Meu Feed

Últimos dias

Google aumenta segurança contra espionagem em dispositivos Android

canaltech O Google está fechando o cerco contra malwares e invasões dos mais diversos níveis dentro do Android. Segundo comunicado oficial, a empresa anunciou algumas mudanças em suas normas para desenvolvedores que devem aumentar a segurança dos dispositivos e evitar que softwares mal-intencionados dominem o sistema operacional. Discord lança salas de áudio no estilo Clubhouse para PC, celular e navegador Consumidores gastaram R$ 183 bilhões em apps nos 1º trimestre de 2021 Após quase um ano, Telegram X é atualizado com novos recursos e correção de bugs A principal mudança será nas autorizações que novos aplicativos terão ao serem instalados. Agora, o Google não vai mais permitir que eles possam, por exemplo, acessar sua lista de programas presentes no smartphone ou tablet, o que torna o ecossistema mais seguro e à prova de apps maliciosos. Se o aplicativo de um desenvolvedor atender aos requisitos da política para uso aceitável do inventário dentro da Play Store, ele deverá declarar as permissões de alto risco usando o formulário oficial da plataforma do Google. Se esse documento não for preenchido ou os requisitos não forem atendidos, o app poderá ser excluído da loja. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- De acordo com o Google, as novas normas entram em vigor a partir do dia 5 de maio. Essas alterações vão afetar, sobretudo, àquelas aplicações direcionadas ao Android API a partir do nível 30 e em dispositivos que executam o Android 11 em diante. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Novos testes mostram que o EmDrive é realmente um motor impossível; entenda Vacina contra o câncer! Harvard anuncia resposta positiva e inédita em testes NASA divulga foto que parece mostrar um arco-íris no céu marciano. Será? Como diagnosticar se seu dispositivo móvel está infectado com malware Hackers estão invadindo câmeras, gravando relações sexuais e vendendo na web Veja Mais

América Latina sofre alta de ameaças financeiras com uso de malware-como-serviço

canaltech A América Latina está ocupando uma posição de destaque, mas não em algum ranking benigno — a região está, aos poucos, se consolidando como uma das principais criadoras, utilizadoras e exportadoras de ameaças cibernéticas financeiras. As informações são da mais recente pesquisa Financial Cyberthreats da Kaspersky, que coloca o continente como o maior originário de ataques focados no setor bancário (36,7% dos casos), ficando acima da Europa Oriental (30%), não-confirmados (30%) e Ásia (3,3% dos incidentes). Ghimob: o vírus brasileiro que está pronto para ser exportado para o mundo Finja surpresa: Brasil é o país que mais sofre tentativas de phishing Criminoso e “comerciante” da darknet propagam novo malware para Android As famílias de malwares mais utilizadas são a ClipBanker (14,1%), a CliptoShuffler (9,4%) e a finada Emotet (7,7%); é interessante perceber que essas duas primeiras também são capazes de atacar carteiras de criptomoedas. Aliás, segundo os pesquisadores, o Brasil também não está fazendo feio (ou melhor… Está fazendo muito feio) e é produtor de três das cepas maliciosas mais empregadas em ataques: Banbra, BestaFera e Chepro, todas capazes de transpor a autenticação em duas etapas de sistemas de internet banking. Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, ressalta que os criminosos brasileiros passaram a adotar uma metodologia comum entre os golpistas europeus, que é o malware-como-serviço (malware-as-a-service ou MaaS, no original em inglês), que nada mais é do que a locação de um script malicioso para que terceiros efetuem seus próprios ataques. Um grande exemplo disso é o Ghimob, malware bancário móvel que foi projetado aqui, mas é capaz de roubar dados de instituições do mundo inteiro. -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- Imagem: Reprodução/Kaspersky “As instituições financeiras do Brasil são as mais avançadas no mundo em cibersegurança – um reflexo do próprio cibercrime local, que é um dos mais especializados em crimes financeiros do mundo. Com isso, bancos do exterior nem sempre estão preparados para enfrentar os ataques criados aqui. Por isso, os códigos brasileiros atraem interesse de criminosos internacionais”, explica Assolini. O Ghimob já foi identificado no Paraguai, Peru, Alemanha, Portugal, Moçambique e Angola. Vai ficar pior Para os especialistas, é crucial que as empresas fiquem atentas a algumas tendências que devem se fortalecer ao longo de 2021. Uma delas é o aprimoramento dos ataques de MageCarting (no qual os criminosos injetam códigos maliciosos em lojas virtuais construídas na plataforma MageCart para roubar cartões de crédito) — tudo indica que os golpistas vão abandonar o uso de JavaScript e passar a executar os ataques a nível do servidor no qual o e-commerce está hospedado, evitando detecções. Imagem: Reprodução/Ales Nesetril (Unsplash) Roubos de bitcoins (tal como de outros criptomoedas) também devem ser mais frequentes, tal como infecções de ransomwares de dupla extorsão — aqueles que, além de sequestrar seus arquivos, ameaça publicar dados sigilosos caso o resgate não seja pago. Junte isso à exploração de vulnerabilidades inéditas (de dia zero), como aquela recentemente descoberta em servidores do Exchange Server, da Microsoft, e você tem um cenário “perfeito” para a bandidagem rolar solta. A melhor forma de se proteger é manter treinamentos constantes com suas equipes (tanto as técnicas, que precisam conhecer as tendências de ameaças; quanto as operacionais, que precisam ser condicionadas a seguir um comportamento seguro), além de garantir que todos os seus softwares estejam sempre atualizados. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Novos testes mostram que o EmDrive é realmente um motor impossível; entenda Vacina contra o câncer! Harvard anuncia resposta positiva e inédita em testes NASA divulga foto que parece mostrar um arco-íris no céu marciano. Será? Como diagnosticar se seu dispositivo móvel está infectado com malware Hackers estão invadindo câmeras, gravando relações sexuais e vendendo na web Veja Mais

Ciro pede 'generosidade' a Lula e sugere que não imite Maduro e Evo

Valor Econômico - Finanças Para pedetista, Lula deveria se espelhar no exemplo da argentina Cristina Kirchner e concorrer como vice-presidente O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) afirmou durante um debate hoje que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve ter generosidade e se espelhar no exemplo da argentina Cristina Kirchner, que em 2019 concorreu como vice-presidente na chapa vencedora liderada por Alberto Fernández, e não no do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, e do ex-presidente da Bolívia Evo Morales. "A gente devia pedir generosidade a quem já teve oportunidade, como o Lula, que é um grande líder da história brasileira, mas a gente devia pedir a ele que se compenetrasse e que não imitasse o exemplo desastrado do Maduro na Venezuela ou o exemplo desastrado do Evo Morales na Bolívia. E que olhasse o que a Cristina Kirchner fez na Argentina, em que, tendo uma força grande, deu um passo pra trás e ajudou a Argentina a se reconciliar", afirmou. A fala do pedetista foi feita durante um webinar organizado pela Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) sobre a proposta de reforma administrativa em discussão no Congresso Nacional. Durante o evento, ele também sugeriu que casos de corrupção que marcaram as gestões petistas podem tirar sua força eleitoral numa disputa pela Presidência. "Imaginem vocês uma campanha em 2022, o Bolsonaro querendo se recuperar da impopularidade, a lembrar da esculhambação do Palocci, a esculhambação do Zé Dirceu, a esculhambação não sei de quem. Eu não digo nem que seja verdade ou que seja mentira, eu estou dizendo é o que eu estou vendo pela minha experiência", disse. "É fazer de novo a campanha antipetista em cima dos exemplos", seguiu. De acordo com o ex-ministro, o Brasil necessita de projetos nacionais para o comércio exterior, o setor industrial e a agricultura a fim de recuperar a economia - e que uma "ampla aliança" política estaria habilitada para essa tarefa. "Quem vai operar esse novo projeto nacional é a política, uma nova e ampla aliança, generosa aliança que vai permitir ao Brasil se reconciliar consigo mesmo." Ciro ainda afirmou que, além de derrotar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nas urnas, outra tarefa "mais difícil e que pede muita reconciliação de todos nós é botar uma coisa nova no lugar, nesse ambiente de terra arrasada que nós estamos". "Até porque a direita brasileira vai largar o Bolsonaro ao mar e vai tentar se reciclar aí com uma carinha qualquer, vão fazer a propaganda igual. E isso o Brasil não aguenta mais", disse o pedetista. Veja Mais

Mãe de Paulo Gustavo agradece orações para o filho e pede: ‘Se cuidem’

G1 Pop & Arte Déa Lúcia falou ainda sobre cuidados para evitar a Covid e prometeu um vídeo para os fãs. Paulo Gustavo e Déa Lúcia: agradecendo as orações pelo filho Reprodução/Redes sociais Os sinais de melhora do ator Paulo Gustavo, divulgados nesta segunda-feira (5) por sua assessoria de imprensa, motivaram a mãe do artista, Déa Lúcia, a escrever um post para fãs e amigos em seu perfil do Instagram. “Amigos, agradeço de coração a todos que estão rezando pela cura de Paulo Gustavo e de todos que estão infectados. Por favor usem máscara, lave bem as mãos, usem álcool gel e não aglomerem. Quando me sentir em condições, vou gravar um vídeo para vocês. Por favor se cuidem”, postou ela também nesta segunda-feira (5). Déa Lúcia, que inspirou a personagem Dona Hermínia, tem sido presente nas redes sociais para pedir orações para o filho e repostando homenagens dos amigos que também pedem pela saúde de Paulo. Melhora após pleuroscopia Nesta segunda-feira (5), Paulo Gustavo teve sinais de evolução na luta contra a Covid-19, segundo nota divulgada por sua assessoria de imprensa. Internado desde 13 de março no Hospital Copa Star, em Copacabana, Zona Sul do Rio, ele tem quadro estável e permanece em terapia intensiva, com o uso de Ecmo – uma terapia que se assemelha ao uso de um pulmão artificial (clique aqui para saber mais sobre o tratamento). Paulo Gustavo tem sinais de evolução na luta contra a Covid 'Acredito que o renascimento está cada vez mais próximo', diz marido Depoimentos de recuperados da Covid que fizeram a Ecmo Paulo Gustavo: famosos pedem força, axé e cura "A evolução clínica, que demanda seu tempo individual, teve – especialmente nas últimas 24 horas – sinais de evolução progressiva que geraram otimismo na equipe médica, que informa que: anteontem pela manhã o paciente foi submetido à uma pleuroscopia, quando foi identificada uma fístula bronco-pleural que impedia a adequada ventilação mecânica, tendo sido imediatamente corrigida. Desde então, alguns importantes sinais clínicos e laboratoriais de melhora tornaram-se mais evidentes", diz a nota. Tratamento VÍDEO: Entenda como funciona a ECMO, terapia feita em Paulo Gustavo Segundo os médicos, "a necessidade da Ecmo permanece, embora com parâmetros mais atenuados". "Esse conjunto de dados, em que pese ainda a gravidade do paciente, vem aumentando o otimismo da equipe médica." A nota diz ainda que a "família do ator agradece muito o carinho e as orações e pede que continuem a enviar boas energias para sua recuperação e para de todos os que se encontram na luta contra o vírus". Nas redes sociais, amigos e família, além de famosos como Tata Werneck, Ivete Sangalo e Caetano Veloso, tem manifestado apoio ao artista. No vídeo abaixo, veja alguns recados: VÍDEO: famosos, parentes e amigos fazem corrente de oração pela melhora de Paulo Gustavo Marido crê em renascimento Na luta para vencer a Covid, Paulo Gustavo conta com o apoio direto de duas pessoas muito próximas: seu marido Thales Bretas, que é dermatologista, e sua amiga Susana Garcia, diretora de seus filmes e projetos especiais, que também é médica. No domingo (4), os dois gravaram depoimentos para o Fantástico falando sobre esses 22 dias de internação e também sobre a esperança de vê-lo recuperado. Assista ao vídeo abaixo: Marido de Paulo Gustavo em entrevista ao Fantástico: 'Acredito que o renascimento está cada vez mais próximo' Susana Garcia: "Ele virou e falou: 'Susana, se eu pudesse agora, eu queria mostrar para os brasileiros, mostrar para todo mundo, o quanto essa doença faz a gente sofrer, o quanto está difícil o que eu estou passando aqui, o quanto é importante as pessoas se cuidarem'. Ele falou isso." "E antes de ser intubado, ele olhou para o Thales e falou: 'Te amo. Até já'. Ele está agora em uma reta para cura. Ele vai curar, vai sair de lá e fazer a gente rir muito ainda." Thales Bretas: "Nesse momento, a gente está vivendo um período um pouco difícil, né? Com muitos altos e baixos. Quem já passou pela Covid e ficou hospitalizado, sabe como é a doença. É uma doença muito séria. É muito perigosa, sorrateira. O Paulo é um cara super saudável. A gente estava se cuidando muito. Na Páscoa, que é um momento tão especial, eu acredito que esse renascimento está cada vez mais próximo. Então, eu queria encher o coração de vocês de esperança, agradecer todas as orações novamente e dizer que, em breve, nosso amado Paulo Gustavo vai estar de volta". Veja Mais

Parsec: o que é e como funciona o serviço

Parsec: o que é e como funciona o serviço

Tecmundo A pandemia tornou difícil aproveitar games de tela dividida com os amigos no conforto do sofá, mas existe um software que permite jogar qualquer multiplayer offline mantendo o distanciamento social. Chamado de Parsec, o programa utiliza acesso remoto e streaming de games para conectar jogadores como se estivessem no mesmo local.A plataforma utiliza as mesmas premissas de softwares de acesso remoto, mas conta com otimizações voltadas para games. Assim, você pode transformar seu computador em uma central de streaming de jogos e enviar o gameplay para amigos por meio da internet.Leia mais... Veja Mais

A Voz do Brasil - - 30/03/2021

A Voz do Brasil - - 30/03/2021

Câmana dos Deputados RÁDIO CÂMARA - Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: https://www.facebook.com/camaradeputados https://twitter.com/camaradeputados https://www.instagram.com/camaradeputados/ https://www.tiktok.com/@camaradosdeputados? https://cd.leg.br/telegram Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados #AVozdoBrasil #RádioCâmara Veja Mais

Fernanda Melchionna explica lei de Indenização a profissionais de saúde - 05/04/21

Fernanda Melchionna explica lei de Indenização a profissionais de saúde - 05/04/21

Câmana dos Deputados Os profissionais de saúde que não puderem mais exercer seu trabalho devido a infecção pela covid-19, terão direito a uma indenização de 50 mil reais. A deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), co-autora da proposta (PL 1826/20), fala sobre a nova lei aqui no Palavra Aberta. Apresentação: Daniela André Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: https://www.facebook.com/camaradeputados https://twitter.com/camaradeputados https://www.instagram.com/camaradeputados/ https://www.tiktok.com/@camaradosdeputados? https://cd.leg.br/telegram Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados #Indenização Veja Mais

Comissão da Educação cobra autonomia universitária – 05/04/21

Comissão da Educação cobra autonomia universitária – 05/04/21

Câmana dos Deputados Dois temas que movimentam as universidades públicas e institutos federais esquentaram a reabertura dos debates na Comissão de Educação da Câmara: ameaças à autonomia universitária e ao conceito de “liberdade de cátedra”. Participaram representantes de professores, funcionários e também do Ministério da Educação. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: https://www.facebook.com/camaradeputados https://twitter.com/camaradeputados https://www.instagram.com/camaradeputados/ https://www.tiktok.com/@camaradosdeputados? https://cd.leg.br/telegram Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados #Educação #autonomia Veja Mais

Comissão aprova criação do Dia de Combate ao Idadismo - 05/04/21

Comissão aprova criação do Dia de Combate ao Idadismo - 05/04/21

Câmana dos Deputados A Comissão dos Direitos da Pessoa Idosa debateu nesta segunda-feira o projeto de lei que cria o Dia Nacional de Combate ao Idadismo, que é o preconceito contra pessoas de idade avançada. A data será comemorada no dia 15 de junho, como ficou definido no debate mediado pelo autor da proposta, deputado Denis Bezerra (PSB-CE). Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: https://www.facebook.com/camaradeputados https://twitter.com/camaradeputados https://www.instagram.com/camaradeputados/ https://www.tiktok.com/@camaradosdeputados? https://cd.leg.br/telegram Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados Veja Mais

App de animes Funamiation chega ao Nintendo Switch

App de animes Funamiation chega ao Nintendo Switch

Tecmundo O aplicativo Funimation, que disponibiliza centenas de animes, agora está disponível  também para Nintendo Switch. Antes acessível aos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Irlanda, a novidade chega agora a Brasil e México com planos de se expandir ainda mais nos próximos meses.Já é possível baixar o app da Funimation através do videogame. Vale ressaltar que, até o moemnto, a Funimation é a única plataforma de streaming de animes com um software que pode ser acessado nativamente no console da Nintendo. Ele também é o segundo serviço de vídeo sob demanda (SVOD) disponibilizado para o dispositivo.Leia mais... Veja Mais

Novos líderes partidários falam das expectativas para o próximo biênio - 05/04/21

Novos líderes partidários falam das expectativas para o próximo biênio - 05/04/21

Câmana dos Deputados A Câmara tem novos líderes partidários pelos próximos dois anos, e alguns deles falaram à nossa reportagem sobre as expectativas e prioridades do trabalho que terão à frente nesse biênio. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: https://www.facebook.com/camaradeputados https://twitter.com/camaradeputados https://www.instagram.com/camaradeputados/ https://www.tiktok.com/@camaradosdeputados? https://cd.leg.br/telegram Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados Veja Mais

EUA trabalharão com parceiros globais para ampliar produção de vacinas, diz Blinken

Valor Econômico - Finanças A tentativa dos EUA de entrar na diplomacia das vacinas ocorre enquanto mais governos recorrem à China e à Rússia para obter doses de imunizantes desenvolvidos pelos dois países O governo dos Estados Unidos está estudando formas de ampliar a produção global de vacinas contra a covid-19 e planeja trabalhar com parceiros para distribuir doses a outros países do mundo. O anúncio foi feito pelo secretário de Estado, Antony Blinken, que nomeou, nesta segunda-feira (5), Gayle Smith, ex-diretora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), para coordenar a diplomacia americana na distribuição de vacinas. Em um discurso no Departamento de Estado, Blinken afirmou que o presidente Joe Biden está ciente dos pedidos feitos por vários países para que os EUA contribuam mais com a distribuição das doses globalmente e que está trabalhando para atender à crescente demanda por vacinas. Como parte desses esforços, Blinken lembrou os acordos para repassar 4 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, ainda não autorizada para o uso no país, para México e Canadá, em uma espécie de empréstimo. Ele também citou um recente acordo com Austrália, Índia e Japão para fornecer 1 bilhão de doses para os países da Ásia até o fim de 2021. A tentativa dos EUA de entrar na diplomacia das vacinas ocorre enquanto mais governos recorrem à China e à Rússia para obter doses de imunizantes desenvolvidos pelos dois países. A Casa Branca também tem sido criticada pela postura de Biden de priorizar a vacinação dos americanos e contribuir pouco com as campanhas de outras regiões. Veja Mais

LDO deste ano autoriza Congresso a ampliar repasses a governos locais sem definir aplicação

G1 Economia Modalidade de 'transferência especial' agiliza repasses de recursos da União, mas reduz transparência do gasto, diz consultoria da Câmara. Partido Novo questiona regra no STF. Um dispositivo aprovado em 2020 e em vigor na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano permitirá que os parlamentares ampliem repasses a estados e municípios sem indicar uma finalidade específica para o uso do dinheiro. Até o fim do ano, esse tipo de transferência pode chegar a R$ 9,3 bilhões. A verba deve ser enviada aos governos locais na forma de emendas parlamentares – valores que o deputado ou senador usa para beneficiar sua base eleitoral com obras e investimentos. O tema voltou à pauta nas últimas semanas porque a versão final do Orçamento 2021 abriu um confronto entre o governo e o Congresso relacionado, justamente, ao valor das emendas parlamentares (entenda abaixo). Nesta segunda-feira (5), o partido Novo acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar reverter esse dispositivo. ENTENDA a polêmica em torno do Orçamento 2021 Ministério da Economia estuda propor veto parcial de Bolsonaro ao Orçamento deste ano No Orçamento de 2020, por exemplo, apenas as emendas individuais (assinadas por um único parlamentar) podiam ser destinadas como "transferência especial", ou seja, sem carimbar o uso do dinheiro. Nesse tipo de repasse, a verba vai para o estado ou para a prefeitura sem indicação de finalidade. Para 2021, no entanto, a Lei de Diretrizes Orçamentárias, que fixa as regras de execução do orçamento de cada ano, prevê que as emendas de bancada (assinadas pelo conjunto de parlamentares de cada estado) também podem ser executadas nessa modalidade. A transferência especial foi criada com o objetivo de desburocratizar e agilizar a liberação dos recursos. Segundo consultores da Câmara, no entanto, o envio desse dinheiro de uso livre reduz a transparência da execução do dinheiro. De acordo com a Constituição, as "transferências especiais" são repasses feitos diretamente aos estados e municípios e, quando efetivadas, "pertencerão ao ente federado no ato da efetiva transferência financeira". No Orçamento de 2021 aprovado pelo Congresso e ainda não sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, há R$ 7,3 bilhões previstos em emendas impositivas (obrigatórias) de bancada e outros R$ 2 bilhões em emendas individuais listadas como "transferência especial". Se todo esse montante for transferido nessa modalidade, o governo federal repassará a estados e municípios R$ 9,3 bilhões em recursos não carimbados. A União não poderá dizer onde o recurso deverá ser empregado. Em 2020, quando a regra só valia para emendas individuais, o valor transferido de uso livre foi de R$ 621,2 milhões. O restante das emendas foi transferido com destinação específica – por exemplo, para reforçar o combate à Covid. Veja abaixo reportagem sobre a execução desse dinheiro: Governo deixou de usar em 2020 R$ 37 milhões em emendas parlamentares para combater a Covid Relator da LDO que está em vigor, o senador Irajá (TO) defendeu essa ampliação das possibilidades de uso das transferências especiais. Segundo o parlamentar, os governos ainda terão de prestar contas aos tribunais de contas dos estados e ao Tribunal de Contas da União. "Isso será amplamente fiscalizado pelo Ministério Público e pelos órgãos competentes", afirmou na época da votação da LDO. Regra contestada O trecho da LDO que amplia essa modalidade de transferência foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro quando a lei foi sancionada, mas o Congresso derrubou o veto e restabeleceu a regra em seguida. A ação do partido Novo foi protocolada no STF nesta segunda e afirma que o dispositivo é inconstitucional. O líder do Novo na Câmara, Vinícius Poit (Novo-SP), diz que a regra em vigor pode dificultar a fiscalização do dinheiro público. "Não tem fiscalização nenhuma, não tem transparência nenhuma. Isso é um absurdo. A gente tem que debater como garantir a transparência e tirar burocracia ao mesmo tempo”, disse o deputado. "Problema desse orçamento é pior do que despesas infladas", afirma Miriam Leitão “Do jeito que fizeram, a dificuldade de controlar os gastos do dinheiro público é enorme para não dizer impossível. Não dá para controlar. Isso pode dar margem, não estou dizendo que vai acontecer, para escândalos no Orçamento, para a corrupção", afirmou. A possível inconstitucionalidade das emendas de bancada com uso livre também é apontada por uma nota técnica da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados, de fevereiro deste ano. O documento diz que não há amparo constitucional para permitir a execução dessas emendas no modelo definido na LDO. Segundo os técnicos, a Constituição é expressa ao reservar essa regra apenas para as emendas individuais. Para flexibilizar essa regra, a consultoria sugere a aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). “As transferências especiais permitem ganho na agilidade de repasse de recursos da União para os demais entes. Mas trazem um déficit de transparência e controle social dos recursos do orçamento da União, afetando potencialmente o modelo federativo no que tange ao equilíbrio na distribuição de recursos e competências”, diz a nota. Disputa do Orçamento 2021 Aprovado no dia 25 de março pelo Congresso Nacional, o Orçamento de 2021 tem sido alvo de críticas de parlamentares, economistas e da própria equipe econômica do governo Jair Bolsonaro. O orçamento vem sendo chamado de "peça de ficção" e, no último dia 30, a Secretaria do Tesouro Nacional afirmou que o texto pode ser visto como um retrocesso para o controle das contas públicas. No centro da discussão atual, está a estimativa de despesas obrigatórias no Orçamento de 2021. Para custear as emendas parlamentares – as mesmas que tiveram as regras alteradas pela LDO deste ano –, o texto aprovado pelo Congresso subestima despesas obrigatórias. Brasília vive impasse em torno de orçamento para 2021 aprovado no Congresso Nacional A diferença entre o orçamento previsto e os pagamentos reais que precisam ser feitos gera um problema contábil que o governo e o Congresso ainda não conseguiram sanar. Na prática, se o Orçamento 2021 entrar em vigor e for executado da forma como está no papel, vai faltar dinheiro para pagar todas as obrigações. E essa má-gestão financeira, quando acontece no governo, pode receber um nome temido: crime de responsabilidade. O blog da Andréia Sadi afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, avalia que Bolsonaro pode cometer crime de responsabilidade fiscal se não impuser vetos ao orçamento aprovado pelo Congresso. Initial plugin text Veja Mais

Mercedes-Benz retoma produção, após folga para diminuir circulação de pessoas na pandemia em Juiz de Fora

G1 Economia Desde o dia 26 de fevereiro trabalhadores estavam em casa por causa da Covid-19. Colaboradores administrativos continuam em regime de home office. Parque Industrial da Mercedes Benz em Juiz de Fora Mercedes Benz/Divulgação As atividades produtivas na Mercedes-Benz foram retomadas em Juiz de Fora nesta segunda-feira (5). A medida foi divulgada pela assessoria da empresa e também vale para a fábrica de São Bernardo do Campo (SP). Em fevereiro, o G1 mostrou que os trabalhadores entraram de folga no dia 26 do mesmo mês para minimizar a circulação de pessoas por causa da pandemia da Covid-19. De acordo com a Mercedes-Benz, a partir desta segunda, a empresa terá férias coletivas para grupos alternados de funcionários de acordo com o planejamento de cada fábrica. "Teremos um grupo de produção menor mantendo os protocolos de distanciamento, mas continuaremos a atender os nossos clientes com nossos produtos e serviços", informou a nota. Já os colaboradores administrativos continuam em regime de home office. Mercedes-Benz em Juiz de Fora No ano passado, uma audiência pública na Câmara Municipal discutiu a situação da Mercedes-Benz em Juiz de Fora. Um dos motivos para a sessão ser realizada foi o encerramento dos trabalhos da Ford no Brasil. Na ocasião, representantes da empresa sinalizaram que a montadora manteria as atividades no município. De acordo com o Legislativo, o objetivo também foi discutir a manutenção de 830 funcionários diretos e a efetividade da Mercedes-Benz na cidade. Em 2019, o G1 mostrou que houve uma redução dos serviços. VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campo das Vertentes Veja Mais

LG deixa mercado de celular, iPhone SE 2022 com 5G, Galaxy F02s e F12 lançados e + | Plantão TC

tudo celular A semana começou agitada com o anúncio da saída da LG do mercado de smartphones. Confira este e os demais destaques da semana no Plantão TC. Veja Mais

Simulação mostra surgimento das primeiras estruturas do Universo

Simulação mostra surgimento das primeiras estruturas do Universo

Tecmundo Uma simulação de alta resolução sobre cosmologia e astrofísica revelou as primeiras estruturas do Universo. Em um novo trabalho, cientistas observaram que nos primeiros trilionésimos de segundo após o Big Bang, a gravidade foi responsável por aglomerar partículas quânticas, formando pedaços densos, com peso entre alguns gramas e 20 quilos. A iniciativa foi baseada no paradigma da inflação, modelo teórico que trata das origens e evolução cósmica.“Estamos descobrindo essa fase incrivelmente complexa sobre o início do Universo, período que está apenas começando a ser devidamente compreendido”, disse Richard Easther, professor de física da Universidade de Auckland (Nova Zelândia) envolvido na pesquisa, em entrevista ao site Live Science.Leia mais... Veja Mais

Chefe da polícia testemunha contra policial acusado pela morte de George Floyd

O Tempo - Mundo 'Esta forma de contenção não faz “parte de nossa política, não faz parte de nosso treinamento', disse o superior do agente D Veja Mais

Guedes diz que não é recomendável acionar calamidade pública no momento

O Tempo - Política Para o ministro, a aprovação da medida pelo Congresso criaria uma espécie de orçamento de guerra e não daria um sinal de estabilidade para a economia Veja Mais

The Walking Dead: data de estreia da última temporada é revelada

The Walking Dead: data de estreia da última temporada é revelada

Tecmundo No último domingo (5), a data de estreia da temporada final de The Walking Dead foi confirmada: 22 de agosto. A revelação aconteceu por meio de um teaser divulgado durante intervalos do último episódio da atual temporada.Confira:Leia mais... Veja Mais

JBL Xtreme 3 chega no Brasil com design reforçado e som potente

JBL Xtreme 3 chega no Brasil com design reforçado e som potente

Tecmundo Nesta segunda-feira (5), a JBL anunciou a chegada de uma nova caixa de som no mercado nacional, a Xtreme 3. O modelo possui um design robusto, à prova d'água e resistente à poeira, com som potente e graves reforçados — além de funções atrativas, como o modo PartyBoost, que permite sincronizar outras unidades para aumentar a área de reprodução sonora.Graças ao suporte para Bluetooth 5.1, a JBL Xtreme 3 possui uma conexão mais estável e aprimorada aos dispositivos externos. Sua assinatura sonora é voltada para as frequências mais baixas, reproduzidas pelo conjunto de alto-falantes no chassi, composto de quatro drivers e dois radiadores de grave — que se destacam pela imersão proporcionada.Leia mais... Veja Mais

Fim de uma era: Yahoo Respostas será desativado em maio de 2021

Fim de uma era: Yahoo Respostas será desativado em maio de 2021

Tecmundo Atualmente uma propriedade da operadora Verizon e longe do auge no início dos anos 2000, o Yahoo! decidiu descontinuar em definitivo a plataforma Yahoo Respostas, que trazia um espaço especial para dúvidas e explicações de usuários.O serviço deixará de existir em 4 de maio de 2021, com todo o conteúdo apagado e a página sendo redirecionada para a tela inicial do portal. Como parte do processo de encerramento das atividades, nenhuma nova pergunta será autorizada a partir de 20 de abril.Leia mais... Veja Mais

Mortal Kombat | Personagens principais ganham novos teasers; veja

canaltech Mortal Kombat, o novo filme da franquia, estreia já no mês que vem. Por conta disso, o perfil oficial do longa no Twitter divulgou teasers de alguns personagens do filme. Há novas imagens de Raiden, Jax, Kung Lao e Liu Kang. Mortal Kombat | Reboot live-action ganha imagens oficiais — e são demais Mortal Kombat | Assistimos aos 13 minutos iniciais do filme; o que esperar? Todos eles já haviam sido anunciados como personagens da trama. Aliás, o Canaltech já pode assistir ao começo do filme e conversar com os produtores do longa. Além destes personagens, Sonya, Scopion e Sub-Zero estão também na trama. Veja os teasers: Assine a Disney+ aqui e assista a títulos famosos da Marvel, Star Wars e Pixar quando e onde quiser! “Deus do trovão. Protetor do Earthrealm”, é como descrevem Raiden. -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- God of Thunder. Protector of the Earthrealm. Katch Lord Raiden in #MortalKombatMovie in theaters and on HBO Max April 23. pic.twitter.com/yqGJdn0SDn — Mortal Kombat Movie (@MKMovie) April 1, 2021 “Preparado e armado para o combate”, é a descrição de Jax. Aqui, há um trocadilho com a palavra “armed” que pode significar tanto arma como braços. Jax tem os os membros substituídos por versões robóticas, por isso a brincadeira. Ready and armed for kombat. Katch Jax in #MortalKombatMovie in theaters and on HBO Max April 23. pic.twitter.com/JCUoqh0hnw — Mortal Kombat Movie (@MKMovie) March 31, 2021 “Para lutar pela honra de seus ancestrais, Kung Lao entra no torneio”, aponta a descrição do personagem. Fighting to honor his ancestors, Kung Lao enters the tournament. #MortalKombatMovie is in theaters and on HBO Max April 16. pic.twitter.com/UzAi6pMpgS — Mortal Kombat Movie (@MKMovie) March 29, 2021 Por fim, Liu Kang é apresentado como “o espírito do dragão. O coração de um guerreiro”. Fighting to honor his ancestors, Kung Lao enters the tournament. #MortalKombatMovie is in theaters and on HBO Max April 16. pic.twitter.com/UzAi6pMpgS — Mortal Kombat Movie (@MKMovie) March 29, 2021 Mortal Kombat tem estreia agendada para o dia 13 de maio nos cinemas do Brasil. Lá fora, o filme também vai ser distribuído via HBO Max. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Ciência desenvolve tratamento para fazer dentes nascerem de novo Vacina contra o câncer! Harvard anuncia resposta positiva e inédita em testes WhatsApp testa esquema de pré-visualização de imagens igual ao do Telegram Galaxy S22 Ultra: conceito mostra como ficaria câmera gigantesca de 200 MP Doença misteriosa atinge mais de 40 pessoas no Canadá Veja Mais

PJB - Reunião da Comissão de Economia, Emprego e Defesa do Consumidor - 05/04/21 - 15:10

PJB - Reunião da Comissão de Economia, Emprego e Defesa do Consumidor - 05/04/21 - 15:10

Câmana dos Deputados PJB - Reunião da Comissão de Economia, Emprego e Defesa do Consumidor Local: Anexo II, Plenário 14 Início: 05/04/2021 às 15h10 Veja mais: https://www.camara.leg.br/evento-legislativo/60886 Veja Mais

Câmara de BH deve votar projetos que tornam igrejas serviços essenciais

O Tempo - Política Dois projetos de lei que tratam sobre o tema estarão em pauta nesta semana no Legislativo da capital Veja Mais

Snapdragon 888 domina top 10 de celulares mais poderosos de março

Snapdragon 888 domina top 10 de celulares mais poderosos de março

Tecmundo O AnTuTu, principal plataforma de benchmark mobile, divulgou a lista com os melhores celulares topo de linha de março de 2021. O destaque fica para o chip Snapdragon 888 da norte-americana Qualcomm dominando o Top 10 dos aparelhos chineses.O ranking mmostra o Xiaomi Black Shark 4 Pro como o smartphone com melhor desempenho obtendo uma média de 765 mil pontos. Enquanto isso, o Oppo Find X3 Pro e o Nubia Red Magic 6 Pro aparecem em segundo e terceiro lugar respectivamente.Leia mais... Veja Mais

China cria sua própria moeda digital, a primeira de uma grande economia

Valor Econômico - Finanças Desde a concepção, o yuan digital negará um dos grandes atrativos do bitcoin: o anonimato para o usuário Há mil anos, quando apenas as moedas valiam como dinheiro, a China inventou as notas de papel. Agora, o governo chinês está cunhando moedas digitais, uma nova forma de entender o dinheiro que poderia sacudir um dos pilares de poder dos Estados Unidos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Dólar fecha em baixa ajudado por exterior e de olho em Orçamento

Valor Econômico - Finanças O primeiro pregão depois do feriado da Páscoa foi novamente dominado pelo viés trazido do exterior. Lá fora, a reação positiva dos ativos de risco a dados de emprego e serviços dos Estados Unidos enfraqueceu a moeda americana contra todos os pares. No Brasil, em um dia esvaziado de noticiário relevante sobre o tema de preocupação da vez, o remendo do Orçamento, o movimento fez a moeda americana encerrar em baixa de 0,61%, a R$ 5,6797. Daniel Acker/Bloomberg Veja Mais

LG encerra divisão de celulares: veja perguntas e respostas

G1 Economia Após prejuízos consecutivos desde o 2º semestre de 2015, companhia deixará de vender smartphones. Empresa ainda não detalhou destino de trabalhadores e de assistência técnica no Brasil. Fachada da LG em Seul, na Coreia do Sul. AP Photo/Ahn Young-joon A empresa sul-coreana LG anunciou nesta segunda-feira (5) que vai encerrar suas operações no mercado de celulares no mundo todo. A companhia afirmou que a divisão deve ser desfeita até o dia 31 de julho. Veja abaixo perguntas e respostas sobre o fim do setor de celulares da LG: O que a LG anunciou? Como fica a assistência técnica? A LG só deixou de produzir celulares? Por que a LG encerrou sua divisão de celulares? A LG vai fechar fábricas no Brasil? O que a LG anunciou? A empresa sul-coreana irá deixar de desenvolver e produzir celulares ao redor do mundo. A LG afirmou que a "decisão estratégia de sair do incrivelmente competitivo mercado de celulares vai permitir focar recursos em outras áreas". LG anuncia encerramento de operações mundiais no mercado de celulares Como fica a assistência técnica? A LG afirmou que irá oferecer "suporte e atualizações de software para os consumidores por um período de tempo que irá variar de acordo com a região", sem dar detalhes sobre nenhum país. O G1 questionou a companhia sobre a situação no Brasil, mas não obteve retorno até a última atualização desta matéria. Segundo o Código de Defesa do Consumidor (CDC), as marcas precisam respeitar a garantia legal de, no mínimo, 90 dias para produtos duráveis (como celulares). Esse prazo é somado à garantia contratual, quando a fabricante ou fornecedor pode acrescentar mais tempo de cobertura, geralmente chegando a um ano. A companhia disse que pretende encerrar sua divisão de celulares até 31 de julho, mas um "inventário de modelos pode ficar disponível depois disso". A LG só deixou de produzir celulares? Sim. A companhia disse em comunicado que irá concentrar esforços na produção de dispositivos conectados para casas inteligentes, componentes para veículos elétricos, robótica, inteligência artificial, entre outros. As divisões de TVs, de eletrodomésticos e de outros eletrônicos continuam funcionando. LG Velvet, um dos últimos lançamentos da empresa. REUTERS/Kim Hong-Ji Em comunicado, a companhia disse que o conhecimento com dispositivos móveis será aproveitado para desenvolver tecnologias como o 6G, a próxima geração de internet móvel. Guia do 5G: quando a tecnologia chegará ao Brasil? Veja perguntas e respostas Por que a LG encerrou sua divisão de celulares? A LG tinha uma fatia de apenas 2% do mercado de smartphones ao redor do mundo em 2020, segundo a empresa de análise Counterpoint Research. A empresa acumulou prejuízos consecutivos nessa área desde o segundo semestre de 2015. Somente em 2020, a LG anunciou prejuízo de US$ 750,6 milhões na divisão. Em 2019, as perdas foram de US$ 858,3 milhões, enquanto no ano anterior foram US$ 700,6 milhões no negativo. O prejuízo acumulado até o final de 2020 foi de aproximadamente US$ 4,1 bilhões. Em comunicado, a LG disse que o mercado de celulares é "incrivelmente competitivo". A fabricante perdeu participação na área nos últimos anos, principalmente após a chegada de concorrentes chinesas como a Xiaomi e a consolidação de outra sul-coreana: a Samsung. Smartphones da LG são mostrados em loja em Seul, na Coreia do Sul. REUTERS/Kim Hong-Ji A LG é a 9ª colocada no ranking mundial de vendas de celulares, atrás de marcas como Samsung, Apple, Huawei, Xiaomi e Oppo, segundo a Counterpoint Research. No Brasil, o site de análise Statcounter indica que a LG é a 5ª marca mais popular, com cerca de 6,5% de participação no mercado – a primeira colocada é a Samsung (45%), seguida por Motorola (21%), Apple (13,4%) e Xiaomi (9,6%). A LG vai fechar fábricas no Brasil? Por enquanto não. A LG possui duas fábricas no Brasil, uma em Taubaté (SP) e outra em Manaus (AM). Os celulares são fabricados apenas em Taubaté (SP). Nessa planta também são produzidos monitores – área que não deve ser afetada pela decisão da empresa. A unidade possui cerca de 1 mil funcionários – desses, 400 estão alocados na área smartphones. Os trabalhadores da divisão de celulares da fábrica de Taubaté aprovaram estado de greve em 26 de março. O G1 perguntou a LG sobre o futuro dos trabalhadores da fábrica, mas não obteve retorno até a última atualização desta matéria. Ao G1, o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté disse que a empresa não informou sobre os impactos da decisão em relação aos trabalhadores e à fábrica de Taubaté. A fábrica em Manaus (AM) produz aparelhos de ar-condicionado, geladeiras e outros eletrodomésticos da chamada linha branca e não deve ser afetada. Veja Mais

Guedes diz que mudanças no Orçamento teve excessos, mas 'não foi nada de má-fé'

O Tempo - Política Ministro negou que haja desentendimento com o Congresso Nacional sobre a subestimação de gastos obrigatórios para dar espaço a emendas parlamentares Veja Mais

World of Warships: game terá itens do filme Godzilla vs. Kong

World of Warships: game terá itens do filme Godzilla vs. Kong

Tecmundo World of Warships, famoso game online de batalhas navais, receberá diversos conteúdos do filme Godzilla vs. Kong. A ação é uma parceria entre as empresas Wargaming, Legendary Entertainment e Toho Co, Ltd., e vai dar aos jogadores itens baseados no longo. Além disso, as criaturas serão apresentados a bordo de seus navios individuais e disponibilizados como comandantes jogáveis.Leia mais... Veja Mais

Efeitos da Covid: O que causa falta de ar e fadiga após Covid-19

Glogo - Ciência Ambos os sintomas estão entre os principais da covid longa (ou persistente), condição de saúde prolongada que afeta mais mulheres, obesos e idosos após a infecção pelo coronavírus ser curada. Falta de ar é sinal de que pulmão foi afetado, explica pesquisadora Getty Images via BBC A falta de ar é uma sequela enfrentada por um em cada quatro pacientes infectados por Covid-19, mas o impacto vai bem além dos pulmões. "O oxigênio é a gasolina do nosso carro. Se ele estiver em níveis muito baixos, nenhum dos órgãos do corpo funciona corretamente", explica Irma de Godoy, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. E a principal sequela associada à falta de ar é conhecida como fadiga, uma espécie de cansaço intenso que afeta 58% dos pacientes, segundo um amplo levantamento de pesquisadores dos Estados Unidos, da Suécia e do México. As pessoas afetadas passam a ter dificuldade para realizar tarefas cotidianas, andar, trabalhar ou mesmo trocar de roupa, em casos mais graves. Em geral, a falta de ar é o principal motivo que leva pessoas com covid-19 a procurar atendimento médico, segundo pesquisa realizada com quase 5 mil pessoas na Suécia. Ela costuma ocorrer quando os pulmões estão lutando contra a invasão do coronavírus, mas pode estar ligada também a fatores cardiovasculares, emocionais, neuromusculares e sociais, entre outros. Médicos explicam como o novo coronavírus ataca os pulmões A fadiga, por outro lado, pode ser uma resposta persistente do corpo humano ao vírus mesmo quando a infecção já ficou para trás. No caso de uma pneumonia, esse forte cansaço pode durar até seis meses. Mas esses dois sintomas são tão interligados que alguns pacientes usam os termos cansaço, fadiga, fôlego curto ou falta de ar para descrever a mesma coisa. Ambos os sintomas estão entre os principais da covid longa (ou persistente), uma condição de saúde prolongada que afeta mais mulheres, obesos e idosos, segundo estudo liderado por pesquisadores do King's College London. Como ocorre com outras sequelas da covid, o tratamento costuma ser paliativo e semelhante ao adotado para pacientes de outras infecções virais graves. No caso da falta de ar, a fisioterapeuta intensivista Laura Teixeira, que atua em UTIs de hospitais da rede pública e privada de Salvador, explica que o objetivo principal da fisioterapia nesses casos é a estabilização do paciente, tratando e evitando atrofias, complicações respiratórias e dor. A recuperação costuma começar durante a internação hospitalar e durar até três semanas, mas há diversos relatos de pessoas que não passaram por hospitais e vivem por meses com falta de ar e fadiga. Idosa de 110 anos recebe alta após se recuperar de Covid-19 em SP É o caso da artista têxtil Flavia Lhacer, de 37 anos. Ela contou à BBC News Brasil que foi infectada em novembro de 2020, quando teve tosse, dor de cabeça e um mal-estar constante por dez dias. Não chegou a ser hospitalizada e considerava seu quadro leve, já que após 15 dias voltou à vida normal. Mas tentou fazer yoga de novo e percebeu o quanto sente dificuldade por causa de sua respiração curta: "É muito difícil puxar todo o ar que preciso". Três meses depois, voltou a sentir sintomas da época da infecção, como um enorme cansaço, e agora enfrenta mais um: o cabelo começou a cair em tufos durante o banho. Situações como essa podem ser agravadas por diversos fatores, diferentes de uma pessoa para outra, como longas jornadas de trabalho, ansiedade, sedentarismo, estresse e excesso de responsabilidades. A BBC News Brasil reúne abaixo as possíveis causas para a falta de ar e a fadiga, e o que pode ser efeito para tentar atenuar os sintomas (paliativo) ou mesmo acabar com eles, segundo especialistas. Mas a primeira coisa a ser feita, segundo o NHS (o sistema de saúde pública do Reino Unido, como o SUS brasileiro), é reconhecer que a fadiga é real e ser respeitoso consigo mesmo. "Por ser invisível, ela nem sempre é totalmente compreendida. E, até ser vivenciada, pode ser difícil entender o impacto da fadiga e quão debilitante ela pode ser." O que é a falta de ar e por que ela ocorre O sistema respiratório humano é constituído principalmente por pulmões, vias aéreas e músculos respiratórios. Seu principal processo é a ventilação pulmonar, conhecida popularmente como respiração, e mira o equilíbrio do estoque de oxigênio e gás carbônico no organismo. Entenda por que o oxigênio é tão importante para pacientes com Covid A troca de um gás pelo outro no sangue ocorre no interior dos alvéolos pulmonares durante a inspiração e a expiração. O oxigênio que chega será levado pela corrente sanguínea a fim de "abastecer" o restante do corpo. Durante a inspiração, o oxigênio é absorvido pelas vias respiratórias e segue para os pulmões, e a musculatura do diafragma e os músculos intercostais se contraem. O diafragma desce, e sobem as costelas, aumentando a caixa torácica. No sentido oposto, durante a expiração a musculatura do diafragma e músculos intercostais relaxam, o diafragma sobe de novo e as costelas abaixam, diminuindo a caixa torácica e eliminando o gás carbônico. Godoy explica que "a força da caixa torácica é fundamental para expandir o pulmão ao respirar". E, quando não há um equilíbrio entre receptores das vias aéreas, pulmões e a estrutura da parede torácica, os sinais de que há algum problema começam a aparecer. Isso pode acontecer no pulmão com covid-19 por diversos motivos, como coágulos ou edemas. "Quando infectadas pelo coronavírus, as células dos alvéolos sofrem alterações importantes que levam à sua morte, desencadeando um processo de inflamação e edema pulmonar (excesso de líquido) que impedem as trocas gasosas, culminando com a insuficiência respiratória", explicou Marisa Dolhnikoff, pesquisadora e professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em entrevista recente à BBC News Brasil. Um dos principais indícios de problemas respiratórios na covid-19 (mas não o único) é o nível de saturação de oxigênio no sangue, que normalmente oscila entre 95% e 100%. VÍDEO: Entenda como o coronavírus age no corpo humano Quando ele está abaixo de 90%, diz Godoy, "há indicação de suplementação de oxigênio, e é por isso que está faltando oxigênio em vários locais do Brasil", tamanha a quantidade de pacientes com covid no país com esse quadro de falta de ar. A medição da saturação de oxigênio tem sido um dos principais fatores também para avaliar a gravidade do quadro de saúde. Durante a pandemia, houve um aumento da procura por oxímetro, um pequeno aparelho que mede a oxigenação. Especialistas afirmam que isso só deve ser feito sob orientação médica, já que o nível de oxigênio é apenas um dos parâmetros usados para avaliar pacientes. A falta de ar (ou dispneia) pode ser causada por diversos fatores, e o risco de agravamento é grande. Sua identificação não se resume à medição da saturação de oxigênio, já que há pacientes que não sentem falta de ar mesmo com níveis baixos de oxigenação. Essa é a chamada "pneumonia silenciosa", que pode ser explicada pela formação de coágulos ou pelo ataque do coronavírus a células que ajudam os alvéolos a funcionarem normalmente, levando a uma escassez de oxigênio no sangue (hipoxemia) sem o acúmulo de gás carbônico (que levaria à sensação de falta de ar). De todo modo, Godoy explica que "a sensação de dispneia é definida pelo paciente". Ele pode apresentar alguns sinais clínicos, como precisar fazer um esforço maior para respirar e frequência respiratória ascendente, o que pode levar o médico a inferir que ele está com falta de ar. Mas a percepção é do paciente (embora isso não significa que ele deva fazer um autodiagnóstico). Há cinco níveis de dispneia, segundo o Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido. Eles vão de sentir falta de ar apenas em exercícios físicos intensos até enfrentar dificuldades para trocar de roupa. No nível intermediário, a falta de ar surge em caminhadas curtas no ritmo habitual de cada pessoa. Autoridades de saúde dos Estados Unidos e do Reino Unido recomendam ficar atento a sinais como aperto no peito, tornozelos inchados, falta de ar que piora ao se movimentar, fala confusa e cor azulada nos lábios ou dedos. No caso da falta de ar associada à covid-19, nem todo mundo vai ter a mesma gravidade. "Há pacientes com 25% ou 10% do pulmão acometido. Os pacientes que têm insuficiência respiratória mais grave são aqueles que têm mais de 50%", afirma Godoy. Por que cultos religiosos são ambientes de 'alto risco' para Covid-19, na visão da ciência Segundo um estudo publicado na South African Medical Journal, as causas da falta de ar ainda não estão claras. De acordo com os pesquisadores, o desconforto surge geralmente como resultado de algum comprometimento do sistema respiratório, cardiovascular, assim como pode ser atribuído a distúrbios como metabólicos, neuromusculares ou condições psicogênicas. Um estudo liderado pelo King's College London, no Reino Unido, com base nos dados coletados por meio de um aplicativo, mostrou que 82% dos pesquisados acima de 18 anos apresentaram fadiga como um dos principais sintomas. A falta de ar foi relatada por 23% das pessoas com menos de 18 anos, 39% entre 18 e 65 anos e 34% aos que têm mais de 65 anos de idade. Tratamento e reabilitação A abordagem das equipes de saúde com pacientes que têm falta de ar envolve o combate à infecção, o cuidado com os sintomas e a reabilitação. No caso do novo coronavírus, não existe atualmente um antiviral específico usado em larga escala que iniba a ação do vírus. Por isso, o tratamento visa principalmente as consequências da infecção. Vacina da Janssen contra a Covid é aprovada para uso emergencial no Brasil "Não é que nós estamos tratando a doença, nós estamos permitindo que o paciente sobreviva para que aquela doença se resolva", explica Godoy. Uma delas é a tempestade de citocinas, uma espécie de reação exagerada do sistema imunológico contra o vírus que tem o efeito inverso e faz mal ao próprio corpo, ao inundar o pulmão de fluidos, ampliar a inflamação, abrir brechas para outras infecções e agravar a falta de ar. Estudos científicos apontaram que o uso do corticoide dexametasona pode frear esse processo inflamatório desregulado em pacientes com insuficiência respiratória grave. Mas corticoides podem ter como efeito colateral uma interferência na composição dos músculos respiratórios, e pacientes que deixam a UTI podem ficar com a musculatura fraca. "Além desse medicamento, às vezes, é preciso ajuda de aparelhos para respirar. Esses equipamentos podem ser invasivos ou não. O objetivo é ganhar tempo para que o pulmão consiga se recuperar. Junto com isso, podemos usar o corticoide, que ajuda os pacientes a ter uma recuperação mais rápida", explica Godoy. Para a pneumologista, o ideal é que esses pacientes comecem a reabilitação respiratória e geral (do corpo inteiro) ainda na UTI. Mas nem sempre essas unidades de saúde contam com fisioterapeutas. A reabilitação para as pessoas que passam um tempo na UTI pode ser difícil e prolongada. São comuns distúrbios de sono e fadiga severa, além de descondicionamento muscular, ansiedade, depressão e problemas de memória. Outra possibilidade é a síndrome pós-terapia intensiva, caracterizada por sintomas como declínio cognitivo, fraqueza muscular, problemas de equilíbrio, sintomas de ansiedade e depressão. A reabilitação fisioterápica possui alguns protocolos a depender da doença, mas no geral cabe ao fisioterapeuta controlar a ventilação do paciente, evitar complicações cardiorrespiratórias, utilizar técnicas como a de alternância de decúbitos (mudança do posicionamento do paciente, como colocá-lo de bruços para ampliar o fluxo sanguíneo e reduzir danos aos pulmões) para melhorar a oxigenação. A reabilitação pulmonar, especificamente, tem papel fundamental no enfrentamento da doença, prevenção de mortes e na recuperação. "Após estabilização do paciente, quando passado o processo inflamatório, e o pulmão já entra em fase de recuperação, nós entramos na fase de reabilitação e recondicionamento pulmonar e do restabelecimento de sua funcionalidade e autonomia", explica a fisioterapeuta intensivista Laura Teixeira à BBC News Brasil. Mas as particularidades da fisioterapia têm levado especialistas a defender algumas mudanças (possíveis) a fim de evitar a disseminação do vírus, já que profissionais de saúde estão entre os grupos mais afetados pela doença. Uma das saídas que ganharam força durante a pandemia foi a telereabilitação, modalidade de reabilitação à distância utilizando comunicação entre profissionais de saúde e pacientes via celular, tablet ou computador. Parte dos profissionais e dos hospitais brasileiros tem se aprofundado no estudo e na disseminação de exercícios possíveis de serem feitos em casa pelo próprio paciente (com auxílio ou não de familiares). Algumas dessas instituições criaram "ambulatórios pós-covid", voltados ao monitoramento de pacientes que tiveram diagnóstico grave para covid-19 e que já receberam alta. Segundo Godoy, idealmente todos os pacientes com comprometimento pulmonar durante internação deveriam ser acompanhados por pneumologistas após receberem alta hospitalar e, se indicado, passarem por reabilitação com fisioterapeutas. Por que a fadiga ocorre e o que pode ser feito O que conhecemos por cansaço geralmente está associado a situações cotidianas ou muito específicas, como exercício físico e excesso de trabalho doméstico. Mas também é comum em infecções, principalmente causadas por vírus, e não cessa mesmo que a pessoa descanse. É o caso da síndrome da fadiga crônica (neuromielite miálgica), que costuma aparecer após infecções causadas por vírus como o Epstein-Barr (da mononucleose) e o Sars-CoV-2 (da covid-19). O cansaço é tão intenso para pode ser acompanhado, por exemplo, de dores em músculos e articulações e dificuldade de memória ou atenção. Estudos apontam que essa é a principal sequela relatada por pacientes com covid-19. Segundo dados analisados pelo King's College London, a fadiga afetou oito em cada dez pessoas infectadas. Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), a fadiga crônica é mais comum em mulheres por volta dos 40 e 50 anos. Essa condição pode ser desencadeada durante infecções, mas as causas não estão claras. Além das doenças respiratórias, a SBR lista hipóteses como depressão, anemia por deficiência de ferro, hipoglicemia (baixa concentração de glicose), mononucleose (infecção viral), disfunções glandulares e doenças autoimunes (como lúpus). Os especialistas também não sabem explicar por que esse cansaço intenso continua em alguns pacientes mesmo depois que a infecção foi curada. E nem por que esse quadro, que costuma durar pelo menos 6 meses (segundo a Universidade Harvard, nos Estados Unidos), vai embora. Há diversas dúvidas também sobre possíveis tratamentos, que na grande maioria das vezes aliviam sintomas, mas não são capazes sozinhos de encerrar esse quadro. Após avaliar individualmente o paciente, um médico pode recomendar, por exemplo, reabilitação fisioterápica, analgésicos comuns, mudanças na alimentação, antidepressivos, ansiolíticos, caminhadas, alongamento, técnicas de relaxamento (como meditação) e boas noites de sono. O NHS recomenda que os pacientes busquem novamente orientação médica caso a fadiga piore, não melhore depois de três meses ou surjam outros sintomas. Veja Mais

Senador sugere convocar Guedes e Brandão para explicarem suposta ingerência no BB

Valor Econômico - Finanças Requerimento pode ser apreciado em sessão prevista para esta terça-feira. O líder da minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN), apresentou nesta segunda-feira requerimento de convocação do ministro da Economia, Paulo Guedes, junto à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. O objetivo é que o ministro preste esclarecimentos sobre denúncias de tentativas de ingerência no Banco do Brasil. O requerimento pode ser apreciado em sessão prevista para esta terça-feira. No dia 18 de março, André Brandão pediu exoneração do cargo de presidente do banco. E, em seguida, dois conselheiros, Hélio Lima Magalhães e José Guimarães Monforte, também solicitaram desvinculação da empresa. Conforme o Valor noticiou em 26 de fevereiro, Brandão estaria incomodado com a crescente pressão de Bolsonaro sobre as empresas estatais. "Notícias recentes dão conta de sinais preocupantes que produzem incertezas e inseguranças sobre a administração do Banco do Brasil, uma das instituições financeiras mais importantes do país, patrimônio público, e símbolo da democratização da bancarização do país", justificou Jean Paul. No mesmo requerimento, o senador petista também sugere uma audiência pública com o ex-presidente André Brandão e os ex- conselheiros Hélio Lima Magalhães e José Guimarães Monforte. "Em decorrência dessas sucessivas turbulências, que prejudicam a confiabilidade da empresa e afetam seu valor de mercado e sua governança, é necessário reestabelecer a tranquilidade do setor municiando a opinião pública com informações sobre quais seriam tais 'tentativas de desrespeito à governança corporativa' que tiveram efeito no âmbito do Banco do Brasil", concluiu. Waldemir Barreto/Agência Senado/Arquivo Veja Mais

Casal troca “alianças virtuais” como tokens não-fungíveis NFT durante casamento

canaltech A febre dos tokens não-fungíveis (non-fungible tokens ou NFTs, no original em inglês) chegou para ficar. Porém, enquanto tal mercado está sendo alimentado por um volume massivo de artistas e influenciadores digitais tentando vender memes, vídeos e peças de arte digital, um casal norte-americano resolveu usar tal tendência de uma forma muito mais romântica: eles atrelaram tokens às suas alianças de casamento e trocaram tais bens digitais durante a cerimônia, selando o matrimônio permanentemente na rede blockchain. O que é NFT e como isso está movimentando a internet Jack Dorsey vende primeiro tuíte da história como NFT por US$ 2,9 milhões Tiktoker põe vídeo viral à venda como criptoarte NFT por R$ 2,7 milhões Peter Kacherginsky e Rebecca Rose — ambos funcionários da Coinbase, famosa corretora de criptomoedas — organizaram uma festa seguindo a tradição judaica, religião da qual ambos são adeptos. Porém, basta reparar nas fotos para ver que os dois estão segurando seus celulares o tempo todo, e não é à toa: além de trocar alianças físicas, eles também criaram e trocaram dois tokens únicos que foram batizados como “Tabaat” (que significa “anel” em hebraico). Como só existem dois tokens do tipo no mundo… Bom, já sabe. Não há como fraudá-los. In addition to a traditional Jewish ceremony, we wanted to solidify our vows in a more personal way. Since we both work at @Coinbase, @_iphelix wrote an @Ethereum smart contract for our marriage that issued digital artwork as tokens (#NFTs) to our cryptocurrency wallets. 2/7 pic.twitter.com/uYB8MXGlgn -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- — Rebecca Rose (@rgoldilox) April 2, 2021 O mais interessante é que, como qualquer outro criptoativo registrado na blockchain, qualquer pessoa pode consultar a posse dos Tabbats usando serviços como o Etherscan. Para deixar tudo ainda mais romântico, Peter e Rebecca embutiram nos tokens uma bela animação do artista Carl Johan Hasselrot, que retrata duas formas distintas se mesclando e transformando-se em uma só. Vale lembrar que as alianças criptográficas ficarão guardadas na carteira de criptomoedas de cada um dos recém-casados. “O registro de como trocamos esses anéis virtuais será armazenado permanentemente na rede blockchain para que todos vejam a prova de nosso compromisso um com o outro. A blockchain, ao contrário de objetos físicos, é para sempre. É imparável, impossível de censurar e não requer permissão de ninguém. Exatamente como o amor deveria ser. O que poderia ser mais romântico do que isso?”, questionou Rebecca, comemorando a celebração em seu perfil no Twitter. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Novos testes mostram que o EmDrive é realmente um motor impossível; entenda Vacina contra o câncer! Harvard anuncia resposta positiva e inédita em testes NASA divulga foto que parece mostrar um arco-íris no céu marciano. Será? Como diagnosticar se seu dispositivo móvel está infectado com malware Hackers estão invadindo câmeras, gravando relações sexuais e vendendo na web Veja Mais

'Nomadland': como é a vida de milhares de pessoas que vivem e viajam em trailers nos EUA

G1 Pop & Arte O filme estrelado por Frances McDormand reflete um fenômeno marcante, o do crescente número de pessoas que optam pela vida nômade em busca de empregos temporários em todo o país. Mais e mais pessoas estão adotando uma vida nômade nos Estados Unidos Getty Images via BBC "Não sou uma sem-teto. Não tenho casa, mas isso não é a mesma coisa." É assim que Fern, uma ex-professora de uma pequena cidade do meio-oeste americano, reage ao encontrar um de seus ex-alunos em um supermercado. A cena se passa no filme Nomadland, que, com seis indicações ao Oscar, é um dos favoritos aos principais prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos no dia 25 de abril, em Los Angeles. A atuação pode render à atriz americana Frances McDormand sua terceira estatueta. Veja o trailer abaixo Assista ao trailer de "Nomadland" McDormand interpreta com delicadeza e sobriedade uma mulher que, após ficar viúva e enfrentar a destruição econômica e social de sua cidade, se muda para um trailer com o qual embarca em uma jornada sem destino definido. O filme é uma adaptação de Nomadland: Surviving America in the Twenty-First Century (Nomadland: Sobrevivendo aos EUA no século 21), um livro de 2017 da jornalista americana Jessica Bruder sobre o fenômeno das pessoas mais velhas que, no contexto da Grande Recessão de 2008, adotaram um estilo de vida nômade em busca de empregos sazonais em todo o país. Junto com McDormand e o ator David Strathaim aparecem no filme - interpretando a si mesmos - Linda May, Charlene Swankie e Bob Wells, os três nômades que protagonizam o livro. Em entrevista à BBC News Mundo, o serviço de notícias em espanhol da BBC, Wells diz não estar surpreso com o sucesso do filme. Robert Wells, que todos chamam de Bob, interpreta ele mesmo em Nomadland Getty Images via BBC "A história em que se baseia é muito boa, McDormand é sensacional e eu estava muito confiante", diz este homem de 65 anos e de barba branca característica. Aos risos, ele brinca que "tolera" a repentina atenção da mídia. "Tenho estado muito ocupado, mas sou grato pelo que estão fazendo. O filme é maravilhoso e acho que é bom para a minha comunidade." Uma vida sobre rodas Veículos recreativos são usados para viagens de férias, mas também podem servir de residências permanentes Getty Images via BBC Uma comunidade que, segundo dados da Associação da Indústria de Veículos Recreativos (conhecidos como RV na sigla em inglês e de todos os tipos de formas e tamanhos), é composta por pelo menos 1 milhão de pessoas que vivem em casas sobre quatro rodas em tempo integral. "Cerca de 25 anos atrás, decidi me mudar para um trailer porque me divorciei e não podia mais sustentar meu estilo de vida", diz Bob Wells, uma figura central na vida nômade moderna nos Estados Unidos e presidente da Homes On Wheels Alliance (Aliança das Casas Sobre Rodas). "Um dos motivos pelos quais tentei tanto divulgar o conhecimento da vida nômade é que meu filho se suicidou e eu precisava de um motivo para viver, para acordar todas as manhãs". "Sempre foi meu objetivo fazer com que as pessoas soubessem que elas têm opções, que existe uma outra maneira de viver, e me entreguei a esse propósito após a morte do meu filho", conta. Como Wells em seus primeiros dias, muitas pessoas que entram nesta vida o fazem por necessidade. Mas existe outro grupo, cada vez mais numeroso, que decide lançar-se nessa empreitada por apostar em sua própria liberdade. Apostando na liberdade Amber Baldwin queria uma vida para si mesma, sem arrependimentos, e seu canal do YouTube permitiu que ela largasse o emprego e continuasse viajando Amber Baldwin via BBC É o caso de Amber Baldwin, uma americana de 49 anos que, há quatro, vendeu sua casa e quase todos os seus pertences em Seattle para morar em um trailer com o qual viajou grande parte do país. "Já fazia algum tempo que vinha pensando em viajar de trailer, mas me envolvi com o trabalho e com o estilo de vida da 'América corporativa'", explica ela, falando da idílica Key West, no extremo sul da Flórida. "De repente vi que não podia mais, estava em um emprego muito estressante, tinha problemas de saúde e disse a mim mesma que não poderia continuar". "Sempre tive paixão por viagens na estrada e achei que seria bom levar minha casa comigo, acompanhada do meu cachorro. Comecei a procurar nos canais do YouTube e finalmente me decidi, comprei um trailer, vendi a casa e comecei a viajar, trabalhando remotamente". "Seis meses depois decidi que queria mais liberdade. Saí da empresa onde trabalhava e abri minha própria empresa online, um canal no YouTube, em que, além de compartilhar minhas viagens, ofereço conselhos práticos sobre a vida nômade e até sobre finanças pessoais." Baldwin relata sua jornada e publica uma variedade de cursos gratuitos em storychasing.com. Desafio: Estacionar Nos Estados do meio-oeste e oeste dos Estados Unidos, existem grandes extensões de terrenos públicos Getty Images via BBC Nos Estados Unidos, há uma grande quantidade de terrenos públicos nas quais os nômades podem estacionar seus RVs gratuitamente. Eles são administrados por quatro órgãos: o Escritório de Gestão de Terras, o Serviço Nacional de Parques, o Serviço Federal de Pesca e Vida Silvestre e o Serviço Florestal dos EUA. "Você pode morar com seu trailer em uma cidade, mas sempre corre o risco de alguém bater à sua porta e dizer que você tem que sair", explica Bob Wells. "Ou você pode viver em terrenos públicos. Existem terrenos nos Estados Unidos onde você pode viver de graça, você só precisa se mudar a cada duas semanas. E isso não é ruim. Mudar a cada duas semanas não é um fardo." A maioria dessas propriedades fica no centro e oeste do país, portanto, na Flórida e em outras áreas da costa leste, você deve estar disposto a pagar para passar a noite em um acampamento ou recorrer à criatividade. "Existem estabelecimentos como (a rede de restaurantes) Cracker Barrel ou lojas do Walmart que permitem que você use o estacionamento", diz Amber Baldwin. "Existem aplicativos como o campendium e o ioverlander que fornecem informações sobre os tipos de terreno, sejam públicos ou não. Se não consigo encontrar o que procuro, abro a visualização de satélite do Google Maps e busco esses locais". "Às vezes, estaciono em áreas residenciais, mas gosto menos porque posso assustar os vizinhos. Não paro na frente de uma casa e saio muito cedo." Nômades modernos Muitas das pessoas que viajam em busca de empregos sazonais têm mais de 60 e 70 anos Getty Images via BBC Não existe um único termo para definir esse estilo de vida. Eles são "usuários de RV em tempo integral", "nômades digitais" (um conceito cada vez mais usado pelo surgimento do trabalho remoto que a pandemia trouxe) ou workampers (trocadilho entre trabalho e campistas). Muitos deles têm mais de 60 anos, embora a pandemia tenha aumentado as vendas de trailers ou casas sobre rodas a adultos entre os 20 e os 35 anos. Em sua jornada contínua, esses nômades modernos intercalam o tempo de lazer com empregos temporários, seja limpando acampamentos, ajudando na colheita, substituindo funcionários ou como equipe adicional nas campanhas de Natal de gigantes como Amazon ou JC Penney. No caso da Amazon, cujo exemplo é retratado em Nomadland, a empresa organiza o programa CamperForce de setembro a dezembro, voltado especificamente para pessoas que moram em casas móveis. Como recompensa por seu trabalho, elas têm as despesas pagas no acampamento por três meses. Camaradagem e solidariedade Nômades atuam em empregos temporários em empresas como a Amazon Getty Images via BBC Sem cair na idealização romântica das circunstâncias que levam seus protagonistas a uma vida sem endereço fixo, o filme dirigido pela cineasta Chloé Zhao oferece um retrato muito humano das relações que se formam nos acampamentos onde os nômades se encontram. "Tendemos a ser introvertidos, gostamos de aposentadoria ou isolamento, mas até mesmo precisamos de companhia, comunidade, precisamos de pessoas para nos conectarmos", diz Bob Wells, esclarecendo que também existem nômades extrovertidos. "Nesse estilo de vida, fazemos conexões mais profundas e rápidas. Tendemos a não ter amigos ou conexões superficiais. E acho que é predominantemente assim porque, quando nos encontramos, estamos nos mudando para outro lugar. "Se eu te conheço, gosto de você e temos essa vida em comum, mas só vou te ver por alguns dias ou uma semana e depois vou embora... não temos tempo a perder. Nos conectamos um nível mais profundo por causa disso", explica. Chloé Zhao é indicada ao Oscar de Melhor Diretor por Nomadland EPA via BBC Para Amber Baldwin, essa camaradagem foi uma agradável surpresa. "Foi inesperado para mim ver o número de pessoas que você conhece e quão rápido você se torna amigo, especialmente se são nômades em tempo integral", diz ela. "Existe uma espécie de conhecimento mútuo. Quem faz isso busca a liberdade, você constrói essa camaradagem porque tem esse denominador comum. Somos iguais em muitos aspectos". "Vivemos de um lugar para o outro e às vezes precisamos de ajuda. São pessoas que estão muito dispostas a dar uma mão e não pedem nada em troca. É uma das melhores comunidades para se viver, nunca me senti assim protegido", enfatiza. Os efeitos das crises Existem todos os tipos de RVs, de vans-leito a grandes ônibus Getty Images via BBC A crise financeira global de 2008 teve sua origem no colapso da bolha imobiliária nos Estados Unidos. Agora, com a crise de saúde, econômica e social provocada pela pandemia covid-19, teme-se mais pessoas acabem por perder suas casas. Wells compartilha desse temor, embora ressalte que com o dinheiro que o governo Joe Biden injetou na economia e com a moratória dos despejos, o verdadeiro impacto ainda não está sendo sentido. "A ajuda do governo mantém as pessoas à tona, mas os alicerces são ruins, há rachaduras", diz ele. "Em 2008, quando ocorreu a recessão global, os alicerces foram quebrados e desde então os ricos ficaram ricos e os pobres ficaram mais pobres e isso vai piorar agora". "Em 5 ou 10 anos, a menos que mudemos nosso jeito de ser ou nosso curso, as coisas vão ficar muito ruins. Os ricos serão incompreensivelmente ricos e os pobres serão incrivelmente pobres", lamenta. Os comentários de Wells, em parte refletidos em Nomadland, tornaram-se uma fonte de inspiração para aqueles que desejam abraçar o estilo de vida nômade. "Não há dúvida de que você pode viver sem tanta dependência do sistema", diz ele. "Há muito trabalho lá fora, embora eles não paguem bem. O segredo é que, se você reduzir suas despesas ao mínimo absoluto, poderá sobreviver com uma renda mínima. Esse é o nosso objetivo." Aqueles que empreendem a vida nômade tendem a ter um caráter aventureiro Getty Images via BBC Não se trata apenas de palavras ao vento. Wells luta para colocar em prática o que pensa e defende. A organização que preside, da qual Suanne Carlson é diretora, representa um importante suporte para a comunidade nômade. "Temos dois focos: encorajar e construir uma comunidade que aceite os novos nômades e, por outro lado, ajudar aqueles que não têm condições de morar na estrada a ter acesso a uma casa móvel", explica Carlson à BBC News Mundo. A "tirania" do sistema No filme, a protagonista encontra nômades que expõem suas situações pessoais, algumas dramáticas, outras circunstanciais. A maioria, marcada pela rejeição de um sistema que lhes deu um pontapé. "Existem dois tipos de tirania: a tirania do dólar e a tirania política. Por alguma razão, no mundo moderno temos medo da tirania política, mas somos escravos do dólar", denuncia Wells. "A principal dificuldade é quebrar a tirania do dólar e você faz isso morando em um veículo e sem ter que pagar aluguel. Depois de tirar o locador da equação, você pode viver muito melhor". "Imagine onde você estaria agora se não precisasse pagar aluguel ou no primeiro dia de cada mês não precisasse pagar uma hipoteca, como seria sua vida. Substancialmente melhor, eu diria." Para Amber Baldwin, a precariedade financeira não foi a motivação que a fez se tornar uma nômade, mas ela entende a mensagem de Wells. "Nunca me senti assim, como um hamster na rodinha. O 'sonho americano' é comprar uma casa, ter um bom emprego e ter filhos. Significa também contrair dívidas. Não acredito nesse sonho. Digo que o meu é o 'sonho americano 2.0'. E, para mim, ele significa liberdade". "Sinto, e não sou a única, que cada dia é uma bênção, gosto tanto que não consigo imaginar fazendo outra coisa." Veja Mais

BR Malls retoma operação de 8 shoppings, mas com restrições de funcionamento

Valor Econômico - Finanças A companhia soma, ao todo, 14 empreendimento abertos, o equivalente a 46% da área bruta locável (ABL) total A BR Malls comunicou nesta segunda-feira (5) que retomou a operação de oito shoppings do seu portfólio, mas com restrições no horário de funcionamento. A companhia soma, ao todo, 14 empreendimento abertos, o equivalente a 46% da área bruta locável (ABL) total. O Goiânia Shopping (GO) e o Araguaia Shopping (GO) retomaram suas atividades no dia 31 de março, o Shopping Recife (PE), no dia 1º de abril, e o Top Shopping (RJ), no dia 3 de abril. O Shopping Curitiba (PR), o Shopping Estação (PR), o Shopping Campo Grande (MS) e o Shopping Vila Velha (ES) retomaram as operações hoje. A companhia comunicou ainda que, por determinação das autoridades públicas, as atividades do Shopping Estação Cuiabá (MT) estão suspensas desde o dia 31 de março de 2021. Os serviços de delivery e atividades essenciais, no entanto, estão permitidos. Veja Mais

Fome atingiu 19 milhões de pessoas no Brasil no fim de 2020, aponta pesquisa

Valor Econômico - Finanças Dado faz parte de amostragem divulgada nesta segunda (5) pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) A fome atingiu 19 milhões de pessoas no Brasil no fim de 2020. Ao todo, 116,8 milhões – mais da metade da população brasileira (55,2%) – enfrentaram algum grau de insegurança alimentar. Desses, 43,4 milhões não tinham alimentos em quantidade suficiente. Os dados são da pesquisa Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, divulgada nesta segunda-feira (5) pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), com apoio do Instituto Ibirapitanga e parceria de ActionAid Brasil, FES Brasil e Oxfam Brasil. A pesquisa foi realizada entre os dias 5 e 24 de dezembro de 2020, com moradores de 1.662 domicílios urbanos e 518 domicílios rurais das cinco regiões brasileiras, e considerava o período de três meses anteriores à entrevista. Naquele momento, o valor do auxílio emergencial já tinha sido reduzido pela metade (de R$ 600 mensais para R$ 300 mensais). Isso significa, portanto, que os resultados ainda não captam o período dos três primeiros meses de 2021, quando houve apenas o pagamento residual das últimas parcelas de 2020 do auxílio emergencial — a nova rodada do benefício só começa a ser paga nesta terça-feira (6), com valores menores (R$ 150, R$ 250 e R$ 375, dependendo da família). Os dados mostram que a fome é mais frequente com renda familiar per capita menor e não aparece nos domicílios com renda familiar mensal acima de um salário mínimo por pessoa. A pesquisa mostra ainda impacto de gênero e raça na frequência de insegurança familiar: os percentuais são maiores nos lares chefiados por mulheres e pessoas pretas ou pardas. “Com a diminuição do auxílio emergencial e a falta de clareza sobre quem irá, de fato, recebê-lo, o país deve persistir num grave quadro de insegurança alimentar. A forma com que os governos vêm lidando com as crises econômica e política dos últimos anos, sobreposta à pandemia da covid-19, gerou impactos negativos profundos no direito humano à alimentação adequada e saudável do povo brasileiro”, alerta a médica epidemiologista Ana Maria Segall, pesquisadora da Rede Penssan. Na avaliação de Francisco Menezes, analista de Políticas e Programas da ActionAid, a situação da fome piorou ainda mais no início de 2021. “É urgente conter essa escalada. Não se pode naturalizar essa questão como uma fatalidade sobre a qual não se pode intervir”, destaca ele.” Veja Mais

Judiciário gera abre-fecha de escolas e igrejas e fura fila por vaga de UTI

O Tempo - Política Na atuação controversa mais recente, o ministro Kassio Nunes Marques liberou cultos presenciais sob o argumento de preservação da liberdade religiosa Veja Mais

Deputados debatem projeto que cria o Ensino Domiciliar – 05/04/21

Deputados debatem projeto que cria o Ensino Domiciliar – 05/04/21

Câmana dos Deputados A Câmara dos Deputados discutiu nessa segunda-feira o projeto (PL 3179/12) sobre educação domiciliar com os Ministros da Educação, Milton Ribeiro, e da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. O projeto tramita na Câmara há nove anos e vem provocando polêmica. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: https://www.facebook.com/camaradeputados https://twitter.com/camaradeputados https://www.instagram.com/camaradeputados/ https://www.tiktok.com/@camaradosdeputados? https://cd.leg.br/telegram Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados #EnsinoDomestico #Domiciliar Veja Mais

Coronavírus: como vencer o tédio do isolamento sem aglomerar

Glogo - Ciência À medida que a pandemia se arrasta, nossa fadiga aumenta, possivelmente levando mais gente a desrespeitar normas de distanciamento social. Sim, você está entediado — mas isso pode não ser necessariamente algo ruim. À medida que a pandemia se arrasta, nossa fadiga aumenta Alamy Antes da pandemia, Andy Hsu, de 29 anos, ocupava seu tempo com shows, espetáculos e drinques com amigos. Mas quando a cidade San Francisco, nos EUA, entrou em lockdown, em meados de março de 2020, o engenheiro de software ficou preso em seu apartamento. Ele se voltou para seu único hobby que restava: videogame. Mas depois de um tempo, até mesmo seu jogo favorito, League of Legends, não era mais gratificante. Em seguida, ele tentou uma pequena terapia de consumismo, adquirindo uma cadeira Herman Miller e um aparelho de karaokê. Mas ele não conseguiria continuar assim por muito tempo. Por que sono dos adolescentes é importante para a saúde mental Parar com o cigarro na pandemia: fumantes e médicos mapeiam estratégias - e obstáculos - para largar o hábito agora "Não é exatamente sustentável para o bolso", diz ele. Em junho, os colegas que dividiam apartamento com Hsu se mudaram. E ele, que se considera uma pessoa extrovertida, se viu morando sozinho. Por si só, o tédio cresceu. "Definitivamente, não me saio muito bem quando há muito tempo ocioso", avalia. Hsu é um dos muitos entediados pela pandemia. É difícil dizer quantas pessoas ao redor do mundo estão sofrendo de tédio, mas uma pesquisa com 3,5 mil pessoas em lockdown na Itália mostrou que o tédio era um dos efeitos psicológicos negativos mais comumente reportados na quarentena. No início, quando a pandemia era recente, o lockdown era uma novidade e as ações do Zoom na bolsa ainda eram negociadas a menos de US$ 200 por quota, havia muitas atividades para experimentar. Mas isso foi há um ano — e, conforme a pandemia se arrasta, o tédio vai tomando conta. À primeira vista, o tédio pode parecer um problema trivial. Comparado ao contágio galopante, o desemprego e as mortes, reclamar de algumas horas não preenchidas pode parecer um pouco egocêntrico. Mas o tédio pode levar a alguns problemas bastante reais. Pesquisadores da Universidade de Waterloo, no Canadá, e da Universidade Duke, nos EUA, descobriram que pessoas propensas ao tédio têm mais chance de desrespeitar as regras de distanciamento social e realizar reuniões sociais. Da mesma forma, um artigo adverte que, como as medidas para contenção da Covid-19 causam tédio, esse tédio pode tornar cada vez mais difícil para as pessoas seguirem os protocolos adequados. Os autores fazem referência ao popular meme: "Seus avós foram convocados a ir à guerra. Tudo o que pediram para você fazer é sentar no sofá. Você pode fazer isso." Mas, segundo eles, o efeito do tédio sobre o autocontrole torna o ato de sentar no sofá "mais desafiador do que pode parecer à primeira vista". Essas preocupações, sem dúvida, parecem acompanhar outras tendências alarmantes: um aumento nas viagens aéreas de férias nos Estados Unidos, embora os casos de Covid-19 estivessem em alta em todo o país; restaurantes lotados na Flórida, mesmo com a taxa de novos casos no estado oscilando em torno de 11%. No Estado americano da Louisiana, um quarto das infecções registradas se deve a surtos iniciados em bares, restaurantes e cassinos. Isso é particularmente preocupante à medida que surgem variantes mais contagiosas do vírus. Mas os pesquisadores dizem que temos escolha no que se refere a como lidar com essa sensação de fadiga: o tédio pode ser uma força para o bem ou para o mal. É como respondemos a ele que faz toda a diferença. O dilema do tédio O tédio é um estado emocional único. É aquele sentimento de insatisfação com o mundo ao seu redor e um desinteresse pela atividade disponível, seja ela trabalho, um livro ou uma partida de videogame. E é desconfortável. Pesquisa mostra que o tédio pode tornar cada vez mais difícil para as pessoas seguirem os protocolos adequados em meio à pandemia de Covid-19 Alamy "Queremos nos envolver com o mundo, mas é um dilema porque não queremos fazer as coisas que estão na nossa frente", explica James Danckert, professor de neurociência cognitiva da Universidade de Waterloo, coautor do estudo sobre o tédio e a pandemia. Algumas pessoas são mais vulneráveis ​​ao tédio do que outras. Os homens têm uma chance ligeiramente maior do que as mulheres de ficarem entediados, e crianças e adolescentes são mais propensos ao tédio do que seus pais. Danckert afirma que também há um aumento do tédio numa idade mais avançada, quando as pessoas começam a se sentir mais sozinhas. Mas não importa sua idade ou sexo, o tédio é um fato da vida. Todos nós sentimos, em todas as idades. Danckert explica que o tédio é o nosso cérebro nos dizendo que é hora de fazer algo diferente. É um sinal de que o que estamos fazendo agora não é satisfatório por algum motivo. Pode ser que não seja interessante, ou que a atividade pareça sem sentido por algum motivo, e esse sentimento de inquietude e distração é nosso cérebro nos motivando a encontrar novas atividades que vão apaziguar aquele comichão da insatisfação. O tédio está associado a comportamentos de risco, como o uso de drogas e álcool, assim como à automutilação. Em um estudo, participantes aplicaram espontaneamente choques elétricos em si mesmos, em vez de ficarem sozinhos sem nenhum outro entretenimento além de seus próprios pensamentos. E nem todo mundo fica entediado da mesma maneira, diz Erin Westgate, professora assistente de psicologia da Universidade da Flórida, nos EUA. Segundo ela, o tédio é definido por uma incapacidade de prestar atenção porque uma tarefa é muito difícil, muito fácil ou simplesmente não parece significativa para nós no momento. Durante a pandemia, muitos de nós, como Hsu, podemos ficar entediados porque não conseguimos ver nossos amigos e não temos muito o que fazer. Outros podem estar conciliando o trabalho e os filhos e se sentem completamente sobrecarregados: estão entediados porque têm muito a fazer e não conseguem se concentrar na tarefa em questão. Mas ela lembra que a pandemia criou uma experiência universal: a perda de controle. "Todos nós compartilhamos uma certa quantidade coletiva de perda de autonomia", diz Westgate. Essa perda de autonomia torna muito mais difícil resolver nosso tédio, não importa qual seja a causa. "Seja o que for que esteja deixando as pessoas entediadas no momento, por causa da pandemia, nossas opções para lidar com essas situações são limitadas." Assim como outros, Danckert está preocupado em como o tédio pode estar afetando a adesão ao distanciamento social durante a pandemia, e sua própria pesquisa sugere que pessoas com tendência ao tédio têm menos chance de seguir as regras. No entanto, Danckert adverte que, embora haja uma correlação entre o tédio relatado e a exposição a riscos durante a pandemia, ele não pode dizer com certeza que o tédio especificamente está levando as pessoas a fazer escolhas erradas. Os dados ainda não chegaram lá. "Não posso dizer que o tédio te leva a fazer esse tipo de coisa", pondera. "Só posso dizer que há uma relação entre eles." Afastando o tédio Compreender as várias razões pelas quais as pessoas estão entediadas é importante para encontrar soluções para acabar com o tédio. E podemos encontrar boas soluções. O tédio não precisa levar a escolhas ruins, diz Westgate. O que importa são as opções que as pessoas têm. Ela cita estudos que mostram que o tédio pode encorajar bons comportamentos, como fazer doações para instituições de caridade ou doar sangue. "O tédio não é bom nem ruim", diz ela. "Se trata realmente das maneiras como reagimos a ele, e as maneiras como reagimos são limitadas pelos ambientes em que estamos e as escolhas que eles nos proporcionam." Mesmo com as diversas limitações da pandemia, há várias maneiras de as pessoas escaparem do tédio — e, subsequentemente, manter mais gente dentro de casa para o bem da saúde pública. Danckert, que também tem tendência ao tédio e costuma tocar violão e escrever músicas para passar o tempo, diz que a primeira coisa importante a fazer é parar de pensar no fato de que você está entediado. "Tudo o que ele faz é focar você naquela sensação de desconforto", diz ele, o que poderia motivar as pessoas a escolherem a primeira coisa disponível — ir ver um amigo em um ambiente fechado, por exemplo — sem realmente considerar as consequências. Ele sugere que quando as pessoas atingirem aquele momento intenso de frustração de arrancar os cabelos, elas façam uma pausa de um minuto antes de agir. "Reflita sobre por que você está entediado agora", diz ele. "Você está em lockdown há um ano e não fica entediado 100% do tempo." Descobrir por que você se sente insatisfeito com uma atividade pode ajudá-lo a encontrar a alternativa certa. Westgate, por exemplo, criou uma lista que ela deixa na porta da geladeira com sugestões de atividades para quando está se sentindo enérgica e entediada e para quando está se sentindo mais cansada. "Agora tenho 52 plantas em casa. Quando a pandemia começou, eu não tinha nenhuma", conta. "Então, aparentemente, estou canalizando o tédio para uma selva urbana." Ela diz que você não precisa fazer nada grande para fazer a diferença em seu estado mental. A atividade pode ser algo que não exija muito da mente, como tricotar um padrão fácil ou pegar uma xícara de café quando isso é algo que você realmente deseja. A questão não é fazer algo grandioso. É encontrar uma atividade que pareça significativa naquele momento e com a qual você tenha energia para se envolver. Para Hsu, em San Francisco, o tédio foi uma oportunidade de se dedicar a interesses que ele nunca tivera tempo de priorizar. Ele está fazendo aulas de canto — e mal pode esperar para impressionar os amigos quando puderem cantar juntos em um karaokê novamente. Começou ainda a usar um skate elétrico, que permite que ele se desloque pela cidade com segurança sem pegar carros compartilhados ou transporte público, e é uma oportunidade de apanhar ar fresco também. Ele até canalizou seu interesse por videogames para algo mais gratificante: treinar um time de e-sports de uma escola de ensino médio. Coronavírus: psicóloga explica como cuidar da saúde mental durante o isolamento social Não importa quantas atividades você tenha na fila, seja na pandemia ou não, o tédio mais cedo ou mais tarde aparecerá. Mas em vez de ficar frustrado ou usar esse tédio como desculpa para justificar um comportamento imprudente, os pesquisadores recomendam prestar atenção, descobrir por que seu cérebro está insatisfeito e usar essa informação para orientar suas escolhas. E respire fundo — ainda há satisfação e significado a serem descobertos, mesmo que você ainda não possa ver seus amigos e a família. Veja Mais

Tom Zé acorda 'A babá' com balanço jamaicano em gravações feitas com guitarrista californiano Joey Altruda

G1 Pop & Arte ♪ Música até então adormecida no cancioneiro do compositor baiano Tom Zé, A babá é acordada com toque jamaicano. Lançada pelo autor há 49 anos no álbum Tom Zé (1972), em gravação que embutia células rítmicas de choro e samba, a composição ganha dois inéditos registros fonográficos feitos com os vocais do artista para single de Joey Altruda, guitarrista da Califórnia (EUA) habituado a fazer conexões com a música brasileira. Uma versão foi captada na velocidade do ska. A outra é envolvida na atmosfera do dub com pegada heavy. Ambas serão apresentadas na quarta-feira, 7 de abril, em single duplo assinado por Tom Zé com Joey Altruda e editado pelo selo Avocaudo Records. Capa do single 'A babá', de Tom Zé & Joey Altruda Divulgação As regravações de A babá aglutinam músicos do Brasil e dos Estados Unidos. Artie Webb (flauta), Marlon Sette (trombone), Oliver Charles (bateria) e Roger Rivas (órgão e piano) figuram nos dois registros, feitos com as vozes de Kassin e Dadi Carvalho, entre outros nomes. Altruda planeja editar o single duplo com as novas versões de A babá em formato de vinil de 45 polegadas. Veja Mais

O que é Kwai e como editar vídeos na rede social

O que é Kwai e como editar vídeos na rede social

Tecmundo Com o crescimento das redes sociais durante a pandemia do novo coronavírus, a demanda por aplicativos que realizam diversas funções no mercado começaram a ser muito requisitados.O Kwai é uma rede social gratuita de vídeos curtos e compartilhamento de tendências. Concorrente do TikTok, o aplicativo tem como diferencial a interação entre usuários, além da edição rápida de vídeos. O app está disponível para download em celulares com sistema operacional Android e IOS (iPhone). Leia mais... Veja Mais

Bridgerton: elenco ganha novos nomes após saída de Regé-Jean Page

Bridgerton: elenco ganha novos nomes após saída de Regé-Jean Page

Tecmundo Poucos dias após a notícia de que Regé-Jean Page não estará na 2ª temporada de Bridgerton, o drama da Netflix anunciou, nesta segunda-feira, que está adicionando mais dois novos membros no elenco. Shelley Conn e Calam Lynch se juntam à equipe do segundo ano da série.Conn fará o papel de Mary Sharma, filha de um conde, cujo casamento envolveu sua família em um escândalo em certo momento. Lady Mary agora voltou a Londres com suas filhas e é forçada a suportar o julgamento da alta sociedade mais uma vez. Ela é a madrasta do novo interesse amoroso de Lord Anthony Bridgerton (Jonathan Bailey), Kate Sharma, interpretada por Simone Ashley, também novata em Bridgerton.Leia mais... Veja Mais

Google muda regra da Play Store para limitar acesso à lista de aplicativos instalados em celulares Android

G1 Economia Recurso do sistema que permite obter a lista de apps instalados só poderá ser usado para finalidades específicas e não comerciais. Google recompensa quem relata falha em seus produtos. No Android, prêmio pode passar de R$ 6 milhões. Altieres Rohr/G1 Uma mudança nas políticas da Play Store vai limitar os cenários em que aplicativos podem obter a lista de todos os apps presentes no aparelho do usuário. A regra entra em vigor no dia 5 de maio. Apps que não respeitarem as novas restrições podem ser excluídos da loja do Google e, em casos mais graves, a conta do desenvolvedor poderá ser suspensa. O Android possui funções específicas para que apps solicitem uma lista completa com todos os programas instalados no telefone. Essa lista tem alto valor comercial, pois permite direcionar anúncios com base no uso do telefone. Um usuário com muitos apps de jogos, por exemplo, pode receber mais anúncios referentes a games, enquanto outro usuário com apps de investimentos poderia receber propagandas sobre produtos financeiros. Com a nova regra, só aplicativos que realmente precisam da lista por motivos técnicos devem ter permissão para obtê-la. É o caso de programas que ajudam a limitar o uso de determinados apps ou que controlam o acesso a aplicativos, como antivírus. O anúncio do Google também destaca que a lista de apps não pode ser obtida para ser compartilhada ou vendida. Além da finalidade comercial, a lista de apps instalados também é muito útil em fraudes. Ela pode ser usada para identificar a presença de algum antivírus específico, e assim adaptar o comportamento da praga digital para não levantar suspeitas. Porém, as regras do Google não terão efeito para apps fora da Play Store. É muito comum que aplicativos maliciosos sejam distribuídos fora do canal oficial, embora o serviço do Google não esteja totalmente livre de problemas. Aplicativos na Play Store do Android instalaram ladrão de senhas bancárias, alerta empresa A regra, porém, pode aumentar a fiscalização sobre aplicativos suspeitos. Apps que usam as chamadas "permissões restritas" precisam ser acompanhados de um formulário para facilitar a revisão do software. Sem a documentação, o app não é publicado na Play Store. O acesso a SMS, chamadas e recursos de acessibilidade também fazem parte da lista de permissões restritas, que agora foi novamente ampliada. A mudança deixa o Android mais parecido com o iOS, da Apple. No sistema do iPhone, a lista de apps instalados não é considerada uma informação acessível a qualquer programa. A Apple também já tomou medidas para coibir certos mecanismos que fornecem acesso indireto a essa lista. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Veja dicas para manter seus dados seguros: Veja Mais

Ibovespa fecha em alta com salto das ações da Vale

Valor Econômico - Finanças O programa de recompra de ações da mineradora animou os investidores, que também viram um clima mais favorável a ativos de risco em todo o mundo e o um ambiente menos tenso na seara política do Brasil Em firme alta desde o começo do dia, o Ibovespa retomou hoje a marca de 117 mil pontos em um movimento que teve como destaque o salto nas ações da Vale. O programa de recompra de ações da mineradora animou os investidores, que também viram um clima mais favorável a ativos de risco em todo o mundo e o um ambiente menos tenso na seara política do Brasil. Com essa combinação, o Ibovespa fechou em alta de 1,97%, aos 117.518 pontos, bem perto da máxima do dia, de 117.668 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 19,4 bilhões. O dia foi bastante favorável para ativos de risco em todo o mundo, após dados do mercado de trabalho e do setor de serviços dos Estados Unidos. Com a maior economia do mundo ganhando tração, os investidores se mostram mais confortáveis para buscar ações e ativos a preços baratos. Aqui, no Brasil, os ventos favoráveis ajudaram desde ações do setor de educação até construtoras, turismo e aviação - que foram duramente penalizadas ao longo da pandemia. “Alguns setores estavam no limbo, como educação, por exemplo. E com esse impulso lá de fora, acabou tendo um pouco mais de compra”, diz um gestor. Internamente, o noticiário em torno do Orçamento de 2021 parece menos negativo, sob expectativa de que o presidente Jair Bolsonaro vete trechos da proposta já aprovada no Congresso. Embora ainda haja cautela sobre o tema do Orçamento, um gestor afirma que o ministro da Economia, Paulo Guedes, reiterou a sinalização de que governo e Legislativo estão conversando e que um entendimento está andando na direção correta. "Ele está tentando mostrar que que há alinhamento", diz o profissional, ao ponderar, contudo, que o tema ainda gera preocupação neste momento Por outro lado, o risco político ainda está bastante presente no mercado, principalmente em torno das empresas estatais. Tanto no caso de Banco do Brasil quanto em Petrobras, há uma certa desconfiança entre os investidores sobre os rumos das companhias, devido à preocupação com a interferência do governo. Banco do Brasil ON teve leve queda de 0,13% após renúncia do presidente do Conselho, Hélio Magalhães. Já Petrobras ON subiu 1,06% e Petrobras PN ganhou 0,63%. A desconfiança em torno do Banco do Brasil vem se agravando desde o começo do ano, com renúncia do então presidente André Brandão e, agora, a saída de integrantes do conselho. Hoje, o novo presidente da instituição, Fausto Ribeiro, disse que o Banco do Brasil “é do mercado e é do Brasil”. De acordo com um gestor que preferiu não ser identificado, as ações do Banco do Brasil já tem operado sob peso da desconfiança do mercado, mas a declaração não ajuda em nada a virar essa leitura. “Fica a leitura, de novo, de que é uma empresa com finalidade social, na esteira do que o Bolsonaro já vem dizendo. Embora não seja um sinal direto do que vai acontecer, parece ir no mesmo caminho da postura do Bolsonaro”, diz. Hoje, boa parte do desempenho positivo e do giro financeiro do Ibovespa se apoiou nos papéis da Vale. A ação ordinária fechou em alta de 6,16% com volume de R$ 3,6 bilhões. De longe, foi o maior giro de negócios do Ibovespa - Petrobras e Bradesco, que vieram logo na sequência em termos de volume financeiro, tiveram giro inferior a R$ 1 bilhão. No último dia 1º, a Vale anunciou um programa de recompra de até 270 milhões de ações. A soma equivale a cerca de 5,3% do total de ações em circulação. O programa tem prazo de 12 meses. Em relatório, o time de Research do BTG Pactual afirma que os investidores esperavam há muito tempo por uma postura mais agressiva da Vale em relação ao retorno de caixa e o conselho de administração está ouvindo claramente as demandas dos acionistas. Além disso, o programa de recompra deve ser interpretado como um sinal claro para o mercado de que as ações da Vale estão grosseiramente desvalorizadas, sendo negociadas a um EV/EBITDA de 2,5x 2021, e que a empresa está muito confiante nas perspectivas do fluxo de caixa livre (FCF) à frente. “Esperamos que este movimento acelere o processo de re-rating em curso da empresa e reduza a diferença excessiva de 40% para os pares australianos Aos níveis de preço atuais, acreditamos que não há melhor alternativa de investimento para a empresa do que comprar suas próprias ações”, afirmam os profissionais do BTG. Julio Bittencourt/Valor Veja Mais

STF nega pedido para suspender tramitação do processo de impeachment de Witzel

Valor Econômico - Finanças Com a decisão do ministro Alexandre de Moraes, fica mantido o calendário estabelecido pelo Tribunal Especial Misto, que marcou para quinta-feira (8) o interrogatório do governador afastado do Rio O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido apresentado pela defesa do governador afastado do Rio Wilson Witzel (PSC) para suspender a tramitação do processo de impeachment. Com a decisão, fica mantido o calendário estabelecido pelo Tribunal Especial Misto, que marcou para quinta-feira (8) o interrogatório de Witzel. Na véspera, será ouvido o ex-secretário estadual de Saúde, Edmar Santos. Esses são os dois depoimentos que faltam para a conclusão do processo. Para tentar travar novamente o impeachment, os advogados de Witzel alegavam que não haviam tido acesso à íntegra da delação premiada do ex-secretário. Em sua decisão, Moraes argumentou que a defesa do governador afastado teve acesso a todo material que foi enviado pelo ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, ao Tribunal Especial Misto e que os demais anexos da delação premiada de Edmar não diziam respeito a Witzel. "A garantia do exercício da ampla defesa somente alcança o acesso a provas que digam respeito à pessoa do investigado ou aos fatos diretamente a ele imputados, não autorizando o acesso a documentos sigilosos que tenham por objeto fatos e imputações dirigidas a terceiros e que não estão sendo utilizados pela acusação no Tribunal Especial Misto, sob pena de se romper, indevidamente, o sigilo legalmente estabelecido para casos de delação negociada", disse o ministro do STF. Veja Mais

Pacheco diz a investidores que governo endossou Orçamento e "mudou discurso" depois

Valor Econômico - Finanças Em painel do FMI, o presidente do Senado também disse que "há boa vontade" dos congressistas em resolver o problema e sugeriu duas saídas para corrigir o Orçamento aprovado: o veto presidencial ou remanejamento dos recursos para despesas obrigatórias O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), participou de um painel do Fundo Monetário Internacional (FMI), hoje, no qual discursou para investidores e representantes de instituições financeiras. Na conversa, o senador tratou do impasse relacionado ao Orçamento Geral da União (OGU) de 2021. Segundo ele, se houve algum erro na formulação da peça orçamentária, o governo também contribuiu para esse equívoco, mas "mudou de discurso" depois. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Impacto da pandemia “será menor e mais curto” do que em 2020, diz Guedes

Valor Econômico - Finanças Ele também disse que as reformas administrativa e tributária podem ser aprovadas neste ano O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira que acredita que o impacto do recrudescimento da pandemia na economia brasileira "será menor e mais curto do que o anterior", sentido no ano passado. Até aqui, a recuperação em formato de "V" do Produto Interno Bruto (PIB) é um "fato", afirmou. "O que se está discutindo" é se o crescimento do PIB deste ano será de "3%, 3,5%, ou se, com recrudescimento da pandemia, seremos abatidos novamente", disse no evento virtual XP Spring Meetings. Ministro da Economia nega crise por causa do Orçamento Guedes voltou a defender a vacinação "em massa e rápida" como forma de retomar a volta segura ao trabalho e afirmou que espera que "em três ou quatro meses a gente tenha atingido o ponto de imunização de rebanho". Para o titular da Economia, no entanto, dar um "cheque em branco" para gastos com a pandemia "não interessa". De acordo com ele, é preciso olhar "caso a caso" a edição de medidas de enfrentamento à crise, que devem ter valores definidos. A economia "não pode se desorganizar", disse. Paulo Guedes EDU ANDRADE/Ascom/ME Guedes respondia sobre a possível decretação de um novo estado de calamidade. Ele disse acreditar que o governo conseguirá manter o equilíbrio entre saúde e responsabilidade fiscal. "A onda da pandemia está até mais forte, mas estamos mais experientes", disse no evento XP Spring Meetings. Ainda em relação à covid-19 e a volta ao trabalho, Guedes afirmou que prefeitos e governadores precisam olhar para a questão do transporte público. É verdade que o lockdown reduz o contágio, afirmou, mas é preciso pensar no transporte dos trabalhadores para garantir o retorno ao trabalho. Reformas A respeito de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial aprovada no mês passado, Guedes reiterou que "dispositivos que foram retirados" permitiram "soluções mais rápidas". Otimista, o ministro também disse que as reformas administrativa e tributária podem ser aprovadas ainda neste ano, mas admitiu que elas "exigem acordos que ainda não foram feitos" no Congresso. "Como a administrativa foi bastante calibrada, sentimos grande colaboração do funcionalismo", disse. "Estamos colocando parâmetros muito parecidos com o que há no resto do mundo." Segundo ele, "seria um erro muito grande atrasar essa reforma". "Quanto mais para o futuro ela ficar, mais dura será", disse, lembrando que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), já afirmou que a reforma poderia ser aprovada "em dois ou três meses". "Já a tributária é mais complicada, mas acho também que deveria vir neste ano", disse. De acordo com Guedes, a proposta do governo nessa frente "é relativamente simples e é eficaz". O ministro voltou a defender, por exemplo, queda no imposto sobre pessoa jurídica e implantação de imposto sobre dividendos. Guedes ainda afirmou que o governo pode optar por fazer a reforma tributária de maneira "fatiada". Privatizações Outra promessa de longa data, a de acelerar as privatizações, poderia ser concretizada, segundo o ministro, com a criação de um fundo para a distribuição de dividendos de empresas como Eletrobras e Correios com os mais pobres. "Podemos acelerar as privatizações se criarmos também o Fundo Brasil, onde você coloca empresas lá e começa a transferir dividendos sociais para os mais frágeis", disse. "Imagina alguém ganhando R$ 300 por mês e chegar do fim do ano e receber R$ 40 mil [por meio do Fundo Brasil]." "Colocamos na esteira duas grandes privatizações: Eletrobras e Correios", afirmou, lembrando que o governo ainda debate o modelo para cada um dos casos. Ele reconheceu que a "pandemia atrasou várias dimensões" das privatizações. O ministro também voltou a dizer que o governo trabalhará para dar andamento à desalavancagem dos bancos públicos. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) devolverá R$ 100 bilhões e a Caixa fará "uma ou duas desestatizações". Veja Mais

Kurt Cobain é ressuscitado com inteligência artificial para música póstuma

O Tempo - Diversão - Magazine A faixa, intitulada 'Drowned in the Sun' é parte de um projeto da organização canadense que promove ações musicais de incentivo à boa saúde mental Veja Mais

Deputados pedem vista conjunta de processo contra Eduardo Bolsonaro por declarações sobre AI-5

Valor Econômico - Finanças O Conselho de Ética adiou hoje a análise de processo disciplinar contra o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por declarações sobre o AI-5, o ato institucional mais duro decretado durante a ditadura militar. Após o relator Igor Timo (Podemos-MG) votar, em seu parecer preliminar, pelo arquivamento da representação, deputados da oposição pediram vista (mais tempo para análise) conjunta. O assunto deve ser retomado pelo colegiado na próxima quinta-feira. O filho do presidente Jair Bolsonaro é alvo de representações de Rede, Psol, PT e PCdoB por ter declarado, em entrevista à jornalista Leda Nagle, que a volta do AI-5 poderia ser uma resposta a uma eventual radicalização da esquerda. “Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada”, afirmou Eduardo ao ser questionado sobre os protestos de rua que ocorriam no Chile em 2019. Ainda que tenha destacado, em seu relatório, que o período de vigência do AI-5 foi “um tempo obscuro”, Timo votou a favor do arquivamento da representação contra Eduardo por não haver justa causa para a continuidade dos processos. O relator pontuou que discorda do posicionamento do deputado PSL, mas pondera que a declaração não configura “grave irregularidade no desempenho de seu mandato” e que as condutas “não configuram afronta ao decoro parlamentar”. Antes mesmo da leitura do parecer pelo relator, Eduardo destacou o fato de os autores das representações contra ele serem “notórios opositores, adversários políticos, dos meus ideais e do meu trabalho dentro do Congresso Nacional”. “Eles entendem que a maneira de se fazer política é judicializando e, por vezes, também dando entrada em processo neste Conselho de Ética. De maneira alguma, eu fiz metade ou 10% do que eles me acusam neste processo. Então, nesse sentido, eu declaro que não quebrei o decoro parlamentar. De maneira nenhuma, incitei qualquer tipo de contradição às normas constitucionais. E é desse maneira que eu reafirmo e reitero a minha defesa já feita em 2019 para que este processo seja arquivado.” Logo após a leitura, a oposição reagiu ao parecer do relator com críticas. “Quero lamentar profundamente o relatório do Igor Timo. Não podemos conceber que quem jurou defender a Constituição, rasgue a Constituição”, disse a deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), uma das responsáveis pela vista coletiva. “O relatório de Igor Timo é uma vergonha. Um salvo conduto para a extrema-direita que ameaça as liberdades democráticas”, completou. No mesmo sentido, o deputado Paulo Guedes (PT-MG), afirmou que Eduardo e sua família querem ver “as mílicias deles comandar o país”. O petista acompanhou o pedido de vista de Fernanda. “É impressionante que um parlamentar — o senhor Eduardo Bolsonaro —, que foi eleito, que deveria estar aqui lutando pela democracia, pelo seu próprio mandato... Eles querem mais. Ele esqueceu inclusive que o pai dele foi eleito presidente da República. Em vez de governar, de cuidar da pandemia, de cuidar de projetos e programas para melhorar a vida do povo brasileiro... Eles querem o poder completo. Eles querem a ditadura. Eles querem ver as milícias deles comandar este País. Nós não podemos aceitar isso. Nós temos que respeitar a Constituição. A melhor forma de respeitarmos a Constituição é garantirmos que possamos viver num Estado Democrático de Direito.” Em resposta às falas dos deputados da oposição, Eduardo disse que Bolsonaro é o menos interessado na volta da ditadura no país. “Em igual monta também, eu, deputado federal mais votado da história do país - e muitos aí dizem que eu deveria ser cassado, uma total violação do nosso sistema representativo - sou o menos interessado também em ter qualquer tipo de ditadura, porque o poder já está em nossas mãos”, afirmou. A deputada do Psol apontou que o Conselho de Ética seria incoerente ao arquivar o processo, já que o mesmo colegiado deu prosseguimento a representações contra Daniel Silveira por declarações da mesma natureza. “Na prática um peso e duas medidas que pode estar relacionado a relação do relator com a família Bolsonaro”. Pouco depois da designação de Timo como relator do processo contra Eduardo, o Psol protocolou um requerimento que questionava uma eventual suspeição do deputado do Podemos para assumir a relatoria. A legenda alegou conflitos de interesse em função da relação que o parlamentar teria com o núcleo mais próximo de Bolsonaro. No pedido, a sigla menciona um vídeo gravado por Timo ao lado do presidente. Na gravação, ele agradece o chefe do poder Executivo por ter repassado verbas para seu Estado. Eduardo Bolsonaro Daniel Marenco/Agência O Globo Veja Mais

Live do Valor: Demógrafo José Eustáquio Diniz Alves fala sobre o corte dos recursos para o Censo Demográfico nesta terça-feira, às 11h

Valor Econômico - Finanças O demógrafo José Eustáquio Diniz Alves é o entrevistado da Live do Valor desta terça-feira, dia 6, às 11h. Hoje pesquisador independente, José Eustáquio foi professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) por quase 20 anos, e é especialista em estudos populacionais. Ele vai falar sobre o corte dos recursos para o Censo Demográfico, pelo projeto aprovado do Orçamento 2021, e o debate entre realizar a pesquisa este ano ou em 2022. José Eustáquio vai conversar sobre a redução para R$ 71 milhões do montante destinado no Orçamento para o Censo Demográfico este ano, o que inviabiliza a realização da pesquisa. Para além do corte dos recursos, há um grande debate entre especialistas sobre as condições para a realização da pesquisa este ano que também será tratado durante a Live do Valor. Alguns defendem novo adiamento diante dos temores sobre as condições de segurança, questionamento sobre a qualidade dos dados obtidos em tempos de pandemia e o uso de pesquisas por telefone e internet. Outros são a favor da realização do Censo ainda em 2021, respeitando todos os cuidados sanitários, em função das consequências de um novo adiamento. Doutor em Demografia, José Eustáquio Diniz Alves foi professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas por quase 20 anos, até 2019, quando se aposentou. Antes disso, foi também professor da Universidade Federal de Ouro Preto. Ele faz pesquisas na área de população, bônus demográfico, família, gênero e fecundidade, entre outros temas. A entrevista, conduzida pela jornalista Lucianne Carneiro, repórter do Valor no Rio, será transmitida pelo site e pelas páginas do Valor no YouTube e no LinkedIn. Arte/Valor Veja Mais

Juros futuros se ajustam em queda com risco fiscal e Treasuries no radar

Valor Econômico - Finanças No fim da sessão regular, às 16h, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 cedeu de 4,65% para 4,60% e a do DI para janeiro de 2023 caiu de 6,52% para 6,48% Sem novidades relevantes em relação às negociações sobre o Orçamento de 2021 e com a queda dos rendimentos (yields) dos títulos do Tesouro americano (Treasuries), as taxas futuras encerraram o pregão desta segunda-feira (5) em leve queda. Os riscos fiscais, inclusive, impediram um movimento mais acentuado de queda das taxas. No contexto de pressões inflacionárias no curto prazo e de incerteza com a trajetória da dívida pública, a curva de juros continuou a precificar chance majoritária de elevação de 1 ponto percentual da Selic na reunião de maio do Copom. No fim da sessão regular, às 16h, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 cedeu de 4,65% para 4,60% e a do DI para janeiro de 2023 caiu de 6,52% para 6,48%. Já a taxa do contrato para janeiro de 2025 recuou de 8,21% para 8,17% e a do DI para janeiro de 2027 passou de 8,79% para 8,77%. “A queda dos juros hoje foi bem tímida. Na semana passada, piorou um pouco e, hoje, o mercado teve uma correção, mas as taxas continuam próximas do ‘high’”, afirma um profissional de renda fixa que prefere não se identificar. “A bolsa sobe bem, o dólar, hoje, também tem um recuo bom contra o real, mas o DI não acompanha os outros ativos, mesmo já estando com bastante prêmio. Isso é a preocupação do mercado com a solução que será dada para o Orçamento, se vamos ter outro ano de calamidade etc”, diz. Ele lembra, inclusive, que a curva continua a precificar um aumento superior a 0,75 ponto percentual na Selic em maio, apesar do Banco Central ter reiterado que deve levar a taxa básica para 3,5% no próximo mês. No fim de semana, em entrevista concedida ao jornal “O Estado de S.Paulo”, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, voltou a dizer que a missão da autoridade monetária é “conduzir as reuniões com argumentos técnicos e tentar ser o mais transparente possível”. A declaração foi dada após o dirigente comentar que há uma crítica de que os juros não sobem mais rápido. Cabe destacar que a curva de juros aponta, hoje, para uma Selic em torno de 9% no fim de 2022. No fim de fevereiro, o mercado precificava o juro básico em torno de 7,5% no fim do ano que vem. Em vídeo, o gestor de renda fixa da Kinea, Roberto Elaiuy, afirma que a gestora reduziu o risco direcional no mercado de juros em março, mas aumentou estratégias menos relacionadas ao ciclo da Selic. “O mercado deve esperar por melhores notícias sobre a pandemia, o fiscal e maior clareza sobre os próximos passos do BC antes de reduzir o prêmio da curva de juros”, diz. O exterior também contribuiu para a queda das taxas futuras diante do recuo observado nos rendimentos dos Treasuries, especialmente após a alta forte vista na última sexta-feira (2), logo após a divulgação do relatório de empregos (o chamado "payroll") de março nos Estados Unidos. Por volta de 16h, o retorno da T-note de dez anos caía para 1,707%. Veja Mais

NASA divulga imagem inédita e espetacular da Nebulosa do Véu

NASA divulga imagem inédita e espetacular da Nebulosa do Véu

Tecmundo Na última sexta-feira (2), a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA) divulgaram uma imagem impressionante da Nebulosa do Véu, capturada pelo Telescópio Espacial Hubble. Resultado da morte de uma estrela gigantesca – cuja massa estimada era 20 vezes maior que a do Sol –, a formação se encontra a 2.100 anos-luz da Terra, e o material espalhado é o que sobrou cerca de 10 mil anos após uma explosão que devorou tudo em seu caminho.A foto não é inédita, uma vez que sua primeira publicação se deu pela agência norte-americana há seis anos, em 2015. De todo modo, um processamento adicional de dados brutos gerados pelo Hubble forneceu aos cientistas uma visão detalhada das ondas de gás presentes na região. "Para criarmos esta imagem colorida, utilizamos cinco filtros diferentes em observações da Wide Field Camera 3", explica a entidade, destacando o instrumento manuseado pela equipe, parte do telescópio.Leia mais... Veja Mais

Anvisa aplica multas de R$ 15,2 mi em empresas farmacêuticas por sobrepreço em medicamentos

Glogo - Ciência Ações de monitoramento e fiscalização começaram em julho de 2020, quando foi criada uma força-tarefa para atuar durante a pandemia de Covid-19. Divulgação A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta segunda-feira (5) que multou em R$ 15,2 milhões empresas do setor farmacêutico pela comercialização de sedativos e bloqueadores musculares destinados ao enfrentamento da pandemia de Covid-19 acima do preço autorizado no Brasil. Anvisa se reúne com entidades em busca de solução para evitar falta de medicamentos nas UTIs Até março desde ano já foram instaurados 139 processos e aplicadas 64 multas aos agentes do setor farmacêutico que comercializaram medicamentos com preços superiores ao autorizados pela Anvisa. O monitoramento é feito desde 2020, quando foi criada uma força-tarefa para coibir abusos nos preços de medicamentos durante a pandemia. As multas são aplicadas por meio da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (SCMED) , cuja Secretaria-Executiva é exercida pela Anvisa. As informações sobre os preços dos medicamentos acima do normal foram solicitadas junto a empresas farmacêuticas, às Secretarias de Estado de Saúde (SES), às Secretarias Municipais de Saúde (SMS) das capitais e à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Falta de medicamentos Em março, a Anvisa se reuniu com entidades que representam o setor de hospitais privados e com a Associação Médica Brasileira (AMB) para "buscar soluções imediatas para evitar o desabastecimento de anestésicos e de outros medicamentos utilizados para intubação de pacientes com Covid-19". A reunião ocorreu em meio ao avanço das internações. "As entidades demonstraram um déficit importante no estoque destes medicamentos. A Anvisa, representada pela Terceira Diretoria, relatou a adoção de medidas de flexibilização para que esses insumos sejam disponibilizados aos serviços, sem prejuízo de sua eficácia, qualidade e segurança." - Anvisa A Anvisa não detalhou quais medidas devem ser tomadas, mas afirmou que "se prontificou a receber das entidades as solicitações individuais de serviços de saúde encaminhadas à Anvisa, de forma que possam ser avaliadas com a maior celeridade possível". Veja abaixo VÍDEOS sobre as vacinas contra a Covid Veja Mais

Prefeito de Chapecó omite lockdown e distorce fatos ao atribuir recuo da Covid

O Tempo - Política Entre as informações omitidas está a de que os índices somente começaram a cair após lockdown, entre 22 de fevereiro e 8 de março Veja Mais

Kalunga contrata BTG, Bradesco BBI, XP e UBS para possível oferta de ações

Valor Econômico - Finanças Empresa informa que, até o momento, não definiu ou aprovou a efetiva realização da oferta A Kalunga informou que contratou os bancos BTG Pactual, Bradesco BBI, a XP Investimentos e o UBS Brasil e suas afiliadas no exterior para a prestação de serviços de assessoria financeira para potencial captação de recursos por meio de oferta pública inicial de ações. Em fato relevante, a empresa informa que, até o momento, não definiu ou aprovou a efetiva realização da oferta e, portanto, “nesta data, não está sendo realizada qualquer oferta pública de distribuição de ações de sua emissão no Brasil, nos Estados Unidos da América ou em qualquer outra jurisdição”. A empresa completa que a efetiva realização da oferta está sujeita às condições dos mercados de capitais brasileiro e internacional, às condições política e macroeconômica favoráveis, ao interesse de investidores, às aprovações societárias da companhia, dentre outros fatores. Loja da Kalunga Reprodução/Facebook Veja Mais

Senhor dos Anéis: adaptação soviética está disponível no YouTube

Senhor dos Anéis: adaptação soviética está disponível no YouTube

Tecmundo Uma adaptação para a televisão soviética de O Senhor dos Anéis que se pensava ter sido perdida no tempo foi redescoberta e postada no YouTube na semana passada, divertindo os fãs russos de JRR Tolkien.O filme de 1991, Khraniteli, baseado em The Fellowship of the Ring de Tolkien, é a única adaptação de sua trilogia O Senhor dos Anéis que se acredita ter sido feita na União Soviética.Leia mais... Veja Mais

Brasil supera 13 milhões de casos de Covid; média de mortes está em 2.698 por dia

Glogo - Ciência País contabilizou 13.023.189 casos e 333.153 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa. O Brasil superou a marca de 13 milhões de casos de Covid e registrou 1.623 mortes pela doença nas últimas 24 horas, totalizando nesta segunda-feira (5) 333.153 vítimas. Com isso, a média móvel de mortes no país nos últimos 7 dias ficou em 2.698. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +15%, indicando tendência de estabilidade nos óbitos pela doença. Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h desta segunda. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. A estabilidade nos óbitos vem após 35 dias com essa tendência em alta. Não é seguro, no entanto, assumir que o país está vendo uma desaceleração na alta de mortes, já que os registros costumam ser menores durante e logo após um feriado como o do último final de semana estendido. Isso ocorre devido a equipes reduzidas de plantão trabalhando na inclusão dos registros. É importante verificar se os próximos dias apresentarão dados represados. Já são 75 dias seguidos com a média móvel de mortes acima da marca de mil; o país completa agora 20 dias com essa média acima dos 2 mil mortos por dia; e é o décimo dia com a média acima da marca de 2,5 mil. Veja a sequência da última semana na média móvel: Evolução da média móvel de óbitos na última semana no Brasil Editoria de Arte/G1 Terça (30): 2.728 (recorde) Quarta (31): 2.971 (recorde) Quinta (1º): 3.119 (recorde) Sexta (2): 3.006 Sábado (3): 2.800 Domingo (4): 2.747 Segunda (5): 2.698 Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 13.023.189 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 39.629 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 63.691. Isso representa uma variação de -15% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade nos diagnósticos. Onze estados e o Distrito Federal estão com alta nas mortes: ES, MG, RJ, SP, DF, MS, MT, CE, MA, PB, PE e PI. Mortes e casos de coronavírus no Brasil e nos estados Mortes e casos por cidade Veja como está a vacinação no seu estado Brasil, 5 de abril Total de mortes: 333.153 Registro de mortes em 24 horas: 1.623 Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 2.698 (variação em 14 dias: +15%) Total de casos confirmados: 13.023.189 Registro de casos confirmados em 24 horas: 39.629 Média de novos casos nos últimos 7 dias: 63.691 por dia (variação em 14 dias: -15%) Estados Subindo (11 estados e o Distrito Federal): ES, MG, RJ, SP, DF, MS, MT, CE, MA, PB, PE e PI Em estabilidade (9 estados): AC, AP, PA, RO, RR, TO, AL, RN e SE Em queda (6 estados): PR, RS, SC, GO, AM e BA Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia). Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os dados de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. Vacinação Balanço da vacinação contra Covid-19 desta segunda-feira (5) aponta que 20.023.132 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19, segundo dados divulgados até as 20h. O número representa 9,46% da população brasileira. A segunda dose já foi aplicada em 5.595.929 pessoas (2,64% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal. No total, 25.619.061 doses foram aplicadas em todo o país. Variação de mortes por estado Estados com mortes em alta Editoria de Arte/G1 Estados com mortes em estabilidade Editoria de Arte/G1 Estados com mortes em queda Editoria de Arte/G1 Sul PR: -17% RS: -17% SC: -17% Sudeste ES: +48% MG: +37% RJ: +74% SP: +31% Centro-Oeste DF: +68% GO: -25% MS: +53% MT: +25% Norte AC: -5% AM: -38% AP: +15% PA: -5% RO: -10% RR: +5% TO: +5% Nordeste AL: +7% BA: -17% CE: +66% MA: +29% PB: +26% PE: +30% PI: +34% RN: -14% SE: +1% Brasil Sul Sudeste Centro-Oeste Norte Nordeste Consórcio de veículos de imprensa Os dados sobre casos e mortes de coronavírus no Brasil foram obtidos após uma parceria inédita entre G1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL, que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal (saiba mais). Veja vídeos de novidades sobre vacinas contra a Covid-19: Veja Mais

Comissão Externa examina adoção de crianças – 05/04/21

Comissão Externa examina adoção de crianças – 05/04/21

Câmana dos Deputados Projeto de lei que trata da possibilidade das famílias que se encontram na fila de adoção funcionarem como famílias acolhedoras foi debatido na Comissão Externa de Políticas para a Primeira Infância. De acordo com a proposta, estas famílias teriam prioridade na adoção das crianças ou adolescentes que elas tenham acolhido Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: https://www.facebook.com/camaradeputados https://twitter.com/camaradeputados https://www.instagram.com/camaradeputados/ https://www.tiktok.com/@camaradosdeputados? https://cd.leg.br/telegram Conheça nossos canais de participação: https://www2.camara.leg.br/participacao #CâmaraDosDeputados #PrimeiraInfancia Veja Mais

Meteoro que extinguiu dinossauros deu origem à floresta amazônica

Meteoro que extinguiu dinossauros deu origem à floresta amazônica

Tecmundo A origem da Amazônia, assim como das florestas tropicais modernas, pode ser uma consequência do impacto do grande asteroide que caiu na Terra no final do período Cretáceo e extinguiu os dinossauros. A conclusão é de um estudo publicado na semana passada (2), na revista Science.Segundo os cientistas, antes de o terrível bólido de 12 km de largura atingir a península de Yucatán, no México, as florestas tropicais da América do Sul eram constituídas por um tipo de vegetação muito diferente da exuberância de plantas com flores agora existente. A floresta era “um dossel aberto com muitas samambaias, muitas coníferas e dinossauros”, diz um autor do estudo, Carlos Jaramillo.Leia mais... Veja Mais

Melhores atalhos do app Música (Apple Music) para macOS

canaltech O app de Música no macOS é uma excelente plataforma para escutar suas canções favoritas da biblioteca, da iTunes Store e do Apple Music, além de reproduzir diversos conteúdos digitais em formato de áudio. Para facilitar o uso do aplicativo, a Maçã adicionou diversos atalhos do teclado bastante úteis e que valem a pena serem incorporados em sua rotina. As melhores funções do Apple Music que você precisa conhecer Aplicativos essenciais para quem acabou de comprar um Mac novo Como saber o processador do seu MacBook Neste artigo, separamos os melhores atalhos para você controlar com maestria o app Música do macOS pelo teclado. Atalhos gerais do app Música Reproduzir a música atual desde o início: Return Tocar ou pausar a música atual: barra de espaço Avançar ou retroceder a música: ⌥ Option + ⌘ Command + seta direita/esquerda Aumentar o volume: ⌘ Command + seta acima Diminuir o volume: ⌘ Command + seta acima Encerrar a reprodução da música atual: ⌘ Command + . (ponto final) Passar para próxima música da lista enquanto a atual estiver tocando: seta direita Voltar para música anterior da lista enquanto a atual estiver tocando: seta esquerda Mostrar a música atual na lista: ⌘ Command + L Mostrar a fila "A Seguir": ⌘ Command + ⌥ Option + U Ouvir o álbum seguinte ou anterior de uma lista: ⌥ Option + seta direita/esquerda Abrir o equalizador: ⌘ Command + ⌥ Option + E Transmitir arquivo de áudio de uma URL específica para o app Música: ⌘ Command + U Abrir as preferências do Música: ⌘ Command + , (vírgula) Fechar o aplicativo: ⌘ Command + Q Abrir o menu de ajuda do aplicativo: ⌘ Command + ? Abrir uma biblioteca de música diferente (quando abrir o Música): ⌘ Command + ⌥ Option Ejetar um CD: ⌘ Command + E (em Macs com drive óptico embutido ou externo) Crie e gerencie playlists Criar uma nova playlist: ⌘ Command + N Criar uma playlist a partir de uma seleção de músicas: ⇧ Shift + ⌘ Command + N Criar uma playlist inteligente: ⌘ Command + ⌥ Option + N Iniciar a reprodução aleatória no Genius: ⌥ Option + Barra de espaço Atualizar uma playlist Genius (quando estiver selecionada): ⌘ Command + R Apagar a playlist selecionada, sem confirmar se deseja apagá-la: ⌘ Command + Delete Apagar a playlist selecionada e todas as músicas da biblioteca contidas nela: ⌥ Option + Delete Apagar a música selecionada de sua biblioteca e de todas as suas playlists: ⌥ Option + Delete Gerencie a biblioteca e os arquivos de mídia Adicionar (importar) um aquivo à biblioteca: ⌘ Command + O Mostrar o local de um arquivo de música: ⌘ Command + ⌥ Option + R Selecionar o campo de busca: ⌘ Command + F Desfazer sua última alteração de digitação ao editar informações de um item: ⌘ Command + Z Cortar as informações ou a capa de uma música selecionada: ⌘ Command + X Copiar as informações ou a capa de uma música selecionada: ⌘ Command + C Colar as informações ou a capa de uma música selecionada: ⌘ Command + V Selecionar todas as músicas de uma lista: ⌘ Command + A Mostrar ou ocultar o navegador por colunas: ⌘ Command + B Desmarcar todas as músicas da lista: ⌘ Command + ⇧ Shift + A Marcar ou desmarcar todas as músicas da lista: pressione ⌘ Command e clique na caixa ao lado da música na lista. Mude a visualização do Música Abrir o Minirreprodutor: ⌘ Command + ⌥ Option + M ou ⇧ Shift + ⌘ Command + M Abrir o reprodutor em tela cheia: ⌘ Command + ⇧ Shift + F Entrar ou sair da visualização em tela cheia: ⌃ Control + ⌘ Command + F Alternar entre tamanhos da janela personalizado e máximo: ⌥ Option e clique no botão verde no canto superior do aplicativo. Alterar as colunas de informação da música: pressione ⌃ Control e clique no título de uma coluna. Mostrar ou ocultar a barra de estado: ⌘ Command + / Abrir a janela de informação da música selecionada: ⌘ Command + I Na janela de informações, ver os dados da música seguinte ou anterior da lista: ⌘ Command + N ou ⌘ Command + P Ir para o painel anterior ou seguinte na janela de informações: ⌘ Command + ⇧ Shift + [ (colchete esquerdo) ou ⌘ Command + ⇧ Shift + ] (colchete direito) Abrir a janela "Opções de Visualização" para a fonte selecionada: ⌘ Command + J Ativar ou desativar um visualizador: ⌘ Command + T Ver mais opções ao exibir um efeito visual: pressione ? e depois a tecla indicada para usar uma opção. Atualizar o Apple Music ou a iTunes Store: ⌘ Command + R Abrir a janela do aplicativo: ⌘ Command + 0 Fechar a janela do aplicativo: ⌘ Command + W Colocar a janela do aplicativo no Dock: ⌘ Command + M Ocultar a janela do aplicativo: ⌘ Command + H Ocultar todos os outros aplicativos: ⌘ Command + ⌥ Option + H Procure itens na iTunes Store Iniciar uma busca na iTunes Store (de qualquer lugar do aplicativo): digite uma palavra ou frase no campo de busca e pressione ⌥ Option + Return Ir para a próxima página da iTunes Store: ⌘ Command + ] (colchete direito) Ir para a páginas anterior da iTunes Store: ⌘ Command + [ (colchete esquerdo) Recarregar a página atual: ⌘ Command + R Agora você pode aproveitar todo o potencial dos atalhos que o app Música oferece em seu Mac! Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Ciência desenvolve tratamento para fazer dentes nascerem de novo Vacina contra o câncer! Harvard anuncia resposta positiva e inédita em testes WhatsApp testa esquema de pré-visualização de imagens igual ao do Telegram Galaxy S22 Ultra: conceito mostra como ficaria câmera gigantesca de 200 MP Doença misteriosa atinge mais de 40 pessoas no Canadá Veja Mais

Em NY, Dow Jones e S&P 500 anotam novos recordes com dados positivos dos EUA

Valor Econômico - Finanças O Dow Jones fechou em alta de 1,13%, a 33.527,19 pontos e o S&P 500 subiu 1,44%, a 4.077,91 pontos; já o Nasdaq avançou 1,67%, a 13.705,59 pontos Os índices acionários de Nova York fecharam em forte alta nesta segunda-feira (5), com o Dow Jones e o S&P 500 anotando novos recordes, impulsionados pelo otimismo com a recuperação econômica americana, após a divulgação de dados melhores do que o esperado do mercado de trabalho e do setor de serviços nos Estados Unidos. O Dow Jones fechou em alta de 1,13%, a 33.527,19 pontos, o S&P 500 subiu 1,44%, a 4.077,91 pontos, e o Nasdaq avançou 1,67%, a 13.705,59 pontos. Os índices operaram em alta desde a abertura do pregão desta segunda, impulsionados pelo relatório de emprego nos EUA (o chamado "payroll") melhor do que o esperado, divulgado na última sexta-feira (2), dia de mercados fechados. O "payroll" indicou que o setor privado gerou 916 mil novos postos de trabalho em março, anotando o melhor resultado desde agosto e quase o dobro dos 468 mil empregos criados em fevereiro. Hoje, o mercado de ações nos EUA também recebeu impulso com a divulgação do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços do Instituto para Gestão da Oferta (ISM), que subiu a 63,7 pontos em março, de 55,7 pontos da leitura de fevereiro, o que representa a sua melhor leitura já registrada, batendo com folga o recorde anterior, de 60,9 pontos, anotado em outubro de 2018. Anthony Nieves, presidente do comitê de pesquisa de serviços do ISM, aponta que o PMI começou a ser registrado em 2008, mas, mesmo considerando os dados coletados anteriormente, a leitura mais alta para o PMI teria sido em agosto de 1997, quando foi calculado em 62 pontos, com base nos dados que compõem o índice. De acordo com James Knightley, economista-chefe internacional do ING, o dado recorde de atividade do setor de serviços "sugere que a criação de 916 mil vagas, divulgada na sexta-feira, provavelmente será superada em abril, com mais gastos e mais movimentações de pessoas exigindo mais empregos para satisfazer a demanda". O economista disse, em nota, que espera que a criação mensal de empregos passe de um milhão até junho. Impulsionados pelo otimismo com a recuperação econômica americana, os ganhos em Nova York foram bastante amplos, com destaque para os setores de consumo discricionário (+2,28%), serviços de comunicação (+2,27%) e tecnologia (+2,02%), que lideraram os ganhos no S&P 500. O único setor do índice amplo a fechar em queda foi o de energia, que recuou 2,41%, pressionado pela queda acentuada dos preços do petróleo. Veja Mais

Game of Thrones: HBO prepara comemoração de 10 anos da série

Game of Thrones: HBO prepara comemoração de 10 anos da série

Tecmundo Este mês (abril) marca o 10º aniversário da estreia de Game of Thrones na HBO. O primeiro episódio da série icônica foi lançado em 17 de abril de 2011, e a emissora quer comemorar sua premiada produção de oito temporadas em grande estilo. Por isso, na manhã desta segunda-feira, a HBO anunciou o The Iron Anniversary (O Aniversário de Ferro, em português).As celebrações começarão com um destaque à série no serviço de streaming HBO Max. A página de destaque de Game of Thrones selecionará todos os tipos de informações sobre o show e o fandom, incluindo extras dos bastidores, entrevistas com o elenco, clipes e trailers.Leia mais... Veja Mais

Bolsonaro defende fim de isolamento: 'O Brasil precisa voltar a trabalhar'

O Tempo - Política Presidente reiterou o seu discurso nesta segunda-feira (5) sobre enfrentar o vírus e o desemprego juntos, problemas que classificou como "gravíssimos" Veja Mais

Anvisa convoca 11 governadores para discutir problemas em liberação de vacina russa

Valor Econômico - Finanças Ideia no órgão regulador é que grupo mude direção da pressão e ajude a obter, junto à empresa, os dados técnicos pendentes sobre a Sputnik V A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) convocou os governadores dos 11 Estados interessados em importar a vacina russa Sputnik V para explicar em detalhes as dificuldades que o órgão regulador vem enfrentando para avançar com a autorização para o uso emergencial do imunizante no país. A proposta inicial da agência é que a reunião aconteça na terça-feira (6), mas a confirmação vai depender das agendas dos governadores. Manifestaram interesse em comprar as vacinas os governadores de Acre, Bahia, Rio Grande do Norte, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Pernambuco, Pará, Sergipe e Rondônia. Devido à lentidão da vacinação no país, é crescente a pressão política para a liberação de mais vacinas, mas a atual falta de informações sobre a Sputnik V inviabiliza qualquer possibilidade de autorização. Desenvolvida pelo laboratório Gamaleya, a vacina é representada no Brasil pela União Química. A ideia da Anvisa é que os governadores mudem a direção da pressão e ajudem a obter, junto à empresa, os dados técnicos pendentes. “Faltam informações brutas que permitam análise e conclusão”, disse uma fonte na agência. “Se fosse para concluir hoje, a conclusão seria que não é possível concluir por falta das informações”, completou. Na quarta-feira passada, a Anvisa confirmou o recebimento de dados complementares da vacina, no âmbito do processo de autorização emergencial. Foram encaminhadas informações sobre os locais de fabricação do imunizante e documentos relativos às práticas farmacêuticas desses mesmos locais. De acordo com a agência, no entanto, ainda há pendências. O último pedido de uso emergencial da Sputnik V foi protocolado no dia 26 de março. Antes, contudo, já houve outras tentativas frustradas de liberar o imunizante. Para efeito de comparação, até o final de março haviam sido encaminhadas à Anvisa pouco mais de 1 mil páginas com informações sobre a vacina russa. O processo referente ao uso emergencial da Janssen, autorizado na semana passada, continha mais de 28 mil páginas, segundo apurou o Valor. “O que pretendemos é realizar uma apresentação técnica aos governadores para que possamos falar a mesma língua. Para que eles entendam nossa dificuldade. Talvez eles possam nos ajudar a conseguir essas informações (pendentes)”, explicou um técnico da agência. Alexander Zemlianichenko Jr/ Russian Direct Investment Fund via AP Veja Mais

Harvey Weinstein pede anulação de condenação por agressão sexual e busca novo julgamento

G1 Pop & Arte Ex-produtor de Hollywood foi condenado em 2020 a 23 anos de prisão por abuso sexual e por estupro. Harvey Weinstein deixa o tribunal no segundo dia de deliberações do juri em seu julgamento, em 2020 Lucas Jackson/Reuters O ex-produtor de Hollywood, Harvey Weinstein, pediu nesta segunda-feira (5) que um tribunal de apelações do estado de Nova York anule sua condenação por agressão sexual e estupro. Ele pede também um novo julgamento, dizendo que o juiz do julgamento original cometeu vários erros que o privaram de um júri imparcial. Em março de 2020, Weinstein, de 69 anos, foi condenado pelo juiz James Burke, da corte criminal de Manhattan, a 23 anos de prisão por abuso sexual contra a ex-assistente de produção Mimi Haleyi e por estuprar a ex-aspirante a atriz Jessica Mann. Weinstein negou qualquer encontro sexual não consensual. Sua condenação foi vista como um divisor de águas do movimento #MeToo contra assédio e abusos sexuais. Weinstein usa sete argumentos no pedido de anulação de sua condenação, desde a aceitação de um jurado que os advogados do réu acusaram de ser grosseiramente desqualificado até uma pena desnecessariamente severa. Seus advogados também argumentam que ele foi privado da suposição de inocência quando Burke permitiu que o júri ouvisse depoimentos de três mulheres que Weinstein supostamente agrediu apesar de suas acusações não terem resultado em uma acusação criminal. Weinstein disse que uma acusação de estupro de terceiro grau deveria ser descartada porque a suposta má conduta ocorreu muito tempo atrás e que um novo julgamento deveria dizer respeito a uma única acusação de ato sexual criminoso intencional. Veja Mais

Dicas de séries na semana: estreias de Kung Fu, The Nevers e mais

Dicas de séries na semana: estreias de Kung Fu, The Nevers e mais

Tecmundo Pronto para ver as principais dicas de séries nesta semana?Nesta semana, três lançamentos prometem cativar os espectadores em três emissoras diferentes. A começar pela The CW, no dia 7 de abril, que receberá a estreia de Kung Fu. Trata-se de um reboot de uma série clássica, lançada originalmente nos anos 1970. Dessa vez, a protagonista é interpretada por Olivia Liang.Leia mais... Veja Mais

Taxa de carbono da UE pode começar para aço e cimento

Valor Econômico - Finanças A indústria siderúrgica brasileira diz estar “atenta” a essa discussão A futura “taxa de carbono” europeia poderá ser aplicada inicialmente sobre as indústrias de aço e cimento que exportam para o mercado comunitário, conforme proposta que a França tenta emplacar em Bruxelas. A indústria siderúrgica brasileira diz estar “atenta” a essa discussão. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Captações via crowdfunding crescem 43% em 2020, diz CVM

Valor Econômico - Finanças Valor total de investimento coletivo chegou a R$ 84,4 milhões, dez vezes acima do captado em 2016, ano anterior à regulamentação específica As captações por meio de crowdfunding de investimento tiveram um aumento de 43% em 2020, na comparação anual, e chegaram a R$ 84,4 milhões, informou nesta segunda-feira a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os números do ano passado foram 10 vezes superiores aos R$ 8,3 milhões captados em 2016, ano anterior à regulamentação específica pela autarquia do mercado de capitais. O crowdfunding de investimento, também conhecido como “investimento coletivo” ou “investimento colaborativo”, é voltado para empresas com receita anual de até R$ 10 milhões. A modalidade acabou se tornando um instrumento de captação de recursos para as startups, que precisam de capital financeiro para desenvolverem produtos ou serviços. Em troca dos recursos, elas oferecem aos investidores diferentes tipos de títulos, normalmente estabelecidos em um contrato de investimento. O número de ofertas lançadas cresceu de 81 em 2019 para 106 no ano passado. No total, 74 emissões foram fechadas com sucesso, ante 60 um ano antes. E o valor médio de captação por oferta bateu recorde, chegando a R$ 1.140.558,10. O investimento médio por pessoa passou de R$ 8.786,26 em 2019 para R$ 10.199,55 em 2020. Gerd Altmann/Pixabay Veja Mais

Guedes nega crise por causa do Orçamento: “Pessoas estão nervosas”

Valor Econômico - Finanças "Informação de verdade é que não há desentendimento", disse o ministro da Economia O ministro da Economia, Paulo Guedes, negou nesta segunda-feira que haja uma crise envolvendo os ministros e os principais aliados do presidente Jair Bolsonaro no Congresso por causa do Orçamento Geral da União (OGU) de 2021, aprovado no último dia 21. Segundo ele, há dois componentes no debate. "Em toda informação, há o sinal, que é o que está acontecendo, que deve ser observado, e o barulho", disse no evento virtual XP Spring Meetings. "A informação de verdade é que não há desentendimento, guerra", completou, negando que haja uma disputa entre ele e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Impacto da pandemia “será menor e mais curto”, diz Guedes Guedes afirmou que este é o primeiro Orçamento que o governo do presidente Jair Bolsonaro "está aprovando ou elaborando com a sua própria base parlamentar." Paulo Guedes EDU ANDRADE/Ascom/ME "[A dificuldade] é muito mais a elaboração desse Orçamento", disse, destacando que o processo ainda envolve o relator, senador do Orçamento, Márcio Bittar (MDB-AC), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MDB-MG), o presidente da República e seus ministérios, como o próprio Ministério da Economia. "É muito mais um time que nunca jogou junto e está começando a botar em pé o Orçamento." Guedes lembrou que essa base parlamentar, que envolve uma aliança de "centro-direita" e um Congresso "reformista", aprovou em "três ou quatro semanas" uma série de reformas, como a autonomia do Banco Central, a PEC Emergencial e os marcos do saneamento e do óleo e gás, entre outros projetos. Segundo ele, a confusão entre o barulho e o sinal é "normal". "Com a pandemia, as pessoas estão nervosas irritadas, impacientes e focam mais no barulho", completou. O ministro também afirmou que o veto de Bolsonaro ao Orçamento como um todo resolveria o "lado jurídico" do imbróglio, mas não seria simples em termos políticos. "Se vetar, fica tudo resolvido do lado jurídico, mas é politicamente desconfortável". "Por outro lado, tirar uma ou outra emenda, deixa o governo juridicamente exposto." Ele voltou a dizer que "acordos políticos têm que caber dentro do orçamento". Segundo Guedes, "há muita boa vontade" da ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, – assim como de Lira, Pacheco e Bittar – para resolver a questão. "Estamos trabalhando juntos", disse, afirmando que o Orçamento precisa "estar juridicamente blindado e tem que ser politicamente satisfatório". Na avaliação do ministro, "alguns excessos que tenham ocorrido precisam ser removidos, mas não houve má fé" na elaboração do projeto. Ele mostrou confiança na solução do imbróglio antes do dia 22, que é o prazo formal para um acordo. "Deve acontecer bem antes disso", afirmou. De acordo com Guedes, o envio de uma emenda para alterar parâmetros que estavam defasados no texto era uma opção, mas o prazo de "20 a 30 dias" seria um problema nesse caso. "Era mais rápido disparar o relatório bimestral, que já recalibra tudo isso." O ministro afirmou que um programa de prevenção a fraudes na Previdência pode diminuir as despesas nessa área, mas não no montante previsto no projeto. "Você até poderia baixar um pouco a estimativa de despesa porque deve haver resultado positivo no programa de fraude, mas o número tem que ser menor", disse. BEm Para Guedes, a implantação de uma nova rodada do Programa de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) pode demorar "mais tempo e talvez envolva crédito extraordinário". O plano inicial envolvia usar recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para criar uma espécie de "seguro-emprego". "Seria melhor para o país", afirmou. "Agora, a [classe] política às vezes entra e fala: não, não queremos mexer no seguro-desemprego. E aí o governo precisa ir para outra solução, que talvez demore mais tempo e talvez envolva crédito extraordinário." Segundo Guedes, o programa "precisa voltar" e existem duas vias em estudo: por projeto de lei ou medida provisória. Veja Mais

Ministra Teresa Cristina recebe primeira dose de vacina contra a covid-19

Valor Econômico - Finanças "O governo tem trabalhado para imunização em massa dos brasileiros”, disse ela A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tomou hoje a primeira dose da vacina contra a covid-19. No Twitter, ela divulgou um vídeo do momento da vacinação e escreveu que “o governo tem trabalhado para imunização em massa dos brasileiros”. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais