Meu Feed

Hoje

Belo Horizonte não tem previsão de chegada de novas vacinas, diz secretário

Valor Econômico - Finanças O governo de Minas Gerais anunciou o recebimento hoje de 508.170 doses de vacinas contra a covid-19, que serão distribuídas aos municípios no sábado O governo de Minas Gerais anunciou o recebimento hoje de 508.170 doses de vacinas contra a covid-19, que serão distribuídas aos municípios no sábado. Do total, 235.170 são doses da vacina da Pfizer e 273.000 doses da Coronavac, e são voltadas à imunização do público com comorbidades, gestantes, puérperas, profissionais da saúde, da educação, das Forças de Segurança e Salvamento e pessoas com deficiência permanente. O secretário de Saúde de Belo Horizonte, Jackson Machado, disse que ainda não recebeu nenhuma informação do governo do Estado sobre quantas doses serão entregues para a capital mineira e quais serão as vacinas disponibilizadas. De acordo com Machado, 18% das doses aplicadas em Belo Horizonte foram para pessoas que não residem na capital, apenas trabalham nela. “Belo Horizonte aplicou 1.305.220 doses de vacina. Dessas, 240.043 foram aplicadas em não residentes. Belo Horizonte não está brigando com outras cidades por vacina. Está solicitando ao governo do Estado para atuar de forma proativa com o Ministério da Saúde para trazer mais vacinas para o Estado”, afirmou o secretário. Machado acrescentou que 35% dos leitos de terapia intensiva (UTI) para covid-19 em Belo Horizonte e 25% dos leitos de enfermaria foram ocupados por pessoas de fora da capital. “Quando a gente vacina pessoas de outras cidades, a ocupação de leitos de UTI e enfermaria em Belo Horizonte cai. Não estamos competindo com nenhuma cidade por vacinas. O que estamos pedindo é que o governo do Estado reivindique mais vacinas”, disse Machado. Para o secretário, falta proatividade do governo do Estado para buscar mais vacinas. “O belo horizontino não pode ser penalizado pela omissão do governo do Estado”, disse. Veja Mais

Governo de Minas Gerais estuda revisão tarifária extraordinária da Gasmig

Valor Econômico - Finanças A Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig) comunicou ao mercado há pouco que a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de Minas Gerais (Sede) vai licitar serviços de consultoria regulatória para revisão tarifária extraordinária. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

As principais preocupações dos millennials e da geração Z, segundo estudo

Valor Econômico - Finanças Desemprego, saúde e segurança estão no topo das prioridades para 800 brasileiros nascidos entre 1983 e 2003, de acordo com pesquisa da Deloitte em 45 países Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Ibovespa fecha em leve alta com ajuda de Vale e siderúrgicas

Valor Econômico - Finanças Índice sobe 0,27%, cai 0,80% na semana e acumula avanços de 1,73% no mês e de 7,89% no ano Com ajuda de Vale e siderúrgicas, o Ibovespa reverteu a queda que prevaleceu durante boa parte do dia e fechou em leve alta. O índice mostrou instabilidade adicional na reta final do pregão, que marca, ainda, o vencimento de opções sobre ações. Após ajustes, o Ibovespa terminou o dia em alta de 0,27%, aos 128.405 pontos, com giro financeiro de R$ 34,718 bilhões. Na semana, o índice caiu 0,80%, mas ainda acumula alta de 1,73% no mês e de 7,89% no ano. O leve avanço do índice, após três baixas consecutivas, contou com o bom desempenho de Vale e siderúrgicas, enquanto bancos ficaram na ponta negativa. O grande destaque, porém, foi o salto dos papéis de Eletrobras após a aprovação no Senado da MP que trata da privatização da companhia. Eletrobras ON subiu 5,98%, a R$ 46,22, enquanto Eletrobras PNB teve alta de 5,945, a R$ 45,85. Apesar de o texto voltar para a Câmara, por causa da inclusão de novos “jabutis”, os investidores mostram confiança em relação ao encaminhamento da proposta. De acordo com a equipe do Credit Suisse, a probabilidade de aprovaçao final da MP na Câmara é alta e assim o papel poderia se aproximar do target do cenário mais otimista - ou “céu azul” - de R$ 65 por papel. Para os analistas do Bank of America, a ação poderia chegar a mais de R$ 60. "Com base nos termos preliminares publicados pelas autoridades, estimamos que uma privatização poderia somar R$ 17 por ação à nosso 'valuation' de R$ 47", dizem. "Apesar de alguns termos indesejáveis na lei de privatização da Eletrobras (por exemplo, obrigações de expansão de capacidade) , vemos a privatização como muito positiva para o setor também, por causa de: 1) melhor dinâmica de preços de energia (especialmente mercado regulado), e 2) menor percepção de risco sobre o setor", concluem. De forma mais geral, o dia foi marcado pelo avanço da Vale e das siderúrgicas, após sequência de perdas em um movimento de correção. O que ajudou o setor foi, também, a distribuição de dividendos pela Vale. “Se a gente olhar no longo prazo o reaquecimento da economia, há um entedimento de que a Vale está com preço baixo”, explica Enrico Cozzolino, estrategista da consultoria Levante. Ele reconhece que o noticiário recente como sinais de desaceleração da China e aumento de juros pelo mundo pesaram nos papéis, mas a empresa ainda mostra um balanço robusto. Hoje, Vale ON ganhou 3,01%, enquanto CSN ON teve alta de 2,73%, Gerdau PN avançou 0,28% e Usiminas PNA ganhou 2,20%. Leia mais: Dow Jones tem pior semana desde outubro com temor sobre retirada de estímulos nos EUA Veja Mais

Commodities: Um dia após forte queda, grãos disparam em Chicago

Valor Econômico - Finanças Milho, soja e trigo tiveram valorização expressiva nesta sexta Os preços dos grãos fecharam em forte alta nesta sexta-feira, um dia depois de despencarem na bolsa de Chicago. Na véspera, os negócios foram marcados pela fuga dos investidores de ativos considerados mais arriscados, entre eles as commodities agrícolas. A aversão ao risco ganhou corpo com o anúncio do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que deverá elevar as taxas de juros até o fim de 2023 para conter a inflação nos Estados Unidos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Secretaria de SP escalona vacinação contra covid para público entre 18 e 49 anos

Valor Econômico - Finanças Medida é uma forma de evitar filas nos postos e, assim, gerar possíveis aglomerações A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de São Paulo divulgou o calendário com as datas de vacinação contra covid-19 para os grupos entre 18 e 49 anos. A medida é uma forma de evitar filas nos postos e, assim, gerar possíveis aglomerações. Na segunda e terça-feira da semana que vem, dias 21 e 22, será feita uma repescagem para que todas as pessoas com 50 anos ou mais que não tomaram a vacina possam procurar os postos de saúde. A SMS pede que as datas sejam respeitadas, mas quem perder poderá tomar a vacina em outro dia. Antecipar a data não será permitido. A previsão é que a população de São Paulo com 18 anos ou mais seja vacinada até 15 de setembro. Emrah Gurel/AP De acordo com o Programa Municipal de Imunizações, neste momento estão disponíveis os imunizantes da Pfizer, Coronavac e Oxford/AstraZeneca para a primeira dose de qualquer pessoa do grupo elegível. Para gestantes e puérperas, estão disponíveis exclusivamente os imunizantes da Pfizer e Coronavac. Para a segunda dose, nesta fase da campanha, estão disponíveis Coronavac e Oxford/AstraZeneca. Para tomar a vacina é necessário levar um documento de identificação com foto, o cartão SUS (se tiver) e um comprovante de residência — obrigatório na capital paulista. O comprovante de endereço no município de São Paulo pode ser apresentado de forma física ou digital. Se não houver no próprio nome do munícipe, serão aceitos em nome do cônjuge, companheiro, pais e filhos, desde que apresentado também um documento que comprove o parentesco ou estado civil (RG, certidão de nascimento, certidão de casamento ou escritura de união estável). A secretaria orienta o preenchimento do pré-cadastro no site Vacina Já para agilizar o atendimento. A SMS criou o site De Olho na Fila, que permite verificar se há fila no local que o munícipe receberá o imunizante. A partir desta sexta (18), as doses remanescentes das vacinas contra a covid-19 serão destinadas também às pessoas com idade superior a 18 anos sem comorbidades. A inscrição deverá ser feita na Unidade Básica de Saúde (UBS) mais perto de casa. Até a manhã de quinta-feira (17), a cidade de são Paulo aplicou 5.937.576 doses da vacina contra o coronavírus — 4.253.074 da primeira dose e 1.684.502 da segunda. Os endereços dos postos podem ser encontrados na página da Secretaria Municipal de Saúde. Para as próximas faixas etárias, as datas são as seguintes: 23/6 a 29/6: 43 a 49 anos 30/6 a 14/7: 40 a 42 anos 15/7 a 29/7: 35 a 39 anos 30/7 a 15/8: 30 a 34 anos 16/8 a 31/8: 25 a 29 anos 1/9 a 15/9: 18 a 24 anos Veja Mais

Produção de petróleo da Petrobras cai 0,85% em maio

Valor Econômico - Finanças Companhia registra queda acumulada de 2% nos primeiros cinco meses de 2021 em relação a igual período do ano passado A Petrobras registrou, em maio, uma queda de 0,9% na produção de petróleo, no Brasil, na comparação com abril. Segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a estatal produziu, em média, 2,150 milhões de barris/dia no mês passado, o que representa uma alta de 5,2% em relação a maio de 2020. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Abramilho recebe com “serenidade” abertura do Brasil ao milho dos EUA

Valor Econômico - Finanças Mas entidade cobra plano estratégico para a ampliação da produção doméstica A Abramilho, entidade que representa produtores de milho do país, recebeu com “serenidade” as medidas adotadas pelo governo que tornaram viável a importação do cereal sem tarifa de países de fora do Mercosul, inclusive os EUA. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Debate sobre aperto está aberto e alta de juro pode vir em 2022, diz Fed St. Louis

Valor Econômico - Finanças "A pandemia está chegando ao fim. É natural reequilibrar estímulos em algum momento”, comentou James Bullard, presidente da regional do BC americano O presidente do Federal Reserve (Fed) de Saint Louis, James Bullard, reforçou o tom mais duro do banco central americano adotado na reunião de quarta-feira. Em entrevista à rede CNBC, para ele, o debate sobre aperto monetário está aberto e um aumento na taxa de juros, hoje entre 0% e 0,25%, pode vir no fim de 2022, e não em 2023 como previsto oficialmente. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Rio: Veja o calendário detalhado de vacinação contra covid-19

Valor Econômico - Finanças Meta é vacinar adultos acima de 18 anos até agosto, com começo de vacinação de crianças e adolescentes entre 12 a 17 anos em setembro A prefeitura do Rio de Janeiro liberou em suas redes sociais oficiais, como da Secretaria Municipal de Saúde, o calendário detalhado de vacinação contra covid-19 por faixas etárias. Nesta manhã, o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes (PSD), anunciou, ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a antecipação de calendário de imunização contra a doença; a meta é vacinar adultos acima de 18 anos até agosto, com começo de vacinação de crianças e adolescentes entre 12 a 17 anos em setembro. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

José de Souza Martins: O povo brasileiro é objeto do deboche de Bolsonaro

Valor Econômico - Finanças Somos tratados como inimigos do brasileiro que ele pensa que é, cidadão de quartel Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Jorge Lucki: Ótimos vinhos de safras de anos terminados em “1”

Valor Econômico - Finanças Não faltam ótimas opções de 10, 20 e até 60 anos atrás para celebrar agora em 2021 Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Verão de 85

Valor Econômico - Finanças ‘Verão de 85’, de François Ozon, evita moralismo Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Os headhunters vigaristas de Jo Nesbø

Valor Econômico - Finanças Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Hubs estimulam empreendimentos de base disruptiva

Valor Econômico - Finanças Novos negócios e parcerias com grande organizações ampliam portfólio de biotecnologia Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Tribunal afasta do mercado executivo que trocou XP por BTG

Valor Econômico - Finanças 1ª Câmara de Direito Empresarial do TJ-SP analisou cláusula contratual de não competição Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Algoritmos e Lei Antitruste

Valor Econômico - Finanças Novidade mais marcante dessa nova era da informação é o uso de algoritmos e de inteligência artificial na triagem de dados O avanço técnico da sociedade contemporânea segue em caminho vertiginoso - a intensidade no uso de tecnologia da informação, a crescente digitalização de todas as esferas da vida e o ritmo incessante das inovações têm produzido transformações fundamentais. Novidade mais marcante dessa nova era da informação é o uso de algoritmos e de inteligência artificial na triagem e tratamento de dados e na tomada de decisão a partir do conjunto de informações considerado pertinente. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

No pós-Fed, dólar se fortalece e Dow Jones encerra no vermelho

Valor Econômico - Finanças Antecipação de expectativa de membros do BC americano para alta de juros nos EUA provocou reajuste de posições em ativos globais A antecipação das expectativas dos membros do banco central americano para a primeira alta de juros nos EUA provocou um reajuste de posições em diversos ativos financeiros globais na sessão de ontem. Com a perspectiva de que as taxas básicas de empréstimos nos EUA não permanecerão em sua faixa mínima para sempre, o dólar registrou alta firme no exterior pelo segundo dia seguido, derrubando o preço das commodities, e as ações globais oscilaram, encerrando o dia sem direção clara. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Toro, do Santander, compra 2 fintechs

Valor Econômico - Finanças Com aquisições, 10 milhões de usuários serão adicionados ao ecossistema de serviços da companhia A Toro, plataforma de investimentos do Santander Brasil, anunciou a compra das fintechs Mobills e Monetus para complementar seu portfólio de serviços e ampliar a atuação no País. Com a aquisição, 10 milhões de usuários serão adicionados ao ecossistema de serviços da companhia. O valor dos negócios não foi revelado. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

CVM prepara nova reforma de regra de BDR

Valor Econômico - Finanças Com a nova norma, a CVM diz que também pretende redefinir prerrogativas e exigências aplicáveis aos níveis I, II e III Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

CTC eleva ganhos com royalties e quintuplica lucro na safra 2020/21

Valor Econômico - Finanças Receita líquida da empresa cresceu 38,1%, para R$ 337,9 milhões Embora a maior parte das usinas tenha reduzido significativamente a área de plantio de cana na safra passada (2020/21) para reforçar a moagem em meio à pandemia, o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) continuou aumentando seus ganhos com os royalties das variedades vendidas no país. Ganhando participação de mercado, a empresa encerrou a temporada com lucro de R$ 224,9 milhões, mais que cinco vezes o do ciclo anterior. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

A privatização da Eletrobras foi uma vitória de Pirro?

Valor Econômico - Finanças Em 60 segundos, diretor da Eurasia Group analisa que politicamente foi um ganho inequívoco para o governo Bolsonaro, mas sua aprovação veio com um custo muito elevado '60 segundos' é uma parceria entre o site da revista ÉPOCA e a GZERO Media - empresa da Eurasia Group, especializada em análises políticas. Toda sexta-feira, às 10h, Christopher Garman, diretor-executivo para as Américas da Eurasia Group, apresenta sua avaliação sobre os temas mais relevantes e tendências do cenário político brasileiro e internacional. O conteúdo é republicado neste canal. Leia, abaixo, a transcrição do vídeo: Olá, meu nome é Christopher Garman, da Eurasia Group para falar sobre o Brasil, e um pouco do mundo em 60 segundos. Vamos lá para a pergunta da semana: A privatização da Eletrobras Brasil foi uma vitória de Pirro? Para o governo certamente não foi. Para o país está mais difícil dar uma resposta à essa pergunta. Politicamente foi uma vitória inequívoca para o governo Bolsonaro. A proposta figurava como uma das principais bandeiras da equipe econômica, e a aprovação da privatização da Eletrobras no Senado por uma vitória muito apertada, representou a maior conquista da agenda de privatizações desde o início desse governo. Mas a sua aprovação veio com um custo muito elevado. Para angariar apoio suficiente no plenário da Câmara de Deputados e do Senado, o governo teve que fazer várias concessões a grupos econômicos do setor elétrico com elo regional. Vários especialistas argumentam que essas concessões vão se traduzir em um maior preço de tarifa para o consumidor. Portanto, o debate de se a privatização da Eletrobras valeu a pena não vai embora tão cedo. Mas politicamente o sinal está dado. A janela de reformas está novamente aberta, a despeito da crise sanitária. Ficamos por aqui e até a próxima semana. Veja Mais

Dow Jones tem pior semana desde outubro com temor sobre retirada de estímulos nos EUA

Valor Econômico - Finanças S&P 500 e Nasdaq também fecharam a semana no vermelho O Dow Jones fechou hoje a sua pior queda semanal desde outubro do ano passado, enquanto o S&P 500 anotou a sua pior semana em quatro meses, com os investidores demonstrando nervosismo em relação às perspectivas de uma antecipação da retirada de estímulos monetários do Federal Reserve (Fed, o BC americano). Após ajustes, o Dow Jones fechou em queda de 1,58%, a 33.290,08 pontos, acumulando perdas de 3,45% na semana, enquanto o S&P 500 recuou 1,31% na sessão e 1,91% na semana, a 4.166,45 pontos. O Nasdaq, por sua vez, caiu 0,92% hoje, a 14.030,38 pontos, encerrando a semana em leve queda de 0,28%. Depois da sinalização dada na quarta-feira de que os integrantes do Fed esperam uma elevação dos juros antes do fim de 2023 - mais cedo do que se esperava anteriormente -, o presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, disse hoje que espera a movimentação ainda mais cedo, em 2022. Bullard disse hoje, em entrevista à CNBC, que o debate sobre aperto monetário está aberto e um aumento na taxa de juros, hoje entre 0% e 0,25%, pode vir no fim de 2022, e não em 2023, como indicado no relatório "dot plot" do Fed. “A pandemia está chegando ao fim. É natural reequilibrar estímulos em algum momento”, comentou Bullard. Os comentários alimentaram os temores dos investidores com o tom mais "hawkish" (favorável a aperto monetário) adotado pelo Fed e prejudicaram os setores que se beneficiam de uma economia mais forte e uma inflação mais elevada. As ações de energia lideraram as perdas na sessão, recuando 2,92% no S&P 500, a despeito de uma alta nos preços do petróleo. Já as ações do setor financeiro - que foram pressionadas também pela queda nos rendimentos dos Treasuries - caíram 2,45% na sessão e acumularam perdas de 6,21% na semana. Os analistas apontam também que vários investidores estão também realizando lucros nas últimas sessões, depois que o S&P 500 e o Nasdaq anotaram novos recordes históricos de fechamento na segunda-feira passada. "Dado que muitos dos investidores estão sentados sobre enormes ganhos, a tentação é reduzir os riscos", disse Luca Paolini, estrategista-chefe da Pictet Asset Management, à Dow Jones Newswires. "Quando você tem a combinação de preços elevados e mudanças nas políticas monetárias do Fed, é melhor realizar lucros". Touro de Wall Street Reprodução/Facebook Charging Bull Veja Mais

Dólar fecha em alta refletindo cautela no exterior

Valor Econômico - Finanças Após tocar R$ 4,9824 logo pela manhã, a moeda americana acabou sucumbindo ao tom geral de aversão ao risco trazido do exterior O dólar comercial fechou em alta de 0,92% nesta sexta-feira, negociado a R$ 5,0687. Após tocar R$ 4,9824 logo pela manhã, a moeda americana acabou sucumbindo ao tom geral de aversão ao risco trazido do exterior, onde o dólar continua a se fortalecer após a surpresa ‘hawk’ (inclinada à retirada de estímulos) do Federal Reserve. Ainda assim, a moeda americana acumulou queda de 1,14% na semana, fazendo do real a única divisa entre as 33 mais negociadas do mundo a apresentar valorização no período. O movimento é reflexo da proteção que a alta da Selic e o tom mais duro do Copom, também na quarta-feira, forneceram à moeda brasileira. No mesmo horário, o dólar subia 1,22% contra o peso mexicano; 1,41% frente ao rand sul-africano e 0,56% na comparação com o rublo russo. "O inesperado tom mais hawk do Fed disparou uma alta dos juros reais nos EUA e deu força ao dólar. No entanto, o mercado está conseguindo discriminar entre os ativos emergentes caso a caso, com algumas moedas se portando melhor que outras", aponta o Bank of America em comunicado, dando como exemplo o real. O banco nota que a correlação entre a variação dos juros reais de 5 anos americanos e o desempenho da moeda brasileira é praticamente inexistente, o que sugere que o ativo "é mais guiado pelas altas de juros do BC". Apesar da visão mais construtiva em relação ao real, o BofA encerrou recentemente a única recomendação em relação à moeda brasileira. Por outro lado, abriu uma recomendação de compra do peso mexicano contra o peso chileno, apostando que o risco político local ainda não foi totalmente precificado sobre a divisa do país andino. Para o TS Lombard. a política monetária mais restritiva por aqui ajuda a preservar o bom momento do real. “O tom mais ‘hawk’ do BC beneficia a moeda brasileira, que também recebe suporte no curto prazo de preços mais altos de commodities e da recuperação cíclica”, diz a consultoria em nota. Pixabay Veja Mais

Arrependimento de Bolsonaro é o motor da incerteza sobre autonomia do BC

Valor Econômico - Finanças Enfrentar um ano eleitoral com inflação em alta e sem controle sobre a política monetária aumentou nele o arrependimento pelo aval à mudança A expectativa de enfrentar um ano eleitoral com inflação em alta e sem controle sobre a política monetária aumentou, no presidente da República, o arrependimento pelo aval à autonomia do Banco Central. É este o pano de fundo da incerteza que passou a pairar sobre o futuro da mecanismo que foi aprovado pelo Congresso em fevereiro e hoje é alvo de uma ação de inconstitucionalidade. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Petróleo mostra recuperação e acumula ganhos na semana

Valor Econômico - Finanças Investidores avaliam cenário para a commodity e pesam sinalizações do banco central americano O petróleo se recuperou parcialmente nesta sexta-feira, encerrando o pregão em alta após o tombo do dia anterior, e apresentou ganhos semanais. Em meio à recuperação da economia global e da oferta restrita da commodity, analistas ainda veem potencial para valorização. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Produção de petróleo e gás natural cai 0,5% em maio

Valor Econômico - Finanças Segundo a ANP, foram produzidos 3,778 milhões de barris diários de óleo equivalente A produção nacional de petróleo e gás natural caiu 0,5% em maio, na comparação com abril. Segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foram produzidos 3,778 milhões de barris diários de óleo equivalente (BOE/dia), o que representa uma alta de 8,5% em relação a maio de 2020. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Dow Jones e S&P 500 seguem em vias de fechar pior semana desde janeiro

Valor Econômico - Finanças Investidores avaliam fala de presidente da regional de St. Louis do Fed, que disse ser "natural" a instituição adotar uma posição mais favorável ao aperto monetário Os índices acionários americanos operam em queda nesta sexta-feira, depois que o presidente do Federal Reserve (Fed) de Saint Louis, James Bullard, disse que é "natural" que o Fed adota uma postura mais favorável a aperto monetário com os dados recentes de inflação, alimentando os temores de uma antecipação da retirada de estímulos monetários nos Estados Unidos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Crise de energia: saiba como falta de chuvas afeta ações do setor

Valor Econômico - Finanças Cenário é mais desafiador para a Cesp (CESP6), a mais exposta ao segmento de geração hidrelétrica; confira a visão do Safra para setor Safra analisa principais aspectos da matriz de energia brasileira e implicações para o segmento de geração Getty Images O Brasil passa mais uma vez por uma crise hidrológica causada por volumes de chuva abaixo da média e baixos níveis dos reservatórios, o que vem provocando temores em relação à capacidade de fornecimento de energia do sistema. Diante desse cenário, o Safra analisou os principais aspectos da matriz de energia brasileira e as implicações para o segmento de geração. “A nosso ver, é improvável que o racionamento de energia seja adotado em 2021, mas os investidores devem ficar atentos ao período de chuvas de 2022”, avaliam os especialistas do banco em relatório. O banco vê potenciais efeitos negativos para as companhias expostas à geração hidrelétrica. No entanto, acredita que o cenário desafiador traz impactos limitados ao setor de energia em geral, pelo menos no curto prazo. Sem racionamento O cenário-base do banco não prevê racionamento para 2021. Isso porque o Brasil tem hoje uma matriz de geração muito mais diversificada em comparação a 2001, e o ONS deve adotar maior produção térmica em face das condições hídricas adversas, como aconteceu em 2014. Além disso, desde 2017 o Brasil possui margens estruturais de reserva de energia em torno de 20% ao ano, devido ao início de novos projetos de geração e crescimento limitado da demanda. O Safra acredita, portanto, que o sistema será capaz de contornar a crise, pelo menos até o próximo período de chuvas, a partir do último trimestre do ano. Vale destacar que adotamos as estimativas da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica para o GSF (sigla em inglês para Fator de Ajuste da Energia Assegurada, que corresponde à razão entre o que as usinas hidrelétricas geraram pelo que deveriam ter gerado) e para o PLD (Preço de Liquidação das Diferenças). Maior impacto em geradoras hidrelétricas O Safra acredita que o segmento de geração hidrelétrica pode enfrentar um 2º semestre desafiador principalmente devido ao alto GSF e aos altos preços de curto prazo. Dentro do universo de cobertura do banco, a principal pressão seria sobre a Cesp (CESP6), que opera apenas hidrelétricas. Engie (EGIE3) e AES Brasil (AESB3) também devem ser pressionadas, mas a diversificação de sua matriz oferece mais flexibilidade – AES Brasil tem usinas eólicas e Engie, térmicas. Já no segmento de distribuição elétrica, os impactos devem ser mais limitados, caso o racionamento não seja adotado. No entanto, se o governo adotar iniciativas de redução do consumo de energia, os volumes de vendas podem ser prejudicados. Já o maior uso de térmicas e a adoção de bandeiras tarifárias devem pressionar as tarifas de energia em 2022. Quanto ao segmento de transmissão, vemos impactos muito limitados por enquanto. Atualmente, a recomendação do banco está: Engie (EGIE3): Compra, preço-alvo de R$ 50,20. AES Brasil (AESB3): Neutra, preço-alvo de R$ 14,30. Cesp (CESP6): Compra, preço-alvo de R$ 32,30. Veja Mais

CPI da Covid promove Queiroga, Pazuello, Araújo e Wizard à condição de investigados

Valor Econômico - Finanças Lista ainda inclui Fabio Wajngarten, Arthur Weintraub, Nise Yamaguchi e Mayra Pinheiro O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, oficializou nesta sexta-feira os nomes dos 14 primeiros investigados pelo colegiado. Entre eles estão o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, seu antecessor, o general Eduardo Pazuello, o ex-chanceler Ernesto Araújo e o empresário Carlos Wizard. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Estúdio evita clichês e cria novo nicho para personagens negros

Valor Econômico - Finanças Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Cézanne marca retomada do MoMA

Valor Econômico - Finanças Pintor francês é objeto da primeira grande exposição do MoMA numa Nova York que começa a retomar a vida normal Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Jessie Buckley, a energia por trás do musical ‘As Loucuras de Rose’

Valor Econômico - Finanças Atriz interpreta uma aspirante a cantora country Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Anvisa requer “mesmo desfecho clínico” para aprovar uso

Valor Econômico - Finanças Com produção local, país pode ganhar musculatura técnica e industrial A regulamentação utilizada para o registro de biossimilares no Brasil é a resolução RDC 55, de 16 de dezembro de 2010. Escrita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a norma exige a apresentação de estudos comparativos entre o medicamento biossimilar e o produto de referência. “A via da comparação aceita diferenças nas estruturas das moléculas, mas é preciso provar que elas não afetam o tratamento. O foco é garantir o mesmo desfecho clínico”, explica Gustavo Mendes, gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Laboratórios renovam estratégia para atender mercado brasileiro

Valor Econômico - Finanças Entre os desafios de produção no Brasil está a dependência de insumos internacionais Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

PDPs estimulam as aquisições de biofármacos contra câncer pelo SUS

Valor Econômico - Finanças Produção no Brasil também reduz custos, além de ampliar o acesso da população a tratamentos mais eficazes A extinção de patentes estrangeiras nos últimos anos permitiu que vários medicamentos biossimilares passassem a ser produzidos no Brasil por fábricas nacionais, criadas a partir do estímulo das Parcerias para Desenvolvimento Produtivo (PDPs). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Destaques

Valor Econômico - Finanças Exame de gravidez Por maioria, a 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou o recurso de uma ex-empregada da AM-Pack Indústria e Comércio de Embalagens Ltda., de Manaus, que pretendia o pagamento de indenização de R$ 20 mil por danos morais porque a empresa exigiu a realização de exame de gravidez no ato demissional. Segundo a tese vencedora, a conduta não foi discriminatória nem violou a intimidade da trabalhadora, uma vez que visou dar segurança jurídica ao término do contrato de trabalho. Prevaleceu o voto do ministro Agra Belmonte. “A conduta visa dar segurança jurídica ao término do contrato de trabalho e acaba representando elemento a favor da trabalhadora”, afirmou. “Caso ela esteja grávida - circunstância muitas vezes que ela própria desconhece - o empregador, ciente do direito à estabilidade, poderá mantê-la no emprego sem que ela necessite recorrer ao Judiciário”. Em voto vencido, o relator, ministro Maurício Godinho Delgado, considerou a conduta da empresa uma intervenção no âmbito da personalidade da mulher. Segundo ele, o empregador pode ter tido a melhor das intenções, mas invadiu a intimidade da trabalhadora. “Esse tema é superior à vontade do empregador”, afirmou (RR-61-04.2017.5.11.0010). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Fed precisa mesmo é de um conjunto de ‘ferramentas psicológicas’

Valor Econômico - Finanças No ano passado o Federal Reserve criou uma nova série de dados chamados de “índice das expectativas de inflação comuns” (CIE) Um quarto de século atrás, o economista vencedor do prêmio Nobel Robert Shiller organizou um estudo baseado em sondagens sobre a percepção de inflação dos consumidores. Ele chamou atenção para três pontos que são altamente relevantes hoje. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Após recordes, setor de commodities sofre correção

Valor Econômico - Finanças Vale e siderúrgicas acumulam perdas em junho e pesam no Ibovespa Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Fiocruz recebe dia 23 insumo para mais 5,8 milhões de vacinas

Valor Econômico - Finanças O IFA assegura a entrega contínua de doses do Programa Nacional de Imunizações (PNI) até 16 de julho A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou que está prevista para a quarta-feira. dia 23, a chegada de mais uma carga de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. O IFA garante a produção de aproximadamente 5,8 milhões de doses de vacina contra covid-19 e assegura a entrega contínua de doses do Programa Nacional de Imunizações (PNI) até 16 de julho. "Mais informações sobre a chegada do IFA serão divulgadas na próxima semana. A AstraZeneca tem garantido entregas mensais de lotes de IFA, conforme acordado. A Fiocruz aguarda a confirmação da possibilidade de aceleração das próximas remessas de IFA, uma vez que a instituição permanece com capacidade de produção superior à disponibilização do insumo", diz a nota divulgada pela Fiocruz. Entrega A Fiocruz entregou hoje ao Programa Nacional de Imunizações mais 5 milhões de vacinas contra covid-19 produzidas no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos). Em nota, a Fiocruz ressaltou que, com essa entrega, alcança o total aproximado de 58,8 milhões de doses distribuídas, sendo 54,8 milhões produzidas pela Fiocruz e 4 milhões importadas prontas do Instituto Serum, da Índia. Fiocruz. Divulgação Veja Mais

Rede pede que Supremo obrigue Bolsonaro a provar acusações de fraude eleitoral

Valor Econômico - Finanças Em março de 2020, ele disse que mostraria “brevemente” as provas que teria “em mãos” O Rede Sustentabilidade pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que obrigue o presidente Jair Bolsonaro a apresentar, em até dez dias, as "provas materiais" que ele diz ter sobre um suposto esquema de fraude nas urnas eleitorais eletrônicas. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

PF pede a superintendências que enviem denúncias de fraudes em urnas eletrônicas, diz site

Valor Econômico - Finanças Presidente do TSE, horas antes, afirmou que Bolsonaro deveria apresentar provas que comprovassem as suspeitas levantadas por ele contra a urna eletrônica A Polícia Federal determinou que as 27 superintendências regionais enviem à Diretoria de Combate ao Crime Organizado (Dicor) todas as denúncias de fraudes já recebidas relacionadas ao uso de urnas eletrônicas. A ordem foi enviada ontem, segundo informou a jornalista Malu Gaspar em seu blog no jornal “O Globo”. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Supermercados de SP encolhem 8,9% no ano com base forte e volta dos restaurantes

Valor Econômico - Finanças Em termos reais, vendas de lojas comparáveis caíram 13% em abril na comparação anual, informa Apas As vendas dos supermercados de São Paulo neste ano desaceleraram de forma expressiva frente a 2020, diante de uma inflação persistente que afetou o poder de compra, reduzindo o volume de vendido. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Bolsonaro deve chegar forte a 2022, avalia Flávio Dino

Valor Econômico - Finanças De mudança para o PSB, governador do Maranhão falou sobre o cenário eleitoral com o Valor Um dos articuladores da frente ampla de apoio à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador do Maranhão, Flávio Dino, avalia que Jair Bolsonaro deve chegar forte à disputa de 2022 e afirma que, se as eleições fossem hoje, o presidente estaria no segundo turno. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

'Trégua' nas commodities abre caminho a IGP-M abaixo de 2% em junho, diz FGV

Valor Econômico - Finanças "A taxa de câmbio sempre dá uma contribuição. Os preços lá fora começaram a ceder, de algumas commodities, em dólar, principalmente soja", nota o economista André Braz, da entidade Uma "trégua" no avanço dos preços das commodities no atacado, em cenário de dólar mais fraco, levou à desaceleração da segunda prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), que passou de uma alta de 3,83% para 1,27% entre maio e junho, afirmou economista da FGV, André Braz. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Valor na CBN: Arthur do Val é empecilho para família Bolsonaro entrar no Patriota em SP

Valor Econômico - Finanças Deputado estadual faz parte de grupo do partido que questiona ações da direção nacional para destituir diretórios e receber filiação do presidente da República A filiação do presidente Jair Bolsonaro ao Patriota esbarra no apetite dele em controlar três diretórios estaduais do partido, no Rio de Janeiro, Minas Gerais e em São Paulo. No Estado de São Paulo, Bolsonaro enfrenta um empecilho adicional: o deputado estadual Arthur do Val, conhecido como Mamãe Falei, que quer concorrer ao governo paulista em 2022 pelo Patriota e se opõe à migração da família Bolsonaro para a sigla. É o que conta a repórter Carolina Freitas no "Bastidores da Política" desta sexta-feira. O quadro vai ao ar às quartas e sextas-feiras no CBN São Paulo. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Movimentação em portos privados cresce 10% no primeiro quadrimestre

Valor Econômico - Finanças Os terminais de uso privado processaram 249,7 milhões de toneladas em mercadorias de janeiro a abril, segundo a Associação de Terminais Portuários Privados Os terminais de uso privado (TUPs) tiveram crescimento de 9,9% na movimentação de cargas durante o primeiro quadrimestre, em comparação com igual período do ano passado, e processaram 249,7 milhões de toneladas em mercadorias de janeiro a abril. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

CPI pode convocar Facebook e YouTube por disseminarem desinformação de Bolsonaro

Valor Econômico - Finanças “Esse comportamento criminoso não pode mais ser disseminado”, disse Randolfe O vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), informou nesta sexta-feira que pediu a convocação de representantes do Facebook e do Youtube. Segundo ele, as empresas terão de se manifestar sobre a veiculação das declarações do presidente Jair Bolsonaro que atentam contra a saúde pública. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Leia as manchetes desta sexta-feira dos principais jornais brasileiros

Valor Econômico - Finanças Veja os destaques da imprensa nacional VALOR - Governo faz concessão e passa MP da Eletrobras no Senado - Térmicas vão operar até na época da chuva - Bolsonaro quer elevar fastos de olho na eleição - Mercado prevê Selic em 6,5% e maior em 2022 O GLOBO - Senado aprova MP que permite venda da Eletrobras - Vacina salvou a vida de 43 mil brasileiros acima de 70 anos - Preso ladrão de bicicleta do caso de racismo no Leblon - Dois policiais militares são executados dentro de carro FOLHA DE S.PAULO - Senado aprova MP da Eletrobras que distribui privilégios - PT vê rejeição de Bolsonaro menor até o ano que vem - CPI perde fôlego e agora aposta em sigilos de Pazuello - Vacinação salvou 40 mil idosos no Brasil, diz estudo O ESTADO DE S.PAULO - MP da Eletrobras pode gerar custo de R$ 84 bi a consumidor - Estados batem recorde de vacinação, mas meta é desafio - PSDB dá guinada à esquerda e se aproxima de Lula - Motociata vira banco de dados bolsonarista Veja Mais

Instituto Tomie Ohtake desvia o foco de exposições para a inclusão social

Valor Econômico - Finanças Ao completar 20 anos, espaço cultural tenta ampliar formas de contato com a sociedade Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Itaú Cultural cria serviço gratuito

Valor Econômico - Finanças Plataforma tem propósito de oferecer filmes de todos os Estados e a produção de mulheres, negros e indígenas Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Michel Laub: A verdade por trás das aparências

Valor Econômico - Finanças Obras de Thomas Bernhard e Gerhard Richter buscam a verdade possível por trás das aparências Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Mudanças em patentes dividem os fabricantes

Valor Econômico - Finanças Laboratórios preveem dobrar produção e investir em novos produtos A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de derrubar prazos extras concedidos em patentes de medicamentos deve reduzir preços e aumentar a competição. Com esse entendimento, o prazo de patentes fica limitado a 20 anos a partir do pedido, sem o prazo estendido pela data da concessão. “Esse período de exclusividade para o inventor é suficiente para remunerar os investimentos, liberando as empresas para lançar versões genéricas, com previsibilidade e segurança jurídica”, afirma Telma Salles, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos). A decisão da Corte tem efeito retroativo para a área da saúde, derrubando 3.435 patentes então vigentes. Uma molécula de genérico demanda de dois a três anos de desenvolvimento e as novas condições devem estimular a indústria, completa Telma. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

OMS amplia debates sobre quebra de patentes durante a pandemia

Valor Econômico - Finanças Aumento de fornecedores estimularia desconcentração na fabricação de vacinas A necessidade de vacinação mundial para interromper o avanço da covid-19 expôs a desigualdade de acesso entre países e colocou em discussão a proteção de patentes, frente à necessidade de maior equilíbrio. Na segunda-feira (14), entre as grandes economias, o Reino Unido contabilizava 44% da população protegida por duas doses de vacina, seguido por EUA (43%) e Alemanha (26%), segundo o Our World In Data. Na outra ponta, no continente africano, eram só 0,84%. O Brasil registrava 11%. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

OAB aprova utilização de marketing jurídico

Valor Econômico - Finanças Foram definidos alguns conceitos como o de marketing e publicidade O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou, ontem, o uso de marketing por escritórios e advogados. A medida faz parte de uma proposta de renovação das regras de publicidade para a advocacia. Tem foco, principalmente, sobre o que pode ser feito nos meios digitais. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Mercado vê Selic de até 7,5% em 2021

Valor Econômico - Finanças Nova postura do Banco Central detona onda de revisões de cenário para juro básico Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Alta da Selic protege real de onda de cautela; câmbio encosta em R$ 5

Valor Econômico - Finanças Moeda brasileira se sobressaiu na contramão de outras por ter suporte de BC que já se destacava por inclinação pró-aperto monetário O movimento de cautela global após a surpresa ‘hawk’ (inclinada à retirada de estímulos) por parte do Federal Reserve acabou passando longe do mercado de câmbio local no pregão de ontem. Na contramão de praticamente todas as demais divisas, emergentes ou desenvolvidas, o real voltou a se fortalecer contra o dólar, beneficiado pelo tom também mais duro do Copom no comunicado de quarta-feira. Com isso, a moeda brasileira voltou a se aproximar do patamar psicológico dos R$ 5,00. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Vectis estreia fundo de renda residencial

Valor Econômico - Finanças Gestora fecha acordo para comprar torres da Cyrela com desconto e vai garantir renda Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Grupo Pardini adquire Laboratório Paulo C. Azevedo por R$ 127 milhões

Valor Econômico - Finanças Adquirida, líder no mercado de medicina diagnóstica no Pará, possui 22 unidades em Belém e em mais seis municípios, emprega 600 pessoas, e atende quatro hospitais no Estado O Grupo Hermes Pardini fechou no fim da tarde desta sexta-feira (18) um acordo para adquirir 100% do Laboratório Paulo C. Azevedo, pelo valor de R$ 127 milhões. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Commodities: Agrícolas sobem em NY, em dia de correção técnica

Valor Econômico - Finanças Algodão, café e açúcar fecharam em alta; cacau e suco de laranja recuaram Após baixas generalizadas na sessão anterior, parte das commodities agrícolas negociadas na bolsa de Nova York passou por um movimento de correção nesta sexta-feira. As cotações recuaram na véspera com o anúncio do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que deverá antecipar o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

ONU renova liderança de Guterres por mais um mandato de 5 anos

Valor Econômico - Finanças Recomendada pelo Conselho de Segurança, manutenção foi confirmada pela Assembleia-Geral O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, teve sua escolha para um segundo mandato de cinco anos confirmada pelos 193 membros da Assembleia-Geral da ONU. O Conselho de Segurança havia recomendado a manutenção do português no cargo a partir do período que se inicia em 1º de janeiro de 2022. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Bolsonaro desafia CPI e reitera defesa de medicamento sem eficácia

Valor Econômico - Finanças Criticado por não responder a e-mails da Pfizer, ele atacou “a indústria farmacêutica” O presidente Jair Bolsonaro atacou nesta sexta-feira a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, chamando-a de "CPI da mentira", horas após o relator do colegiado, senador Renan Calheiros (MDB-AL), ter dito que poderá investigá-lo e responsabilizá-lo por crimes cometidos durante a pandemia. Em tom desafiador, ele também voltou a defender abertamente o uso de medicamentos sem eficácia como suposto tratamento para a covid-19 – uma das linhas usadas pelos senadores de oposição para apontar que o presidente teve de fato uma postura criminosa diante da doença. Bolsonaro discursou durante a inauguração de um trecho de 102 quilômetros de pavimentação da BR-230, a rodovia Transamazônica, em Novo Repartimento (PA). "Vocês são a nossa razão de existir. Queremos, sim, buscar uma igualdade por cima. Queremos, sim, o melhor para vocês. Podem ter certeza, não desistiremos, porque o presidente, além de imorrível, é imbroxável (sic) também", disse Bolsonaro. Bolsonaro deve trocar mais ministros Pablo Jacob/Agência O GLobo "Não vai ser uma CPI da mentira, uma CPI onde não busca a verdade, uma CPI que se ilude achando que vai derrubar o governo federal. Um presidente da República que nunca se furtou no seu dever de decidir." Ao defender a hidroxicloroquina, Bolsonaro repetiu o bordão de que "pior do que uma decisão mal tomada é uma indecisão". "Recomendo aqueles que porventura tenham problemas com a covid: procure seu médico para o tratamento precoce. Dizer a vocês que lá atrás eu tomei a hidroxicloroquina. Assim como muitos tomaram a ivermectina. Isso não mata ninguém", afirmou. O uso inadvertido medicamentos, porém, pode causar graves efeitos colaterais. Criticado por não ter respondido a dezenas de e-mails da Pfizer oferecendo a vacina contra a covid-19 ao Brasil, ainda no ano passado, o presidente disse não ser "conivente com a indústria farmacêutica". "Não somos coniventes com a indústria farmacêutica. Não buscamos lucro. O nosso governo está completando dois anos e meio sem uma denúncia de corrupção", disse. Nesta sexta-feira, Bolsonaro cumpre agenda no Pará. No início da tarde, ele entregou títulos de propriedades de terra na cidade de Marabá. À noite, estará em Belém, onde participa de um culto em celebração aos 110 anos da igreja Assembleia de Deus. Entre os ministros que o acompanham na comitiva, está o advogado-geral da União, André Mendonça. Evangélico, ele é o mais cotado para a indicação à vaga que será deixada Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). Também viajaram ao Pará os ministros Tarcísio Freitas (Infraestrutura) e Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Líder da Assembleia de Deus, o pastor bolsonarista Silas Malafaia também integra a comitiva. Veja Mais

FT: Shein faz moda em “tempo real” e atrai milhões de seguidores na internet

Valor Econômico - Finanças Marca chinesa de "fast fashion" conseguiu conquistar o mundo com tal velocidade que muitas pessoas nem perceberam A Shein é uma empresa notável. A marca chinesa de moda rápida (pronuncia-se “shi-in”) conseguiu conquistar o mundo com tal velocidade que muitas pessoas nem perceberam, a não ser os milhões de seguidores da geração Z, atentos às mídias de relacionamento social on-line e a bons preços. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

BanriTech, do Banrisul, está em processo de aceleração de 30 startups

Valor Econômico - Finanças Entre elas está a Insumo Fácil, cujo foco é integrar produtores, fornecedores e bancos O Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) informou, em nota enviada ao Valor, que o BanriTech, uma das iniciativas de seu braço de inovação BanriHub, está em processo de aceleração de 30 startups sediadas em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Minas Gerais e Espírito Santo. E que entre elas está a Insumo Fácil, que desenvolve um serviço que integra produtores rurais, fornecedores e bancos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Suspensão de restrições da UE a turistas americanos anima operadores de viagens

Valor Econômico - Finanças Líbano, Sérvia, Albânia e Macedônia do Norte também foram adicionados à lista da UE Operadores de viagens preparam-se para o aumento da demanda por reservas após a decisão da União Europeia (UE) de suspender a proibição de visitas não essenciais de americanos aos países do bloco. A suspensão é considerada a última etapa do fim das restrições impostas às lucrativas rotas aéreas transatlânticas, embora ainda persistem preocupações com a disseminação de variantes potencialmente mais perigosas do vírus da covid-19. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Renan diz que CPI poderá investigar Bolsonaro

Valor Econômico - Finanças Relator entende que a Comissão deve responsabilizar o presidente da República devido aos "fatos" que estão surgindo O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse nesta sexta-feira que a investigação da comissão poderá incluir o presidente da República, Jair Bolsonaro, caso os fatos que forem surgindo exigirem. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Ibovespa tem volatilidade; exportadoras e estatais são destaque

Valor Econômico - Finanças Investidores acompanham noticiário corporativo agitado A bolsa brasileira opera com volatilidade nesta sexta-feira, ainda pressionada pela rotação entre os ativos de risco, com os investidores trocando a tese do crescimento pela proteção contra a inflação, após a postura mais dura do Federal Reserve (Fed, banco central americano). Além disso, o dia de vencimento na B3 e em Nova York ajuda na volatilidade, sendo que o noticiário do dia anterior também agita as ações de Eletrobras, Petrobras e BR Distribuidora. Às 11h45, o Inbovespa ganhava apenas 0,03%, aos 128.099 pontos, após máxima em 128.334 pontos e mínima em 127.598 pontos. Eletrobras PNB ganhava 7,53% e Eletrobras ON subia quase 7%. Petrobras ON cedia 0,03% enquanto Petrobras PN avançava 0,75%. “Desde a decisão e da nova sinalização do Fed, os ativos de risco estão passando por uma nova e importante rotação de temas de investimentos”, afirma o sócio-diretor da TAG Investimentos, Dan Kawa. Para ele, trata-se de uma “evolução importante” o fato de o Fed ter-se mostrado “não tão confortável” com o cenário de inflação”. Com isso, o gestor da TAG avalia que fica para trás o tema da reflação e entra em cena uma fase de queda nos preços das commodities, que tende a ajudar a acomodar parte das pressões inflacionárias. “Além disso, o mercado deve conviver com alguma maturação natural do ciclo econômico nos próximos meses, o que pode ajudar a evitar uma retirada antecipada da liquidez global”, avalia Kawa. Ontem, as ações de exportadoras brasileiras de matérias-primas pesaram no Ibovespa, que passou a testar a faixa dos 128 mil pontos. Segundo análise gráfica do Itaú BBA, após perder suporte inicial em 128,6 mil pontos, o índice acionário à vista tem suporte em 127,8 mil e 125,5 mil pontos, sendo que este último é o nível que mantém a recente tendência de alta do Ibovespa. Além das ações de commodities, também merecem atenção hoje as ações da Eletrobras, Petrobras e da BR Distribuidora. Para a Ativa Investimentos, os papéis devem reagir positivamente ao noticiário da noite de ontem. Segundo o analista Ilan Arbetman, apesar das novas concessões (“jabutis”) feitas na proposta, a aprovação da Medida Provisória (MP) no Senado não possui caráter negativo à Eletrobras. “A proposta formulada pelo Senado adiciona temas perpendiculares à matéria e aumenta a complexidade da operação. Mas a diminuição de participação estatal na companhia, como resultado da proposta, continua sendo um evento positivo para EletrobrAs”, afirma o analista da Ativa Investimentos, em comentário. Já o anúncio da oferta de fatia de 37,5% das ações da BR Distribuidora tem um efeito imediato positivo para a Petrobras e negativo para a distribuidora, ao menos até a realização da operação, com o mercado buscando obter os melhores preços de entrada no papel. “O avanço do processo traz consequências positivas para ambas as empresas, como avanços na redução da dívida para Petrobras e maior liquidez e pulverização da base acionária para BR Distribuidora”, afirma, em comentário matinal, o gerente de pesquisa da Ativa Investimentos, Pedro Serra. É válido lembrar que hoje é dia do exercício automático de opções sobre ações, o que eleva o vaivém dos papéis da Vale e da Petrobras. Em Wall Street, é dia de vencimento triplo, com a liquidação de contratos futuros de índices e de opções sobre índices e ações. Veja Mais

Morning Call Safra: Commodities pressionam Ibovespa

Valor Econômico - Finanças Setor de mineração e siderurgia vive cautela com indicações da China No Morning Call do Safra desta sexta-feira, explicamos os fatores que vêm gerando uma correção nos preços das commodities e podem pressionar o Ibovespa. No segundo bloco, falamos sobre o impacto da crise hídrica sobre ações do setor de energia. Quer receber o Morning Call do Safra, análises de ações e outros conteúdos exclusivos? Faça parte do canal do Safra no Telegram. Veja Mais

Quais são as respostas do setor cultural para a falta de verbas

Valor Econômico - Finanças “O processo de ataque aos artistas se agravou, mas não começou hoje”, diz Gabriel Paiva, presidente da Associação dos Produtores Teatrais Independentes Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

‘Benedetta’ retrata a freira condenada por ‘possessão diabólica’

Valor Econômico - Finanças Filme de Paul Verhoeven, promete levar escândalo a Cannes Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

À Mesa com o Valor - Nizan Guanaes: O futuro é das empresas pequenas, ágeis e sem medo de errar, diz publicitário

Valor Econômico - Finanças Ele está começando uma nova fase da carreira com a consultoria N Ideias Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Cristália busca autonomia com aposta em P&D

Valor Econômico - Finanças Planta de biotecnologia tem todas as etapas de produção - do banco de células à embalagem do medicamento Na Cristália, o direcionamento estratégico é a inovação. A meta da empresa é criar medicamentos biológicos e aproveitar o potencial da biodiversidade brasileira. Como estratégia, construiu uma planta de biotecnologia com todas as etapas de produção - do banco de células à embalagem do medicamento. “Buscamos autonomia produtiva, com insumos fabricados no país”, diz Ogari Pacheco, cofundador da empresa. Para ele, dominar a rota tecnológica é o caminho correto para agregar valor à produção. “Embalar remédio não é trabalhar com biotecnologia. A maior parte do mercado é totalmente dependente de importações”, observa. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Diagnósticos combinam epigenética e big data

Valor Econômico - Finanças Área da biologia estuda a carga genética de pacientes a fim de identificar tendências a certos tipos de doenças Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

STF começa julgamento de tema que afeta negociações coletivas

Valor Econômico - Finanças Ministros vão definir se acordo coletivo deve ser mantido até a fixação de um novo Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) deram início ao julgamento em que vão definir um ponto importante das negociações coletivas na seara trabalhista, a validade da chamada ultratividade - manutenção do acordo coletivo anterior até a fixação de um novo. O julgamento começou ontem, mas nem o relator, ministro Gilmar Mendes, votou, por causa do horário. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

MSCI avalia lançar índices ligados a criptomoedas

Valor Econômico - Finanças A MSCI tem procurado expandir suas ofertas A fornecedora de índices globais de mercado MSCI está avaliando lançar um ligado a criptomoedas, de acordo com seu presidente-executivo, Henry Fernandez, no que seria mais um passo em direção à aceitação geral das moedas digitais e das empresas que as negociam. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

PIPELINE: Em tour com gestores, Havan busca ancoragem para IPO

Valor Econômico - Finanças Dono da varejista, Luciano Hang leva potenciais investidores para conhecer modelo de negócios in loco, nas lojas pelo interior do país O empresário Luciano Hang, dono da varejista Havan, ainda quer fazer uma barulhenta oferta de ações na bolsa brasileira - como indicou no vídeo em que apresenta seu site de relações com investidores - mas desta vez segue o processo “by the book”. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Equitas terá fundo de ações listado

Valor Econômico - Finanças Nesse modelo, após captação inicial o portfólio fica fechado e toda a movimentação dos investidores, de compra ou venda de cotas, se dá na bolsa O mercado brasileiro terá em breve o seu primeiro fundo de ações com gestão ativa listado na B3. Conforme documento arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Equitas vai testar um veículo que combina papéis de companhias já negociadas no pregão com os de empresas de capital fechado. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Últimos dias

Petrobras anuncia oferta de fatia de 37,5% de ações da BR Distribuidora

Valor Econômico - Finanças No prospecto, a BR Distribuidora informa que a oferta é de 436,8 milhões papéis e que poderá levantar R$ 11,5 bilhões A Petrobras informou, por meio de fato relevante, que foi protocolado hoje na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o pedido de registro de oferta pública de distribuição secundária de ações ordinárias da BR Distribuidora. No prospecto, a BR Distribuidora informa que a oferta é de 436,8 milhões papéis e que poderá levantar R$ 11,5 bilhões, com base na cotação de R$ 26,42 registrada ontem (16). A empresa também esclareceu que o preço por ação será fixado após a conclusão do procedimento de coleta de intenções de investimento que será realizada com investidores institucionais, o que está previsto para o dia 30 de junho. No dia 11, a estatal havia informado o envio de carta à BR Distribuidora solicitando cooperação para implementar a oferta para a venda de sua participação remanescente de 37,50% no capital social da distribuidora. Os coordenadores da oferta são Bank of America (BofA), Citi, Goldman Sachs, Itaú BBA, JP Morgan e XP. O Morgan Stanley é o coordenador lider. BR Distribuidora Reprodução/BR Veja Mais

BR Partners precifica ação a R$ 16 em IPO e levanta R$ 400 milhões

Valor Econômico - Finanças Instituição que se define como banco de investimentos independente vendeu units no piso da faixa inicialmente sugerida, segundo fontes O BR Partners, que se define como banco de investimentos independente, concluiu sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) vendendo units a R$ 16, no piso da faixa inicialmente sugerida, de acordo com fontes. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Covid-19 mata mais de 2 mil pessoas pelo segundo dia seguido no Brasil

Valor Econômico - Finanças Resultado da média móvel é 19% superior ao registro de 14 dias atrás, expansão que sinaliza tendência de aumento no número de mortes Pelo segundo dia seguido, o Brasil registra média móvel de mortes por covid acima de 2 mil, número que não era observado desde 10 de maio. Com os dados de hoje, a média móvel de mortes na última semana ficou em 2.005 por dia, uma alta de 19% em relação aos dados registrados em 14 dias. Esse percentual indica tendência de aumento nos óbitos. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Governo informa que vacinas da Janssen não chegarão nesta semana, diz TV

Valor Econômico - Finanças O Ministério da Saúde informou hoje que as vacinas da Janssen esperadas para esta semana, vindas dos Estados Unidos, não chegarão. A expectativa é que a remessa de 3 milhões de doses seja enviada na próxima semana, sem data exata prevista. As informações são da TV Globo. Segundo a reportagem, o ministro Marcelo Queiroga justificou o atraso por "questões regulatórias nos EUA". As 3 milhões de doses são uma antecipação de parte do total de 38 milhões de doses compradas pelo governo federal. Em março, quando o contrato foi anunciado, a previsão era a entrega de 16,9 milhões de doses no 3º trimestre e outras 21,1 milhões de doses no quarto trimestre de 2021. A previsão inicial era de que as doses chegassem na terça-feira passada (15). Veja Mais

Risco de blecaute é verdadeiro ponto de atenção no setor elétrico, avalia ex-presidente da EPE

Valor Econômico - Finanças Para Maurício Tolmasquim, com o intenso uso dos sistemas de transmissão para o intercâmbio de energia entre as diferentes regiões, qualquer problema nas linhas geraria grandes repercussões O ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Maurício Tolmasquim acredita que o risco da atual crise hídrica para o setor elétrico é a possibilidade de blecautes. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Em novo adiamento, reunião do CMN sobre Plano Safra fica para segunda

Valor Econômico - Finanças Ministério da Agricultura tenta obter R$ 15 bilhões para orçamento de juros subsidiados ao campo A reunião extraordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN) para analisar os votos referentes ao Plano Safra 2021/22 foi transferida mais uma vez, passando de amanhã para a próxima segunda-feira. O encontro, que estava previsto para hoje, já havia sido transferido para esta sexta. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Importação de lácteos cresceu 14,5% em maio, diz Cepea

Valor Econômico - Finanças Baixa disponibilidade da matéria-prima no país ampliou compras externas As importações brasileiras de lácteos cresceram 14,5% em maio na comparação com o mês anterior, somando 8,4 mil toneladas, informa o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea – Esalq/USP). De acordo com o Boletim do Leite, de junho, o cenário reflete a baixa disponibilidade da matéria-prima no país, intensificada pela entressafra da produção no Sudeste e Centro-Oeste. A queda de 5% do dólar em relação ao real em maio também estimulou as compras externas. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Anbima envia ao BC proposta para compartilhar informações de investimento

Valor Econômico - Finanças A associação sugere a inclusão de fundos de investimento, CDBs/RDBs, LCIs, LCAs, CRIs, CRAs, Debêntures, ações, ETFs e Tesouro direto A Anbima, entidade que representa o mercado de capitais e de investimentos, enviou ao Banco Central (BC) a sua proposta para o escopo inicial do open banking, que na sua quarta fase prevê o compartilhamento de informações sobre investimentos. A associação sugere a inclusão de fundos de investimento, CDBs/RDBs, LCIs, LCAs, CRIs, CRAs, Debêntures, ações, ETFs e Tesouro direto. Segundo comunicado em seu site, a Anbima defende que, em um primeiro momento, o foco esteja em produtos e serviços que são relevantes para os clientes do varejo. A ideia, de acordo com a entidade, é fazer a abertura em três etapas. A primeira passaria a valer em dezembro, com os dados das instituições, como identificação dos produtos, taxas e validade de cada investimento. Para junho de 2022, ficaria a posição dos clientes, informando a modalidade e o volume aplicado, e para dezembro os dados de transações dos clientes. A implementação em etapas daria tempo para as instituições financeiras desenvolverem a tecnologia necessária, informa a Anbima. A entidade destaca que o Brasil será pioneiro no open investment. "Outros países até iniciaram esse tipo de projeto, mas com poucos produtos ou então como uma iniciativa própria do mercado, sem regulação”. A lógica que a regulação quer colocar no mercado brasileiro é dar mais autonomia aos clientes sobre a própria vida financeira, trazer inovação e promover a concorrência. A Anbima explica ainda que o compartilhamento das informações de investimentos segue os mesmos princípios do open banking. Será obrigatório para as instituições classificadas como S1 e S2 pelo BC – as demais podem participar se quiserem. E, funciona na base da reciprocidade: quem entra tem acesso às informações dos demais integrantes, mas também precisa compartilhar os próprios dados. No caso de informações dos clientes, a escolha é do investidor, que decide se quer compartilhar o que está em uma instituição com outra. Veja Mais

Tribunal afasta do mercado executivo que trocou XP por BTG

Valor Econômico - Finanças 1ª Câmara de Direito Empresarial do TJ-SP analisou cláusula contratual de não competição O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) atendeu pedido da XP Investimentos para afastar do mercado um de seus ex-executivos seniores. Ele havia rompido o contrato com a corretora para atuar no principal concorrente, o BTG Pactual. Os desembargadores determinaram o afastamento com base em uma cláusula de não competição (non-compete). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Wiz investirá R$ 585 milhões em joint venture com BRB

Valor Econômico - Finanças Nova companhia comercializará seguros, consórcios, títulos de capitalização e previdência privada, por meio dos canais de distribuição do banco, correspondentes bancários, parceiros, atuação remota e digital A Wiz Soluções assinou contrato para a oferta de produtos de seguridade no balcão do Banco de Brasília (BRB). O acordo havia sido divulgado em abril, mas na ocasião não tinha sido revelado o valor. Agora a Wiz informou que investirá aproximadamente R$ 585 milhões para ter 50,1% das ações da joint venture, contar com a cessão dos ativos e assumir a operação de oferta dos produtos do BRB. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Petrorecôncavo registra aumento de 3,4% na produção de óleo e gás

Valor Econômico - Finanças No Distrito Potiguar, que inclui 34 concessões, a produção avançou 6,9% no mesmo período de análise A Petrorecôncavo informou, por meio de relatório de dados preliminares, um aumento de 3,4% na produção total de óleo e gás em maio, ante abril, para 12 mil barris de óleo equivalentes por dia (boepd). No Distrito Potiguar, que inclui 34 concessões, a produção avançou 6,9% no mesmo período de análise, para 8,4 mil boepd. No Distrito Recôncavo, que inclui outras concessões além de contrato com cláusula de risco em 12 campos da Petrobras, houve uma queda de 3,67%, para 3,7 mil boepd. Veja Mais

Plenário do STF analisará recurso contra arquivamento de investigação a Bolsonaro por cheques a Michelle

Valor Econômico - Finanças Ministro Marco Aurélio, que enviou a ação ao colegiado, anteriormente havia seguido a manifestação de Aras e determinado o arquivamento da notícia-crime O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou ao plenário virtual o recurso apresentado contra a decisão de arquivar um pedido para que o presidente Jair Bolsonaro seja investigado por causa de cheques depositados pelo ex-assessor Fabrício Queiroz na conta primeira-dama Michelle Bolsonaro. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

CBI inclui pecuária em análise de títulos ‘verdes’

Valor Econômico - Finanças Climate Bonds Iniciative é a principal instituição global de certificação de finanças sustentáveis Títulos privados de dívida emitidos para financiar a criação de animais poderão a partir de agora ser classificados como “verdes” se atenderem a determinados requisitos. O Climate Bonds Iniciative (CBI), principal instituição global de certificação de finanças sustentáveis, concluiu hoje os novos critérios de classificação de títulos “verdes” na agricultura, incluindo agora critérios ambientais para a pecuária. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Bolsonaro diz que deve ir para "partido pequeno" e que quer aumentar bancada no Senado em 2022

Valor Econômico - Finanças O presidente Jair Bolsonaro disse hoje que está em negociações avançadas para se filiar a um "partido pequeno" e que um de seus objetivos é aumentar a bancada governista no Senado nas eleições de 2022. O presidente, que se elegeu pelo PSL, reuniu-se ontem com a bancada bolsonarista do partido e avisou que está quase fechado com o Patriota, partido ao qual o senador Flávio Bolsonaro (RJ), seu filho, se filiou recentemente. "Eu vou ter que ter um partido. Eu já teria resolvido esse assunto, mas tem que ser muito bem conversado. Partidos geralmente têm donos. Está bastante avançada a ida minha para um partido, um partido pequeno", disse o presidente em sua live semanal nas redes sociais, sem citar o nome da legenda. O presidente queixou-se do fato de que não terá quase R$ 500 milhões de fundo partidário a que o PSL tem direito, além de contar apenas com 25 segundos de tempo de TV no horário eleitoral, caso sua filiação se confirme. Isso porque, de acordo com o presidente, o PSL teria eleito uma bancada muito menor caso ele não tivesse sido seu candidato à Presidência em 2018. O partido elegeu 52 deputados e 4 senadores na ocasião. "Se eu não fosse candidato a presidente, o PSL teria uns 8, 9, 10 deputados federais. Eu entendo que, como eu saí não estou mais lá, o partido vai perder um pouco lá", disse Bolsonaro. Bolsonaro disse ainda que um de seus objetivos é aumentar o número de aliados no Senado, Casa que hoje é palco de uma CPI para apurar erros e omissões de seu governo durante a pandemia. "Há interesse meu em uma bancada maior para o Senado. O Senado decide muita coisa. Tem poder muito maior do que a Câmara em muitos aspectos", disse. "Há interesse meu, caso concorra, em crescer a bancada no Senado." Reprodução Facebook Veja Mais

Tribunal anula sentença que obrigava Petrobras Bolívia a pagar indenização de US$ 61 milhões

Valor Econômico - Finanças A PEB opera 35% do bloco San Alberto, em parceria com a YPFB Andina, que tem fatia de 50%, e a Total E&P Sucursal Bolivia, detentora de 15% A Petrobras informou que o Tribunal Agroambiental da cidade de Sucre, na Bolívia, anulou a sentença de primeira instância que obrigava sua subsidiária, a Petrobras Bolívia (PEB), a pagar US$ 61 milhões, além de juros e custas, a título de indenização por usar a propriedade onde estão localizadas as instalações do campo de San Alberto. No fim de maio, a estatal havia comunicado ao mercado que a PEB havia sido condenada a pagar indenização. Para a empresa, a decisão do Tribunal indicou “evidências de violação a direitos fundamentais e garantias constitucionais da PEB na sentença de primeira instância, e anulou todos os atos desde o início do processo, destacando a ausência de demonstração de propriedade da área por parte da autora da ação”. Segundo a companhia, a sentença ainda extingue as medidas cautelares anteriormente impostas; impõe multa à juíza de primeira instância e determina que o conselho de magistratura local seja notificado. “A sentença do Tribunal Agroambiental reforça a confiança da companhia nas instituições da Bolívia, onde atua há 25 anos, sempre em respeito às leis e às comunidades”, reiterou a Petrobras em nota. A PEB opera 35% do bloco San Alberto, em parceria com a YPFB Andina, que tem fatia de 50%, e a Total E&P Sucursal Bolivia, detentora de 15%. Veja Mais

Artigo 'à Saramago' em MP da Eletrobras impede veto presidencial

Valor Econômico - Finanças Faz jus ao escritor português José Saramago e seus parágrafos intermináveis: o principal trecho da medida provisória que autoriza a privatização da Eletrobras tem 652 palavras e 3.197 caracteres sem um único ponto no meio do caminho. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Análise: Jabutis na MP da Eletrobras deixam lições para setor elétrico e governo

Valor Econômico - Finanças Uma derrota do governo Jair Bolsonaro com a MP da Eletrobras faria lembrar o impactante revés sofrido pelo ex-presidente Lula, em 2007, na votação da emenda constitucional que prorrogaria a CPMF. Na época, uma analista política escreveu que acabava ali o sonho petista de um terceiro mandato para Lula — pois o Senado demonstrava cabalmente que rejeitaria tal medida. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Ex-ministro Franciso Turra é o novo presidente do conselho da Aprobio

Valor Econômico - Finanças Entidade representa grandes produtores de biocombustíveis, como 3tentos, Minerva Biodiesel e Caramuru O ex-ministro da Agricultura Francisco Turra foi eleito hoje presidente do Conselho de Administração da Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio). A escolha foi definida em assembleia com os associados, e a posse está prevista para o dia 30 de junho, em Brasília. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Wizard aciona Supremo contra as medidas pedidas pela CPI da Covid

Valor Econômico - Finanças Senadores aprovaram a condução coercitiva e a apreensão do passaporte do empresário, que está nos EUA, assim que ele desembarcar no país por não ter comparecido à comissão A defesa do empresário Carlos Wizard acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) contra as medidas pedidas pela CPI da Covid após ele faltar ao depoimento marcado para esta quinta-feira. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

OAB aprova uso de marketing por escritórios e advogados

Valor Econômico - Finanças Também foram definidos alguns conceitos como o de marketing e publicidade O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou, nesta quinta-feira, o uso de marketing por escritórios e advogados. A medida faz parte de uma proposta de renovação das regras de publicidade para a advocacia. Tem foco, principalmente, sobre o que pode ser feito nos meios digitais. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

Conselho da Vale aprova dividendo no valor de R$ 2,177 por ação

Valor Econômico - Finanças Quantia será liberada para detentores de ações negociadas na B3 no dia 30 de junho; donos de ADRs vão receber no dia 8 de julho A Vale comunicou há pouco que seu conselho de administração aprovou hoje a distribuição de dividendos aos acionistas da companhia no valor de R$ 2,177 por ação. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais

ONU alerta que seca pode ser “a próxima pandemia”

Valor Econômico - Finanças Relatório da ONU alerta que não há vacina contra a seca e que maior parte do mundo viverá com estresse hídrico nos próximos anos A seca é uma crise global oculta que corre o risco de se tornar “a próxima pandemia” se os países não tomarem medidas urgentes na gestão da água e da terra e no enfrentamento da emergência climática, afirmou a ONU no relatório especial sobre a seca 2021, divulgado nesta quinta-feira. “As secas têm impactos profundos, generalizados e subestimados nas sociedades, ecossistemas e economias. Eles incorrem em custos que são suportados de forma desproporcional pelas pessoas mais vulneráveis. Os extensos impactos da seca são consistentemente subnotificados, embora afetem grandes áreas, se espalhem por sistemas e escalas e perduram no tempo, afetando milhões de pessoas e contribuindo para a insegurança alimentar, a pobreza e a desigualdade”, diz o relatório da ONU. Pelo menos 1,5 bilhão de pessoas foram diretamente afetadas pela seca neste século, e o custo econômico ao longo desse período foi estimado em US$ 124 bilhões. O verdadeiro custo provavelmente será muitas vezes maior porque essas estimativas não incluem muito do impacto nos países em desenvolvimento, segundo o relatório da ONU. “A seca está prestes a se tornar a próxima pandemia e não há vacina para curá-la. A maior parte do mundo viverá com estresse hídrico nos próximos anos. A demanda superará a oferta durante certos períodos. A seca é um fator importante na degradação da terra e no declínio da produção das principais safras”, alerta Mami Mizutori, representante especial do secretário-geral da ONU para redução de risco de desastres. Mizutori observa que muitas pessoas pensam, de forma equivocada, que a seca é um problema restrito de regiões desérticas. A seca agora, diz ela, é generalizada e, no fim do século, quase todos os países sofrerão de alguma forma desse problema. “As pessoas vivem com a seca há 5.000 anos, mas o que estamos vendo agora é muito diferente”, disse Mizutori. “As atividades humanas estão exacerbando a seca e aumentando o impacto”, ameaçando inviabilizar o progresso na retirada das pessoas da pobreza. Os países desenvolvidos não são imunes a esta crise. Os Estados Unidos, a Austrália e o sul da Europa vêm sofrendo secas severas nos últimos anos. A seca custa mais de US$ 6 bilhões por ano em impactos diretos nos Estados Unidos e cerca de 9 bilhões de euros na União Europeia. Ruy Baron/Valor Veja Mais

JBS conclui aquisição da holandesa Vivera

Valor Econômico - Finanças Acordo de € 341 milhões havia sido anunciado há dois meses A JBS informou no início da noite desta quinta-feira que concluiu a aquisição da Vivera, terceira maior produtora de proteínas à base de plantas da Europa. O acordo havia sido anunciado há dois meses, em um negócio de € 341 milhões (quase R$ 2,3 bilhões à época). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro. Veja Mais