para que os fatos sejam comunicados com transparência e não existam prejuízos aos interessados e sobretudo, à população”. No mercado, já havia expectativa de questionamentos no Triibunal de Contas ou no Judiciário, já que o projeto recebeu um total de 764 pedidos de esclarecimento — um volume considerado alto pelo governo — e três pedidos de impugnação do edital, que partiram, além do escritório de advocacia, da Federação Nacional dos Seguros (FenSeg) e da companhia CS Brasil, do grupo Simpar (-ex JSL). O leilão das duas linhas estava marcado para terça-feira, dia 2 de março, e a expectativa era de concorrência entre grandes grupos — analistas esperam ao menos três consórcios. Vencerá a disputa o grupo que oferecer o maior valor de outorga. O montante mínimo exigido pelo edital é de R$ 320 milhões. Luis Ushirobira/Valor Veja Mais

EUA aprovam vacina contra a Covid-19 que precisa de apenas uma dose

O Tempo - Mundo Imunizante da Johnson&Johnson deve chegar aos serviços de saúde nos próximos dias Veja Mais

Olavo de Carvalho é hospitalizado com pneumonia nos EUA

O Tempo - Mundo "Guru do Bolsonarismo" não informou se problema de saúde teria relação com coronavírus Veja Mais

"Não há tempo a perder", diz Biden sobre pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão

Valor Econômico - Finanças Medida foi aprovada por grande parte dos representantes do partido na Câmara, mas dois democratas se juntaram aos republicanos na oposição O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, instou hoje o Senado a agir rapidamente depois da aprovação, na Câmara, do pacote de US$ 1,9 trilhão para aliviar os impactos da covid-19 na economia americana, enquanto os democratas ainda se desentendiam sobre a proposta de aumento salarial. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

McDonald’s avalia venda parcial da startup Dynamic Yield

Valor Econômico - Finanças Comprada por mais de US$ 300 milhões em 2019, tecnologia não entregou o aumento esperado nas vendas A McDonald's Corporation informou que está avaliando a venda de parte da startup digital Dynamic Yield, comprada há menos de dois anos, em uma tentativa de aumentar suas vendas em “drive-throughs” e quiosques digitais. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Brasil vive 'uma tragédia', afirma diretor da OMS

O Tempo - Mundo Internações se agravam em São Paulo, e Michal Ryan pede maior controle de contágio Veja Mais

Conheça o Live Map! A versão do Waze para web

Conheça o Live Map! A versão do Waze para web

Tecmundo Além de usar o Waze no celular e no tablet, também é possível traçar rotas e conferir as informações do trânsito para fugir dos engarrafamentos utilizando a versão para web do app, uma boa alternativa para quem quer economizar tempo ao se planejar antes de sair.Disponível gratuitamente para acesso em qualquer navegador, o Waze Live Map, como ele é chamado, traz muitas das funções encontradas no aplicativo para dispositivos móveis, aparecendo como uma alternativa ao Google Maps, com a vantagem de ser mais focado em informações sobre o trânsito.Leia mais... Veja Mais

Macroengenharia: as maiores coisas que a humanidade poderá um dia construir

G1 Economia De elevadores orbitais a canhões espaciais, alguns dos projetos visionários mais ambiciosos da história não são tão 'impossíveis' quanto parecem. O Grande Colisor de Hádrons seria algo inimaginável para nossos ancestrais Getty Images Em 1603, um padre jesuíta inventou uma máquina para erguer o planeta inteiro apenas com cordas e roldanas. Christoph Grienberger revisou todas as obras matemáticas escritas por autores jesuítas, função semelhante à de um editor de revista científica moderna. Ele calculou, com base na proporção 1:10, que, se uma roldana era capaz de permitir que uma pessoa levantasse 10 vezes o peso de um objeto sem ajuda, se alguém tivesse 24 engrenagens conectadas a uma esteira, poderia então levantar a Terra... bem lentamente. Tema de filme, próteses futuristas já chegam perto da realidade em laboratórios Como qualquer acadêmico moderno que valoriza a teoria em detrimento da prática, ele deixou de fora os detalhes desagradáveis: "Não vou tecer essas cordas, tampouco determinar o material para as roldanas ou o lugar em que a máquina será suspensa: como são outras questões, deixo-as para outros descobrirem." Você pode ver como era o dispositivo teórico de Grienberger aqui. Desde o advento da matemática, estudiosos visionários como Grienberger tentaram imaginar os limites extremos da engenharia, mesmo que não houvesse a tecnologia disponível na época. Ao longo dos séculos, eles sonharam com máquinas para erguer o mundo, transformar a superfície da Terra ou até mesmo reorganizar o Universo. Essa "engenharia em megaescala" — às vezes chamada de macroengenharia — lida com projetos ambiciosos que remodelariam o planeta ou construiriam objetos de tamanhos inimagináveis. O que esses sonhos futuristas de megaescala podem nos dizer sobre a engenhosidade e a imaginação humanas? As origens da engenharia em megaescala remontam aos gregos antigos. Arquimedes é famoso por muitas coisas, mas se vangloriava de uma: "Dê-me um ponto de apoio que moverei a Terra!" Ele estava se referindo às alavancas: sabia que, com um eixo fixo, uma alavanca bem longa é capaz de exercer uma força tremenda. Assim como a máquina de Grienberger fazia com as roldanas, sua compreensão dessa mecânica tornava irresistível especular sobre problemas de magnitude muito além de qualquer questão prática. Desde então, sempre que uma lei da Física era atestada como universal, o próximo passo natural era ampliá-la e explorar as consequências teóricas. Isaac Newton notou que a lei que descreve a gravidade da Terra era aplicada tanto a maçãs quanto à Lua. Portanto, muito antes de a viagem para o espaço se tornar realidade, ele destacou que um canhão poderoso poderia, em princípio, ser ampliado para impulsionar um satélite na órbita da Terra. A ideia foi mais tarde descrita na obra de ficção científica Da Terra à Lua - Viagem Direta em 97 Horas e 20 Minutos (1865), de Júlio Verne. No século 20, alguns grupos nos Estados Unidos e em outros lugares fizeram tentativas sérias para analisar se tal canhão poderia funcionar. Esses esforços falharam, e as elocubrações de Newton foram descartadas como uma previsão equivocada. Mas vale a pena lembrar que nosso atual meio de transporte espacial — o foguete — já foi considerado improvável e fantasioso também. Em 1920, o jornal americano The New York Times ridicularizou os defensores da ideia, sugerindo que eles não tinham o conhecimento de física de um estudante do ensino médio. (Em 1969, o jornal publicou uma retratação descontraída, no dia seguinte ao que os astronautas da Apollo 11 decolaram em direção à Lua.) Ao longo dos anos, saltos teóricos da imaginação semelhantes em relação ao espaço levaram algumas pessoas a questionar se elevadores orbitais poderiam ser construídos. Ao suspender um cabo muito forte a partir de um contrapeso, é fisicamente possível construir um elevador movido a energia solar para o espaço. Ao lançar uma espaçonave até a extremidade do cabo, ela poderia ser impulsionada para outros corpos celestes com um mínimo de combustível. Os elevadores para a Lua ou Marte parecem ainda mais práticos graças à menor gravidade encontrada lá. E dando ainda mais asas às nossas ambições astronômicas, há quem especule se os futuros humanos poderiam terraformar Marte para que se torne habitável, ou até mesmo construir uma "esfera de Dyson" de captação de energia solar ao redor do Sol. No longo prazo, podemos querer realizar mudanças para fazer o Sol durar mais, mover a Terra para uma órbita mais ampla ou até mesmo transferir estrelas entre galáxias. Essas projeções são todas rebuscadas hoje, mas a matemática e a física não as descartam. Redesenhando a Terra De volta à Terra, os sonhos da engenharia em megaescala também inspiraram vários projetos de natureza utópica que envolvem a alteração dos oceanos e da atmosfera. Na década de 1920, o projeto Atlantropa de Herman Sörgel sonhava em construir uma barragem hidrelétrica no Estreito de Gibraltar, entre a Espanha e o Marrocos. O nível da superfície do Mar Mediterrâneo seria reduzido em 200m, abrindo novas terras para povoamento. Uma barragem extra no Estreito de Dardanelos para conter o Mar Negro complementaria a primeira represa; depois, haveria um dique entre a Sicília e a Tunísia para reduzir ainda mais o Mar Mediterrâneo; implantando eclusas no Canal de Suez e, por precaução, redirecionando o Rio Congo para reabastecer a bacia em torno do Lago Chade e irrigar o Saara. Hoje, as preocupações ecológicas provavelmente descartariam todo o empreendimento, mesmo que tivesse apoio político, mas se tivesse havido dinheiro e vontade, poderia muito bem ter sido testado. Um descendente moderno desse tipo de projeto, concebido mais como um alerta do que uma proposta séria (ainda, meticulosamente analisada), é a construção de uma barragem no Mar do Norte entre a Escócia, a Noruega, a França e o Reino Unido para resolver o problema do aumento do nível do mar. E entre 1957-1977, os Estados Unidos conduziram o Projeto Plowshare para desenvolver técnicas de explosivos nucleares em grande escala para fins de construção pacífica (um programa semelhante, chamado Explosões Nucleares para a Economia Nacional, existia na então União Soviética). Entre as ideias do programa, estava o uso de explosões nucleares para alargar o Canal do Panamá, cavar portos artificiais ou criar atalhos em cadeias de montanhas, assim como estimular reservatórios subterrâneos de gás ou petróleo. Não surpreende que o interesse em infraestrutura ligeiramente radioativa nunca tenha pegado. No entanto, uma alteração em megaescala do planeta que hoje é seriamente considerada e estudada é a geoengenharia. A geoengenharia envolve intervenções deliberadas no sistema climático para reduzir o impacto da luz solar (seja a partir do clareamento de nuvens com água do mar, adicionando aerossóis à estratosfera ou projetando sombra sobre a Terra a partir do espaço) ou para remover dióxido de carbono (usando olivina triturada, semeando florações de algas ou bombeando-o para o subsolo). Parece possível e pode até se tornar necessário, mas o controle da entrada de radiação solar é definitivamente uma ideia arriscada. Por arrogância, diversão ou pela humanidade? Qual é a motivação para esse tipo de pensamento? Não é só o fato de ser divertido brincar de Deus. Em muitos casos, é a lógica do "quanto mais, melhor": se é bom obter terras agrícolas, por que não tentar obter o máximo possível? Se a energia é importante, quanto poderíamos teoricamente captar usando a tecnologia que conhecemos? Esses projetos nos dizem coisas importantes sobre onde podem estar os limites e quanto podemos ganhar se realmente quisermos. O objetivo não é prever "como" ou "quando", costuma ser mais sobre como mapear até que ponto as leis do Universo nos impedem de levá-los adiante. Pode nos ajudar a distinguir o impossível do meramente improvável. Muitos projetos de engenharia de megaescala também são, aos olhos de seus criadores, visões fortemente utópicas. Sörgel acreditava que o Atlantropa forneceria energia, terras aráveis ​​e um clima melhor, mas também ajudaria a unir a Europa e a África. O filósofo russo Nikolai Fedorov propôs o controle do clima como um primeiro passo em seu programa cosmista para unificar pacificamente a humanidade (depois, o espaço e a imortalidade). O objetivo é trabalharmos juntos por um grande objetivo. Não se trata tanto de exaltar o mundo, mas sim de exaltar a humanidade. É fácil achar graça e considerar esses sonhos uma utopia impraticável ou uma arrogância da engenharia. Mas a Terra está rodeada por uma máquina que transmite petabytes de dados a cada segundo, armazena exabytes e que provavelmente você está usando agora (a internet). Existe uma máquina maior do que um campo de futebol se movendo mais rápido do que a bala de fuzil orbitando lá no alto (uma estação espacial). E outra máquina na Europa tem 27 km de circunferência e converte energia em matéria exótica (o Grande Colisor de Hádrons). Imagine o que Arquimedes ou Newton teriam pensado a respeito disso. Na verdade, vivemos em meio a estruturas de megaescala que mal notamos. Parte da engenharia em grande escala do nosso ambiente é quase invisível. A Holanda, assim como as regiões inglesas de Cambridgeshire e Norfolk, são terras recuperadas do mar. A Floresta Amazônica não é tão primitiva como se pensava: foi cultivada por milênios. Os terraços do Sudeste Asiático e das modernas cidades metropolitanas são resultado de uma técnica de engenharia agrícola (terraceamento) que transforma a paisagem. Às vezes, com um grande plano, muitas vezes não. Quando e por que funciona? A experiência prévia com projetos de grande porte geralmente revela uma mistura de rombos no orçamento, problemas de planejamento e gerenciamento de projeto insatisfatório. Mas se somos tão ruins nisso, como alguns se materializam? A missão Parker Solar Probe da Nasa viajou mais perto do Sol do que qualquer objeto feito pelo homem antes NASA/JOHNS HOPKINS APL Se levarmos em consideração as obras de engenharia em grande escala que realmente aconteceram — o terraceamento de partes do Sudeste Asiático, a recuperação de terras da Holanda, o sistema de rodovias interestaduais dos Estados Unidos, a internet —, elas consistem em projetos que podem ser implementados aos poucos, onde o trabalho pode ser interrompido e retomado após aprendizagem, e onde o sistema não depende de todas as partes funcionando perfeitamente. Isso é bem diferente de muitas visões grandiosas, mas muitas vezes frágeis, na literatura, criadas por indivíduos obstinados. No entanto, alguns projetos de megaescala podem ser muito mais modulares e práticos do que parecem à primeira vista. A questão não é a escala de tamanho, mas que formas de coordenação são necessárias. Vejamos o exemplo mencionado anteriormente da construção da esfera de Dyson. Parece muito distante, mas de certa forma, começamos a rodear o Sol com coletores solares ao colocar satélites em sua órbita. Se continuarmos fazendo isso por alguns milhões de anos, pode haver uma esfera de Dyson no lugar. Os grandes planos de cima para baixo para melhorar o mundo são mais fracos do que as soluções a conta gotas de baixo para cima. No entanto, precisamos de visionários para saber o que um dia pode ser possível ("Claro, não podemos construir elevadores para o espaço ainda... mas um dia!"). E para pensar sobre as grandes direções que queremos seguir — sustentabilidade, espaço, prosperidade, segurança — de maneira ambiciosa. Utopias Hubrísticas talvez sejam melhores deixadas no papel do que construídas no mundo real, mas também precisamos reconhecer que nunca houve tantas ideias ambiciosas para melhorar as coisas quanto hoje na história da humanidade. Podemos não ter a tecnologia para transportar mundos, mas Arquimedes deve ter ficado satisfeito em saber que temos muito mais alavancas. * Anders Sandberg (@anderssandberg) é pesquisador do Future of Humanity Institute da Universidade de Oxford, no Reino Unido. https://www.youtube.com/watch?v=pJzRudsVosU https://www.youtube.com/watch?v=lU6LCAuUUpo Veja Mais

UE convoca embaixador que defendeu fim de embargo a Cuba

O Tempo - Mundo Eurodeputados pediram o afastamento do representante que assinou carta aberta a Joe Biden (EUA) Veja Mais

Organizadoras do Cura celebram parecer do MP por arquivamento de inquérito

O Tempo - Diversão - Magazine Posição do Ministério Público se refere à obra "Deus é Mãe", feita na empena de prédio no centro da capital mineira Veja Mais

Sem partidos de centro, não haveria reforma da Previdência, diz Lira

O Tempo - Política Presidente da Câmara defende importância do papel do "Centrão" no debate político Veja Mais

O que é Gorilla Glass, material usado em eletrônicos

O que é Gorilla Glass, material usado em eletrônicos

Tecmundo Se você já derrubou o seu smartphone no chão ou arranhou a tela sem querer ao colocar o aparelho no bolso, acredite: o resultado poderia ser pior. Isso porque diversos modelos nos últimos anos possuem um componente adicional de resistência no display que garante alguma resistência ao painel.É a Gorilla Glass, um vidro especial que é uma das camadas da tela de dispositivos móveis, e está sempre presente em especificações técnicas de alguns eletrônicos. Apesar de já bastante eficiente, ela é aprimorada a cada nova geração, ampliando a resistência de telas contra eventuais acidentes.Leia mais... Veja Mais

Carruagem romana descoberta perto de Pompeia, na Itália

O Tempo - Mundo "Trata-se de uma descoberta extraordinária para o conhecimento do mundo antigo", celebrou o diretor do parque arqueológico, Massimo Osanna Veja Mais

Facebook cria comando “hey, Facebook” para Portal e Oculus Quest 2

canaltech O Facebook quer introduzir o comando “hey, Facebook” para acionar ações em alguns de seus produtos. A novidade foi lançada este ano junto ao Portal, a tela inteligente da companhia, e também para o Oculus Quest 2. Facebook produz novo Portal dedicado ao streaming de vídeos Com o Oculus Quest 2, Facebook quer que você trabalhe em escritórios em VR Inicialmente, a companhia tinha escolhido o comando “hey, Portal”, para iniciar as ações. Contudo, o recurso foi rebatizado para “hey, Facebook”, já que é não restrito ao dispositivo de tela inteligente. No caso do Oculus Quest 2, o comando precisa ser acionado (opt in) pelo usuário e não vem ligado por padrão. Até o momento, somente a versão Quest 2 reponde ao chamado, mas o Facebook promete que vai adicionar o recurso a outros modelos. “Nosso objetivo é fazer com que os comandos de voz sejam uma experiência de deixar realmente as mãos livres — e facilitar a tirar uma captura de tela, chamar e se reunir com amigos e mais”, explica a empresa. O lançamento também será gradual, ou seja, nem todos os usuários do Quest 2 vão contar com o recurso ao mesmo tempo. Para verificar se a novidade já está disponível em seu aparelho, é preciso ir nas configurações de recursos experimentais. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- Aliás, o Facebook reforça que o aparelho não escuta os comandos se o microfone estiver desligado, nem quando aparelho estiver em estado de dormência. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais

Mundo mágico de 'A Viagem de Chihiro' completa 20 anos

O Tempo - Diversão - Magazine Na animação, a protagonista descobre que precisará enfrentar uma série de desafios para conseguir se libertar Veja Mais

8 dicas utilizar o Google Maps com mais segurança

8 dicas utilizar o Google Maps com mais segurança

Tecmundo Já faz um bom tempo que não é necessário pagar por aqueles guias de rua pesados e empoeirados. Desde que o Google Maps foi implementado, a vida de quem procura locais ainda inexplorados ficou muito mais fácil. Abaixo daremos dicas de como ter um controle maior de sua conta, além de aumentar sua segurança durante a utilização.Vale lembrar que todas as informações necessitam da utilização de um celular (Android e IOS), ou um tablet.Leia mais... Veja Mais

G20 dá sinal verde ao FMI para emissão de liquidez

Valor Econômico - Finanças Isso significará uma injeção de liquidez para países de renda baixa e alguns de renda média mais afetados pela pandemia de covid-19 Os países do G20, reunindo as maiores economias desenvolvidas e emergentes, deu o sinal verde para uma nova alocação de Direitos Especiais de Saque (DES), o que significará uma injeção de liquidez para países de renda baixa e alguns de renda média mais afetados pela pandemia de covid-19. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Os 10 melhores documentários sobre crimes na Netflix

Os 10 melhores documentários sobre crimes na Netflix

Tecmundo A Netflix tem investido pesado em produções que falam sobre crimes reais para integrar seu catálogo original. O mundo dos streamings, no geral, permitiu que muitas histórias reais chegassem até o público. Uma boa docussérie fisga o espectador de uma forma fascinante ao se aprofundar nas teorias e detalhes dos eventos apresentados.Por isso, se você quer fazer uma maratona para mergulhar nas investigações dos casos criminais mais famosos do mundo, a locadora vermelha é o lugar certo!Leia mais... Veja Mais

Por que as empresas devem prestar atenção ao desenvolvimento seguro de softwares

canaltech É inegável que a pandemia da COVID-19 fez com que a transformação digital fosse acelerada em um sem número de empresas. Mas esse processo não vem sem um ônus: com muitos profissionais sob o regime de home office devido à obrigatoriedade do distanciamento social, as brechas de segurança apareceram na mesma medida, expondo a fragilidade da proteção digital de muitas companhias. E com isso, aumentaram também os ataques por parte dos cibercriminosos, que exploram as vulnerabilidades dessas empresas - muitas delas básicas. Em um relatório divulgado pela Fortinet na última quarta-feira (24), o Brasil sofreu nada menos do que 8,4 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos ao longo de 2020, sendo que, desse montante, 5 bilhões ocorreram apenas nos últimos três meses do ano. No total, levando em consideração a América Latina como um todo, foram 41 bilhões de tentativas de ciberataques, incluindo campanhas de phishing. Com esse montante em mente, muitas empresas, finalmente, começaram a se preocupar mais com segurança. Uma pesquisa da PWC feita com mais de 3.200 executivos e profissionais de TI em 44 países - Brasil incluso - indicou que mais da metade das empresas (57%) pretendem aumentar seus investimentos em cibersegurança em 2021. Além disso, 50% dessas organizações querem que a segurança digital - incluindo a proteção de dados - seja uma parte estratégica de seus negócios. -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- E essa preocupação com segurança deve passar por diversos setores, incluindo um nicho que poucas empresas prestam atenção, mas que concentra boa parte das vulnerabilidades usadas por cibercriminosos em seus ataques: o desenvolvimento de software. Tanto se trata de uma área que merece cuidados que, segundo um levantamento do centro de defesa cibernética da Microsoft, houve um crescimento considerável nos golpes voltados a tirar do ar ou acessar aplicações web das empresas. Só o Brasil apresenta um volume 23% maior que outros países da América Latina nos ataques de negação de serviço. E de olho nesse cenário, o Instituto Daryus de Ensino Superior Paulista (IDESP) quer capacitar profissionais de software para o chamado desenvolvimento seguro. Para isso, a escola está lançando um curso que visa preparar o profissional para identificar, explorar e corrigir diferentes vulnerabilidades quando ele estiver no processo de desenvolvimento de um programa. E para explicar melhor como funciona esse curso - e como as empresas ainda falham em fornecer a proteção adequada nesse processo - o Canaltech conversou com Ricardo Tavares, coordenador e professor da pós-graduação em segurança cibernética do IDESP. Ricardo Tavares, do IDESP: empresas ainda têm falhas básicas de segurança no processo de desenvolvimento de seus softwares (Foto: Divulgação) / IDESP Confira como foi o papo: CT - Hoje, quais as principais deficiências dos setores de TI das empresas quando falamos de cibersegurança? Muitos dos vazamentos e problemas de segurança que acompanhamos passam por brechas em softwares? Ricardo Tavares: A principal deficiência é não compreender que a cibersegurança é um tema sério, isto é, que não é um tema apenas de TI, mas do negócio. Devido à dependência existente entre uma empresa e tecnologias, após um ataque cibernético as empresas literalmente podem deixar de existir. Como o tema não é tratado pelo negócio, na maioria das vezes não possui apoio e orçamento necessários para mitigar os riscos cibernéticos e lidar com as ameaças de forma adequada. Atualmente, a maioria dos ataques é bem-sucedido por explorar falhas muito básicas, muitas delas consideradas inclusive negligências, mas o grande problema é a educação dos profissionais em compreender a existência dessas falhas, as quais podemos citar como mais utilizadas pelos atores de ameaça senhas fracas, falta de atualização de segurança em softwares e falta de processo de segurança no desenvolvimento de aplicações, como portais na Internet. CT - Quais são as principais ameaças de segurança na área de desenvolvimento de software? Em que etapa do processo os desenvolvedores ficam mais expostos? R.T.: O maior problema é que na maioria dos casos a segurança não é incorporada na concepção do projeto, o que chamamos de “security by design”. Quando a segurança não é incorporada, teremos um grande problema, já que o produto final nascerá com suas características de seguranças fracas, afetando a confidencialidade, integridade e disponibilidade dele. Sendo assim, a fase mais crítica está no planejamento do projeto, e se o produto/software não começa pensando em segurança, a correção do mesmo em sua fase final pode custar mais do que todo o desenvolvimento realizado até o momento. Devido a este problema foram criados conceitos como o DevSecOps que integram a segurança em todas as fases do clico de vida do desenvolvimento, desde o planejamento/concepção até a fase de implementação. A grande vantagem do DevSecOps é o uso de conceitos de automação que exigirão menos intervenção humana, a cada fase do ciclo de vida de desenvolvimento de software são incorporadas medidas de segurança de forma automatizada. CT - Hoje, o que um profissional deve observar para realizar o desenvolvimento seguro de software? Quais etapas ou processos ele deve seguir? R.T.: O desenvolvedor pode usar o Software Assurance Maturity Model (SAMM) como guia, pois o mesmo é um modelo que fornece uma maneira eficaz e mensurável para todos os tipos de organizações analisarem e melhorarem sua postura de segurança de software. O OWASP SAMM oferece suporte a todo o ciclo de vida do software, e ajudará o desenvolvedor a: a avaliar a postura atual de segurança de software da organização; a definir o objetivo da organização; a definir um roteiro de implementação para garantir a segurança no desenvolvimento; obter dicas sobre como implementar atividades específicas para garantir a segurança. CT - Quais os principais pontos abordados pelo curso de Web Application Security, do IDESP? O que ele aprenderá ao longo da jornada? R.T.: O curso Web Application Security tem como objetivo ensinar como testar uma aplicação Web do ponto de vista de segurança, utilizando técnicas e ferramentas para explorar possíveis vulnerabilidades que são bastante comuns nesse tipo de aplicação. A grade do curso é composta por: Introdução a Web Application Security; Segurança e Aplicações; OWASP; DevOps & DevSecOps; Modelagem de Ameaças; riscos e Privacy by Design & Security by Design. Portanto este curso fornece ao profissional o conhecimento necessário para identificar, explorar e corrigir diferentes vulnerabilidades.   Ressaltamos que o treinamento foi desenvolvido por experts em desenvolvimento seguro, já foi homologado em grandes empresas por mais de 400 alunos e é uma ótima oportunidade para quem deseja avançar na carreira de TI. CT - O curso discutirá problemas reais de empresas ou haverá simulações onde o aluno precise achar soluções para um problema de segurança? R.T.: Durante o curso, teremos as duas metodologias. Discutimos casos de empresas que se tornaram públicos e há um ambiente simulando um e-commerce para o aluno encontrar algumas vulnerabilidades. Aprendendo assim, os impactos e como não mais cometer esses erros no desenvolvimento, pois são passadas as formas de mitigá-los. CT - Para realizar o curso, quais os requisitos o candidato deve apresentar? Que profissionais do setor de TI esse curso é direcionado? R.T.: Basta ter notebook pessoal, conhecimentos básicos de Aplicações Web (HTML, CSS e JavaScript) e Lógica de Programação. O curso é direcionado para programadores e desenvolvedores de software que trabalham com o desenvolvimento de aplicativos Web, arquitetos e engenheiros de software, especialistas em segurança de aplicativos, profissionais de testes, QAs, pentesters e analistas de aquisição de software ou responsabilidades semelhantes. CT - Como funciona o formato in-company do curso, voltado para as empresas? Como funciona o processo de personalização do curso nesses casos? R.T.: Para fazer uma turma fechada, é necessário que tenha de 7 a 10 alunos. Em um primeiro momento, é feito o alinhamento do objetivo do cliente, do nível de maturidade dos colaboradores no assunto e se adaptações serão necessárias dentro do conteúdo proposto. Já houve casos, por exemplo, em que reduzimos parte do conteúdo e consequentemente a carga horária, em outros fizemos mesclagem com o treinamento de Modelagem de Ameaças e Arquitetura Segura. O mais importante é entender a necessidade para entregar um conteúdo de valor e adaptado para a realidade de cada empresa. CT - Considerando que cibersegurança é uma área que está em constante mudança, após a finalização do curso, o aluno terá um acompanhamento posterior, com acesso a algum tipo de atualização periódica? R.T.: Atualizamos o conteúdo de nossos cursos com a velocidade que o mercado exige. A chave para isso está no corpo docente que são todos atuantes no mercado e precisam estar em dia com essa constante mudança. Por isso, gostamos tanto do formato ao vivo, mesmo que seja online, pois queremos ter essa interatividade e flexibilidade com os alunos.   Para deixar nossos alunos sempre atualizados, fazemos webinars, lives, eventos e blogposts periodicamente, além de termos comunidades ativas de segurança da informação e muito networking entre especialistas da área. Nosso objetivo é ter uma grande comunidade disseminadora de conhecimento. CT - Analisando o cenário de cibersegurança, o IDESP planeja ministrar outros cursos no setor, para outras áreas da TI? R.T.: O Instituto Daryus de Ensino Superior Paulista já promoveu a capacitação profissional para mais de 20 mil alunos. Nós oferecemos cerca de 60 cursos, sendo que 10 cursos são de pós-graduação reconhecidos pelo MEC. Nosso objetivo é sempre proporcionar as principais novidades do mercado para os profissionais da área de TI. O IDESP possui uma grade atualizada com cursos voltados para educação executiva, treinamento e certificações internacionais nas áreas de continuidade de negócios, cibersegurança, segurança da informação, gestão de riscos, gestão de TI, entre outros. Para 2021, a expectativa é que aumentemos as opções para todos os setores. Leia também: Brasil sofreu mais de 8,4 bilhões de tentativas de ciberataques em 2020 Segurança cibernética: o que aconteceu em 2020 e quais as previsões para 2021? Empresas se preocupam menos com segurança em plena alta de ataques cibernéticos Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais

Destaques da NASA: fotos astronômicas da semana (20/02 a 26/02/2021)

canaltech Se você acompanhou toda a emoção do pouso da missão Mars 2020, já deve saber que o Perseverance não só está seguro sobre a superfície do Planeta Vermelho, como já enviou algumas imagens para a Terra. A NASA ainda está testando todos os instrumentos e sub-sistemas do rover, assim como do helicóptero Ingenuity, mas, enquanto isso, as câmeras enviam fotos e cenários panorâmicos. Claro que a NASA está para lá de feliz com a missão, por isso a compilação de imagens astronômicas dessa semana tem como grande destaque o Perseverance. Há outras imagens incríveis, como um aglomerado de estrelas jovens no coração da Nebulosa da Roseta, uma fotografia esplêndida de dois protótipos do Starship sob a luz da Lua Cheia, e uma imagem de Vênus capturada por uma sonda dedicada a estudar o Sol. Apreciem! Sábado (20/02) — Momentos antes do pouso (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech) Essa é uma imagem do Perseverance feita por uma câmera integrada ao estágio de descida que o sustentava, durante o pouso em Marte. O registro é de quando o rover estava a apenas 2 metros de distância do solo. Se tudo parece tranquilo nesse momento, é porque o equipamento conseguiu passar com sucesso por quase dos “sete minutos de terror”, que é o tempo em que um pouso dura no Planeta Vermelho, uma manobra complexa onde qualquer erro pode condenar toda a missão. -Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.- Três cabos com cerca de 7 metros de comprimento prendem o Perseverance ao estágio de descida, como uma espécie de guindaste aéreo. Também há um quarto cabo, que é uma conexão elétrica para enviar sinais do estágio para um computador a bordo do rover — isso é o que torna possível a imagem que estamos vendo, inclusive. Abaixo do Perseverance, poeira marciana se levanta por causa dos motores que auxiliam a descida. Imediatamente após o contato do rover com o solo, os cabos foram liberados, permitindo que o estágio de descida voasse a uma distância segura antes de esgotar o combustível. Há uma mensagem escondida no paraquedas do Perseverance — e ela é motivadora Domingo (21/02) — O coração da rosa (Imagem: Reprodução/Don Goldman) Lembra da Nebulosa da Roseta, que apareceu nas fotos astronômicas da semana passada? Caso a resposta seja positiva, talvez você se recorde do aglomerado aberto de estrelas, localizado bem no meio da "rosa" (e se não lembra, vai lá conferir, porque vale a pena). Pois bem, dessa vez a NASA nos mostrou este aglomerado estelar, catalogado como NGC 2244, em maiores detalhes. Essas estrelas se formaram a partir do gás da nebulosa há alguns milhões de anos, o que pode ser muito tempo para nós, humanos, mas é um piscar de olhos em escala cósmica. Ou seja, são estrelas muito jovens e azuis. Para obter essa imagem, foram necessárias várias exposições. As cores representam os elementos: vermelho para o enxofre, verde para hidrogênio e azul para o oxigênio. Um vento quente de partículas voa para longe do aglomerado e contribui com a formação de filamentos de gás e poeira na nebulosa. Aliás, só o centro da Roseta mede cerca de 50 anos-luz de diâmetro, quase metade de toda a Via Láctea! Astrônomos encontram vários buracos negros em um aglomerado globular de estrelas Segunda-feira (22/02) — Lua entre dois Starship (Imagem: Reprodução/John Kraus) Uma imagem que dispensa maiores comentários: a Lua cheia, em todo seu esplendor, entre dois protótipos SN9 e SN10 da Starship, a nave espacial que está sendo desenvolvida pela SpaceX para enviar cargas e humanos para mundos, como a própria Lua e Marte. A foto foi tirada quando as naves estavam na plataforma de lançamento de Boca Chica, Texas, no mês passado. O SN9 foi lançado em um teste no início deste mês, com um bom desempenho, apesar de um problema na descida que resultou em uma explosão. O SN10 está passando por testes em solo e será testado no ar em breve. Administrador da NASA se preocupa com desenvolvimento do foguete Starship Terça-feira (23/02) — O grande pouso   Os funcionários da NASA no controle das missões espaciais como a Mars 2020 não podem controlar os equipamentos robóticos com imagens em tempo real. É que Marte fica tão longe que leva vários minutos para que qualquer sinal transmitido chegue à Terra. Por isso, o controle da missão usou dados de telemetria para saber com mais rapidez o como as manobras de entrada na atmosfera e o pouso foram realizados. Mas os equipamentos produziram, sim, vídeos do grande momento do pouso, e é isso o que vemos nesse vídeo, através das câmeras acopladas ao módulo de pouso e ao rover. O vídeo começa com a abertura do paraquedas que desacelerou a velocidade da espaçonave ao entrar na atmosfera marciana, e segue com o momento em que o escudo térmico se separa. Então, vemos a superfície marciana cada vez mais perto, até o momento em que o paraquedas é descartado e os foguetes do módulo de pouso levantam poeira. Para fechar, a equipe comemora, após longos sete minutos de pura tensão. Sonda da ESA flagra rover Perseverance e seus componentes de pouso em Marte Quarta-feira (24/02) — M66 (Imagem: Reprodução/NASA/ESA/Hubble/Leo Shatz) A Messier 66, também conhecida como NGC 3627, é uma galáxia espiral intermediária, ou seja, está em um meio termo entre galáxia barrada e não-barrada. Ela é parte de um pequeno grupo de galáxias conhecido como Trigêmeas de Leão, ou Trio do Leão, sendo as demais integrantes a M65 e a NGC 3628. Localizada a 35 milhões de anos-luz de distância, a galáxia é semelhante à Via Láctea em tamanho — tem 100 mil anos-luz de diâmetro. De acordo com a NASA, as Trigêmeas do Leão é um alvo constante dos telescópios relativamente pequenos, pois podem ser encontradas com certa facilidade e aparecem bem perto uma da outra. Esta imagem fabulosa é um close-up da M66 feito pelo Hubble, abrangendo uma região de “apenas” 30 mil anos-luz de largura ao redor do núcleo galáctico. A Messier 66 também é destaque por sua população de supernovas. Só em 2018, cinco delas foram observadas. Como são as galáxias além da Via Láctea? Conheça os principais tipos Quinta-feira (25/02) — Vênus em preto e branco (Imagem: Reprodução/NASA/Johns Hopkins APL) Essa é a imagem que a sonda Parker Solar Probe capturou de Vênus em 2020, enquanto sobrevoava o planeta para usar sua gravidade e, assim, seguir viagem rumo às proximidades do Sol. Na foto, tirada pelo instrumento Wide-field Imager for Parker Solar Probe (WISPR), está o lado noturno de Vênus, a 12 mil km de distância. Podemos também ver a maior região montanhosa do planeta — a formação escura, conhecida como Aphrodite Terra — e um brilho na atmosfera venusiana, que pode ser causado pela luz emitida por átomos de oxigênio em grandes altitudes. Lançada em 2018, a Parker Solar Probe continua sua jornada para se aproximar do Sol o suficiente para estudá-lo bem de pertinho. O objetivo é descobrir como a energia e o calor se movem pela coroa solar e os mecanismos que causam o vento solar. Saiba o que a sonda Solar Orbiter já descobriu ao se aproximar do Sol em 2020 Sexta-feira (26/02) — Panorama marciano (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/MSSS/ASU) O primeiro panorama completo em 360º do Perseverance em Marte foi feito com a dupla de câmeras do instrumento Mastcam-Z, durante o terceiro dia marciano da missão (cada dia em Marte dura 24 horas e 37 minutos). Esse cenário não é feito de uma só vez — foram necessárias 142 imagens, que foram unidas em uma só. Mas o que estamos vendo nessa imagem esquisita? Ela mostra o limite da cratera Jezero, local de pouso do rover, e também um penhasco do lugar onde há muito tempo foi o delta de um rio. Mais parto do Perseverance, há vários objetos de 5 mm, em altíssima resolução e com riqueza de detalhes. As manchas de cor clara no solo perto do rover marcam o lugar onde os motores do estágio de descida da missão varreram um bocado de poeira, enquanto diminuíam a velocidade do pouso. A borda da cratera Jezero tem 45 km de largura e se ergue à distância, como uma muralha. O Perseverance vai explorar essa cratera gigante em busca de possíveis sinais de vida que, um dia, pode ter existido dentro do extinto lago marciano. Cientistas conseguem cultivar microrganismo em meteorito vindo de Marte Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Bill Gates revela por que prefere Android ao iPhone O que é universo paralelo e multiverso? O que a ciência diz sobre isso? O maior asteroide que passará perto da Terra em 2021 se aproxima de nós em março Motorola prepara relógio inteligente com preço acessível 10 filmes e séries biográficos para assistir na Netflix Veja Mais