Meu Feed

Hoje

Emprego: confira 253 vagas ofertadas em 15 municípios de Pernambuco nesta sexta

G1 Economia Do total, dez vagas foram reservadas para pessoas com deficiência. Há vagas para vendedor pracista, operador de empilhadeira, pedreiro, garçom, entre outros. Do total, 15 vagas oferecidas nesta sexta-feira são temporárias Divulgação/Prefeitura de Aparecida de Goiânia Profissionais que estão em busca de uma oportunidade de emprego têm 253 vagas disponíveis através da Agência do Trabalho, da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq), em 15 municípios do estado, nesta sexta-feira (26). Entre as oportunidades, há 12 vagas para pedreiro e outras 15 para servente de obras em Vitória de Santo Antão. Também há chance de contratação para quem quer trabalhar como auxiliar de limpeza, vendedor pracista, garçom, motorista, eletricista, entre outros (confira lista completa mais abaixo). Há vagas no Recife (38), Arcoverde (2), Belo Jardim (14), Bezerros (6), Cabo de Santo Agostinho (9), Camaragibe (25), Caruaru (57), Garanhuns (7), Ipojuca (12), Palmares (10), Petrolina (11), Salgueiro (6), Santa Cruz do Capibaribe (9), Serra Talhada (11) e Vitória de Santo Antão (36). Os interessados devem procurar uma das Agências do Trabalho do estado. O atendimento ocorre preferencialmente com agendamento, feito pelo site da secretaria ou pelo Portal Cidadão. Vagas de emprego Vagas para pessoas com deficiência Vagas temporárias VÍDEOS: Mais assistidos de Pernambuco nos últimos 7 dias Veja Mais

Concurso IBGE/Censo 2021: veja dicas de estudo para as provas de recenseador

G1 Economia Para especialistas, apesar de a prova ter apenas quatro matérias, o candidato não deve relaxar, pois a concorrência será grande; veja como se organizar e o que priorizar na preparação. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reabriu o aguardado concurso com 204.307 vagas temporárias para a realização do Censo Demográfico 2021. Só para recenseador são 181.898 vagas. Outras 22.409 vagas são para agente censitário. VEJA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O CONCURSO Concurso IBGE/Censo 2021: veja detalhes em alguns estados Veja como serão distribuídas as vagas do concurso do IBGE VEJA LISTA COMPLETA DE CONCURSOS VEJA VAGAS DE EMPREGO PELO PAÍS IBGE abre inscrições para 181.898 vagas de recenseador A prova objetiva para recenseador, que será aplicada em 25 de abril, será dividida da seguinte forma: 10 questões de Língua Portuguesa 10 questões de Matemática 5 questões sobre Ética no Serviço Público 25 questões de Conhecimentos Técnicos As questões da prova objetiva serão do tipo múltipla escolha. Será aprovado o candidato que obtiver no mínimo 15 pontos e no mínimo um acerto em cada uma das disciplinas. Em caso de empate na nota final no processo seletivo simplificado, terá preferência o candidato que, na seguinte ordem: obtiver maior nota na disciplina Conhecimentos técnicos; obtiver maior nota na disciplina Língua Portuguesa; obtiver maior nota na disciplina Ética no Serviço Público. Para os especialistas, apesar de a prova para recenseador ter apenas quatro matérias, o candidato não deve relaxar, pois a concorrência será grande, devido ao desemprego recorde e pelo fato de o cargo de recenseador exigir o nível fundamental completo. Veja abaixo as dicas de estudo para o concurso. Dicas gerais Fernando Bentes, diretor acadêmico do Qconcursos.com e professor de direito constitucional da UFRRJ, aconselha o candidato a estudar todas as matérias ao mesmo tempo. “Assim, o candidato vai estar sempre relembrando tudo, sem intervalos longos de semanas ou meses entre o aprendizado de cada disciplina”, diz. Segundo ele, se o candidato se concentrar em aprender uma disciplina de cada vez, isso vai gerar um tempo muito grande no estudo de cada matéria. Bentes lembra que é preciso seriedade dos estudos. “O grande número de vagas não deve deixar ninguém tranquilo, já que o desemprego deve levar milhões de candidatos a fazerem o concurso”, aponta. Para Antonio Batist, especialista em gestão pública e empresarial, ler e entender o edital é o primeiro passo - é dele que vêm as decisões seguintes. Batist recomenda fazer o download do material gratuito de conhecimentos técnicos - que está no link do concurso no site do Cebraspe - e priorizar a disciplina, que corresponde à metade da pontuação da prova. Outras dicas são estudar a parte teórica dos conteúdos, fazer provas anteriores, ver onde precisa melhorar após as provas e repetir o ciclo, corrigindo as falhas identificadas em cada conteúdo ou disciplina. Prova exige compreensão e raciocínio Segundo o edital, as questões da prova poderão avaliar habilidades que vão além da memorização, abrangendo compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação, com o intuito de valorizar a capacidade de raciocínio. Cada questão da prova poderá contemplar mais de um objeto de avaliação. Para Bentes, esse estilo de prova é semelhante ao Enem, que cobra a interdisciplinaridade e a capacidade de reflexão crítica. Segundo ele, para exercitar a interdisciplinaridade, os candidatos devem buscar semelhanças e diferenças entre os conteúdos das disciplinas. “Cada novo conceito deve ser resgatado no momento em que se aprende algo novo. Essa comparação entre matérias é importante para treinar a articulação de ideias diferentes e o raciocínio interdisciplinar”, explica. Por isso, o especialista lembra que é importante estudar todas as matérias ao mesmo tempo para estabelecer conexões interdisciplinares. “Para exercitar a reflexão crítica, os candidatos devem valorizar os fundamentos dos conceitos, sua razão de ser, sua essência. Não é decorar, é ter um olhar analítico sobre princípios, teorias e regras. Com esse enfoque mais profundo, o candidato poderá se distanciar da superfície e pensar de maneira mais profunda sobre todo o conhecimento”, opina. Para treinar esse tipo de reflexão crítica, ele aconselha que o candidato sempre questione: qual a origem do conceito? Como ele foi desenvolvido? Há exceções? Qual sua utilidade? Cumpre sua função? Tem consequências? “Esse é um excelente exercício para treinar o raciocínio”, avalia. Antonio Batist afirma que o Cebraspe costuma elaborar questões com foco em conhecimento, não em astúcia. “As questões costumam ser bem elaboradas, sem pegadinhas, e podem mesclar assuntos e até disciplinas diferentes dentro de uma mesma pergunta. Ficar atento às possíveis conexões de um assunto com outro ou de uma disciplina com outra é um dos melhores caminhos”, aconselha. Ele indica resolver provas recentes do Cebraspe, em estilo de múltipla escolha, para entender o estilo de pergunta que a organizadora costuma fazer. Assim, o candidato evita surpresas no dia da prova e tem maiores chances de aprovação. De acordo com Erick Alves, professor do Direção Concursos, geralmente, essas questões multidisciplinares abordam situações que o recenseador poderá vivenciar no seu trabalho. “Assim, é importante que o candidato não apenas memorize os conteúdos, mas também procure visualizar a aplicação prática dos assuntos estudados”, aconselha. Conhecimentos específicos têm maior peso Antonio Batist considera que a prioridade deve ser voltada à disciplina de conhecimentos específicos, que equivale à metade da pontuação total da prova. Entretanto, as demais disciplinas devem ser estudadas, mesmo que com menor intensidade. Segundo ele, o ideal é a seguinte ordem: prioridade alta para a disciplina de conhecimentos técnicos prioridade média para disciplinas que o candidato não domina (e que precisará reforçar a aprendizagem) prioridade baixa para a disciplina de domínio do candidato (se ele de fato domina, inclusive ao resolver as provas anteriores de determinado assunto, bastará revisar sem grandes aprofundamentos) Fernando Bentes ressalta que a disciplina de conhecimentos específicos possui 25 questões, de um total de 50. “É a matéria com maior peso e deve ser valorizada. As disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática foram estudadas por qualquer pessoa que terminou o nível fundamental. Logo, deve haver um equilíbrio entre os candidatos. Por isso, seu maior diferencial será mesmo o número de acertos nas questões de conhecimentos específicos”. Ele lembra que o IBGE oferece duas apostilas para o concurso: de Ética no Serviço Público e de Conhecimentos Específicos. Ambas estão disponibilizadas no site da banca organizadora. Clique aqui para acessar a apostila de Conhecimentos Técnicos Clique aqui para acessar o Código de Ética do IBGE “Por isso, quem estiver empenhado em passar vai devorar este conteúdo, o que também deve trazer certo nivelamento entre os candidatos”, afirma. “Em relação à matéria de Ética no Serviço Público, embora o IBGE disponibilize uma apostila, existem outras exigências de estudo. Portanto, leia atentamente o edital, separe tudo que é cobrado no conteúdo programático e faça uma boa leitura daqueles artigos previstos na Lei nº 8.112 de 1990 que devem cair na prova”, recomenda. Erick Alves concorda que o candidato deve priorizar a disciplina de conhecimentos específicos, mas não deve desprezar os demais assuntos, pois o concurso será muito disputado. Bentes ressalta que o candidato não deve desprezar as disciplinas que sabe menos porque seu estudo pode garantir um número muito maior de pontos do que teria caso se concentrasse apenas na matéria da zona de conforto. “Se estudar o que não sabe, a chance de aumentar a pontuação será muito maior”. Ele cita como exemplo um candidato que é bom em Matemática e estuda mais a matéria. Provavelmente tiraria 8 pontos em Matemática e 2 em Língua Portuguesa, com um total de 10 pontos nas duas matérias. Se o mesmo candidato estudasse mais Língua Portuguesa do que Matemática, talvez acertasse 6 na primeira e 7 na segunda, com um total de 13 pontos. Provas anteriores Fernando Bentes aconselha a selecionar questões das disciplinas do edital que tenham sido cobradas em provas recentes da banca Cebraspe. “Em concursos públicos, as bancas têm estilo próprios na realização de provas. Acostumar-se ao enfoque de cobrança das bancas é um fator decisivo para ser aprovado. Logo, este deve ser o maior critério para o estudo prático por meio de questões e simulados”, diz. Antonio Batist ressalta que, geralmente, a banca Cebraspe faz provas com estilo “certo e errado”, em que uma questão que o candidato errou acaba eliminando a pontuação de outra questão que acertou. Mas, nesta seleção, o Cebraspe usará um estilo de prova diferente: serão questões com cinco alternativas e não haverá eliminação de uma certa por uma errada. Portanto, segundo ele, o candidato precisa estudar a parte teórica dos conteúdos que serão cobrados de acordo com o edital e fazer muitas provas anteriores do Cebraspe, mas priorizando as provas onde a banca usou o estilo “ABCDE”. “Estudar com materiais desatualizados ou de outras bancas de concursos com estilos muito diferentes podem ser erros fatais”, alerta. Erick Alves aconselha buscar questões mais recentes da banca Cespe, principalmente de concursos de nível médio. E quem vai fazer as duas provas? Os candidatos podem prestar os dois concursos do IBGE, para os cargos de recenseador e agente censitário, pois as datas são diferentes, com diferença de uma semana. Para agente, serão no dia 18 de abril, e para recenseador, no dia 25. De acordo com Fernando Bentes, as provas de agente censitário e recenseador cobram as mesmas disciplinas, com apenas duas diferenças: no primeiro cargo será cobrado Raciocínio Lógico e no segundo, Matemática. Além disso, para agente censitário, o candidato terá que estudar mais uma disciplina: Noções de Administração/Situações Gerenciais. “Mas é importante lembrar que a prova de agente censitário deve ser um pouco mais difícil e complexa do que a de recenseador porque possui a exigência de nível médio”, alerta. Ele recomenda ao candidato que pretende prestar para ambos os cargos focar no conteúdo de agente censitário, com o acréscimo de estudar Matemática, que só será cobrada na prova de recenseador. “Se fizer isso, estará estudando uma vez, mas preparando-se para as duas provas ao mesmo tempo. Sua chance de aprovação vai se multiplicar por dois”, afirma. Antonio Batist aconselha identificar sinergias entre os conteúdos dos dois editais, verificando o que se repete em cada disciplina. “A partir daí, estude pelo cargo mais complexo. Em tese, se conseguir boa nota nele, terá boas chances no cargo mais simples, caso existam conteúdos repetidos ou muito semelhantes”, explica. Segundo ele, aproveitar ao máximo as sinergias entre os editais reduz o esforço de forma inteligente e evita estudar assuntos em duplicidade. Ele recomenda elaborar um cronograma de estudos para cada edital e um terceiro com as sinergias, de acordo com o que é preciso aprender para cada seleção. “Após a primeira prova, faça uma cuidadosa revisão para corrigir falhas e limitações e ampliar as chances de sucesso também na segunda prova. As falhas podem ir desde conteúdos que você precisa aprender melhor até aspectos como ansiedade, sono, controle do tempo durante a prova. Muitas vezes, estudar certo é diferente de estudar muito”, comenta. Erick Alves aconselha escolher um dos dois cargos como principal, para o candidato se dedicar mais. “Vale estudar primeiro os conteúdos que são comuns a ambos cargos e depois os temas específicos”, indica. Dicas para a prova de agente censitário Antonio Batist afirma que as dicas gerais para a prova de agente censitário são basicamente as mesmas para quem vai fazer a prova para recenseador, devido às semelhanças entre os dois editais. Mas, segundo ele, a diferença mais importante está na quantidade de questões e nas disciplinas que compõem a prova: para agente censitário, haverá 10 questões a mais e, embora a disciplina de Conhecimentos Técnicos também seja a que vale mais pontos, há outra que aparece com grande pontuação, que é Noções de Administração/Situações Gerenciais. Ambas as disciplinas reúnem 35 das 60 questões da prova. “O candidato deve estudar todas as disciplinas, mas a soma de noções de administração com conhecimentos técnicos será o diferencial mais decisivo de todos para agente censitário”, afirma. Veja como será a prova objetiva para agente: 10 questões de Língua Portuguesa 10 questões de Raciocínio Lógico Quantitativo 5 questões de Ética no Serviço Público 15 questões de Noções de Administração/Situações Gerenciais 20 questões de Conhecimentos Técnicos Bentes concorda com Batist. E aconselha que o candidato estude com afinco a apostila de Conhecimentos Específicos, fazendo perguntas ao conteúdo que aprendeu, como se estivesse simulando as possíveis questões de prova. No caso de Noções de Administração/Situações Gerenciais, ele acha que o candidato terá que buscar uma apostila completa ou um livro que aborde o conteúdo previsto. E focar no conhecimento de gestão de pessoas e liderança, dois conteúdos que devem ser cobrados porque estão ligados diretamente às funções que vão desempenhar no IBGE. “De modo geral, como a prova é de nível médio, a cobrança da capacidade de reflexão crítica e interdisciplinar deve ser maior do que a de recenseador. Portanto, aconselho um estudo sério e profundo”, diz. Veja Mais

IR 2021: empregadores têm até esta sexta para entregar comprovante de rendimentos

G1 Economia Quem estiver obrigado a declarar precisa fazer isso entre 1º de março e 30 de abril. IR 2021 Editoria de Arte/G1 Termina nesta sexta-feira (26) o prazo para que os empregadores entreguem aos seus funcionários o comprovante de rendimentos do ano passado, documento necessário para a declaração do Imposto de Renda de 2021, referente ao ano-base 2020. Quem estiver obrigado a declarar precisa fazer isso entre 1º de março e 30 de abril. SAIBA TUDO SOBRE O IMPOSTO DE RENDA 2021 O comprovante deverá trazer as informações sobre o total dos rendimentos obtidos pelo trabalhador em 2020 e o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) no período. Bancos e corretoras de valores também têm até esta sexta para disponibilizar aos clientes os informes de rendimento, com dados sobre aplicações financeiras, que deverão ser declarados pelos contribuintes. Esses dados podem ser entregues impressos ou disponibilizados eletronicamente. A expectativa da Receita Federal é de que 32,6 milhões de declarações sejam enviadas no prazo. O volume é cerca de 2% maior do que o de 2020, quando o órgão recebeu 31,9 milhões de declarações, mesmo com o prazo prorrogado em 2 meses por causa da pandemia da Covid-19. A multa para quem deixar de entregar a declaração no prazo terá valor mínimo de R$ 165,74 e valor máximo correspondente a 20% do imposto devido. Os contribuintes já podem acessar o programa gerador do Imposto de Renda 2021. Clique aqui para baixar o programa. Quem precisa declarar em 2021? Devem declarar o Imposto de Renda em 2021: quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2020. O valor é o mesmo da declaração do IR do ano passado. contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado; quem obteve, em qualquer mês de 2020, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas; quem teve, em 2020, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural; quem tinha, até 31 de dezembro de 2020, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil; quem passou para a condição de residente no Brasil em qualquer mês e se encontrava nessa condição até 31 de dezembro de 2020; quem optou pela isenção do imposto incidente em valor obtido na venda de imóveis residenciais cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no país, no prazo de 180 dias, contado da celebração do contrato de venda; quem recebeu o auxílio emergencial em 2020 e, além disso, teve rendimentos tributáveis acima de R$ 22.847,76. Calendário de restituições As restituições começam a ser pagas em maio, de acordo com o cronograma abaixo: 1º lote: 31 de maio 2º lote: 30 de junho 3º lote: 30 de julho 4º lote: 31 de agosto 5º lote: 30 de setembro Assista a mais notícias sobre o IR 2021: Veja Mais

Últimos dias

Vale reverte prejuízo e lucra R$ 26,7 bilhões em 2020

G1 Economia No quarto trimestre, mineradora registrou R$ 4,825 bilhões de lucro,ante prejuízo de R$ 6,408 bilhões no mesmo período do ano passado. Logotipo da Vale em sede da empresa no Rio de Janeiro Ricardo Moraes/Reuters A Vale informou nesta quinta-feira (25) que reverteu o prejuízo de R$ 6,6 bilhões apurado em 2019 e registrou lucro de R$ 26,7 bilhões no ano passado. No quarto trimestre, a mineradora registrou R$ 4, 825 bilhões de lucro, ante prejuízo de R$ 6,408 bilhões no mesmo período do ano passado. No terceiro trimestre deste ano, no entanto, o lucro foi de R$ 15, 615 bilhões. Segundo a empresa, o resultado foi impactado principalmente por maiores despesas relacionadas ao rompimento de barragem em Brumadinho (MG), seguindo o Acordo Global para reparação, em meio a ganhos fortes no segmento de minério de ferro. A receita operacional líquida da mineradora totalizou R$ 208,5 bilhões em 2020, o que representa um aumento de R$ 59,9 bilhões em relação a 2019. O resultado, segundo a empresa, é efeito da desvalorização de 30,7% do real frente ao dólar. O Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, por sua vez, totalizou R$ 87,3 bilhões em 2020, representando um aumento de R$ 45 bilhões em comparação ao valor de R$ 42,3 bilhões registrado em 2019. De acordo com a Vale, em 2020, os investimentos totalizaram US$ 4,430 bilhões, sendo US$ 522 milhões na execução de projetos e US$ 3,908 bilhões na manutenção das operações. O montante foi 20% superior ao aportado em 2019. Caso Brumadinho No relatório financeiro, a mineradora informou também que custos e despesas registrados em 2020, que incluem o caso Brumadinho, totalizaram R$ 151 bilhões, 18% do registrado em 2019 (R$ 7,3 bilhões). Vale assina acordo de R$ 37,68 bilhões para reparar tragédia de Brumadinho Segundo a Vale, o aumento ocorreu em função do efeito negativo da desvalorização do real frente ao dólar e de maiores custos de aquisição de minério de ferro de terceiros. Espera-se que a dívida líquida expandida continue com tendência de queda para US$ 10 bilhões, nível alvo de longo prazo, à medida que a empresa continua a gerar caixa e pagar suas obrigações com Refis, Brumadinho, Renova e Samarco, informou a minedora. Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

STF decide que é válida lei estadual do Rio que protege consumidor do telemarketing

G1 Economia No julgamento, ministros reclamaram desse tipo de ligação. Supremo manteve a norma, que obriga empresas a criar cadastro para reunir os consumidores que não querem receber ligações. O Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quinta-feira (25) manter uma lei do Rio de Janeiro que protege o consumidor das ligações de operadores de telemarketing. A norma estadual obriga empresas de telefonia fixa e móvel a elaborarem um cadastro especial de assinantes que se manifestarem contra o recebimento de chamadas de telemarketing para comercialização de produtos e serviços. Os ministros rejeitaram uma ação proposta pela Associação Brasileira de Concessionárias de Serviços Telefônico Fixo que questionava a lei. A entidade argumentou que cabe à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a atribuição de disciplinar regras entre concessionários e usuários. Também sustentou que a agência já possui um serviço para impedir as ligações indesejadas de telemarketing, sem necessidade, portanto, de que leis estaduais que tratem da questão. Procon-SP registra aumento de 110% nas reclamações sobre ligações de telemarketing O relator do processo, ministro Marco Aurélio Mello, defendeu a atuação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro , que, segundo ele, legislou para garantir a proteção do consumidor de forma suplementar. De acordo com o ministro, não houve invasão da competência da União. Marco Aurélio Mello disse que é "bombardeado" por ligações indesejadas e que “o pobre consumidor não pode sequer dizer desaforos ao telefone porque do outro lado está um robô". Alexandre de Moraes e o presidente do STF, Luiz Fux, também reforçaram as queixas do relator. "Duvido que alguém já não tenha se irritado com essas ligações de telemarketing", disse Moraes. Fux contou que em um único dia recebeu 11 ligações com oferta de um serviço de uma instituição financeira. ‘Não me perturbe’: 240 mil pessoas bloqueiam ligações com ofertas de crédito Divergiram os ministros Nunes Marques, Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes. Barroso, por exemplo, defendeu que o Supremo já entendeu em julgamento anterior que a competência em relação a serviço de telecomunicações da União. Ele considerou, no entanto, que está de acordo com a Constituição o trecho da lei que prevê a possibilidade da oferta de produtos e serviços durante a semana, no horário comercial, mas proíbe essas ligações em qualquer horário nos sábados, domingos e feriados. "De modo que eu considero formalmente inconstitucional, por invasão da competência da União, a parte desta lei do estado do Rio de Janeiro que trata dessa matéria. Porém, no que diz respeito ao telemarketing, em fixar que seja em dias úteis, em horário determinado e com identificação da chamada, não considero mais que seja tema afeto às telecomunicações, mas a um meio específico de propaganda. Aí eu considero existir competência concorrente dos estados", disse Barroso. VÍDEOS: notícias de economia Veja Mais

Caixa lança linha de crédito imobiliário atualizada pelo rendimento da poupança

G1 Economia Equação leva em conta a Taxa Referencial de Juros (TR), uma taxa fixa de relacionamento com o banco e o rendimento da poupança. Taxas finais, com juros de hoje, ficam entre 4,75% a 5,39% ao ano. Caixa Econômica Federal JN A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira (25) uma nova linha de crédito com juros ligados à remuneração da poupança, mais um percentual variável. As contratações pela novo método começam no próximo dia 1º de março. A linha fica disponível para modalidades de imóveis novos, usados, construção e reforma. O prazo máximo é de 420 meses (35 anos), com quota de até 80%. É permitida portabilidade de financiamento realizado com outros bancos. O banco deu detalhes em apresentação com o presidente Pedro Guimarães pela internet. A equação é composta por: Taxa Referencial de Juros (TR) + rendimento da poupança + taxa fixa de relacionamento. Nova linha de financiamento imobiliário da Caixa, referenciada ao rendimento da poupança Reprodução/Caixa Econômica Federal A rentabilidade da poupança é ligada ao percentual de juros da taxa Selic. Quando os juros básicos do país estão abaixo dos 8,5% ao ano, a poupança tem rendimento equivalente a 70% dessa taxa. Com a Selic em em 2% ao ano, a poupança remunera 1,4% no período. A taxa fixa, por sua vez, foi estabelecida de acordo com o grau de relacionamento do cliente com a Caixa, em patamar que vai de 3,35% a 3,99% ao ano. A TR, hoje, está zerada. A Caixa afirma, portanto, que os financiamentos ficam com taxas finais de 4,75% a 5,3%9 ao ano. "Essa conjunção de taxas de juros baixas, menores da história, e valores de imóveis ainda relativamente baixos desde a crise, nos faz entender que é um momento importante e impactante para que continuemos com um volume relevante de crédito imobiliario", disse Pedro Guimarães, presidente da Caixa. Financiamentos imobiliários em 2020 A Caixa também anunciou nesta quinta que bateu recorde histórico de concessão de crédito imobiliário em 2020. Foram R$ 116 bilhões contratados, aumento de 28,8% em relação a 2019. O resultado leva a carteira de crédito do banco para R$ 509,8 bilhões. As contratações de crédito imobiliário com recursos da poupança (SBPE) chegaram a R$ 53,7 bilhões em 2020, crescimento foi de 103% em relação a 2019. O programa Casa Verde Amarela financiou R$ 62,3 bilhões em 2020. "Tivemos alta importante de inadimplência em março e abril, mas houve contenção importante com o programa de pausa de financiamento durante a crise. Chegamos, em fevereiro, a 99,6% de retorno. Basiciamente todas as familias encerraram a pausa com média de inadimplência abaixo da média histórica", disse Guimarães. Além dos novos financiamentos referenciados na poupança, a Caixa também disponibiliza linhas de crédito referenciadas na inflação (pelo índice IPCA), modalidade de TR e taxa fixa de 6,25% e modalidade prefixada com mínimo de 8% ao ano. "Estávamos estudando há alguns meses essa nova operação e só anunciamos quando tínhamos total operacionalidade. Dado o tamanho da Caixa, sabemos que, a partir do momento que essa linha estiver operacional, teremos adesão muito grande", disse o presidente da Caixa. Veja Mais

Google promete mudanças em supervisão de pesquisa após revolta interna, diz agência

G1 Economia Empresa quer conter agitação sobre revisão do trabalho de seus cientistas ligados à inteligência artificial. Google quer mudar processos de revisão de pesquisa. Arnd Wiegmann/Reuters O Google mudará os procedimentos para revisar o trabalho de seus cientistas, de acordo com a gravação de uma reunião ouvida pela agência Reuters, movimento que faz parte de um esforço para conter a agitação interna sobre a integridade de sua pesquisa em inteligência artificial (IA). Em comentários em uma reunião de equipe na sexta-feira passada (19), executivos do Google Research disseram que estavam trabalhando para reconquistar a confiança depois que a empresa demitiu duas mulheres proeminentes e rejeitou o trabalho delas, de acordo com uma gravação de uma hora, cujo conteúdo foi confirmado por duas fontes. Saiba mais: Após demitir cientista negra, profissionais do Google assinam petição contra empresa Google investiga pesquisadora de ética em inteligência artificial As equipes já estão testando um questionário que avaliará os riscos dos projetos e ajudará os cientistas a navegar pelas análises, disse a diretora operacional da unidade de pesquisa Maggie Johnson na reunião. Essa mudança inicial será implementada no final do segundo trimestre, e a maioria dos documentos não exigirá verificação extra, afirmou a executiva. Demissão de cientistas Google enfrentou fortes críticas em dezembro passado após a demissão de Timnit Gebru, pesquisadora que denunciou que foi ordenada a se retratar de um trabalho. Gebru enviou um e-mail interno acusando a companhia de "silenciar vozes marginalizadas", após superiores terem solicitado que ela não publicasse um artigo científico ou retirasse seu nome e de colegas. Ela foi desligada da companhia pouco depois. Em janeiro, a companhia iniciou uma investigação relacionada com a pesquisadora Margaret Mitchell, por supostamente ter baixado um grande número de arquivos e compartilhado com terceiros. Ela foi demitida na última sexta (19). Google no centro de denúncias de racismo após demissão de cientista Modificação de pesquisas A Reuters relatou em dezembro que o Google havia apresentado uma revisão de "tópicos sensíveis" para estudos envolvendo dezenas de questões, como China ou preconceito em seus serviços. Revisores internos exigiram que pelo menos três artigos sobre inteligência artificial fossem modificados para evitar colocar a tecnologia do Google em uma luz negativa, informou a Reuters. Jeff Dean, vice-presidente sênior do Google que supervisiona a divisão, disse na sexta-feira que a revisão "de tópicos delicados" é e era confusa "e que ele encarregou um diretor sênior de pesquisa, Zoubin Ghahramani, para esclarecer as regras", de acordo com a gravação. Ghahramani, um professor da Universidade de Cambridge que ingressou no Google em setembro vindo da Uber Technologies, disse durante a reunião: "Precisamos estar confortáveis com esse desconforto" da pesquisa autocrítica. O Google se recusou a comentar sobre a reunião de sexta-feira. Um e-mail interno, visto pela Reuters, deu novos detalhes sobre as preocupações dos pesquisadores do Google, mostrando exatamente como o departamento jurídico do Google modificou um dos três documentos de inteligência artificial, chamado "Extraindo dados de treinamento de grandes modelos de linguagem". O e-mail, datado de 8 de fevereiro, de um coautor do artigo, Nicholas Carlini, foi enviado a centenas de colegas, buscando chamar sua atenção para o que ele nomeou de edições "profundamente insidiosas" de advogados da empresa. "Vamos ser claros aqui", dizia o e-mail de aproximadamente 1.200 palavras. "Quando nós, como acadêmicos, escrevemos que temos uma 'preocupação' ou encontramos algo 'preocupante' e um advogado do Google exige que mudemos para soar melhor, isso é muito mais um Big Brother intervindo." As edições necessárias, de acordo com seu e-mail, incluíam trocas de "negativo para neutro", como mudar a palavra "preocupações" para "considerações" e "perigos" para "riscos". Os advogados também exigiram a exclusão de referências à tecnologia do Google; da descoberta dos autores de que a inteligência artificial vazou conteúdo protegido por direitos autorais; e as palavras "violação" e "sensível", dizia o e-mail. Carlini não respondeu aos pedidos de comentários. O Google, em resposta a perguntas sobre o e-mail, contestou sua alegação de que os advogados estavam tentando controlar o tom do documento. A empresa disse que não teve problemas com os tópicos investigados pelo artigo, mas encontrou alguns termos jurídicos usados de forma imprecisa e conduziu uma edição completa como resultado. Veja Mais

MP de Paris abre investigação após grande vazamento de dados privados sobre a saúde dos franceses

G1 Economia Arquivo com informações de cerca de meio milhão de pessoas estava circulando na internet há vários dias. Pessoas caminham no centro de Paris em foto de 25 de fevereiro de 2021 Sarah Meyssonnier/Reuters O Ministério Público de Paris anunciou, nesta quinta-feira (25), que abriu uma investigação judicial após um grande vazamento de dados médicos de cerca de 500 mil pessoas na França. A seção de combate aos crimes cibernéticos busca os responsáveis pela divulgação dos nomes, endereços, telefones, e-mails e inscrição na segurança social (uma espécie de CPF). LEIA TAMBÉM: Megavazamento – tire suas dúvidas e saiba como proteger seus dados Em alguns dos casos, há informações mais privadas sobre a situação de saúde dos pacientes, como o grupo sanguíneo, gravidez, tratamentos farmacológicos e doenças pré-existentes. Os dados viriam de cerca de trinta laboratórios de biologia médica, situados principalmente no noroeste da França, noticiou o jornal "Libération". Segundo a publicação, eles correspondem a amostras tomadas entre 2015 e outubro de 2020 – período em que os laboratórios usaram um sistema de segurança falha. Ataques a redes de hospitais Recentemente, a França foi alvo de vários ataques de hackers. Em 8 e 15 de fevereiro, dois hospitais do país ficaram paralisados após duas invasões cibernéticas. "Houve 27 ciberataques a hospitais em 2020 e desde o início de 2021, é um ataque por semana", disse na semana passada o secretário de estado de Assuntos Digitais, Cédric O. Este aumento levou o governo francês a aumentar seu orçamento para reforçar a segurança dessas instituições. VÍDEOS mais vistos do G1 Veja Mais

IR 2021: Receita espera receber 32,6 milhões de declarações

G1 Economia Para o órgão, 60% dos contribuintes deverão ser restituídos neste ano. A Receita Federal liberou nesta quarta-feira (24) as regras do Imposto de Renda 2021. A expectativa da Receita é de que 32,6 milhões de declarações sejam enviadas no prazo, que vai de 1º de março a 30 de abril. SAIBA TUDO SOBRE O IMPOSTO DE RENDA 2021 O volume é cerca de 2% maior do que o de 2020, quando o órgão recebeu 31,9 milhões de declarações, mesmo com o prazo prorrogado em 2 meses por causa da pandemia da Covid-19. Ainda segundo a Receita, 60% dos contribuintes devem ter restituição a receber em um dos 5 lotes. Dos 32,6 milhões, 21% deverão ficar sem imposto a pagar ou restituir. Os 19% restantes terão imposto a pagar. A multa para quem deixar de entregar a declaração no prazo terá valor mínimo de R$ 165,74 e valor máximo correspondente a 20% do imposto devido. VÍDEOS: veja tudo sobre o Imposto de Renda 2021 Veja Mais

Privatização da Eletrobras busca mais reduzir tarifas que arrecadar, diz secretário de Energia

G1 Economia Na última terça-feira, presidente Jair Bolsonaro entregou ao Congresso medida provisória com o objetivo de acelerar a privatização da estatal. A privatização da Eletrobras tem como objetivo principal permitir a redução das tarifas das contas de luz e não o "aspecto arrecadatório", afirmou o secretário de Energia do Ministério de Minas e Energia, Rodrigo Limp, em entrevista ao G1. Na última terça-feira (23), o presidente Jair Bolsonaro entregou ao Congresso a medida provisória que busca acelerar a privatização da estatal. Antes, Bolsonaro causou quedas expressivas nas ações da Petrobras e da Eletrobras ao sugerir e anunciar interferência no comando das duas estatais. No caso da Eletrobras, disse que o governo ia "meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também", sem esclarecer o que faria. Veja os principais pontos da medida provisória de privatização da Eletrobras De acordo com Rodrigo Limp, a redução de tarifas será resultado de mudanças provocadas pela MP e pela troca de comando da Eletrobras após a privatização. Segundo ele, essas mudanças incluem aumento da eficiência e alteração no regime de contrato de parte das hidrelétricas da empresa. Também prevê o pagamento de um bônus para reduzir tarifas. O texto da MP estabelece que, ao ser privatizada, a Eletrobras fará o pagamento de um valor ao governo, estimado atualmente em R$ 50 bilhões. E que metade — ou seja, cerca de R$ 25 bilhões — será destinada a abater encargos que encarecem as contas de luz, enquanto a outra metade irá para o Tesouro. A parte destinada ao Tesouro, que reforçaria o caixa do governo em um momento de alta do endividamento provocada pelo enfrentamento à pandemia, seria paga de uma só vez. Esses R$ 25 bilhões superam o orçamento previsto para a Educação neste ano (R$ 19,9 bilhões). Já o valor para baratear as tarifas será pago ao longo de 30 anos, dividido em parcelas anuais a serem depositadas na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo que financia ações do governo no setor elétrico e que custa aos consumidores cerca de R$ 20 bilhões ao ano. “É claro que a gente considera o aspecto fiscal do país, mas de forma alguma esse projeto tem um aspecto arrecadatório. Eu diria que o principal do projeto é trazer benefícios para os consumidores de energia elétrica”, afirmou Limp. Ele argumenta que os dois projetos anteriores sobre a privatização da Eletrobras, enviados ao Congresso em 2017, pelo governo Michel Temer, e em 2019, por Bolsonaro, previam que uma parcela menor do valor do bônus seria usada na redução de tarifas. “Agora nós aumentamos a participação que vai para reduzir tarifa dos consumidores, justamente com esse viés, de ter um foco mais no consumidor”, disse. Mudança de contrato A medida provisória prevê uma mudança no regime contratual de parte das hidrelétricas da Eletrobras. As usinas sairão do regime de cotas, em que o preço da energia é mais baixo e fixado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e passarão para o regime de produção independente, em que a empresa vai ter liberdade para negociar o preço. Em contrapartida, o governo vai estabelecer um “valor adicionado de outorga” que deverá ser pago pela Eletrobras. Trata-se do valor estimado em R$ 50 bilhões que será dividido entre o Tesouro e o fundo CDE. O regime de cotas foi criado em 2013 por lei sancionada pela então presidente Dilma Rousseff e que promoveu redução nas tarifas de energia. Concessionárias que aderiram tiveram as concessões de suas hidrelétricas renovadas. Em troca, aceitaram receber um valor mais baixo pela energia produzida, fixado pela Aneel, e que hoje está em R$ 114,74 por megawatt-hora (MWh). Entretanto, o regime de cotas também estabelece que o chamado “risco hidrológico” — ou seja, o risco de uma usina não conseguir gerar a energia que vendeu seria dos consumidores. Isso significa que os consumidores têm que pagar, por meio de encargos nas contas de luz como o da bandeira tarifária, pela compra de energia que cobre o buraco deixado pelas hidrelétricas do regime de cotas. Nos últimos anos, isso tem levado a pesados aumentos nas contas de luz já que o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas exige que essa eletricidade reserva venha de termelétricas, que geram energia mais cara. Ao sair do regime de cotas, esse risco passa a ser da nova Eletrobras, o que, na visão do governo, também vai contribuir para a redução das tarifas. Porém, segundo a MP, a saída da Eletrobras do regime de cotas será gradual, num período de três a dez anos. “São alguns fatores que levam a esse benefício para os consumidores [com a privatização da Eletrobras]. Temos a questão do risco hidrológico que deixa de ser alocado no consumidor, que penalizou muito os consumidores cativos nos últimos anos. Temos o aporte na CDE, que reduz encargos pagos por todos os consumidores do Brasil. E temos também a expectativa de aumento de competitividade do setor porque teremos uma empresa do porte da Eletrobras atuando de forma competitiva no mercado, com capacidade de investimento”, disse Limp. Em 2017, após o governo Temer divulgar sua proposta para a privatização da Eletrobras, a Aneel produziu um relatório em que afirmava que a saída das hidrelétricas do regime de cotas iria gerar um "efeito perverso sobre o custo de energia suportado" pelos consumidores, ou seja, aumento nas contas de luz. O ex-diretor da Aneel Tiago Correia avalia que a troca de regimes pode levar a efeito contrário do previsto pelo governo. “A Eletrobras vai poder vender energia mais cara e só metade do valor do adicional vai para a modicidade tarifária. Então, a gente pode esperar impacto tarifário”, disse ele. Ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério de Minas e Energia, e atual presidente da consultoria PSR, Luiz Barroso defende a saída da Eletrobras do regime de cotas e avalia que isso será benéfico para o consumidor. “A oportunidade de equacionar estes itens [risco hidrológico], quando somada ao aporte de 50% da outorga na CDE, pode sim provocar redução tarifária ao consumidor”, disse. O professor aposentado e ex-diretor da Aneel Edvaldo Santana também avalia que a retirada das usinas do sistema de cotas “é a principal saída” para reduzir a pressão sobre as tarifas de energia gerada pela redução no nível dos reservatórios das hidrelétricas. “Como vai descotizar e a nova venda da energia da Eletrobras vai ser num ambiente livre, em leilão, no curto prazo isso vai ser só vantagem para o consumidor”, disse. Bolsonaro entrega ao Congresso MP para privatização da Eletrobras Medida provisória O governo federal entregou na terça-feira (23) ao Congresso Nacional uma medida provisória que busca acelerar a privatização da Eletrobras. O texto prevê que o governo mantenha poder de veto sobre decisões da estatal por meio de ações preferenciais (golden shares). Como a MP tem vigência imediata, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) poderá iniciar os estudos para a privatização da estatal. A privatização da Eletrobras é uma das prioridades da equipe de Paulo Guedes. Atualmente, a União tem mais de 60% das ações da empresa. O texto da medida provisória afirma que a capitalização só pode começar quando a MP for aprovada pelo Congresso e convertida em lei. Nesse prazo, no entanto, o BNDES já poderá elaborar os estudos. A previsão é de que a capitalização propriamente dita – ou seja, a redução da participação da União – ocorra daqui a um ano. Veja Mais

Bolsonaro entrega ao Congresso projeto que abre caminho para a privatização dos Correios

G1 Economia Proposta já tinha sido apresentada em outubro e inclui criação de agência reguladora para substituir Anatel. Na terça, governo entregou ao Legislativo MP de privatização da Eletrobras. O presidente Jair Bolsonaro entregou nesta quarta-feira (24) ao Congresso Nacional o projeto de lei que abre caminho para a privatização dos Correios. Bolsonaro foi ao prédio do Legislativo federal pela segunda vez em dois dias, acompanhado dos ministros Paulo Guedes (Economia) e Fábio Faria (Comunicações). Na terça, o presidente entregou aos parlamentares uma medida provisória que busca acelerar o processo de privatização da Eletrobras (veja abaixo). Segundo material divulgado pelo governo, o texto prevê a transformação dos Correios, hoje 100% estatais, em uma sociedade de economia mista. "A premissa central do texto é permitir que os serviços postais, inclusive aqueles que atualmente são prestados pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) em regime de monopólio, possam ser explorados pela iniciativa privada. Do ponto de vista concorrencial, o texto representa um avanço, visto que elimina restrições à entrada de novas empresas, ampliando a capacidade de competição", diz material divulgado pela Secretaria-Geral da Presidência da República. Os projetos são vistos como uma forma de mostrar apoio à agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, após as turbulências ocorridas com a troca do comando da Petrobras. Por ser de autoria do Executivo, a proposta precisa ser iniciada pela Câmara. Se o texto for aprovado, segue para a análise dos senadores. Governo disse que enviaria ao Congresso no início de 2021 projeto de privatização dos Correios O governo afirma que, enquanto o texto tramita no Congresso, fará estudos para encontrar a melhor forma de privatizar a empresa: venda direta, venda do controle majoritário ou abertura no mercado de ações, por exemplo. A proposta escolhida ainda precisará do aval do Tribunal de Contas da União (TCU). A Secretaria-Geral afirmou ainda que o projeto "não significa, por si só, qualquer decisão pela extinção dos Correios ou sequer por eventual desestatização dos serviços postais. "O objetivo é permitir que o mercado seja explorado pela Administração Pública indireta (tal como realizado atualmente), mas com a possibilidade de exploração também pela iniciativa privada. Isso poderá se dar por diversas formas, tais como concessões, cadastros ou parcerias, que serão futuramente avaliadas. O modelo final a ser adotado para o setor ainda depende de estudos econômicos e setoriais", diz o texto de divulgação. Nova agência reguladora Em outubro do ano passado, o Ministério das Comunicações informou que uma das mudanças do projeto seria a criação de uma nova agência, a Anacom (Agência Nacional de Comunicações), para substituir a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). De acordo com nota do ministério na ocasião, além dos serviços de telecomunicações (telefonia, internet, TV por assinatura), atualmente sob a responsabilidade da Anatel, a nova agência regularia também a prestação de serviços postais no país. O projeto também prevê "a obrigatoriedade, por parte da União, de garantia da prestação do Serviço Postal Universal por meio de empresa estatal", mas "permite que os serviços prestados no âmbito do Sistema Nacional de Serviços Postais sejam explorados em regime privado." Privatização prioritária A privatização dos Correios é uma das prioridades do Ministério da Economia. A estatal acumulou prejuízo de R$ 3,943 bilhões entre 2013 e 2016, mas desde 2017 vem registrando resultados positivos nos balanços anuais. Governo prevê nove privatizações em 2021, entre as quais Correios e Eletrobras Resultados financeiros dos Correios (anos de prejuízo grifados): 2010: R$ 826,947 milhões 2011: R$ 882,747 milhões 2012: R$ 1,044 bilhão 2013: - R$ 312,511 milhões 2014: - R$ 20,309 milhões 2015: - R$ 2,121 bilhões 2016: - R$ 1,489 bilhão 2017: R$ 667,308 milhões 2018: R$ 161,049 milhões 2019: R$ 102,121 milhões MP da Eletrobras Na terça (23), o governo federal entregou ao Congresso Nacional uma medida provisória (MP) que busca acelerar a privatização da Eletrobras. O texto prevê que o governo mantenha poder de veto sobre decisões da estatal por meio de ações preferenciais (golden shares). Veja os principais pontos da medida provisória de privatização da Eletrobras Na última semana, Bolsonaro causou quedas expressivas nas ações da Petrobras e da Eletrobras ao sugerir e anunciar interferências no comando das duas estatais. No caso da Eletrobras, Bolsonaro disse que o governo ia "meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também", sem esclarecer o que faria. O documento foi entregue aos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Lira afirmou que pretende pautar o texto no plenário da Câmara já na próxima semana. Veja Mais

Senado aprova projeto que estabelece Marco Legal das Startups

G1 Economia Texto define regras para funcionamento do setor e cria modalidade de licitação específica para essas firmas. Proposta volta à Câmara dos Deputados. O Senado aprovou nesta quarta-feira (24), com 71 votos favoráveis e nenhum contrário, um projeto de lei com regras e mecanismos de incentivo às startups – empresas recém criadas, de baixo custo e com perfil inovador. As startups podem ser de diversos ramos, como do de tecnologia, por exemplo. Esse tipo de empresa tem baixas despesas de manutenção e, geralmente, registra um crescimento rápido de receita. A proposta teve origem na Câmara, onde foi aprovada no ano passado. O Senado alterou o conteúdo do projeto e, por isso, o texto volta à Câmara para nova análise dos deputados. Batizado de "Marco Legal das Startups", o projeto define o conjunto de regras para o funcionamento do setor. Entre outros pontos, o texto fixa regras de aporte de capitais por pessoas físicas e jurídicas e permite a participação destas empresas em licitações públicas. PEGN: entenda a proposta de Marco Legal das Startups Mercado de startups aposta no crescimento do setor de cibersegurança A matéria aprovada vale para empresário individual, empresa individual de responsabilidade limitada, sociedades empresárias e sociedades simples que atendam aos seguintes requisitos: receita bruta de até R$ 16 milhões no ano anterior ou, no caso de empresa com menos de um ano, receita de R$ 1,3 milhão multiplicado pelo número de meses de atividade no ano anterior; até dez anos de inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil do Ministério da Economia; modelo de negócios inovador para a geração de produtos ou de serviços ou esteja enquadrada no regime especial Inova Simples, programa de estímulo a startups. Licitações O projeto estabelece uma modalidade especial de concorrência para startups. Segundo o texto, a administração pública poderá restringir licitações que visam à contratação de “soluções inovadoras” apenas a este tipo de empresa. A proposta diz que o edital deverá ser publicado no prazo de 30 dias corridos até a data de recebimento das propostas, que serão avaliadas e julgadas por uma comissão especial integrada por, no mínimo, três pessoas. O projeto também permite a contratação de mais de uma startup desde que previsto no edital. O julgamento das propostas apresentadas pelas empresas levará em conta, conforme a proposta: o potencial de resolução do problema pela solução proposta e, se for o caso, da provável economia para a administração pública; o grau de desenvolvimento da solução proposta; a viabilidade e a maturidade do modelo de negócio da solução; a viabilidade econômica da proposta, considerados os recursos financeiros disponíveis para a celebração dos contratos; a demonstração comparativa de custo e benefício da proposta em relação às opções funcionalmente equivalentes. Após o resultado da licitação, a administração firmará o chamado Contrato Público para Solução Inovadora. Esse contrato terá duração de um ano e poderá ser renovado por mais um ano. O valor máximo que a administração pública poderá pagar às startups é de R$ 1,6 milhão, por contrato. Capacidade de adaptação deixa startups brasileiras otimistas para retomada dos negócios Balanço nos jornais O projeto também desobriga companhias fechadas com patrimônio líquido de até R$ 78 milhões e 30 acionistas de divulgarem seus balanços em jornais de grande circulação – podendo fazer apenas pela internet. A legislação atual já dispensa desta obrigação as companhias fechadas com menos de 20 acionistas e patrimônio líquido de até R$ 10 milhões. O trecho, mantido pelo relator Carlos Portinho (PL-RJ), chegou a ser questionado pelos senadores Jorginho Mello (PL-SC) e Zenaide Maia (PROS-RN). Portinho explicou que as micro e pequenas empresas são contempladas no artigo e não terão a obrigação de publicar o balanço nos jornais impressos. São consideradas microempresas negócios com faturamento de até R$ 360 mil por ano e pequenas empresas aquelas com faturamento anual de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões. "O texto como está apresentado ele faculta a publicação em veículos de imprensa para as empresas de pequeno porte, algumas, aquelas até o valor teto estabelecido no artigo; e para possivelmente todas as micro e pequenas empresas", disse Portinho. No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória (MP), mais abrangente, para dispensar todas as empresas por sociedade anônima de publicar balanços contábeis nos jornais impressos. Na ocasião, o presidente criticou a imprensa e disse que a medida reduziria a receita dos jornais. A MP, contudo, foi derrubada na comissão mista e nem chegou a ser votada nos plenários, perdendo a validade de 120 dias. Mudanças Inicialmente, a proposta permitia a regulamentação na legislação brasileira dos planos de "stock options", que consistem num modelo de remuneração, quando a empresa possibilita a compra de ações da companhia pelo seu funcionário. Os ativos podem ser vendidos por preços mais baixos daqueles praticados no mercado. Funciona como um incentivo ao colaborador, que lucra com o crescimento da empresa. O relator, Carlos Portinho, retirou esse ponto e sugeriu que ele seja trabalhado em um projeto específico. O parlamentar explicou que o modelo não é exclusivo das startups, mas serve para outros formatos de sociedade, por isso a necessidade de uma legislação própria. Veja Mais

LG negocia venda de fábrica de celulares no Brasil, diz jornal

G1 Economia Notícia sobre negociação com grupo vietnamita foi publicada pelo "The Korea Times" e gerou apreensão na cadeia ligada à produção de celulares na fábrica brasileira em Taubaté, no interior de SP. Fábrica da LG em Taubaté emprega cerca de mil funcionários, segundo Sindicato dos Metalúrgicos Reprodução/ TV Vanguarda A LG iniciou as negociações para a venda da produção global de celulares da marca, que inclui atividade na fábrica no Brasil, em Taubaté (SP), e na cidade de Haiphong, no Vietnam. A informação foi publicada pelo jornal "The Korea Times" na segunda-feira (22) e dá conta de que a fabricante sul-coreana já iniciou conversas para venda da operação. Apesar de, segundo a publicação, a negociação não ter prosperado com um grupo vietnamita interessado, a empresa segue aberta a novas propostas. Há cerca de um mês, o CEO global da LG, Kwon Bong-seok, afirmou em um comunicado interno que a marca repensaria a atuação no mercado de smartphones. Ainda segundo a publicação, a LG enfrenta 24 trimestres seguidos de prejuízos no setor de celulares. De acordo com o site Statcounter, que mensura a participação de marcas no mercado de celulares, atualmente a empresa tem 6,5% de participação no mercado de smartphones no Brasil e 1,6% no mercado global, onde já chegou a registrar 4,1% em 2014. No Brasil, ela chegou a ter 16,1% do mercado em 2013. A notícia vem gerando apreensão na cadeia ligada à produção de celulares no interior de SP. Funcionários das terceirizadas Sun Tech e Blue Tech aprovaram na sexta-feira (19) o início de uma campanha em defesa dos empregos nas fábricas fornecedoras da LG, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos. As fábricas, que ficam em Caçapava e São José dos Campos, são fornecedoras exclusivas da LG e empregam juntas cerca de 420 funcionários. Na planta, diretamente a LG empresa cerca de mil funcionários, segundo o sindicato. A entidade informou que solicitou uma reunião com o CEO da LG para ter informações oficiais sobre o negócio e eventuais reflexos nas operações em Taubaté, mas que o assunto está sendo tratado com "muitas reservas" pela fábrica. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos, o pedido de reunião não foi atendido pela empresa até a tarde desta quarta-feira (24). A LG foi procurada pelo G1, mas não retornou até a publicação da reportagem. Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina Veja Mais

Dívida pública sobe 0,99% em janeiro e atinge R$ 5,05 trilhões, mostra Tesouro Nacional

G1 Economia Instituição emitiu R$ 155 bilhões em títulos públicos e resgatou R$ 148 bilhões do mercado em janeiro. Cenário externo e preocupação com contas públicas elevaram juros médios no período. A dívida pública federal em títulos – que inclui os débitos do governo no Brasil e no exterior – registrou aumento de 0,99% e atingiu R$ 5,059 trilhões em janeiro, informou a Secretaria do Tesouro Nacional nesta quarta-feira (24). Em dezembro do ano passado, a dívida somava R$ 5,009 trilhões. A dívida pública é a emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal. Ou seja, para pagar despesas que ficam acima da arrecadação com impostos e tributos. No mês passado, de acordo com o governo, a dívida subiu porque as emissões de títulos públicos somaram R$ 155,35 bilhões – superando o volume dos resgates de papéis do mercado, que alcançaram R$ 148,54 bilhões no período. "Destaca-se que, pela primeira vez na série histórica, foi registrada emissão líquida no mês de janeiro, que tipicamente concentra volumes maiores de vencimentos", informou a instituição. A emissão líquida (acima do volume dos resgates) totalizou R$ 6,81 bilhões no mês passado. As despesas com juros, que também atuaram para elevar o endividamento, totalizaram R$ 42,94 bilhões em setembro, informou o Tesouro Nacional. Dívida pública bateu casa dos R$ 5 trilhões há um mês; veja a trajetória do indicador Previsão para 2021 Após a dívida pública registrar um crescimento recorde de R$ 761 bilhões em 2020 por conta dos gastos emergenciais relacionados com a pandemia do novo coronavírus, a previsão da Secretaria do Tesouro Nacional é de nova expansão neste ano. A expectativa da área econômica é de que o endividamento do governo federal em títulos poderá chegar a 5,9 trilhões no fim deste ano. Nesse caso, a alta seria de R$ 891 bilhões. O Tesouro Nacional também informou que o crescimento pode ser menor, de R$ 591 bilhões, o que levaria a dívida pública a R$ 5,6 trilhões. Esse valor representa o piso, ou seja, o aumento mínimo previsto pelo Tesouro para a dívida em 2021, o que equivale a uma alta de 11,79%. Cenário para a dívida De acordo com o Tesouro Nacional, o ano de 2021 iniciou com "volatilidade" (forte variação dos indicadores, como câmbio e juros futuros) por conta da piora nos cenários externo e doméstico. "No externo, ainda que a vacinação tenha avançado em diversos países, a descoberta de variantes do Covid-19 voltou a trazer apreensão aos mercados. No doméstico, a curva de juros [no mercado futuro] apresentou alta nas taxas, reagindo às expectativas em relação à política monetária [expectativa do mercado de alta da taxa Selic pelo BC] e às discussões sobre a prorrogação do auxílio emergencial e seu impacto nas contas públicas", informou a instituição. Segundo o Ministério da Economia, houve elevação nas taxas médias de juros pedidas pelo mercado financeiro, e aceitas pelo Tesouro Nacional, nos leilões de títulos públicos de janeiro "embora permaneçam em níveis historicamente baixos". No mês de fevereiro, acrescentou o Tesouro, tem sido marcado, até o momento, "pela recuperação no mercado externo, com avanço nas discussões de pacotes fiscais em algumas economias e avanço nas campanhas de vacinação, produzindo uma melhora na percepção de risco de emergentes". Entretanto, a instituição observou que o risco Brasil (juros cobrado pelos investidores acima dos títulos do Tesouro norte-americano) teve performance pior que os outros países emergentes "principalmente em função das preocupações sobre a trajetória fiscal [das contas públicas] e avanço da agenda de reformas". Veja Mais

Gasto de brasileiros no exterior em janeiro é o menor para o mês em 16 anos, aponta Banco Central

G1 Economia Gasto somou US$ 308 milhões no primeiro mês deste ano. Resultado reflete restrições a viagens relacionadas com a pandemia e a disparada do dólar. Em janeiro, tradicional mês de férias escolares, os gastos de brasileiros no exterior somaram US$ 308 milhões, de acordo com informações divulgadas nesta quarta-feira (24) pelo Banco Central. Na comparação com o mesmo período de 2020, quando as despesas em outros países totalizaram US$ 1,438 bilhão, a queda foi de 77,2%. Esse também foi o menor valor para o mês de janeiro desde 2005, ou seja, em 16 anos, quando as despesas lá fora somaram US$ 296 milhões. A forte queda nos gastos acontece em meio a restrições provocadas pela pandemia do novo coronavírus, que resultou no fechamento de fronteiras e na suspensão de voos, e que também levou à disparada do dólar. Depois de registrar forte alta de 29% em 2020, a moeda norte-americana registrou novo aumento, de 5,46%, em janeiro deste ano. Além das tensões com a pandemia, dificuldades do governo em levar adiante reformas para reequilibrar as contas públicas têm influenciado o preço da moeda norte-americana. Dólar tem maior alta em 4 meses e fecha valendo R$ 5,47 Com a disparada do dólar, as viagens de brasileiros ao exterior ficam mais caras. Isso porque as passagens e as despesas com hotéis, por exemplo, são cotadas em moeda estrangeira. Gasto de estrangeiros no Brasil De acordo com dados do BC, em janeiro deste ano os estrangeiros gastaram US$ 269 milhões no Brasil, com forte queda frente ao patamar registrado no mesmo mês de 2019 (US$ 675 milhões). Para estimular o turismo no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro assinou no começo do ano passado um decreto para dispensar o visto de visita para turistas de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão que viajarem ao Brasil. Vídeos: assista a mais notícias sobre economia Veja Mais

Emprego: confira 241 vagas ofertadas em 20 municípios de Pernambuco nesta quarta

G1 Economia Há, entre as oportunidades disponíveis através da Agência do Trabalho, vagas para soldador, padeiro, pedreiro, auxiliar de limpeza, eletricista, auxiliar administrativo, entre outros. Do total de oportunidades, seis vagas são temporárias Aline Rickly / G1 Profissionais que estão em busca de uma oportunidade de emprego têm 241 vagas disponíveis através da Agência do Trabalho, da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq), em 20 municípios do estado, nesta quarta-feira (24). Entre as oportunidades há 23 vagas para o cargo de ajudante de carga e descarga de mercadoria no Recife e outras 15 para servente de obras em Vitória de Santo Antão. Também há oportunidades para os cargos de técnico em segurança do trabalho, leiturista, vendedor pracista, padeiro, churrasqueiro, gerente de produção, entre outros (confira lista completa mais abaixo). Há vagas no Recife (67), Arcoverde (2), Belo Jardim (1), Bezerros (6), Cabo de Santo Agostinho (9), Camaragibe (5), Caruaru (45), Garanhuns (7), Escada (1), Goiana (2), Igarassu (1), Ipojuca (13), Palmares (11), Paudalho (4), Petrolina (9), São Lourenço da Mata (1), Salgueiro (5), Santa Cruz do Capibaribe (11), Serra Talhada (8) e Vitória de Santo Antão (33). Os interessados devem procurar uma das Agências do Trabalho do estado. O atendimento ocorre preferencialmente com agendamento, feito pelo site da secretaria ou pelo Portal Cidadão. Vagas de emprego Vagas para pessoas com deficiência Vagas temporárias VÍDEOS: Mais assistidos de Pernambuco nos últimos 7 dias Veja Mais

Após trocar presidente, Bolsonaro diz que não 'briga' com Petrobras, mas quer 'previsibilidade'

G1 Economia Presidente vinha criticando reajustes e indicou general Silva e Luna para comando da estatal. Anúncio fez ações da Petrobras caírem; empresa perdeu valor de mercado; e dólar subiu. O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (23) que não "briga" com a Petrobras, mas quer mais "transparência" e "previsibilidade" da estatal. Na semana passada, Bolsonaro decidiu não reconduzir o atual presidente da estatal, Roberto Castello Branco, e anunciou a indicação do general Joaquim Silva e Luna, atual diretor de Itaipu Binacional, para o cargo. Antes do anúncio, Bolsonaro vinha criticando a Petrobras em razão de reajustes nos combustíveis. O anúncio foi mal recebido por analistas e antigos aliados do presidente. As ações da estatal caíram na Bovespa e na bolsa de Nova York (EUA); a Petrobras perdeu mais de R$ 100 bilhões em valor de mercado; e o dólar subiu. "Nós não temos uma briga com a Petrobras. Nós queremos sim que, cada vez mais, ela possa nos dar transparência e também previsibilidade. Não precisamos esconder reajustes ou seja lá o que for o que integra o preço final dos combustíveis", declarou o presidente ao participar de uma cerimônia no Planalto. No mesmo discurso, Bolsonaro afirmou que Roberto Castello Branco é um "bom gestor", mas Silva e Luna é um "excelente" gestor. Elogios a Paulo Guedes Durante o evento desta terça, Bolsonaro dedicou parte do discurso a fazer elogios ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que ainda não se pronunciou sobre a troca no comando da Petrobras. "Vivemos um momento muito difícil no ano passado e pude contar com grupo de 22 e depois 23 ministros para levar avante propostas e meios para bem atender. Uma das pessoas mais importantes nesta luta foi o senhor Paulo Guedes. Obviamente, por ser um homem que decide a finança do governo, ele tem amigos e opositores e todo mundo ele tratou com muita galhardia. Nós precisamos da economia para vencer a pandemia", afirmou o presidente na cerimônia. Presença de Salles Diagnosticado com Covid-19 na última terça-feira (16), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, participou do evento. Segundo a assessoria do ministro, Salles passou cinco dias sem sintomas e foi liberado pela equipe médica para voltar às atividades. Ainda de acordo com a assessoria, Salles começou a ter sintomas no final de semana de Carnaval e realizou o teste na terça (16). A assessoria falou também que o ministro não realizou um outro teste para saber se ainda está infectado, mas que seguiu recomendação médica. Initial plugin text Veja Mais

LinkedIn fica fora do ar ao redor do mundo

G1 Economia Rede social voltada para contatos profissionais mostrava imagem de erro nesta terça (23), às 16h, mas voltou cerca de 40 minutos depois. Linkedin apresentou instabilidade nesta terça (23) Reprodução A rede social de contatos profissionais LinkedIn, que pertence à Microsoft, apresentou instabilidade nesta terça-feira (23), e ficou fora do ar para usuários ao redor do mundo. Internautas comentaram sobre queda de internet no Twitter por volta das 16h (horário de Brasília). Foram afetadas a versão web, para computadores, e os aplicativos para iPhone e Android e não era possível acessar nenhuma funcionalidade da rede. O site DownDetector, que reúne reclamações sobre instabilidades na internet, registrou problemas no LinkedIn a partir das 15h50, com um pico repentino de 1.200 relatos. Perto das 16h40, o LinkedIn voltou a funcionar normalmente para a maioria dos usuários. Site DownDetector registrou mais de 1,2 mil reclamações para o LinkedIn às 15h50 (horário de Brasília). Reprodução/DownDetector O G1 entrou em contato com o LinkedIn, mas até a última atualização desta reportagem não tinha obtido resposta. Veja alguns relatos de usuários: Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Veja Mais

Relator retoma proposta que permite corte de salário de servidor para reequilibrar contas públicas

G1 Economia Dispositivo entrou na versão da PEC Emergencial protocolada nesta terça-feira no Senado. Pelo texto, corte de salário e de jornada seria permitido em caso de desequilíbrio fiscal, e o governo deverá informar a duração da medida. O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da proposta de emenda à Constituição conhecida como PEC Emergencial, protocolou oficialmente nesta terça-feira (23) sua versão final do texto no Senado. Ele voltou a acolher um dispositivo da proposta original do governo, apresentada no fim de 2019, que permite cortar jornada e salário de servidores públicos para reequilibrar as contas públicas. No relatório, Bittar diz que não é "viável" aplicar o corte de salários enquanto durar a pandemia de Covid-19 e seus efeitos. Segundo Bittar, a pandemia alterou de forma radical o cenário econômico. Depois da pandemia, em situações de desarranjo fiscal, a remuneração de servidores e empregados públicos poderá ser reduzida em até 25%, com correspondente redução de jornada de trabalho. Essa medida poderá ser adotada quando houver descumprimento da chamada "regra de ouro", mecanismo que impede que o governo contraia dívida para pagar despesas correntes, ou seja, despesas do dia a dia, como salário de servidores. A regra de ouro vem sendo descumprida há três anos pelo governo. Para fazer despesas que furavam a regra, o governo teve que pedir autorização do Congresso. De acordo com o relatório de Bittar, o corte de salários e jornada poderá ser formalizado por ato do Poder Executivo, dos órgãos do Poder Judiciário, dos órgãos do Poder Legislativo, do Ministério Público da União, do Conselho Nacional do Ministério Público e da Defensoria Pública da União. O ato deve especificar por quanto tempo durarão os cortes. "Importa assinalar que a redução de remuneração com redução da jornada constitui, dentre as medidas previstas, a única efetivamente capaz de acarretar uma diminuição da despesa com pessoal. As demais somente poderão evitar que ela continue a crescer", diz o relatório. Nesta segunda-feira (22), ao apresentar versão preliminar do documento, o senador Bittar informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a redução de jornada e salário de servidores públicos não estaria contemplada em seu relatório. O fim dos pisos para gastos com saúde e educação nos municípios, que já aparecia na versão anterior da PEC, foi mantido pelo relator. Com isso, estados e municípios estariam desobrigados a investir um valor mínimo nessas duas áreas. Uma PEC, para virar lei, precisa ser aprovada em votações de dois turnos na Câmara e no Senado. Por se tratar de mudanças na Constituição, exigem os votos favoráveis de 3/5 dos parlamentares das duas Casas. Análise: a PEC Emergencial e os gastos com saúde e educação Outras formas de ajuste Além de reduzir jornada e salário de servidor, no caso de não cumprimento da regra de ouro, o governo também poderá suspender a destinação de 28% dos recursos arrecadados com as contribuições do PIS/Pasep ao BNDES. Progressões e promoções, na carreira, de servidores públicos, incluídos os de empresas estatais dependentes, excetuadas as promoções dos membros da magistratura e do Ministério Público, bem como dos integrantes do Serviço Exterior Brasileiro, das carreiras policiais e outras que impliquem alterações de atribuições, também podem ser suspensas. "O período de suspensão das promoções não será computado para fins de concessões futuras e o saldo temporal anterior ao início da vigência das medidas de austeridade será aproveitado na contagem do tempo necessário para as promoções concedidas posteriormente ao fim daquelas medidas", diz o documento. Decisão do STF Em junho do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria de votos, proibir a redução de jornada e de salário de servidores quando os gastos com pessoal ultrapassarem o teto previsto em lei. De acordo com o relatório do senador Márcio Bittar, é certo que a Constituição consagra a garantia da irredutibilidade de subsídios e vencimentos. Ele acrescentou que tal regra, no entanto, está sujeita a restrições. “O próprio dispositivo que a veicula alude, por exemplo, à necessidade de observância do teto remuneratório constitucional, além de dispor que a incidência de imposto de renda sobre a remuneração (eventuais aumentos de alíquota nisso incluídos, obviamente) não configura ofensa à regra de irredutibilidade”, avaliou O texto também diz que o Supremo Tribunal Federal (STF), em julgamento de recurso, “concluiu que a regra da irredutibilidade deve ser harmonizada com outras normas de estatura constitucional, como a do teto remuneratório”. “Ademais, a diminuição da jornada é outro fator que nos leva a concluir não haver violação, pela proposta, da regra da irredutibilidade de vencimentos do servidor público. Com efeito, verificando-se redução proporcional da jornada, permanece inalterada a relação salário/hora”, diz. Acrescenta que é que o “raio de ação do constituinte derivado se revela bem mais largo do que o do legislador infraconstitucional”. “Para que a PEC viesse a ser exitosamente impugnada nesse ponto, deveria restar caracterizada ofensa à cláusula pétrea dos direitos e garantias individuais”, acrescentou. Estados e municípios Segundo o texto apresentado pelo senador, as medidas de reequilíbrio das contas públicas também poderão ser adotadas pelos estados e municípios sempre que as despesas correntes desses entes, no período de doze meses, alcançarem 95% das receitas correntes. “Caberá ao chefe do poder Executivo de cada ente, uma vez configurada a hipótese, decidir se aplicará as medidas de austeridade, as quais poderão permanecer em vigor enquanto as despesas correntes não forem reconduzidas a nível inferior a 95% das receitas correntes”, diz o documento. Acrescenta que a adoção das medidas de estabilização e ajuste pelos estados, Distrito Federal e municípios “constituirá condição para que a União conceda garantia [para novas operações de crédito com instituições financeiras] ao ente federado”. Veja Mais

Honda programa suspensão temporária da produção na fábrica de Sumaré, SP

G1 Economia Montadora afirma que pandemia prejudicou fornecimento de semicondutores, o que afeta a produção do modelo Civic. Paralisação ocorre em 2 etapas, uma em fevereiro e outra em março. Linha de produção da Honda, em Sumaré Caio Mattos/Divulgação Honda A Honda confirmou nesta terça-feira (23) que programou uma suspensão temporária na linha de produção da fábrica de Sumaré (SP). Segundo a montadora, a decisão se deu "pelos impactos da pandemia da Covid-19 nas cadeias globais de suprimento", o que causou a interrupção na entrega de semicondutores. "A interrupção no fornecimento de semicondutores afeta a produção do modelo Civic, realizada em Sumaré", informou a montadora, em nota. Os semicondutores são usados em chips instalados em equipamentos eletrônicos dos veículos. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) afirma que a falta de insumos e componentes, em especial de itens eletrônicos, está "não só prejudicando a plena retomada dos níveis de produção, mas também provocando paradas de vários níveis na maioria das fábricas de veículos no país". O recesso na Honda foi programado em duas etapas, e a primeira ocorreu de 5 a 12 de fevereiro. A segunda interrupção na produção está prevista entre os dias 1 e 10 de março. A empresa também informou que adota as medidas para tentar minimizar os impactos causados pela pandemia. VÍDEOS: veja as últimas notícias sobre economia Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Campinas Veja Mais

INSS suspende prova de vida de aposentados por mais dois meses

G1 Economia A partir de maio, volta a ser obrigatória, segundo o presidente do INSS, Leonardo Rolim. Os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que não fizeram a prova de vida entre março de 2020 e abril deste ano não terão seus benefícios bloqueados. O governo anunciou a extensão do prazo nesta terça-feira (23). A partir de maio, volta a ser obrigatória, segundo o presidente do INSS, Leonardo Rolim. Até então, uma portaria publicada em 20 de janeiro prorrogava a interrupção do bloqueio de benefícios para as competências de janeiro e fevereiro, ou seja, para pagamentos até o fim de março. Com a prorrogação anunciada nesta terça, fica prorrogada a interrupção do bloqueio de benefícios para as competências de março e abril, ou seja, para pagamentos até o fim de maio. A prorrogação vale para os beneficiários residentes no Brasil e no exterior. A rotina e obrigações contratuais estabelecidas entre o INSS e a rede bancária que paga os benefícios permanece e a comprovação da prova de vida deverá ser realizada normalmente pelos bancos. Realizada todos os anos, a comprovação de vida é exigida para a manutenção do pagamento do benefício. Para isso, o segurado ou algum representante legal ou voluntário deve comparecer à instituição bancária onde saca o benefício. O procedimento, entretanto, deixou de ser exigido em março de 2020, entre as ações para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, e a medida vem sendo prorrogada desde então. Desde agosto do ano passado, a prova de vida também pode ser feita por meio do aplicativo ou site Meu INSS por beneficiários com mais de 80 anos ou com restrições de mobilidade. A comprovação da dificuldade de locomoção exige atestado ou declaração médica. Nesse caso, todos os documentos são anexados e enviados eletronicamente. Veja Mais

Quase um terço da população ativa da África do Sul está desempregada

G1 Economia País já estava em recessão quando a primeira onda da Covid chegou, no ano passado. O índice de desemprego na África do Sul alcançou um nível recorde de 32,5% da população ativa entre outubro e dezembro de 2020, informou o órgão de estatísticas do governo nesta terça-feira (23). Este é o nível mais alto desde o início da série estatística em 2008. Em comparação com o terceiro trimestre de 2020, o número de desempregados aumentou em 701 mil, alcançando os 7,2 milhões, informou o Stats SA em um comunicado. Representa "um aumento muito significativo de 1,7 pontos percentuais da taxa de desemprego oficial, até 32,5%", acrescentou. África do Sul começa campanha de vacinação contra Covid-19 A África do Sul, economia mais industrializada de todo o continente, já se encontrava em recessão quando a primeira onda de covid-19 atingiu com força o país desde março passado. Meses de restrições sem trégua para conter o vírus asfixiaram a atividade econômica e destruíram dezenas de milhares de empregos. O Stats SA afirmou que o índice de referência do desemprego subjacente, que não está incluso na taxa oficial, teve uma leve queda. Outras 235.000 pessoas se integraram na categoria dos chamados "buscadores de trabalho desalentados", ou seja, um aumento de 8,7% entre o terceiro e quarto trimestre de 2020. No entanto, o número de desempregados "por razões diferentes do desânimo" caiu em 1,1 milhão, o que equivale a 7,4%. Como resultado de todos esses números, a taxa de desemprego "expandida", categoria que inclui pessoas muito desanimadas para buscar emprego de forma ativa, caiu 0,5 ponto percentual entre ambos os trimestres, marcando 42,6% no final de 2020. Assista as últimas notícias de economia Veja Mais

Concurso IBGE/Censo 2021: veja tira-dúvidas sobre as mais de 180 mil vagas para recenseador

G1 Economia Qual a remuneração? Aposentados e menores de 18 anos podem se inscrever? Precisa morar perto dos locais de coleta? Veja as respostas para essas e outras perguntas. IBGE abre inscrições para 181.898 vagas de recenseador O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) abre nesta terça-feira (23) as inscrições do processo seletivo para quase 182 mil recenseadores para o Censo 2021. Veja aqui o edital do concurso do IBGE para recenseador O recenseador é o responsável por fazer o trabalho da coleta de dados por meio de entrevistas com os moradores com o uso de dispositivos portáteis. O trabalho é temporário - o contrato de trabalho terá duração de 3 meses, podendo ser prorrogado de acordo com as necessidades do IBGE. Os contratados terão seu desempenho avaliado mensalmente. O candidato deve ter nível fundamental completo. A remuneração será calculada de acordo com a quantidade de questionários preenchidos. O IBGE recomenda que os recenseadores se inscrevam para trabalhar em áreas próximas de onde moram para não haver despesas de transporte e facilitar a coleta de dados em locais que tenham maior familiaridade. VEJA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O CONCURSO Concurso IBGE/Censo 2021: veja detalhes em alguns estados Veja como serão distribuídas as vagas do concurso do IBGE VEJA LISTA COMPLETA DE CONCURSOS VEJA VAGAS DE EMPREGO PELO PAÍS Veja abaixo o tira-dúvidas sobre o concurso: Quais as atividades do recenseador? O recenseador deve coletar, presencialmente e por telefone, as informações do Censo Demográfico 2021 em todos os domicílios do setor censitário no âmbito da sua área de trabalho, registrando-as no dispositivo móvel de coleta, de acordo com as instruções recebidas e dentro do prazo estabelecido para comparecer ao posto de coleta, conforme determinação do agente censitário municipal ou do agente censitário supervisor. Como se inscrever? As inscrições devem ser feitas pelo site do Cebraspe - clique aqui para acessar Qual o prazo de inscrição? De 23/02/2021 às 10h até 19/03/2021 às 23:59. Quanto custa a inscrição? A taxa de inscrição é de R$ 25,77. Onde serão as vagas? Há vagas distribuídas para praticamente todos os municípios do país. Qual a remuneração do recenseador? A remuneração é variável e não há um piso nem um teto de quanto ele poderá receber. Eles serão remunerados pela produção, de acordo com o número de domicílios visitados e questionários respondidos. Ou seja, quanto mais entrevistas realiza, quanto mais coletas faz, mais ele recebe. No hotsite do Censo 2021 haverá um simulador em que os candidatos poderão estimar a remuneração a ser obtida, com base nos valores pagos por setor censitário nas diferentes localidades do país. Essa ferramenta será lançada nesta terça. Quais os benefícios oferecidos ao recenseador além da remuneração? Os recenseadores terão direito ao 13º salário e a férias proporcionais ao período em que trabalharem para o IBGE. Não está previsto o pagamento de auxílio transporte ou auxílio alimentação para os recenseadores pelo fato de não terem carga horária de trabalho estabelecida em contrato. Pode se inscrever quem já concluiu o ensino médio? Sim. A escolaridade mínima é o nível fundamental (antigo 1º grau), mas pessoas com o nível médio e até superior completo também podem se inscrever. Quais as etapas do concurso? A seleção terá a realização de prova objetiva, de responsabilidade do Cebraspe, e de treinamento, de responsabilidade do IBGE, ambos de caráter eliminatório e classificatório. Quando e como serão as provas objetivas? As provas serão presenciais, em 25 de abril, em todos os municípios onde houver vagas. As provas terão: 4 horas de duração, aplicada no turno da tarde 10 questões de Língua Portuguesa 10 questões de Matemática 5 questões sobre Ética no Serviço Público 25 questões de Conhecimentos Técnicos O conteúdo programático está disponível nos editais. Veja aqui. Quem será convocado para o treinamento? Serão convocados para o treinamento os candidatos classificados dentro do número de vagas. Os demais classificados serão mantidos em lista de espera, podendo ser chamados posteriormente para realização do treinamento em função de reprovação de candidato no treinamento ou eventual desocupação da vaga, de acordo com a necessidade de trabalho e disponibilidade orçamentária. Como será o treinamento? A duração do treinamento é de cinco dias, com carga horária diária de 8 horas. O treinamento será composto por leitura do Manual do Recenseador e curso presencial. Após essas etapas, o candidato fará um teste final, no qual deve acertar pelo menos 50% das respostas e ter no mínimo 80% de frequência. Para que serve o treinamento? O treinamento é para capacitar o recenseador para a aplicação de conceitos e de procedimentos estabelecidos para o Censo Demográfico 2021. A efetivação dos contratos de trabalho estará condicionada ao resultado obtido no teste final do treinamento. Durante o treinamento dos aprovados, as despesas de alimentação e hospedagem correrão por conta do candidato? Os candidatos que tiverem, pelo menos, 80% de frequência no treinamento presencial, terão uma ajuda de treinamento referente aos dias em que compareceram integralmente. Em que período será o treinamento? O treinamento dos recenseadores está previsto para a primeira semana de julho. Os locais e as datas do treinamento presencial serão divulgados no endereço eletrônico https://censo2021.ibge.gov.br/sobre/treinamento-21.html. Faço 18 anos em julho, posso me inscrever? Sim. Os candidatos deverão ter 18 anos completos na data de contratação, prevista para julho. Quem completar essa idade depois disso não pode se inscrever. Há limite de idade para se inscrever no processo seletivo? Não. O candidato classificado irá trabalhar em dedicação exclusiva ao IBGE? Não. Qual a jornada diária recomendada para que ele consiga cumprir a meta de entrevistas? É recomendável que o recenseador disponha de ao menos 25 horas semanais para as entrevistas. A jornada de trabalho será em que turno do dia? O recenseador receberá um setor censitário para trabalhar e entrará em acordo com seu supervisor sobre prazo para realizar a totalidade das entrevistas. Sua jornada não será controlada pelo IBGE, já que ele será pago por produção (número de entrevistas que realizar). Ele poderá trabalhar, inclusive, nos finais de semana e feriados. Qual a média de remuneração que ele pode receber, dependendo da quantidade de questionários respondidos? Eles serão remunerados por produtividade, de acordo com a quantidade de residências visitadas e pessoas recenseadas, considerando ainda a taxa de remuneração de cada setor censitário –que tem em média 300 domicílios -, o tipo de questionário preenchido (básico ou amostra) e o registro no controle da coleta de dados. Por isso, o IBGE não informa o valor médio de remuneração. Há um número mínimo de questionários que ele terá de preencher semanalmente ou mensalmente? Não há. Quanto mais ele preencher, maior a remuneração. Cada questionário equivale a uma pessoa ou a uma família? Cada questionário equivale a um domicílio. Pode haver duas famílias em uma mesma moradia, mas a unidade de referência dos censos do IBGE é o domicílio, e uma pessoa pode responder por todos os familiares. Se o recenseador desempenhar bem suas funções poderá ficar pelo período máximo de contrato ou a ele é dada uma cota máxima de questionários e, se conseguir cumpri-los, o contrato termina automaticamente? Se ele terminar um setor censitário rapidamente, ele recebe outro para trabalhar. Se o candidato encontrar dificuldade para se inscrever pela internet, o que é recomendado fazer? As inscrições são feitas exclusivamente pela internet. O IBGE informa que não ter relatos de problemas. É obrigatório que os candidatos se inscrevam para trabalhar na região onde moram? Não é obrigatório, mas é recomendável. Trabalhando perto do seu local de residência, os candidatos terão economia de custos com deslocamento entre sua casa e os domicílios a serem visitados. Além disso, os mais ambientados em suas regiões de trabalho poderão ter uma produtividade maior e, consequentemente, uma remuneração melhor. O IBGE fornecerá, ao término do contrato, algum certificado comprovando o trabalho prestado pelo recenseador? O próprio contrato é a comprovação do trabalho, inclusive em termos previdenciários. A contratação começa após o treinamento? Em que data? A previsão para contratação é em julho. O trabalho de campo do Censo 2021 começa em agosto. Está prevista isenção de taxa de inscrição no concurso? Para quais casos? Sim, nos casos previstos no item 7.4.8 do edital, que são inscritos no CadÚnico e doadores de medula óssea. Os pedidos são aceitos somente via internet até o dia 19 de março. Fui aprovado em um concurso, minha carga horária é de 20 horas, porém não assumi ainda e o concurso tem validade de 2 anos. Posso participar do processo seletivo? Não tendo assumido um cargo público, é possível a participação na seleção. Entretanto, à época da contratação o candidato precisa não estar incompatibilizado com a Lei nº 8.745/93, que proíbe a contratação de servidores da administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como de empregados ou servidores de suas subsidiárias e controladas. Sou funcionário de uma empresa privada, com registro em carteira. Posso participar do concurso? Sendo de empresa privada, é possível participar do processo seletivo. Pessoas com deficiência podem participar do processo seletivo? Sim. Estão reservadas 5% do total das vagas aos portadores de necessidades especiais. O edital prevê ainda reserva de 20% das vagas para pessoas pretas ou pardas. Sou funcionária municipal efetiva, posso fazer o concurso? Não. A Lei nº 8.745/93 proíbe a contratação de servidores da administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Quem já é aposentado pode participar do concurso? Sim, desde que não seja aposentado pela administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, ou por suas subsidiárias e controladas. Em caso de aprovação, como o candidato será convocado? O candidato classificado será convocado por e-mail, telefone e/ou correspondência direta (telegrama), conforme dados informados no aplicativo de inscrição. Ele pode ainda acompanhar as convocações pelo portal do IBGE na internet, na aba Trabalhe conosco. O IBGE fornecerá todos os equipamentos de segurança para prevenção da Covid-19 aos recenseadores? Sim. Pretendo prestar para recenseador e agente censitário. Se eu passar nos dois concursos, eu posso assumir os dois cargos? Não. Deverá escolher um. Assista a mais notícias de Economia: Veja Mais

É possível obter a localização de alguém pelo WhatsApp sem que a pessoa saiba?

G1 Economia Tira-dúvidas também comenta privacidade das confirmações de visualização. Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados etc.), envie um e-mail para g1seguranca@globomail.com. A coluna responde perguntas deixadas por leitores às terças e quintas-feiras. 'Limitações' dos programas de mensagens podem ser importantes para proteger a utilidade dos recursos desses aplicativos. Altieres Rohr/G1 Gostaria de tirar duas dúvidas: É possível acompanhar a localização de alguém através do WhatsApp sem que a pessoa saiba? É possível saber quem visualizou o status do WhatsApp quando a pessoa desativou a visualização? – Mônica Mônica, a resposta para as duas perguntas é "não". A primeira questão é mais simples. O compartilhamento de localização do WhatsApp só é ativado quando o compartilhamento de localização é solicitado explicitamente, tocando no ícone do clipe de papel e depois em "Localização". Fora disso, o WhatsApp não compartilha a localização. O compartilhamento de localização também não pode ser iniciado pelo WhatsApp Web. É necessário que seja usado o telefone para ativar esse compartilhamento e, caso seja acionado o compartilhamento em tempo real, o WhatsApp mantém uma notificação ativa enquanto o recurso estiver funcionando. Aliás, usar qualquer aplicativo para compartilhar a localização pode ser difícil, pois as versões mais recentes do Android e do iOS exibem notificações sobre o acesso constante à localização do aparelho por apps que estiverem sendo executados segundo plano. Sobre a segunda pergunta, as confirmações de leitura do WhatsApp (que geram os dois tiques azuis para confirmar uma visualização) também se aplicam aos "status" do WhatsApp. É o que diz a documentação oficial do aplicativo: "Se você desativar as confirmações de leitura, não conseguirá ver quem visualizou suas atualizações de status. Se um contato desativar as confirmações de leitura, você também não poderá ver se esse contato visualizou suas atualizações de status." Ou seja, se você desativar a confirmação de leitura, você não poderá saber quem viu seus status, mas seu nome também não aparecerá para as outras pessoas quando você visualizar os status delas. Não existe nenhuma forma de burlar isso e, caso alguma forma seja encontrada, seria uma falha do aplicativo que precisaria ser corrigida em uma atualização. A dinâmica das confirmações de leitura é um recurso necessário: se todo mundo pudesse e ver quem lê as mensagens enviadas sem revelar as mensagens que visualiza, não haveria nenhum incentivo para manter o recurso ativado. Com o tempo, ninguém estaria compartilhando as informações sobre visualização e o recurso deixaria de ter utilidade. Portanto, a obrigação de compartilhar a informação de visualização para poder ver quando alguém lê suas mensagens é importante para manter esse recurso útil e funcional. Se a pessoa decidiu desativar as confirmações de leitura apesar disso, cabe a você respeitar a privacidade dela. O WhatsApp poderia separar as confirmações de leitura das mensagens e dos status, mas, atualmente, isso não acontece. A privacidade da visualização do status é regida pela mesma opção que a das mensagens: a confirmação de leitura. Qualquer tentativa de burlar esse mecanismo não será realizada pelo cliente oficial do WhatsApp – o que pode trazer uma série de problemas ou até fazer você cair em um golpe. Muito cuidado com quem promete o "impossível". GBWhatsApp e FMWhatsApp são seguros? Entenda por que é melhor evitar versões 'alternativas' do app Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Seis perguntas sobre a nova política de privacidade do WhatsApp Veja 5 dicas para sua segurança digital: 5 dicas de segurança para sua vida digital Assista a mais vídeos para se manter seguro na internet: Veja Mais

Contas de luz devem ter neste ano maior aumento médio desde 2018, aponta Aneel

G1 Economia Agência estima alta de 13%, que com devolução de impostos pode cair a 8%, índice que ainda seria o maior em três anos. No sábado (20), Bolsonaro falou em 'meter o dedo' na energia. O aumento médio nas contas de luz em 2021 deve ser o maior desde 2018, de acordo com o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone. Atualmente, informou ele, a estimativa da agência é que o aumento médio fique em 13% em 2021. Esse percentual cairia para 8% com a devolução aos consumidores de uma parte dos R$ 50 bilhões em impostos cobrados a mais nas contas de luz nos últimos anos (leia mais abaixo). Mesmo assim, o aumento de 8% continuaria sendo o maior desde 2018, quando a alta média das tarifas foi de 15%. O G1 procurou o Ministério de Minas e Energia, mas não obteve resposta. O Ministério da Economia informou que não comentaria o assunto. No sábado (20), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que vai "meter o dedo na energia elétrica". Segundo ele, isso é "outro problema" do país. Ele deu a declaração um dia depois de anunciar a troca do presidente da Petrobras, em meio a pressões geradas por seguidos aumentos no preço dos combustíveis. Esse forte reajuste nas contas de luz viria num momento em que o país ainda sofre com os reflexos da pandemia da Covid-19 na economia. Por isso, segundo informou Pepitone em entrevista ao G1, já estão sendo feitos estudos de medidas adicionais para aliviar a pressão sobre as tarifas de energia. “[O aumento médio de 8%] ainda é alto. Então a gente tem que encontrar medidas adicionais também para trabalhar esses 8%”, disse Pepitone. "Estamos avaliando neste momento quais seriam essas opções, mas estamos buscando medidas neste sentido", completou. Ele disse que a contratação de um novo empréstimo bancário, solução encontrada para aliviar dificuldades no setor elétrico em 2014 e em 2020, não foi "cogitada". Para o diretor-geral da Aneel, o ideal "é buscar recursos no próprio setor para abater essas tarifas." O que provoca o aumento? Vários fatores estão contribuindo para o forte aumento das contas de luz em 2021, de acordo com a Aneel. Eles vão do maior uso de termelétricas até o câmbio. A disparada do dólar desde o ano passado, motivada principalmente pela pandemia, encarece a energia da hidrelétrica de Itaipu, maior usina do país e responsável por atender a cerca de 10% de toda a demanda nacional. A energia da usina é cotada em dólar e o seu encarecimento prejudica especificamente os consumidores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste - a legislação estabelece que são as distribuidoras dessas três regiões as responsáveis por comprar a energia da usina. Segundo Pepitone, a energia de Itaipu, sozinha, vai "puxar para cima" o reajuste das tarifas em 3,3% neste primeiro semestre. Outro fator contribuindo para inflacionar as contas de luz neste ano é o uso mais intenso de usinas termelétricas, que geram energia mais cara. O governo aciona mais termelétricas quando é preciso poupar água das hidrelétricas devido à falta de chuvas. De acordo com dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste chegaram ao final de janeiro com o menor nível de armazenamento para o mês desde 2015. Por isso, o país tem usado mais termelétricas nos últimos meses. O aumento também é reflexo de: Alta dos custos com transmissão de energia: os consumidores terão que pagar R$ 2,2 bilhões a mais para remunerar transmissoras que entraram em operação nos últimos meses; Avanço do IGPM: o índice de inflação, conhecido por corrigir os contratos de aluguel, também é usado para correção de parte (18) dos contratos com distribuidoras de energia e teve alta de 23,14% em 2020; Pagamento de indenização a transmissoras: serão pagos R$ 3,3 bilhões neste ano a empresas com direito a serem ressarcidas por investimentos feitos no passado; Déficit das Bandeiras Tarifárias: o sistema, que aplica uma cobrança extra nas contas de luz para cobrir custos com aumento do preço da energia, foi suspenso por seis meses em 2020 e arrecadou menos que o necessário. A diferença, de R$ 3,1 bilhões, será cobrada nas tarifas neste ano. Aneel arrecada menos com tarifa e conta de luz fica mais cara “Agora em 2021 nós temos um cenário de pressão tarifária", disse Pepitone. Para "remediar" essa situação, ele defende o "engajamento de diversos atores" para que a Aneel possa devolver neste ano uma parte dos R$ 50 bilhões em impostos cobrados a mais dos consumidores. Essa devolução se tornou possível depois de decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) contra a inclusão do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), um imposto estadual, na base de cálculo do PIS/Pasep (Programa de Integração Social/Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) e da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), que são tributos federais. A inclusão do ICMS na conta inflava o valor do PIS/Pasep e da Cofins a ser pago pelos consumidores nas contas de luz. Ao considerar isso ilegal, o STF determinou que o governo devolva o valor cobrado a mais. No ano passado, a Aneel já conseguiu usar essa devolução para reduzir o reajuste nas tarifas da Cemig, distribuidora que atua em Minas Gerais, por exemplo. A agência fez um cálculo e estimou em R$ 50 bilhões o valor que foi cobrado a mais nas contas de luz e, neste mês de fevereiro, abriu uma consulta pública para discutir a sua proposta que é de devolver o montante aos consumidores em 5 anos. Pepitone diz que já iniciou conversas com o Ministério da Economia para conseguir fazer essa devolução já a partir de 2021, o que ajudaria a aliviar o aumento nas contas de luz. A devolução, porém, vai reduzir a arrecadação do governo. “A gente já tá querendo começar a usar esses créditos já de imediato em todos os processos tarifários que vamos julgar", disse o diretor-geral da Aneel. VÍDEOS: notícias de economia Veja Mais

Bolsonaro edita decreto que obriga posto a informar em painel composição do preço do combustível

G1 Economia Decisão ocorre após troca de comando da Petrobras após críticas do presidente sobre a política de preços dos combustíveis. Ação foi entendida pelo mercado como interferência do Planalto na estatal e provocou derretimento das ações da empresa. Ações da Petrobras têm queda histórica JN Um decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) obriga postos de combustíveis em todo o país a informar a composição do valor cobrado na bomba em painel em local visível. A norma foi publicada nesta terça-feira (23) do Diário Oficial da União (DOU) e entrará em vigor em 30 dias. O painel terá os componentes do preço do combustível, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado pelos estados. Além disso, em caso de tarifa promocional, os estabelecimentos devem informar aos consumidores os preços reais praticados. A Secretaria-Geral da Presidência da República informou que "a medida prevê mais clareza dos elementos que resultam no preço final e dará noção sobre o real motivo na variação de preços" e "fortalece um dos pilares da defesa do consumidor, que é o direito à informação". O decreto foi publicado na esteira da decisão do presidente de trocar o comando da Petrobras após criticar o preço dos combustíveis. A estatal agora será presidida por um militar, o general Joaquim Silva e Luna. Bolsonaro nega interferência na Petrobras, mas a ação provocou instabilidade no mercado e o derretimento das ações da empresa. Além disso, um juiz federal de MG deu 72 horas para o governo explicar a troca na presidência da companhia. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu investigação sobre a troca de presidente na Petrobras. Isso porque a egislação societária exige que informações como esta sejam comunicadas, antes, à CVM. Não foram informados detalhes sobre a condução do processo de apuração. Preço final De acordo com o texto da assessoria de comunicação da Secretaria-Geral da Presidência, a edição do decreto pretende dar clareza ao consumidor sobre o motivo da variação do preço final dos combustíveis. "Como a oscilação nos preços dos combustíveis está atrelada aos preços das commodities no mercado internacional, e suas cotações variam diariamente, o consumidor muitas vezes não compreende o motivo da variação no preço final". Cálculo do ICMS Bolsonaro encaminhou neste mês ao Congresso um projeto de lei complementar que propõe mudanças no cálculo do ICMS sobre os combustíveis. A intenção do governo é fixar uma "alíquota uniforme e específica" – ou seja, um valor fixo e unificado em todo o país – para cada combustível com base na unidade de medida, com as seguintes regras: que o ICMS será recolhido uma única vez sobre gasolina, diesel, álcool, querosenes e óleos combustíveis, biodiesel, gás natural e gás de cozinha, entre outros produtos do tipo; que o ICMS será cobrado na refinaria – nos termos da lei, serão contribuintes do ICMS "o produtor e aqueles que lhe sejam equiparados e o importador dos combustíveis e lubrificantes"; que a alíquota de ICMS para cada combustível será uniforme em todo o país, com um valor fixado em reais – e não como uma porcentagem do preço total; que essa alíquota será definida por deliberação dos estados e do Distrito Federal; que o ICMS sobre lubrificantes e combustíveis de petróleo será recolhido na unidade da Federação onde houver o consumo final; que mudanças nessas alíquotas só terão validade após uma "carência" de 90 dias. Antes, Bolsonaro disse que vai zerar tributos federais sobre o diesel durante dois meses. Veja Mais

Juiz federal de MG dá 72 horas para presidente Bolsonaro explicar mudanças na Petrobras

G1 Economia Presidente indicou general da reserva para assumir a estatal depois de demonstrar irritação com a alta dos preços dos combustíveis. A Advocacia-Geral da União (AGU) disse que 'não comenta processos em tramitação judicial'. O juiz da 7ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, em Belo Horizonte, André Prado de Vasconcelos, determinou que o presidente Jair Bolsonaro, a União e a Petrobras expliquem, no prazo de 72 horas, a indicação do general Joaquim Silva e Luna para presidente da estatal. Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas Bolsonaro fez o anúncio na sexta-feira (19). O general é o atual diretor da Itaipu Binacional. Se confirmado, Silva e Luna substituirá o atual chefe da estatal, Roberto Castello Branco, indicado pelo presidente após as eleições de 2018. A determinação do juiz federal foi motivada por um pedido de liminar feito pelos advogados Daniel Perrelli Lança e Gabriel Senra para impedir a saída do atual presidente e a posse do general. "Houve um desrespeito à lei das estatais, atropelando a decisão que é do conselho da empresa. Tanto no mérito quanto na forma há irregularidades nesta indicação. O general não cumpre os requisitos determinados pela lei", disse Lança. O advogado disse ainda que o presidente está nitidamente constrangendo o Conselho de Administração, interferindo na estatal por interesses político-ideológicos. Segundo a lei das estatais, a lei 13.303/2016, os membros do Conselho de Administração e os indicados para os cargos de diretor, inclusive presidente, diretor-geral e diretor-presidente, devem ter dez anos de experiência na área de atuação da empresa, além de ter formação acadêmica compatível com o cargo para o qual foi indicado. Segundo a ação, o general não possui estes requisitos. Na decisão, o juiz Vasconcelos diz que “conforme amplamente divulgado pelos veículos de comunicação, a aprovação do indicado para a Presidência da Petrobras depende de deliberação do respectivo Conselho de Administração, ainda não ocorrida”. Juiz federal determina que Bolsonaro explique indicação para presidência da Petrobras TRF 1ª Região/Reprodução Ele ainda ressalta que a determinação é “para fins de análise do pedido de liminar, sem prejuízo de futura citação e consequente abertura de prazo para contestação”. Há a expectativa que a liminar seja analisada ainda esta semana. A Advocacia-Geral da União (AGU) disse que "não comenta processos em tramitação judicial". Indicação Silva e Luna deverá se tornar o primeiro militar a assumir o comando da Petrobras desde 1989, quando o oficial da Marinha Orlando Galvão Filho deixou o cargo. A estatal foi comandada por militares durante a maior parte do período ditatorial e chegou a ser capitaneada entre 1969 e 1973 pelo general Ernesto Geisel, que viria a se tornar presidente da República nos cinco anos seguintes. O anúncio aconteceu após Jair Bolsonaro fazer críticas à gestão da Petrobras e às sucessivas altas no preço dos combustíveis. O presidente afirmou que o último reajuste de preço da Petrobras foi “fora da curva”. Ele se referia ao quarto aumento do ano, de 10% na gasolina e 15% no diesel. Castello Branco foi uma indicação do ministro da Economia, Paulo Guedes, ao presidente Bolsonaro. O ministro, no entanto, não se manifestou sobre a troca no comando da estatal até o momento. Veja Mais

Leilão do 5G: presidente da Anatel propõe implantação gradual de tecnologia de ponta

G1 Economia Proposta diverge do voto do relator do edital, que exigia a construção imediata de uma rede de 5G, tecnologia que promete velocidade de internet bem superior. O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler e Morais, propôs nesta quinta-feira (25) durante reunião do conselho diretor do órgão a implantação gradual de uma rede de banda larga para 5G, tecnologia que promete uma velocidade de internet bem superior à das tecnologias atualmente disponíveis. Morais fez a proposta ao apresentar o voto em reunião do conselho diretor da Anatel que decide sobre o edital de licitação do leilão do 5G. Em seu voto, o presidente da agência sugeriu que a nova rede seja exigida integralmente somente a partir de 1º de janeiro de 2025. Enquanto isso, poderia ser instalada gradualmente, e as operadoras poderiam usar a infraestrutura que já têm para ofertar o serviço. O voto de Morais divergiu do voto do relator do edital, conselheiro Carlos Baigorri, que propôs que se exigisse das vencedoras do leilão a construção imediata da nova rede 5G, para a oferta do serviço na faixa de 3,5 GHz. (ATUALIZAÇÃO: no início da noite, o conselho diretor da Anatel concluiu a reunião e aprovou o edital do leilão. Prevaleceu, por maioria de votos, a posição do relator. Com a aprovação, a proposta segue agora para avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU). Apesar de não ser obrigatório o governo costuma aguardar o aval da corte de contas antes de marcar o leilão. O governo prevê fazer o leilão ainda no primeiro semestre. No leilão, serão ofertadas quatro faixas de frequência: 700 MHz; 2,3 GHz; 26 GHz; e 3,5 GHz.) A faixa de 3,5 GHz é a que desperta mais interesse das empresas de telefonia, por exigir menos investimentos para a implantação da tecnologia. Entenda o que é o 5G e como ele pode revolucionar a tecnologia no Brasil A exigência proposta pelo relator impediria as operadoras de usar redes existentes como a do 4G para ofertar o serviço de 5G. O argumento do relator é que somente com a rede nova o consumidor teria realmente uma experiência de 5G, com velocidade maior que as atualmente disponíveis. Morais defendeu a implantação gradual dessa rede para dar tempo às empresas. “Para um ambiente justo e saudável é fundamental conferir ao agente privado a faculdade de buscar a inovação”, afirmou O voto do relator foi apresentado no último dia 1º, quando o presidente da agência pediu vistas do processo (mais tempo para analisar). Mesmo após o pedido de vistas, outros dois conselheiros da Anatel, Vicente de Aquino Neto e Moisés Moreira, adiantaram seus votos, favoráveis ao relatório de Baigorri. No entanto, eles ainda podem alterá-los. Tecnologia 5G pode movimentar US$ 25 bilhões no Brasil em quatro anos Parabólica Em seu voto, Morais manteve a previsão de que as empresas vencedoras do leilão paguem pela transferência do sinal de parabólicas, que hoje ocupa uma das faixas de frequência a serem usadas para o novo serviço. A proposta prevê que o sinal das parabólicas passe da faixa de 3,5 GHz, que será usada no 5G, para a banda Ku. Essa solução é defendida pelas emissoras comerciais de TV, para as quais é uma medida mais permanente, a fim de evitar interferências e garantir que a TV gratuita continue chegando a todos os que recebem o sinal das emissoras por parabólica no interior do país. Veja Mais

PEC Emergencial: fatiar votação e separar auxílio de contrapartidas é 'pior para todos', diz Tesouro

G1 Economia Proposta está no Senado e viabiliza retomada do auxílio emergencial. Relator propôs excluir investimento mínimo em saúde e educação, e líderes passaram defender fatiamento do texto. O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, afirmou nesta quinta-feira (25) que um eventual fatiamento da chamada PEC emergencial, separando o auxílio emergencial das contrapartidas exigidas, é "pior para todos". Para ele, a medida pode criar "ambiente de incerteza". A proposta de emenda à Constituição está no Senado e prevê mecanismos em caso de descumprimento do teto de gastos, regra que limita as despesas da União à inflação do ano anterior. O texto viabiliza a prorrogação do auxílio emergencial. O relator da proposta, senador Márcio Bittar (MDB-AC), incluiu no relatório a previsão de não haver mais a regra de investimento mínimo nas áreas de saúde e educação. Diante disso, parte dos líderes avalia que a PEC terá dificuldade de avançar, e alguns passaram a defender a votação fatiada da proposta. "Para que esse auxílio seja sustentável, precisa de contrapartida. Caso contrário, vai ficar um ambiente de incerteza tão grande que vai ser ruim para todos. Acredito nos nossos congressistas. Não vejo como possibilidade ser fatiado, vai ser pior para todos", afirmou o secretário do Tesouro nesta quinta. A previsão era a PEC ser votada nesta quinta, mas a análise foi adiada para a semana que vem (veja detalhes no vídeo abaixo). Votação da PEC Emergencial fica para a semana que vem Na avaliação de Bruno Funchal, não se pode olhar somente para o auxílio emergencial sem adotar medidas para que a atividade econômica seja retomada, e as pessoas voltem a trabalhar. "Para isso, precisa ter um ambiente controlado. O efeito desse fatiamento seria extremamente perverso", acrescentou. O secretário do Tesouro disse ainda que, quando há notícias sobre a possibilidade de fatiamento da PEC emergencial, o mercado financeiro reage e há aumento na curva futura de juros. "Para andar com o auxílio que tenha um custo, essa contrapartida que garante que a gente vai ter previsibilidade e sustentabilidade é o que vai permitir que as taxas de juros continuem baixas, e que o Brasil tenha um boa percepção de risco, base para a retomada da economia", disse. Petrobras convoca Assembleia para destituir Castello Branco da presidência da estatal Petrobras Questionado sobre a decisão do presidente Jair Bolsonaro de trocar o presidente da Petrobras, o secretário do Tesouro disse que foi um "caso específico, mas que não é uma nova regra geral". Na semana passada, Bolsonaro decidiu não reconduzir o atual presidente da estatal, Roberto Castello Branco, e anunciou a indicação do general Joaquim Silva e Luna, atual diretor de Itaipu Binacional, para o cargo. Antes do anúncio, Bolsonaro vinha criticando a Petrobras em razão de reajustes nos combustíveis. O anúncio foi mal recebido por analistas e antigos aliados do presidente. As ações da estatal caíram na Bovespa e na bolsa de Nova York (EUA); a Petrobras perdeu mais de R$ 75 bilhões em valor de mercado; e o dólar subiu. "A gente continua buscando processo de consolidação fiscal, de ajuste de contas, andando com a agenda de privatizações. É isso que eu tenho falado com investidores internacionais. [A Petrobras] é um caso específico, peculiar, resolvido", disse Funchal nesta quinta. "A gente pode tirar uma experiência desse evento. A gente tem falado de confiança. As mudanças que mexem com as expectativas dos investidores, mexem com preço [da ação da empresa]. É uma coisa especifica, não é padrão, e é o que eu tenho conversado com investidores". Após um tombo de quase 21% na segunda (22), as ações as ações ordinárias (PETR3) subiram 8,96% na terça, enquanto as preferenciais (PETR4) tiveram alta de 12,17%. Combustíveis Bruno Funchal também afirmou que a redução da tributação sobre combustíveis, em análise pela área econômica, seria compensada com redução de tributos ou alta de arrecadação, como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). "Qualquer medida de desoneração vai ter compensação e vai seguir a LRF, artigo 14. Isso é inegável. Não consigo visualizar brecha. Talvez o que tenha sido falado, como a gente trouxe cláusula de calamidade para eventos futuros [na PEC emergencial], a gente está preparado. O que a gente está falando é decisão de política. Se quer reduzir imposto específico, faz compensação e é isso que vai ser seguido", declarou. Na semana passada, Bolsonaro afirmou que, a partir de 1º de março, cairá a zero a cobrança de impostos federais sobre o gás de cozinha. Ele também anunciou que vai zerar por dois meses, a partir de 1º de março, os impostos federais que incidem sobre o óleo diesel. Mais cedo nesta quinta-feira, o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias, afirmou que os cálculos para redução dos tributos, e sua compensação, já foram feitos e apresentados para o ministro Paulo Guedes. "Esses cálculos foram feitos e apresentados. Até a decisão final, como existem medidas alternativas, o produto do óleo diesel, e do GLP, dentro da própria desoneração, foram construídos diversos cenários. Não sabemos o período que vai ser desonerado, a gente não está autorizado a se manifestar. A decisão deve sair nos próximos dias", declarou Malaquias. Veja Mais

ANS inclui 69 itens na cobertura de procedimentos obrigatórios dos planos de saúde

G1 Economia Das 69 novas coberturas, 50 são relativas a medicamentos e 19 referentes a procedimentos como exames, terapias e cirurgias; medida passa a valer a partir do dia 1º de abril. Plano de saúde New Saúde Leader A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) incluiu 69 novos itens no rol de procedimentos obrigatórios a serem cobertos pelas operadoras de planos de saúde. A medida vale a partir do dia 1º de abril. Das 69 novas coberturas, 50 são relativas a medicamentos e 19 referentes a procedimentos como exames, terapias e cirurgias. Entenda como será a cobrança dos reajustes retroativos de planos de saúde Calculadora: veja de quanto será o reajuste no seu plano de saúde Na lista de medicamentos, estão 19 antineoplásicos orais que contemplam 28 indicações de tratamento para diversos tipos de câncer, 17 imunobiológicos com 21 indicações para tratamento de doenças inflamatórias, crônicas e autoimunes, como psoríase, asma e esclerose múltipla, e um medicamento para tratamento de doença que leva a deformidades ósseas. Na lista dos procedimentos estão exames, terapias e cirurgias para diagnóstico e tratamento de enfermidades do coração, intestino, coluna, pulmão, mama, entre outras. “Para chegarmos à tomada de decisão quanto aos procedimentos que devem ser incluídos, avaliamos um conjunto de critérios, entre os quais os benefícios clínicos comprovados, o alinhamento às políticas nacionais de saúde e a relação custo/efetividade. Feita essa rigorosa análise, os procedimentos incorporados são aqueles nos quais os ganhos coletivos e os resultados clínicos são os mais relevantes para o conjunto dos pacientes”, explicou Rogério Scarabel, diretor-presidente substituto da ANS. Veja os procedimentos incorporados Medicamentos Antineoplásicos orais (tratamento de câncer) ABEMACICLIBE: mama RIBOCICLIBE: mama PALBOCICLIBE : mama ALECTINIBE: pulmão ESILATO DE NINTEDANIBE: pulmão OSIMERTINIBE: pulmão CABOZANTINIBE: rins REGORAFENIBE: fígado LENVATINIBE: fígado COBIMETINIBE: melanoma DABRAFENIBE EM COMBINAÇÃO COM TRAMETINIBE: melanoma APALUTAMIDA: próstata ENZALUTAMIDA: próstata CITRATO DE IXAZOMIBE: mieloma LENALIDOMIDA: 3 para mieloma múltiplo e 1 para síndrome mielodisplásica IBRUTINIBE: 1 para linfoma de células do manto e 2 para leucemia linfocítica crônica VENETOCLAX: leucemia linfocítica crônica e leucemia mieloide aguda MIDOSTAURINA: leucemia mieloide aguda NILOTINIBE: leucemia mieloide crônica Imunobiológicos (tratamento de doenças inflamatórias, crônicas e autoimunes) ALENTUZUMABE: esclerose múltipla NATALIZUMABE: esclerose múltipla grave com rápida evolução OCRELIZUMABE: esclerose múltipla e formas recorrentes BETAINTERFERONA 1ª: esclerose múltipla ACETATO DE GLATIRÂMER: esclerose múltipla ADALIMUMABE: hidradenite supurativa (doença de pele crônica inflamatória), uveíte e psoríase OMALIZUMABE (DUAS INDICAÇÕES): urticária crônica e asma BENRALIZUMABE: asma MEPOLIZUMABE: asma ETANERCEPTE: psoríase GUSELCUMABE: psoríase INFLIXIMABE (DUAS INDICAÇÕES): psoríase e retocolite ulcerativa IXEQUIZUMABE: psoríase SECUQUINUMABE: psoríase USTEQUINUMABE: psoríase GOLIMUMABE: retocolite ulcerativa (doença inflamatória intestinal crônica) VEDOLIZUMABE: retocolite ulcerativa Outros medicamentos TERAPIA INTRAVENOSA COM ÁCIDO ZOLEDRÔNICO PARA DOENÇA DE PAGET (deformidades ósseas) Procedimentos Exames ENTEROSCOPIA DO INTESTINO DELGADO COM CÁPSULA ENDOSCÓPICA: diagnóstico de sangramento intestinal ENSAIO PARA DOSAGEM DA LIBERAÇÃO DE INTERFERON GAMA: detecção de tuberculose CALPROTECTINA, DOSAGEM FECAL: detecção de inflamação intestinal RAZÃO DO TESTE sFlt-1/PlGF: diagnóstico de risco de pré-eclâmpsia PD-L1 – DETECÇÃO POR TÉCNICAS IMUNOHISTOQUÍMICAS: detecção de câncer de pulmão FLT3 – PESQUISA DE MUTAÇÕES: diagnóstico de leucemia mieloide aguda Terapias ABLAÇÃO PERCUTÂNEA POR CORRENTE DE CRIOABLAÇÃO PARA O TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA: coração RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA POR ELÉTRONS (IOERT): câncer de mama TERAPIA POR PRESSÃO NEGATIVA: cicatrização de feridas e queimaduras HEMODIAFILTRAÇÃO ONLINE (HDF-OL): rins Cirurgias ARTROPLASTIA DISCAL DE COLUNA VERTEBRAL: coluna cervical CIRURGIA ENDOSCÓPICA DA COLUNA VERTEBRAL - HÉRNIA DE DISCO LOMBAR IMPLANTE TRANSCATETER DE PRÓTESE VALVAR AÓRTICA (TAVI): coração OSTEOTOMIA DA MANDÍBULA E/OU MAXILAR COM APLICAÇÃO DE OSTEODISTRATOR: correção de deformidade na mandíbula Consulta Consulta com enfermeiro obstetra ou obstetriz Alterações de diretrizes de utilização (inclusão de cobertura) TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA: amplia cobertura para pacientes com glaucoma IMPLANTE DE MONITOR DE EVENTOS (LOOPER IMPLANTÁVEL): amplia cobertura para pacientes pós-acidente vascular cerebral ou ataque isquêmico ANÁLISE MOLECULAR DE DNA: inclusão do exame de “SEQUENCIAMENTO COMPLETO DO EXOMA” para investigação de deficiência intelectual de causa indeterminada e inclusão de outras especialidades para a solicitação do procedimento Análise Molecular de DNA TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE MEDULA ÓSSEA: alinhamento com as indicações do Ministério da Saúde para o transplante de células tronco hematopoiéticas VÍDEOS: as últimas notícias de economia Veja Mais

De saída da presidência da Petrobras, Castello Branco faz teleconferência com aviso: 'mind the gap'

G1 Economia Executivo vestiu camiseta com a frase "mind the gap", que significa "cuidado com o vão" numa tradução literal. Ele passou a ser criticado por Bolsonaro por promover sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis para evitar uma defasagem com a cotação praticada no mercado internacional. Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras GloboNews/Reprodução Na teleconferência realizada na manhã desta quinta-feira (25) com analistas para comentar os últimos resultados da Petrobras, Roberto Castello Branco, presidente da estatal, utilizou uma camiseta com a frase "mind the gap" numa referência ao metrô de Londres. Na tradução literal, significa "cuidado com o vão". A mensagem, no entanto, pode ser entendida como um recado para o futuro da companhia. Castello Branco se prepara para deixar a companhia em 20 de março com a decisão do presidente Jair Bolsonaro de indicar o general Joaquim Silva e Luna para o comando da estatal. O executivo passou a ser criticado por Bolsonaro por promover sucessivos aumentos no preço dos combustíveis para evitar uma defasagem com a cotação praticada no mercado internacional. "Desde janeiro de 2019, quando eu tomei posse na presidência da Petrobras, nós começamos a implementar uma estratégia que foi seguida à risca. Rigorosamente. Não nos desviamos em nenhum momento dela", afirmou Castello Branco na teleconferência. "Nossa visão estratégia é baseada no lema 'mind the gap' como está escrito na minha camisa", disse. "Em lugar de ter uma visão interna, de sempre nos compararmos com nós mesmos, nós queremos nos comparar com os melhores e sermos o melhor ou, pelo menos, um dos melhores." Jair Bolsonaro indica novo presidente da Petrobras; entenda o caso Na quarta-feira (24), a Petrobras informou que registrou lucro recorde de R$ 59,9 bilhões no quarto trimestre, o melhor já apurado por empresas de capital aberto. No ano, o ganho foi de R$ 7 bilhões. "Nós continuamos a trabalhar normalmente pelo menos até 20 de março, o que estamos fazendo não mudará... inclusive no que diz respeito a paridade nos preços de importação", afirmou Castello Branco. A assembleia para destituir Castello Branco já foi confirmada pela Petrobras. Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

Crédito bancário para de crescer no começo de 2021 e juros médios sobem

G1 Economia Volume total do crédito bancário ficou estável em R$ 4,02 trilhões. Juros bancários médios subiram para 28,4% ao ano. Taxas do cheque especial e do crédito rotativo aumentaram. O crédito bancário interrompeu sua alta no início de 2021, permanecendo estável, ao mesmo tempo em que foi registrado crescimento na taxa média de juros dos bancos no mês de janeiro. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (25) pelo Banco Central. O volume total do crédito ofertado pelas instituições financeiras teve uma queda marginal de 0,04% no mês passado, ou seja, registrou estabilidade, permanecendo em R$ 4,02 trilhões - mesmo patamar de dezembro do ano passado. Esse movimento, porém, é tradicional em janeiro. Nos últimos cinco anos, de 2016 a 2020, houve queda no volume de crédito bancário nesse mês. O recuo tem acontecido após crescimento nos meses de dezembro - nas festas de fim de ano. As concessões totais de crédito somaram R$ 289 bilhões em janeiro, o que representa uma forte queda de 27,7% na comparação com o mês anterior. Esse volume de concessões foi o menor desde maio de 2020 (R$ 285 bilhões). Em janeiro, os números oficiais mostram que volume de crédito ofertado pelos bancos para as pessoas físicas cresceu 0,6%, atingindo R$ 2,3 trilhões, enquanto a de pessoas jurídicas registrou redução de 0,8% no período, para R$ 1,8 trilhão. A taxa de inadimplência média registrada pelos bancos nas operações de crédito registrou estabilidade em janeiro, permanecendo em 2,1%. Nas operações com pessoas físicas, a inadimplência subiu de 2,8% para 2,9% no mês passado e, no caso das empresas, continuou em 1,2%. 2020 e previsão para este ano No ano passado, o crédito bancário avançou cresceu 15,5%, ou R$ 539,369 bilhões, atingindo a marca inédita de R$ 4,017 trilhões. Em volume liberado, foi a maior alta desde o início da série histórica do BC, em 1991. O aumento no crédito bancário no ano passado esteve relacionado às medidas adotadas pelo BC para liberar às instituições financeiras mais recursos destinados a empréstimos em meio à pandemia do novo coronavírus. Apesar da expansão, ainda existe dificuldade de acesso pelos pequenos negócios. Para este ano, porém, o BC prevê desaceleração no crédito bancário. A expectativa da instituição é de que o aumento seja de menor, de 7,8% em 2021. "As projeções de crescimento do estoque total de crédito para 2021 consideram cenário de normalização das condições de oferta e demanda de crédito, com a retomada do financiamento das grandes empresas no mercado de capitais doméstico e consequentemente arrefecimento na expansão do crédito bancário", informou o BC, em dezembro do ano passado. Segundo a instituição, as empresas de menor porte continuarão demandando crédito no sistema financeiro, que será atendido, ainda de acordo com o BC, principalmente com recursos livres, dado o término dos programas emergenciais. Juros bancários Os juros bancários médios com recursos livres (sem contar habitacional, rural e BNDES) de pessoas físicas e empresas, por sua vez, subiram de 25,5% ao ano, em dezembro, para 28,4% ao ano no mês passado - uma alta de 2,9 pontos percentuais. No crédito livre, a instituição financeira tem mais liberdade para fixar a taxa de juro. A alta dos juros bancários médios e alta das operações com pessoas físicas acontece em um momento de estabilidade da taxa básica de juros da economia, no seu piso histórico de 2% ao ano. Em janeiro, considerando só as operações para pessoas físicas, a o juro médio passou de 37,2% para 39,4% ao ano na comparação com dezembro. Considerando só as empresas, a taxa média avançou de 11,7% para 15,2% ao ano. No cheque especial das pessoas físicas, porém, a taxa subiu de 115,6% ao ano em dezembro para 119,6% ao ano em janeiro. Nessa linha de crédito, o BC adotou um teto para os juros. Nas operações com cartão de crédito rotativo de pessoas físicas, os juros bancários cobrados das pessoas físicas subiram de 327,8% ao ano, em janeiro, para 329,3% ao ano em dezembro. Deste modo, a taxa segue em patamar proibitivo. O crédito rotativo do cartão de crédito pode ser acionado por quem não pode pagar o valor total da fatura na data do vencimento, mas não quer ficar inadimplente. Essa é uma das linhas de crédito mais caras do mercado e, segundo analistas, deve ser evitada. A recomendação é que os clientes bancários paguem todo o valor da fatura mensalmente. De acordo com o BC, o chamado "spread" bancário médio com recursos livres passou de 20,9 pontos percentuais, em dezembro, para 23,4 pontos percentuais em janeiro. O spread é a diferença entre quanto os bancos pagam pelos recursos e quanto cobram dos clientes. Nas operações com pessoas físicas, houve queda de 32,1 pontos em dezembro para 34 pontos em novembro deste ano. Com isso, o "spread" bancário ainda segue em patamar elevado para padrões internacionais. O "spread" é composto pelo lucro dos bancos, pela taxa de inadimplência, por custos administrativos, pelos depósitos compulsórios (que são mantidos no Banco Central) e pelos tributos cobrados pelo governo federal, entre outros. Veja Mais

Agência do Trabalho oferece vagas de emprego em Petrolina e Salgueiro nesta quinta-feira

G1 Economia Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco Divulgação Foram divulgadas as vagas de emprego disponíveis nesta quinta-feira (25) em Petrolina e Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco e atualizadas no G1 Petrolina. Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. O atendimento na Agência do Trabalho ocorre apenas com agendamento prévio, feito tanto pelo site da secretaria, quanto pelo Portal Cidadão. Petrolina Contato: (87) 3866 - 6540 Vagas disponíveis Salgueiro Contato: (87) 3871-8467 Vagas disponíveis Vídeos: mais assistidos do Sertão de PE Veja Mais

Congresso prorroga por 60 dias MP que isenta moradores do Amapá do pagamento da conta de luz

G1 Economia Cidades do estado enfrentaram crise no fornecimento de energia elétrica em novembro de 2020, depois que um incêndio atingiu a principal subestação da região. O presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco, assinou a prorrogação por mais 60 dias da medida provisória que isenta os consumidores dos municípios do Amapá abrangidos pelo estado de calamidade pública do pagamento da energia elétrica. O ato foi publicado na edição desta quinta-feira (25) do "Diário Oficial da União" (DOU). O presidente Jair Bolsonaro assinou em novembro a MP que isentou os moradores do Amapá do pagamento da conta de energia. O Amapá enfrentou crise no fornecimento de energia elétrica em novembro, depois que um incêndio atingiu a principal subestação de energia do estado. O presidente do Congresso também assinou a prorrogação da MP de abertura de crédito de R$ 80 milhões para o Ministério de Minas e Energia para aportar a concessionária responsável pela distribuição da energia no Amapá, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). O Amapá enfrentou um novo blecaute total em janeiro. Pelo menos 13 dos 16 municípios amapaenses, incluindo Macapá, registraram falta de energia. Foi o 3º apagão em pouco mais de 2 meses, desde que a principal subestação do estado (Subestação Macapá) sofreu um incêndio, em novembro de 2020. O problema evidenciou falhas no fornecimento de energia no estado, que gerou uma crise energética. Veja Mais

PIB da Argentina encolheu 10% em 2020, segundo primeira estimativa oficial

G1 Economia No ano passado, os piores meses foram abril e maio, com quedas anuais de 25,4% e 20%, respectivamente. A economia da Argentina encolheu 10% em 2020 com base em 2019 por causa da pandemia de Covid-19, após recuar 2,2% em dezembro na comparação interanual, segundo a primeira estimativa oficial, divulgada nesta quarta-feira (24). De acordo com a Estimativa Mensal de Atividade Econômica (EMAE), em dezembro passado, a economia cresceu 0,9% em relação a novembro, a oitava melhora mês a mês. Argentina: país enfrenta um agravamento da crise econômica com a pandemia de coronavírus Reuters No ano, os piores meses foram abril e maio, quando houve uma quase paralisação das atividades pela estrita quarentena decretada no país para conter a propagação do coronavírus, com quedas anuais de 25,4% e 20%, respectivamente. A partir do terceiro trimestre, houve uma reabertura gradual da indústria e do comércio, embora tenham permanecido as restrições à circulação. Na lei de Orçamento, enviada ao Congresso em setembro, o governo tinha estimado uma queda do PIB de 12,1% em 2020. Na comparação interanual, em dezembro foram registrados aumentos nos setores de intermediação financeira (+11,3%), comércio atacadista, varejista e reparos (+10,7%), e recuos no setor de hotéis e restaurantes (-47,1%) e no de transportes e comunicações (-19,2%), segundo dados do Instituto Nacional de Estatísticas e Censo (Indec). Enquanto isso, no acumulado de 2020, só dois setores tiveram aumentos: intermediação financeira (+2,1%) e eletricidade, gás e água (+0,8%). Todos os outros setores registraram quedas, entre elas a mais pronunciada foi o de hotéis e restaurantes, com um recuo de 48,6%. Enquanto isso, outras atividades de serviços comunitários, sociais e pessoais caíram 37,5%. O EMAE é tomado como uma estimativa da evolução do Produto Interno Bruto (PIB) do ano 2020, que será divulgado oficialmente em março. Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

Clubhouse confirma vazamento de dados pelas mensagens de áudio

G1 Economia Um usuário foi banido da rede social ao transmitir as conversas de várias salas de bate-papo em seu site. Aplicativo Clubhouse por enquanto é exclusivo para iPhone. Reuters/Florence Lo A rede social Clubhouse confirmou que um usuário conseguiu transmitir o conteúdo do aplicativo em seu site próprio. A ferramenta, que virou moda nas últimas semanas, permite que os usuários participem de salas de bate-papo públicas ou privadas nas quais só é possível enviar mensagens de voz. Há a promessa de que o conteúdo só possa ser acompanhado ao vivo, na hora em que é postado, e não fica gravado em nenhum lugar. O que é Clubhouse? Saiba mais sobre a rede social Clubhouse: convite para o app de áudio é oferecido por mais de R$ 600 Mas pesquisadores americanos da área de cibersegurança disseram que um usuário encontrou uma maneira de transmitir os áudios do aplicativo no domingo (21/02). O Clubhouse confirmou o vazamento, que ocorre quando as informações são liberadas para um local que não possui autorização para acessá-las. A empresa disse à Bloomberg que baniu o usuário da plataforma e instalou novas configurações de segurança para evitar que as conversas voltassem a ser "vazadas". Por meio de nota, os responsáveis pela rede social disseram à BBC que gravar ou transmitir sem a permissão explícita dos participantes do chat viola os termos e condições de uso do aplicativo. Um dos porta-vozes da empresa disse: "No último fim de semana, um usuário transmitiu temporariamente várias salas de papo para um site. A conta deste indivíduo foi permanentemente banida do serviço e etapas de segurança adicionais para impedir que outras pessoas façam o mesmo no futuro." O Observatório da Internet da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, relatou o incidente em primeira mão, mas o diretor de tecnologia do Clubhouse, David Thiel, afirmou que o vazamento de dados não foi malicioso. Clubhouse permite apenas conversas por áudio, que não podem ser gravadas Reprodução O pesquisador de segurança cibernética Robert Potter, que construiu o Centro de Operações de Segurança Cibernética do jornal americano Washington Post, concorda. Ele explicou que um "vazamento de dados" é diferente de uma "violação de dados". No segundo caso, a invasão é deliberada e geralmente realizada por alguém que ataca um sistema para roubar informações valiosas. Já o vazamento de dados é um incidente em que informações confidenciais são divulgadas em um ambiente não autorizado. Segundo Potter, o incidente ocorreu porque um indivíduo percebeu que era possível estar em várias salas de chat ao mesmo tempo. Ao entender como a mecânica do aplicativo funcionava, o usuário conseguiu então conectar os códigos de programação do Clubhouse ao seu site e, essencialmente, "compartilhou" remotamente com qualquer pessoa na internet os bate-papos em áudio. "Se o app ficar popular, as pessoas farão programações e serviços terceirizados que extraem os dados - como já acontece, por exemplo, com vários programas que conseguem informações através do Twitter", disse Potter à BBC. Preocupações de segurança O incidente do último domingo ocorreu depois que o Clubhouse declarou que os dados dos usuários não poderiam ser roubados por cibercriminosos ou hackers patrocinados pelo Estado, em resposta a um alerta emitido pelo Observatório da Internet da Universidade de Stanford. O instituto é chefiado pelo ex-líder de segurança do Facebook, Alex Stamos. Os pesquisadores de Stanford descobriram várias falhas de segurança, incluindo o fato de que os números de identificação exclusivos dos usuários e os códigos das salas de bate-papo estavam sendo transmitidos em textos simples, o que permitiria vários tipos de manipulação. Os especialistas também se mostraram preocupados que o governo chinês pudesse obter acesso aos arquivos de áudio brutos nos servidores do Clubhouse, uma vez que sua infraestrutura é fornecida por uma empresa de engajamento em tempo real chamada Agora, que tem escritórios em Xangai (China) e San Francisco (Estados Unidos). Quando a Agora tornou-se uma empresa pública e passou a vender ações na bolsa de valores em julho de 2020, os relatórios da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) indicavam que seria necessário "fornecer assistência e apoio de acordo com a lei para segurança pública e autoridades de segurança nacional para proteger a segurança nacional ou ajudar nas investigações criminais", em razão dos laços da companhia com a China. Os especialistas de Stanford informaram o Clubhouse sobre as falhas e, em 12 de fevereiro, anunciaram que estavam trabalhando com a empresa responsável pelo aplicativo para melhorar a sua segurança. Bate-papos "quase" públicos Embora pareça alarmante ouvir que as conversas de áudio no Clubhouse podem ser retiradas do aplicativo, isso não é um fato exatamente novo. Vários usuários já estão utilizando as funções de gravação de áudio ou captura de tela de seus dispositivos para gravar conversas de celebridades, como Elon Musk e Kevin Hart, para depois enviá-las ao YouTube. Novamente, isso vai contra os termos de serviço do aplicativo, mas significa que ninguém deve esperar que suas conversas sejam realmente privadas, avisa Thiel. "Considere os bate-papos do Clubhouse como semipúblicos, devido aos problemas com o Agora e ao fato de que todos nós temos microfones nos celulares", ele tuitou. Já Potter acredita que o problema esteja no fato de o Clubhouse ainda ser um serviço jovem e imaturo. "Há um monte de usuários que ficaram realmente entusiasmados porque é uma coisa nova e porque você precisa de um convite para participar", conta. "O mesmo fenômeno aconteceu com o Zoom e com o TikTok. Vemos mais uma vez um aplicativo que consegue um crescimento muito alto, se torna viral e logo depois aparecem problemas de privacidade ou são encontrados bugs que não eram tão importantes quando a plataforma era menor. A segurança cibernética vem depois." Potter acrescentou que os consumidores precisam ser realistas sobre o que os serviços como o Clubhouse fazem com seus dados. "As pessoas devem perceber que a privacidade e a segurança cibernética das novas plataformas de mídia social não serão tão boas quanto as de outras redes mais maduras", compara. "Se você for um dos primeiros a adotar e experimentar novos aplicativos e novos smartphones, sempre aparecerão bugs", completa. Saiba como se proteger de vazamento de dados Veja Mais

IR 2021: quem recebeu mais de R$ 22,8 mil de outras fontes terá de devolver auxílio emergencial

G1 Economia Regra foi anunciada pela Receita nesta quarta; teto de R$ 22.847 não inclui as parcelas do auxílio. Boleto para devolução será gerado pelo próprio programa do IR. A Receita Federal informou nesta quarta-feira (24) que os contribuintes que receberam o auxílio emergencial do governo federal em 2020 e, além disso, tiveram rendimentos tributáveis acima de R$ 22.847,76 terão de declarar Imposto de Renda em 2021 e devolver o benefício. Os valores do próprio auxílio emergencial não devem ser incluídos no cálculo desse limite, apesar de serem considerados "rendimentos tributáveis" pela Receita. O prazo de apresentação da declaração do Imposto de Renda 2021, ano-base 2020, começa em 1º de março e vai até o dia 30 de abril. As restituições começam em maio. Veja como preparar os documentos para a declaração Especialista tira dúvidas sobre o IR 2021; mande sua pergunta INSS disponibiliza demonstrativo de rendimentos para declaração de Imposto de Renda Os contribuintes que se enquadrarem na hipótese de devolução do auxílio emergencial poderão imprimir um boleto (Darf) no próprio programa do Imposto de Renda, emitido junto com o comprovante de declaração. A devolução deverá incluir os valores recebidos pelo próprio contribuinte e pelos dependentes. Segundo o auditor fiscal José Carlos Fernandes, responsável pelo Programa do Imposto de Renda, quem já fez a devolução voluntária de parcelas irregulares, ainda em 2020, pelo site do Ministério da Cidadania não precisa fazer a declaração – a menos que se encaixe em algum outro critério. “Não há obrigação de apresentar declaração [só] porque recebeu o auxílio emergencial. A obrigação é de quem recebeu auxílio emergencial e também rendimentos acima de R$ 22.847”, disse Fernandes. Para quem foi vítima de fraude e teve seu nome usado por outras pessoas para sacar o auxílio emergencial, a orientação da Receita é procurar o Ministério da Cidadania, responsável pelo pagamento do benefício. Entrega da declaração A declaração e entrega do IR 2021 poderá ser feita e entregue, de acordo com o Fisco: pelo computador, por meio do Programa Gerador da declaração (PGD) relativo ao exercício de 2020, disponível no sítio da Receita Federal; na página do próprio Fisco, pelo navegador de internet (com certificado digital); pelo serviço Meu Imposto de Renda, disponível para tablets e smartphones. A comprovação da apresentação da declaração do IR é feita por meio de recibo gravado depois da transmissão, no computador, em mídia removível ou no dispositivo móvel que contenha a declaração transmitida. Inflação de 2020 aumentou a defasagem da tabela do imposto de renda Veja Mais

Golpes no PIX: Febraban dá dicas para evitar cair nos principais

G1 Economia Tentativas de criminosos envolvem clonagens de WhatsApp e falsos funcionários de bancos, que descobrem dados pessoais e confidenciais das vítimas. Entenda como mandar e receber dinheiro pelo Pix A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) divulgou uma lista com os principais golpes envolvendo o PIX, novo sistema de pagamentos e transferências, e dicas de como evitá-los. A ação faz parte da 1ª edição da Semana da Segurança Digital de 2021, feita pela federação em parceria com associações, empresas, o Banco Central e as polícias Civil e Federal. Para a Febraban, a pandemia do coronavírus facilitou a aplicação de golpes digitais por criminosos, já que houve um aumento nas transações online. PIX: 'rapidez' e 'praticidade' são características preferidas de clientes, diz pesquisa SAIBA TUDO SOBRE O PIX A federação destaca que as tentativas de golpes envolvendo o PIX foram identificadas como ataques de phishing, que enganam as vítimas para que elas forneçam informações pessoais e confidenciais. Mesmo assim, o diretor da Comissão Executiva de Prevenção a Fraudes da Febraban, Adriano Volpini, garante que os bancos estão usando toda sua expertise já existente com os sistemas de pagamentos anteriores agora para o PIX. Volpini aponta ainda para um cuidados básicos, como sempre checar os dados do recebedor da transação, e nunca clicar em links recebidos por e-mail, WhatsApp, SMS ou qualquer rede social. Veja os principais golpes e como se prevenir, segundo a Febraban Golpe da clonagem do Whatsapp Entre os meios usados pelos bandidos está o Whatsapp. Os criminosos enviam uma mensagem pelo aplicativo fingindo ser de empresas em que a vítima tem cadastro. Eles solicitam o código de segurança, que já foi enviado por SMS pelo aplicativo, afirmando se tratar de uma atualização, manutenção ou confirmação de cadastro. Com o código, os bandidos conseguem replicar a conta de WhatsApp em outro celular. A partir daí, os criminosos enviam mensagens para os contatos da pessoa, fazendo-se passar por ela, pedindo dinheiro emprestado por transferência via Pix. Uma medida simples para evitar que o WhatsApp seja clonado é habilitar, no aplicativo, a opção "Verificação em duas etapas" Configurações/Ajustes > Conta > Verificação em duas etapas. Desta forma, é possível cadastrar uma senha que será solicitada periodicamente pelo app. Essa senha não deve ser enviada para outras pessoas ou digitadas em links recebidos. Golpe de engenharia social com Whatsapp Em outra fraude que usa o Whatsapp, o criminoso escolhe uma vítima, pega sua foto em redes sociais, e, de alguma forma, consegue descobrir números de celulares de contatos da pessoa. Com um novo número de celular, manda mensagem para amigos e familiares da vítima, alegando que teve de trocar de número devido a algum problema, como, por exemplo, um assalto. A partir daí, pede uma transferência via Pix, dizendo estar em alguma situação de emergência. Nesta fraude, o bandido nem precisa clonar o whatsapp da pessoa, e usa a estratégia de pegar dados pessoais da vítima e de seus contatos. A Febraban alerta que é preciso ter muito cuidado com a exposição de dados em redes sociais, como, por exemplo, em sorteios e promoções que pedem o número de telefone do usuário. Ao receber uma mensagem de algum contato com um número novo, é preciso certificar-se que a pessoa realmente mudou seu número de telefone. O cliente sempre deve suspeitar quando recebe uma mensagem de algum contato que solicita dinheiro de forma urgente. Não faça o Pix ou qualquer tipo de transferência até falar com a pessoa que está solicitando o dinheiro. Golpe do falso funcionário de banco e das falsas centrais telefônicas Outros golpes praticados são os do falso funcionário e falsas centrais telefônica de instituições financeiras. O fraudador entra em contato com a vítima se passando por um falso funcionário do banco ou empresa com a qual o cliente tem um relacionamento ativo. O criminoso oferece ajuda para que o cliente cadastre a chave Pix, ou ainda diz que o usuário precisa fazer um teste com o sistema de pagamentos instantâneos para regularizar seu cadastro, e o induz a fazer uma transferência bancária. É importante ressaltar que os dados pessoais do cliente jamais são solicitados ativamente pelas instituições financeiras, tampouco funcionários de bancos ligam para clientes para fazer testes com o Pix. Na dúvida, sempre procure seu banco para obter esclarecimentos. Golpe do bug do Pix Outra ação criminosa que está sendo praticada por quadrilhas e que envolvem o Pix é o golpe do "bug" (falha que ocorre ao executar algum sistema eletrônico). Mensagens e vídeos disseminados pelas redes sociais por bandidos afirmam que, graças a um "bug" no Pix, é possível ganhar o dobro do valor que foi transferido para chaves aleatórias. Entretanto, ao fazer este processo, o cliente está enviando dinheiro para golpistas. Os canais oficiais do Banco Central já alertaram que não há qualquer "bug" no Pix. A Febraban ressalta que o cliente sempre deve desconfiar de mensagens que prometem dinheiro fácil e que chegam pelas redes sociais ou e-mail. VÍDEOS: entenda como funciona o Pix Veja Mais

Alto Tietê reúne mais de 1,1 mil vagas para quem busca emprego nesta quarta; veja lista

G1 Economia Oportunidades são para trabalhar nos municípios de Mogi das Cruzes, Suzano, Santa Isabel, Itaquaquecetuba e Ferraz de Vasconcelos. Carteira de trabalho Heloise Hamada/G1 Os programas de encaminhamento ao emprego do Alto Tietê oferecem 1111 vagas de trabalho nesta quarta-feira (24). As oportunidades são para trabalhar nas cidades de Itaquaquecetuba, Santa Isabel, Ferraz de Vasconcelos, Suzano e Mogi das Cruzes. PATs Os Postos de Atendimento ao Trabalhador de Itaquaquecetuba, Santa Isabel e Ferraz de Vasconcelos estão selecionando para 499 vagas. Para concorrer é necessário acessar os aplicativos Sine Fácil e CTPS Digital. O e-mail para mais informações é o suporte.sd@sde.sp.gov.br. Vagas de emprego dos Postos de Atendimento ao Trabalhador do Alto Tietê Emprega Mogi A cidade de Mogi das Cruzes possui 398 vagas. As pessoas interessadas devem acessar a plataforma Emprega Mogi para participar. Os telefones para mais informações são 4699-1900, 4699-2784, 4798-6315 ou 97422-4273. Os detalhes sobre as vagas em Mogi, como remuneração oferecida e outras exigências, podem ser acessados no site da Prefeitura. Vagas de emprego do programa Emprega Mogi Suzano Já no programa de encaminhamento ao emprego de Suzano há 214 oportunidades. Os interessados podem procurar uma das duas unidades do Centro Unificado de Serviços (Centrus). A central fica na Avenida Paulo Portela, 210. Já o Centrus Norte está localizado na Avenida Francisco Marengo, 2.301, no Jardim Dona Benta. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail suzanomaisemprego@gmail.com ou pelo telefone 4745-2264. Vagas de emprego em Suzano Assista a mais notícias Veja Mais

Google abre inscrições para programa de treinamento de carreiras e negócios voltado para mulheres

G1 Economia Aulas gratuitas e on-line começarão do dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Programa Cresça com o Google para Mulheres tem treinamentos gratuitos. REUTERS/Dado Ruvic/Illustration O Google abriu nesta quarta-feira (24) as inscrições para um programa de treinamento e capacitação para mulheres que buscam desenvolver suas carreiras ou negócios no meio digital. A iniciativa chamada "Cresça com o Google para Mulheres" é gratuita, totalmente on-line e conta com duas opções: uma voltada para o empreendedorismo e evolução de negócios, e outra para mulheres que buscam desenvolver suas carreiras. As aulas começarão em 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Na trilha para empreendedorismo serão compartilhadas técnicas de gestão, liderança feminina, técnicas de vendas, finanças e formas de construir uma marca pessoal. Para as mulheres que querem desenvolver suas carreiras, a trilha vai abordar autoconhecimento, técnicas de entrevistas, apresentação pessoal e dicas para acelerar seu crescimento e alcançar objetivos profissionais. Saiba mais: Como usar redes sociais em seu negócio O programa contará com a participação de lideranças femininas como executivas do Google e de outras empresas, além de palestrantes da Rede Mulher Empreendedora. As inscrições estão abertas e podem ser feitas no site do programa de treinamento. Veja dicas para abrir um negócio Veja Mais

Petrobras convoca Assembleia Geral Extraordinária para destituir Castello Branco da presidência da estatal

G1 Economia Joaquim Silva e Luna foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para substituir Roberto Castello Branco no comando da empresa. Data da assembleia ainda será definida. Prejuízos causados por interferências políticas não são novidade na Petrobras A Petrobras convocou nesta terça-feira (23) uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para destituir Roberto Castello Branco da presidência da estatal. Ele deverá ser substituído por Joaquim Silva e Luna, indicado pelo presidente presidente Jair Bolsonaro para comandar a companhia. Em comunicado, a companhia informou que a AGE vai ser realizada antes da Assembleia Geral Ordinária (AGO) deste ano. A data ainda será definida. Jair Bolsonaro indica novo presidente da Petrobras; entenda o caso A reunião desta terça já estava prevista. Com a saída de Castello Branco, terão de ser substituídos sete integrantes do conselho de administração eleitos na assembleia ordinária de 22 de julho do ano passado por voto múltiplo. São eles: Eduardo Bacellar Leal Ferreira, Ruy Flacks Schneider, João Cox Neto, Paulo Cesar de Sousa e Silva, Nivio Ziviani, Omar Carneiro de Cunha Sobrinho, Leonardo Pietro Antonneli. Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas Após crítica de Bolsonaro, Petrobras afirma que presidente e diretores não recebem reajuste desde 2016 Silva e Luna foi indicado na sexta-feira (19) pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando da Petrobras. A interferência de Bolsonaro no comando da estatal provocou um forte abalo nas ações da companhia. Na segunda-feira (22), a empresa chegou a perdeu R$ 75 bilhões em valor de mercado. Nesta terça, os papéis da Petrobras recuperaram parte das perdas. As ações ordinárias (PETR3) subiram 8,96%, enquanto as preferenciais (PETR4) tiveram alta de 12,17%. No comunicado desta terça, a petroleira também destacou que o conselho de administração "continuará a zelar com rigor pelos padrões de governança da Petrobras, inclusive no que diz respeito às políticas de preços de produtos da companhia. Os membros da Diretoria Executiva têm mandato vigente até o dia 20 de março de 2021 e contam com o apoio do Conselho." Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

MP junto ao TCU pede interrupção do processo de troca do comando da Petrobras

G1 Economia Subprocurador Lucas Furtado pediu ao tribunal para impedir mudança do presidente da estatal determinada pelo presidente Jair Bolsonaro. MP do TCU pede que Petrobras interrompa troca de comando O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) pediu para a corte de contas determinar à Petrobras que não realize a troca de comando da empresa “em especial a relacionada à troca de pessoas no posto de presidente da estatal”. A medida cautelar, segundo o pedido do subprocurador geral Lucas Furtado, vigoraria até o TCU avaliar os motivos e causas da troca do presidente da Petrobras “ante os indícios de sobreposição de interesses particulares com fins eleitoreiros ao interesse público e desvio de finalidade do ato administrativo, com ofensa aos princípios constitucionais da legalidade e da moralidade”. Na mesma representação, Furtado ainda pede que o TCU avalie se o corte de impostos federais do gás de cozinha e do diesel também teriam fundamento eleitoreiro e para avaliar os interesses do presidente ao dizer que irá “meter o dedo na energia elétrica”. Na quinta-feira (18) durante transmissão pela internet, o presidente Jair Bolsonaro criticou a Petrobras, mas disse que não iria interferir na empresa. Em seguida, no entanto, afirmou que "alguma coisa" aconteceria na empresa. No dia seguinte, o presidente anunciou em uma rede social a indicação do general Joaquim Silva e Luna para a presidência da estatal no lugar de Castello Branco. Para ser concretizada a troca de comando, no entanto, ainda precisa do aval do Conselho de Administração da Petrobras. Bolsonaro vinha criticando a política de reajuste dos combustíveis da petroleira disse mais de uma vez que os reajustes eram excessivos. “De certo, o presidente da República possui suas atribuições e escolhas a serem realizadas. Porém, ao que parece, a medida anunciada pelo atual presidente possui viés eleitoral. Nesse sentido, entendo que a intervenção na estatal – qualquer que seja ela! Seja aumento ou diminuição de impostos, seja troca de altos escalões – com fins eleitoreiros é ilegal”, afirmou o subprocurador na representação. Jair Bolsonaro indica novo presidente da Petrobras; entenda o caso Veja Mais

CVM abre nova investigação sobre Petrobras após reclamação de investidor

G1 Economia Na segunda-feira (22), órgão já havia tornado público uma investigação depois da troca no comando da empresa feita pelo presidente Jair Bolsonaro. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu outro processo contra a Petrobras, na esteira do imbróglio causado pelo anúncio de troca no comando da companhia feito pelo presidente Jair Bolsonaro. Jair Bolsonaro indica novo presidente da Petrobras; entenda o caso Segundo registro no website do regulador do mercado de capitais, o processo foi aberto pela superintendência de relações com empresas, após a reclamação de um investidor. Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas Com tombo das ações, Petrobras perde quase R$ 75 bilhões em valor de mercado Na segunda-feira, a CVM já havia tornado público que abriu investigação envolvendo a estatal após notícias sobre a troca no comando provocarem queda nas ações da estatal de cerca de 20% na Bovespa. Num post nas redes sociais na sexta-feira à noite, Bolsonaro anunciou que o governo decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para assumir como conselheiro e presidente da Petrobras após o encerramento do ciclo do atual presidente da companhia, Roberto Castello Branco. Pela lei societária, empresas listadas em bolsa como a Petrobras devem comunicar informações importantes por meio de um fato relevante, o que não aconteceu. Além disso, mudanças dos principais executivos das empresas devem ser aprovadas pelo conselho de administração, o que também ainda não houve. Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

Arthur Lira minimiza troca na Petrobras e chama reação do mercado de 'bolha histérica'

G1 Economia Presidente da Câmara comentou decisão de Bolsonaro de substituir presidente da Petrobras, que foi encarada como interferência e levou a forte queda no valor das ações da empresa. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), minimizou nesta terça-feira (23) a interferência do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras e chamou de "bolha histérica" a reação do mercado financeiro à troca do presidente da estatal. Descontente com a política de preços da petroleira, Bolsonaro anunciou na sexta-feira (19) a indicação do general Joaquim Silva e Luna, atual diretor da Itaipu Binacional, para a presidência da Petrobras, no lugar de Roberto Castello Branco. A mudança gerou muitas críticas e teve impacto na negociação das ações da estatal, que perdeu valor de mercado. Troca de comando na Petrobras derruba as ações da empresa e a bolsa "Criou um clima - sem nenhum tipo de adjetivação - que, para mim, é uma bolha histérica", afirmou Lira durante participação em uma live promovida pelo jornal “Valor Econômico”.. "Todos os grandes influenciadores do mercado estão aconselhando comprar [ações da] Petrobras. Então, será que o ex-presidente da Petrobras era o único que poderia ter a fórmula do cálculo ideal de como é que é feita a conta do combustível, do óleo e da gasolina? Não", completou. Segundo o presidente da Câmara, não há nenhum indicativo de ingerência do Palácio do Planalto na política de preços da empresa. Saiba mais: Como são formados os preços da gasolina e diesel? "Não há nenhuma previsão de ingerência. Não houve nenhuma conversa aqui em Brasília, que eu tenha tomado conhecimento, de ingerência nos preços, de congelamento, de voltarmos a épocas anteriores", disse. Atribuição do presidente Para Lira, a substituição do presidente da Petrobras é uma decisão administrativa e diz respeito a uma atribuição do presidente da República. "São decisões administrativas, pertinentes ao presidente da República, que eu não sei se foi da maneira correta ou de maneira errada. Mas é da atribuição dele. E não vejo simplesmente o fato de trocar o presidente de uma empresa de livre nomeação do presidente da República que possa criar esse tipo de expectativa", afirmou. Lira ressaltou ainda que "a Câmara e o Senado Federal têm todas as ferramentas para manter o Brasil nos trilhos e nos acompanhamentos das situações econômicas que possam acontecer, com freios e contrapesos". VÍDEOS: assista a mais notícias sobre a mudança na presidência da Petrobras Veja Mais

Tesouro Direto: resgates superam emissões em R$ 734 milhões em janeiro

G1 Economia No mês passado, emissões somaram R$ 2,29 bilhões e, resgates, R$ 3,02 bilhões. Movimento foi influenciado por vencimento de papeis. O Tesouro Direto, programa de compra e venda de títulos públicos por pessoas físicas via corretoras na internet, registrou saída líquida de recursos em janeiro deste ano, informou o Tesouro Nacional nesta terça-feira (23). De acordo com a instituição, as emissões de títulos públicos por meio do programa somaram R$ 2,292 bilhões em janeiro, enquanto os resgates totalizaram R$ 3,027 bilhões no período. A diferença entre o que foi emitido e resgatado foi, portanto, de R$ 734 milhões no mês passado. O resgate de recursos do Tesouro Direto em janeiro está relacionada com o vencimento (fim do prazo do título) de R$ 1,307 bilhão e com a venda antecipada (antes do vencimento) de R$ 1,719 bilhão pelos investidores. A taxa de manutenção para investimentos no Tesouro Selic de até R$ 10 mil está zerada desde agosto de 2020. O valor era de 0,25% ao ano, e foi reduzido pela Secretaria do Tesouro Nacional e pela bolsa de valores brasileira, a B3. Investidores cadastrados De acordo com o Tesouro Nacional, 377.421 novos investidores se cadastraram no programa em novembro. Com isso, o número total de investidores cadastrados até o fim do mês passado atingiu 9.578.168, um aumento de 61,1% nos últimos doze meses. "O número de investidores ativos chegou a 1.464.804, uma variação de 20,9% nos últimos doze meses. No mês, o acréscimo foi de 21.119 novos investidores ativos", informou a instituição. Volume total Em janeiro, o saldo total (estoque) de títulos em mercado alcançou o valor de R$ 62,51 bilhões, uma queda de 0,3% em relação ao mês anterior (R$ 61,7 bilhões). "Os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 51,6%. Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 29,6%, e, por fim, os títulos prefixados, com 18,9%", informou o Tesouro Nacional. VÍDEOS: assista a mais notícias sobre economia Veja Mais

BNDESPar vende todas as suas ações da Vale e não tem mais participação na mineradora

G1 Economia BNDES tem buscado se desfazer de ações que possui em diversas empresas para levantar recursos. O braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou nesta terça-feira (23) que, desde 9 de novembro de 2020, alienou 188.496.276 ações de emissão da mineradora Vale, representativas de 3,57% do capital da companhia. Em comunicado, o BNDESPar confirmou que, assim, finalizou o processo de venda de toda sua participação acionária na Vale e que não possui mais ações da companhia. O movimento, realizado por meio do BNDESPar, braço de participações do banco estatal, ocorre enquanto o BNDES busca se desfazer de ações que possui em diversas empresas para levantar recursos. O banco já havia realizado transações anteriores inclusive com papéis da Vale. Em novembro, uma venda em bloco de ações da empresa levantou R$ 2,54 bilhões. "O banco aproveitou o momento favorável", disse uma fonte ouvida pela Reuters sobre a última venda de ações. O BNDES era acionista da mineradora desde a privatização da companhia. Letreiro do BNDES no Rio de Janeiro Nacho Doce/Reuters No radar do banco, que tem buscado retomar sua estratégia de desinvestimentos, estavam possíveis operações com ações detidas na Petrobras, mas a queda dos papéis após o presidente Bolsonaro ter indicado um novo CEO para a companhia na última sexta-feira colocou o projeto em compasso de espera, disseram as fontes. "É esperar a turbulência passar e não realizar perdas", afirmou a fonte. As ações preferenciais da Petrobras desabaram 21,51% na segunda-feira, voltando para níveis de novembro do ano passado, enquanto as ordinárias caíram 20,48%, depois de preocupações no mercado com a indicação de Joaquim Silva e Luna para a presidência da estatal. Assista as últimas notícias de economia Initial plugin text Veja Mais

Facebook e Austrália chegam a acordo para restaurar páginas de notícias após bloqueio

G1 Economia Links de veículos de imprensa devem voltar nos próximos dias. Restrição ocorreu em resposta a um projeto de lei que obriga gigantes da tecnologia a pagarem meios de comunicação pelo uso de seus conteúdos. Facebook e governo australiano chegaram a acordo e páginas de notícias serão restauradas Lukas Coch/via Reuters O Facebook anunciou nesta terça-feira (23) que vai suspender o bloqueio das páginas de notícias na Austrália nos próximos dias após negociação com o governo do país na véspera. A rede social restringiu conteúdos no dia 17 deste mês em resposta a um projeto de lei que obriga os gigantes da tecnologia a pagarem os meios de comunicação pelo uso de notícias. "Chegamos a um acordo que nos permitirá apoiar os grupos de imprensa que escolhemos, incluindo os pequenos e os locais", declarou o vice-presidente do Facebook responsável por associações de notícias globais, Campbell Brown. Com o acordo, as empresas de tecnologia terão um prazo de dois meses para negociar com os veículos de imprensa e conseguirão ajustar os valores diretamente, com uma intervenção do governo somente em último caso. "Como resultado das mudanças, agora podemos trabalhar para estimular nosso investimento em jornalismo de interesse público e restabelecer nos próximos dias as notícias no Facebook para os australianos", declarou o diretor-geral do Facebook Austrália, Will Easton. "Estamos felizes de fechar um acordo com o governo australiano e apreciamos as discussões construtivas que tivemos", completou. Bloqueio O compartilhamento e visualização de notícias no Facebook foram bloqueados na semana passada para todos os usuários na Austrália, tanto perfis pessoais como empresas. Perfis de fora também não puderam ter acesso ao conteúdo de notícias do país. Para as páginas de editores de mídia, como jornais e redes de TV, também foi proibida a publicação de qualquer tipo de conteúdo na Austrália. O Facebook tem entre 16 e 18 milhões de usuários diários na Austrália, segundo a imprensa local. A sua população total é de 25 milhões de habitantes. Facebook bloqueia páginas de veículos de imprensa na Austrália Apesar da restrição de conteúdo, o projeto de lei que muda as regras de uso de notícias ainda não está em vigor. Ele foi aprovado na Câmara dos Deputados e está sendo debatido no Senado. A legislação que está em discussão prevê que as grandes plataformas da internet, como Google, Facebook, Amazon e Apple remunerem imprensas de mídia pelo uso de seu conteúdo. O objetivo, segundo o governo, é distribuir as receitas de publicidade on-line de forma mais equitativa. Saiba mais sobre o projeto de lei Onde mais esse tipo de discussão tem sido feita? A França é outro país onde se discute o pagamento para empresas de mídia. Em um decisão de abril de 2020, a autoridade de defesa da concorrência do país decidiu que o Google precisa pagar a companhias editoriais e agências de notícias francesas pela reutilização de seus conteúdos. O Canadá também planeja uma lei similar, segundo a agência Reuters. O Ministro do Patrimônio, Steven Guilbeault, responsável pelas áreas de cultura, mídia, esportes e artes, afirmou que a ação do Facebook na Austrália não irá afetar os seus planos. "Estamos trabalhando para ver qual modelo seria o mais apropriado", disse ele, acrescentando que falou na semana passada com colegas franceses, australianos, alemães e finlandeses sobre o trabalho conjunto para garantir uma remuneração justa pelo conteúdo da web. VÍDEOS: segurança digital Veja Mais

Lojas dos shoppings de Mogi e Suzano reúnem 25 oportunidades de emprego nesta terça; veja lista

G1 Economia Interessados podem acessar as lojas de acordo com as descrições ou procurar pessoalmente o Balcão de Informações. Lojas dos shoppings de Mogi e Suzano reúnem 25 oportunidades de emprego Cristina Requena/Divulgação As lojas dos shoppings de Mogi das Cruzes e Suzano reúnem 25 oportunidades de emprego nesta terça-feira (23). Os candidatos devem acessar os estabelecimentos de acordo com as descrições ou procurar pessoalmente o Balcão de Informações. As oportunidades são para as funções de vendedor, coordenador, operador de caixa, gerente, ajudante de cozinha, atendente, chapeiro, consultor de vendas, professor de ginástica e assistente administrativo PCD. Oportunidades em Mogi das Cruzes Vagas de emprego no shopping de Mogi das Cruzes De acordo com o shopping, o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) está à disposição dos candidatos para informações, em frente à C&A. O Mogi Shopping fica na Avenida Vereador Narciso Yague Guimarães, 1001 e funciona das 10h às 20h. Para mais informações o telefone é 4798-8800. Oportunidades em Suzano Vagas de emprego no shopping de Suzano As vagas também estão disponíveis no site. O Suzano Shopping fica na Rua Sete de Setembro, 555 e funciona das 11h às 21h. Para mais informações o telefone é 2500-7940. Assista a mais notícias Veja Mais

Agência do Trabalho oferece vagas de emprego em Petrolina e Salgueiro nesta terça-feira

G1 Economia Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco Beatriz Braga/G1 Petrolina Foram divulgadas as vagas de emprego disponíveis nesta terça-feira (23) em Petrolina e Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco e atualizadas no G1 Petrolina. Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. O atendimento na Agência do Trabalho ocorre apenas com agendamento prévio, feito tanto pelo site da secretaria, quanto pelo Portal Cidadão. Petrolina Contato: (87) 3866 - 6540 Vagas disponíveis Salgueiro Contato: (87) 3871-8467 Vagas disponíveis Vídeos: mais assistidos do Sertão de PE Veja Mais

Empreendedorismo formal gera vantagens e oportunidades que ajudam o negócio próprio a crescer e a se manter

G1 Economia Deixar a informalidade é a saída que muitos encontram para garantir o sustento numa situação de crise econômica. G1 conversou com especialistas que orientam sobre a adesão ao Microempreendedor Individual (MEI). Portais na internet disponibilizam serviços on-line. Banco do Povo em Presidente Prudente Aline Costa/G1 Partir para um negócio próprio é a saída que muitos encontram para garantir o sustento numa situação de crise econômica. Apesar de muitas pessoas optarem por empreender pela falta de oportunidades, ter uma micro ou pequena empresa contempla muitas vantagens. Entre elas, está a liberdade de tomar decisões e de fazer escolhas de acordo com o que acredita. Além das vantagens no que diz respeito à gestão, ser uma pequena empresa formal abre muitas oportunidades que podem ajudar o negócio a crescer e a se manter. Uma delas é a possibilidade de oferecer várias formas de pagamento aos clientes, como boletos e cartões de crédito e débito. Outra vantagem é a oportunidade de participar de licitações. Quando uma empresa consegue vencer uma licitação, ela pode fornecer serviços ou itens em grande número e por um período determinado. Ao G1, a consultora do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de São Paulo (Sebrae-SP), Fabíola Néias, explica que a formalização e o registro da empresa geram oportunidades e ganhos para o negócio. Além disso, o empreendimento tem mais chances de fechar parcerias, acessar linhas de crédito, exportar e receber subsídios do governo. Quem se formaliza, de acordo com a consultora, passa a ter direito à cobertura previdenciária do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), como aposentadoria por idade, auxílio-doença e salário-maternidade, entre outros benefícios previdenciários. "Além disso, o MEI [Microempreendedor Individual] é registrado no CNPJ [Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas ] e, assim, pode emitir notas fiscais, abrir conta bancária empresarial e ter acesso a linhas de crédito específicas. O MEI pode participar de licitações públicas, o que significa vender para o governo, e está dispensado de escrituração contábil e do levantamento anual do balanço patrimonial e de resultado econômico", acrescenta ao G1. Custos da formalização A consultora diz ao G1 que não há taxa de registro, a cobrança dos tributos é mais barata e em valor fixo mensal os controles são simplificados, é possível ter acesso a serviços gratuitos e ainda ter segurança jurídica para desenvolver o negócio. Fabíola Néias, consultora do Sebrae Divulgação O MEI, segundo Fabíola, neste sentido, agrada e é a escolha de muita gente que pretende deixar a informalidade, mas sem arcar com grandes custos, já que permite a formalização da empresa de forma rápida, fácil e com menos burocracia Para virar MEI, basta fazer um cadastro no site. Mas, antes de se registrar como MEI, é necessário que o empresário verifique na Prefeitura se a atividade que vai exercer é liberada no endereço informado, segundo a lei de zoneamento, e as demais exigências conforme o ramo de atuação. "O Microempreendedor Individual, por estar enquadrado no Simples Nacional, tem o benefício de recolher em uma única guia todos os tributos que para o MEI são fixos em um valor realmente baixo. Em uma única guia, conhecida como DAS [Documento de Arrecadação do Simples Nacional], você recolherá o INSS, ISS [Imposto sobre Serviços] e ICMS [Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços], cujo valor é de R$ 1,00 para o ICMS, R$ 5,00 para o ISS e 5% para o INSS", explica ao G1. Oportunidades Existem diversas oportunidades que um empreendedor formalizado pode obter, mas que o empreendedor informal não consegue. Poucos tributos a pagar; Benefícios previdenciários: pagar mensalmente até o dia 20 do mês subsequente a guia do DAS, em que está incluso um valor para o INSS. Serão concedidos ao MEI auxílio-doença, aposentadoria por idade após carência, salário-maternidade, pensão e auxílio-reclusão; Obtenção de crédito e acesso mais fácil a serviços financeiros: há muitos bancos que possuem linha de crédito para o MEI, principalmente bancos públicos, com redução de tarifas e taxas de juros adequadas, segundo o Portal do Empreendedor; Emissão de nota fiscal: o MEI poderá emitir notas fiscais quando prestar serviços ou realizar vendas, melhorando assim o relacionamento com clientes e fornecedores. Poderá vender ou prestar serviço para o setor público ou grandes empresas, já que será necessária a emissão de documento fiscal; Acesso e apoio técnico do Sebrae: o Sebrae ajuda o microempreendedor desde o início do planejamento do negócio. Incentivo Ainda conforme Fabíola pontua ao G1, o Programa Empreenda Rápido, do Sebrae, em parceria com o governo do Estado de São Paulo, busca incentivar o empreendedorismo por meio de cursos de qualificação e linhas de crédito exclusivas. Escritório do Sebrae-SP em Presidente Prudente Aline Costa/G1 "O informal tem acesso a uma linha de crédito com limite de R$ 3.000,00. MEIs têm acesso a diferentes linhas de crédito no Programa Empreenda Rápido, com limite até 21.000, quais podem ser utilizadas para iniciar o negócio, expandi-lo, ou outras aplicações. Isso é possível graças à parceria com o Banco do Povo e o Desenvolve SP. Todas as linhas de créditos são avaliadas e operadas pelas instituições financeiras. Há muitos bancos que possuem linha de crédito para os empreendedores formalizados, principalmente bancos públicos, com redução de tarifas e taxas de juros adequadas", ressalta a consultora. Banco do Povo O agente de crédito do Banco do Povo de Presidente Prudente, Gladston Calixto, explica ao G1 que a instituição oferece microcrédito produtivo para empreendedores, formalizados ou não, que desejam aplicar os recursos nos seus empreendimentos. Para conseguir um empréstimo, o primeiro passo é procurar o Sebrae. Banco do Povo em Presidente Prudente Aline Costa/G1 "Isso deve ser feito para a realização de um dos três cursos da trilha Empreenda Rápido ou o curso Enfrentar, para os formalizados. E, para quem não possui CNPJ, o curso disponibilizado é o Primeiros Passos. Com o certificado do curso em mãos, o interessado deve procurar a agência do Banco do Povo da sua cidade para providenciar a relação dos documentos necessários", explica. Calixto também acrescenta ao G1 que um empreendedor informal consegue obter crédito no Banco do Povo, desde que o interessado cumpra os requisitos necessários de aprovação, tais como Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) sem restrições e empreendimento viável, entre outros. "Todos os interessados podem solicitar o crédito, tanto formalizados quanto os informais. Basta cumprir os requisitos exigidos pela agência da cidade em que há o empreendimento", ressalta ao G1. Vantagens O consultor financeiro e contador Everson Juarez, de Presidente Prudente, salienta ao G1 que sair da informalidade traz uma série de vantagens. Consultor financeiro e contador Everson Juarez, de Presidente Prudente Cedida "Para isso, o governo criou o próprio MEI, para tirar várias pessoas da informalidade, como pedreiro, pintor, pequenos comércios, comércios ambulantes, por exemplo. Uma série de atividades. Primeiro, o próprio nome está dizendo, você se torna formal, você tem direito a crédito em banco. Você consegue vender para as empresas, porque você tem nota fiscal, você tem CNPJ. Consegue, inclusive, participar de licitações. Então, quer dizer, você consegue entrar em mercados em que você não entrava", diz Juarez. Sobre os custos, o consultor financeiro explica que, quando se trata de MEI, o custo é basicamente zero. "Eu diria que ele não gasta R$ 300 para abrir essa empresa. Se ele não for um MEI, se ele for uma microempresa, o custo da formalização já é maior, em torno de R$ 1.500. Mas o MEI é o grande foco. Aqueles que perderam o emprego e precisam fazer alguma coisa vão ter um custo, basicamente, dos R$ 300 e vão ter um custo mensal em torno de R$ 60, que é o Documento de Arrecadação do Simples [DAS]", acrescenta ao G1. O especialista ainda ressalta que, se você se mantém na informalidade, você não atinge os mercados. "Então, primeiro, você não consegue vender para qualquer um, vai sempre acabar vendendo para o seu rol de amigos, no âmbito mais doméstico, mas você não consegue atingir um mercado maior. Para sair da informalidade, deve ser feita a constituição da empresa. O faturamento anual é de 81 mil reais. A abertura de uma empresa, pra você se formalizar, ter o CNPJ, estar constituído legalmente, hoje você tem os portais, como o Portal do Empreendedor. Quando é uma empresa fora do MEI, você vai para o Portal da Junta, ou no cartório. Hoje você não vai mais na Receita ou no Estado, é tudo via portal. Aconselho a não fazer isso sozinho e, sim, procurar um profissional da área, para que não haja erros, pois pode ficar mais caro para consertar do que para constituir", pontua. Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região. Veja Mais

Itaúsa tem lucro 6,2% maior no quarto trimestre de 2020

G1 Economia Empresa registrou lucro líquido de R$ 3,66 bilhões no quarto trimestre, alta de 6,2% ante mesma etapa de 2019. Itaúsa Divulgação A Itaúsa teve leve alta do lucro no quarto trimestre, uma vez que o desempenho positivo de empresas industriais mais do que compensou os lucros menores da holding com o Itaú Unibanco, afetado por maiores provisões para calotes devido à crise gerada pela pandemia da Covid-19. A empresa anunciou nesta segunda-feira (22) que teve lucro líquido de R$ 3,66 bilhões no quarto trimestre, alta de 6,2% ante mesma etapa de 2019. O avanço na performance da Duratex no segmentos de materiais para construção civil, ganhos maiores com exportações da fabricante de calçados Alpargatas e apreciação do valor justo de ativos da empresa de gasodutos NTS justificaram a melhora no resultado, explicou a Itaúsa. A companhia, que também anunciou um programa de recompra de até 250 milhões de ações e o pagamento de juros sobre o capital próprio em duas tranches, afirmou ainda que tem um prognóstico para seus investimentos em 2021, uma vez que a crise gerada pela pandemia apresenta oportunidades para novos negócios. Vídeos: Últimos notícias de Economia Veja Mais

Auxílio emergencial: Bolsonaro fala em pagar quatro parcelas de R$ 250 na nova rodada

G1 Economia Presidente já tinha citado 'três ou quatro parcelas', mas ainda não havia declarado valor. Pagamento pode voltar em março, mas ainda está sendo debatido com Câmara e Senado, afirmou. O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (25) que o governo estuda pagar quatro parcelas de R$ 250 na nova rodada do auxílio emergencial. Segundo Bolsonaro, o benefício pode ser retomado em março. O retorno do auxílio emergencial é debatido pelo governo desde dezembro, quando foi paga a última parcela. A retomada também é defendida pelos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O formato dos novos pagamentos ainda não foi anunciado oficialmente. “Eu estive hoje com o [ministro da Economia] Paulo Guedes. A princípio, né, o que deve ser feito? A partir de março, por quatro meses, é 250 reais de auxílio emergencial. Então é isso que está sendo disponibilizado”, afirmou Bolsonaro durante transmissão ao vivo em uma rede social. Bolsonaro já havia falado em estender o auxílio emergencial por "três ou quatro meses", mas ainda não havia comentado o valor da nova rodada – vinha apenas repetindo que seria impossível retomar o patamar de R$ 600 registrado no início do programa. Na transmissão desta quinta, o presidente não informou de onde virão os recursos para custear essa nova rodada de benefícios, nem como esse gasto será encaixado no orçamento e nas metas fiscais de 2021. Auxílio emergencial: o caminho apontado por economistas para o governo bancar o programa VÍDEO: Especialistas afirmam ser viável retomar o auxílio emergencial Apesar de citar as quatro parcelas de R$ 250, o presidente disse que o assunto ainda está sendo discutido com a equipe econômica e com Lira e Pacheco. Bolsonaro não informou data para bater o martelo sobre o tema. “Está sendo conversado ainda com, em especial, os presidentes da Câmara e do Senado. Porque a gente tem que ter certeza do que nós acertamos, vai ser em conjunto, não vai ser só eu e a equipe econômica, vai junto com o Legislativo também, [para que] na ponta da linha aquilo seja honrado por todos nós” disse Bolsonaro. No último dia 11, o blog no G1 da jornalista Ana Flor adiantou que o governo estudava pagar o auxílio por mais quatro meses com R$ 250 por parcela. No mesmo dia, o ministro Paulo Guedes afirmou em live que o governo poderia começar com R$ 250 e depois "aterrissar" em R$ 200 nas parcelas finais. Nesta quinta, Bolsonaro disse acreditar que a capacidade de endividamento do governo está no limite e que espera que após a nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial a “economia pegue de vez, pegue para valer”. Problema orçamentário O Congresso Nacional analisa a inclusão, no texto da proposta de Emenda à Constituição (PEC) chamada de PEC Emergencial, de um dispositivo que retira os custos do auxílio emergencial das restrições do teto de gastos e da regra de ouro. O teto de gastos impede que os gastos do governo cresçam mais que a inflação do período anterior. Já a regra de ouro define que o governo não pode fazer dívidas – emitir títulos, por exemplo – para custear despesas como salários, benefícios de aposentadoria, contas de luz e outros custeios da máquina pública. Votação da PEC Emergencial, que abre espaço para auxílio emergencial, ficou para a semana que vem O ministro Paulo Guedes tem defendido, porém, que a retomada do programa deve vir acompanhada de corte de gastos para evitar a piora nas contas públicas. Sem contrapartida, o auxílio amplia o rombo nas contas públicas, o que pode afetar a confiança de investidores no país. Nesta quinta, em uma derrota para o governo, o Senado encerrou a sessão sem que o relator da PEC, Márcio Bittar (MDB-AC), lesse seu parecer sobre a proposta. O governo esperava a leitura e a aprovação do texto ainda esta semana. Veja Mais

Twitter permitirá que usuários cobrem seus seguidores por conteúdo extra

G1 Economia Rede social prepara principais mudanças dos últimos anos. Ferramenta Super Follow ainda não tem data para fazer a estreia, e outra novidade para o futuro será a criação de grupos na plataforma. Twitter anuncia novidades REUTERS/Kacper Pempel O Twitter anunciou nesta quinta-feira (25) um novo recurso que permitirá aos usuários cobrar por conteúdo exclusivo aos seus seguidores. Chamada de Super Follows, a ferramenta ainda não tem data para fazer a estreia. Ainda não está claro como será feita a cobrança, mas o conteúdo extra poderá aparecer em tuítes exclusivos, acesso a uma comunidade, assinatura de uma newsletter ou até um emblema indicando o apoio a aquela conta. O que é Clubhouse? Saiba mais sobre a rede social de conversas por áudio Além do Super Follows, o Twitter também lançará o Twitter recurso Comunidades, onde as pessoas podem criar e participar de grupos em torno de interesses específicos. Conhecida por manter suas interatividades tradicionais e sem muitas alterações, o Twitter prepara suas principais novidades em um longo período. App quer dobrar receita Ao anunciar os novos recursos, o Twitter disse que espera dobrar a receita anual para ao menos US$ bilhões e atingir 315 milhões de usuários em 2023. "Sabemos que temos sido lentos", disse o presidente-executivo Jack Dorsey. "Quando você nos compara com nossos colegas, tem sido especialmente severo." O Twitter vai usar novos recursos para elevar a receita e usuários, disse a empresa numa apresentação para investidores. Saiba como se proteger de vazamentos na internet Veja Mais

Ônibus sem motorista circula em cidade do Sul da Espanha

G1 Economia Veículo tem sensores, câmeras e é 100% elétrico e começou a circular no sábado para fazer um trajeto que une o porto ao centro da cidade de Málaga. Motorista da empresa de ônibus Avanza, Cristobal Maldonado, supervisiona ônibus elétrico de piloto automático, durante fase de teste de um mês com passageiros em Málaga, Espanha / 24 de fevereiro de 2021 Jon Nazca/Reuters Um ônibus sem motorista começou a circular nas ruas de Málaga, sul da Espanha, em um projeto inédito na Europa. Dotado de sensores e câmeras, este ônibus 100% elétrico entrou em serviço no sábado, para fazer um trajeto que une o porto ao centro da cidade andaluza: um circuito de 8 km que ele faz por seis dias na semana. "O ônibus sabe em cada momento onde está, sabe em cada momento tudo o que tem ao seu redor", explicou à AFP Rafael Durbán Carmona, diretor da divisão sul da sociedade Avanza, líder do consórcio público-privado responsável pelo projeto. Ônibus elétrico autônomo viaja em modo de piloto automático ao longo de uma rua durante uma fase de teste com passageiros em Málaga, Espanha. Fevereiro Jon Nazca/Reuters O veículo "pode interagir com as infraestruturas, com os semáforos", que também estão equipados com sensores que indicam quando estão vermelhos, apontou. O ônibus também tem um dispositivo de inteligência artificial que lhe permite melhorar suas "decisões" em função dos dados que coleta ao longo do trajeto. Desenvolvido pela empresa espanhola Irizar, se parece com outro ônibus qualquer: mede doze metros de comprimento e pode levar 60 passageiros. A Europa viu outros projetos de veículos autônomos, como na França ou na Estônia, mas nenhum que envolva um ônibus urbano de tamanho normal que ocupe as mesmas ruas que outros automóveis. A legislação espanhola não autoriza que um veículo circule sem alguém para conduzi-lo, portanto um motorista ocupa o assento sem tocar no volante ou nos pedais. Sua tarefa consiste em, excepcional e ligeiramente, corrigir a trajetória, como por exemplo ao chegar a uma rotatória. VÍDEOS: segurança digital Veja Mais

Arrecadação tem queda real de 1,5% em janeiro, para R$ 180 bilhões

G1 Economia Informação foi divulgada nesta quinta-feira pela Secretaria da Receita Federal. Com isso, foi interrompida uma sequência de cinco meses de crescimento real. A Receita Federal informou nesta quinta-feira (15) que a arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou queda real (descontada a inflação) de 1,5% em janeiro deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2020. Ao todo, a arrecadação somou R$ 180,221 bilhões no mês passado. De acordo com dados da Receita, o resultado de janeiro deste ano interrompe uma série de cinco meses seguidos de crescimento real, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Apesar da queda na comparação com janeiro de 2020, os números oficiais mostram que o resultado ficou acima de anos anteriores. De acordo com a Receita Federal, o resultado de janeiro deste ano foi influenciado pela arrecadação extraordinária de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social Sobre Lucro Líquido (CSLL), além do IRPF, no valor de aproximadamente R$ 2,7 bilhões. Por outro lado, acrescentou o órgão, empresários lançaram mão, em janeiro, de compensações tributárias a que tinham direito, o que ajudou a derrubar os valores arrecadados pelo governo. Essas compensações são feitas por empresas que pagaram tributos a mais no passado. As compensações, segundo o Fisco, subiram 44,7% em janeiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Elas passaram de R$ 15,960 bilhões, em janeiro de 2020, para R$ 23,097 bilhões no mesmo mês deste ano. Veja Mais

Bovespa abre o dia em leve alta

G1 Economia Na quarta-feira, principal índice da bolsa subiu 0,38%, a 115.667 pontos. A bolsa de valores brasileira, a B3, opera em leve alta no início dos negócios desta quinta-feira (25), com os investidores avaliando o cenário político e fiscal, e de olho nos resultados da Petrobras, divulgados na noite de quarta - a petroleira registrou lucro recorde no 4º trimestre de 2020. Às 10h02, o Ibovespa tinha alta de 0,02%, a 115.692 pontos. Veja mais cotações. Na quarta-feira, a bolsa fechou em alta de 0,38%, a 115.667 pontos. Na parcial do mês, a bolsa passou a acumular alta de 0,48%. No ano, porém, tem queda de 2,85%. Variação do Ibovespa em 2021 G1 Economia Entenda o que é o Day Trade – e saiba se é possível enriquecer com essa modalidade Cenário Depois de diversos dias de turbulência após a interferência do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras - que indicou o general Silva e Luna para presidir a estatal em substituição a Roberto Castello Branco - a petroleira divulgou, na noite de quarta-feira, uma queda de 82% no lucro líquido de 2020. O resultado do quarto trimestre do ano, no entanto, surpreendeu positivamente: foi o maior da história das empresas abertas no Brasil. Também na noite desta quarta-feira, Bolsonaro entregou ao Congresso Nacional o projeto de lei que abre caminho para a privatização dos Correios. Na terça-feira, já tinha sido entregue aos parlamentares uma medida provisória que busca acelerar o processo de privatização da Eletrobras. Os projetos são vistos como uma forma de mostrar apoio à agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, após as turbulências ocorridas com a troca do comando da Petrobras. "A privatização da Eletrobras já é objeto do Projeto de Lei 5877/19 que está na Câmara. Já foi tratada na MP 814 durante o governo Temer, tendo caducado. Resta saber se a MP 31 terá sorte diferente, realmente abrindo o caminho para privatização", avaliou a equipe da GO Associados, em relatório a clientes. Na agenda de indicadores, a FGV mostrou nesta quinta que o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) ficou em 2,53% em fevereiro, após avançar 2,58% em janeiro. Com o resultado, acumula alta de 5,17% no ano e de 28,94% em 12 meses. Entre os analistas, tem crescido o receio de uma inflação acima do centro da meta do governo em 2021 e a aposta de aumento da taxa básica de juros já na próxima reunião do Copom, agendada para 17 de março. Miriam Leitão: MP que acelera a privatização da Eletrobras é encenação Cenário político e econômico O presidente Jair Bolsonaro entregou na véspera uma medida provisória que busca acelerar a privatização da Eletrobras, numa tentativa de reverter a imagem de que a agenda de privatizações do governo está parada e após sua decisão de trocar o comando da Petrobras ter alimentado receios de uma guinada do governo a uma direção mais populista e mais distante da agenda liberal defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. As ações preferenciais da Eletrobras fecharam em alta de 10,8% na terça-feira, embaladas pela entrega da MP. No Congresso, seguem as discussões sobre a PEC Emergencial, que abre caminho para mais uma rodada do Auxílio Emergencial e cria medidas de ajuste nas contas públicas. PEC Emergencial deve levar 10 anos para compensar gastos com nova rodada do Auxílio Na agenda de indicadores, o IBGE divulgou que o IPCA-15, que é uma prévia da inflação oficial do país, desacelerou para 0,48% em fevereiro. Em 12 meses, acumula alta de 4,57%, acima da meta central do governo para a inflação em 2021, que é de 3,75%. Já a Fundação Getulio Vargas mostrou que a confiança do consumidor subiu em fevereiro após quatro meses de queda consecutivas. Entre os analistas, cresce a aposta de aumento da taxa básica de juros já na próxima reunião do Copom, agendada para 17 de março. "O Banco Central só não aumentará a Selic no mês que vem caso persista a indefinição sobre a extensão do auxílio emergencial", avaliou em relatório a LCA Consultores. Veja Mais

Emprego: confira 318 vagas ofertadas em 19 municípios de Pernambuco nesta quinta

G1 Economia Há oportunidades, através da Agência do Trabalho, para quem quer trabalhar como auxiliar de cargo e descarga, churrasqueiro, vendedor pracista, garçom, entre outros cargos. Entre vagas disponíveis, há 48 para ajudante de carga e descarga de mercadorias Romero Mendonça/Secom-ES/Arquivo O sistema público da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq-PE) reúne, nesta quinta-feira (25), 318 vagas de emprego em 19 municípios do estado. As oportunidades foram disponibilizadas através das unidades da Agência do Trabalho. Do total, dez vagas foram reservadas para pessoas com deficiência e outras 15 são temporárias. Há 48 oportunidades para o cargo de ajudante de carga e descarga de mercadorias no Recife, além de outras para churrasqueiro, vendedor pracista, garçom, estoquista, auxiliar de limpeza, confeiteiro, entre outros cargos (confira lista completa mais abaixo). Há vagas no Recife (82), Arcoverde (2), Belo Jardim (15), Bezerros (7), Cabo de Santo Agostinho (9), Camaragibe (25), Caruaru (56), Garanhuns (7), Goiana (4), Igarassu (10), Ipojuca (12), Nazaré da Mata (2), Palmares (10), Paudalho (4), Petrolina (11), Salgueiro (6), Santa Cruz do Capibaribe (11), Serra Talhada (11) e Vitória de Santo Antão (36). Os interessados devem procurar uma das Agências do Trabalho do estado. O atendimento ocorre preferencialmente com agendamento, feito pelo site da secretaria ou pelo Portal Cidadão. Vagas de emprego Vagas para pessoas com deficiência Vagas temporárias VÍDEOS: Mais assistidos de Pernambuco nos últimos 7 dias Veja Mais

Parlamento da Austrália aprova lei que cobra Facebook e Google por uso de notícias

G1 Economia Governo diz que objetivo é remunerar a mídia de forma justa. Na semana passada, o Facebook chegou a bloquear posts de notícias do país antes de chegar a acordo sobre a legislação. Facebook não chegou a um acordo e baniu conteúdo de notícias na Austrália Lukas Coch/via Reuters O parlamento da Austrália aprovou lei que cobra de gigantes da tecnologia como Facebook e Google pelo uso de notícias. A decisão ocorreu nesta quinta-feira (25), data local, ainda quarta-feira (24) no Brasil. O novo código torna a Austrália o primeiro país onde um órgão governamental definirá as taxas que as "big techs" terão de pagar caso as negociações com as empresas de mídia falharem. Entenda a lei que gerou a disputa com o Facebook Após disputa com o Facebook, que chegou a bloquear notícias do país em sua plataforma, a lei recebeu alterações de última hora. “O código garantirá que as empresas de mídia de notícias sejam remuneradas de forma justa pelo conteúdo que geram, ajudando a sustentar o jornalismo de interesse público na Austrália”, disseram o ministro das finanças, Josh Frydenberg e o ministro das comunicações, Paul Fletcher, em um comunicado conjunto. Para chegar a um acordo com a rede de Mark Zuckerberg, a proposta foi alterada. No texto aprovado, a lei concede às empresas de tecnologia um prazo de dois meses para negociar com os veículos de imprensa, e estes conseguirão negociar os valores diretamente, com uma intervenção do governo somente em último caso. Nesta quarta-feira, o Facebook disse que investirá ao menos US$ 1 bilhão no setor de notícias em todo mundo. Ao comentar a adesão às novas regras na Austrália, a empresa disse que as negociações tiraram "arbitrariedades" da proposta. O Google havia se antecipado à aprovação da lei e já fechou contratos com alguns grupos de mídia australianos. Em um dos contratos, pagará US$ 30 milhões empresa Nine Entertainment. Facebook chega a acordo com governo australiano para restaurar páginas de notícias Bloqueio do Facebook A rede social restringiu conteúdos no dia 17 deste mês em resposta ao ainda projeto de lei. Por alguns dias, usuários ficaram impossibilitados de compartilhar ou visualizar links de veículos de notícias na plataforma. Páginas de meios de comunicação foram proibidas de publicar qualquer tipo de conteúdo no período. Páginas de mídias como do News chegaram a perder seu conteúdo Reprodução Após conversas com o governo local, um acordo foi fechado no dia 23 de fevereiro, e o Facebook anunciou que iria restabelecer a publicação de notícias na plataforma. Quais países debatem regras parecidas? A França é outro país onde se discute o pagamento para empresas de mídia. Em um decisão de abril de 2020, a autoridade de defesa da concorrência do país decidiu que o Google precisa pagar a companhias editoriais e agências de notícias francesas pela reutilização de seus conteúdos. O Canadá também planeja uma lei similar, segundo a agência Reuters. O Ministro do Patrimônio, Steven Guilbeault, responsável pelas áreas de cultura, mídia, esportes e artes, afirmou que a ação do Facebook de bloquear notícias na Austrália não irá afetar os seus planos. "Estamos trabalhando para ver qual modelo seria o mais apropriado", disse ele, acrescentando que teve conversas com colegas franceses, australianos, alemães e finlandeses sobre o trabalho conjunto para garantir uma remuneração justa pelo conteúdo da web. Saiba como se proteger do vazamento de dados Veja Mais

Bolsonaro sanciona lei que estabelece a autonomia do Banco Central; veja detalhes

G1 Economia Texto prevê mandato de quatro anos para presidente do Banco Central para evitar interferência política no órgão. Governo não informou se há trechos vetados; equipe econômica apoia medida. O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quarta-feira (24) a lei aprovada pelo Congresso Nacional que estabelece a autonomia do Banco Central. Um dos objetivos da mudança é blindar o órgão de pressões político-partidárias. Até a última atualização desta reportagem, o Planalto não tinha informado se Bolsonaro vetou algum trecho da proposta, e a lei ainda não tinha sido publicada no "Diário Oficial da União". Com a sanção, o atual presidente do BC, Roberto Campos Neto, perde o status de ministro de Estado. "Hoje é um grande dia para o Banco Central e um grande dia para o Brasil. Estamos diante de um importante passo, com a sanção pelo presidente Jair Bolsonaro da lei que garante a autonomia do Banco Central. Hoje vai ficar para a história como um marco do desenvolvimento institucional do nosso país", disse Campos Neto. Entre outros pontos, o texto aprovado pelo Congresso Nacional e avalizado pelo governo define que o presidente do Banco Central terá mandato de quatro anos, não coincidente com o do presidente da República. Diretores também terão mandatos. A autonomia do Banco Central é debatida no Congresso desde 1991, e o projeto aprovado entrou na lista de pautas prioritárias do governo, entregue pelo presidente Jair Bolsonaro aos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Autonomia do BC alivia peso da desconfiança de interferência política Entre outras funções, cabe ao Banco Central, por meio do Comitê de Política Monetária (Copom), definir a taxa Selic, a taxa básica de juros da economia. A ideia da lei é que, não podendo a diretoria da instituição ser demitida por eventualmente subir o juro, a atuação seja exclusivamente técnica, focada no combate à inflação. O que é a autonomia do Banco Central sancionada por Bolsonaro Ponto a ponto O Banco Central tem nove diretores, e um deles é o presidente da instituição. Após indicação do presidente da República, os aspirantes aos cargos precisam passar por sabatina e votação no Senado. O texto aprovado pelo Congresso não altera a composição da diretoria colegiada do Banco Central, mas estabelece mandato de quatro anos para o presidente do BC e os demais diretores. Todos podem ser reconduzidos ao cargo, uma única vez, por igual período. O mandato da presidência do BC não coincidirá com o da presidência da República. De acordo com o texto, o presidente do Banco Central assume o cargo no primeiro dia do terceiro ano do mandato do chefe do Poder Executivo. O texto também estabelece a substituição de forma escalonada dos demais membros da diretoria, de acordo com a seguinte escala: dois diretores iniciam os mandatos no dia 1º de março do primeiro ano de mandato do presidente da República; dois diretores iniciam os mandatos no dia 1º de janeiro do segundo ano do mandato do presidente da República; dois diretores iniciam os mandatos no dia 1º de janeiro do terceiro ano do mandato do presidente da República; dois diretores iniciam os mandatos no dia 1º de janeiro do quarto ano do mandato do Presidente da República. Câmara começa análise do texto que prevê autonomia do Banco Central Além disso, o presidente do Banco Central deverá apresentar no Senado, no primeiro e no segundo semestre de cada ano, relatório de inflação e de estabilidade financeira, explicando as decisões tomadas no semestre anterior. A proposta também define como objetivo fundamental do Banco Central assegurar a estabilidade de preços, além de determinar objetivos secundários: zelar pela estabilidade e eficiência do sistema financeiro; suavizar as flutuações do nível de atividade econômica; fomentar o pleno emprego. Sem vinculação à Economia Atualmente, o Banco Central é vinculado ao Ministério da Economia, apesar de não ser subordinado à pasta. Pela proposta, o BC passa a se classificar como autarquia de natureza especial caracterizada pela "ausência de vinculação a Ministério, de tutela ou de subordinação hierárquica". Segundo o projeto, o Banco Central se caracterizará pela "autonomia técnica, operacional, administrativa e financeira". Eliane Cantanhêde sobre aprovação da autonomia do Banco Central: 'Palácio do Planalto está em festa' Perda de mandato O projeto aprovado pelo Congresso Nacional também estabelece as situações que levam à perda de mandato presidente e diretores do Banco Central: a pedido do presidente ou do diretor; em caso de doença que o incapacite para o cargo; quando sofrer condenação, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado, por improbidade administrativa ou em crime cuja pena leve à proibição de acesso a cargos públicos; em caso de “comprovado e recorrente desempenho insuficiente para o alcance dos objetivos do Banco Central do Brasil”. Nesta hipótese, o Conselho Monetário Nacional (CMN) deve submeter ao presidente da República a proposta de exoneração, que estará condicionada à prévia aprovação por maioria absoluta do Senado. Transição e vedações O texto aprovado prevê um cronograma de transição para o novo modelo de diretoria. Em até 90 dias após a lei ser sancionada, o governo terá de nomear os nove diretores do Banco Central. Aqueles que já ocupam os cargos não terão de passar por nova sabatina no Senado. A duração dos mandatos, para essa primeira composição, deverá obedecer ao cronograma abaixo: presidente e dois diretores com mandatos até 31 de dezembro de 2024; dois diretores com mandatos até 31 de dezembro de 2023; dois diretores com mandatos até 28 de fevereiro de 2023; dois diretores com mandatos até 31 de dezembro de 2021. A proposta também cria proibições ao presidente e aos diretores do Banco Central. São elas: Outras funções: os dirigentes ficam vetados de exercer qualquer outro cargo simultâneo, público ou privado, exceto o de professor; Ações: o presidente e os diretores do BC, além de seus cônjuges ou parentes de até segundo grau, não podem ter participação acionária em instituições supervisionadas pelo BC; Quarentena: por seis meses após o exercício do mandato, o presidente e os diretores estão proibidos de participar do controle societário ou atuar, com ou sem vínculo empregatício, em instituições do Sistema Financeiro Nacional. No período, a ex-autoridade receberá remuneração compensatória. Veja Mais

Ataques hacker a hospitais e farmacêuticas aumentam com a pandemia, aponta IBM

G1 Economia Organizações e empresas ligadas ao combate à Covid-19 foram duas vezes mais atacadas pelos cibercriminosos em 2020 na comparação com o ano anterior. Em dezembro de 2020, IBM alertou que hackers tentaram obter informações sobre processo de logística da vacina contra Covid-19. REUTERS/Dado Ruvic Organizações e empresas ligadas ao combate à Covid-19 foram grandes alvos para os hackers durante o ano de 2020, segundo um relatório divulgado pela IBM nesta quarta-feira (24). Hospitais, fabricantes de produtos farmacêuticos e empresas de energia que alimentam a cadeia de suprimentos relacionadas com a pandemia foram duas vezes mais atacados do que em 2019, segundo o estudo. Esse grupo de organizações representou 6,6% das ameaças digitais detectadas em 2020, comparado com 3% do ano anterior. A análise foi feita a partir de dados de 130 países, incluindo o Brasil. O relatório indica que os criminosos estão de olho em infraestrutura crítica, mesmo que não estejam ligadas ao combate à pandemia. No início de fevereiro, um hacker conseguiu invadir a rede de computadores de uma usina de água no estado da Flórida, nos Estados Unidos, e tentou contaminá-la com um aditivo químico, mas não teve sucesso. Mensagens com iscas Em dezembro passado, a própria IBM alertou que o processo de transporte de vacinas contra Covid-19 era alvo de hackers. Na ocasião, cibercriminosos enviaram e-mails falsos para tentar obter informações. Esse tipo de golpe de mensagens falsificadas que tentam enganar as pessoas ao se passar por alguém confiável é conhecido como "phishing" e costuma figurar como a modalidade de ataque mais popular. Empresas e marcas que se popularizaram diante da pandemia e da necessidade de trabalhar remotamente foram utilizadas como iscas pelos criminosos, segundo a IBM. Saiba mais: 2020, um ano vivido pelas telas Como fazer ligações em vídeo para várias pessoas ao mesmo tempo Google, Dropbox, YouTube, Facebook e Amazon foram as marcas mais "falsificadas" nesses tipos de golpes. Em muitas ocasiões, o hacker envia um e-mail pedindo para a pessoa recuperar a sua senha ou fornecer dados sensíveis. Método preferido Embora o "phishing" tenha figurado como método preferido de ataque por anos, isso mudou em 2020. A maneira mais bem-sucedida de ataques foi verificando e explorando vulnerabilidades (35%) de sistemas digitais. A proteção mais recomendada para esses casos é manter sempre os dispositivos e aplicativos atualizados. Vírus de resgate Os cibercriminosos também privilegiaram ataques por vírus de resgate (ransomware), em que o hacker consegue bloquear os arquivos da vítima e cobra um valor para liberar o conteúdo. Esses ataques foram responsáveis por 23% do total dos incidentes de segurança detectados no relatório da IBM – uma alta de 20% em relação a 2019. O crescimento dessa modalidade está relacionado com os possíveis lucros: a companhia estima que o vírus de resgate “Sodinokibi” rendeu US$ 120 milhões (R$ 650 milhões) aos cibercriminosos. Entretanto, a recomendação de especialistas é nunca pagar o resgate. Metade das campanhas de vírus de resgate usaram a “extorsão dupla”, quando o criminoso pede dinheiro para restaurar o acesso aos arquivos e outra quantia para não vazar os dados que ele roubou. É possível recuperar arquivos sequestrados por vírus de resgate? Veja mais dicas de segurança digital: Dicas para se proteger de vazamentos de dados: Veja Mais

Facebook anuncia investimentos de US$ 1 bilhão no setor de notícias após disputa na Austrália

G1 Economia Montante será distribuído em veículos de mídia de todo o mundo nos próximos 3 anos. Gigante da tecnologia chegou a bloquear notícias na Austrália em resposta a projeto de lei que prevê o pagamento a meios de comunicação. Facebook anuncia investimento de US$ 1 bilhão em veículos de imprensa Dado Ruvic/Reuters/Arquivo O Facebook anunciou nesta quarta-feira (24) um investimento de ao menos US$ 1 bilhão no setor de notícias em todo o mundo para os próximos 3 anos. A iniciativa ocorre após divergências com uma nova regra em debate na Austrália, que prevê o pagamento a meios de comunicação por conteúdo. No ano passado, o Google também prometeu injetar o mesmo valor de US$ 1 bilhão em veículos de imprensa. Entenda o projeto de lei da Austrália que gerou disputa com as 'big techs' De acordo com o Facebook, desde 2018 a empresa investiu US$ 600 milhões na indústria de notícias. A empresa citou acordos com grupo de mídias no Reino Unido e nos Estados Unidos, para o pagamento por conteúdo, e disse que tem "negociações ativas" em França e Alemanha. "As afirmações - repetidas amplamente nos últimos dias - de que o Facebook rouba ou pega o jornalismo original para seu próprio benefício sempre foram e continuam sendo falsas", disse a empresa, em comunicado. O objetivo do projeto de lei australiano, segundo o governo, é distribuir as receitas de publicidade on-line de forma mais equitativa. A rede social disse que as negociações com o governo da Austrália tiraram "arbitrariedades" da proposta. Com o acordo, as empresas de tecnologia terão um prazo de dois meses para negociar com os veículos de imprensa e conseguirão ajustar os valores diretamente, com uma intervenção do governo somente em último caso. Facebook chega a acordo com governo australiano para restaurar páginas de notícias Bloqueio na Austrália A rede social restringiu conteúdos no dia 17 deste mês em resposta a um projeto de lei que obriga os gigantes da tecnologia a pagarem os meios de comunicação pelo uso de notícias. Por alguns dias, usuários ficaram impossibilitados de compartilhar ou visualizar links de veículos de notícias na plataforma. Páginas de meios de comunicação foram proibidas de publicar qualquer tipo de conteúdo no período. Páginas de mídias como do News ficaram sem poder publicar Reprodução Após conversas com o governo local, um acordo foi fechado no dia 23 de fevereiro e o Facebook anunciou que iria restabelecer a publicação de notícias na plataforma. Saiba como se proteger de vazamentos de dados Veja Mais

Investimento estrangeiro soma US$ 1,83 bilhão em janeiro, menor valor para o mês em 15 anos

G1 Economia Por outro lado, as contas externas registraram déficit de US$ 7,25 bilhões em janeiro, melhor resultado negativo em três anos, segundo informações do Banco Central. Os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira somaram US$ 1,838 bilhão em janeiro deste ano, de acordo com números divulgados pelo Banco Central (BC) nesta quarta-feira (24). Isso representa uma queda de 30,7% na comparação com o mesmo mês de 2020, quando foi registrado o ingresso de US$ 2,654 bilhões. Essa também foi a menor entrada líquida de de investimentos diretos na economia brasileira, para o mês de janeiro, desde 2006 (US$ 1,472 bilhão), ou seja, em 15 anos. A queda nos investimentos acontece em meio à tensão nos mercados, causada pela pandemia do novo coronavírus, e também às dificuldades para aprovar reformas que reequilibrem as contas públicas, além do fraco nível de atividade (com o fim do auxílio emergencial). Em todo ao passado, os investimentos estrangeiros somaram US$ 34,167 bilhões, queda de 50,6% frente a 2019. Foi o menor ingresso anual desde 2009. Para 2021, o BC estimou, em dezembro do ano passado, que os investimentos diretos de estrangeiros no país avançarão para US$ 60 bilhões devido à "redução de incertezas relacionadas à pandemia - e, consequentemente, a um ambiente externo mais favorável para economias emergentes – e ao crescimento doméstico, que deve melhorar a lucratividade das empresas estrangeiras no Brasil". Contas externas Por outro lado, as contas externas registraram um déficit de US$ 7,253 bilhões em janeiro, o que representa uma queda de 29,6% na comparação com o mesmo mês de 2020 (-US$ 10,305 bilhões). Esse também foi o melhor resultado para o mês de janeiro desde 2018, quando foi registrado um déficit de US$ 6,778 bilhões. Ou seja, foi o menor resultado negativo em três anos. O resultado de transações correntes, um dos principais do setor externo do país, é formado pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior). Em todo ano passado, as contas externas registraram um déficit de US$ 12,517 bilhões. Esse foi o melhor resultado para um ano fechado desde 2007, ou seja, em 13 anos. Para 2021, o BC estimou, em dezembro do ano passado, um aumento no rombo das contas externas para US$ 19 bilhões devido ao "cenário de continuidade da retomada da atividade doméstica" e do "crescimento da demanda global e atenuação da intensidade das intervenções não farmacêuticas para contenção da Covid-19". Veja Mais

Dólar segue em queda, negociado ao redor de R$ 5,40

G1 Economia Na terça-feira (23), moeda norte-americana fechou em queda de 0,24%, a R$ 5,4421. Notas de dólar e real em casa de câmbio no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira *4) REUTERS/Bruno Domingos O dólar opera em queda nesta quarta-feira (23), com os investidores monitorando a cena política e os riscos fiscais do Brasil. Às 10h18, a moeda norte-americana caía 0,45%, cotada a R$ 5,4174 Na mínima até o momento, recuou a R$ 5,3909. Veja mais cotações. Na terça-feira, o dólar fechou em queda de 0,24%, a R$ 5,4421. Na parcial do mês, passou a acumular queda de 0,52%. No ano, porém, tem valorização de 4,91% ante o real. O Banco Central fará nesta quarta-feira leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em junho e outubro de 2021, destaca a Reuters. Cenário Na agenda de indicadores, o IBGE divulgou que o IPCA-15, que é uma prévia da inflação oficial do país, desacelerou para 0,48% em fevereiro. Em 12 meses, acumula alta de 4,57%, acima da meta central do governo para a inflação em 2021, que é de 3,75%. Já a Fundação Getulio Vargas mostrou que a confiança do consumidor subiu em fevereiro após quatro meses de queda consecutivas. Entre os analistas, tem crescido a aposta de aumento da taxa básica de juros já na próxima reunião do Copom, agendada para 17 de março. "O Banco Central só não aumentará a Selic no mês que vem caso persista a indefinição sobre a extensão do auxílio emergencial", avaliou em relatório a LCA Consultores. No Congresso, seguem as discussões sobre a PEC Emergencial, que abre caminho para mais uma rodada do Auxílio Emergencial e cria medidas de ajuste nas contas públicas. PEC Emergencial deve levar 10 anos para compensar gastos com nova rodada do Auxílio Governo entrega MP da Eletrobras ao Congresso; veja análise Na cena política, o presidente Jair Bolsonaro entregou na véspera uma medida provisória que busca acelerar a privatização da Eletrobras, numa tentativa de reverter a imagem de que a agenda de privatizações do governo está parada e após sua decisão de trocar o comando da Petrobras ter alimentado receios de uma guinada do governo a uma direção mais populista e mais distante da agenda liberal defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Em evento na véspera, Bolsonaro dedicou parte do discurso a fazer elogios ao ministro da Economia, que ainda não se pronunciou sobre a troca no comando da Petrobras. O presidente disse ainda que "tem muita coisa errada" na Petrobras e que o indicado para ser o novo presidente da estatal, o general reformado Joaquim Silva e Luna, irá "dar uma arrumada" na empresa. Na cena externa, o presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, retorna ao Congresso americano nesta quarta para o segundo dia de depoimentos sobre a visão do banco central dos EUA sobre as situação econômica atual. O presidente Bolsonaro elogiou o ministro Guedes em cerimônia no Planalto Variação do dólar em 2021 Economia G1 Veja Mais

KLM Cityhopper recebe primeiro jato E195-E2 da Embraer

G1 Economia Projetado especificamente para reduzir emissões de carbono e poluição sonora, o novo E195-E2 tem, ao todo, 132 assentos. E195-E2 da Embraer Embraer/Divulgação A Embraer informou que a KLM Cityhopper, subsidiária regional da KLM Royal Dutch Airlines, recebeu nesta terça-feira (23) seu primeiro jato E195-E2, em cerimônia realizada nas instalações da Embraer no Brasil. Projetado especificamente para reduzir emissões de carbono e poluição sonora, o novo E195-E2 tem, ao todo, 132 assentos, com 20 na classe executiva, 8 na “economy comfort” e 104 na econômica. Embraer registra queda de quase 35% nas entregas de aeronaves em 2020 Ao todo, o pedido da KLM inclui 35 jatos do novo modelo, sendo 25 pedidos firmes com opção para 10 adicionais, que serão disponibilizados à companhia aérea pela ICBC Aviation Leasing (10) e pela Aircastle (15). Segundo a companhia, a entrega do E2 eleva para 50 o número total de jatos da Embraer que operam na frota da KLM Cityhopper: são 17 jatos E175 de primeira geração e 32 E190. De acordo com a Embraer, o novo E2 possibilita uma redução de 10% nas emissões de carbono por viagem e de 31% por assento em relação aos jatos E190 de primeira geração da KLM Cityhopper. Em um ano normal, cada E195-E2 irá emitir 1.500 toneladas a menos de poluentes de carbono, segundo a Embraer. O ruído também é 60% menor — uma medida considerada essencial para o Aeroporto Schipol de Amsterdã, na Holanda, que tem regras rígidas quanto aos ruídos. Segundo informações da Embraer, a adição do E195-E2 à frota da KLM Cityhopper é parte vital para o plano da empresa aérea de reduzir a pegada de carbono em pelo menos 50% por pessoa/km até 2030. Veja Mais

Mulheres ganham direitos em igualdade de gênero, mas foram mais afetadas pela pandemia, diz Banco Mundial

G1 Economia Estudo mostra que 27 países implementaram novas legislações que beneficiaram as mulheres na luta pela igualdade de gênero econômica. Por outro lado, a Covid-19 afetou setores em que elas são maioria. As mulheres possuem, em média, 75% dos direitos legais concedidos aos homens em suas vidas profissionais, mostrou um levantamento do Banco Mundial divulgado nesta terça-feira (23). O estudo global avalia o quanto as leis interferem na carreira e na vida econômica delas. O resultado da pontuação média no índice de igualdade legal entre os gêneros em 2020, de 76,1 pontos, é melhor que o de 2019, quando foram 75,5 pontos. A pontuação, que vai de 0 a 100, é medida por indicadores como mobilidade, local de trabalho, remuneração, casamento, maternidade, empreendedorismo, bens e benefícios sociais. A pesquisa foi realizada entre setembro de 2019 e outubro de 2020, em 190 economias diferentes. Crescimento de igualdade O aumento da igualdade entre os gêneros pode ser visto em ao menos dois pontos da pesquisa. Nos resultados de 2020, 10 economias tiveram pontuações máximas (100 pontos), contra 8 do ano anterior. Foram eles: Bélgica, Canadá, Dinamarca, França, Islândia, Irlanda, Letônia, Luxemburgo, Portugal e Suécia. Entre os campeões, Portugal e Irlanda tiveram novidades no período envolvendo legislações que favoreceram a igualdade. As novidades entre leis são o segundo ponto de melhoria no último ano. Ao todo, foram 36 mudanças em 27 economias. Entre elas estão licenças maternidade e paternidade, permissão para emissão de passaporte (na Jordânia), obrigatoriedade de salários iguais entre os gêneros e proibições de discriminações em diversos setores econômicos. Brasil O Brasil foi um dos que subiram de pontuação por mudanças em leis, que resultam e benefícios para a igualdade das mulheres. Na pesquisa mais recente, o Brasil obteve 85 pontos, contra 81,9 da feita em 2019. De acordo com o estudo, isso se deve às reformas da previdência de 2019, que acabou com a aposentadoria por idade. Mulheres e a Covid-19 Para o Banco Central, a pandemia do coronavírus teve maior impacto sobre as mulheres, que ocupam em maior proporção setores afetados pela crise mundial, como o sistema de saúde. Dados revelam ainda uma queda na proporção de mulheres empregadas em tempo integral com a chegada da pandemia. Além disso, elas também foram forçadas a abandonar seus trabalhos, mesmo que fora de serviços essenciais e/ou de maior participação feminina, para cuidarem de seus filhos. "Para trabalhadores da linha de frente que não podem trabalhar em casa - a maioria dos quais em todo o mundo são mulheres - fechamentos de escolas e creches foram particularmente desafiadores", diz o estudo. "Mesmo quando ambos os pais tiveram a sorte de poderem de trabalhar em casa, os homens ainda não realizavam a mesma quantidade de cuidados infantis e trabalho não remunerado como as mulheres. Além disso, muitos empregadores discriminaram mães pela falta de onde deixar os filhos", completa. Veja as dez economias com melhores e piores notas, segundo o Banco Mundial Melhores notas: Bélgica (100); Canadá (100); Dinamarca (100); França (100); Islândia (100); Irlanda (100); Letônia (100); Luxemburgo (100); Portugal (100); Suécia (100). Piores notas: Guiné-Bissau (42,5); Afeganistão (38,1); Síria (36,9); Omã (35,6); Irã (31,3); Catar (29,4); Sudão (29,4); Kuwait (28,8); Iêmen (26,9); Territórios Palestinos (26,3). VÍDEOS: as últimas notícias de economia Veja Mais

Postos de combustíveis terão 'dificuldade' de cumprir decreto de Bolsonaro, diz federação

G1 Economia Segundo a Fecombustíveis, os postos compram combustíveis diretamente das distribuidoras, e estas companhias deveriam informar o valor dos tributos federais e estaduais, e suas margens, para que fosse composta corretamente a formação de preço. Decreto de Bolsonaro que obriga postos a publicar formação de preços de combustíveis entrará em vigor em 30 dias Rede Amazônica/Reprodução A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) afirmou nesta terça-feira (23) que postos ao redor do país terão dificuldade de cumprir o decreto do presidente Jair Bolsonaro, que obriga a informar a composição do valor cobrado na bomba em painel em local visível. Segundo a federação, os postos compram combustíveis diretamente das distribuidoras, e estas companhias deveriam informar o valor dos tributos federais e estaduais, e suas margens, para que fosse composta corretamente a formação de preço. "Os postos terão dificuldade para cumprir o decreto porque são substituídos tributariamente. Ou seja, quando o posto recebe a gasolina e o diesel, o imposto já foi recolhido nas etapas anteriores da cadeia", explica a federação. "Nas vendas de gasolina e óleo diesel, a substituição tributária consiste na responsabilidade das refinarias em reter e recolher os impostos incidentes nas operações de venda das distribuidoras", diz a nota. "Já o recolhimento do ICMS sobre o etanol é mais complexo, dividido entre produção e distribuição, e depende se o faturamento é estadual ou interestadual." A regra entrará em vigor em 30 dias. O departamento jurídico da Fecombustíveis diz que está analisando o decreto e, assim que concluir o processo, o setor será informado de como deve proceder. Bolsonaro edita decreto que obriga postos a informar composição do preço dos combustíveis Detalhamento de preços Pelas regras, o painel deverá informar o valor médio regional do combustível no produtor ou no importador, o preço de referência usado para a cobrança do ICMS e o valor do imposto, e o valor do PIS/Cofins e da Cide, ambos cobrados pela União. Postos que tiverem tarifa promocional vinculada a programas de fidelização deverão informar o preço promocional, o preço real e valor do desconto aos consumidores. 'Viés' da política da Petrobras é atender aos interesses de 'alguns', diz Bolsonaro A Secretaria-Geral da Presidência da República informou que "a medida prevê mais clareza dos elementos que resultam no preço final e dará noção sobre o real motivo na variação de preços" e "fortalece um dos pilares da defesa do consumidor, que é o direito à informação". De acordo com o governo, a edição do decreto pretende dar clareza ao consumidor sobre o motivo da variação do preço final dos combustíveis. Com tombo das ações, Petrobras perde quase R$ 75 bilhões em valor de mercado "Como a oscilação nos preços dos combustíveis está atrelada aos preços das commodities no mercado internacional, e suas cotações variam diariamente, o consumidor muitas vezes não compreende o motivo da variação no preço final". VÍDEOS: mudança na presidência da Petrobras i Veja Mais

Especialista tira dúvidas sobre o IR 2021; mande sua pergunta

G1 Economia Prazo para entrega deve começar na próxima semana. O prazo para declaração do Imposto de Renda 2021 já vai começar, e com ele as dúvidas dos contribuintes sobre como preencher o documento. A Receita Federal ainda não confirmou as datas para entrega do documento – mas deve seguir o padrão dos anos anteriores e se estender de 1º de março a 30 de abril. SAIBA TUDO SOBRE O IMPOSTO DE RENDA 2021 Para ajudar nessa tarefa, o especialista em imposto de renda da consultoria EY, Antonio Gil, vai responder perguntas dos contribuintes: serão 15 dúvidas respondidas todas as semanas, durante todo o prazo de declaração. Mande sua dúvida pela área de comentários ao final da reportagem. Assista os últimos vídeos sobre o Imposto de Renda 2021 Veja Mais

Suporte para economia dos EUA será necessário por "algum tempo", diz Fed

G1 Economia Segundo o presidente Jerome Powell, trajetória da economia continua a depender significativamente do curso do vírus e das medidas tomadas para controlar sua disseminação. Jerome Powell diz que as vacinações em andamento oferecem esperança de um retorno a condições mais próximas da normalidade, mas trajetória da economia ainda depende muito do vírus. REUTERS A recuperação econômica dos Estados Unidos continua "desigual e longe de completa" e levará "algum tempo" antes de que o Federal Reserve considere mudar as medidas que implementou para ajudar o país a voltar ao pleno emprego, disse o presidente do banco central norte-americano, Jerome Powell, nesta terça-feira (23). Os cortes de juros pelo Fed e compras mensais de US$ 120 bilhões em títulos do governo "aliviaram substancialmente as condições financeiras e estão fornecendo apoio substancial à economia", disse Powell em declarações preparadas para depoimento a uma audiência do Comitê Bancário do Senado sobre a situação da economia. "A economia está muito longe de nossas metas de emprego e inflação, e é provável que leve algum tempo para que progressos substanciais sejam alcançados", a barreira que o Fed estabeleceu para discutir quando seria apropriado reduzir parte desse apoio. Embora a situação sanitária esteja melhorando e "as vacinações em andamento ofereçam esperança de um retorno a condições mais próximas da normalidade ainda este ano", disse Powell, "a trajetória da economia continua a depender significativamente do curso do vírus e das medidas tomadas para controlar sua disseminação." A aparição de Powell vem num momento significativo para os EUA, com o país ainda se recuperando da pandemia, mas talvez pronto para decolar ainda este ano se o programa de vacinação ganhar ritmo. Biden libera mais recursos federais para socorrer o Texas A audiência perante o Comitê Bancário do Senado, uma das aparições obrigatórias do chair do Fed duas vezes por ano no Capitólio, é a primeira de Powell desde que os democratas conquistaram a Casa Branca e o controle de ambas as Casas do Congresso. Depois dos comentários iniciais de Powell, ele responderá a perguntas de parlamentares que provavelmente se concentrarão na tensão entre uma pandemia que ceifou mais de meio milhão de vidas nos Estados Unidos e deixou milhões de desempregados e uma economia repleta de poupanças e apoio do banco central, e prestes a obter uma nova onda de gastos federais. VÍDEOS: Últimas notícias de Economia Veja Mais

Concurso Censo 2021: saiba como simular a remuneração do cargo de recenseador

G1 Economia Recenseadores recebem por produção e não têm piso. Inscrições para o cargo, que tem mais de 188,8 mil vagas, foram abertas nesta terça-feira (23) e vão até o dia 19 de março. IBGE abre concurso com mais de 191,8 mil vagas para recenseador Reprodução / FAEPE O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançou, na manhã desta terça-feira (23), um simulador online da remuneração dos recenseadores que serão contratados, mediante concurso público, para atuar no Censo 2021. As inscrições para o cargo, que tem 181.898 vagas, também foram abertas nesta manhã e vão até o dia 19 de março, na internet, com taxa no valor de R$ 25,77. Os candidatos ao cargo de recenseador precisam ter ensino fundamental completo. Eles são os profissionais que visitarão todos os domicílios do país, entrevistando os moradores, e serão remunerados pela produção, de acordo com o número de domicílios visitados e questionários respondidos. Confira o tira-dúvidas sobre as mais de 180 mil vagas para recenseador Veja mais informações sobre o concurso para o Censo 2021 Concurso IBGE/Censo 2021: veja detalhes em alguns estados Veja como serão distribuídas as vagas do concurso do IBGE Veja a lista completa de concursos abertos no país O simulador disponibilizado pelo IBGE calcula quanto o recenseador vai receber de acordo com a quantidade de residências visitadas e pessoas entrevistadas, considerando a taxa de remuneração de cada setor censitário, o tipo de questionário preenchido (básico ou amostra) e o registro no controle da coleta de dados. "Lembramos que trata-se apenas de uma estimativa e que os valores apresentados na simulação não representam exatamente a sua remuneração remuneração futura", destacou o IBGE. Como usar o simulador Para simular a remuneração, basta ao candidato acessar o site do concurso e informar o município onde quer atuar e a quantidade de horas que pretende dedicar ao trabalho. O IBGE recomenda que a jornada de trabalho dos recenseadores seja de, no mínimo, 25 horas semanais. “Quanto mais domicílios visitar e pessoas entrevistar, maior a remuneração. O recenseador pode trabalhar em qualquer horário, especialmente naqueles em que pode encontrar os moradores em casa, incluindo finais de semana e feriados”, explicou o coordenador de Recursos Humanos do IBGE, Bruno Malheiros. Ao fazer a inscrição ao concurso, o candidato informa em qual município quer trabalhar. A taxa de remuneração varia de acordo com o local escolhido, que é chamado de "setor censitário". “Por exemplo, um recenseador que atua numa área urbana tem mais facilidade de locomoção do que um recenseador que for visitar domicílios em uma comunidade ribeirinha isolada”, apontou Malheiros. Como exemplo, o IBGE mostrou que um recenseador que optar por trabalhar no município de Carauari, em plena Floresta Amazônica, onde só se chega de barco ou avião, pode receber remuneração mensal média de R$ 1.853,12, cumprindo jornada de 25 horas semanais. Já em São Paulo, cidade mais populosa do país, um recenseador que cumprir a mesma carga horária pode receber R$ 1.629,76 por mês. Em média, há 300 domicílios por setor censitário. O tempo de coleta de um setor varia segundo suas características e o tempo diário que o recenseador dedica ao trabalho. É possível que um recenseador consiga completar mais de um setor ao longo do período da coleta. O IBGE oferecerá uma de ajuda de locomoção para custear as despesas com deslocamento do recenseador para realização do trabalho. Além da ajuda de custo e da remuneração mensal, o recenseador também terá direito a 13º salário e às férias proporcionais aos dias trabalhados e à produção. IBGE abre inscrições para 181.898 vagas de recenseador Treinamento obrigatório e eliminatório Os recenseadores aprovados no processo seletivo terão treinamento com duração total de 5 dias e carga horária de 8 horas diárias, composto por duas etapas: autoinstrução (leitura prévia do Manual do Recenseador) e curso presencial. Ao final da etapa presencial, o candidato realizará o teste final do treinamento e precisa ter 50% de acertos e, pelo menos, 80% de frequência. O IBGE destacou que será oferecida uma ajuda de custo para os candidatos que tiverem pelo menos 80% de frequência no treinamento presencial. Caso haja necessidade de reposição de pessoal, depois de esgotada a reserva de candidatos treinados, poderão ser convocados novos candidatos, obedecendo-se à classificação nas provas objetivas, sem exceder o número de vagas previsto. Candidato que descumprir protocolo contra a Covid-19 pode ser eliminado O IBGE destacou que todas as etapas do Censo 2021, incluindo as provas, treinamentos e a coleta dos dados, seguirão protocolos sanitários de prevenção à Covid-19. No dia do exame, o candidato que descumprir as medidas de proteção será eliminado do processo seletivo. “Os protocolos sanitários de prevenção da Covid-19 serão divulgados detalhadamente em edital específico sobre os locais de prova. Será exigido o uso obrigatório de máscaras e o distanciamento seguro entre candidatos e aplicadores de prova. Vamos disponibilizar álcool em gel em todos os locais de prova e todos deverão seguir as medidas para evitar aglomerações, respeitando às legislações locais”, disse o coordenador de RH do IBGE, Bruno Malheiros. Os mesmos procedimentos deverão ser seguidos nos treinamentos presenciais dos recenseadores. No dia da prova, os candidatos deverão estar munidos de caneta esferográfica cor preta de material transparente, comprovante de inscrição e documento original com foto. Apostila gratuita para auxiliar nas provas Os candidatos ao cargo de recenseador serão submetidos a uma prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, com 10 questões de Língua Portuguesa, 10 questões de Matemática, 5 questões sobre Ética no Serviço Público e 25 questões de Conhecimentos Técnicos. Ela será aplicada no dia 25 de abril. O IBGE preparou uma apostila com os conhecimentos técnicos sobre a operação censitária que serão cobrados na prova objetiva. Além deste material, também foi disponibilizado o Código de Ética do IBGE, que também será cobrado no exame. Ambos os materiais estão disponíveis no site do Cebraspe, responsável pela organização do concurso. Outras 22,4 mil vagas Para realizar o Censo 2021, o IBGE anunciou concurso público com oferta de 204.307 vagas. A maioria é para o cargo de recenseador, mas há outras 22,4 mil distribuídas entre os cargos de Agente Censitário Municipal e Agente Censitário Supervisor da seguinte forma: 5.450 vagas para a função de Agente Censitário Municipal: salário de R$ 2.100. 16.959 vagas para a função de Agente Censitário Supervisor: salário de R$ 1.700 Para as funções de agente censitário, é exigido ensino médio completo. As inscrições para estes cargos já estão abertas e vão até o dia 15 de março pelo site http://www.cebraspe.org.br/concursos/ibge_20_agente. O agente censitário municipal gerencia o posto de coleta e, durante todo o trabalho do Censo Demográfico 2021, estará à frente de dois tipos de ações: Administrativas – controle e gestão dos recursos humanos e materiais do Posto de Coleta; Técnico-operacionais – gestor de uma equipe de Agentes Censitários Supervisores e recenseadores em que acompanhará e orientará a Coleta de Dados. O agente censitário supervisor exerce as tarefas de supervisão da operação censitária, com foco nas questões técnicas e de informática e administrativas. Está subordinado ao agente censitário municipal. Sua principal função é acompanhar, avaliar e, sobretudo, orientar os recenseadores durante a execução dos trabalhos de campo. A duração dos contratos é de 5 meses, podendo ser prorrogado, com base nas necessidades de conclusão das atividades do Censo Demográfico 2021 e na disponibilidade de recursos orçamentários. Ao candidato que obtiver melhor classificação será oferecida a vaga de agente censitário municipal. Aos demais candidatos classificados serão asseguradas as vagas de agente censitário supervisor, obedecida a ordem de classificação. A jornada de trabalho é de 40 horas semanais, sendo 8 horas diárias. Além do salário, os agentes censitários terão direito a auxílio-alimentação, auxílio-transporte, auxílio pré-escola, férias e 13º salário proporcionais. Assista às últimas notícias de Economia: Veja Mais

Bovespa opera em alta; Petrobras sobe 7%

G1 Economia Na segunda-feira (23), ações da Petrobras despencaram 21% e a petroleira perdeu quase R$ 75 bilhões em valor de mercado. Conselho de administração da Petrobras discute troca de comando na empresa A bolsa de valores brasileira, a B3, opera em alta nesta terça-feira (23), após forte tombo na sessão anterior, com as atenções dos investidores ainda voltadas para a Petrobras e para os riscos fiscais e políticos. Às 10h42, o Ibovespa avançava 1,24%, a 114.068 pontos. Veja mais cotações. As ações da Petrobras eram negociadas em forte alta, indicando um dia de leve recuperação dos papéis da estatal após tombo de quase 21% na véspera. Perto do mesmo horário, as ações ordinárias (PETR3) subiam 6,40%, enquanto as preferenciais (PETR4) tinham alta de 7,69%. Mais cedo, chegaram a subir mais de 9%. Já o dólar é negociado com pequenas variações. Mercado deve se recuperar após reunião do Conselho da Petrobras, dizem economistas Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas Na segunda-feira, o Ibovespa fechou em queda de 4,87%, a 112.667 pontos. Na parcial do mês, passou a acumular queda de 2,09%. No ano, a perda é de 5,33%. Segundo levantamento da Economatica, a Petrobras perdeu nesta segunda-feira quase R$ 75 bilhões em valor de mercado. Foi a segunda maior queda diária em valor da mercado da Petrobras desde o início do plano Real. Na sexta-feira, a petroleira já tinha encolhido R$ 28 bilhões. Além da petroleira, o Banco do Brasil também teve perda expressiva na véspera, com uma queda de 11%. Em comunicado ao mercado, o BB informou que não recebeu do seu controlador indicação para mudanças em seu corpo diretivo. BNDESPar vende todas as suas ações da Vale e não tem mais participação na mineradora Variação do Ibovespa em 2020 G1 Economia ‘Vivemos num ambiente de incerteza’, diz economista sobre queda de ações da Petrobras Cenário Por aqui, os operadores monitoravam com cautela os riscos políticos e fiscais do Brasil, com as preocupações com a interferência do governo federal na gestão das estatais ainda pautando o mercado. No exterior, os preços do petróleo subiam perto de 1% nesta terça-feira, sustentados pela expectativa de alívio em restrições associadas à Covid-19 pelo mundo, perspectivas econômicas positivas e menor oferta nos Estados Unidos. No caso específico da Petrobras, o mercado aguarda os resultados da reunião do Conselho de administração agendada para esta terça-feira (23). Já o balanço financeiro de 2020 da companhia será divulgado nesta quarta-feira (24). "Hoje será o dia “D” de decisão do Conselho de Administração sobre a indicação feita por Bolsonaro do general Joaquim Luna para a presidência da companhia. Vamos ter que esperar para avaliar as consequências e os desdobramentos disso, e se os projetos da empresa serão mantidos intactos. Aparentemente, existe uma blindagem sobre a fixação dos preços dos combustíveis, e a situação segue crítica com petróleo em alta e real desvalorizado", avaliou Alvaro Bandeira, economista-chefe do banco Modalmais. Nesta segunda-feira, o juiz da 7ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, em Belo Horizonte, André Prado de Vasconcelos, determinou que o presidente Jair Bolsonaro, a União e a Petrobras expliquem, no prazo de 72 horas, a indicação do general Joaquim Silva e Luna para presidente da estatal. Os investidores continuam de olho também nas discussões em torno de mais gastos com Auxílio Emergencial para a população vulnerável, em meio às preocupações com a saúde das contas públicas e rompimento do teto de gastos – considerado a âncora fiscal do país neste momento. Em meio às preocupações com a situação fiscal do país e aumento das incertezas, parte do mercado passou a projetar uma elevação da taxa básica de juros já na próxima reunião de março do Copom. Pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda mostrou que os analistas do mercado elevaram a estimativa de inflação em 2021 para 3,82%, acima da meta central, que é de 3,75%. A expectativa para a taxa Selic no fim de 2020 subiu de 3,75% para 4% ao ano. Já a projeção para a alta do PIB (Produto Interno Bruto) de 2021 foi reduzida de 3,43% para 3,29%. VÍDEOS: Últimas notícias sobre Petrobras Initial plugin text Veja Mais

Dólar é negociado com pequenas variações com risco fiscal e político no radar

G1 Economia Na segunda-feira (22), moeda norte-americana fechou em alta de 1,26%, a R$ 5,4554. Notas de dólar Gary Cameron/Reuters O dólar opera com pequenas variações nesta terça-feira (22), após sessão de forte turbulência na véspera, com as incertezas domésticas e preocupações com a interferência do governo federal na gestão das estatais ainda pautando o mercado financeiro. Às 10h42, a moeda norte-americana caía 0,07%, a R$ 5,4518. Veja mais cotações. Já o Ibovespa opera em alta. Na segunda-feira, o dólar fechou em alta de 1,26%, a R$ 5,4554. Na parcial do mês, ainda tem queda de 0,28%. No ano, tem valorização de 5,17% ante o real. Após tombo de 21%, ações da Petrobras têm leve alta no pré-mercado de Nova York Mercado deve se recuperar após reunião do Conselho da Petrobras, dizem economistas Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas ‘Vivemos num ambiente de incerteza’, diz economista sobre queda de ações da Petrobras Cenário Por aqui, os operadores monitoravam com cautela os riscos políticos e fiscais do Brasil. No exterior, os preços do petróleo subiam perto de 1% nesta terça-feira, sustentados pela expectativa de alívio em restrições associadas à Covid-19 pelo mundo, perspectivas econômicas positivas e menor oferta nos Estados Unidos. Os investidores ficavam atentos à inflação e aos rendimentos norte-americanos, enquanto aguardavam um discurso do chair do Federal Reserve, Jerome Powell. No caso específico da Petrobras, o mercado aguarda os resultados da reunião do Conselho de administração agendada para esta terça-feira (23). Nos EUA, as ADRs da Petrobras (recibos das ações da petroleira negociados na Bolsa de Nova York) subiam ao redor 3%, indicando um dia de leve recuperação dos papéis da estatal após tombo de 21% na véspera. As preocupações com interferências na política de preços da Petrobras e na gestão de estatais impactam o mercado de câmbio na medida em que intensificam as incertezas sobre a situação fiscal do país, o que afeta os juros futuros e também a confiança de investidores estrangeiros em relação ao Brasil. Para o economista da Necton André Perfeito, a recuperação observada nesta terça nas ADRs é uma boa notícia, mas "há que se ter cautela durante a semana, afinal o presidente Bolsonaro disse que ainda irá fazer mais alterações ao longo dos próximos dias". Nesta segunda-feira, o juiz da 7ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, em Belo Horizonte, André Prado de Vasconcelos, determinou que o presidente Jair Bolsonaro, a União e a Petrobras expliquem, no prazo de 72 horas, a indicação do general Joaquim Silva e Luna para presidente da estatal. Na véspera, pesquisa Focus do Banco Central divulgada na segunda-feira mostrou que os analistas do mercado elevaram a estimativa de inflação em 2021 para 3,82%, acima da meta central, que é de 3,75%. A expectativa para a taxa Selic no fim de 2020 subiu de 3,75% para 4% ao ano. Já a projeção para a alta do PIB (Produto Interno Bruto) de 2021 foi reduzida de 3,43% para 3,29%. Para onde o dólar vai em 2021? Entenda os fatores que pesam no câmbio Variação do dólar em 2021 Economia G1 Vídeos: veja últimas notícias sobre Petrobras Veja Mais

Por que as contas de luz no Texas estão chegando a quase R$ 90 mil após nevascas

G1 Economia Além do frio abaixo de zero, tempestades de neve e até riscos para saúde, texanos viveram dias de falta de energia — ou, para quem teve o fornecimento mantido, contas de luz altíssimas. Nos EUA, moradores do Texas recebem contas de luz de até US$ 17 mil O prefeito de Houston, cidade no estado americano do Texas, pediu que o governo estadual arque com as altas contas de luz que estão chegando às casas de seus residentes — um dos desdobramentos do frio severo que atingiu o sul dos Estados Unidos na semana passada, deixando pelo menos 70 mortos e termômetros em até -18ºC. Sylvester Turner defendeu, em entrevista ao canal de TV CBS News, não ser culpa dos moradores que o sistema de distribuição de energia elétrica não tenha dado conta da alta demanda. 'Gelo por todo lado': americanos lidam com frio fora do comum no Texas; FOTOS Milhões de pessoas ficaram sem energia elétrica no Texas após tempestades de neve atingirem o estado. Entretanto, alguns daqueles que tiveram o fornecimento mantido se depararam com contas de luz chegando aos cinco dígitos. Foi o que relatou ao jornal "The New York Times" o morador de Dallas e veterano do Exército Scott Willoughby — ele precisou pagar uma conta de US$ 16 mil (cerca de R$ 88 mil) por apenas alguns dias de uso, o que acabou com sua poupança. Imagem da cidade de Pflugerville, no Texas, em 16 de fevereiro de 2021 Bronte Wittpenn/Reuters Susan Hosford, moradora da cidade texana de Denison, disse à agência de notícias Associated Press que recebeu uma cobrança de US$ 1.300 (R$ 7.100) apenas pelas duas primeiras semanas de fevereiro. Uma vez que o valor foi debitado automaticamente da sua conta e ela não tinha fundos suficientes, precisou pagar juros. Muitas outras pessoas que reclamaram nas redes sociais sobre suas altas contas de luz são clientes da operadora Griddy, que atende apenas o Texas. A empresa oferece um dos planos mais populares do Estado no modelo de atacado. Com a piora das condições climáticas, ela chegou a alertar clientes sobre o aumento de preços, mas pouco coisa podia ser feita a tempo. O Texas é um dos poucos estados dos EUA que tem um sistema independente de fornecimento de energia, o que dificulta o reforço por estados vizinhos em situações de crise. Assim, em reunião emergencial realizada no último dia 16, um comitê estadual responsável pela infraestrutura decidiu pelo aumento do preço da energia. Cerca de 15 mil pessoas continuavam sem energia no Texas em 22 de fevereiro de 2021 Reuters/BBC A mudança não afetou clientes que contrataram planos de tarifa fixa. Já aqueles que adotaram tarifas variáveis — normalmente mais baratas no curto prazo, quando as condições climáticas estão estáveis — foram duramente atingidos pelo aumento. O Conselho de Confiabilidade Elétrica do Texas, que supervisiona o fornecimento de energia no Estado, está sendo acusado de não ter se preparado para cenários de escassez como o de agora. Atualmente, o fornecimento de energia se restabeleceu em grande parte do Texas, mas pouco mais de 15 mil clientes ainda estavam sem energia na hora do almoço de segunda-feira (22/02), de acordo com o site Poweroutage.us. Depois do susto das últimas semanas, a temperatura no Texas está mais suave e típica desta época do ano. Quem paga a conta? O prefeito Turner disse à CBS que, quando era um parlamentar estadual, apresentou um projeto de lei para garantir que houvesse uma "reserva adequada" de energia para evitar apagões — entretanto, ele diz que seus colegas políticos não aderiram à pauta. Sylvester Turner defende que o sistema não está à altura dos desafios produzidos pelas mudanças climáticas. "Tudo isso era previsível. Escrevi sobre em 2011. E, portanto, para esses custos exorbitantes, não são os consumidores que deveriam assumir." O governador do Texas, Greg Abbott, afirmou após reunião com parlamentares que "temos a responsabilidade de proteger os texanos de picos em suas contas de energia resultado inverno rigoroso e das quedas de energia". O presidente Joe Biden declarou calamidade no Texas na semana passada, abrindo caminho para uso de fundos federais em gastos para socorro. VÍDEOS mais vistos do G1 Veja Mais

Emprego: confira 228 vagas ofertadas em 19 municípios de Pernambuco nesta terça

G1 Economia Através da Agência do Trabalho, há oportunidade para auxiliar de cozinha, confeiteiro, manicure, açougueiro, analista de logística, entre outros cargos. Oportunidades de emprego são com carteira de trabalho Devanir Gino/EPTV Profissionais que estão em busca de uma oportunidade de emprego têm 228 vagas disponíveis através da Agência do Trabalho, da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq), em 19 municípios do estado, nesta terça-feira (23). Entre as oportunidades, há 15 vagas para o cargo de servente de obras e outras 12 para pedreiro em Vitória de Santo Antão. Também há oportunidades para os cargos de auxiliar de cozinha, confeiteiro, manicure, açougueiro, analista de logística, entre outros (confira lista completa mais abaixo). Há vagas no Recife (63), Arcoverde (2), Belo Jardim (6), Bezerros (3), Cabo de Santo Agostinho (10), Camaragibe (5), Caruaru (45), Garanhuns (1), Escada (1), Goiana (1), Ipojuca (12), Palmares (11), Paudalho (4), Petrolina (10), São Lourenço da Mata (1), Salgueiro (5), Santa Cruz do Capibaribe (12), Serra Talhada (4) e Vitória de Santo Antão (33). Os interessados devem procurar uma das Agências do Trabalho do estado. O atendimento ocorre preferencialmente com agendamento, feito pelo site da secretaria ou pelo Portal Cidadão. Vagas de emprego Vagas para pessoas deficiência Vagas temporárias VÍDEOS: Mais assistidos de Pernambuco nos últimos 7 dias Veja Mais

Vazamento de dados: guia para se proteger e tirar dúvidas

G1 Economia Em vídeos, especialistas explicam como saber se seus dados vazaram, descobrir fraudes com seu nome e os meios para evitar golpes. Veja também como barrar saques indevidos do FGTS. Megavazamento de dados atingiu milhões de brasileiros Reprodução/Vídeo G1 O megavazamento que expôs mais de 223 milhões de CPFs na internet deixou as pessoas em alerta sobre a possibilidade de uso desses dados em golpes. Mais informações, como nome, sexo e data de nascimento, também circulam na web nas mãos de criminosos. Para tirar dúvidas sobre o assunto, o G1 reuniu Altieres Rohr, especialista em segurança digital, e Danilo Doneda, advogado, professor do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). O que se sabe e o que falta saber sobre o megavazamento Em 13 vídeos, veja como proteger seus dados na internet e tire mais dúvidas sobre vazamentos: Como saber se meus dados vazaram? Como criar uma senha forte? Quem deve ser responsabilizado por vazamentos? Como se proteger de golpes no FGTS? É arriscado passar número do CPF em lojas? Como acontece um vazamento de dados? O que é a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)? Já posso usar a LGPD para buscar os meus direitos? Como funcionam as multas da LGPD? Como descobrir em fraudes em meu nome? Posso ficar com meu nome sujo por causa dos vazamentos? Estou recebendo muitas ligações de números desconhecidos. O que eu faço? Agora que dados vazaram, como se proteger? 1. Como saber se meus dados vazaram? VÍDEO: Como saber se meus dados vazaram? 2. Como criar uma senha forte? VÍDEO: Como criar uma senha forte? 3. Quem deve ser responsabilizado por vazamentos? VÍDEO: Quem deve ser responsabilizado por vazamentos? 4. Como se proteger de golpes no FGTS? VÍDEO: Golpe do FGTS após vazamento de dados 5. É arriscado passar número do CPF em lojas? VÍDEO: É arriscado passar número do CPF em lojas? 6. Como acontece um vazamento de dados? VÍDEO: Como acontece um vazamento de dados? 7. O que é a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)? VÍDEO: O que é a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)? 8. Já posso usar a LGPD para buscar os meus direitos? VÍDEO: Já posso usar a LGPD para buscar os meus direitos? 9. Como funcionam as multas da LGPD? VÍDEO: Como funcionam as multas da LGPD? 10. Como descobrir em fraudes em meu nome? VÍDEO: Como ficar de olho em fraudes em meu nome? 11. Posso ficar com meu nome sujo por causa dos vazamentos? VÍDEO: Posso ficar com meu nome sujo por causa dos vazamentos? 12. Estou recebendo muitas ligações de números desconhecidos. O que eu faço? VÍDEO: Estou recebendo muitas ligações de números desconhecidos. O que eu faço? 13. Agora que dados vazaram, como se proteger? VÍDEO: Agora os dados estão em vazamentos, como se proteger? Reveja a íntegra do programa: Megavazamento: tire suas dúvidas e saiba como proteger seus dados Saiba mais sobre o megavazamento de dados de 223 milhões de brasileiros Saiba como fazer o download seguro de apps Download seguro: saiba como baixar programas legítimos Veja dicas de segurança digital 5 dicas de segurança para sua vida digital Mais vídeos para cuidar de seus dados na web Veja Mais

Mercado financeiro deve se recuperar após reunião do Conselho da Petrobras, dizem economistas

G1 Economia Especialistas acreditam que o Ibovespa deve retomar ganhos nos próximos dias, com os investidores procurando novas oportunidades para aportar dinheiro. Maiores tombos diários da Petrobras Economia G1 Com a indicação do general Joaquim Silva e Luna, atual diretor da Itaipu Binacional, como novo presidente da Petrobras na última sexta-feira (19), a estatal perdeu mais de R$ 74 bilhões em valor de mercado apenas nesta segunda (22) e o Ibovespa fechou em queda de 4,87%, a 112.667 pontos. As ações ordinárias (PETR3) derreteram 20,48%, a R$ 21,55, e as preferenciais (PETR4) registraram baixa de 21,51%, a R$ 21,45. Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas Petrobras vê analistas cortarem recomendação para ações após Bolsonaro indicar novo presidente Único 'viés' da política da Petrobras é atender aos interesses de 'alguns grupos', diz Bolsonaro Essa instabilidade, contudo, não deve durar muito tempo. Especialistas ouvidos pelo G1 apostam que o Ibovespa deve se recuperar e voltar a subir nos próximos dias, com os investidores procurando novas oportunidades para aportar dinheiro. Troca na Petrobras: 'Não vejo que vá prejudicar demais isso ai', diz Mourão sobre movimentação no mercado No caso específico da Petrobras, o mercado aguarda os resultados da reunião do Conselho de administração agendada para esta terça-feira (23). "Esses 21% de queda [da Petrobras] já precifica o que deve acontecer amanhã na reunião. O que o mercado mais detesta é indefinição, instabilidade. Ele quer que a notícia seja dada logo, não importa qual seja. O ruim é ficar como está", disse Cristiano de Souza Corrêa, coordenador do curso de administração do Ibmec. Na avaliação de Henrique Castro, professor de finanças da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/EESP), as ações da Petrobras podem sofrer novas quedas, mas não tão grandes como as de sexta (19) e desta segunda (22). "Há outro patamar de preços porque não é mais possível passar aumentos internacionais. O lucro também diminuiu. Além disso, o governo sinalizou que pode haver interferência em outras estatais, como elétricas, e assustou o mercado", explicou Castro. Segundo levantamento da Economatica, com o tombo nas cotações, a Petrobras perdeu em poucas horas nesta segunda-feira quase R$ 75 bilhões em valor de mercado. Na sexta-feira (19), a petroleira já tinha encolhido R$ 28 bilhões. Regis Chinchila, analista da Terra Investimentos, lembrou também que a semana contará com balanços importantes, como o da própria Petrobras, e os de Vale, CSN, Gerdau, Itausa e Vivo, que tendem a mudar o cenário do Ibovespa. "No decorrer da semana, aguardaremos mais detalhes do caso da Petrobras, enquanto o mercado também espera o posicionamento de Paulo Guedes e a definição sobre o pagamento do auxílio emergencial", destacou o estatístico. Vídeos: Mudança na presidência da Petrobras Variação do Ibovespa em 2020 G1 Economia Veja Mais

Ministério da Agricultura registra 3 agrotóxicos inéditos e 64 genéricos para uso dos agricultores

G1 Economia Dos defensivos inéditos, dois são biológicos e um é químico, feito à base de Tiencarbazona e Isoxaflutol, considerado muito perigoso ao meio ambiente, segundo classificação do Ibama. Ministério da Agricultura liberou mais 67 agrotóxicos, contendo 3 inéditos. AFP O Ministério da Agricultura liberou mais 67 agrotóxicos nesta quinta-feira (25) para uso dos agricultores, segundo publicação no Diário Oficial. Essas são as primeiras autorizações feitas em 2021, após recorde de 493 no ano passado. Por que a produção de alimentos depende tanto de agrotóxicos? Dos novos defensivos, três possuem ingredientes ativos que não eram ainda registrados no Brasil. Destes, dois têm origem biológica e o outro tem origem química. O produto químico inédito tem o nome comercial de Adengo e o seu registro foi pedido pela Bayer. Ele é feito à base de Tiencarbazona e Isoxaflutol, que permitem o controle de plantas daninhas, tanto de folha estreita quanto de folha larga, na cultura do milho. Ele é considerado um produto muito perigoso para o meio ambiente, segundo classificação do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente). Já na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o produto não tem classificação toxicológica. Os dois agrotóxicos de origem biológica são feitos à base de Bacillus velezensis. Segundo a Anvisa, essa substância é improvável de causar dano agudo e, na classificação do Ibama, é considerada pouco perigosa ao meio ambiente. Os produtos biológicos são recomendados para o controle da fusariose, uma doença causada por um fungo chamado “Fasarium solani”. Esta doença provoca o apodrecimento das raízes das plantas e pode atingir diferentes culturas. Com estes compostos, também é possível combater a Meloidogyne incógnita, um nematoide que ao se hospedar nas raízes das plantas gera, ao seu redor, uma massa causando protuberâncias que fazem com que as raízes se pareçam com galhas. Segundo nota do Ministério, “todos os produtos registrados foram analisados e aprovados pelos órgãos responsáveis pela saúde, meio ambiente e agricultura, de acordo com critérios científicos e alinhados às melhores práticas internacionais”. Total das liberações Do total de 67 agrotóxicos liberados, 54 são químicos e 13 são biológicos, que são aqueles que podem ser utilizados tanto em lavouras comerciais quanto na produção de alimentos orgânicos, por exemplo. Pela legislação brasileira, tanto produtos biológicos utilizados na agricultura orgânica quanto químicos utilizados na produção convencional são considerados agrotóxicos. Como reduzir os resíduos de agrotóxicos antes de comer frutas, legumes e verduras Registros em 2020 No ano passado, foram, ao todo, 493 registros, segundo apurações do G1 baseadas em publicações no Diário Oficial da União. Este é o maior número documentado pelo Ministério da Agricultura, que compila esses dados desde 2000. Com este recorde, 2020 superou em 4% as aprovações de agrotóxicos de 2019, quando foram liberados 474 pesticidas — um recorde até então. Os registros vêm crescendo ano a ano no país desde 2016. Registro de agrotóxico em 2020. Arte/G1 Novo método de divulgação O governo alterou a forma de divulgação do registro de agrotóxicos em 2019. Até então, o ministério anunciava a aprovação dos pesticidas para a indústria e para os agricultores no mesmo ato dentro do "Diário Oficial da União". Relator no STF suspende portaria que muda regra para registro de agrotóxicos A sistema passou a levar em conta a aprovação dos dois tipos de agrotóxicos: os que vão para indústria e os que vão para os agricultores. Segundo o Ministério da Agricultura, a publicação separada de produtos formulados (para os agricultores) e técnicos (para as indústrias) tem como objetivo "dar mais transparência sobre a finalidade de cada produto". Como funciona o registro A permissão para um novo agrotóxico no país passa por 3 órgãos reguladores: Anvisa, que avalia os riscos à saúde; Ibama, que analisa os perigos ambientais; Ministério da Agricultura, que analisa se ele é eficaz para matar pragas e doenças no campo. É a pasta que formaliza o registro, desde que o produto tenha sido aprovado por todos os órgãos. Tipos de registros de agrotóxicos: Produto técnico: princípio ativo novo; não comercializado, vai na composição de produtos que serão vendidos. Produto técnico equivalente: "cópias" de princípios ativos inéditos, que podem ser feitas quando caem as patentes e vão ser usadas na formulação de produtos comerciais. É comum as empresas registrarem um mesmo princípio ativo várias vezes, para poder fabricar venenos específicos para plantações diferentes, por exemplo; Produto formulado: é o produto final, aquilo que chega para o agricultor; Produto formulado equivalente: produto final "genérico". Veja Mais

Petrobras vende campos de exploração na Bahia por US$ 220 milhões

G1 Economia Polo Miranga, localizado no estado, produziu 899 barris de óleo por dia em 2020. Petrobras vende campos de exploração localizados na Bahia. Getúlio Moura/Petrobras/Divulgação A Petrobras vendeu para a SPE Miranga S.A., subsidiária da PetroRecôncavo S.A., nove campos terrestres de exploração e produção denominados Polo Miranga, localizados na Bahia. A assinatura do contrato foi feita na quarta-feira (24). Refinaria Landulpho Alves é vendida por US$ 1,65 bilhão Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas Castello Branco faz teleconferência com aviso Sucessão na Petrobras: saiba quem são os conselheiros que vão avaliar indicação de Silva e Luna para a presidência da estatal Bolsonaro troca presidente da Petrobras; repercussão De acordo com a estatal, o valor de venda foi de US$ 220,1 milhões. O valor não considera os ajustes devidos até o fechamento da transação, que está sujeito ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O Polo Miranga compreende os campos terrestres de Miranga, Fazenda Onça, Riacho São Pedro, Jacuípe, Rio Pipiri, Biriba, Miranga Norte, Apraiús e Sussuarana, localizados na Bahia. A Petrobras é operadora com 100% de participação nessas concessões. A produção média do Polo Miranga de 2020 foi de aproximadamente 899 barris de óleo por dia e 376,8 mil m³/dia de gás natural. A Petrorecôncavo é uma empresa brasileira de óleo e gás com atuação na revitalização e aumento no fator de recuperação de campos maduros onshore. A empresa adquiriu a participação da Petrobras no Polo Riacho da Forquilha em 2019. Em 2020, adquiriu novo bloco exploratório na Bacia Potiguar, e assinou contrato de compra e venda referente à participação da Petrobras no Polo Remanso. Troca de comando Em teleconferência realizada na manhã desta quinta-feira (25), o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, comentou os últimos resultados da estatal. Ele se prepara para deixar a companhia em 20 de março com a decisão do presidente Jair Bolsonaro de indicar o general Joaquim Silva e Luna para o comando da companhia, anunciada na sexta-feira (19). Na transmissão, ele disse que vai trabalhar normalmente até o último dia que ficará no cargo, inclusive no que diz respeito a paridade nos preços de importação O executivo passou a ser criticado por Bolsonaro por promover sucessivos aumentos no preço dos combustíveis para evitar uma defasagem com a cotação praticada no mercado internacional. Veja mais notícias do estado no G1 Bahia. Assista aos vídeos do G1 e TV Bahia f Veja Mais

Após 11 meses no vermelho, contas do governo têm superávit de R$ 43,2 bilhões em janeiro

G1 Economia Informação foi divulgada nesta quinta-feira pela Secretaria do Tesouro Nacional. As contas do governo registraram um superávit primário de R$ 43,219 bilhões em janeiro deste ano, informou nesta quinta-feira (25) a Secretaria do Tesouro Nacional. Superávit primário ocorre quando as receitas superam as despesas. Nessa conta não são considerados os gastos do governo com o pagamento de juros da dívida pública. Na comparação com janeiro do ano passado, quando foi registrado um saldo positivo de R$ 44,133 bilhões, houve uma pequena piora no resultado. O Tesouro Nacional observou, porém, que o superávit de janeiro deste ano ficou acima da mediana da expectativas de mercado colhidas pelo governo (+R$ 27,5 bilhões). O resultado superavitário encerra uma sequência de onze meses com rombos nas contas públicas, em grande parte por conta dos gastos extraordinários para combater a pandemia do novo coronavírus. A melhora nas contas públicas está relacionada com uma boa arrecadação de tributos, que somou R$ 180,221 bilhões. Apesar da queda de 1,5%, influenciada pela retração na arrecadação de "royalties" do petróleo e aumento de compensações pelas empresas, o resultado ficou acima de anos anteriores. Além disso, pelo fato de o orçamento deste ano ainda não ter sido aprovado, o ritmo de gastos também está mais lento do que o usual. Quando isso ocorre, o Executivo tem acesso a 1/12 dos recursos previstos por mês até que o texto do Orçamento de 2021 passe pelo crivo do Congresso. Para este ano, o governo tem de cumprir uma meta de rombo fiscal (déficit primário) de até R$ 247,118 bilhões. Em todo ano passado, por influencia da pandemia do novo coronavírus, o resultado negativo bateu recorde ao somar R$ 743 bilhões. Ajuste das contas públicas O Tesouro Nacional avaliou, nesta quinta-feira, que o ano de de 2020 foi um período de gastos extraordinários, necessários para o enfrentamento da pandemia, mas com alto custo futuro deixado para a sociedade. Por conta do rombo recorde de 2020, a instituição observou que a dívida pública brasileira atingiu quase 90% do PIB, ficando, ainda segundo a instituição, "muito acima da média dos países emergentes, que é de 62% do PIB". A instituição pediu continuidade do ajuste das contas públicas. "A regra do teto dos gastos ganhou maior relevância na situação fiscal atual, tornando-se um instrumento imprescindível para evitar que despesas temporárias se tornem permanentes, de forma a assegurar o alcance do reequilíbrio das contas púbicas no médio prazo", acrescentou. A regra do teto de gastos limita a maior parte das despesas à variação da inflação do ano anterior. Com as discussões sobre um novo período de auxílio emergencial, informou o Tesouro Nacional, o instrumento mais apropriado é a PEC emergencial - cujo parecer do senador Márcio Bittar (MDB-AC) foi divulgado nesta semana. A proposta de PEC libera o pagamento do auxílio fora das regras fiscais, com algumas contrapartidas, e também acaba com o piso de gastos em saúde e educação. "Se o auxílio emergencial for concedido sem as medidas de fortalecimento da posição fiscal do país, pode haver um efeito adverso na economia com aumento da incerteza e perda de credibilidade, provocando aumento do risco país e dos juros, postergação da retomada da economia, bem como menor geração de emprego e renda para a população", concluiu o Tesouro Nacional. Veja Mais

Bayer registra prejuízo líquido de US$ 12,7 bilhões devido ao glifosato

G1 Economia Empresa assinou no ano passado um acordo de US$ 10,9 bilhões para pagar demandas nos Estados Unidos contra o Roundup, pesticida a base de glifosato comercializado por sua filial Monsanto, adquirida em 2018. Agrotóxico Roundup, da Monsanto, comprada pela Bayer, é visto em prateleira de varejista próximo a Bruxelas Yves Herman/Reuters O grupo alemão Bayer anunciou nesta quinta-feira (25) um prejuízo líquido de 10,5 bilhões de euros (US$ 12,789 bilhões). A perda foi impulsionada por um acordo assinado nos Estados Unidos para encerrar uma disputa jurídica sobre o herbicida glifosato, o agrotóxico mais vendido no Brasil e no mundo. Por que a produção de alimentos depende tanto de agrotóxicos? A empresa assinou no ano passado um acordo de US$ 10,9 bilhões para saldar 90.000 das 125.000 demandas nos Estados Unidos contra o Roundup, pesticida a base de glifosato comercializado por sua filial Monsanto, adquirida em 2018. O RoundUp foi classificado em 2015 como "provavelmente cancerígeno" pelo Centro Internacional de Pesquisas contra o Câncer (Circ), vinculado à OMS. Entenda o que é para o que serve o glifosato No final de 2020, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu manter, com restrições, o uso do glifosato no Brasil. Espera de alta em 2021 O resultado operacional do grupo também ficou no vermelho, com a perda de 16,1 bilhões de euros. Apesar dos resultados, a Bayer expressou confiança para o ano de 2021 e afirmou que "espera um crescimento sólido e lucros estáveis". A empresa espera um aumento de 3% do volume de negócios, que ficaria entre "42 e 43 bilhões de euros". O ano de 2020 bate recorde de liberação de agrotóxicos e componentes industriais Assista vídeos sobre agronegócios no G1 Initial plugin text Veja Mais

O que explica os salários milionários de presidentes de empresas?

G1 Economia Parece que os salários dos CEOs de grandes companhias estão cada vez maiores — será que foi sempre assim? Será que os altos salários vão continuar a ter espaço na sociedade pós-pandemia? Alamy via BBC Por volta das 17h30 do dia 6 de janeiro de 2021, após 34 horas de trabalho no ano, os chefes das principais empresas britânicas receberam a mesma quantia que um trabalhador médio no Reino Unido ganha ao longo do ano inteiro. De acordo com uma pesquisa do High Pay Centre, um think tank independente com sede em Londres, os presidentes das empresas listadas no índice FTSE 100 da bolsa de Londres ganham uma média de £ 3,6 milhões por ano (R$ 27,6 milhões) — mais de 100 vezes a média de £ 31.461 (R$ 241 mil) recebida por trabalhadores em tempo integral. No topo da lista de CEOs, está Tim Steiner, executivo-chefe do supermercado online Ocado, que ganhou £ 58,7 milhões em 2019. Isso representa 2.605 vezes a média dos funcionários da empresa. Em um dia, ele recebeu sete vezes o salário anual deles. Do outro lado do Atlântico, a situação é ainda mais extrema. Uma análise do Economic Policy Institute, think tank com sede em Washington DC, mostrou que os CEOs das 350 maiores empresas dos EUA ganharam uma média de US$ 21,3 milhões (R$ 115 milhões) em 2019. Isso estabelece uma proporção de remuneração de 320 para 1 entre o CEO e os funcionários — mais de cinco vezes o nível em 1989. Essas descobertas acontecem no momento em que a pandemia de covid-19 agravou a desigualdade em todo o mundo, expondo as populações de baixa renda a mais riscos à saúde, perda de emprego e declínio no bem-estar. Essas diferenças se tornam mais nítidas do que nunca, à medida que cresce a consciência do valor dos trabalhadores "essenciais" — que costumam ter poucos direitos trabalhistas e baixos salários. O resultado é uma perplexidade e indignação crescentes com os salários extraordinariamente altos que os chefes de grandes empresas continuam ganhando. Com essas profundas desigualdades expostas, muitos se perguntam como esses enormes salários surgiram. Por quem e como eles são autorizados? E, acima de tudo, será que devem continuar a ter espaço na sociedade pós-pandemia? As origens dos 'salários baseados em preços' A disparidade salarial dos executivos tem origem nas políticas propostas na década de 1980 pelo governo Reagan nos EUA e Thatcher no Reino Unido. Suas filosofias políticas impulsionaram a desregulamentação, a privatização do setor público e o capitalismo de livre mercado. Algumas pessoas acreditam que os altos salários são apropriados para visionários como Elon Musk Alamy via BBC Ambos também viam com maus olhos os sindicatos, que em última instância desempenharam um papel na capacidade reduzida dessas organizações de defender os trabalhadores. "Se você voltar ao início desse período, era muito comum que o trabalho dos executivos fizesse parte do sistema geral de avaliação de cargos de uma empresa. Havia um sistema para avaliar o pagamento de todos", diz Sandy Pepper, especialista em remuneração de executivos da Universidade London School of Economics (LSE), no Reino Unido. Mas, segundo ele, o sistema anterior "quebrou" quando a remuneração dos executivos foi conectada aos preços das ações e as "recompensas baseadas em ativos" decolaram sob o neoliberalismo vigente. Uma análise feita por Pepper, com base em dados do FTSE 100 desde 2000, mostra que a remuneração de todos os funcionários aumentou em média cerca de 3% ao ano, enquanto a remuneração dos CEOs subiu aproximadamente 10% ao ano. Segundo ele, a lógica subjacente era pagar o CEO de acordo com o desempenho financeiro da empresa, uma vez que eles eram o fator mais importante de sucesso. Portanto, além dos salários, os CEOs recebiam bônus relacionados ao desempenho e opções de aquisição de ações, que permitiam a eles comprar ações da empresa por um determinado preço. O pacote de remuneração de Steiner, CEO do Ocado, em 2019 incluiu um bônus de £54 milhões pela realização de um "plano de incentivo ao crescimento" de cinco anos, que mediu o crescimento do preço das ações da empresa em relação ao FTSE 100. (O Ocado recusou o pedido para comentar) Ao mesmo tempo, a proporção de empresas do Reino Unido que pertencem a indivíduos caiu drasticamente. Os acionistas ganharam poder e sua demanda por preços de ações em alta levou a pacotes de remuneração elevados para CEOs — autorizados, por sua vez, por conselhos de administração ansiosos para agradar seus investidores. Robin Ferracone, CEO da Farient Advisors, consultoria internacional de remuneração de executivos, concorda com esses salários "determinados pelo preço". "Se você tem um bom CEO, o efeito multiplicador pode ser enorme", diz ela. "Portanto, em princípio, o pagamento mediano por desempenho mediano e o pagamento elevado por alta performance fazem sentido." Pisando em ovos No entanto, na realidade, o sistema de cálculo da remuneração do CEO é mais complicado. As empresas contam com comitês de remuneração, compostos em sua maioria por conselheiros e executivos de outras empresas, que se reúnem uma vez por ano. Além das medidores mais tradicionais de experiência prévia e performance, os comitês usam o benchmarking como uma parte fundamental do processo — observando como a remuneração do CEO se compara à de empresas semelhantes, de acordo com o ex-CEO Steven Clifford, autor do livro The CEO Pay Machine. Geralmente, o montante estará no 50º, 75º ou 90º percentil, mantendo ou aumentando constantemente assim o salário, escreve ele. Um estudo de 2010 do Journal of Financial Economics concluiu que esse sistema de comitês de remuneração está acelerando a inflação salarial "porque essas empresas semelhantes permitem justificar o alto nível de remuneração de seus CEOs". Os bônus são então acordados como uma forma de medir a performance, aumentando com base em medidas financeiras ou pagos se metas específicas forem atingidas. À medida que os acionistas ganharam poder, sua demanda por altos preços de ações aumentou os salários do CEOs Alamy via BBC Tanto o processo da remuneração base quanto da bonificação são vistos pelos representantes dos trabalhadores como problemáticos, uma vez que os conselhos, por não quererem desagradar o dirigente da empresa que poderia pedir demissão ou demiti-los, aumentam o valor. Janet Williamson, da Trades Union Congress do Reino Unido, argumenta que o sistema de comitês de remuneração, que geralmente se reportam diretamente ao CEO, carece de imparcialidade e deve ser reformado. "Precisamos abandonar os salários relacionados ao desempenho — é isso que levou a esses aumentos", acrescenta. Na verdade, Pepper argumenta que a evidência empírica mostra que a correlação mais forte entre o salário e as medidas financeiras da empresa não é o desempenho financeiro, mas sim o tamanho das companhias — simplesmente há mais dinheiro para gastar. "Quanto maior a empresa, mais os CEOs são remunerados", diz ele. 'CEOs são a chave para o sucesso' Se a remuneração do CEO é justificada, continua sujeito a um acirrado debate. Por um lado, os economistas do livre mercado argumentam que os altos salários dos executivos são justificados se estiverem alinhados aos interesses dos executivos e acionistas. Se as empresas estão dispostas a pagar essas quantias, eles dizem, esse é o valor que o mercado acredita que os executivos valem. "Os CEOs são a chave para o sucesso", afirma Daniel Pryor, chefe de programas do Adam Smith Institute, think tank neoliberal. "Está bastante claro que há um número limitado de pessoas com habilidades, personalidade e disposição para ser CEO de uma empresa de ponta, e esse número limitado de pessoas é altamente procurado." Pryor cita os exemplos de Steve Jobs na Apple, Jeff Bezos na Amazon e Elon Musk na Tesla e SpaceX, talentos excepcionais que desenvolveram tecnologias revolucionárias a partir do zero. No entanto, vários pesquisadores afirmam que o papel do CEO médio — um profissional com perfil gerencial que não fundou o negócio e não foi um visionário — é exagerado. Outros fatores são mais importantes para decidir o destino de uma empresa. "Há vários motivos pelos quais uma empresa pode ter um bom desempenho", diz David Bolchover, especialista em remuneração de gestores que escreveu o livro Pay Check: Are Top Earners Really Worth It?. "Talvez a economia ou o setor deles estejam aquecidos, o que não tem nada a ver com o CEO, talvez eles operem em um oligopólio. Pode ser a contribuição dos funcionários. O impacto de um CEO no desempenho da empresa não é mensurável, esse é o cerne da questão. Eles usam essa 'ideologia do talento' para justificar. Mas será que a habilidade deles é tão rara? Acho que é um engodo." Bolchover diz que a crise financeira global de 2008 é um excelente exemplo de como performance e remuneração nem sempre estão alinhados. "O setor financeiro sempre defendeu seus altos salários com base em suas raras habilidades e talento", afirma. "Mas muitos desses bancos quebraram durante a crise, e as pessoas começaram a se perguntar — por que eles receberam tanto e continuaram a receber tanto mesmo depois da crise?" De acordo com Bolchover, o "vórtice do interesse pessoal" entre acionistas, membros do conselho e executivos é o motivo pelo qual a remuneração dos CEOs não caiu — e, para ele, é por isso que há uma pressão crescente do público em geral. 'Um avanço dramático' Enquanto os altos salários continuam de vento em popa, os direitos dos empregados parecem estar em uma trajetória descendente — especialmente para os trabalhadores da linha de frente em meio à pandemia. Para muitos trabalhadores médios, essas cifras desproporcionais se tornaram cada vez mais difíceis de engolir. A indignação da força de trabalho diante dessa disparidade salarial veio à tona no início do mês passado, quando milhares de funcionários da British Gas entraram em greve por cinco dias em resposta aos planos da empresa para reduzir a força de trabalho e transferir os funcionários para novos contratos com menos direitos. Trabalhadores de grandes empresas nas quais os CEOs ganham muito estão ficando mais inquietos com a disparidade salarial Alamy via BBC As tensões já estavam se acumulando desde 2018 depois que o CEO da Centrica, a empresa dona da British Gas, recebeu um aumento salarial de 44% para £2,4 milhões. "É mais do que o primeiro ministro ganha. Como eles podem justificar isso?", questiona John, um trabalhador de 32 anos da British Gas, cujo nome foi alterado devido a preocupações em relação à estabilidade no emprego. (Por e-mail, um porta-voz da Centrica afirmou que o salário base do atual CEO da empresa é 19% menor do que o do CEO anterior e que, durante 2020, nem o CEO tampouco os diretores executivos receberam bônus anual ou quaisquer aumentos salariais.) Há sinais, no entanto, de que o aumento da remuneração dos CEOs está pelo menos diminuindo. Paul Lee, que trabalhou como consultor de investimentos por 20 anos, diz que o salário dos CEOs no Reino Unido "estagnou" nos últimos anos, "mas o nível tem estado em torno de £ 4 a 5 milhões por vários anos". Lee acredita que a mudança de mentalidade dos investidores institucionais e dos fundos soberanos está por trás da recente estagnação dos salários. Eles investem nessas empresas de alta remuneração, mas em última instância são financiados pelo público em geral — por meio de fundos de pensão e de investimento — e estão cientes da crescente inquietação. "Esses números são justificados? É realmente difícil dizer objetivamente", diz ele. "Mas há uma atmosfera crescente de prestação de contas. Em parte por causa do debate público, em parte pela pressão do governo." Por exemplo, nos Estados Unidos, o projeto para a criação da Lei do Capitalismo Responsável da senadora Elizabeth Warren propõe limites de tempo para as vendas de ações de uma empresa, na tentativa de mudar o foco dos retornos de curto prazo para os acionistas para os objetivos de longo prazo de todas as partes interessadas. Há também iniciativas como as de San Francisco e Portland, onde as empresas são tributadas se sua proporção de remuneração for muito alta, criando um incentivo econômico explícito para maior igualdade. E, em meio à pandemia, executivos de grandes empresas, incluindo Boeing, Marriott International e PwC, sacrificaram voluntariamente parte de seus salários para salvar empregos de funcionários em 2020 — embora muitos critiquem isso como uma mudança simbólica. Luke Hildyard, diretor do High Pay Center, diz que as empresas podem tomar outras medidas significativas para reduzir a disparidade salarial, como incluir a representação dos funcionários nos conselhos e aprimorar os relatórios dos dados de pagamento da empresa para aumentar a prestação de contas. Os ganhos da empresa poderiam, então, ser distribuídos de maneira mais uniforme pela força de trabalho. "Melhorar a vida dessas pessoas com incrementos relativamente pequenos de dinheiro pode ser transformador", diz Hildyard. "Seria um avanço dramático." Para Hildyard, as cifras dos CEOs são uma evidência "assustadora" da crescente divisão social. "O Reino Unido é um dos países mais desiguais em termos de renda no mundo desenvolvido, e isso aumentou junto com o aumento dos salários dos executivos." Ele argumenta que isso é importante porque as pesquisas mostram que países desiguais tendem a se sair mal em medidas que incluem coesão social, saúde pública e bem-estar, níveis de criminalidade e educação. Níveis mais altos de desigualdade significam que a sociedade sofre. Com uma recessão econômica global no horizonte à medida que a pandemia se intensifica, Hildyard acredita que o "escrutínio da desigualdade" aumentará. Ele diz que o papel crescente do setor financeiro, a terceirização de trabalhos mal remunerados e o declínio dos sindicatos estão por trás do aumento da desigualdade nas últimas décadas. "Ao mesmo tempo, os que estão no topo não apenas mantiveram sua riqueza — mas a viram crescer enormemente", acrescenta. "Se essa tendência continuar, a sociedade ficará ainda mais dividida e os trabalhadores vão sofrer." VÍDEOS: as últimas notícias de economia Veja Mais

Saiba como as empresas podem se proteger contra invasões de hackers

G1 Economia Tira-dúvidas explica os desafios da área de segurança na proteção de empresas e por que não há "receita" que sirva para todos. Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados etc.), envie um e-mail para g1seguranca@globomail.com. A coluna responde perguntas deixadas por leitores às terças e quintas-feiras. Segurança digital em empresas não pode ser vista apenas como medidas contra hackers. brcwcs/Freeimages.com Quais precauções posso tomar para deixar o sistema de uma empresa protegida contra tentativa de invasão de hackers? – Cleyton A. A proteção de sistemas empresariais é um assunto complexo e que depende da consulta a especialistas. Porém, Cleyton, você parte de um princípio que não é muito correto: de "tomar medidas para deixar o sistema protegido". Essa postura não é correta porque, em muitos casos, a atividade da empresa em si é que gera riscos. Se a segurança não fizer parte do desenho dos procedimentos da empresa, será muito difícil adotar medidas que contornem todos os riscos que a empresa criou para si mesma. É claro que escolher boas senhas e atualizar os softwares é importante da mesma forma que é importante para qualquer pessoa, mas empresas têm problemas muito maiores. Como será feito o compartilhamento de senhas que mais de uma pessoa precisa usar? Quem estará autorizado a acessar quais dados? Quanto maior a empresa é, mais difícil isso fica de entender. Mas vamos usar alguns exemplos que são aplicáveis até para empresas pequenas: Quais serão os métodos de pagamento que a empresa vai aceitar para quitar suas dívidas com fornecedores? Boleto, cartão de crédito, ou outro? Quem vai pagar, como será feito o pagamento? A empresa vai vender pela internet? Em caso positivo, como será o procedimento para receber pagamentos? Serão apenas entregas locais? Qual banco a empresa vai usar? Como será realizado o acesso à conta e quais serviços serão contratados? A empresa vai precisar de um intermediador de pagamento? Onde a empresa vai armazenar seus dados? Ela vai precisar de serviços em nuvem, ou vai utilizar infraestrutura local? Caso seja usada a nuvem, quem será responsável por configurar o acesso a esses arquivos? Quem será o provedor de nuvem, e como as opções que esse provedor oferece podem ser integradas a outros softwares ou tecnologias que a empresa usa? Perceba que a resposta dada a cada uma dessas perguntas vai mudar, e muito, a estratégia que a empresa terá de seguir para proteger seus dados. É por isso que a segurança precisa estar presente já nessas decisões. Para Diogo Barroso, que é diretor de tecnologia da Claranet, uma empresa especializada em soluções em nuvem e segurança digital, a segurança depende de um planejamento pensado em três pilares. "Para aumentar as barreiras de segurança, é crucial preparar um plano bem estruturado, faseado, e sempre pensando nos três pilares: pessoas, processos e tecnologia", diz. Ele lembra que a elaboração desse plano varia conforme o negócio da empresa e o nível de maturidade – um conceito chamado de "gap analysis", ou "análise de lacunas". Se a empresa recorreu a várias tecnologias e serviços sem avaliar os riscos, benefícios e custos de adoção (o que inclui contratar consultorias ou profissionais capacitados), a principal necessidade dessa empresa pode ser uma simplificação do seu modo de trabalhar para que ela não tenha de pensar em inúmeras medidas de segurança para contornar problemas oriundos de tecnologias incompatíveis com sua atuação ou tamanho. Um exemplo bem simples é o pagamento de boletos. Existem empresas que se recusam a modernizar sua forma de receber e pagar boletos. Muitas delas até exigem, ainda, que o documento seja entregue por correio, mas não impõem uma verificação adequada do destino do dinheiro. Com essa receita, elas acabam caindo em golpes com boletos falsos. Para outras empresas, que têm relações mais simples e até pessoais com seus fornecedores, talvez isso nem seja uma preocupação. Como identificar se um boleto é verdadeiro ou falso? Qual o meio mais seguro para pagar um boleto? A segurança das empresas é, em primeiro lugar, um desafio de administração e da criação de procedimentos que facilitem uma forma de trabalho segura. Agir sempre de forma reativa não vai resolver esse desafio. Fazendo uma analogia, é como blindar a porta, mas deixar a janela aberta. Barroso, da Claranet, reforça a importância das pessoas na empresa e nos processos. Segundo ele, muitas invasões começam com problemas de comportamento, como senhas fracas, que exigem treinamentos – e não apenas medidas técnicas. "Tecnologia não faz nada sem um processo bem desenhado e com pessoas conscientes e bem treinadas", explica o especialista. Dúvidas sobre segurança digital? Envie um e-mail para g1seguranca@globomail.com. Saiba como se proteger de vazamentos de dados Veja 5 dicas para sua segurança digital: 5 dicas de segurança para sua vida digital Assista a mais vídeos para se manter seguro na internet: Veja Mais

Lucro líquido da Petrobras despenca em 2020 e chega a R$ 7 bilhões

G1 Economia Resultado anual foi impactado pela crise da Covid-19. No quatro trimestre, por sua vez, estatal registrou lucro líquido de R$ 59,9 bilhões, ante R$ 8,15 bilhões no mesmo período de 2019. Sede da Petrobras no Rio de Janeiro Daniel Silveira/G1 A Petrobras informou nesta quarta-feira (24) que registrou lucro líquido de R$ 7 bilhões em 2020, o que representa uma queda de 82,3% na comparação com o ano anterior. No quatro trimestre, por sua vez, a estatal registrou lucro líquido de R$ 59,9 bilhões, ante R$ 8,15 bilhões no mesmo período de 2019 — o que superou as expectativas do mercado. Esse é o último resultado financeiro da estatal sob o comando de Roberto Castello Branco, que será substituído em março após interferência do presidente Jair Bolsonaro. Tenho ações da Petrobras. O que eu faço? Veja o que dizem os analistas Bolsonaro troca presidente da Petrobras; repercussão Contribuíram com o resultado anual, a queda do valor do petróleo no primeiro trimestre de 2020, por conta da pandemia, a desvalorização do real em relação ao dólar, e o lucro líquido de 2019, de R$ 40,137 bilhões. Segundo a estatal, esse foi o maior lucro nominal (sem considerar a inflação) da história da companhia. "Iniciativas que aumentaram a resiliência e eficiência e a continuidade do trabalho de redução do endividamento contribuíram para compensar parcialmente os impactos da crise", disse a Petrobras, em seu relatório financeiro. No ano, o lucro da estatal antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda ajustado) chegou a R$ 143 bilhões, aumento de 10% em relação a 2019. No quarto trimestre, a alta foi de 41%, atingindo R$ 47 bilhões. Receita e dívida líquida No quatro trimestre, a estatal registrou receita de R$ 74,97 bilhões — 6% superior à registrada no terceiro trimestre em função da valorização do preço do Brent. No ano, o valor chegou a R$ 272,07 bilhões. Por outro lado, o volume das exportações de petróleo diminuiu 12,12% no quatro trimestre, ante o período imediatamente anterior, devido à menor produção. A dívida líquida anual foi de US$ 63,2 bilhões em 2020, o que representa uma queda de US$ 15,7 bilhões em relação ao acumulado de 2019. "Menores endividamento e pagamentos de juros são fundamentais para melhorar a percepção de risco e liberar recursos a serem investidos em ativos de classe mundial, particularmente em um negócio de capital intensivo como o de petróleo", informou Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras. Troca de comando A Petrobras convocou na terça-feira (23) uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para destituir Roberto Castello Branco da presidência da estatal. Ele deverá ser substituído por Joaquim Silva e Luna, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar a companhia. Em comunicado, a companhia informou que a AGE vai ser realizada antes da Assembleia Geral Ordinária (AGO) deste ano. A data ainda será definida. Com a saída de Castello Branco, terão de ser substituídos sete integrantes do conselho de administração eleitos na assembleia ordinária de 22 de julho do ano passado por voto múltiplo. São eles: Eduardo Bacellar Leal Ferreira, Ruy Flacks Schneider, João Cox Neto, Paulo Cesar de Sousa e Silva, Nivio Ziviani, Omar Carneiro de Cunha Sobrinho, Leonardo Pietro Antonneli. Silva e Luna foi indicado na sexta-feira (19) pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o comando da Petrobras. A interferência de Bolsonaro no comando da estatal provocou um forte abalo nas ações da companhia. Na segunda-feira (22), a empresa chegou a perdeu R$ 75 bilhões em valor de mercado. Vídeos: Mudança na presidência da Petrobras Veja Mais

GameStop: ações sobem mais de 100% com anúncio da saída de diretor financeiro

G1 Economia Papéis da companhia negociados em Nova York avançaram 103,94%, a US$ 91,71, nesta terça. Em janeiro, empresa viu suas ações dispararem num movimento orquestrado em um fórum de discussão do Reddit. As ações da rede de lojas de videogames GameStop disparam nesta quarta-feira (24) depois que a companhia anunciou que Jim Bell, atual vice-presidente executivo e diretor financeiro, vai deixar a empresa em 26 de março. Os papéis da companhia negociados em Nova York subiram 103,94%, a US$ 91,71, nesta terça. Fachada da GameStop em Westminster, Colorado Reuters Segundo a agência Bloomberg, a saída de Bell é encarada pelos investidores como um passo para que a empresa ganhe em inovação. O modelo de negócio da GameStop é considerado bastante obsoleto. Em comunicado enviado ao mercado, a companhia informou que já busca um substituto para Bell e que candidatos internos e externos serão avaliados para o posto. Se nenhum nome for encontrado, a GameStop planeja nomear para o cargo a atual vice-presidente sênior e diretora de contabilidade, Diana Jajeh. Saga GameStop chega ao Congresso dos EUA GameStop: Quem são os amadores enfrentando os 'tubarões' de Wall Street no mercado de ações GameStop: entenda a operação por trás da disparada de ações na bolsa de NY No mês passado, as ações da GameStop dispararam num movimento orquestrado em um fórum de discussão do Reddit. Os papéis da companhia chegaram a valer US$ 325 em 29 de janeiro. Vídeos: Últimas notícias de economia Veja Mais

Fungota em Araraquara abre inscrições para contratação de profissionais da saúde

G1 Economia Selecionados atuarão na linha de frente do combate à Covid-19. Podem se candidatar clínico geral, intensivista, emergencista, pediatra, enfermeiro e técnico de enfermagem. Fungota, em Araraquara (SP), busca profissionais de saúde para atuarem na linha de frente do combate à Covid-19 A Cidade On/Araraquara A Fundação Municipal Irene Siqueira Alves Vovó Mocinha (Fungota) - Maternidade Gota de Leite de Araraquara (SP) abriu, nesta quarta-feira (24), dois processos seletivos para a contratação de profissionais da saúde para atuarem na linha de frente do combate à Covid-19. O primeiro prevê o credenciamento de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem para atuarem em plantões nas unidades de saúde e nos pronto-atendimento durante a pandemia. Já o segundo prevê a contratação de técnicos de enfermagem assistenciais por seis meses. Técnico de enfermagem Salário base da vaga para técnico de enfermagem em Araraquara (SP) é de R$ 1.946,50 para a jornada de 36 horas semanais. Divulgação Serão 10 vagas temporárias, em regime CLT, pelo prazo de seis meses, renováveis por igual período. As inscrições vão até sexta-feira (26) e, para conferir a documentação, o interessado deve consultar os Atos Oficiais do dia 23 de fevereiro. Podem se candidatar pessoas com até 59 anos, que não possuem comorbidades que os classifiquem como grupo de risco para Covid-19. Estando dentro deste pré-requisito, o processo seletivo consistirá na análise de currículos e títulos dos candidatos. Os técnicos atuarão nas UPAS, no Hospital de Campanha e em plantões estendidos das UBS, durante o período de calamidade pública, sendo o salário base R$ 1.946,50 para a jornada de 36 horas semanais, acrescido de remuneração referente à insalubridade e adicional noturno, quando aplicável. Credenciamento Devido ao aumento do número de casos de Covid-19 em Araraquara (SP), cidade abre processo seletivo para contratação de médicos Divulgação/Prefeitura de Araraquara Segundo a Prefeitura, o credenciamento visa suprir a alta demanda de médicos, devido à atual situação, e as recorrentes substituições por adoecimento e afastamentos, por Covid-19 ou por esgotamento devido a sobrecarga de trabalho. Podem se candidatar clínico geral, intensivista, emergencista, pediatra, enfermeiro e técnico de enfermagem. Os interessados devem encaminhar a documentação exigida conforme edital publicado nos Atos Oficiais do dia 24 de fevereiro. O credenciamento será válido pelo período de 12 meses e poderá ser renovado por iguais períodos até o limite de 60 meses. Os credenciados serão convocados para a realização de plantões de seis ou doze horas e receberão de acordo com os serviços prestados, sendo: Médicos: receberão pela hora diurna o valor de R$ 158,50, acrescido de adicional de insalubridade e de parcela indenizatória de R$ 47; e pela hora noturna, R$ 177,67, acrescidos também pelo adicional de R$ 47. Enfermeiros: receberão R$ 25,21 pela hora diurna, além de adicional de insalubridade e parcela indenizatória; e R$ 29,14 pela hora noturna, também acrescidos de adicional de insalubridade, adicional noturno e parcela indenizatória. Técnicos de enfermagem: receberão R$ 19,24 pela hora diurna, acrescidos de adicional de insalubridade e parcela indenizatória; e R$ 22,43 pela hora noturna, acrescidos de adicional de insalubridade, adicional noturno e parcela indenizatória. Mais informações podem ser obtidas das 14h às 15h pelo telefone (16) 3305-1530, ramal 1580, ou pelo e-mail assessoradmfungota2@araraquara.sp.gov.br. Veja mais notícias da região no G1 São Carlos e Araraquara. Veja Mais

Receita libera programa do Imposto de Renda 2021 nesta quinta

G1 Economia Prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda 2021, ano-base 2020, começa em 1º de março e vai até o dia 30 de abril. A Secretaria da Receita Federal libera nesta quinta-feira (25) o download do programa gerador do Imposto de Renda 2021, referente ao ano-base 2020. O prazo de entrega da declaração do Imposto de Renda 2021, ano-base 2020, começa em 1º de março e vai até o dia 30 de abril - mas o contribuinte já poderá baixar o programa e fazer o preenchimento, aguardando o início do prazo de declaração apenas para fazer o envio dos dados à Receita. Versões disponíveis Pelo computador: Do computador, o contribuinte poderá baixar os programas do Windows, Multiplataforma (zip) e Outros (Mac, Linux, Solaris). O programa estará disponível no próprio site da Receita Federal (clique aqui para acessar). Pelo celular Para os celulares, os programas estarão disponíveis para Android e IOS, no 'Meu Imposto de Renda'. Online A declaração também poderá ser feita online, na página 'Meu Imposto de Renda', acessando o portal e-Cac (clique aqui para acessar). Veja Mais

Bovespa opera em alta em dia de divulgação de balanço da Petrobras

G1 Economia Na terça-feira, Ibovespa fechou em alta de 2,27%, a 115.227 pontos, com as ações da Petrobras subindo 12% e recuperando parte das perdas. A bolsa de valores brasileira, a B3, opera em alta nesta quarta-feira (24), com uma bateria de resultados corporativos no radar e em dia de divulgação do balanço de 2020 da Petrobras, enquanto a movimentação em Brasília permanece no radar. Às 10h27, o Ibovespa avançava 0,66%, a 115.983 pontos. Veja mais cotações. As ações ordinárias (PETR3) subiam 2,21%, enquanto as preferenciais (PETR4) tinham alta de 1,62%. O dólar é negociado em queda. Na terça-feira, o Ibovespa fechou com ganho de 2,27%, a 115.227 pontos. Na parcial do mês, passou a acumular alta de 0,14%. No ano, porém, tem queda de 3,19%. Conselho aprova convocação de assembleia para votar mudança na presidência da Petrobras Turbulências com Petrobras Na véspera, as ações da Petrobras fecharam em alta de 12%, recuperando parte das perdas recentes em meio às turbulências provocadas pela decisão do presidente Jair Bolsonaro de mudar a presidência da estatal. A petroleira divulga nesta quarta, após o fechamento dos mercados, o seu balanço financeiro de 2020. No exterior, os preços internacionais do petróleo eram negociado em alta acima de 1% nesta manhã. O Conselho de Administração da Petrobras aprovou nesta terça-feira a convocação de uma assembleia extraordinária para votar a mudança da presidência. O presidente Jair Bolsonaro indicou o general da reserva Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco. Variação do Ibovespa em 2021 G1 Economia Entenda o que é o Day Trade – e saiba se é possível enriquecer com essa modalidade Entenda o que é o Day Trade Cenário político e econômico O presidente Jair Bolsonaro entregou na véspera uma medida provisória que busca acelerar a privatização da Eletrobras, numa tentativa de reverter a imagem de que a agenda de privatizações do governo está parada e após sua decisão de trocar o comando da Petrobras ter alimentado receios de uma guinada do governo a uma direção mais populista e mais distante da agenda liberal defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. As ações preferenciais da Eletrobras fecharam em alta de 10,8% na terça-feira, embaladas pela entrega da MP. No Congresso, seguem as discussões sobre a PEC Emergencial, que abre caminho para mais uma rodada do Auxílio Emergencial e cria medidas de ajuste nas contas públicas. PEC Emergencial deve levar 10 anos para compensar gastos com nova rodada do Auxílio Na agenda de indicadores, o IBGE divulgou que o IPCA-15, que é uma prévia da inflação oficial do país, desacelerou para 0,48% em fevereiro. Em 12 meses, acumula alta de 4,57%, acima da meta central do governo para a inflação em 2021, que é de 3,75%. Já a Fundação Getulio Vargas mostrou que a confiança do consumidor subiu em fevereiro após quatro meses de queda consecutivas. Entre os analistas, cresce a aposta de aumento da taxa básica de juros já na próxima reunião do Copom, agendada para 17 de março. "O Banco Central só não aumentará a Selic no mês que vem caso persista a indefinição sobre a extensão do auxílio emergencial", avaliou em relatório a LCA Consultores. Miriam Leitão: MP que acelera a privatização da Eletrobras é encenação Veja Mais

Veja as vagas de emprego em Petrolina e Salgueiro nesta quarta-feira

G1 Economia Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco Heloise Hamada/G1 Foram divulgadas as vagas de emprego disponíveis nesta quarta-feira (24) em Petrolina e Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. As oportunidades são disponibilizadas pela Agência do Trabalho de Pernambuco e atualizadas no G1 Petrolina. Os interessados nas oportunidades podem entrar em contato com a Seteq através da internet. O atendimento na Agência do Trabalho ocorre apenas com agendamento prévio, feito tanto pelo site da secretaria, quanto pelo Portal Cidadão. Petrolina Contato: (87) 3866 - 6540 Vagas disponíveis Salgueiro Contato: (87) 3871-8467 Vagas disponíveis Vídeos: mais assistidos do Sertão de PE Veja Mais

Governo entrega ao Congresso MP para tentar acelerar privatização da Eletrobras

G1 Economia Entrega foi feita por Bolsonaro e ministros aos presidentes do Senado e da Câmara. Texto prevê estudos para capitalização e 'golden share' para União manter poder de veto. Bolsonaro entrega ao Congresso MP que abre caminho para privatizar a Eletrobras O governo federal entregou nesta terça-feira (23) ao Congresso Nacional uma medida provisória (MP) que busca acelerar a privatização da Eletrobras. O texto prevê que o governo mantenha poder de veto sobre decisões da estatal por meio de ações preferenciais (golden shares – entenda abaixo). A entrega foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro – que foi a pé do Palácio do Planalto para o Congresso – e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, entre outros membros do governo. Na última semana, Bolsonaro causou quedas expressivas nas ações da Petrobras e da Eletrobras ao sugerir e anunciar interferências no comando das duas estatais. No caso da Eletrobras, Bolsonaro disse que o governo ia "meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também", sem esclarecer o que faria. "Então, a Câmara e o Senado vão dar a devida urgência à matéria, até por ser uma medida provisória. E a nossa agenda de privatização, essa MP não trata disso hoje em dia, mas nossa agenda de privatização continua a todo vapor. E nós queremos, sim, enxugar o Estado, diminuir o tamanho do mesmo, para que nossa economia possa dar a satisfação, dar a resposta que a sociedade precisa", declarou Bolsonaro nesta terça. O documento foi entregue aos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Lira afirmou que pretende pautar o texto no plenário da Câmara já na próxima semana. "O primeiro passo do que podemos chamar de uma 'Agenda Brasil'. Privatizações, discussões, capitalizações, investimentos, a pauta que andará no Congresso com as reformas. Nós cumpriremos todo o nosso papel com unidade, acima de tudo, respeito aos outros poderes e harmonia. É o que o Brasil precisa para destravar as pautas neste ano", disse o presidente da Câmara. Medidas provisórias têm força de lei assim que publicadas no "Diário Oficial da União". Precisam, contudo, ser aprovadas pelo Congresso para se tornar leis em definitivo. "É um avanço importantíssimo para o Brasil. Acho que hoje é um dia em que nós temos que celebrar que o setor elétrico nacional vai, finalmente, ter o tratamento que ele merece. Em termos de investimento, em termos de competitividade, em torno de geração de emprego e renda. Serão gerados mais de 130 mil empregos a cada ano por conta desta medida", afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, já na saída do Congresso. Saiba como era estimado, até 2019, o impacto da privatização da Eletrobras na economia A medida provisória O texto da MP se assemelha ao projeto de lei que tramita no Congresso desde 2018 sobre o assunto. Em 2019, o governo Jair Bolsonaro também enviou projeto de lei com teor similar ao parlamento. Como a MP tem vigência imediata, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) poderá iniciar os estudos para a privatização da estatal. A privatização da Eletrobras é uma das prioridades da equipe de Paulo Guedes. Hoje, a União tem mais de 60% das ações da empresa. Em fato relevante divulgado no início da noite, a Eletrobras informou que a MP também prevê a criação de golden shares para a União. O termo significa que o governo terá ações preferenciais e, mesmo se perder o controle majoritário, seguirá com poder de veto para determinadas decisões da Eletrobras. O texto cita "previsão de criação de ação preferencial de classe especial, de propriedade exclusiva da União, nos termos do disposto no § 7º do art. 17 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, que dará o poder de veto em deliberações sociais previstas na referida MP (“Golden shares”)". O texto da medida provisória afirma que a capitalização só pode começar quando a MP for aprovada pelo Congresso e convertida em lei. Nesse prazo, no entanto, o BNDES já poderá elaborar os estudos. A previsão é de que a capitalização propriamente dita – ou seja, a redução da participação da União – ocorra daqui a um ano. Fontes do Ministério de Minas e Energia afirmaram ao G1 que a inclusão das golden shares foi exigência do Congresso. A primeira versão do texto não previa esse dispositivo. O governo acredita, no entanto, que essa mudança não gerará ruídos sobre uma possível interferência da União na empresa, já que o poder de veto fica restrito a temas específicos listados na MP. Diretora questionou fala de Bolsonaro A diretora da área financeira e de relação com investidores da Eletrobras, Elvira Cavalcanti, enviou uma carta ao Ministério de Minas e Energia nesta semana em que pediu explicações sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro de interferir no setor elétrico. A diretora citou fala recente em que Bolsonaro disse: “Vamos meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também”. Bolsonaro deu a declaração no sábado (20), um dia depois de anunciar troca no comando da Petrobras. Diretora da Eletrobras pediu para governo explicar fala de Bolsonaro sobre interferir no setor elétrico "Solicitar que seja comunicado formalmente a esta companhia se as notícias em referência são verdadeiras e/ou se existem estudos ou informações ou aprovações internas e externas a respeito do processo que devem ser divulgadas ao mercado, por meio de Fato Relevante", escreveu a diretora. O governo ainda não divulgou resposta. 00:00 / 26:47 Veja Mais

Após crítica de Bolsonaro, Petrobras afirma que presidente e diretores não recebem reajuste desde 2016

G1 Economia Estatal publicou a nota após Jair Bolsonaro criticar o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, por estar trabalhando à distância e cobrar transparência da política salarial da empresa. Sede da Petrobras, localizada na Avenida Chile, no Centro do Rio de Janeiro, passará pela sua primeira reforma completa desde que foi inaugurado, no começo dos anos 1970 André Motta de Souza / Agência Petrobras A Petrobras informou nesta terça-feira (23) que o presidente e os diretores executivos da estatal não recebem reajuste na remuneração fixa desde 2016 e que não há qualquer aumento previsto para este ano. A estatal publicou a nota após Jair Bolsonaro criticar o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, por estar trabalhando a distância e cobrar transparência da política salarial da empresa. “Alguém sabe quanto ganha o presidente da Petrobras? R$ 50 mil por semana? É mais do que isso por semana”, disse ele, na segunda-feira (22). Bovespa opera em alta; Petrobras sobe 10% Mercado financeiro deve se recuperar após reunião do Conselho da Petrobras, dizem economistas Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas "O presidente e a diretoria executiva não têm poder para aumentar seus próprios salários. Qualquer eventual alteração na remuneração dos executivos passa obrigatoriamente por diversas instâncias de aprovação, incluindo o Conselho de Administração da companhia, Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais e Assembleia Geral Ordinária de Acionistas", afirmou a petroleira, em nota. De acordo com Petrobras, desde 2019, existe um plano de plano de prêmio por performance para todos os empregados, incluindo líderes. O pré-requisito para pagamento do bônus é a empresa alcançar, no mínimo, R$ 10 bilhões de lucro líquido. Em 2019, a petroleira registrou lucro recorde de R$ 40,1 bilhões. Por fim, a estatal acrescenta que a remuneração total anual do presidente, incluindo o bônus, corresponde a 25% da remuneração total anual dos presidentes de outras empresas do mercado nacional de porte equivalente, considerando-se a faixa mediana de remuneração. Para os diretores, por sua vez, a remuneração corresponde a 72% em relação aos seus pares, nas mesmas bases, segundo pesquisas salarias das principais consultorias de recursos humanos do país. Vídeos: Mudança na presidência da Petrobras Veja Mais

Banco do Brasil anuncia R$ 16 bilhões para pré-custeio da safra 2021/22

G1 Economia Instituição promete elevar carteira agro em 10%. Lavoura de soja Divulgação/Confederação Nacional da Agropecuária O Banco do Brasil, maior financiador do agronegócio brasileiro, aumentará os recursos do pré-custeio na safra 2021/22 para um recorde de R$ 16 bilhões e projeta elevar sua carteira para o setor em cerca de 10%, para R$ 210 bilhões. "Somos grandes nesse negócio e queremos crescer ainda mais", disse o presidente do Banco do Brasil, André Brandão, em apresentação no YouTube. Segundo ele, o BB está comprometido em crescer em "níveis substanciais" sua participação no setor, com a carteira passando de 191 bilhões para montante próximo de 210 bilhões de reais. No ano passado, o BB anunciou 15 bilhões de reais para o pré-custeio da safra 2020/21. Os recursos do pré-custeio, que permitem um melhor planejamento da safra, travando custos antecipadamente em condições geralmente mais favoráveis, serão liberados para produtores de soja, milho, algodão, arroz, cana e café. A taxa para produtores médios é de 5% ao ano, enquanto grandes terão juros de 6% ao ano. Brandão disse ainda que banco está implementando medidas de simplificação, como o fim da tarifa de análise de crédito para todas as renovações de operações. Além disso, ele disse que o BB deve elevar financiamentos para melhorar a conectividade no campo, liberando recursos específicos para este investimento. Outro front que vem sendo atendido é o estímulo à geração solar de energia, com uma parceria com empresa especializada em placas fotovoltaicas. "Essa agenda é muito especial", disse, citando ainda que o banco está empenhado em ajudar na recuperação de pastagens e em programas que incentivem a agricultura sustentável. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que participou do anúncio online, destacou que o pré-custeio é importante para dar ao produtor previsibilidade, já que permite a compra de insumos antecipadamente. Ela disse ainda que, "se Deus quiser teremos um Plano Safra este ano melhor que o do ano passado", e ressaltou que tem tido a colaboração do Ministério da Economia e do Tesouro para elevar a subvenção ao seguro rural. Na safra anterior, o governo brasileiro anunciou um recorde de 236,3 bilhões de reais em recursos para financiamentos pelo Plano Safra 2020/21, alta de 6,1% em relação ao montante da temporada passada. VÍDEOS: tudo sobre o agronegócio Veja Mais

VÍDEOS: tire dúvidas sobre vazamentos de dados e veja como se proteger

G1 Economia Especialistas explicam como saber se seus dados vazaram, descobrir fraudes com seu nome e os meios para evitar golpes. Especialistas explicam como saber se seus dados vazaram, descobrir fraudes com seu nome e os meios para evitar golpes. Veja Mais

Diretora da Eletrobras pede para o governo explicar fala de Bolsonaro sobre interferir no setor elétrico

G1 Economia No sábado (20), um dia após anunciar troca no comando da Petrobras, Bolsonaro disse que também iria 'meter o dedo na energia elétrica'. Em carta, executiva da Eletrobras disse que comunicações relevantes devem seguir regras do mercado. A diretora da área financeira e de relação com investidores da Eletrobras, Elvira Cavalcanti, enviou uma carta ao Ministério de Minas e Energia em que pede explicações sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro de interferir no setor elétrico. A diretora cita a fala recente de Bolsonaro em que ele disse: “Vamos meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também”. Bolsonaro deu a declaração no sábado (20), um dia depois de anunciar troca no comando da Petrobras. Ela lembrou que a Eletrobras tem ações nas bolsas de valores de São Paulo, Nova York e Madri, e que a divulgação de informações que possam ser consideradas relevantes sobre a companhia devem obedecer critérios de mercado. O governo federal é o principal acionista da Eletrobras. "Solicitar que seja comunicado formalmente a esta companhia se as notícias em referência são verdadeiras e/ou se existem estudos ou informações ou aprovações internas e externas a respeito do processo que devem ser divulgadas ao mercado, por meio de Fato Relevante", escreveu a diretora. Elvira lembra na carta que a política de divulgação e uso de informações relevantes da empresa prevê que pessoas com acesso a dados privilegiados em razão do cargo mantenham sigilo, até que o mercado seja informado. "Esclarecemos que a Instrução 358/2002 da Comissão de Valores Mobiliários — CVM, e suas alterações, bem como a Política de Divulgação e Uso de Informações Relevantes das Empresas Eletrobras, estabelecem o dever de sigilo relativo a ato ou fato relevante aos quais determinadas pessoas tenham acesso privilegiado em razão do cargo ou posição que ocupam, até sua divulgação ao mercado", diz outro trecho da carta. A carta explica que as informações consideradas relevantes são aquelas que podem, entre outros pontos, influenciar a decisão de investidores de vender ou comprar ações. Depois das falas de Bolsonaro, o valor das ações da Petrobras despencou no Brasil e nos Estados Unidos. Ações da Eletrobras também registraram queda. VÍDEOS: veja mais vídeos sobre política Veja Mais

5 empresas abrem vagas de emprego; veja lista

G1 Economia Bematize HR Innovated, Ubots, Heach Recursos Humanos, Verde Campo e Trevys FIDC são as empresas com vagas abertas. As empresas Bematize HR Innovated, Ubots, Heach Recursos Humanos, Verde Campo e Trevys FIDC estão com vagas de emprego abertas. Veja abaixo detalhes dos processos seletivos: Veja mais vagas de emprego pelo país Bematize HR Innovated A Bematize HR Innovated anuncia a abertura de 10 novas vagas de emprego para a área de operações. As contratações serão para início em março, regime home office, com horário de trabalho flexível e plano de salário compatível com o mercado. São 2 vagas para assistentes e 3 vagas para analista de benefícios. Outras 5 vagas são destinadas ao programa de estágio de 6 horas trabalhadas ao dia. A empresa exige curso superior completo ou cursando. A empresa oferece benefícios como auxílio transporte, alimentação e refeição, plano de saúde, odontológico e seguro de vida e auxílio academia. Os interessados devem enviar currículo para trabalheconosco@bematize.com.br, mencionando os seguintes códigos no assunto do e-mail: #operações114 (assistente), #operações113 (analista) e #operações112 (estágio). Para saber mais sobre a Bematize, acesse: www.bematize.com.br. Ubots A Ubots está com 5 oportunidades, sendo 4 vagas de emprego em regime CLT e uma de estágio. A vaga de estágio é na área comercial em regime home office. As vagas em regime CLT são para SDR, SRE - DevOps Engineer, Chatbots Designer e Assistente de Comunicação. Para participar do processo seletivo é necessário realizar cadastro pelo site: https://ubots.com.br/oportunidades. Heach Recursos Humanos A Heach Recursos Humanos está com 22 vagas abertas, de diferentes cargos para profissionais de TI, para serem ocupadas em oito estados brasileiros. A primeira vaga é de Desenvolvedor Net Pleno para os estados de Espírito Santo, Sergipe, São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina. O salário é de R$ 4.358 mais benefícios, como vale-alimentação, plano de saúde e assistência odontológica. A segunda é para Desenvolvedor Front-End Pleno. Será considerado como diferencial os candidatos que tiverem experiência com .NET e SQL, Javasript, HTML e outros. As vagas estão disponíveis para Espírito Santo, Minas Gerais, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. O salário é de R$ 4.358,35 com plano de saúde e seguro vida. Outra vaga é para desenvolvedor de Java, nos estados de Sergipe, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Bahia e Pernambuco. O salário é de R$ 5.500 mais plano de saúde e e vale alimentação. Para conferir essas e outras vagas, basta acessar: https://heach.abler.com.br/. Verde Campo A Verde Campo tem vagas para o mercado digital e para outros setores, como auxiliar de produção (inclusive para PCD), auxiliar de almoxarifado, higienista, auxiliar de laboratório, técnico mecânico e analista de suporte técnico (TI) para atuar em Lavras, Minas Gerais. As vagas estão disponíveis no LinkedIn e no site vagas.com.br/v2166276 . Os interessados podem enviar currículo para vagas@verdecampo.com.br. Trevys FIDC A Trevys FIDC abriu vagas para correspondentes comerciais em todo o país, em home office. O contrato é PJ. As áreas são Contábil, Finanças, Economia e Bancária. É preciso ter experiência na área comercial em FIDCs, Securitizadoras, Factoring ou Bancos. Para se inscrever, é preciso enviar o currículo para parceirocomercial@trevys.com.br . Assista a mais notícias de Economia: Veja Mais

Expectativa de inflação sobe para 5,3% ao ano entre consumidores, aponta FGV

G1 Economia Segundo levantamento, aumento segue influenciado pelo movimento de alta de alimentos e bebidas. A expectativa de inflação dos consumidores brasileiros para os 12 meses seguintes subiu 0,1 ponto percentual, para 5,3% ao ano no mês de fevereiro, informou nesta terça-feira (23) a Fundação Getulio Vargas (FGV), responsável pelo levantamento. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a mediana subiu 0,3 ponto. Segundo a FGV, o aumento da expectativa de inflação segue impactada pelo movimento de alta de alimentos e bebidas, produtos com elevada participação na cesta de consumo dos brasileiros. "A sustentação dos preços apesar da fraca atividade econômica está associada à concessão dos auxílios emergenciais e aos aumentos das commodities”, afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da sondagem. A alta da expectativa mediana para a inflação nos próximos 12 meses foi influenciada principalmente por um aumento das expectativas dos consumidores de menor poder aquisitivo: para os consumidores com renda familiar mensal até R$ 2,1 mil a expectativa de inflação registrou aumento de 0,3 ponto, para 6,1%. Segundo pesquisa Focus do Banco Central, os economistas do mercado financeiro elevaram a estimativa de inflação em 2021para 3,82%, acima da meta central deste ano, que é de 3,75%. Pelo sistema de metas, não haverá descumprimento se a inflação oscilar entre 2,25% e 5,25% em 2021. Frutas sobem quase seis vezes mais do que a inflação nos últimos 12 meses Assista as últimas notícias de Economia Veja Mais

Após tombo de 21%, ações da Petrobras têm leve alta no pré-mercado de Nova York

G1 Economia Papéis da estatal negociados nos EUA despencaram 21% na segunda-feira (23) com os investidores reagindo à interferência do governo na estatal. Conselho da Petrobras deve analisar sugestão de Bolsonaro para presidência da estatal As ações da Petrobras tinham alta acima de 3% no pré-mercado de Nova York nesta terça-feira (23), após terem despencado 21% na véspera, com os investidores reagindo negativamente à decisão do presidente Jair Bolsonaro de trocar o comando da estatal. Por volta das 9h10, os ADRs da Petrobras (recibos das ações da petroleira negociados na Bolsa de Nova York) subiam 3,65%, a US$ 8,23, indicando um dia de leve recuperação dos papéis da estatal. Os preços do petróleo subiam perto de 1% nesta terça-feira, sustentados pela expectativa de alívio em restrições associadas à Covid-19 pelo mundo, perspectivas econômicas positivas e menor oferta nos Estados Unidos. Mercado deve se recuperar após reunião do Conselho da Petrobras, dizem economistas Troca de comando na Petrobras: veja perguntas e respostas Tenho ações da Petrobras. O que eu faço? Veja o que dizem os analistas No Brasil, as ações ordinárias (PETR3) derreteram 20,48% na segunda-feira, a R$ 21,55, e as preferenciais (PETR4) caíram 21,51%, a R$ 21,45. Já o Ibovespa fechou em queda de 4,87%, a 112.667 pontos, com os investidores temendo uma maior interferência na gestão das estatais e colocando em dúvida a agenda liberal do governo Bolsonaro. Com o tombo, a Petrobras encolheu R$ 74,2 bilhões em valor de mercado em um único pregão. Foi a segunda maior queda diária em valor da mercado da Petrobras desde o início do plano Real. Em duas sessões, a perda de valor de mercado superou os R$ 100 bilhões. Especialistas ouvidos pelo G1 avaliam que o Ibovespa deve se recuperar e voltar a subir nos próximos dias, com os investidores procurando novas oportunidades para aportar dinheiro. No caso específico da Petrobras, o mercado aguarda os resultados da reunião do Conselho de administração agendada para esta terça-feira (23). Já o balanço financeiro de 2020 da companhia será divulgado nesta quarta-feira (24). ‘Vivemos num ambiente de incerteza’, diz economista sobre queda de ações da Petrobras Para o economista da Necton André Perfeito, a recuperação observada nesta terça nas ADRs é uma boa notícia, mas "há que se ter cautela durante a semana, afinal o presidente Bolsonaro disse que ainda irá fazer mais alterações ao longo dos próximos dias". Nesta segunda-feira, o juiz da 7ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região, em Belo Horizonte, André Prado de Vasconcelos, determinou que o presidente Jair Bolsonaro, a União e a Petrobras expliquem, no prazo de 72 horas, a indicação do general Joaquim Silva e Luna para presidente da estatal. Bolsonaro fez o anúncio na sexta-feira (19). O general é o atual diretor da Itaipu Binacional. Se confirmado, Silva e Luna substituirá o atual chefe da estatal, Roberto Castello Branco, indicado pelo presidente após as eleições de 2018. Initial plugin text Assista as últimas notícias sobre Petrobras Veja Mais

Gente do campo: conheça a trajetória de Herbert Bartz, 'pai' do plantio direto no Brasil

G1 Economia O produtor foi a primeira pessoa a usar a técnica no país. A metodologia permite a semeadura no solo, sem aragem e a partir da rotação de culturas, restabelecendo a biodiversidade da terra. Herbert Bartz foi revolucionário ao trazer a nova técnica de plantio ao Brasil ainda na década de 70. Arquivo Pessoal A comunidade agro perdeu em janeiro o precursor do plantio direto no Brasil, técnica que revolucionou a agricultura brasileira e foi fundamental para o crescimento do país na área. Herbert Bartz morreu aos 83 anos devido a complicações de uma pneumonia. Descrito pela filha Marie como um homem de personalidade forte, teimoso e um ótimo contador de histórias, Bartz trouxe, dos Estados Unidos, na década de 70, a técnica de plantio que usa a rotação de culturas, a implementou em sua fazenda e depois viajou o Brasil a ensinando a outros agricultores. Gente do Campo: Conheça as histórias de quem faz o agronegócio do Brasil O que é plantio direto? Em 2017, mais de 40 anos depois de sua chegada, o método, que em 1972 foi utilizado apenas em 180 hectares de Bartz, alcançou os 33 milhões em todo o país. Isso representa 69,1% da áreas plantada do Brasil, de acordo com a pesquisa "Soil & Tillage" ("Soja e Cultivo" em tradução livre) da Elsevier, empresa de informações analíticas. Ainda segundo o relatório, os estados de Mato Grosso e do Paraná são os que mais a utilizam, chegando a 86.6% e 81.9% respectivamente. O plantio direto é considerado revolucionário, pois permite que o agricultor deixe de arar a terra, acabando com a sua erosão, além de tornar possível a produção de mais de uma cultura na mesma área, explica o pesquisador da unidade de soja da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Soja), Henrique Debiasi. “É preciso utilizar um sistema de rotação de cultura, um sistema diversificado de produção, para gerar bastante palha e raiz para ativar o solo biologicamente e produzir cobertura”. Segundo o pesquisador, a técnica é usada principalmente para a produção de grãos, como a soja e o milho, porém já existem algumas iniciativas com outras culturas, como a cana e o algodão. Debiasi comenta que o plantio direto ajuda os agricultores a aumentarem a sua eficiência. Estima-se que produtividade da soja pode crescer de 30% a 40% com este método. Além disso, a terra é útil durante todo o ano por causa da rotação de culturas. Outra vantagem desse sistema é que a água fica mais retida no solo, então, mesmo em períodos de seca, a plantação pode sobreviver. Com isso, o meio ambiente também lucra. “O primeiro grande benefício é a diminuição na perda de água, solo, nutrientes e, inclusive, algumas moléculas de agrotóxicos pela água que escoava no solo, diminuindo a poluição dos rios, por causa da questão do assoreamento", explica o pesquisador da Embrapa Soja. Assoreamento é o processo em que o leito de um rio se eleva devido ao cúmulo de sedimentos levados à água por causa das chuvas. O plantio direto também ajuda a mitigar os gases do efeito estufa, diminuindo as emissões de óxido nitroso, composto químico presente, principalmente, em fertilizantes e causador de impactos negativos na camada de ozônio. Além disso, segundo Debiasi, a terra serve como um "sequestrador" de carbono, mantendo-o preso ao solo. A questão ambiental era uma preocupação de Herbert Bartz, como lembra sua filha Marie: “Uma coisa que meu pai falava muito: ‘A natureza não aceita propina’. Então, não adianta a gente enganar, dar aquele jeitinho. Se a gente não fizer direito a conta vai chegar em algum momento”. Herbert Bartz foi a primeira pessoa a usar a técnica do plantio direto no Brasil. (Globo Rural. 01/2013) Como tudo começou Segundo o autor do livro “Brasil possível: a biografia de Herbert Bartz”, Wilhan Santin, para entender como Bartz trouxe o plantio direto ao Brasil, é preciso conhecer a sua trajetória. Nascido em 1937 na cidade de Rio do Sul, em Santa Catarina, o agricultor se mudou para a Alemanha aos 2 anos de idade. Uma viagem que a principio seria rápida, apenas para um tratamento cardiológico de sua mãe, Johanna, se estendeu por anos devido ao início da 2° Guerra Mundial em 1939. Durante a guerra, o produtor teve que conviver com a fome, a violência e os bombardeios. Antes do fim dela, seu pai foi convocado para as tropas alemãs, chegando a ser sequestrado pelo Exército Vermelho, como era conhecida a tropa russa, e ficando desaparecido por dois anos. Depois do fim da guerra, em 1945, a família ainda continuou por um tempo na Alemanha e, incentivado pela mãe, o Bartz se dedicou aos estudos e colocou a mochila nas costas para conhecer o mundo. O retorno ao Brasil aconteceu apenas em 1960, quando o agricultor, já com 23 anos, junto de seu pai e seus irmãos, foi morar em Rolândia, no Paraná. Na época, sua mãe já havia falecido. Segundo Santin, o biografo do produtor rural, a cidade era um polo de recepção de alemães que vinham para o Brasil. Assim, mesmo sem nenhum elo com a agricultura, a família teve que aprender na prática a trabalhar com plantações. A família Bartz comprou, então, uma fazenda de café, que devido às dificuldades do plantio, acabou sendo trocado pela soja, que também não foi fácil: "A chuva, além de levar a semente, o adubo, tudo o que você tinha plantado, levava o solo. O Paraná perdia milhões de toneladas de solo àquela época”, conta Santin. Herbert Bartz em tentativas de cultivo de soja em 1971. Arquivo Pessoal A última gota d'água Em uma dessas noites de chuva, Bartz foi olhar a sua plantação. Chegando lá, ele assistiu a uma tromba d’água levar todo o seu cultivo embora. Esta imagem o fez acreditar que, se não encontrasse uma solução para este problema, em 10 ou 20 anos ele não teria mais solo para plantar, explica Santin. Então ele começou a fazer contato com Rolf Derpsch. O agrônomo chileno e também filho de alemães tinha as mesmas angústias do produtor. A partir de conversas entre os dois, o agricultor descobriu que em outros países havia pesquisas sobre plantar em cima da palhada (palha de milho) e resolveu viajar para entendê-las. Em 1971, o revolucionário foi para a universidade de Kentuck, nos Estados Unidos, onde conheceu Shirley Philips e Harry Young Jr., pesquisadores que já trabalhavam com plantio direto na palha. Após aprender a técnica com eles, Herbert encomendou as ferramentas necessárias para trazer o método ao Brasil. Pioneiro ou louco? Em 1972, Bartz, já de volta ao Brasil, começou a aplicar as técnicas de plantio direto em sua lavoura. Os vizinhos estranharam muito, narra Santin: “Os vizinhos paravam para olhar e eles falavam assim do seu Herbert com dó, piedade: ‘Nossa, coitado do cara, ficou doido’.” A suspeita com a nova metodologia também gerou um ataque dos agricultores da região ao pioneiro. “Um vizinho colocou fogo na palha dele. Teve denúncia para Polícia Federal de o que ele estava fazendo era uma subversão e não era certo. A primeira colheita de soja dele em que deu certo a polícia apreendeu toda [a safra]”. O jogo vira Esse tipo de reação continuou acontecendo até 1973, quando ocorreu a crise do petróleo, que elevou o preço dos combustíveis. O plantio direto exige menos uso do trator do que o plantio arado. Bartz contou para a reportagem do Globo Rural, em 2013, que depois de adotar a técnica ele diminuiu o uso do óleo diesel de 10 mil litros para 3 mil por semeadura Esta economia não passou despercebida pelos vizinhos, que começaram a se interessar pelo método. Devido à crise do petróleo, agricultores começaram a procurar Bartz para aprender a técnica do plantio direto. (Globo Rural - 11/2012) Já em 1974 agricultores de Mauá da Serra, Paraná, foram os primeiros a recorrerem ao revolucionário. Depois, veio a população de Campos Gerais, em Ponta Grossa. Entre esses novos discípulos havia dois nomes que virariam grandes aliados de Bartz: Manoel Pereira e Franke Dijkstra. “Os três se uniram e fizeram um trabalho de formiguinha. Davam palestras e não cobravam nada. Iam aos campos em cidadezinhas e falavam para 10 pessoas e assim foram indo”, conta Santin. Apesar de ter começado a implantar a técnica no Brasil na década de 70, apenas em 1992 o agricultor foi reconhecido pelo feito, segundo o biografo. Neste ano ele, juntamente de Manoel e Franke, fundou a Federação Brasileira do Plantio Direto e Irrigação. Herbert Bartz juntamente com seus aliados na divulgação do plantio direto no Brasil, Manoel Pereira e Franke Djikstra (da esquera para direita). Arquivo Pessoal. O uso dos agrotóxicos Como o plantio direto incentiva a vida na terra, o mato e animais próprios dela aparecem. A minhoca, inclusive, é o símbolo desta metodologia, por sua presença ser o primeiro sinal de que o solo está biologicamente ativo. Por causa do surgimento de ervas daninhas muitos agricultores optam pelo uso de agrotóxicos. Segundo o biógrafo de Bartz, ele entendia o uso destes químicos. Para ele, quem os crítica “nunca pegou em uma enxada”, como disse uma vez para o governador do Rio Grande do Sul, Olívio Dutra, em um congresso, conta Santin. Contudo, a técnica não exige o uso destes químicos, argumenta a filha do produtor, Marie, que também é bióloga. “Criou-se uma imagem muito forte de que era obrigatório o uso do herbicida no plantio direto, mas isso não é verdadeiro. Existem outros equipamentos que dá para usar e conseguir reduzir o uso dos herbicidas. Mas o ser humano vai no que é mais fácil”, explica. Segundo Marie, a princípio o único benefício associado ao plantio direto era evitar a erosão da terra, sem existir ainda a questão ambiental e até mesmo da produtividade. Por esta razão, a fauna e a flora da terra ainda não eram compreendidas como essenciais. Hoje sabe-se que, sem elas, o sistema não atingirá seu total potencial. “Então, houve um retrocesso no sistema, no final dos anos 90 e 2000, com muito uso dos herbicidas. A gente vem tentado comprovar com os dados da população de minhocas que isso está afetando a biologia, o uso exagerado de agrotóxicos no geral”, completa Marie. O legado do pai Marie Bartz acompanhou o pai em visita à fazenda da família Altenhofen no Paraguai, pioneira do plantio direto no país. A pedra na lavoura contém placas em celebração dos 20 anos da adoção da técnica. Arquivo Pessoal. Marie cresceu observando as atividades do pai na lavoura e quando podia o acompanhava nas palestras. Entre 2018 e 2020 também tiveram a oportunidade de assinarem juntos uma coluna em uma revista em que Bartz contou diversas histórias da sua vida. Como carreira, ela optou pela taxonomia, área voltada para encontrar novas espécies, focando em minhocas. Hoje Marie também é conhecida como a Doutora Minhoca. Ela já descobriu uma nova espécie dentro da propriedade de seu pai e a nomeou “Fimoscolex Bartzi”, em homenagem a ele. “Ele ficou feliz pra caramba. É uma minhoca pequenininha, mas o que vale é a intenção”, brinca Marie. Agora ela se dedica a perpetuar o trabalho do pai. Atualmente mora em Portugal e acompanha plantações de agricultura orgânica, buscando levar a técnica que cresceu assistindo o agricultor divulgar. “É uma responsabilidade muito grande e um receio de não dar conta do recado”, diz, “A melhor forma de honrar o meu pai é difundir o plantio direto”. Bartz teve outros dois filhos com a mulher, Luíza. Johann, que é formado em agronomia e atua como agricultor, e Wieland, que faleceu aos 12 anos após um acidente na lavoura. Assim como o pai, Johann seguiu na área da agricultura. Celso Margraf. VÍDEOS Agro: A indústria-riqueza do Brasil Veja Mais

Senado: proposta de fim do piso de saúde e educação dificulta PEC que viabiliza auxílio, dizem líderes

G1 Economia Relatório sobre a PEC Emergencial foi entregue nesta segunda. Se texto for aprovado sem mudança, estados e municípios ficam desobrigados de investimento mínimo nas duas áreas. Relator da PEC Emergencial quer acabar com gastos obrigatórios com saúde e educação Líderes partidários do Senado ouvidos pelo G1 e pela TV Globo avaliam que a proposta do senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da chamada PEC Emergencial, de acabar com o piso de investimentos em saúde e educação, pode dificultar a tramitação da proposta. A proposta de emenda à Constituição prevê mecanismos em caso de descumprimento do teto de gastos, regra que limita as despesas da União à inflação do ano anterior. Relator da PEC, Bittar apresentou o parecer nesta segunda-feira (22). A proposta viabiliza a prorrogação do auxílio emergencial. Pelo relatório de Bittar, os governantes ficarão desobrigados de efetuar gastos mínimos nas áreas de saúde e educação. Bittar justifica a medida dizendo que, atualmente, o Brasil gasta 6,3% do PIB nacional com educação e, mesmo assim, o país está mal no ranking educacional mundial. "[Trata-se de] devolver, aos municípios, aos estados e à União, o poder de legislar uma das leis mais importantes que é a do orçamento, até porque vincular o Orçamento da União, que é o único país democrático no mundo que tem esse grau de vinculação, não resolveu nada. Nós gastamos 6,3% do PIB nacional com educação e estamos com educação brasileira entre as 20 piores nações do mundo”, disse o senador à GloboNews. O Senado deve começar a votar a PEC Emergencial na próxima quinta-feira (25). Existe a possibilidade de os dois turnos do texto serem analisados no mesmo dia. Caso contrário, seria votado o primeiro turno na quinta-feira e o segundo, na próxima semana. Para ser aprovado, o texto precisa do apoio de pelo menos 49 senadores, nos dois turnos de votação. Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) defende a volta do auxílio emergencial em março e com duração de quatro meses. Ele entende que, se o Senado aprovar a PEC, com medidas de ajuste fiscal, o governo já poderá dar início aos pagamentos, mesmo sem a aprovação da proposta na Câmara. Camarotti: PEC emergencial acaba com gasto mínimo para saúde e educação Investimentos em saúde e educação Atualmente, a Constituição diz que: estados: devem destinar 12% da receita à saúde e 25% à educação; municípios: devem investir 15% da receita em saúde e 25% em educação; governo federal: o piso de gastos nas duas áreas não pode ser reduzido e precisa ser corrigido pela inflação do ano anterior. A organização Todos Pela Educação alertou em nota que a proposta de Bittar, além de levar a uma "redução substancial" dos gastos públicos com educação, inviabilizará a implementação do Fundeb, mecanismo de redistribuição de recursos vinculados ao setor. O que dizem os líderes Nelsinho Trad (PSD-MS), líder do PSD no Senado, avalia que o eventual fim do piso de gastos em saúde e educação é um "retrocesso" e um entrave ao avanço da PEC na Casa. "Tenho a convicção de que é uma matéria extremamente complexa. Não vai haver acordo entre as bancadas que compõem as lideranças aqui do Senado e há que se encontrar um meio termo para fazê-la prosperar", disse Trad. "Investimento em saúde e educação nunca é demais. A partir do momento que ele foi já estabelecido aos entes federados, eu entendo que é um ganho pra sociedade o respeito desses limites constitucionais, de tal modo que qualquer mudança nesse sentido, pelo menos da nossa parte, na qualidade de líder do PSD, nós temos uma resistência", completou. Líder da Minoria, Jean Paul Prates (PT-RN) classificou o relatório como uma "chantagem nefasta" da base governista. "Essa PEC deveria apenas servir para viabilizar a prorrogação do estado de calamidade, o auxílio emergencial e outras despesas relacionadas ao SUS. Mas virou esse pacote de maldades que não dá para tolerar", disse. Na mesma linha, Paulo Rocha (PT-PA), líder petista no Senado, afirmou que a bancada defenderá um substitutivo, ou seja, uma versão alternativa da PEC, retirando todos os "aspectos polêmicos", deixando somente a previsão para a assistência emergencial. "Apresentamos emenda substitutiva global para a PEC Emergencial, retirando todos os aspectos polêmicos do texto e deixando apenas em pauta o auxílio emergencial no valor de R$ 600 por mais seis meses", afirmou o senador do Pará. Líder do bloco informal Senado Independente, Eliziane Gama (Cidadania-MA) avalia que o relatório preliminar de Bittar é um "erro". "Vincular o auxílio emergencial ao fim da exigência de um gasto mínimo em saúde e educação é um erro. A PEC emergencial não pode comprometer áreas tão importantes. É dar com uma mão e tirar com a outra. São os mais pobres que precisam de escolas e hospitais públicos. Desvincular é retrocesso", disse Eliziane em uma rede social. O que diz o presidente do Senado Em entrevista, Rodrigo Pacheco disse ser "simpático" à ideia de flexibilização de gastos públicos por parte dos entes federados, mas com piso unificado para as áreas de saúde e educação. “Em relação à desvinculação, eu posso dizer que sou simpático à ideia de termos um orçamento que possa permitir ao gestor público, dentro de mínimos unificados de educação e saúde, destinar para educação ou para a saúde, a depender da necessidade de um ente federado num caso concreto”, afirmou. A hipótese defendida por Pacheco vai ao encontro da ideia que foi apresentada pelo governo federal em novembro de 2019, segundo a qual os pisos seriam mantidos, mas unificados, dando uma maior flexibilidade a estados e municípios para gastarem mais em uma área do que em outra. Veja Mais