Meu Feed

Hoje

Descoberta de esqueleto pode trazer novos detalhes sobre erupção do Vesúvio

em - Internacional Um esqueleto descoberto na antiga cidade romana de Herculano, destruída como a vizinha Pompeia pela erupção do vulcão do monte Vesúvio há 2.000 anos, pode oferecer novas informações sobre o histórico desastre, declarou nesta sexta-feira (15) um especialista italiano.Os restos, supostamente de um homem de 40-45 anos, foram encontrados sob metros de rocha vulcânica, quase onde a linha do mar de Herculano estava antes da explosão do Vesúvio em 79 D.C.O cadáver estava de cabeça para baixo, virado para o chão e provavelmente viu a morte à sua frente, surpreso com a lava derretida que soterrou a cidade, analisou o diretor do parque arqueológico de Herculano à agência italiana ANSA."Pode ter sido um socorrista", sugeriu Francesco Sirano.Quando o Vesúvio entrou em erupção, uma frota naval comandada pelo escritor e militar Plínio, o Velho, veio em seu socorro. Embora ele tenha morrido na costa, acredita-se que os marinheiros conseguiram evacuar centenas de sobreviventes.O esqueleto também pode pertencer a "um dos fugitivos" tentando alcançar os barcos de resgate. "Ele pode ter sido o último azarado de um grupo que conseguiu escapar", disse Sirano.O esqueleto estava coberto de restos de madeira carbonizados, incluindo uma viga que poderia ter atingido sua cabeça. Seus ossos eram de um vermelho brilhante, provavelmente marcas de sangue de quando a vítima foi absorvida pela lava.Os arqueólogos também encontraram restos de tecidos e objetos de metal, talvez objetos pessoais como uma bolsa, ferramentas de trabalho, uma arma ou moedas, especulou o diretor do parque arqueológico.Outros restos humanos foram encontrados nas últimas décadas naquela área, incluindo um crânio que alguns atribuem a Plínio, mas esta última descoberta pode ser investigada com técnicas mais modernas."Hoje temos a possibilidade de entender mais", disse Sirano.Os pesquisadores acreditam que as temperaturas em Herculano chegaram a 500 graus, o suficiente para vaporizar os tecidos moles. Em um fenômeno ainda não bem compreendido, as temperaturas despencaram, permitindo que os restos mortais fossem mantidos em boas condições.Menor e menos conhecida do que Pompeia, Herculano era uma cidade mais rica e com arquitetura mais requintada. Veja Mais

Últimos dias

OMC não consegue acordo para liberar patentes das vacinas contra Covid-19

O Tempo - Mundo Os gigantes farmacêuticos e seus países de origem se opõem, argumentando que as patentes não são o principal obstáculo para o aumento da produção Veja Mais

Deputado britânico foi morto a facadas em ato terrorista, informa polícia

em - Internacional O deputado conservador britânico David Amess morreu nesta sexta-feira após ser esfaqueado repetidas vezes, em um ato que a polícia trata como "incidente terrorista" potencialmente vinculado ao "extremismo islamita"."O esfaqueamento fatal ocorrido em Leigh-on-Sea foi declarado um incidente terrorista e a investigação é dirigida pela unidade antiterrorista", informou a polícia na madrugada deste sábado.O ataque, que ocorreu durante um encontro com eleitores em uma igreja metodista, comoveu o país, já marcado pelo assassinato da deputada trabalhista Jo Cox por um simpatizante do neonazismo em 2016. Amess, 69, membro do partido conservador de Boris Johnson e forte defensor do Brexit, foi esfaqueado por volta do meio-dia. Um homem de 25 anos foi imediatamente detido no local. Segundo a imprensa britânica, ele seria um britânico de origem somali. "A investigação inicial revelou uma possível motivação ligada ao extremismo islâmico", indicou a polícia metropolitana.O deputado morreu no local do crime, apesar da rápida intervenção das equipes de emergência, relatou a polícia do condado de Essex, que descartou a procura de outros suspeitos."Nossos corações estão cheios de emoção e tristeza hoje pela morte do deputado David Amess, que foi assassinado (...) depois de quase 40 anos de serviço aos seus eleitores e a todo o Reino Unido", afirmou o primeiro-ministro Boris Johnson em declarações a canais de TV britânicos.- Católico fervoroso -Descrito por seus colegas como um católico fervoroso, homem "de grande coração" e defensor dos animais, costumava visitar seu distrito para se aproximar de seus eleitores. Nesta sexta-feira, estava em uma igreja metodista de Leigh-on-Sea."Ninguém poderia pensar que algo assim aconteceria por aqui", disse à AFP Ashley Curtis, 49, cuja casa fica a 200 metros da igreja, em uma área que foi sobrevoada por dois helicópteros e bloqueada com carros da polícia e uma ambulância durante toda a tarde de hoje."David Amess é um cara bom. Eu o conheci e conversei com ele no passado", explicou, considerando que o atacante devia "guardar muito rancor para entrar na igreja metodista enquanto (o político) estava recebendo as pessoas e fazer isso".Vizinhos e eleitores homenagearam o deputado esta noite em uma igreja de Leigh-on-Sea, que reuniu uma centena de pessoas. - Segurança dos deputados -O presidente da Câmara dos Comuns, Lindsay Hoyle, destacou que a casa deve "discutir e analisar a segurança dos deputados e as medidas que devem ser tomadas"."Atacar nossos representantes eleitos é um ataque à própria democracia. Não há desculpas nem justificativa. É a coisa mais covarde que alguém pode fazer", disse Brendan Cox, viúvo de Jo Cox, assassinada quando tinha 41 anos. O ataque em 2016 contra essa deputada trabalhista, firme defensora do pertencimento britânico à União Europeia e da causa dos refugiados, comoveu o Reino Unido, em um contexto de forte tensão pela campanha para aquela consulta que dividiu o país.A Ministra do Interior, Priti Patel, pediu a "todas as forças policiais que revejam os dispositivos de segurança para os deputados com efeito imediato", e se reuniu com representantes das forças de segurança e com o presidente da Câmara dos Comuns.Números da polícia mostram um aumento dos crimes contra parlamentares. Em 2019, a Scotland Yard reportou um crescimento de 126% entre 2017 e 2018, e de 90% nos quatro primeiros meses de 2019. Vários representantes políticos disseram que foram alvo de ameaças de morte no contexto dos debates duros e longos sobre o Brexit.O ataque a Jo Cox, firme defensora dos refugiados e do pertencimento britânico à União Europeia, foi o primeiro assassinato de um deputado desde o de Ian Gow, vítima do IRA em 1990. Veja Mais

ONU estende missão no Haiti por nove meses

em - Internacional O Conselho de Segurança das Nações Unidas estendeu nesta sexta-feira (15) a missão da ONU no Haiti por nove meses, depois que a China e as potências ocidentais chegaram a um acordo de última hora.O Conselho aprovou por unanimidade uma resolução ampliando o mandato por menos tempo do que Washington esperava, um ano, mas mais do que os seis meses que Pequim queria.A votação ocorreu pouco depois das 22h GMT, horas antes de expirar a missão política, agora estendida até 15 de julho de 2022, em um país mergulhado em uma crise que se agravou com o assassinato do presidente Jovenel Moise em julho.Pequim deixou claro que vetaria a prorrogação do mandato por um ano. O acordo de nove meses inclui uma avaliação do secretário-geral da ONU após seis meses.O Escritório Integrado das Nações Unidas no Haiti (BINUH) foi criado em outubro de 2019, após o fim de 15 anos de operações de manutenção da ordem da ONU, e tem sido objeto de atrito entre Washington e Pequim.Seu mandato inclui fortalecer a estabilidade política e a governança na ilha, com forte influência dos EUA. Segundo diplomatas, a China quer punir o Haiti por reconhecer Taiwan.No início do mês, o Conselho de Segurança concordou em adiar as eleições no Haiti até o segundo semestre de 2022. Veja Mais

Operação esteriliza 24 hipopótamos de Pablo Escobar na Colômbia

em - Internacional Vinte e quatro dos 80 hipopótamos que rondam a antiga fazenda do falecido traficante de drogas Pablo Escobar, no noroeste da Colômbia, foram esterilizados diante do crescimento "descontrolado" desta espécie "invasora", informaram nesta sexta-feira (15) as autoridades.Os hipopótamos foram inoculados com o medicamento GonaCon "através de dardos disparados em indivíduos laçados e capturados", informou em nota o Cornare, uma corporação regional de proteção ambiental.Também foram utilizados "rifles de dardos" para esterilizar os animais que estão nos lagos, em uma operação que contou com financiamento e apoio técnico dos Estados Unidos, o principal consumidor de cocaína do mundo.A população de hipopótamos cresceu de forma descontrolada desde que o "senhor da droga" colombiano adquiriu um casal desses animais para um zoológico particular que construiu em sua propriedade, que hoje se tornou um parque temático."Trata-se de um anticonceptivo que tem efetividade em machos e fêmeas" e é mais "econômico" que uma "esterilização cirúrgica", segundo o Cornare.A entidade espera que a iniciativa seja uma "referência mundial para o controle da população dos hipopótamos invasores, um caso único no planeta"."Contudo, [a operação] não deixa de ser complexa, já que os especialistas sugerem que são necessárias três doses, com base nos estudos e comparações realizadas em outros animais de grande porte, como os cavalos", acrescentou a entidade.A esterilização química desses 24 indivíduos se soma à de outros onze animais que já tinham sido esterilizados de maneira tradicional.Libertados a sua própria sorte na fazenda abandonada após a morte de Escobar em 1993, os hipopótamos se multiplicaram. Os outros animais que o traficante possuía, como flamingos, girafas, zebras e cangurus, foram vendidos a zoológicos.De acordo com alguns especialistas, este legado insólito do narcotraficante pode ser a maior manada de hipopótamos fora de África, e um problema ambiental na Colômbia."A presença destes animais em um ecossistema que não é propriamente deles, traz consequências como o deslocamento de nossa fauna local", "a modificação dos ecossistemas" e "ataques" a pescadores, tudo isso porque "o crescimento da população está descontrolado", advertiu David Echeverri, especialista do Cornare citado na nota.Pablo Escobar chegou a ser um dos homens mais ricos do mundo, segundo a revista Forbes, após fundar um império do crime e do narcoterrorismo. Apesar de sua queda e da de outros barões da droga, a Colômbia continua sendo o principal produtor de cocaína do mundo e os Estados Unidos são o seu maior mercado. Veja Mais

Atentado suicida deixa 41 mortos em mesquita xiita no Afeganistão

O Tempo - Mundo Segundo testemunhas, várias explosões abalaram a mesquita de Fatemieh, no centro de Kandahar, durante a oração do meio-dia Veja Mais

Argentina e Paraguai concordam em revisar tarifa externa comum do Mercosul

em - Internacional A Argentina e o Paraguai se mostraram favoráveis a revisar a tarifa externa comum do Mercosul, um tema que é alvo de controvérsia dentro do bloco, informaram os ministérios das Relações Exteriores dos dois países em um comunicado conjunto.Os chanceleres de Argentina, Santiago Cafiero, e Paraguai, Euclides Acevedo Candia, afirmaram que "a revisão da tarifa externa comum é um elemento central para a atualização do bloco", que também é integrado por Brasil e Uruguai, segundo a nota publicada após a reunião de quinta-feira (14) à noite em Buenos Aires.A redução da tarifa externa comum às importações de países terceiros, que atualmente é de entre 13% e 14%, em média, tem sido alvo de disputa nos últimos anos no Mercosul, entre os que desejam uma redução substancial, como Brasil e Uruguai, e os que resistem, principalmente a Argentina.Contudo, há uma semana, Brasil e Argentina anunciaram um acordo para reduzir em 10% a tarifa, uma proposta que deve ser aprovada pelos outros dois países-membros: Paraguai e Uruguai.Nos últimos tempos, outro assunto polêmico no Mercosul é a proposta, defendida especialmente pelo Uruguai, para negociar individualmente acordos comerciais com países terceiros.Logo após a reunião de ontem, Cafiero e Acevedo assinalaram que o Mercosul "é a plataforma para a internacionalização de ambos os países, através de acordos comerciais, com a presença de todos os Estados-parte do bloco". Veja Mais

Petróleo segue em alta e WTI atinge máxima em sete anos

em - Internacional A alta dos preços do petróleo continuou nesta sexta-feira, em um mercado preocupado com a oferta, e o WTI chegou à máxima em quase sete anos durante as operações.O barril do WTI chegou a ser negociado a 82,49 dólares durante o dia pela primeira vez desde 29 de outubro de 2014. Já o Brent atingiu 85,10 dólares, nível inédito desde 10 de outubro de 2018.No fechamento, o WTI para novembro retraiu em Nova York, mas fechou em alta de 1,19%, a US$ 82,28, em sua oitava semana consecutiva de alta. Já o Brent para entrega em dezembro ganhou 1,02%, a US$ 84,86."O retorno da demanda é mais rápido que o da oferta", resumiu Andy Lipow, da Lipow Oil Associates, no momento em que os mercados financeiros se mostram mais otimistas sobre a situação econômica global.Para o analista, o mercado também reagiu hoje a informações da agência de notícias Reuters segundo as quais grupos chineses negociariam acordos de abastecimento de gás natural liquefeito (GNL) para atender às suas necessidades, em um contexto de oferta insuficiente desse produto. Esse fator, segundo Lipow, favorece a alta do petróleo. Veja Mais

Painel consultivo de saúde dos EUA aprova dose de reforço da Janssen

em - Internacional O painel consultivo de saúde dos Estados Unidos decidiu recomendar, por unanimidade, nesta sexta-feira, 15, reforço da vacina de dose única contra a covid-19 da Janssen, fabricada pela Johnson & Johnson. A Food and Drug Administration (FDA), órgão regulador, disse que a imunização extra pode ser administrada após dois meses da primeira aplicação.No entanto, a Johnson & Johnson pediu flexibilidade à FDA, argumentando que a dose extra pode fornecer maior proteção após seis meses da vacinação inicial. Segundo a Associated Press, o painel consultivo da FDA já recomendou o reforço para os vacinados da Moderna e Pfizer.Na decisão, de acordo com a AP, os conselheiros da FDA citaram a preocupação crescente de que os vacinados com a Janssen possam estar menos protegidos do que as pessoas que receberam imunizantes da Pfizer ou Moderna, de duas doses.Mas o governo dos EUA salientou que todas as três vacinas continuam a oferecer forte proteção contra internações e mortes por covid-19, além de destacar o esforço crescente para reforçar a proteção contra variantes.Por outro lado, o órgão regulador americano ainda não tem decisão sobre a autorização do uso do imunizante da Moderna em adolescentes. A FDA disse que está avaliando se a vacina pode aumentar o risco de uma doença cardíaca inflamatória conhecida como miocardite. Essa espera ocorre após quatro países da Europa anunciarem posições contrárias ao uso do imunizante da Moderna em jovens, segundo informações do Wall Street Journal.Para o diretor médico da Moderna, Paul Burton, os riscos de complicações são muito baixos e os dados da FDA não mostraram nenhuma diferença na taxa de miocardite entre pessoas que tomaram as vacinas Moderna ou Pfizer. "Acho que as pessoas podem ter certeza de que o risco de miocardite com uma vacina de mRNA é baixo, parece haver equilíbrio entre os diferentes produtos".De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, mais de 12 milhões de adolescentes americanos já foram totalmente vacinados com a vacina Pfizer-BioNTech. Veja Mais

Chipre revogará 45 'passaportes dourados'

em - Internacional Chipre anunciou esta sexta-feira (15) a decisão de revogar a cidadania de 45 estrangeiros que se beneficiaram dos "passaportes de ouro", um programa de concessão de passaportes em troca de investimentos na ilha mediterrânea, que foi abolido no ano passado após acusações de corrupção.Esta decisão surge quatro meses após a publicação de um relatório de investigação independente sobre este sistema, que revela que 53% dos 6.779 passaportes emitidos entre 2007 e 2020 foram emitidos "ilegalmente", sem verificação de antecedentes suficiente."O governo decidiu revogar (a cidadania) de 39 investidores e seis de seus parentes", disse o porta-voz do governo cipriota, Marios Pelekanos, sem especificar quem são.As autoridades estão investigando mais cerca de 50 casos, disse ele.No âmbito do programa do passaporte dourado, um cidadão de um país fora da União Europeia poderia obter um passaporte cipriota em troca de um investimento de 2,5 milhões de euros (2,9 milhões de dólares), que poderia ser revertido na compra de uma residência na ilha. Veja Mais

México passará a exigir visto de brasileiro para frear imigração ilegal aos EUA

em - Internacional O governo do México vai voltar a exigir vistos para brasileiros que desejarem entrar no país, informou um documento publicado nesta quinta-feira, 14, pelo governo mexicano. Ainda não se sabe quando a medida entrará em vigor.Essa exigência apareceria como forma de desestimular a ida de brasileiros ao México que tentem migrar para os Estados Unidos por terra - a fronteira entre os dois países norte-americanos vive uma crise migratória com alto fluxo de pessoas, incluindo cidadãos do Brasil.O documento de um anteprojeto com a medida foi publicado nesta quinta-feira pela Comissão de Melhora Regulatória (Conamer), órgão do governo mexicano.A exigência será temporária, até que os fluxos migratórios estejam "seguros, ordenados e regulares", diz o documento. O governo brasileiro já foi comunicado da decisão."A Secretaria de Relações Exteriores comunicou o governo da República Federativa do Brasil da decisão do Estado mexicano de suspender de maneira temporária o acordo para supressão de vistos em passaportes ordinários", diz o texto. O acordo vigorava desde 2013.O número de brasileiros que têm usado a fronteira com o México para entrar irregularmente nos Estados Unidos aumentou neste ano. Até o final de setembro, 47.484 cidadãos do país foram detidos pela patrulha de fronteira americana, segundo o Departamento de Segurança Interna dos EUA - um aumento de 400% em relação ao ano passado, quando 9.147 foram detidos no mesmo período. É bem mais do que o dobro do registrado em 2019, quando eram 18 mil. Entre os detidos pelos agentes de fronteira, os brasileiros são os sextos mais numerosos.A partir deste mês, os EUA passaram a enviar ao Brasil dois aviões por semana com brasileiros deportados, em vez de um.Segundo o anteprojeto assinado pelo secretário de Governo mexicano, Adán Augusto López Hernández, a exigência de visto visa responder ao aumento "substancial" de brasileiros que entram no país para outra finalidade que não o turismo."Parte dessa situação se reflete nos fluxos migratórios, com a identificação de pessoas cujo perfil não se ajusta ao do turista genuíno e apresenta incoerências em sua documentação e informação, aumentando a possibilidade de que um número significativo de pessoas pretenda utilizar a supressão do visto indevidamente", aponta o documento.O governo mexicano pede que haja ações conjuntas dos dois países para possibilitar o uso "adequado" da supressão da necessidade de vistos. A medida passa a valer 15 dias após a publicação no Diário Oficial mexicano, o que ainda não ocorreu.Senador dos EUA critica brasileiros 'com roupa de grife'O senador do Partido Republicano dos Estados Unidos Lindsey Graham afirmou, durante entrevista a uma rede de TV, que 40 mil brasileiros cruzaram a fronteira entre os EUA e o México "usando roupas de marcas e bolsas da Gucci".Ele, que faz parte do partido de oposição ao presidente Joe Biden, fez a afirmação à rede Fox News nesta quarta-feira, 13, mas não apresentou evidências do que afirmou."As escolhas políticas de Biden estão pelo mundo. Nós tivemos 40 mil brasileiros só no posto de fronteira de Yuma, indo para o estado de Connecticut usando roupas de marcas e bolsas da Gucci. Isso não é mais imigração econômica. As pessoas veem que os Estados Unidos estão abertos e tiram vantagem de nós, e não vai demorar muito para que um terrorista se misture a essa multidão." Veja Mais

Atentado suicida deixa 41 mortos em mesquita xiita no Afeganistão

em - Internacional Ao menos 41 pessoas morreram e cerca de 70 ficaram feridas nesta sexta-feira (15) em um atentado suicida em uma mesquita xiita na cidade de Kandahar, sul do Afeganistão.Segundo testemunhas, várias explosões abalaram a mesquita de Fatemieh, no centro de Kandahar, a segunda cidade do país, durante a oração do meio-dia desta sexta-feira, o dia de descanso da semana para os muçulmanos, no qual muitas pessoas se reúnem para rezar."Estávamos preparando a oração quando ouvimos tiros. Duas pessoas entraram na mesquita e atiraram nos guardas, que abriram fogo. Um deles se explodiu. Depois dele, outros dois se explodiram", disse à AFP Sayed Rohullah, um guarda de segurança da mesquita.O ataque aconteceu uma semana depois de um atentado suicida contra fiéis na cidade de Kunduz, no nordeste do país, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI). No caso do atentado em Kandahar, reduto histórico dos talibãs, nenhum grupo reivindicou as explosões até o momento.Um responsável talibã local confirmou à AFP que foi um "atentado suicida".O chefe da polícia talibã em Kandahar, Maulvi Mehmood, condenou "energicamente" o atentado e afirmou que "todos os serviços de segurança estão trabalhando para encontrar os envolvidos e puni-los".Segundo ele, a segurança da comunidade xiita estava até agora garantida pela própria comunidade. Mas "no futuro, temos a intenção de nos responsabilizarmos por todos esses locais de culto com a mobilização de guardas", disse.- "Muitos corpos" -"De acordo com as informações de nossos hospitais, 41 pessoas morreram e cerca de 70 ficaram feridas", disse à AFP Hafiz Abdulhai Abbas, funcionário da Saúde em Kandahar."Estamos lotados. Há muitos corpos e muita gente ferida. Precisamos urgentemente de mais sangue", acrescentou.O interior, a entrada e o chão da mesquita estavam cobertos por escombros. Algumas paredes estavam perfuradas pelas explosões, observou um repórter da AFP.Imagens postadas nas redes sociais, cuja autenticidade não pôde ser verificada imediatamente, mostravam corpos caídos no chão.Desde sua chegada ao poder em 15 de agosto, o Talibã enfrenta uma onda de atentados promovidos pelo Estado Islâmico (EI).Seu ramo local, o Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), mirou nos talibãs e na minoria xiita afegã nas últimas semanas.O EI-K é um rival do movimento islâmico Talibã, embora ambos sejam sunitas. De acordo com a empresa de análise de conflitos ExTrac, com sede no Reino Unido, o ataque desta sexta-feira seria o primeiro atentado do EI-K em Kandahar.O Talibã, que tem seu próprio histórico de perseguição aos xiitas, voltou ao poder no Afeganistão em 15 de agosto e, desde então, fez da segurança sua prioridade, após vinte anos de guerra. Os xiitas representam entre 10% e 20% da população afegã. Muitos deles são hazaras, etnia perseguida há décadas no país.O porta-voz do Ministério do Interior, Qari Sayed Khosti, tuitou: "Estamos tristes por sabermos da explosão em uma mesquita da irmandade xiita no primeiro distrito da cidade de Kandahar, na qual alguns de nossos compatriotas foram martirizados e feridos". Veja Mais

OMS prepara plano contra abusos sexuais por parte de seus trabalhadores

em - Internacional A Organização Mundial da Saúde (OMS), envolvida num escândalo de abuso sexual por alguns de seus trabalhadores na República Democrática do Congo (RDC), prometeu "tolerância zero" e está preparando um plano de ação. Após a revelação desses abusos, várias dezenas de países, incluindo os Estados Unidos e alguns Estados da União Europeia, exigiram um "compromisso total" da OMS contra essas agressões num comunicado conjunto.O chefe da agência da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus, revelou o plano de ação aos membros da OMS na quinta-feira. "Ontem (quinta-feira), o diretor-geral apresentou o esboço do plano em resposta aos Estados-membros", disse uma fonte da OMS à AFP. E especificou que a apresentação do documento final ocorrerá "nos próximos dias". Uma comissão independente de inquérito publicou um relatório devastador para a OMS em 28 de setembro denunciando que 21 trabalhadores da OMS cometeram agressões sexuais contra dezenas de pessoas na RDC durante a epidemia de ebola entre 2018 e 2020. Veja Mais

Díptico de 'Menina com balão' de Banksy é arrematado por US$ 4,3 milhões

em - Internacional Um díptico da famosa obra do britânico Banksy 'Menina com balão', cuja versão parcialmente autodestruída foi arrematada ontem por 25 milhões de dólares, foi leiloado nesta sexta-feira (15) por 3,1 milhões de libras (US$ 4,3 milhões). Datado de 2005, o quadro em duas partes, que representa sobre fundo branco uma menina que deixa escapar um balão vermelho em forma de coração, tinha o seu valor estimado em entre 2,5 e 3,5 milhões de libras (3,4 e 4,7 milhões de dólares) pela casa de leilões Christie's, que realizou a venda. A imagem apareceu pela primeira vez em 2002 e se transformou em "uma espécie de leitmotiv" para Banksy e em "uma obra muito apreciada", disse à AFP Katharine Arnold, curadora da Christie's para arte contemporânea e do pós-guerra na Europa. "Com essas imagens, [Banksy] consegue criar um sentimento e captar a essência e o estado de ânimo do momento", acrescentou Arnold antes do leilão. Outra versão de "Menina com balão", rebatizada de "Amor está no lixo" desde que sua autodestruição parcial chocou o mundo durante um leilão da casa Sotheby's, em Londres, em 2018, foi arrematada ontem nessa mesma casa de leilões por 18,6 milhões de libras (25,4 milhões de dólares).Paradoxalmente, o famoso grafiteiro britânico tinha realizado essa surpreendente ação para denunciar a "mercantilização" da arte.Banksy se tornou mundialmente conhecido por suas obras pintadas às escondidas em muros e paredes de edifícios em vários países. O artista urbano gosta de provocar e conscientizar através de sua arte, e já abordou temas como o Brexit e a imigração. Até o momento, sua identidade permanece desconhecida, mas sabe-se que ele é originário da cidade de Bristol, na Inglaterra.SOTHEBY'S Veja Mais

Deputado conservador morre esfaqueado em ataque no Reino Unido

em - Internacional Um deputado conservador britânico, David Amess, morreu nesta sexta-feira (15) após ser esfaqueado "várias vezes" durante um evento em seu distrito no sudeste da Inglaterra, comovendo um país ainda marcado pelo assassinato em 2016 da deputada trabalhista Jo Cox.A polícia do condado de Essex não mencionou o nome de Amess, mas confirmou que "um homem foi detido como suspeito de assassinato depois que um homem foi esfaqueado em Leigh-on-Sea". Ele "morreu posteriormente", afirmou. A imprensa britânica identificou a vítima, esfaqueada "várias vezes", como o político de 69 anos membro do partido do primeiro-ministro Boris Johnson, que recebia seus eleitores em uma igreja de seu distrito em Leigh-on-Sea.Até o momento, não se sabe as motivações do autor do crime.Paul Gardiner, barbeiro de 41 anos, cujo estabelecimento está a cerca de 250 metros do local do ataque, explicou à AFP a mobilização policial. "Há dois helicópteros sobrevoando o local e havia uma ambulância", relatou. "Estava dirigindo para o trabalho e estacionei por volta de 12h30, havia muitos carros da polícia dirigindo para lá", acrescentou.Outra testemunha, Ashley Curtis, um homem de 49 anos que vive a 200 metros da igreja, afirmou que duas horas depois a estrada continuava bloqueada com carros da polícia e uma ambulância. "Ninguém poderia pensar que algo assim aconteceria por aqui", disse à AFP. "David Amess é um cara bom. Eu o conheci e conversei com ele no passado", explicou, considerando que o atacante devia "guardar muito rancor para entrar na igreja metodista enquanto (o político) estava recebendo as pessoas e fazer isso".- "Ataque à própria democracia" -As reações políticas não demoraram, em um país marcado pelo assassinato no meio da rua em 2016 da deputada Jo Cox, uma semana antes do referendo do Brexit, pelas mãos de um simpatizante neonazista. "Notícias horríveis e profundamente impactantes", tuitou o líder da oposição trabalhista, Keir Starmer. Johnson e seu governo ainda não reagiram, mas a esposa do primeiro-ministro, ex-chefe de comunicação do Partido Conservador, lamentou essa "notícia absolutamente devastadora". Amess "era imensamente amável e bom. Um grande amante dos animais e um verdadeiro cavalheiro. Isso é completamente injusto. Meus pensamentos estão com sua esposa e filhos", acrescentou."Notícias alarmantes e preocupantes", tuitou por sua vez o ex-primeiro-ministro conservador britânico David Cameron. "Atacar nossos representantes eleitos é um ataque à própria democracia. Não há desculpas nem justificativa. É a coisa mais covarde que alguém pode fazer", disse Brendan Cox, viúvo de Cox, assassinada quando tinha 41 anos. O ataque em 2016 contra essa deputada trabalhista, firme defensora do pertencimento britânico à União Europeia e da causa dos refugiados, comoveu o Reino Unido, em um contexto de forte tensão pela campanha para aquela consulta que dividiu o país. Veja Mais

Justiça espanhola autoriza extradição aos EUA de ex-tesoureira venezuelana Díaz Guillén

em - Internacional A Justiça espanhola anunciou, nesta sexta-feira (15), que autorizou a extradição da ex-tesoureira e enfermeira de Hugo Chávez, a venezuelana Claudia Patricia Díaz Guillén, para os Estados Unidos, onde é procurada por lavagem de dinheiro e pertencimento a uma organização criminosa."Todos os requisitos foram dados para proceder à extradição da acusada por crimes que nos Estados Unidos são classificados como associação criminosa para cometer lavagem de dinheiro (...) e pertencimento a uma organização criminal", disse em um comunicado a Audiência Nacional, jurisdição encarregada das extradições.Díaz Guillén, que chegou à Espanha em 2015, é acusada de ter favorecido como tesoureira nacional o empresário Raúl Gorrín, dono a emissora privada venezuelana Globovisión, "em uma trama de câmbio de moeda estrangeira que rendeu para o empresário lucros de centenas de milhões de dólares", disse o comunicado.Gorrín teria pagado milhões de dólares em subornos a Díaz Guillén e ao seu antecessor no cargo, Alejandro Andrade.O marido de Díaz Guillén, Adrián Velásquez Figueroa, também se beneficiou. Ele aguarda outra decisão da Audiência Nacional sobre sua extradição para os Estados Unidos.Raúl Gorrín foi indiciado nos Estados Unidos por pagamento de subornos e lavagem de dinheiro em 2018, mesmo ano em que Andrade foi condenado na Flórida a dez anos de prisão.A Audiência Nacional estima agora que Díaz Guillén pode ser extraditada, ao rejeitar suas alegações de que estava sendo investigada pelos mesmos fatos na Espanha e que possuía a nacionalidade espanhola desde abril.Na Espanha, Díaz Guillén é investigada pela compra de uma casa de luxo no centro da capital espanhola por 1,8 milhão de euros com dinheiro procedente da Suíça, lembrou o tribunal. Veja Mais

EUA permitirão entrada de estrangeiros vacinados a partir de 8 de novembro

 EUA permitirão entrada de estrangeiros vacinados a partir de 8 de novembro

em - Internacional O governo dos Estados Unidos anunciou nesta sexta-feira (15/10) que permitirá a entrada no país de visitantes estrangeiros que estejam completamente vacinados contra a COVID-19 a partir de 8 de novembro."A nova política de viagens dos EUA, que exige vacinação para viajantes estrangeiros nos Estados Unidos, começará em 8 de novembro", anunciou no Twitter Kevin Muñoz, subsecretário de imprensa da Casa Branca, ao anunciar a data de uma iniciativa já antecipada no mês passado."Este anúncio e esta data se aplicam a viagens aéreas internacionais e terrestres", escreveu. "Esta política é pautada pela saúde pública, rigorosa e consistente", completou.Em março de 2020, para frear a propagação do coronavírus, Washington fechou as fronteiras aos viajantes procedentes da União Europeia, Reino Unido e China, e mais tarde adicionou a lista às pessoas procedentes da Índia e Brasil. Também proibiu a entrada por terra a partir do México e Canadá. Estas restrições provocaram transtornos pessoais e econômicos. Para os viajantes que que chegam de avião, o governo dos Estados Unidos solicitará às companhias aéreas que estabeleçam um sistema de rastreamento de contatos e exigirá um teste de detecção do vírus três dias antes da partida. Para a entrada por terra, a Casa Branca anunciou nesta semana que a suspensão das restrições acontecerá em duas etapas. A partir de 8 de novembro, poderão atravessar a fronteira do Canadá ou México as pessoas que viajam por motivos considerados "não essenciais", por exemplo familiares ou turísticos, desde que estejam vacinadas. As pessoas que entram no país por motivos "essenciais", por exemplo, os caminhoneiros, estarão isentas. Mas a partir de janeiro, a obrigação da vacina antiCOVID será aplicada a todos os visitantes que atravessarem as fronteiras terrestres, independente do motivo de entrada nos Estados Unidos.Leia mais sobre a COVID-19Confira outras informações relevantes sobre a pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2 no Brasil e no mundo. Textos, infográficos e vídeos falam sobre sintomas, prevenção, pesquisa e vacinação. Vacinas contra COVID-19 usadas no Brasil e suas diferençasMinas Gerais tem 10 vacinas em pesquisa nas universidadesEntenda as regras de proteção contra as novas cepasComo funciona o 'passaporte de vacinação'?Os protocolos para a volta às aulas em BHPandemia, epidemia e endemia. Entenda a diferençaQuais os sintomas do coronavírus?Confira respostas a 15 dúvidas mais comunsGuia rápido explica com o que se sabe até agora sobre temas como risco de infecção após a vacinação, eficácia dos imunizantes, efeitos colaterais e o pós-vacina. Depois de vacinado, preciso continuar a usar máscara? Posso pegar COVID-19 mesmo após receber as duas doses da vacina? Posso beber após vacinar? Confira esta e outras perguntas e respostas sobre a COVID-19.Acesse nosso canal e veja vídeos explicativos sobre COVID-19 Veja Mais

EUA anunciam abertura de fronteira para turistas totalmente vacinados

O Tempo - Mundo Medida valerá a partir do dia 8 de novembro Veja Mais

EUA vão abrir fronteiras para vacinados a partir de 8 de novembro

em - Internacional A Casa Branca anunciou nesta sexta-feira, 15, que estrangeiros com a vacinação contra a covid-19 completa serão autorizados a entrar nos Estados Unidos a partir de 8 de novembro."A nova política de viagens dos EUA, que exige vacinação para viajantes estrangeiros nos Estados Unidos, começará em 8 de novembro. Este anúncio e data se aplicam a viagens aéreas internacionais e terrestres. Essa política é pautada pela saúde pública, rigorosa e consistente", afirmou Kevin Munoz, secretário de imprensa assistente da Casa Branca. Veja Mais

EUA permitirá entrada de estrangeiros completamente vacina...

em - Internacional EUA permitirá entrada de estrangeiros completamente vacinados a partir de 8 de novembro (Casa Branca) Veja Mais

Reino Unido autoriza mais entregas de caminheiros europeus para combater escassez

em - Internacional O governo britânico anunciou, nesta sexta-feira (15), uma flexibilização das regras sobre o número de entregas que os caminhoneiros estrangeiros podem fazer no Reino Unido, na tentativa de aliviar os problemas de escassez e de abastecimento antes do Natal.Hoje, os motoristas da União Europeia (UE) podem fazer apenas duas entregas nos sete dias seguintes à sua chegada ao Reino Unido. Com a nova norma, que o governo espera aplicar antes do Natal, eles poderão fazer um número ilimitado de viagens em um período de duas semanas. "Isso equivale a adicionar milhares de caminhoneiros às estradas", disse o ministro dos Transportes, Grant Shapps, ao canal Sky News nesta sexta-feira, prometendo que as medidas entrarão em vigor "até o final do ano".Durante semanas, a falta de cerca de 100.000 caminhoneiros causada pela pandemia e pelo Brexit tem causado sérios problemas de abastecimento de supermercados e postos de gasolina no Reino Unido. A escassez de caminhoneiros também agravou o congestionamento portuário no mundo todo e, em particular, na Inglaterra, de onde vários navios porta-contêineres cheios de mercadorias para o Natal tiveram de ser desviados recentemente para portos europeus. De acordo com a Associação dos Portos Britânicos (BPA, na sigla em inglês), esta situação vai durar entre seis e nove meses."Quando falo com os portos, eles me dizem 'sim, estamos congestionados, mas é um congestionamento mundial'", declarou Shapps, pedindo que se relativize a situação já que "as mercadorias estão circulando". "As pressões são, claro, muito reais, mas as pessoas vão conseguir produtos para o Natal", prometeu.Além do setor de transporte rodoviário, o Reino Unido também sofre com a escassez de funcionários nos açougues. Isso levanta preocupações sobre o abate e a destruição em massa de animais, que não podem ser transformados em carne para venda, nem mantidos em fazendas e granjas superlotados. Diante das "pressões que o setor suíno tem sofrido nos últimos meses, como o impacto da pandemia e seus reflexos nos mercados de exportação", o ministro do Meio Ambiente, George Eustice, anunciou na quinta-feira (14) a concessão de 800 vistos temporários para açougueiros estrangeiros. Veja Mais

Rainha Elizabeth critica os 'que falam, mas não agem'

O Tempo - Mundo Reclamações da monarca sobre líderes que não devem comparecer na conferência do clima foram captadas e divulgadas pela imprensa britânica Veja Mais

Autor de ataque na Noruega é enviado para detenção em centro médico

O Tempo - Mundo Espen Andersen Bråthen permanecerá detido durante quatro semanas em isolamento total Veja Mais

EUA lança plano para enfrentar riscos da mudança climática

em - Internacional A Casa Branca anunciou, nesta sexta-feira (15), uma ofensiva para reduzir a vulnerabilidade em relação ao impacto da mudança climática na economia dos Estados Unidos. O plano busca mitigar os danos financeiros que o clima extremo causa em residências e empresas, assim como reverter a interrupção do abastecimento.As estratégias vão desde normas hipotecárias a políticas de compras públicas e mudanças nas regulamentações de fundos de pensão, seguros e informações para os investidores. "Se este ano nos mostrou algo é que a mudança climática representa um risco sistêmico e urgente para nossa economia e para as vidas e os meios de subsistência dos americanos", afirmou Gina McCarthy, conselheira do presidente Joe Biden para questões sobre o clima. "Precisamos agir agora", disse ela à imprensa.De acordo com o relatório da Casa Branca, ao clima extremo implicou, para os americanos, um custo adicional de US$ 600 bilhões em danos físicos e econômicos apenas nos últimos cinco anos. Entre os planos, o governo quer mudar sua gestão dos programas de apoio às vítimas dos eventos decorrentes das mudanças climáticas.Apenas este ano, tempestades mortais castigaram o Texas e o Meio-Oeste, incêndios florestais arrasaram a Califórnia e furacões sucessivos atingiram a costa leste dos Estados Unidos. A iniciativa responde a uma ordem executiva emitida em maio pelo presidente Biden que instrui as agências federais a buscarem formas de mitigar os riscos que a mudança climática impõe a toda economia e ao sistema financeiro. Nesse sentido, busca-se mudar a normativa da gestão dos planos de previdência e poupança das empresas, para que os administradores destes fundos estejam autorizados por lei a integrar critérios ambientais, sociais e previdenciários.O Departamento do Tesouro lançou um estudo sobre o impacto do clima nas finanças das famílias americanas, enquanto as agências ligadas à área habitacional levarão em consideração os riscos nos empréstimos hipotecários e nos seguro contra inundações.E, acrescenta o relatório, no próximo plano orçamentário, o presidente "incluirá uma avaliação da exposição do governo federal ao risco climático"."Este é um primeiro passo crítico nos nossos esforços para abordar a ameaça sistêmica que a mudança climática representa para nossa economia, nossos trabalhadores e nossas famílias, assim como para nossos aposentados", acrescentou McCarthy. Veja Mais

Homem que matou 5 na Noruega com flechadas é muçulmano

em - Internacional Um dinamarquês de 37 anos convertido ao Islã foi indiciado nesta quinta, 14, pelo ataque com arco e flechas que deixou cinco mortos em Kongsberg, na Noruega. A polícia o identificou como Espen Andersen Brathen e disse que sua conversão havia causado preocupação de uma possível radicalização. Segundo o chefe da polícia norueguesa, Ole Bredrup Saeverud, as autoridades monitoraram Brathen até 2020."O incidente em Kongsberg parece ter sido um ato de terrorismo", disse a agência de segurança da Noruega, em comunicado, acrescentando que os investigadores estavam tentando determinar a real motivação do agressor. "Estamos praticamente certos de que ele agiu sozinho", disse Saeverud.Cinco pessoas morreram e duas ficaram feridas no ataque em Kongsberg, que provocou uma grande comoção nacional. Na última década, a Noruega foi alvo de dois atentados de extrema direita. As vítimas são quatro mulheres e um homem, com idades entre 50 e 70 anos. Nenhum ferido está em condição crítica. O suspeito admitiu os crimes durante o interrogatório, informou a polícia.Residente em Kongsberg, cidade de 25 mil habitantes que fica a 80 quilômetros a leste de Oslo, Brathen prestou depoimento aos investigadores e teve sua primeira audiência ontem. O advogado Fredrik Neumann afirmou que o dinamarquês demonstrou intenção de cooperar.O ataque ocorreu em vários pontos de Kongsberg, particularmente em um supermercado, onde um policial que estava de folga ficou ferido. Alertada às 18h12 de quarta-feira (13h12 de Brasília), a polícia prendeu o suspeito meia hora depois. Os agentes foram atacados com flechas durante a operação e deram tiros de advertência. De acordo com a polícia, Brathen também utilizou outras armas, mas as autoridades não informaram de que tipo.Assassinatos são raros na Noruega, de 5 milhões de habitantes. No ano passado, houve 31 assassinatos, a maioria envolvendo pessoas que se conheciam. O país foi cenário de ataques da extrema direita na última década. Em 22 de julho de 2011, Anders Behring Breivik matou 77 pessoas, a maioria adolescentes. Ele detonou uma bomba perto da sede do governo em Oslo e depois abriu fogo em um evento da Juventude Trabalhista na ilha de Utoya. Em agosto de 2019, Philip Manshaus abriu fogo contra uma mesquita na região de Oslo, antes de ser controlado por uma multidão e deixar vários feridos. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS) As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. Veja Mais

BC da China afirma que risco da Evergrande é 'controlável'

em - Internacional O Banco Central da China afirmou nesta sexta-feira 915) que o risco de contágio da gigante do setor imobiliário chinês Evergrande para o setor financeiro é "controlável", rompendo o silêncio sobre os problemas da empresa, ameaçada de falência, informou a imprensa estatal.As autoridades locais "estão fazendo um trabalho de eliminação de riscos e resolução de acordo com os princípios da lei e do mercado", afirmou Zou Lan, diretor do Banco Popular da China, de acordo com o Shanghai Securities News, meio de comunicação vinculado à agência oficial de notícias Xinhua. Veja Mais

Deputado britânico foi morto a facadas em ato terrorista, informa polícia

O Tempo - Mundo O parlamentar conservador britânico David Amess morreu nesta sexta-feira (15) após ser esfaqueado repetidas vezes Veja Mais

Bill Clinton passará outra noite em hospital da Califórnia

em - Internacional O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, 75, passará outra noite internado em um hospital da Califórnia, enquanto se recupera de uma infecção, informou seu porta-voz nesta sexta-feira (15)."Todos os indicadores de saúde estão na direção certa, incluindo sua contagem de glóbulos brancos, que caiu significativamente. Para receber mais antibióticos por via intravenosa, ele vai ficar mais uma noite no hospital", tuitou o porta-voz de Clinton, Angel Ureña.O ex-presidente foi admitido no Centro Médico Irvine, na Califórnia, na noite de terça-feira.Clinton se trata de uma infecção não relacionada à covid-19. "Está se recuperando, de bom humor", informou Ureña ontem.Médicos do hospital informaram que o ex-presidente foi internado na terça-feira (12) e "reagia bem aos tratamentos" de antibióticos. Segundo a rede de TV CNN, Clinton teve uma infecção urinária que se propagou para o sistema sanguíneo, provocando uma sepse.O ex-presidente estava na Califórnia para um evento relacionado à sua fundação. Na última terça-feira, começou a se sentir cansado e foi levado para o hospital, onde os médicos descartaram problemas cardíacos ou covid. Imagens divulgadas pela imprensa americana mostram sua mulher, Hillary, ex-candidata à presidência, entrando no centro médico com a secretária Huma Abedin.Segundo Angel Ureña, Clinton "foi internado para ser monitorado de perto". "Após dois dias de tratamento, sua contagem de leucócitos está diminuindo e ele responde bem aos antibióticos", detalharam os médicos Alpesh Amin e Lisa Bardack, que mantêm contato com a equipe médica de Clinton, incluindo seu cardiologista.O presidente Joe Biden disse hoje que conversou com Clinton pelo telefone. "Ele parece estar, Deus queira, melhorando", declarou.- Problemas cardíacos -A equipe de Bill Clinton destacou que o ex-presidente "está incrivelmente agradecido aos médicos, enfermeiras e todos os profissionais de saúde que oferecem excelentes cuidados".Clinton, natural do Arkansas, foi o 42º presidente dos Estados Unidos, entre 1993 e 2001. Eleito aos 46 anos, ele se tornou o terceiro presidente mais jovem da história do país.Em 2004, aos 58 anos, foi submetido a uma cirurgia de ponte de safena para liberar quatro artérias bloqueadas. Em 2010, passou por uma nova cirurgia cardíaca no hospital da Universidade de Columbia.Alan Schwartz, o cirurgião, informou que o ex-presidente foi submetido a duas angioplastias com endopróteses, uma pequena estrutura tubular também conhecida como "stent" que é inserida na artéria para evitar a obstrução. Veja Mais

Tesouro dos EUA reporta US$ 590 milhões em pagamentos por ransomware em 2021

em - Internacional Um total de 590 milhões de dólares em pagamentos por extorsões praticadas por hackers foram reportados na primeira metade de 2021, destaca um relatório divulgado nesta sexta-feira pelo Tesouro dos Estados Unidos, o que representa um ritmo superior ao total da década anterior, em meio à explosão desse tipo de crime.A cifra é 42% maior do que o montante divulgado por instituições financeiras para 2020, segundo o documento, e há sinais de que o custo verdadeiro poderia ser bilionário."Se a tendência atual se mantiver, projeta-se que os relatórios apresentados em 2021 terão um valor de transação relacionado aos ransomwares mais alto do que os apresentados nos 10 anos anteriores somados", indicou a Rede de Execução de Crimes Financeiros do Tesouro.Neste tipo de ataque, os hackers invadem os sistemas de alguma entidade com o uso de um malware que restringe o acesso a seus dados, para depois exigir o pagamento de um resgate, geralmente em criptomoedas, em troca de uma chave digital para desbloquear a rede.Washington busca tomar medidas enérgicas contra o aumento exponencial dos ataques de ransomware, incluindo sanções contra um site de intercâmbio que os operadores ilícitos supostamente usavam para trocar criptomoedas por moeda corrente.Os ataques recentes a um importante oleoduto nos Estados Unidos, unidades do frigorífico brasileiro JBS nos EUA, Canadá e Austrália, e o sistema de correio eletrônico Microsoft Exchange chamaram a atenção para a vulnerabilidade dos sistemas em relação aos ataques cibernéticos.Segundo o Tesouro, investigadores encontraram cerca de 150 carteiras de criptomoedas on-line e descobriram US$ 5,2 bilhões em transações potencialmente relacionadas a pagamentos de extorsão cibernética.Empresas e instituições são pressionadas a pagar em troca do desbloqueio de seus dados, mas também a garantir que o ataque não chegue aos ouvidos dos clientes ou das autoridades. Estas últimas emitem regularmente avisos contra pagamentos a criminosos.- Luta coletiva -O relatório, baseado em alertas sobre atividades suspeitas que as empresas devem preencher, observa que não está claro se o aumento representa uma conscientização crescente sobre o crime cibernético. "Essa tendência reflete potencialmente o aumento global dos incidentes relacionados à extorsão cibernética, bem como uma maior detecção e reportação", indicou o Tesouro.As vítimas de ataques não são identificadas no relatório, o qual observa que alguns dos aparentes resgates foram pagos antes de janeiro de 2021.Os novos dados sobre o volume de pagamentos relacionados a hackers são divulgados depois que meia dúzia de nações decidiram lutar coletivamente contra a extorsão cibernética, durante uma reunião de cúpula liderada por Washington. Os Estados Unidos reuniram os países - com exceção da Rússia - para unificar e aumentar os esforços a fim de combater esse crime cibernético, que é transnacional, crescente e potencialmente devastador. Veja Mais

Em reunião nos EUA, secretário de Bolsonaro é cobrado na questão climática

em - Internacional O secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Flávio Rocha, foi cobrado pelo conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, por progressos concretos na questão climática. Os dois se encontraram ontem, em Washington. O compromisso não consta da agenda oficial de Rocha, que está na capital americana desde segunda-feira, 11 - último dia em que sua agenda foi atualizada.De acordo com nota emitida pela Casa Branca e enviada à imprensa nesta sexta-feira, 15, pela embaixada dos EUA no Brasil, Sullivan enfatizou a Rocha a necessidade de progresso concreto na pauta do clima entre todos os envolvidos na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a COP 26, que acontecerá neste mês em Glasgow. A cobrança vem em meio à pressão de agentes internacionais sobre o Brasil para uma melhor gestão do combate ao desmatamento na Amazônia. Ainda que o presidente Jair Bolsonaro tenha defendido, em seu discurso na 76ª Assembleia-geral das Nações Unidas (ONU), a política ambiental do governo, a realidade é que o desmatamento na floresta tropical continua elevado. Hoje, o vice-presidente Hamilton Mourão confirmou o fim das operações de Garantia de Lei e da Ordem (GLO) na região. Os militares foram enviados em junho para tentar conter a ação predatória no local. Na reunião, Sullivan ainda elogiou a Rocha o processo brasileiro de imunização contra a covid-19 e reiterou o apoio dos EUA à adesão do Brasil à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), diz a nota. "Sobre a migração, tanto Sullivan quanto Rocha reafirmaram compromissos bilaterais para avançar a cooperação regional na gestão migratória", acrescenta o texto. O secretário americano esteve em Brasília em agosto, quando se reuniu com Rocha, em meio à tentativa do EUA de barrar a entrada da chinesa Huawei na rede 5G do País. Veja Mais

Painel consultivo de saúde dos EUA aprova dose de reforço da Janssen

O Tempo - Mundo A FDA, órgão regulador norte-americano, disse que a imunização extra pode ser administrada após dois meses da primeira aplicação Veja Mais

Bill Cosby é processado em Nova Jersey por suposto estupro

em - Internacional Uma atriz processou nos Estados Unidos o ex-ator Bill Cosby, alegando que o decaído humorista a drogou e estuprou em Nova Jersey há 31 anos, de acordo com documentos judiciais.Lili Bernard disse que Cosby a atraiu para o resort e cassino Trump Taj Mahal em Atlantic City por volta de agosto de 1990, sob o pretexto de se encontrar com um produtor que, segundo ele, poderia ajudá-la a progredir em sua carreira.Uma vez na suíte de um hotel, Cosby preparou para ela uma bebida supostamente não alcoólica e Bernard contou que, após consumi-la, vomitou e perdeu a consciência.Quando acordou, encontrou Cosby a estuprando, afirmou ela no processo que abriu na quinta-feira. Segundo Bernard, ela voltou a perder a consciência e se viu "nua e sozinha em uma banheira vazia ou jacuzzi no banheiro".Na manhã seguinte, Cosby entregou a ela dinheiro e a acompanhou até um carro que a levou de volta a Nova York, indica a ação.Cosby também "abusou sexualmente, espancou e drogou" Bernard "em outras ocasiões" e ameaçou processá-la por difamação se ela fosse à polícia, de acordo com os autos do processo.Bernard disse que sofreu traumas psicológicos, mentais e físicos e pediu 125 milhões de dólares como indenização.Seu processo foi movido sob uma lei de Nova Jersey que deu às vítimas de abuso sexual uma janela de dois anos, terminando no próximo mês, para apresentar ações civis contra seus supostos abusadores, independentemente de quando o abuso ocorreu.Um porta-voz de Cosby apontou em um comunicado que os promotores de Nova Jersey encerraram uma investigação sobre as alegações de Bernard em 2015 sem acusar Cosby."Esta é apenas mais uma tentativa de abusar do processo legal, abrindo as comportas para pessoas que nunca apresentaram um fragmento de evidência, prova, verdade fatos, a fim de fundamentar suas supostas acusações", declarou Andrew Wyatt."O Sr. Cosby continua firme em sua inocência e lutará vigorosamente contra quaisquer acusações feitas contra ele e está disposto e capaz de levar essa briga ao mais alto tribunal dos Estados Unidos da América."Bernard é uma das muitas mulheres que dizem que Cosby as agrediu sexualmente. Até o momento, porém, apenas um caso foi julgado criminalmente devido à expiração dos prazos de prescrição.Em junho, um tribunal anulou a condenação do artista por drogar e abusar sexualmente de Andrea Constand em sua mansão na Filadélfia em 2004.A Suprema Corte do Estado da Pensilvânia decidiu que havia sido negado a ele um julgamento justo e o libertou depois de ele ter cumprido mais de dois anos de sua sentença de três a dez anos de prisão. O tribunal não o exonerou, e sim anulou a condenação por um detalhe técnico.A libertação de Cosby provocou a ira dos defensores do movimento #MeToo.Em agosto, um juiz de Los Angeles decidiu que uma ação civil aberta há quase sete anos, em que Cosby é acusado de agredir sexualmente Judy Huth em 1974, quando ela tinha 15 anos, poderia prosseguir. Veja Mais

Fechamento dos grãos de soja em Chicago

em - Internacional (Em Fechamento hoje / Fechamento anterior: NOV 21 12,1775 / 12,0625 JAN 22 12,2625 / 12,1550 MAR 22 12,3525 / 12,2425 MAI 22 12,4450 / 12,3375 JUL 22 12,5050 / 12,40 Veja Mais

Parlamentar britânico é morto a facadas, durante encontro com eleitores em igreja

em - Internacional O parlamentar britânico David Amess, de 69 anos, morreu após ser esfaqueado durante um ato com eleitores no sudeste da Inglaterra nesta sexta-feira, 15. Amess recebia eleitores em uma igreja em seu distrito eleitoral, Leigh-on-Sea, a leste de Londres, no momento do atentado. O motivo para o ataque ainda não está claro, mas há uma investigação em andamento, liderada por agentes de contraterrorismo do país, a fim de determinar se houve um ataque terrorista.Amess era um representante do Partido Conservador, mesma legenda do primeiro-ministro Boris Johnson. O ataque aconteceu por volta do meio-dia (08h em Brasília), enquanto o parlamentar atendia presencialmente eleitores na Igreja Metodista de Belfairs. A polícia de Essex prendeu um homem de 25 anos, apontado como único suspeito pelo crime até o momento. Uma faca foi apreendida com ele. Fonte: Dow Jones Newswires. Veja Mais

Alitalia encerra atividades após 74 anos

em - Internacional A Alitalia encerra 74 anos de história para dar passagem à empresa ITA Airways, nascida de suas cinzas, em um mercado aéreo que luta pela recuperação após as turbulências da pandemia de covid-19.O primeiro voo da ITA Airways decolou nesta sexta-feira às 6H20 locais (1H20 de Brasília) de Milão com destino a Bari, sul do país, sete horas após o último pouso da Alitalia, na quinta-feira à noite em Roma, procedente de Cagliari.Fundada em 5 de maio de 1947, a Alitalia foi o símbolo do milagre econômico da Itália após a Segunda Guerra Mundial e se tornou a sétima companhia aérea do mundo nos anos 1970, antes de entrar em um longo declínio, que se agravou nos últimos anos.A história da empresa está entrelaçada com a do país: as primeiras comissárias de bordo vieram em 1950, a Alitalia foi a empresa de transporte oficial dos Jogos Olímpicos de Roma-1960 e superou a marca de um milhão de passageiros, Paulo VI foi o primeiro papa que voou pela companhia em 1964 e Antonella Celletti, a primeira mulher que pilotou um de seus aviões em 1989."Assistimos com profunda tristeza o fim da Alitalia, que era nossa marca nacional, símbolo da história do país", declarou, emocionada, Laura Facchini, de 47 anos, auxiliar de voo da Alitalia durante duas décadas.Como tantos outros, ela solicitou, em vão, passar a integrar o quadro de funcionários da ITA como parte da primeira série de 2.800 pessoas contratadas este ano. Até 2022 devem ser contratados 5.750 funcionários, de um total de 10.500 da Alitalia.- Luta sindical -"Muitos de nós estamos desesperados porque não temos mais emprego. Estávamos muito ligados à empresa, muito motivados, sempre tivemos um sorriso no rosto", disse a delegada nacional do sindicato UGL Transporte Aéreo.Os sindicatos da Alitalia organizaram uma série de manifestações contra os "contratos com desconto" oferecidos pela ITA, com cortes de salários de até 20% e inclusive 40% para os pilotos, e a "venda por partes" da empresa.O setor de aviação passou para a ITA, uma empresa totalmente estatal, mas os serviços de terra e de manutenção serão vendidos de maneira separada, por meio de licitações, como exigiu a União Europeia nas duras negociações com Roma.A Comissão Europeia aprovou em em setembro uma injeção de 1,35 bilhão de euros (US$ 1,566 bilhão) de fundos públicos. Mas exigiu uma "descontinuidade econômica" entre Alitalia e ITA, isentando esta última de devolver os "auxílios estatais ilegais" recebidos pela sua antecessora.Ao longo dos anos, o Estado italiano desembolsou mais de 13 bilhões de euros (quase 15 bilhões de dólares) para tentar salvar a empresa, entre recapitalizações e créditos. Mesmo assim, a Alitalia acumulou perdas de 11,4 bilhões de euros (13,2 bilhões de dólares) entre 2000 e 2020."O grande erro foi não investir no lucrativo mercado de longa distância", declarou Andrea Giuricin, economista especializado no transporte da Universidade Bicocca de Milão.Especialmente porque as companhias de baixo custo, como Ryanair e Easyjet, quebraram o mercado com a redução dos preços para as viagens de curta distância e o trem de alta velocidade reduziu o tempo de viagem entre Roma e Milão de seis para três horas.À beira da falência, a Alitalia foi colocada sob supervisão da administração pública em 2017, mas a situação se agravou ainda mais com o impacto da pandemia de covid-19, que paralisou diversas companhias aéreas.Em 2020, a Alitalia registrou perdas de 2 milhões de euros (US$ 2,32 milhõe) por dia, transportando apenas 6,3 milhões de passageiros no ano, contra 52,1 milhões da Ryanair e 34 milhões da Air France-KLM.Com uma frota reduzida à metade, de 52 aviões, incluindo sete grandes, a ITA enfrentará dificuldades. "Resistir à concorrência dos gigantes Air France-KLM e Lufthansa nas viagens internacionais e das companhias de baixo custo no mercado nacional é impossível", disse.Desde que a Alitalia foi colocada sob supervisão pública há quatro anos, o governo procurou em vão por compradores. No passado, porém, a Alitalia atraviu grandes pretendentes, como a Air France-KLM, que apresentou uma oferta em março de 2008, mas que foi rejeitada por Silvio Berlusconi, que assumiu o poder logo depois com base em uma campanha sobre a defesa da "italianidade".Resgatada por um grupo de empresários italianos, a Alitalia precisou de um novo resgate em 2014 por parte da empresa Etihad (Emirados Árabes), que adquiriu 49% de seu capital, o que não freou a trajetória rumo ao colapso. O famoso logo verde sobre fundo branco da Alitalia não vai desaparecer, pois a ITA venceu na quinta-feira a licitação para sua compra, ao pagar 90 milhões de euros (104 milhões de dólares). Veja Mais

Diretora da OMC pede fim dos subsídios à agricultura

em - Internacional A diretora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala, pediu nesta sexta-feira (15) acordos entre países para acabar com os subsídios à agricultura que prejudicam os países pobres e o meio ambiente."Se não fizermos nada para remediar, haverá muitos países pobres que não poderão competir por causa dos grandes subsídios nos países ricos", afirmou durante uma conversa com o presidente do Banco Mundial, David Malpass, em Washington, no marco das reuniões anuais desse órgão e do FMI."Temos que considerar o quão distorcidos são esses subsídios e se resultam em um obstáculo para a concorrência", refletiu.O apoio aos agricultures representa 540 bilhões de dólares por ano em média, afirmou.Segundo a chefe da OMC, "a maioria dos países-membros está disposta a analisar e solucionar este problema". Veja Mais

Governo dos EUA pedirá que Suprema Corte bloqueie lei do aborto do Texas

em - Internacional O governo do presidente democrata Joe Biden disse nesta sexta-feira (15) que pedirá à Suprema Corte dos Estados Unidos que revogue uma lei restritiva sobre o aborto aplicada no Texas."O Departamento de Justiça pretende pedir à Supremo Corte" que intervenha novamente nesta lei que proíbe o aborto mesmo em caso de incesto ou estupro, disse seu porta-voz, Anthony Coley.A lei, que está no centro de uma feroz batalha legal, proíbe o aborto assim que o batimento cardíaco do embrião é detectado, por volta das seis semanas de gravidez, quando a maioria das mulheres ainda não sabe que está grávida.Leis semelhantes foram derrubadas nos tribunais por violarem a jurisprudência da Suprema Corte que garante o direito da mulher de abortar até que o feto seja viável, por volta das 22 semanas de gravidez.Mas a lei do Texas tem uma característica única: ela atribui a responsabilidade de fazer cumprir a medida "exclusivamente" aos cidadãos, encorajando-os a abrir processos contra organizações ou indivíduos que ajudam mulheres a realizar abortos ilegais.A Suprema Corte, que tem uma maioria de juízes conservadores, citou essas "novas questões processuais" ao rejeitar em 1º de setembro um bloqueio sobre a entrada em vigor da lei.O governo federal então entrou na arena legal e apresentou uma ação em seu nome contra o Texas.Em 6 de outubro, um juiz de primeira instância decidiu em seu favor e suspendeu a lei. Mas, alguns dias depois, um tribunal de apelação da Louisiana, conhecido por seu conservadorismo, anulou a decisão e ordenou que a lei do Texas permanecesse em vigor durante os procedimentos legais. Veja Mais

Bill Clinton se recupera de uma infecção no hospital

em - Internacional O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, 75 anos, permanece internado em um hospital nesta sexta-feira (15) por uma infecção no centro médico de Irvine, da Universidade da Califórnia, e está se recuperando, informaram na quinta-feira à noite o hospital e seu porta-voz.Clinton recebeu um tratamento para infecção não relacionada à covid-19. "Ele está se recuperando, de bom humor", informou em comunicado o porta-voz do ex-presidente (1993-2001), Angel Ureña, no Twitter.Os médicos do centro médico Irvine disseram que ele foi internado na terça-feira (12) e "reagia bem aos tratamentos" de antibióticos por via intravenosa e informaram que poderia voltar rapidamente para sua casa no estado de Nova York.Segundo a CNN, Clinton foi tratado de uma infecção urinária que se propagou para o sistema sanguíneo, provocando uma sepse.Ele viajou para a Califórnia para um evento relacionado com sua fundação quando começou a sentir-se cansado. Foi levado ao hospital, onde os médicos descartaram problemas cardíacos ou contágio de covid-19.Imagens da imprensa americana mostram sua esposa Hillary - ex-candidata à presidência - entrando no centro médico junto à sua secretária Huma Abedin.O laudo médico divulgado pelo porta-voz do ex-presidente afirmou que ele "foi internado para ser monitorado de perto"."Após dois dias de tratamento, sua contagem de leucócitos está diminuindo e ele está respondendo bem aos antibióticos", explica o texto, assinado pelos doutores Alpesh Amin e Lisa Bardack.Os médicos estão em contato com a equipe médica de Clinton, incluindo seu cardiologista."Esperamos enviá-lo para casa em breve", concluíram, sem apresentar uma previsão de alta.- Problemas cardíacos -A equipe de Bill Clinton destacou que o ex-presidente "está incrivelmente agradecido aos médicos, enfermeiras e todos os profissionais de saúde que oferecem excelentes cuidados".Em março deste ano, Clinton se reuniu com os ex-presidentes Barack Obama e George W. Bush para uma campanha de promoção da vacinação contra a covid. "Quero poder voltar a trabalhar e poder voltar a circular", disse o ex-presidente no anúncio, que tinha como objetivo estimular os americanos a tomar o imunizante contra a pandemia, que já matou mais de 700.000 pessoas no país. O ex-presidente participou nas cerimônias pelos 20 anos dos atentados terroristas de 11 de setembro em Nova York.Clinton, natural do Arkansas, foi o 42º presidente dos Estados Unidos, entre 1993 e 2001. Eleito aos 46 anos, ele se tornou o terceiro presidente mais jovem da história do país.Em 2004, aos 58 anos, ele foi submetido a uma cirurgia de ponte de safena para liberar quatro artérias bloqueadas. Depois do susto, Clinton, conhecido por ter uma queda por alimentos gordurosos, tornou-se vegano.Em 2010, ele passou por uma nova cirurgia cardíaca no hospital da Universidade de Columbia.Alan Schwartz, o cirurgião, informou que o ex-presidente foi submetido a duas angioplastias com endopróteses, uma pequena estrutura tubular também conhecida como "stent" que é inserida na artéria para evitar a obstrução.No mesmo ano, ele declarou que não foi difícil tornar-se vegano."Não quando você fez uma ponte de safena quádrupla e quer viver para ser avô", afirmou o ex-presidente. Veja Mais

Bitcoin se aproxima de máximo histórico e regulador americano contempla abrir o mercado

em - Internacional O preço do bitcoin subiu acima de US$ 60.000 pela primeira vez desde abril e está se aproximando de seu máximo, enquanto a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) estuda a possibilidade de autorizar fundos indexados (ETFs) vinculados à criptomoeda - uma medida que pode aumentar a demanda. O preço do bitcoin disparou 40% em um mês, chegando a US$ 60.126, por volta das 11h15, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.Os compradores esperam que este novo produto financeiro permita que atores financeiros mais tradicionais participem do mercado.Desde 2013, a Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA tem rejeitado consistentemente vários pedidos para criar esses fundos negociados na bolsa e que replicam o preço do bitcoin.Segundo a Bloomberg, porém, que cita fontes próximas ao assunto, o regulador pode aprovar o lançamento desses produtos na próxima semana. Em sua conta no Twitter, a SEC escreveu na noite de quinta-feira: "Antes de investir em um fundo que tem contratos futuros sobre bitcoin, certifique-se de pesar os riscos e benefícios", uma mensagem vista pelos fãs das criptomoedas como um sinal de que os fundos serão aceitos em breve."Este é um momento-chave para as criptomoedas", disse Walid Koudmani, analista da XTB."No longo prazo, esta é uma notícia importante, pois indica que as autoridades estão aceitando a ideia de pessoas possuindo criptoativos", comentou Charlie Erith, chefe da gestora de criptomoedas ByteTree Asset Management, em conversa com a AFP.Os órgãos reguladores permanecem ambivalentes sobre um setor descentralizado e desmaterializado, criado do zero por pessoas anônimas há 13 anos.Na China, por exemplo, as autoridades baniram completamente as plataformas de troca de bitcoins. E as autoridades da Europa e dos Estados Unidos não estão muito mais entusiasmadas.A SEC tem chamado o setor de criptomoedas, repetidamente, de "Velho Oeste" e, do outro lado do Atlântico, o vice-governador do Banco da Inglaterra (BoE), Jon Cunliffe, disse que há uma "necessidade urgente" de trabalhar na regulamentação internacional. Embora a instituição britânica não veja, neste momento, um risco maior de que uma crise da criptomoeda se espalhe para o restante do mercado, ele lembra que, com um tamanho de mais de US$ 2,3 trilhões, o mercado agora é maior que o mercado de "subprimes" em 2008 (US$ 1,2 trilhão), cujo colapso desencadeou uma crise financeira global. Veja Mais

Condenado na Itália comandante de navio que desembarcou migrantes na Líbia

em - Internacional O capitão de um navio mercante foi condenado a um ano de prisão por um tribunal italiano por ter desembarcado em 2018, na Líbia, os imigrantes que acabava de resgatar no mar Mediterrâneo - conforme a sentença à qual a AFP teve acesso nesta sexta-feira (15).O capitão do navio italiano "Asso 28" foi considerado culpado por um tribunal de Nápoles (sul) por ter violado o direito internacional, que proíbe o retorno forçado de migrantes para países onde sua segurança não está garantida. Em 30 de julho de 2018, o navio "Asso 28" resgatou 101 migrantes, incluindo cinco menores e cinco grávidas, perto de uma plataforma petrolífera, em águas internacionais. Na sequência, conduziu-os para o porto de Trípoli e entregou o grupo aos guardas líbios. A decisão judicial foi elogiada por organizações de defesa de migrantes, incluindo a Médicos sem Fronteiras (MSF), que lutam contra sua devolução forçada para os países de onde normalmente partem."Precisamos de uma mudança radical nas políticas de migração da Itália e da Europa", pediu a ONG, que há anos considera a Líbia um país não seguro. Em 2021, pelo menos 26.314 pessoas foram devolvidas à força para a Líbia, segundo cálculos da SOS Mediterráneo, informa esta ONG em sua conta no Twitter. A Líbia é um importante ponto de partida para dezenas de milhares de migrantes, principalmente de países da África Saariana. A cada ano, eles tentam entrar na Europa pela costa italiana, a cerca de 300 quilômetros de distância. Desde o início deste ano, 1.465 migrantes morreram afogados, ou desapareceram, no Mediterrâneo, de acordo com os últimos dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM). Veja Mais

Primeira parte da COP15 sobre biodiversidade chega ao fim na China com avanços

em - Internacional A conferência da ONU sobre biodiversidade (COP15) concluiu sua primeira etapa de negociações nesta sexta-feira (15) na China, com o compromisso do país anfitrião de fazer o possível para alcançar um acordo que melhore a proteção da natureza e permita um maior financiamento."A comunidade internacional espera que a COP15 seja uma etapa chave para inverter a perda de biodiversidade, como foi a reunião de Paris (em 2015) para a mudança climática", insistiu o ministro chinês do Meio Ambiente, Huang Runqiu, durante a entrevista coletiva de encerramento da conferência de Kunming (sudoeste da China).A primeira etapa da COP15 aconteceu em boa parte por videoconferência. Na cidade chinesa se reuniram quase 2.900 delegados da COP, enquanto outros 2.500 (incluindo alguns chefes de Estado) a acompanharam de maneira virtual. O formato foi adotado devido à pandemia de coronavírus.A segunda parte deve acontecer em 2022 e as autoridades esperam um evento presencial. Uma reunião prévia será organizada na Suíça. A COP15 tem a meta de anunciar um marco de proteção mundial para preservar os ecossistemas, fundamentais para ter água potável, ar limpo, alimento e matérias-primas, até 2030. E conseguir "viver em harmonia com a natureza" em 2050. Na quarta-feira, a conferência adotou a Declaração de Kunming, texto promovido pela China que defende ideias como a "civilização ecológica". Em parte, o texto retoma os objetivos que os 196 países membros da Convenção sobre a Biodiversidade (CDB) negociarão em janeiro em Genebra, na introdução da segunda parte da COP15. A declaração reflete o objetivo de proteger 30% do planeta até 2030, mas sem especificar se Pequim a apoia."A liderança do país anfitrião é essencial para um resultado frutífero, define o nível de ambição necessário para resolver a crise da biodiversidade e soma alianças necessárias para este objetivo", declarou Lin Li, da WWF. Para Julien Rochette, do centro francês IDDRI, esta declaração permite "retomar o impulso político que gostaríamos de ver traduzido no texto das negociações".O ministro de Meio Ambiente da Chino se comprometeu a fazer todo o possível para "alcançar o maior nível de consenso" nas negociações e a conseguir "um funcionamento harmonioso".- Próxima etapa: Genebra -Além disso, a COP15 registrou a apresentação de programas para financiar a proteção da biodiversidade. A China anunciou um fundo destinado aos países em desenvolvimento de 233 milhões de dólares. E o Japão prometeu injetar quase 16 milhões de dólares. A Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) calcula as necessidades econômicas para proteger a biodiversidade entre 722 bilhões e 967 bilhões de dólares até 2030, mas destaca que apenas de 124 bilhões a 143 bilhões de dólares são dedicados ao tema. E outros US$ 500 bilhões servem a subsídios que prejudicam a natureza. Os anúncios constituem um "começo tímido", considera Li Shuo, do Greenpeace, que pede transparência nos fundos chineses: "como será administrado, como completará os instrumentos financeiros que já existem e durante quanto tempo". Para alguns países, o Fundo para o Meio Ambiente Mundial (FEM) é a ferramenta mais apropriada para financiar as ações a favor da biodiversidade. Todos os olhares estão voltados agora para Genebra e as duas semanas e meia de negociações presenciais. "A biodiversidade continua reduzindo a um ritmo sem precedentes", alertou Bruno Oberle, diretor geral da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). "Não podemos comemorar os avanços observados. Mas a boa notícia é que estamos a tempo de parar e reverter o declínio da biodiversidade se adotarmos medidas urgentes"."Devemos seguir avançando em várias questões pendentes", insistiu Elizabeth Maruma Mrema, secretária executiva da Convenção sobre a Biodiversidade (CDB), durante a coletiva de imprensa de encerramento da COP. "O maior obstáculo é a capacidade para chegar a um acordo entre todas as partes", acrescentou. Outro ponto importante é a maneira de implementar de maneira efetiva as medidas adotadas. Veja Mais

'Beach party' na Arábia: biquínis, bebidas sem álcool e sem segregação

 'Beach party' na Arábia: biquínis, bebidas sem álcool e sem segregação

em - Internacional Para Asma, uma saudita de 32 anos, passar um dia na praia com seu namorado era algo impensável em seu país ultraconservador. Mas hoje, em uma praia no oeste do reino, ela se alegra por poder viver uma vida "normal"."Estou feliz por poder vir à praia e viver um momento bom. É um sonho", disse, vestida com um traje de banho ainda molhado, coberto por uma camiseta azul.Há quatro anos, este rico país do petróleo embarcou em uma campanha de reformas econômicas e sociais, sob a liderança do príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman.As mulheres agora podem dirigir, os cinemas reabriram, e não há mais segregação por gênero em eventos esportivos e musicais.Essa abertura foi, no entanto, acompanhada de uma política implacável contra os críticos do príncipe herdeiro, e muitas ativistas dos direitos das mulheres estão detidas.Em Pure Beach, uma praia para mulheres e homens localizada a 100 quilômetros de Jidá - cidade ao oeste do reino conhecida por ser a mais aberta do país - é possível esquecer, ao menos por um momento, que se está na Arábia Saudita.Pagando uma taxa de entrada de 300 riais (US$ 81), as mulheres podem se banhar nas águas do Mar Vermelho de biquíni. Homens e mulheres podem fumar narguilé sobre a areia branca, ou passear com seus animais de estimação. Mas o álcool está oficialmente proibido, assim como em todo reino.Os casais não são obrigados a apresentarem uma certidão de casamento na entrada, como costuma acontecer em outros lugares, como nos hotéis. Mas todos que comparecerem devem deixar seus celulares na entrada para garantir a privacidade, segundo um funcionário da King Abdullah Economic City, a nova cidade onde se encontra Pure Beach."Paraíso"Após o pôr do sol, a praia se transforma em uma festa ao ar livre, com meninas que dançam ao ritmo da música ocidental."Me surpreendeu encontrar esse tipo de liberdade e abertura. É como nos Estados Unidos", disse à AFP Mohamed Saleh, um engenheiro que acaba de retornar ao reino após uma década fora.Antes, os sauditas precisavam viajar para o exterior - para outros países do Oriente Médio, ou para a Europa -, se quisessem desfrutar deste tipo de liberdade."Há alguns anos, não podíamos ouvir música e ir à praia, então para nós isso é um paraíso", diz empolgada Hadil Omar, uma egípcia que cresceu na Arábia Saudita.Pure Beach não se dirige exclusivamente aos habitantes do reino. Também pretende atrair os turistas, disse à AFP Bilal Saoudi, responsável pelo setor de eventos da cidade.A Arábia Saudita emitiu seus primeiros vistos turísticos em 2019 e anunciou que deseja atrair 30 milhões de turistas todo o ano até 2030. O desenvolvimento do turismo é um dos pilares do "Vision 2030", o ambicioso plano de reformas iniciado pelo príncipe herdeiro para reduzir a dependência da economia saudita do petróleo. Veja Mais

ISS sai do eixo orbital após ignição do motor de foguete russo

em - Internacional A Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) saiu de seu eixo orbital nesta sexta-feira (15), após a ignição dos motores de um foguete russo - anunciou Moscou, acrescentando que o problema foi resolvido e que "não há perigo". Um teste dos propulsores do Soyuz MS-18 teve como resultado "uma reorientação temporária da Estação Espacial Internacional", anunciou a agência espacial russa, a Roscosmos, em um comunicado. A orientação normal "foi rapidamente restabelecida, graças à ação" de membros russos da equipe da ISS, acrescentou a Roscosmos. "A estação e as tripulações a bordo não estão em perigo", frisou. Este incidente acontece no momento em que a Roscosmos se prepara para trazer de volta à Terra uma atriz e cineasta russos que estão a bordo da ISS para fazer o primeiro filme em órbita e se antecipar a um projeto americano similar com o ator Tom Cruise.A atriz Yulia Peressild e o diretor Klim Chipenko chegaram à ISS em 5 de outubro. Ambos devem retornar no domingo (17), na companhia do cosmonauta russo Oleg Novitski.ISS Veja Mais

O preço da vida social para os não vacinados na França

em - Internacional "A partir de hoje é pago". A frase é repetida nesta sexta-feira (15) nas farmácias da França, onde os ainda relutantes à vacinação contra a covid-19 devem pagar até 44 euros (51 dólares) por um teste que abre, de maneira fugaz, as portas da vida social."Algumas pessoas pediram para fazer o teste, mas quando explicamos que, sem a receita do médico, não são mais subsidiadas, foram embora", conta à AFP Aminata, funcionária de uma farmácia do subúrbio de Paris.Dos clientes que perguntaram, apenas uma decidiu pagar os 25 euros (US$ 29) de um teste de antígenos para as pessoas não vacinadas. Em caso de resultado negativo, o exame vale um passaporte sanitário durante três dias."Nas sextas-feiras, geralmente há fila na porta, mas hoje não tem ninguém", constata Aminata.A medida representa um custo adicional para os quase sete milhões de adultos que não tomaram nenhuma dose da vacina, ou não completaram o esquema vacinal na França, caso desejem frequentar bares, restaurantes, cinemas, ou academias.Na farmácia de Claire, diante do parque de Buttes-Chaumont, ao nordeste de Paris, apenas duas pessoas pagaram pelo teste durante a manhã. Muitos franceses correram para fazer o teste na quinta-feira (14), último dia gratuito."Conversando com eles, garantem que estão pensando em tomar a vacina, pois, em caso contrário, dizem que não poderão fazer mais nada", diz Claire à AFP, para quem a resistência de alguns é provocada pela rejeição à ideia de uma imunização obrigatória.Exceto para profissionais médico e de atenção à saúde, na França, a vacinação contra a covid, possível a partir dos 12 anos, não é obrigatória, mas a implantação do passaporte sanitário transforma-a, segundo os críticos, em quase forçada."Tenho amigos que falam: 'Fizeram tudo isso para nos obrigar a tomar a vacina'", diz Jean-Pierre, em outra farmácia, onde pergunta se, para os vacinados, os exames são subsidiados. "Sim, são gratuitos", respondem, para sua alegria.Na entrada de um laboratório na mesma avenida, Yannis tira as dúvidas de um homem que deseja viajar para a Argélia e precisa do resultado de um teste PCR, que custa 44 euros (US$ 51)."Você está vacinado? Então é gratuito", informa. O local fez 30 testes nesta sexta-feira, contra 50 a 60 em média. Yannis afirma que, com o fim do verão (hemisfério norte), a situação está mais calma, pois "muitos PCR são para viagens".A França seguiu os passos da Alemanha, que acabou com a gratuidade dos testes na segunda-feira (11), e da Espanha, onde os exames de antígenos, sem receita, custam entre 25 e 50 euros, e os de PCR, entre 60 e 180. Na Europa, Áustria e Dinamarca estão entre os poucos países que mantêm a gratuidade.Na França, o custo dos testes gratuitos para os cofres públicos foi de 2,2 bilhões de euros (US$ 2,55 bilhões) em 2020. O valor projetado para 2021 é de EUR 6,2 bilhões (quase US$ 7,2 bilhões). Veja Mais

Rússia, EUA, China e Paquistão se reúnem para tratar do EI no Afeganistão

em - Internacional Preocupada com o crescimento do Estado Islâmico (EI), a Rússia fará uma reunião sobre o Afeganistão com Estados Unidos, China e Paquistão, em 19 de outubro, na véspera de um encontro com os talibãs - anunciou o enviado do Kremlin para assuntos afegãos, Zamir Kabulov, nesta sexta-feira (15)."Esta reunião será o que se chama de 'Troika ampliada', da qual participam Rússia, Estados Unidos, China e Paquistão, e tentaremos chegar a uma posição comum sobre a situação instável no Afeganistão", afirmou, citado por agências russas de notícias. Nesta sexta, o presidente russo, Vladimir Putin, manifestou sua preocupação com as ambições e as forças da organização do EI no Afeganistão, e assegurou que uma multidão de grupos "extremistas e terroristas" está ativa no norte deste país. Entre eles: EI, Al-Qaeda e o Movimento Islâmico do Uzbequistão."Segundo nossas informações, o número de combatentes do EI é de cerca de 2.000. Seus chefes preparam planos para ampliar sua influência nos países da Ásia Central e nas regiões russas, incitando os conflitos étnico-confessionais e o ódio religioso", disse Putin durante uma cúpula virtual dos países da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), organização de ex-países soviéticos.O Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), o grupo islâmico armado mais radical do Afeganistão, assumiu a autoria de uma série de atentados, com o objetivo de desestabilizar o "emirado" proclamado pelos talibãs. Veja Mais

Escolas na França homenageiam professor decapitado e debatem liberdade de expressão

em - Internacional "Para vocês, o que é a liberdade de expressão?". Escolas da França homenagearam nesta sexta-feira (15) Samuel Paty, um professor decapitado há um ano por mostrar caricaturas de Maomé em aula.Minutos de silêncio, debates em aula sobre a liberdade de expressão ou sobre o direito às críticas, exibição de documentários sobre o secularismo... as homenagens adotaram formas diferentes em cada centro educativo.Em Villeneuve-d'Ascq (norte), os alunos do colégio Raymond-Queneau debateram durante uma hora sobre a liberdade de expressão. "Vocês se sentem livres para se expressarem no dia a dia sem ferir outros?", perguntou aos seus alunos de 15 anos Anne-Sophie Branque, professora de Geografia e História."Samuel Paty deu uma aula falando do profeta", disse Chaymae, uma aluna. "Não, deu uma aula sobre a liberdade de expressão utilizando caricaturas do Charlie Hebdo como exemplo", corrigiu a professora.Em 16 de outubro de 2020, Paty, professor de Geografia e História de 47 anos, foi decapitado perto da escola onde trabalhava por Abdoullakh Anzorov, um refugiado checheno que foi morto pela polícia logo depois.O jovem de 18 anos, que acusava Paty de ter mostrado caricaturas de Maomé em aula, soube da polêmica por um vídeo na internet de Brahim Chnina, pai de uma aluna da escola.A adolescente mentiu para seu pai, dizendo a ele que foi punida por protestar, segundo ela, contra um pedido de Paty aos alunos muçulmanos para que se identificassem durante a aula.É "muito difícil" explicar às crianças o que aconteceu em 16 de outubro de 2020, mas "é importante dizer a verdade", afirmou a ministra Frédérique Vidal, responsável pela universidades, à France Info.Seu colega da Educação, Jean-Michel Blanquer, já alertou que se essas homenagens forem "perturbadas", os alunos responsáveis serão "punidos"."Existe a vontade de homenageá-lo dignamente", disse Sophie Vénétitay, secretária-geral do principal sindicato de Ensino Médio Snes-FSU, que destacou a crescente "emoção" entre os professores na véspera do primeiro aniversário de sua morte.No sábado, um ato será organizado no ministério da Educação na presença do primeiro-ministro Jean Castex e dos familiares de Paty, os quais o presidente Emmanuel Macron receberá horas depois no Palácio do Eliseu.No mesmo dia será inaugurada uma praça Samuel Paty em frente à Universidade Sorbonne, em uma cerimônia que a prefeitura de Paris deseja que seja simples e coletiva. Veja Mais

Companhia aérea Alitalia encerra atividades após 74 anos

 Companhia aérea Alitalia encerra atividades após 74 anos

em - Internacional A Alitalia encerra 74 anos de história para dar passagem a uma jovem startup, a ITA, nascida de suas cinzas, em um mercado aéreo que luta pela recuperação após as turbulências da pandemia de covid-19.O primeiro voo da 'Italia Trasporto Aereo' (ITA) decolou nesta sexta-feira às 6H20 locais (1H20 de Brasília) de Milão com destino a Bari, sul do país, sete horas após o último pouso da Alitalia, na quinta-feira à noite em Roma, procedente de Cagliari.Fundada em 5 de maio de 1947, a Alitalia foi o símbolo do milagre econômico da Itália após a Segunda Guerra Mundial e se tornou a sétima companhia aérea do mundo nos anos 1970, antes de entrar em um longo declínio, que se agravou nos últimos anos.A história da empresa está entrelaçada com a do país: as primeiras comissárias de bordo vieram em 1950, a Alitalia foi a empresa de transporte oficial dos Jogos Olímpicos de Roma-1960 e superou a marca de um milhão de passageiros, Paulo VI foi o primeiro papa que voou pela companhia em 1964 e Antonella Celletti, a primeira mulher que pilotou um de seus aviões em 1989."Assistimos com profunda tristeza o fim da Alitalia, que era nossa marca nacional, símbolo da história do país", declarou, emocionada, Laura Facchini, de 47 anos, auxiliar de voo da Alitalia durante duas décadas.Como tantos outros, ela solicitou, em vão, passar a integrar o quadro de funcionários da ITA como parte da primeira série de 2.800 pessoas contratadas este ano. Até 2022 devem ser contratados 5.750 funcionários, de um total de 10.500 da Alitalia.Luta sindical "Muitos de nós estamos desesperados porque não temos mais emprego. Estávamos muito ligados à empresa, muito motivados, sempre tivemos um sorriso no rosto", disse a delegada nacional do sindicato UGL Transporte Aéreo.Os sindicatos da Alitalia organizaram uma série de manifestações contra os "contratos com desconto" oferecidos pela ITA, com cortes de salários de até 20% e inclusive 40% para os pilotos, e a "venda por partes" da empresa.O setor de aviação passou para a ITA, uma empresa totalmente estatal, mas os serviços de terra e de manutenção serão vendidos de maneira separada, por meio de licitações, como exigiu a União Europeia nas duras negociações com Roma.A Comissão Europeia aprovou em em setembro uma injeção de 1,35 bilhão de euros (US$ 1,566 bilhão) de fundos públicos. Mas exigiu uma "descontinuidade econômica" entre Alitalia e ITA, isentando esta última de devolver os "auxílios estatais ilegais" recebidos pela sua antecessora.Ao longo dos anos, o Estado italiano desembolsou mais de 13 bilhões de euros (quase 15 bilhões de dólares) para tentar salvar a empresa, entre recapitalizações e créditos. Mesmo assim, a Alitalia acumulou perdas de 11,4 bilhões de euros (13,2 bilhões de dólares) entre 2000 e 2020."O grande erro foi não investir no lucrativo mercado de longa distância", declarou Andrea Giuricin, economista especializado no transporte da Universidade Bicocca de Milão.Especialmente porque as companhias de baixo custo, como Ryanair e Easyjet, quebraram o mercado com a redução dos preços para as viagens de curta distância e o trem de alta velocidade reduziu o tempo de viagem entre Roma e Milão de seis para três horas.À beira da falência, a Alitalia foi colocada sob supervisão da administração pública em 2017, mas a situação se agravou ainda mais com o impacto da pandemia de covid-19, que paralisou diversas companhias aéreas.Em 2020, a Alitalia registrou perdas de 2 milhões de euros (US$ 2,32 milhõe) por dia, transportando apenas 6,3 milhões de passageiros no ano, contra 52,1 milhões da Ryanair e 34 milhões da Air France-KLM.Com uma frota reduzida à metade, de 52 aviões, incluindo sete grandes, a ITA enfrentará dificuldades. "Resistir à concorrência dos gigantes Air France-KLM e Lufthansa nas viagens internacionais e das companhias de baixo custo no mercado nacional é impossível", disse.Desde que a Alitalia foi colocada sob supervisão pública há quatro anos, o governo procurou em vão por compradores. No passado, porém, a Alitalia atraviu grandes pretendentes, como a Air France-KLM, que apresentou uma oferta em março de 2008, mas que foi rejeitada por Silvio Berlusconi, que assumiu o poder logo depois com base em uma campanha sobre a defesa da "italianidade".Resgatada por um grupo de empresários italianos, a Alitalia precisou de um novo resgate em 2014 por parte da empresa Etihad (Emirados Árabes), que adquiriu 49% de seu capital, o que não freou a trajetória rumo ao colapso. O famoso logo verde sobre fundo branco da Alitalia não vai desaparecer, pois a ITA venceu na quinta-feira a licitação para sua compra, ao pagar 90 milhões de euros (104 milhões de dólares). Veja Mais

Explosões em mesquita xiita no Afeganistão deixam 32 mortos

O Tempo - Mundo Até o momento, não há informações sobre a origem das explosões, realizadas uma semana após ataque do Estado Islâmico contra fiéis em Kunduz Veja Mais

Para analista, governo peruano terá futuro turbulento

em - Internacional O rompimento entre o partido Perú Libre e o presidente Pedro Castillo, eleito pela legenda, é o mais novo fator de instabilidade na conturbada vida política peruana. Após o anúncio do presidente do partido, Vladimir Cerrón, de que não reconhecerá o novo gabinete escolhido por Castillo, inicia-se um período de disputas nos campos retórico e de composição no Parlamento.É isso que aponta o cientista político Eduardo Dargent, professor da PUC Peru. "Abre-se um novo tempo, no qual [O GOVERNO]ele vai ter de aprender a lutar contra a 'direita dura' e contra os próprios grupos de esquerda, que vão confrontar o novo gabinete - que, por sua vez, dependerá muito de uma coalizão fraca, composta por grupos centristas, que estão mais próximos da direita do que do governo propriamente", explicou.O gabinete presidencial de Castillo continua à esquerda no campo político, segundo Dargent, mas composto por figuras mais moderadas. "Se Mirtha Vasquéz tivesse sido a primeira premiê de Castillo, ninguém teria questionado se o gabinete é de esquerda ou não. O que acontece é que frente a Guido Bellido, que é um radical e uma pessoa que exerceu o cargo com muita incompetência, ela é vista como mais moderada", disse.Além da insatisfação pela saída do ex-premiê, aliado de Cerrón, a ruptura do partido com o presidente peruano também revela o interesse do líder da legenda de se posicionar como "a verdadeira esquerda", atribuindo ao grupo de Castillo a pecha de "traidores", segundo Dargent.RiscosNo entanto, a movimentação também guarda seus riscos para o partido. "Creio que o cálculo de Cerrón é se posicionar politicamente como a figura à esquerda, pensando nas eleições do próximo ano, ou talvez, caso o governo caia, em uma eleição presidencial antecipada. Mas me parece que ele não percebe que perde muito (com a saída de Castillo), pois o partido havia conquistado popularidade com o presidente."Além disso, o professor alerta que um alinhamento do Perú Libre com o fujimorismo na votação sobre o novo gabinete pode enfraquecer eleitoralmente a sigla. "Será necessariamente uma presidência que não pode cometer muitos erros, e ante a inexperiência no gabinete e a ausência de compreensão democrática do próprio presidente - na forma que atuava, na má escolha que fez de seus ministros - é de se pensar que o futuro será turbulento, para dizer o mínimo", declarou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. Veja Mais

Explosões em mesquita xiita no Afeganistão deixam 32 mortos

em - Internacional Ao menos 32 pessoas morreram e 53 ficaram feridas nas explosões que atingiram uma mesquita xiita na cidade de Kandahar, sul do Afeganistão, informou à AFP uma fonte médica."Trinta e dois corpos e 53 feridos foram transportados para o nosso hospital até o momento", disse um médico do hospital central de Kandahar. O balanço anterior era de 16 mortos e 32 feridos. Veja Mais

Ex-presidente norte-americano Bill Clinton está internado

em - Internacional O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, de 75 anos, foi internado no início desta semana por um problema não relacionado à covid-19, segundo seu porta-voz Angel Urena. Em um comunicado divulgado na noite da quinta-feira, 14, o porta-voz disse que o ex-presidente norte-americano está em recuperação, recebendo tratamento para uma infecção. "Ele está se recuperando, de bom humor e é extremamente grato aos médicos, enfermeiras e equipe que lhe prestaram um excelente atendimento", disse Urena sobre o democrata.A TV norte-americana informou na quinta-feira que Clinton foi internado na terça-feira em razão de uma infecção sanguínea. Conforme os médicos que estão tratando o ex-presidente, ele foi internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para ter privacidade, mas não utilizou nenhum aparelho de respiração artificial. Clinton está internado no Irvine Medical Center da Universidade da Califórnia. Uma segunda declaração do porta-voz do ex-presidente citou os médicos Alpesh Amin e Lisa Bardack, que disseram que o ex-presidente recebeu "antibióticos e fluidos intravenosos"."Depois de dois dias de tratamento, sua contagem de glóbulos brancos está diminuindo e ele está respondendo bem aos antibióticos", disseram os médicos. "A equipe médica sediada na Califórnia está em constante comunicação com a equipe médica do presidente em Nova York, incluindo seu cardiologista. Esperamos que ele volte para casa em breve."Clinton, natural do Arkansas, foi o 42º presidente dos Estados Unidos, entre 1993 e 2001. Depois que deixou a Casa Branca, o ex-presidente enfrentou problemas de saúde. Em 2004, ele foi submetido a uma cirurgia quádrupla de ponte de safena após sentir dores prolongadas no peito e falta de ar. Ele voltou ao hospital para uma cirurgia de um pulmão parcialmente colapsado em 2005, e em 2010 teve um par de stents implantados em uma artéria coronária. Ele respondeu adotando uma dieta amplamente vegana que o fez perder peso e relatar uma melhora na saúde. Ele repetidamente voltou a fazer campanha para candidatos democratas, principalmente sua mulher, Hillary, durante sua tentativa fracassada de 2008 para a indicação presidencial. Em 2016, quando ela buscou a Casa Branca como candidata democrata, Clinton - então avô e quase 70 anos - voltou à campanha. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS Veja Mais

OMC não consegue acordo para liberar patentes das vacinas contra covid-19

em - Internacional A Organização Mundial do Comércio (OMC) disse nesta sexta-feira (15) que seus países membros não chegaram a um acordo sobre a liberação das patentes das vacinas anticovid-19, um pedido de algumas nações para garantir uma distribuição mais igualitária do imunizante.Depois de uma reunião de dois dias do conselho que trata de questões de propriedade intelectual (ADPIC), seu presidente, Dagfinn Sorli, admitiu que o órgão "não está em posição de chegar a um acordo sobre uma conclusão concreta e positiva".O comunicado explica que alguns países membros "alertam para o risco de não se chegar a uma solução se as delegações não forem capazes de assumir compromissos reais"."Um resultado positivo e significativo não apenas enviaria uma mensagem poderosa de solidariedade global, mas seria a prova de que a OMC tem a capacidade de responder a uma grande crise global", acrescentaram esses membros.A África do Sul e a Índia pediram que os direitos de propriedade intelectual das vacinas contra o coronavírus fossem suspensos temporariamente para aumentar a produção e enfrentar a desigualdade de acesso entre os países ricos e pobres.No entanto, os gigantes farmacêuticos e seus países de origem se opõem, argumentando que as patentes não são o principal obstáculo para o aumento da produção e que tal ação prejudicaria a inovação.A pressão por um acordo aumenta com a aproximação da 12ª Conferência Ministerial da OMC, que acontecerá de 30 de novembro a 3 de dezembro em Genebra, na Suíça.A organização trabalha por consenso, com o qual os 164 Estados membros devem dar luz verde a qualquer acordo.Sorli observou que a OMC continuará trabalhando para chegar a um consenso antes da reunião ministerial. Mais discussões estão planejadas para 26 de outubro.Muitos países e ONGs, além da Organização Mundial da Saúde, apoiaram a proposta da África do Sul e da Índia.Em média, as taxas de vacinação são 30 vezes mais altas nos países ricos do que nos pobres.Embora alguns países já administrem a terceira dose da vacina, bilhões de pessoas ainda não tiveram acesso à primeira dose.A chefe da OMC, a nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala, disse que essa desigualdade era "devastadora para a vida e os meios de subsistência dos africanos" e "moralmente inaceitável". Veja Mais

EUA planejam retomar em novembro politica 'Fique no México'

em - Internacional Os Estados Unidos planejam retomar em novembro a política da era Trump "Fique no México", que obrigava os solicitantes de asilo a aguardar naquele país a resolução de seus casos, anunciou a Casa Branca nesta sexta-feira.O presidente Joe Biden encerrou em junho o programa Protocolos de Proteção ao Migrante (MPP), estabelecido em 2019 por seu antecessor Donald Trump e pelo qual cerca de 70.000 requerentes de asilo, a maioria da América Central, foram enviados de volta ao México para aguardar naquele país a data de sua audiência em tribunais americanos.Em agosto, no entanto, um tribunal federal do Texas ordenou a retomada do MPP, por considerar que o governo Biden o havia encerrado indevidamente. Semanas depois, a Suprema Corte negou o pedido do governo para bloquear essa decisão. Karine Jean-Pierre, porta-voz da Casa Branca, informou que na noite desta quinta-feira o Departamento de Segurança Interior (DHS) "apresentou um relatório ordenado pelo tribunal descrevendo as medidas tomadas em conformidade com a ordem judicial para restabelecer o MPP.""O DHS apelou dessa ordem judicial e anunciou que pretende emitir um segundo memorando de rescisão do MPP", mas, enquanto isso, "o governo Biden cumprirá a lei e acatará a ordem do tribunal", assinalou a porta-voz.Em seu relatório, o DHS indica que "está em condições de reimplementar o MPP em meados de novembro, a depender das decisões tomadas pelo México". O departamento informou no Twitter que as negociações com o governo do presidente Andrés Manuel López Obrador continuam.O Ministério das Relações Exteriores do México emitiu um comunicado no qual reiterou seu "respeito pelos migrantes e solicitantes de asilo", mas não mencionou o MPP. "De forma soberana, o México continuará o diálogo com o Executivo dos Estados Unidos, a fim de fazer avançar uma política migratória regional ordenada, segura e regular", afirmou.Mais de 1,3 milhão de pessoas foram detidas na fronteira sul dos Estados Unidos desde a chegada de Biden à Casa Branca, em janeiro, um nível que não era visto há 20 anos. Grupos de defesa dos direitos humanos denunciaram a reativação da política Fique no México, que Biden havia prometido eliminar, por considerá-la desumana.Twitter Veja Mais

EUA criam linha para denúncias de corrupção em El Salvador, Guatemala e Honduras

em - Internacional Quem tiver informações sobre pessoas de El Salvador, Guatemala ou Honduras que usaram o sistema financeiro dos Estados Unidos para mover ou lavar dinheiro resultante de atividades criminosas pode entrar em contato com o FBI, disse a Procuradoria-Geral dos EUA nesta sexta-feira (15).O governo de Joe Biden anunciou a criação de uma linha direta para a comunicação de denúncias de corrupção nesses três países, cujo combate considera fundamental para lidar com as causas da migração irregular da América Central para os Estados Unidos."A corrupção e a impunidade na região enfraquecem a democracia, incentivam a migração e representam uma ameaça à segurança nacional", afirmou Kenneth Polite, vice-procurador-geral da Divisão Criminal do Departamento de Justiça, ao apresentar a iniciativa.Possíveis atos de corrupção ou movimentos ilícitos de capitais podem ser denunciados ao FBI, a polícia federal americana, pelo e-mail 'combatiendocorrupcion@fbi.gov', tanto em inglês quanto em espanhol, explicou.A informação será então examinada pela Força-Tarefa Anticorrupção do Triângulo Norte, lançada em junho pela Procuradoria-Geral no âmbito dos esforços confiados por Biden à vice-presidente Kamala Harris para lidar com o crescente fluxo de migrantes indocumentados na fronteira sul do país.Este grupo deve determinar se existe um vínculo jurisdicional com os Estados Unidos para assim poder investigar, processar e, eventualmente, apreender e devolver os bens roubados a salvadorenhos, guatemaltecos e hondurenhos, segundo um comunicado.Agentes especiais do Departamento Federal de Investigação (FBI), da Administração de Fiscalização de Drogas (DEA) e do Departamento de Segurança Interna (DHS) apoiam a iniciativa, que busca a tomada de ações legais nos Estados Unidos contra estrangeiros responsáveis por atos de corrupção.As chegadas de migrantes na fronteira do país com o México diminuíram durante a fase inicial da pandemia de covid-19, na primeira metade de 2020, mas voltaram a crescer no final do ano.Mais de 1,3 milhão foram detidos na fronteira sul dos EUA desde a chegada de Biden à Casa Branca em janeiro, um nível não visto em 20 anos. Destes, cerca de 596 mil saíram de El Salvador, Guatemala e Honduras. Veja Mais

Brasileiros vão precisar de visto para entrar no México

 Brasileiros vão precisar de visto para entrar no México

em - Internacional O governo do México decidiu voltar a exigir visto para cidadãos brasileiros que queiram entrar no país como visitantes. Um anteprojeto com a determinação foi publicado nessa quinta-feira (14/10) no site da Comissão Nacional de Melhora Regulatória (Conamer), um órgão do governo mexicano. LEIA TAMBÉM: EUA reabrirão fronteiras para estrangeiros vacinados a partir de 8/11 A exigência teria caráter temporário, até que os fluxos migratórios estejam “seguros, ordenados e regulares”, diz um trecho do documento que segue em consulta pública e deve ser sancionado em breve. A medida entra em vigor 15 dias após a publicação no Diário Oficial do país. Segundo a agência de notícias "Reuters", uma fonte do Itamaraty informou que a expectativa é que ela entre em vigor ainda este ano. O governo brasileiro já foi comunicado da decisão.“A Secretaria de Relações Exteriores comunicou o governo da República Federativa do Brasil da decisão do Estado mexicano de suspender de maneira temporária o acordo para supressão de vistos em passaportes ordinários”, diz o texto. O acordo estava em vigor desde 2013. Atualmente, para entrar no México a turismo ou negócios, brasileiros precisam apresentar apenas o passaporte. As regras detalhadas e o custo do visto ainda não foram divulgados.  Porém, de acordo com o anteprojeto, o visto exigido seria um documento eletrônico para brasileiros que cheguem ao México por via aérea. Para ingresso por terra ou mar, o visto precisaria passar por um consulado do país.Imigração ilegal cresceu em 2021A implantação da medida seria para tentar reduzir a quantidade de brasileiros que viajam ao país com o objetivo de entrar ilegalmente nos Estados Unidos. Até agosto deste ano, mais de 22 mil brasileiros adultos foram detidos tentando entrar nos Estados Unidos pela fronteira mexicana, de acordo com dados da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos (CBP). O documento publicado pelo governo mexicano descreve que há uma parcela substancial de brasileiros “cujo perfil não corresponde ao do visitante ou turista genuíno”. São turistas que “apresentam inconsistências na sua documentação ou informação, reforçando a possibilidade de que um número significativo de pessoas que pretendem usar a isenção de visto de forma indevida”.Porém, os brasileiros não são os únicos afetados pela decisão. Segundo dados oficiais, de cada dez equatorianos que chegam ao México alegando estar a turismo, sete não voltam para casa e buscam uma forma de chegar aos Estados Unidos. Por isso, desde 4 de setembro, o governo mexicano passou a exigir visto dos equatorianos. O Peru é outro país que deve sofrer restrições.Como forma de pressionar o governo mexicano, os Estados Unidos decidiram incluir os brasileiros no programa “Fique no México”. Assim, caso eles sejam pegos tentando imigrar ilegalmente, são devolvidos ao território mexicano para aguardar um tribunal resolver o caso. O custo e a responsabilidade pelos detidos, nestes casos, passou a ser do governo mexicano. *Estagiária sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira  Veja Mais

Energia vulcânica, a chave da mineração de bitcoins em El Salvador

em - Internacional Grandes colunas de vapor se elevam entre as montanhas de Berlín, no leste de El Salvador, aos pés das quais uma usina geotérmica se tornou o epicentro da mineração ou geração de bitcoins no país, onde esse criptoativo é uma moeda legalizada.O governo de Nayib Bukele lançou há algumas semanas a mineração de bitcoins na unidade de Berlín, a 112 km de San Salvador, usando a energia limpa e renovável dos vulcões. Para isso, instalou um contêiner onde foram colocados 300 equipamentos de informática que geram a criptomoeda."Temos um contêiner onde há uma série de processadores que já estão minerando", explicou Gustavo Cuellar, técnico especialista da estatal Comissão Executiva Hidrelétrica (CEL) do Rio Lempa.Em 7 de setembro, El Salvador se tornou o primeiro país a usar o bitcoin como moeda legal, o que, segundo o governo, ajudará a recuperar a economia estagnada, dolarizada há duas décadas.- Alta demanda de energia -A mineração de bitcoins é o processo pelo qual novas moedas são criadas a partir de computadores que fazem cálculos matemáticos complexos e cuja operação requer uma grande quantidade de energia elétrica. O governo disse ter instalado seu projeto na usina geotérmica para usar energia limpa, renovável, e porque garante energia estável em um processo de alto consumo de eletricidade. "Estamos usando 1,5 megawatt para dar esse primeiro passo no tema da mineração de bitcoins", informou o presidente da CEL, Daniel Álvarez, que não especificou quantos bitcoins o governo gerou ou o investimento feito para instalar o equipamento. A usina geotérmica de Berlín, inaugurada em 1999, tem capacidade de geração de 107 megawatts, dos quais cinco são usados em suas instalações e na mineração de bitcoins e o restante se destina à rede elétrica do país.Os 16 poços de água e vapor a alta temperatura explorados pela usina, administrada pela empresa LaGeo, que faz parte da CEL, ficam aos pés de uma cordilheira da qual faz parte o vulcão Tecapa.- Carteira Chivo -Desde que a criptomoeda foi legalizada, 3 milhões dos 6,7 milhões de salvadorenhos, segundo Bukele, baixaram o aplicativo Chivo, carteira disponibilizada pelo governo para as transações com bitcoin.Quem faz o download do aplicativo recebe 30 dólares na criptomoeda. Alguns denunciaram nas redes sociais que foram feitos cadastros falsos com seus dados, para roubar o dinheiro. No comércio, alguns clientes se queixaram de problemas no funcionamento da carteira. Outros disseram estar satisfeitos com o bitcoin.O governo espera que o uso do bitcoin contribua para captar os mais de 400 milhões de dólares em comissões geradas pelas remessas que salvadorenhos enviam do exterior, que representam 22% do PIB do país. Três milhões de salvadorenhos vivem fora, 2,5 milhões deles nos Estados Unidos. Veja Mais

Globo de Ouro de pé apesar do boicote da televisão devido à falta de diversidade

em - Internacional O Globo de Ouro continua de pé, informaram seus organizadores nesta sexta-feira (15), apesar da decisão da emissora NBC de não transmitir a cerimônia, argumentando preocupação com suas posições quanto à diversidade e transparência.A Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA), encarregada de votar no Globo de Ouro e que tem sido alvo de acusações de racismo, sexismo, intimidação e corrupção, afirmou que a premiação anual será anunciada no dia 9 de janeiro.Ainda não se sabe, porém, como os prêmios serão anunciados e se haverá uma cerimônia.O prestigioso evento geralmente abre a temporada de premiações de Hollywood e atrai uma constelação glamorosa de estrelas.Mas a emissora NBC cancelou a festa em maio, depois que vários grandes estúdios de Hollywood suspenderam os laços com a HFPA e estrelas como Tom Cruise e Scarlett Johansson criticaram o grupo.Na época, os estúdios Netflix e Amazon disseram que não trabalhariam com a HFPA até que mudanças "significativas" ocorressem em seus quadros.A polêmica foi gerada por uma reportagem de fevereiro que apontava que a associação não tinha membros negros, mas o descontentamento com o grupo assombra Hollywood há anos.Este mês, o HFPA admitiu 21 novos membros, dizendo que é o "maior e mais diverso" grupo em seus 78 anos de história, acrescentando que planeja uma expansão semelhante para o próximo ano.A HFPA também anunciou uma colaboração de cinco anos com a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP) para "aumentar a diversidade, justiça e inclusão na indústria de entretenimento global".NETFLIXAMAZON.COM Veja Mais

EUA permitirá entrada de estrangeiros completamente vacinados a partir de 8/11

em - Internacional Os Estados Unidos reabrirão suas fronteiras aos visitantes estrangeiros que estejam completamente vacinados contra a covid-19 a partir de 8 de novembro, encerrando uma proibição de mais de 18 meses que separou famílias, obstaculizou o turismo e tensionou os laços diplomáticos com dezenas de países.O governo de Joe Biden anunciou a data esperada após prometer no mês passado levantar as restrições às viagens internacionais "no princípio de novembro"."A nova política de viagens dos EUA, que exige vacinação para viajantes estrangeiros nos Estados Unidos, começará em 8 de novembro", anunciou no Twitter Kevin Muñoz, subsecretário de imprensa da Casa Branca."Este anúncio e esta data se aplicam a viagens aéreas internacionais e terrestres", escreveu.Em março de 2020, para frear a propagação do coronavírus, Washington fechou as fronteiras aos viajantes procedentes da União Europeia, Reino Unido e China, e mais tarde adicionou à lista Índia e Brasil. Também proibiu a entrada por terra ou balsa a partir do México e Canadá.As restrições afetaram centenas de milhões de pessoas e contribuíram para sofrimento pessoal e econômico provocado pela pandemia de covid-19.A manutenção prolongada dessas medidas também causou tensões diplomáticas, que se agravaram em meados deste ano, quando a União Europeia reabriu suas fronteiras aos viajantes provenientes dos Estados Unidos, inclusive para os não vacinados.A decisão de suspender as restrições está estritamente motivada por questões de saúde pública, assegurou Muñoz em seu tweet.- Seis vacinas -Ainda não são conhecidos todos os detalhes técnicos e práticos da nova política, como quais serão os requisitos para as crianças pequenas. Mas o governo Biden já deu algumas indicações.Para os viajantes que chegam de avião, o governo dos Estados Unidos solicitará às companhias aéreas que estabeleçam um sistema de rastreamento de contatos e exigirá um teste de detecção do vírus três dias antes da partida.Além disso, as autoridades sanitárias americanas disseram que todas as vacinas aprovadas pela agência de medicamentos do país, a FDA, e a Organização Mundial da Saúde (OMS) seriam aceitas para a entrada por via aérea.Até o momento, isso inclui as vacinas de AstraZeneca, Johnson & Johnson, Moderna, Sinopharm e Sinovac.Para a entrada terrestre ou marítima, a Casa Branca anunciou esta semana que a suspensão das restrições seria feita em duas etapas. A partir de 8 de novembro, poderão atravessar a fronteira do Canadá ou México as pessoas que viajam por motivos considerados "não essenciais", como familiares ou turísticos, desde que estejam vacinadas.As pessoas que entram no país por motivos "essenciais", por exemplo, os caminhoneiros, estarão isentas. Mas a partir de janeiro, a obrigação da vacina anticovid será aplicada a todos os visitantes que atravessarem as fronteiras terrestres, independente do motivo de entrada nos Estados Unidos.O novo cronograma significa que as restrições fronteiriças terrestres, que expirarão em 21 de outubro, deverão ser prorrogadas mais uma vez antes que as novas regras entrem em vigor, informou um funcionário do governo Biden. A Casa Branca também adiantou que as mesmas vacinas aceitas para as viagens por via área serão exigidas para o restante dos viajantes. Já para os voos domésticos, não há exigência de vacinação contra a covid-19.- Impacto na América Latina -A nova política dos EUA animou muitos, mas também trouxe preocupação a outros tantos.Vacinas como a russa Sputnik V e a chinesa CanSino ainda não receberam a aprovação da FDA nem da OMS, mas foram aplicadas em muitos países latino-americanos, entre os quais estão Argentina e México.O México, inclusive, assinou ontem um acordo para produzir a Sputnik V no país, onde já são fabricados os imunizantes da CanSino.Antes, o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador pediu à OMS que aprovasse as vacinas que "já demonstraram eficácia" e "salvaram vidas", mas que ainda não contam com o sinal verde da organização.Ademais, com a nova normativa será o fim do "turismo de vacinas" nos Estados Unidos.A AFP entrevistou muitos visitantes de México, Honduras, Equador, El Salvador e Venezuela enquanto estes aguardavam suas doses nas praias de Miami ou na Estação Grand Central em Nova York, dada a escassez de imunizantes em seus países.De acordo com um estudo da Universidade Anáhuac do México, entre março e maio de 2021, os mexicanos fizeram quase um milhão de viagens aos Estados Unidos para se vacinar.ASTRAZENECAPFIZERJOHNSON & JOHNSONBioNTechTwitter Veja Mais

Prefeita de Chicago e polícia entram em choque por ordem de vacinação

em - Internacional Cerca de metade dos policiais de Chicago podem ser colocados em licença não remunerada, depois de se recusarem a informar se foram vacinados contra a Covid-19, enquanto a cidade americana enfrenta um aumento dos crimes com violência.O embate entre a prefeita de Chicago, Lori Lightfoot, e o chefe do sindicato policial, John Catanzara, tornou a cidade o foco mais recente de um debate polarizado sobre as vacinas e o direito dos governos de impô-las.Lori deu até a meia-noite desta sexta-feira para que todos os trabalhadores empregados pela terceira maior cidade dos Estados Unidos informem se foram imunizados ou testados para o novo coronavírus. Aqueles que se recusarem terão alguns dias para se explicar, mas podem ser colocados em licença não remunerada e, por fim, demitidos."Não irei permanecer de braços cruzados enquanto a retórica dos teóricos da conspiração ameaça a saúde e a segurança dos residentes de Chicago e socorristas", declarou a prefeita. Catanzara, no entanto, pediu aos 13 mil funcionários sindicalizados que se mantenham firmes.Com o aumento do número de assassinatos e tiroteios, o policial acredita que está em vantagem. "Posso garantir a vocês que a situação de não pagamento não irá durar mais do que 30 dias", afirmou em vídeo aos membros do sindicato, especificando que a mesma afetaria metade ou mais dos oficiais de base.- Corpo a corpo -Catanzara pode estar certo, dizem funcionários de Chicago. A polêmica ocorre no momento em que a cidade volta a liderar o número de assassinatos no país, com 639 até 13 de outubro, 55% a mais do que há dois anos. Os tiroteios, por sua vez, cresceram 68% em relação a 2019, chegando a 2.866 este ano até 13 de outubro, de acordo com o Departamento de Polícia de Chicago.O vereador e ex-policial Anthony Napolitano, que apoia a posição do sindicato, disse que a força tem hoje cerca de 1.000 policiais a menos devido ao número recorde de aposentadorias e à falta de recrutas."Os criminosos sabem dessas coisas, sabem o que está acontecendo", advertiu esta semana ao "Chicago Sun-Times". "Vai ser puro corpo a corpo."A prefeita de Chicago assinalou que a lei estadual e o contrato sindical proíbem a polícia de Chicago de entrar em greve. Ela acusou Catanzara de "encorajar uma greve ilegal e uma paralisação que tem o potencial de minar a segurança pública e expor nossos residentes a danos irreparáveis, especialmente durante a pandemia em curso". Catanzara não respondeu aos pedidos de entrevista.A Covid foi a principal causa de morte de policiais em 2020 e em 2021, segundo a Down Memorial Page, que registra os óbitos na categoria. A polícia foi um os primeiros grupos a ter acesso às vacinas. Veja Mais

Presidente centro-africano anuncia cessar-fogo no conflito com os rebeldes

em - Internacional O presidente da República Centro-Africana, Faustin-Archange Touadéra, anunciou esta sexta-feira (15) "um cessar-fogo unilateral" por parte do exército no conflito com grupos rebeldes, que também aceitaram a trégua à exceção de duas importantes organizações."Anuncio nesta noite o fim das operações militares e de qualquer ação armada em todo o território nacional, a partir (...) desta meia-noite", anunciou Touadéra na rádio estatal."O cessar-fogo imediato é a demonstração (...) da minha firme vontade de favorecer o caminho do diálogo" com os grupos rebeldes, acrescentou.Considerado o segundo país menos desenvolvido do mundo pela ONU, a República Centro-Africana está mergulhada em uma sangrenta guerra civil desde um golpe em 2013.Este conflito diminuiu de intensidade nos últimos três anos, mas o governo central ainda não controla grande parte do território. Veja Mais

Biden promove plano de transformação do cuidado infantil nos EUA

em - Internacional O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, viaja nesta sexta-feira (15) para Connecticut para promover a transformação de um programa de cuidado infantil, depois de ficar para trás em relação a grande parte do mundo desenvolvido. Como parte de uma viagem nacional para obter apoio para as propostas de sua bilionária agenda legislativa, a segunda visita presidencial de Biden a Connecticut ocorre em uma fase crucial para seus históricos e controversos planos de gastos, que geram críticas em seu próprio partido Democrata e também no Republicano. A Casa Branca disse que o presidente faria uma primeira parada em um centro de cuidado infantil em Hartford, para "destacar a importância de investir na atenção às crianças para manter as despesas baixas para as famílias trabalhadoras". O cuidado das crianças é considerado fundamental para a recuperação econômica da pandemia de covid-19, mas os Estados Unidos investem muito menos nas crianças do que outras economias comparáveis.A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirma que a nação investe menos em educação e cuidado da primeira infância em relação ao tamanho da economia que todos os 37 países desenvolvidos mais importantes do mundo, com a exceção de dois.Enquanto isso, o custo do cuidado das crianças para a família média de Connecticut é de 16.000 dólares por ano, segundo o prefeito democrata de Hartford, Luke Bronin. "O que isso significa é que os membros da família não podem trabalhar porque têm que estar em casa cuidando dessa criança", disse à filial local do canal Fox. "Então, para muitas famílias, ter acesso a um cuidado infantil acessível seria uma virada de jogo".As dificuldades dos pais para conservarem o emprego também contribuem para uma grande brecha de gênero na participação trabalhista entre as mães - que continuam assumindo a maior carga dos cuidados - e os pais.Biden propõe resolver essa brecha com subsídios federais para os americanos de baixa e média renda, que limitariam os gastos das famílias no cuidado das crianças a 7% de sua renda.Ele quer oferecer grandes subsídios aos centros de cuidado infantil, aumentar os salários dos que trabalham no setor e aumentar o crédito infantil de 2.000 a 3.000 dólares por ano para as crianças maiores de seis anos.Os republicanos se opõem energicamente às propostas da Casa Branca para um pacote de gasto social de vários trilhões de dólares, que contempla as disposições de Biden sobre o cuidado das crianças, entre outros aspectos.Os democratas no Congresso têm legisladores suficientes para aprovar o projeto histórico sem a ajuda dos republicanos. Veja Mais

Autor de tiroteio em escola da Flórida vai se declarar culpado de 17 assassinatos

em - Internacional Nikolas Cruz, o réu confesso do massacre de 2018 em uma escola de ensino médio de Parkland, na Flórida, vai se declarar culpado de assassinar 17 pessoas, disse nesta sexta-feira (15) seu advogado diante de um tribunal. "Temos a intenção de registrar uma mudança de declaração (...) para todas as acusações", disse a uma juíza o advogado David Wheeler, cujo cliente inicialmente se declarou não culpado dos assassinatos. A magistrada convocou uma audiência para a próxima quarta-feira para que o réu confirme sua decisão. Em 14 de fevereiro de 2018, Cruz matou 17 pessoas e feriu outras tantas com um fuzil semiautomático AR-15 na escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas de Parkland, de onde havia sido expulso um ano antes por "motivos disciplinares". Com essa mudança de declaração, os advogados tentarão evitar que Cruz, de 23 anos, seja condenado à morte, embora a Procuradoria já tenha anunciado que solicitará a pena capital em qualquer caso. O tiroteio de Parkland provocou uma mobilização sem precedentes para limitar as vendas de armas nos Estados Unidos. Apesar de ter antecedentes psiquiátricos, Cruz conseguiu comprar facilmente um fuzil semiautomático. A mobilização terminou em 24 de março de 2018 com manifestações que reuniram 1,5 milhão de pessoas em todo o país, o maior protesto já convocado para regumentar a venda de armas no país. Veja Mais

Missão espacial mais longa da China decola (TV pública)

em - Internacional Três astronautas, incluindo uma mulher, decolaram na madrugada deste sábado (16) (sexta-feira à tarde no horário de Brasília) para a estação espacial chinesa em construção, onde ficarão seis meses, um tempo recorde para o gigante asiático, segundo imagens transmitidas pela televisão pública CCTV.Um foguete Longa Marcha 2F impulsionou a espaçonave Shenzhou-13 às 00h23 (13h23 de sexta-feira no horário de Brasília) do centro de lançamento de Jiuquan, no deserto de Gobi (noroeste). Veja Mais

Ministros das Finanças e suas difíceis decisões sobre promessas climáticas

em - Internacional Nos principais discursos e comunicados importantes das reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial esta semana, em Washington, D.C, uma palavra esteve onipresente: clima.A duas semanas da cúpula da mudança climática COP26 de Glasgow, seus responsáveis se comprometeram a tomar medidas para cumprir as metas climáticas globais de manter o aumento da temperatura abaixo de 1,5°C em relação à era industrial, e alcançar zero emissão líquida de carbono até 2050."Receio que seja hora de arregaçarmos as mangas e detalhar nosso plano de ação", disse o príncipe Charles, da Grã-Bretanha, em um evento do Banco Mundial na quinta-feira (14)."Posso apenas estimular todos nós a agir contra a mudança climática e a perda de biodiversidade, para uma transição justa, pois é mais urgente do que nunca pôr mãos à obra e resolver este problema", acrescentou. Por trás da retórica, no entanto, esconde-se a dura realidade do enorme trabalho que resta a ser feito para cumprir os objetivos traçados. O governo americano busca organismos multilaterais de crédito para aumentar o financiamento de projetos sustentáveis, enquanto a BlackRock, a maior administradora de ativos do mundo, adverte que são necessários grandes investimentos para evitar uma catástrofe."Os países ricos devem colocar mais dinheiro dos contribuintes para promover a transição líquida para zero", escreveu o diretor da BlackRock, Larry Fink, em uma coluna no jornal The New York Times na quarta-feira (13).Alcançar a meta de zero emissão líquida exigirá US$ 1 trilhão por ano em investimentos destinados aos países pobres. Segundo Fink, seriam necessários US$ 100 bilhões em subsídios por ano para isso ser viável. "Embora o número pareça desanimador, especialmente agora que o mundo está se recuperando da pandemia da covid, a falta de investimento levará a custos mais altos no futuro", disse ele.- Alarme crescente -As reuniões aconteceram em meio a um crescente alarme sobre os efeitos de uma mudança climática descontrolada no planeta. No mês passado, um perturbador relatório do Banco Mundial advertiu que a redução da produção agrícola, a escassez de água, o aumento do nível do mar e outros efeitos adversos do aquecimento global podem obrigar 216 milhões de pessoas a abandonarem suas casas e se deslocarem dentro de seus próprios países até 2050.Um estudo do FMI estimou que os subsídios diretos e indiretos aos combustíveis fósseis somaram US$ 5,9 trilhões em 2020, ou 6,8% do Produto Interno Bruto (PIB) global do ano passado, minando a luta contra a mudança climática com combustível barato. Embora os funcionários do FMI e do Banco Mundial insistam em que estão muito concentrados na mudança climática, nem todos estão convencidos. Na quinta-feira (14), 77 organizações de defesa do meio ambiente assinaram uma petição para exigir a renúncia do presidente do Banco Mundial, David Malpass.Malpass destacou o investimento do banco em questões climáticas, uma entidade que, segundo ele, concede metade de todos os empréstimos multilaterais para projetos verdes. Segundo ele, trata-se de uma grande mudança em relação aos anos anteriores, quando o organismo financiou planos polêmicos, criticados por seu impacto ambiental.As organizações civis denunciam, no entanto, que desde o Acordo de Paris sobre o Clima, de 2015, o Banco Mundial direcionou US$ 12 bilhões para os combustíveis fósseis."O Banco Mundial precisa de uma liderança que apoie os países em desenvolvimento com vocação verde e inclusiva", defendeu Luisa Galvão, da Friends of the Earth US, que assinou a petição. - Mitigar os danos -As ações dos Estados Unidos durante as reuniões foram acompanhadas de perto, já que Washington tem o maior poder de voto em ambos os órgãos, ao mesmo tempo em que a maior economia do mundo também é um importante emissor de carbono. E o presidente Joe Biden prometeu uma ofensiva para lidar com a mudança climática. Na sexta-feira (15), por exemplo, a Casa Branca lançou uma estratégia para mitigar os danos que as condições climáticas extremas provocam no país. Também esta semana, a secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, convocou os líderes de vários organismos de crédito - incluindo o Banco Mundial e bancos de desenvolvimento na Europa, América Latina, Ásia e África - e pressionou-os para que dediquem mais capital para projetos destinados a mitigar a mudança climática. Da mesma forma, Biden já apresentou ao Congresso duas iniciativas para injetar polpudas quantias em infraestrutura, gastos sociais e combate às mudanças climáticas, ainda estagnadas no Legislativo. Veja Mais

Hipótese de distúrbio mental ganha força sobre autor de ataque na Noruega

em - Internacional A investigação aberta após o ataque com arco e flechas na Noruega reforça a tese de que foi um ato provocado pelo "distúrbio mental" do acusado, que foi colocado em detenção em um centro médico, informou a polícia do país escandinavo."A hipótese mais forte após os primeiros dias de investigação é o da doença como pano de fundo", declarou o inspetor Per Thomas Omholt à imprensa, dois dias depois do atentado que deixou cinco mortos e três feridos."Mas deixamos a porta aberta para outras hipóteses", completou.Entre as possíveis motivações do massacre, a princípio, a polícia mencionou a "revolta, a vingança, o impulso, a jihad, a doença e a provocação", explicou o inspetor.As declarações reforçam as dúvidas sobre o estado psiquiátrico, e por consequência da responsabilidade penal, de Espen Andersen Bråthen, que admitiu ter assassinado cinco pessoas - além de ter deixado outras três feridas - na quarta-feira em Kongsberg, cidade do sudeste da Noruega.O dinamarquês de 37 anos, suspeito de radicalização islamita, foi colocado em prisão preventiva nesta sexta-feira em uma instituição médica.Bråthen permanecerá detido no local por quatro semanas, em isolamento total."Ele foi entregue aos serviços médicos na noite de quinta-feira, após uma avaliação de seu estado de saúde", disse à AFP a promotora responsável pelo caso, Ann Iren Svane Mathiassen. O dinamarquês é objeto de uma avaliação psiquiátrica. As conclusões só devem ser divulgadas após vários meses.As autoridades norueguesas afirmaram que o ataque de quarta-feira tem a marca de um "ato terrorista", mas também não descartam a possibilidade de ter sido cometido por alguém com distúrbios mentais."Não há dúvidas de que o ato em si apresenta indícios que sugerem que pode ser um ato terrorista, mas agora é importante que a investigação avance e que se esclareça a motivação do suspeito", afirmou na quinta-feira o comandante do Serviço de Segurança Norueguês (PST), Hans Sverre Sjøvold."É uma pessoa com idas e vindas no sistema de saúde durante algum tempo", acrescentou Sjøvold.Vigiado no passado por suspeita de radicalização, Bråthen, convertido ao Islã há alguns anos, admitiu durante o interrogatório que cometeu o ataque, executado com um arco e flechas.- Vizinhos inconsoláveis -O acusado estava na lista de pessoas "fichadas" pelo PST, mas no momento poucas informações sobre a questão foram divulgadas.De acordo com a imprensa norueguesa, Bråthen já havia sido objeto de duas condenações: a proibição no ano passado de visitar dois parentes depois que ameaçou matar um deles e por um roubo e compra de haxixe em 2012.Vários meios de comunicação também divulgaram um vídeo de 2017 em que ele pronuncia sua fé muçulmana e faz "advertências".Bråthen, que provavelmente agiu sozinho, de acordo com a polícia, matou quatro mulheres e um homem com idades entre 50 e 70 anos, em vários pontos de Kongsberg, uma pequena cidade de 25.000 habitantes que fica 80 quilômetros ao oeste de Oslo.O novo primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Støre, deve visitar a pequena localidade, muito abalada, nesta sexta-feira. Os moradores colocaram flores e velas nas ruas em homenagem às vítimas."Estou totalmente inconsolável. Nunca vou superar", disse à AFP Svein Westad, um aposentado de 75 anos, ao caminhar pela rua em que duas vizinhas foram assassinadas."Eles deveriam tê-lo capturado imediatamente", acrescentou, em referência à polícia, que foi criticada por demorar mais de 30 minutos para prender o agressor.Um vizinho que pediu anonimato descreveu o dinamarquês como uma pessoa sombria. "Sem sorriso, nenhuma expressão no rosto. Ele ficava apenas olhando", disse. "E sempre sozinho".As autoridades norueguesas conseguiram impedir vários planos de atentados islamitas nos últimos anos.Mas dois ataques da extrema-direita na última década abalaram o país.Em 22 de julho de 2011, o extremista Anders Behring Breivik matou 77 pessoas ao detonar uma bomba nos arredores da sede do governo em Oslo, antes de abrir fogo em um acampamento da juventude do Partido Trabalhista na ilha de Utøya.Em agosto de 2019, Philip Manshaus atirou contra uma mesquita nos subúrbios de Oslo, antes de ser rendido pela multidão. O atentado não deixou feridos em estado grave. Antes do ataque, Manshaus assassinou por motivação racista sua irmã adotada, de origem asiática. Veja Mais

Número de mortos em explosão em mesquita no Afeganistão já passa de 30

 Número de mortos em explosão em mesquita no Afeganistão já passa de 30

em - Internacional Informações apuradas durante a manhã desta sexta-feira (15/10), mostram que um atentado suicida em uma mesquita xiita na cidade de Kandahar, sul do Afeganistão, deixou pelo menos 33 mortos e 74 feridos, informaram fontes médicas e do governo Taleban, conforme os dados atualizados até as 10h05 (de Brasília) pela Redação do jornal O Estado de S. Paulo. "Estes números não são definitivos", disse à EFE um funcionário médico local, que solicitou o anonimato."Nossas informações iniciais mostram que um homem-bomba detonou seus explosivos dentro da mesquita", afirmou à AFP uma fonte local do taleban, que pediu anonimato. O ataque na mesquita de Iman Bargah, que fica no centro da cidade, aconteceu por volta das 13h (horário local) durante a oração do meio-dia de sexta-feira, dia de descanso para os muçulmanos e momento em que muitas pessoas se reúnem para rezar. Por este motivo, o número de mortos e feridos ainda tende a aumentar. Uma contagem inicial relatou sete mortos e cerca de 15 feridos.O ataque aconteceu uma semana depois de um atentado suicida contra fiéis na cidade de Kunduz, no norte do país, reivindicado pelo Estado Islâmico Khorasan (EI-K).No caso do atentado em Kandahar, reduto histórico dos taleban, nenhum grupo reivindicou as explosões até o momento.Um médico do hospital central Mirwais de Kandahar afirmou que "33 corpos e 74 feridos foram transportados" para o estabelecimento. "Estamos sobrecarregados", declarou o médico. "Há muitos corpos e pessoas feridas em nosso hospital. Esperamos a chegada de mais pessoas. Precisamos de doação de sangue com urgência. Apelamos a todos os meios de comunicação em Kandahar para que peçam às pessoas que venham e doem sangue", acrescentou.Uma testemunha contou à AFP que ouviu três explosões, uma na porta principal da mesquita, outra na área sul e a terceira no local onde os fiéis se lavam. Outra testemunha também relatou três explosões na mesquita, localizada no centro da cidade. O porta-voz do ministério do Interior, Qari Sayed Khosti, tuitou: "Estamos tristes ao saber que houve uma explosão em uma mesquita da irmandade xiita no primeiro distrito da cidade de Kandahar, na qual vários de nossos compatriotas foram martirizados e feridos."Muitos fiéis De acordo com um jornalista da AFP, a mesquita estava lotada de pessoas quando as explosões ocorreram e pelo menos 15 ambulâncias foram enviadas para o local. No atentado da semana passada, dezenas de pessoas foram mortas. Foi o ataque mais mortal desde que as tropas americanas deixaram o país, em 30 de agosto.O EI-K é um rival do movimento islâmico taleban, embora ambos sejam sunitas. O EI-K considera os muçulmanos xiitas como apóstatas merecedores da morte.De acordo com a empresa de análise de conflitos ExTrac, com sede no Reino Unido, o ataque desta sexta-feira seria o primeiro atentado do EI-K em Kandahar.O Taleban, que tem seu próprio histórico de perseguição aos xiitas, voltou ao poder no Afeganistão em 15 de agosto e, desde então, fez da segurança sua prioridade, após vinte anos de guerra. Os xiitas representam cerca de 10% da população afegã. Muitos deles são hazaras, etnia perseguida há décadas no país. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS Veja Mais

Nos EUA, aldeia sem rede celular resiste à invasão digital

em - Internacional Viver em um vilarejo sem rede de telefonia celular "tem um lado purificador", diz Yvonne Wallech, moradora de Green Bank, uma pequena cidade da Virgínia Ocidental a quatro horas de carro da capital dos Estados Unidos, Washington, D.C., que atrai aqueles que estão cansados de estar sempre conectados.Yvonne Wellech tem internet em casa, mas assim que se desconecta, as chamadas e notificações acabam. "Esclarece as ideias", diz esta mulher de 59 anos, dona de uma loja de souvenirs.A área abriga o Observatório de Green Bank há mais de 60 anos, que precisa de silêncio de rádio para poder observar as estrelas e os buracos negros. Por isso, o governo criou uma "zona de calma" em 1958, para proteger as atividades do observatório e também as de um local da NSA, a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos.As ondas de rádio são limitadas e restritas a uma área de quase 34.000 km2 na região de Green Bank, e o uso de Wi-Fi é desencorajado. O escritório de turismo aproveita a situação e promove a região como um reino de "desintoxicação digital". "No mundo de hoje, você não passa mais de um minuto sem ouvir um bipe de dispositivo eletrônico. Este é o lugar perfeito para ficar longe de tudo", confirma a secretária de Turismo da Virgínia Ocidental, Chelsea Ruby.- Promessa atrativa -A promessa é muito atraente, em um momento em que 85% dos adultos americanos dizem que têm um smartphone, e quase um terço garante ficar on-line "na maior parte do tempo", de acordo com uma pesquisa do Pew Research Institute. Nancy Showalter, uma turista que foi visitar o observatório, ficou surpresa ao perder a conexão., Rapidamente, porém, começou a apreciar o silêncio."Você olha ao redor, ouve os outros. É maravilhoso. Mais pessoas deveriam fazer isso", entusiasma-se esta aposentada de 78 anos, do estado de Indiana, no norte dos Estados Unidos.Apesar de suas regras estranhas e do isolamento entre colinas e florestas, Green Bank, com menos de 200 residentes, está mudando. Segundo os moradores, a internet sem fio se espalhou nos últimos anos. Embora haja uma regulamentação que impõe multas de US$ 50, nenhuma penalidade foi aplicada nesse sentido. Junto com a construção de hotéis e restaurantes, os preços dos imóveis no condado de Pocahontas, onde Green Bank está localizada, aumentaram quase três vezes mais rápido do que a média nacional na última década, de acordo com as estimativas. "Em breve, vão querer um Walmart e outras redes de supermercados e tudo a que estão acostumados", reclama George Deike, morador de longa data, aludindo à chegada de novos moradores. No entanto, outros moradores acreditam que a cidade deve se modernizar.Patrick Coleman, que nasceu em Green Bank há 69 anos e é dono de uma pousada, acredita que a falta de cobertura telefônica é perigosa."As pessoas que vivem aqui não têm rede de segurança", pois um acidente nesta área remota pode se tornar muito sério se não for possível pedir ajuda, alega.Ele não entende por que a estação de esqui vizinha, Snowshoe, tem uma rede de telefonia celular, e Green Bank, não.Alguns moradores que se instalaram na cidade para curtir a tranquilidade também relativizam a importância dos regulamentos que regem as ondas telefônicas. "Eu vim para encontrar um lugar mais silencioso, sem wi-fi", diz Ned Dougherty, um professor de 38 anos e novo residente, que mesmo assim indica que existem outras maneiras de recuperar o controle de sua vida digital. "Não sou obrigado a usar meu telefone, não importa onde moro", diz. "Alterar meu CEP não resolve nada. Se eu quiser me desconectar, tenho que fazer sozinho".KROGERFACEBOOKNETFLIXWALMART Veja Mais

Deputado conservador britânico é esfaqueado 'várias vezes'

em - Internacional Um deputado conservador britânico, David Amess, foi esfaqueado "várias vezes" nesta sexta-feira (15) durante um evento em Leigh-on-Sea, no sudoeste da Inglaterra, informaram a polícia e a imprensa britânica. "Um homem foi detido (...) e não procuramos mais ninguém", anunciou a polícia local no Twitter. Os canais Sky News e BBC identificaram a vítima como o político de 69 anos, membro do partido do primeiro-ministro Boris Johnson.Uma testemunha identificada apenas como Anthony descreveu à rádio LBC a grande mobilização policial no local."Vi como tiraram alguém do prédio e o colocaram na parte de trás de um carro da polícia", disse, "aparentemente (o deputado) foi esfaqueado várias vezes".As reações políticas não demoraram, em um país marcado pelo assassinato no meio da rua em 2016 da deputada Jo Cox, uma semana antes do referendo do Brexit, pelas mãos de um simpatizante neonazista."Notícias horríveis e profundamente impactantes", tuitou o líder da oposição trabalhista, Keir Starmer.Por sua vez, o ex-primeiro-ministro conservador britânico David Cameron lamentou essas "notícias alarmantes e preocupantes".Johnson, seu partido e seu governo ainda não reagiram. Veja Mais

Moscou lança pagamento por reconhecimento facial no metrô

em - Internacional Moscou lançou, nesta sexta-feira (15), o pagamento por reconhecimento facial no metrô, o exemplo mais recente do desenvolvimento rápido - e polêmico para alguns - desta tecnologia na Rússia."Para entrar no metrô, os passageiros não precisam de um cartão ou um celular: basta olhar para uma câmera", explicou o encarregado do transporte da prefeitura, Maxim Liksutov, citado em um comunicado.Segundo ele, Moscou é "a primeira cidade do mundo na qual o sistema funciona em grande escala", com 241 estações de metrô. Acrescentou que o pagamento por reconhecimento facial é "apenas uma forma de pagar" e que continua sendo "voluntário".Liksoutov espera que entre 10% e 15% dos passageiros usem o sistema com regularidade em "dois ou três anos".Espera-se que o sistema reduza os tempos de espera na enorme rede de metrô de Moscou, uma das mais movimentadas da Europa.As autoridades prometeram que os dados coletados mediante o reconhecimento facial estarão "criptografados de forma segura" e que a câmera da catraca vai ler uma "chave biométrica" e não uma imagem do rosto da pessoa.A tecnologia, que está se desenvolvendo rapidamente na Rússia, foi criticada por várias ONGs russas e internacionais, preocupadas com os abusos, o vazamento de dados e a falta de consentimento.O reconhecimento facial foi usado em Moscou, que conta com uma rede de dezenas de milhares de câmeras, para deter manifestantes da oposição e controlar o cumprimento das quarentenas de covid-19. Veja Mais

Após seis anos, Adele lança seu single de retorno 'Easy On Me'

em - Internacional A diva britânica do soul Adele lançou nesta sexta-feira (15) seu single de retorno "Easy On Me", no qual compartilha com o mundo detalhes dos traumáticos seis anos que viveu desde a publicação de seu último álbum. Nesse período, a estrela de 33 anos sofreu um "ano de ansiedade" no qual seu casamento desabou, explicou recentemente. Sua voz extraordinária não perdeu a potência, mas a letra do novo single revela uma vulnerabilidade mais profunda, marcada pelo refrão "go easy on me, baby" (seja bom comigo, em tradução livre), cantado sobre um simples toque de piano. Apesar de seus anos de ausência, a artista não caiu no esquecimento: seus fãs somaram mais de 18 milhões de visualizações na canção em sua página oficial do YouTube nas primeiras 10 horas após o lançamento. A cantora de "Hello" anunciou na quarta-feira que seu esperado novo álbum "30" sairá à venda em 19 de novembro. A gravação começou há três anos, explicou ela mesma no Twitter, em um momento em que sua vida era "um labirinto de absoluta desordem e confusão interior". Adele vendeu milhões de álbuns e ganhou vários prêmios, incluindo um Oscar e 15 Grammys, o que torna este lançamento um dos mais esperados do ano. Rompeu recentemente seu longo silêncio em uma entrevista para a revista de moda Vogue, publicada na semana passada, na qual relatou ter vivido como uma prisioneira enquanto lutava contra a ansiedade. "Aprendi muitas verdades sobre mim mesma ao longo do caminho. Me derramei em muitas camadas, mas também me envolvi em outras novas", escreveu no Twitter. "Por fim, voltei a encontrar meu sentimento. Ousaria dizer que nunca me senti mais tranquila em minha vida". Veja Mais

Atentado suicida deixa 33 mortos em mesquita xiita no Afeganistão

em - Internacional Um atentado suicida em uma mesquita xiita na cidade de Kandahar, sul do Afeganistão, deixou pelo menos 33 mortos e 74 feridos, informaram fontes médicas e do governo Talibã à AFP.O ataque aconteceu uma semana depois de um atentado suicida contra fiéis na cidade de Kunduz, no norte do país, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI). No caso do atentado em Kandahar, reduto histórico dos talibãs, nenhum grupo reivindicou as explosões até o momento."Nossas informações iniciais mostram que um homem-bomba detonou seus explosivos dentro da mesquita", afirmou à AFP uma fonte governo local talibã, que pediu anonimato.Um médico do hospital central Mirwais de Kandahar afirmou que "33 corpos e 74 feridos foram transportados" para o estabelecimento. "Estamos sobrecarregados", declarou o médico. "Há muitos corpos e pessoas feridas em nosso hospital. Esperamos a chegada de mais pessoas. Precisamos de doação de sangue com urgência. Apelamos a todos os meios de comunicação em Kandahar para que peçam às pessoas que venham e doem sangue", acrescentou.Uma testemunha contou à AFP que ouviu três explosões, uma na porta principal da mesquita, outra na área sul e a terceira no local onde os fiéis se lavam.Outra testemunha também relatou três explosões na mesquita, localizada no centro da cidade, no momento da oração do meio-dia de sexta-feira, dia de descanso para os muçulmanos, quando muitas pessoas se reúnem para orar. O porta-voz do ministério do Interior, Qari Sayed Khosti, tuitou: "Estamos tristes ao saber que houve uma explosão em uma mesquita da irmandade xiita no primeiro distrito da cidade de Kandahar, na qual vários de nossos compatriotas foram martirizados e feridos".- Muitos fiéis -De acordo com um jornalista da AFP, a mesquita estava lotada de pessoas quando as explosões ocorreram e pelo menos 15 ambulâncias foram enviadas para o local. Imagens postadas nas redes sociais, cuja autenticidade não pôde ser verificada imediatamente, mostravam corpos caídos no chão da mesquita de Fatemieh.Na sexta-feira passada, o Estado Islâmico-Khorasan (ES-K) assumiu a responsabilidade por um ataque a uma mesquita xiita em Kunduz que deixou pelo menos 60 mortos. Foi o ataque mais mortal desde que as tropas americanas deixaram o país, em 30 de agosto.O EI-K é um rival do movimento islâmico talibã, embora ambos sejam sunitas. De acordo com a empresa de análise de conflitos ExTrac, com sede no Reino Unido, o ataque desta sexta-feira seria o primeiro atentado do EI-K em Kandahar.O Talibã, que tem seu próprio histórico de perseguição aos xiitas, voltou ao poder no Afeganistão em 15 de agosto e, desde então, fez da segurança sua prioridade, após vinte anos de guerra. Os xiitas representam cerca de 10% da população afegã. Muitos deles são hazaras, etnia perseguida há décadas no país. Veja Mais

Saiba quem são os protagonistas da violência em Beirute

em - Internacional Sete pessoas morreram e dezenas ficaram feridas na quinta-feira (14) em confrontos após uma manifestação em frente ao Palácio da Justiça na capital libanesa, Beirute. A manifestação foi organizada por dois partidos xiitas libaneses, Hezbollah e Amal, para exigir que o juiz Tareq Bitar, encarregado da investigação da explosão mortal do ano passado no porto de Beirute, seja substituído.Os confrontos reviveram a lembrança da guerra civil libanesa (1975-1990), na qual algumas das mesmas partes estiveram envolvidas.- Movimento Amal -O movimento xiita é presidido desde 1980 por Nabih Berri, presidente do Parlamento. É um partido político, também dotado de uma milícia, cujos membros foram os mais visíveis durante a violência de quinta-feira. Centenas de milicianos do Amal foram às ruas de Chiyah, seu reduto na periferia sul de Beirute, disparando suas armas automáticas e foguetes antitanque contra o bairro cristão vizinho de Ain el-Remmaneh. Entre os principais responsáveis que o juiz Bitar quer interrogar sobre a explosão de 4 de agosto de 2020 estão dois ex-ministros e deputados do Amal.Pelo menos três pessoas mortas na quinta-feira eram membros do movimento.- Hezbollah -O movimento xiita é um partido político representado no Parlamento por 13 deputados. Tem uma milícia poderosa apoiada e armada pelo Irã.O Hezbollah é frequentemente descrito como um Estado dentro do Estado. Segundo os acordos de Taef, que encerraram a guerra civil, é a única formação que conseguiu manter suas armas, usando como escudo sua resistência contra Israel. Uma guerra violenta estourou entre o Hezbollah e Israel em 2006. Hassan Nasrallah, secretário-geral do Hezbollah desde 1992, lançou uma violenta campanha contra o juiz Bitar, acusando-o de politizar a investigação e pedindo sua substituição.Os combatentes do Hezbollah foram vistos nas ruas na quinta-feira e participaram dos confrontos, mas em menor número do que os do Amal.Pelo menos dois dos mortos nos confrontos eram membros do Hezbollah.- Forças Libanesas -A formação cristã, liderada desde 1986 por Samir Geagea, foi um dos principais atores da guerra civil.Transformou-se em partido político e seu chefe foi o único dos senhores da guerra a ser preso, passando 11 anos na prisão durante o domínio sírio no Líbano.Mantém uma discreta milícia em seus feudos nos subúrbios de Beirute e no norte do país.O Hezbollah acusa as Forças Libanesas - que apoiam a investigação da explosão do porto - de ter colocado franco-atiradores nos telhados de prédios próximos ao Palácio da Justiça e disparado contra seus militantes.As Forças Libanesas negaram essas acusações. Não havia milícias cristãs nas ruas durante os confrontos.- O Exército libanês -O Exército libanês foi implantado nos bairros onde ocorreram os confrontos. Mas não fez nada para desarmar ou repelir os milicianos que se aglomeraram, apesar do fato de o fogo de armas automáticas e foguetes antitanque passarem a centímetros de suas patrulhas.O Exército vasculhou prédios em Ain el-Remmaneh em busca de atiradores e anunciou nove prisões. Veja Mais

Social-democratas, verdes e liberais anunciam acordo para formar governo na Alemanha

em - Internacional Os social-democratas, que ocuparam o primeiro lugar nas eleições legislativas alemãs, os verdes e os liberais anunciaram, nesta sexta-feira (15), terem chegado a um acordo preliminar para a formação de um novo governo."Conseguimos, de fato, chegar a um acordo sobre um documento. É um resultado muito bom. Isso mostra, claramente, que se pode ser formar um governo na Alemanha", comemorou o social-democrata Olaf Scholz, provável futuro chanceler, em declaração à imprensa com os dirigentes dos verdes e dos liberais. Veja Mais

Autor de massacre na Noruega é preso sob custódia médica

em - Internacional Um tribunal norueguês determinou nesta sexta-feira (15) a prisão preventiva, de quatro semanas, para o autor do massacre com arco e flechas no país, enquanto aumentam as perguntas sobre seu estado de saúde mental.Antes de o tribunal de Kongsberg (sudeste) anunciar sua decisão, a procuradora Ann Iren Svane Mathiassen disse à AFP que o suspeito, Espen Andersen Bråthen, seria posto sobre detenção em um centro médico, devido a seu estado de saúde. Veja Mais

Explosão em mesquita xiita deixa ao menos 16 mortos na cidade afegã de Kandahar

em - Internacional Pelo menos 16 pessoas morreram e já passa de 30 o total de feridos após uma explosão atingir uma mesquita xiita durante as orações desta sexta-feira, 15, na cidade de Kandahar, no sul do Afeganistão. A informação foi dada por uma fonte médica à AFP."Dezesseis corpos e 32 feridos foram levados para o hospital de Mirwais", disse um porta-voz do hospital central de Kandahar. Uma contagem inicial havia relatado sete mortos e cerca de 15 feridos. De acordo com uma fonte da Associated Press, o número de vítimas fatais tende a aumentar.A explosão na mesquita de Iman Bargah, que fica no centro da cidade, aconteceu durante a oração do meio-dia de sexta-feira, dia de descanso para os muçulmanos e momento em que muitas pessoas se reúnem para rezar.Uma testemunha disse à AFP que ouviu três explosões, uma no portão principal da mesquita, outra no miradouro sul e a terceira no local onde os adoradores se lavam. A origem da explosão ainda não é conhecida.Outra testemunha também disse que três explosões abalaram a mesquita no centro da cidade durante as orações desta sexta.O porta-voz do Ministério do Interior, Qari Sayed Khosti, lamentou as mortes em mensagem publicada no Twitter. "Entristece-nos saber que ocorreu uma explosão numa mesquita da irmandade xiita no primeiro distrito da cidade de Kandahar, na qual vários dos nossos compatriotas foram martirizados e feridos."E acrescentou: "As forças especiais do Emirado Islâmico chegaram à área para determinar a natureza do incidente e trazer os responsáveis à justiça."A explosão aconteceu uma semana depois de um bombardeio numa mesquita xiita no norte do país deixar 46 pessoas mortas. O grupo EI-K, filial afegã do Estado Islâmico, assumiu a autoria do ataque. O grupo extremista, que se opõe aos Taleban, considera os muçulmanos xiitas como apóstatas merecedores da morte. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS Veja Mais

Irritação real antes da COP26: Elizabeth II critica quem 'fala mas não age'

em - Internacional A rainha Elizabeth II expressou sua irritação com os líderes mundiais que "falam" sobre mudança climática, "mas não agem", em uma conversa privada sobre a COP26 captada à margem de um evento oficial e divulgada nesta sexta-feira (15) pela imprensa britânica.Depois de inaugurar a nova sessão legislativa do Parlamento regional de Gales, em Cardiff, na quinta-feira (14), a monarca de 95 anos conversava com Camilla, a esposa de seu filho Charles, e com Elis Jones, presidente da Câmara galesa. E o microfone de uma câmera de televisão captou sua fala: "Estou acompanhando tudo sobre a COP" e "ainda não sei quem vem" à conferência da ONU sobre mudança climática. O evento acontecerá na cidade escocesa de Glasgow, de 31 de outubro a 12 de novembro, e está prevista a presença de líderes como o presidente americano, Joe Biden. "Sabemos apenas quem não vem... É realmente irritante quando falam, mas não agem", acrescentou a rainha. Entre os líderes que ainda não confirmaram presença estão o presidente chinês, Xi Jinping; o presidente russo, Vladimir Putin; e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.O príncipe Charles, de 72 anos, um ambientalista de longa data, pediu esta semana aos líderes mundiais para "porem mãos à obra".E, na quinta-feira (14), William, neto da monarca e segundo na linha de sucessão ao trono britânico, pediu mais do que "palavras". Também criticou a corrida pelo turismo espacial.Um dia depois de o ator da série "Star Strek" William Shatner ter feito uma viagem de alguns minutos ao espaço, a bordo de um foguete Blue Origin, William pediu que "algumas das mentes e dos cérebros mais brilhantes do mundo se concentrem, antes de mais nada, em tentar consertar este planeta, não tentar encontrar outro lugar para viver".A presidente do Parlamento galês falou com a rainha sobre esse raro ataque frontal do príncipe William, que gerou muitas reações."Sim, eu li", respondeu Elizabeth II, com um sorriso.Os comentários de William desagradaram círculos científicos, onde muitos destacaram o valor para a humanidade de décadas de exploração espacial.A cientista espacial britânica Maggie Aderin-Pocock, por exemplo, declarou que concorda que a ação humana está destruindo o planeta e que há lições a serem tiradas, mas que a pesquisa sobre o espaço também é relevante quando se trata da questão climática na Terra."Mas esse não pode ser o nosso único objetivo. O espaço é inspirador. Graças a 'Star Trek', eu me tornei cientista espacial e agora trabalho na mudança climática", declarou ao canal ITV."Vou para a COP26 no mês que vem para falar sobre como o espaço nos ajuda com a mudança climática. Então, temos que nos concentrar na mudança climática, mas não pode ser a única coisa", destacou.A rainha, Charles e Guilherme devem participar dos eventos da COP26. A conferência tentará motivar as principais economias em desenvolvimento a fazerem mais para reduzir suas emissões de carbono e, no caso dos países mais ricos, que contribuam com bilhões de dólares para ajudar os mais desfavorecidos a se adaptarem às mudança climática. Veja Mais

Astronautas chineses chegam a estação espacial para sua missão mais longa

em - Internacional Os três astronautas da nave Shenzhou-13 - dois homens e uma mulher - chegaram neste sábado à nova estação espacial da China, para dar continuidade à construção da mesma pelos próximos seis meses, naquela que deverá ser a missão tripulada mais longa do país.Um foguete Longa Marcha 2F lançou a espaçonave Shenzhou-13 rumo à estação Tiangong (Palácio Celestial) a 0h23, do centro de lançamento de Jiuquan, no deserto de Gobi.Após o lançamento, a agência espacial chinesa responsável pelos voos tripulados, conhecida pela sigla CMSA, disse que a operação tinha sido um sucesso e que os membros da tripulação estavam bem, segundo a agencia oficial Xinhua. Horas depois, a nave Shenzhou-13 se acoplou à estação.A cerca de entre 350 e 400 quilômetros de altitude, os três astronautas permanecerão no módulo Tianhe ("Harmonia Celestial"), o único já em órbita dos três que formarão a estação espacial.Sua missão será continuar a construção, verificar o equipamento e conduzir alguns experimentos científicos. Eles também farão duas ou três saídas no espaço.Assim, dobrarão o recorde de duração de uma missão tripulada chinesa, estabelecido em setembro pelos astronautas da Shenzhou-12, que passaram três meses no módulo Tianhe."O motivo desta estada prolongada é adquirir experiência em missões de longa duração", explicou à AFP Erik Seedhouse, professor especializado em operações espaciais da universidade de aeronáutica Embry-Riddle, nos Estados Unidos."A principal dificuldade para os astronautas será manter a massa muscular e reduzir a perda óssea" em um ambiente de gravidade zero, que debilita os organismos, acrescentou.- 'Tecnologias bastante maduras' -A tripulação de 'taikonautas' - termo usado para representar os astronautas chineses - é composta por dois homens: o general Zhai Zhigang (55 anos), o primeiro chinês a fazer uma saída extraveicular em 2008, e Ye Guangfu (41 anos), para quem será o seu primeiro voo. E uma mulher: Wang Yaping (41 anos), que já fez uma viagem espacial em 2013.Yaping ficou conhecida por ter dado uma aula de física ao vivo para 60 milhões de alunos em sua primeira viagem por meio de uma conexão de vídeo e fará novamente o mesmo durante a missão Shenzhou-13. Também se tornará a primeira chinesa a fazer uma caminhada no espaço."A China não reinventará a roda" com a Shenzhou-13, opinou Chen Lan, analista do site GoTaikonauts.com, especializado no programa espacial chinês."Não será um grande desafio para a China porque suas tecnologias estão bastante maduras. Contudo, qualquer operação no espaço supõe, por essência, um desafio...", acrescentou.Esta é a quinta missão das 11 (tripuladas e não tripuladas) que serão necessárias para a construção da estação espacial chinesa, cuja conclusão está prevista para o fim de 2022. A plataforma espacial será semelhante em tamanho à antiga estação soviética Mir (1986-2001) e permanecerá operacional por pelo menos 10 anos.- Robôs e GPS -Os outros dois módulos da estação, denominados Mengtian e Wentian (laboratórios), serão lançados no próximo ano e se acoplarão a Tianhe. Eles permitirão a realização de experimentos em biotecnologia, medicina e astronomia.Pequim decidiu construir uma estação depois que os americanos se recusaram a aceitar a participação dos chineses na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), que é fruto da cooperação entre Estados Unidos, Rússia, Canadá, Europa e Japão.Nesse sentido, a CMSA reiterou nesta quinta-feira (14) que não haverá restrição aos astronautas estrangeiros para frequentar a plataforma Tiangong.A China já investiu bilhões de dólares durante décadas para diminuir o seu atraso em relação a outras potências espaciais.Em maio, o gigante asiático se tornou o segundo país do mundo, depois dos Estados Unidos, a colocar um pequeno robô na superfície de Marte.A China também fez uma histórica alunissagem em 2019, ao posicionar uma sonda no lado escuro da superfície da Lua. No ano passado, trouxe amostras do satélite natural e finalizou o sistema de navegação Beidou, que compete com o GPS americano. Ontem, colocou na órbita o seu primeiro satélite para observar o Sol.Em um prazo mais longo, Pequim planeja enviar pessoas à Lua e construir uma base no satélite natural em conjunto com a Rússia. Veja Mais

Estado Islâmico reivindica ataque com 41 mortos em mesquita xiita no Afeganistão

em - Internacional Ao menos 41 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas nesta sexta-feira (15) em um atentado suicida reivindicado pelo Estado Islâmico em uma mesquita xiita na cidade de Kandahar, feudo dos talibãs no sul do Afeganistão.Segundo testemunhas, várias explosões abalaram a mesquita de Fatemieh, no centro de Kandahar, a segunda cidade do país, durante a oração do meio-dia desta sexta-feira, o dia de descanso da semana para os muçulmanos, no qual muitas pessoas se reúnem para rezar."Estamos lotados. Há muitos corpos e muita gente ferida. Precisamos urgentemente de mais sangue", declarou à AFP um médico do hospital central Mirwais da cidade.O grupo Estado Islâmico do Khorasan (EI-K), que realizou um atentado similar há uma semana em Kunduz, reivindicou o ataque, executado por dois homens-bomba que explodiram em partes distintas da mesquita."O primeiro homem-bomba detonou seu colete com explosivos em um corredor da mesquita, enquanto o segundo detonou seu colete no centro da mesquita", afirmou o EI-K em comunicado divulgado no Telegram.Um responsável talibã local confirmou à AFP que foi um "atentado suicida".O chefe da polícia talibã em Kandahar, Maulvi Mehmood, condenou "energicamente" o atentado e afirmou que "todos os serviços de segurança estão trabalhando para encontrar os envolvidos e puni-los".Segundo ele, a segurança da comunidade xiita estava até agora garantida pela própria comunidade. Mas "no futuro, temos a intenção de nos responsabilizarmos por todos esses locais de culto com a mobilização de guardas", disse.- Tiros antes da explosão -"De acordo com as informações de nossos hospitais, 41 pessoas morreram e cerca de 70 ficaram feridas", disse à AFP Hafiz Abdulhai Abbas, funcionário da Saúde em Kandahar.Informações de algumas testemunhas citam tiros disparados antes das explosões. "Estávamos nos preparando para a oração quando ouvimos tiros", declarou Sayed Rohullah, um segurança da mesquita, à AFP."Duas pessoas entraram na mesquita e atiraram nos guardas, que abriram fogo. Um deles se explodiu", acrescentou.Tanto Rohullah como outras testemunhas disseram que dois outros terroristas detonaram seus explosivos, o que elevaria o número de participantes no ataque para três.O interior, a entrada e o chão da mesquita estavam cobertos por escombros. Algumas paredes estavam perfuradas pelas explosões, observou um repórter da AFP.Imagens postadas nas redes sociais, cuja autenticidade não pôde ser verificada imediatamente, mostravam corpos caídos no chão.- Rivalidades talibãs e EI -Desde sua chegada ao poder em 15 de agosto, o Talibã enfrenta uma onda de atentados promovidos pelo Estado Islâmico (EI).Seu ramo local, responsável por alguns dos ataques mais sangrentos no Afeganistão e Paquistão, mirou nos talibãs e na minoria xiita afegã nas últimas semanas.O EI-K é um rival do movimento islâmico Talibã, embora ambos sejam sunitas. De acordo com a empresa de análise de conflitos ExTrac, com sede no Reino Unido, o ataque desta sexta-feira seria o primeiro atentado do EI-K em Kandahar.O Talibã, que tem seu próprio histórico de perseguição aos xiitas, voltou ao poder no Afeganistão em 15 de agosto e, desde então, fez da segurança sua prioridade, após vinte anos de guerra. Os xiitas representam entre 10% e 20% da população afegã. Muitos deles são hazaras, etnia perseguida há décadas no país.O porta-voz do Ministério do Interior, Qari Sayed Khosti, tuitou: "Estamos tristes por sabermos da explosão em uma mesquita da irmandade xiita no primeiro distrito da cidade de Kandahar, na qual alguns de nossos compatriotas foram martirizados e feridos". Veja Mais

Navios de guerra da Rússia e dos EUA perto de um incidente no mar do Japão

em - Internacional Dois navios de guerra russo e americano chegaram perto de um incidente no mar do Japão nesta sexta-feira (15), quando a Rússia acusou a Marinha dos Estados Unidos de se aproximar demais de suas águas territoriais, o que Washington negou.Por volta das 17h00 (05h00 no horário de Brasília), o destróier americano USS Chafee, que operava no Mar do Japão por vários dias, "aproximou-se das águas territoriais da Federação Russa e tentou cruzar a fronteira", afirmou em um comunicado o Ministério da Defesa russo."A embarcação Admiral Tribouts, que estava na área, alertou o navio estrangeiro sobre esses atos inaceitáveis", acrescentou."O USS Chafee, convencido pela determinação da tripulação russa em evitar uma violação das fronteiras nacionais, deu meia-volta às 17h50, quando estava a menos de 60 metros" do Admiral Tribouts, continuou o Ministério da Defesa russo.A marinha russa também alertou o navio americano de que estava em uma área "fechada à navegação devido ao fogo de artilharia como parte das manobras do mar Conjunto Russo-Chinês de 2021", acrescentou o comunicado.A Marinha dos Estados Unidos negou as afirmações russas.O USS Chafee "estava conduzindo operações de rotina nas águas internacionais do Mar do Japão", garantiu em um comunicado, chamando a interação entre os dois navios de "segura e profissional".Washington admitiu que a Rússia notificou os marinheiros americanos sobre as manobras na área, mas enfatizou que elas foram programadas "para o final do dia".O USS Chafee "respeitou as leis e costumes internacionais", completou, enfatizando que os Estados Unidos "continuarão a voar, navegar e operar onde a lei internacional permitir".Incidentes com a marinha russa são raros no Pacífico.A região é dominada pela China, que desaprova as patrulhas regulares dos Estados Unidos e seus aliados nas águas internacionais da região para fazer valer seus direitos à liberdade de navegação.ADMIRAL GROUP Veja Mais

Estado Islâmico reivindica ataque a uma mesquita no Afeganistão

O Tempo - Mundo O grupo afirmou que dois jihadistas suicidas detonaram bombas em diferentes partes da mesquita Veja Mais

Estado Islâmico reivindica ataque a uma mesquita no Afeganistão

em - Internacional O grupo Estado Islâmico do Khorasan (EI-K) assumiu a autoria do atentado desta sexta-feira (15) contra uma mesquita xiita em Kandahar, no sul do Afeganistão, no qual pelo menos 41 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas.Em um comunicado publicado em seus canais no Telegram, o grupo afirmou que dois jihadistas suicidas detonaram bombas em diferentes partes da mesquita enquanto os fiéis participavam da movimentada oração do meio-dia. Veja Mais

UE considera encerrado 'incidente' com EUA por submarinos australianos

em - Internacional O alto representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, evidenciou nesta sexta-feira (15), em Washington, sua vontade de virar a página na crise entre Estados Unidos e França sobre os submarinos australianos, que envolveu o bloco europeu."Não vamos ser masoquistas e continuar insistindo em nossos problemas, devemos superá-los e olhar para o futuro", disse aos jornalistas, um dia depois de seu encontro com o secretário de Estado americano, Antony Blinken."Houve um incidente, alguns mal-entendidos, uma falta de comunicação, tudo isso já foi dito", frisou."Está bem, já terminou, vamos avançar. E começar a trabalhar juntos de maneira mais próxima", acrescentou o diplomata espanhol.Em setembro, Borrell expressou a "solidariedade" da União Europeia com a França na crise sem precedentes com os Estados Unidos.A controvérsia surgiu quando o presidente de Estados Unidos, Joe Biden, anunciou a criação de uma nova aliança na região do Indo-Pacífico com a Austrália e o Reino Unido, que levou ao cancelamento de um contrato bilionário de compra de submarinos entre Paris e Canberra. As autoridades francesas afirmaram que se tratava de uma "facada nas costas" e uma "quebra de confiança".Pouco depois, Biden e o presidente francês, Emmanuel Macron, se reuniram para tentar restabelecer a confiança."Está claro que a vontade de cooperar e fundar uma sociedade mais equilibrada é, para ambos os campos, a pedra fundamental desta nova sociedade", opinou Borrell nesta sexta-feira.Nesse sentido, o responsável pela diplomacia da UE saudou o lançamento de um diálogo entre Estados Unidos e Europa sobre segurança e defesa, e também a decisão, anunciada ontem com Blinken, de realizar "consultas de alto nível sobre o Indo-Pacífico" no fim do ano.Este foro se somará ao diálogo em curso entre UE e Washington sobre a postura que será adotada em relação à China, que tem sua próxima reunião prevista para dezembro. Veja Mais

Comitê de especialistas autoriza reforço da vacina da J&J nos EUA

em - Internacional Um painel de especialistas médicos de alto nível aprovou por unanimidade, nos Estados Unidos, a recomendação de autorização para uma segunda dose da vacina da Johnson & Johnson (J&J).A decisão ajudará a pôr fim na sensação de limbo de 15 milhões de americanos que receberam a dose única, mas que estavam preocupados se seria o suficiente para protegê-los, especialmente após o surgimento da variante Delta.Os membros do comitê, convocados pela Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês), concordaram com a empresa farmacêutica que os testes de segurança e eficácia respaldam uma segunda dose desse imunizante, que originalmente é de dose única.É possível que a FDA e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) ainda alterem a recomendação, que deve ser seguida por uma autorização de uso de emergência dentro de dias ou semanas.Vários dos especialistas independentes sugeriram que, embora a J&J tenha solicitado permissão para um reforço, uma segunda vacina da J&J deveria, na verdade, ser considerada uma dose "adicional" necessária para atingir a vacinação completa."Acho que, francamente, sempre foi uma vacina de duas doses. É difícil recomendá-la como uma vacina de dose única", afirmou Paul Offit, especialista em vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia.Também foi solicitado ao painel discutir, mas não votar, a questão do chamado reforço "mix and match", em que uma pessoa recebe uma marca ou tipo de vacina de uma tecnologia diferente da usada na dose inicial.Peter Marks, cientista da FDA, disse que "é possível" que a questão seja votada no futuro.Um estudo preliminar realizado esta semana mostrou que as pessoas que receberam a vacina da J&J podem se beneficiar de uma dose de reforço de um imunizante diferente, de RNA mensageiro (mRNA), como o da Pfizer ou o da Moderna.A vacina de injeção única da J&J nunca foi tão eficaz quanto suas contrapartes de mRNA de dose dupla, mas algumas evidências sugerem que ela é menos suscetível ao declínio de eficácia do que a da Pfizer e da Moderna, devido à tecnologia de vetor viral por trás dela.No entanto, a empresa apresentou dados que mostram que a eficácia contra a covid-19 sintomática aumentou de 70% para 94% após uma segunda dose administrada dois meses após a primeira, em um ensaio realizado nos Estados Unidos. Esses números são semelhantes aos das vacinas de mRNA.A reunião desta sexta-feira aconteceu depois que o mesmo comitê votou na quinta-feira a favor da autorização de uma dose de reforço da Moderna para grupos de risco: maiores de 65 anos, pessoas que correm maior risco de desenvolver uma versão grave da doença e aqueles cujo trabalho ou situação pode envolver uma exposição frequente ao vírus.Uma decisão semelhante já havia sido tomada para a vacina da Pfizer semanas antes, já que os especialistas estavam preocupados que um reforço poderia não ser adequado para todos, especialmente homens mais jovens com risco de desenvolver miocardite como efeito colateral.Mas a decisão sobre a J&J se aplica de forma mais ampla, a todas as pessoas acima de 18 anos que receberam uma dose da vacina pelo menos dois meses antes. Veja Mais

Vênus não reúne condições para ter água, destino do qual a Terra escapou

em - Internacional O planeta Vênus, "gêmeo" da Terra, nunca abrigou água devido a suas condições de temperatura e pressão, o que reduz a possibilidade de que em algum momento tenha havido vida nele, revela um estudo baseado em modelos climáticos precisos."Provavelmente subestimamos os requisitos necessários para que haja água em planetas como a Terra ou Vênus, e até mesmo em exoplanetas", explicou à AFP o astrofísico e climatologista Martin Turbet, do Observatório Astronômico da Universidade de Genebra.Sabemos hoje, por meio de explorações e sondas, que, por exemplo, Marte já foi coberto por grandes extensões de água.Porém, a superfície de Vênus, escondida sob espessas nuvens de microgotículas de ácido sulfúrico, ainda permanece um mistério.A significativa pressão atmosférica, mais de 90 vezes a da Terra, e uma temperatura infernal de 470 ºC, tornam quase impossível o envio de sondas à superfície do planeta.No entanto, um estudo questionou em 2016 se Vênus já havia sido habitável em algum momento, partindo da hipótese de que sua espessa camada de nuvens poderia ter protegido a água da superfície.Os resultados, publicados esta semana na Nature e assinados por Martin Turbet, em conjunto com astrofísicos de laboratórios franceses, lançam dúvidas sobre este cenário.- Efeito estufa -"Antes de saber se poderia haver água de forma estável na superfície de Vênus, é preciso saber como teria se formado", disse Martin Turbet.Para isso, é preciso analisar como, há bilhões de anos, um planeta "muito jovem e muito quente", com água na "forma de vapor na atmosfera", teria se tornado um planeta onde, ao esfriar, poderiam ter se formado volumes de água por condensação.A equipe de Turbet usou um modelo climático preciso, que leva em consideração a formação de nuvens e a circulação atmosférica. As conclusões são categóricas.O sol aqueceu o vapor d'água na atmosfera de Vênus a uma temperatura muito alta para permitir a formação de nuvens por condensação.Essas nuvens protegeriam a parte ensolarada do planeta, permitindo que a atmosfera esfriasse o suficiente para causar a condensação do vapor para formar água na superfície.Além disso, as massas de ar aquecidas pelo sol em sua parte exposta, deslocaram-se para a face sombreada do planeta, onde formaram nuvens muito altas que causaram um efeito estufa, o que impediu o resfriamento da atmosfera.- Insolação -E por que a Terra, um planeta rochoso do mesmo tamanho de Vênus, não sofreu o mesmo destino?"Quando o sol era jovem, há quatro bilhões de anos, tinha um volume 25-30% menor do que o atual", explicou Turbet.O calor que nosso planeta recebia não era tão alto a ponto de impedir a condensação de vapor e a formação de água. Vênus, que está muito mais perto do sol, sofreu uma insolação cerca de duas vezes maior que a da Terra.O estudo deixa uma "pequena surpresa", como detalhou Turbet: com a atual insolação da Terra, "se todos os mares evaporassem, a situação ficaria estável".Em outras palavras, viveríamos entre oceanos de vapor d'água e a condensação seria improvável. Se o sol estivesse um pouco mais quente há vários bilhões de anos, não haveria corpos d'água em nosso planeta e, certamente, não existiria vida.O modelo climático desenvolvido para Vênus servirá para estudar exoplanetas pertencentes a outros sistemas solares. Enquanto isso, é pouco provável encontrar formas de vida em Vênus.No ano passado, outro estudo mencionou a detecção nas nuvens de Vênus de um gás que pode estar relacionado à vida. Naquele momento, pensava-se que a evaporação de águas superficiais neste planeta poderia ter levado formas de vida para as nuvens.Vários estudos publicados desde então refutaram essas observações. Por fim, em junho, uma nova publicação afirmou que era impossível a vida nessas nuvens, devido à falta de água. Veja Mais

Bolsonaro é acusado de misoginia por veto à distribuição gratuita de absorventes

em - Internacional O veto do presidente Jair Bolsonaro a uma lei que propõe a distribuição gratuita de absorventes provocou alvoroço no Brasil, onde milhares de mulheres pobres não têm acesso a produtos básicos de higiene.A 'hashtag' "#LivreParaMenstruar" completa uma semana nas redes sociais, com o apoio de diversas celebridades que se uniram às críticas contra o veto presidencial de 7 de outubro."Em que século estamos, mesmo? Por que ainda precisamos nos desgastar por pautas óbvias? Hoje, mais uma vez, nós mulheres fomos desrespeitadas. A pobreza menstrual é presente há anos em nosso país", escreveu a cantora Preta Gil no Instagram."Bolsonaro mostra que não tem nenhum pingo de sensibilidade com as mulheres. Ele deixa claro toda a sua misoginia com esse veto. Não podemos nos calar, pois estamos tratando da vida, da dignidade de milhares de mulheres. Esse veto é um atentado contra todas nós", condenou, por sua vez, a deputada Marília Arraes Autora da proposta, que espera beneficiar cerca de cinco milhões de mulheres em situação de vulnerabilidade, que incluem estudantes de bairros periféricos e detentas, Arraes espera derrubar o veto no Parlamento.No entanto, em sua 'live' semanal transmitida ontem no Facebook, Bolsonaro disse que esperava sim que o Congresso derrubasse o veto, o que lhe permitiria destinar recursos para o programa sem incorrer em crime de responsabilidade.O presidente alega que o texto não prevê uma fonte de financiamento para o projeto, que ele estimou em R$ 300 milhões durante a 'live', o que fez com que ele o vetasse. Segundo Bolsonaro, se o veto for derrubado, o Executivo será obrigado a promulgar a lei, e terá que retirar recursos de outros ministérios para financiá-la."É só o Parlamento derrubar o veto, daí sou obrigado a promulgar, daí a gente vai se virar [...] tirando dinheiro no próprio Ministério da Saúde, ou na Educação, ou nos dois", afirmou o presidente. "Não vou criar imposto para suprir isso aí, nem majorar imposto para suprir isso aí", acrescentou.Segundo a filial brasileira da ONG Girl Up, que foi fundada pela ONU em 2010, uma em cada quatro adolescentes do país deixa de frequentar a escola por alguns dias do mês por não terem a possibilidade "de menstruar com dignidade".Segundo um relatório do Unicef sobre a pobreza menstrual no Brasil, 713 mil adolescentes não têm banheiros nem chuveiros em casa, e mais de quatro milhões não "têm acesso à higiene necessária nas escolas".FACEBOOK Veja Mais

Trudeau visitará antigo internato para indígenas no Canadá

em - Internacional O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, visitará na segunda-feira a comunidade indígena Kamloops, no oeste do país, onde este ano foram encontrados os restos mortais de 215 crianças indígenas em um antigo internato, anunciou a comunidade nesta sexta-feira. Será a primeira visita do chefe de governo canadense após a descoberta anunciada no final de maio e que gerou um escândalo nacional.No início de junho, Trudeau admitiu o "pecado do Canadá" e colocou flores perto da "Chama do Centenário", um monumento perto do Parlamento de Ottawa que foi transformado em um memorial improvisado. Na semana passada, Trudeau reconheceu que cometeu "um erro" depois de ter sido filmado em família em uma praia na Colúmbia Britânica em 30 de setembro durante o primeiro dia nacional de "verdade e reconciliação" dedicado às vítimas dos internatos para onde eram mandados os indígenas.Após as desculpas públicas de Trudeau, a comunidade indígena Tk'emlups te Secwépemc lamentou não ter recebido resposta a duas cartas enviadas ao líder canadense para participar de uma cerimônia de homenagem."A falta de resposta ao nosso convite foi um insulto adicional", disse a comunidade em um comunicado.Nos últimos meses, mais de mil túmulos anônimos foram descobertos perto de ex-internatos católicos para indígenas, expondo um lado sombrio do passado do Canadá e sua política de assimilação forçada das nações originárias.Do final do século XIX à década de 1990, cerca de 150.000 crianças indígenas foram internadas à força em 139 internatos em todo o país, onde foram separadas de suas famílias, idioma e cultura. Veja Mais

Tesouro dos EUA reporta US$ 590 milhões em pagamentos de ransomware em 2021

em - Internacional As instituições financeiras que operam nos Estados Unidos informaram que cerca de 590 milhões de dólares foram pagos em resgate pelo sequestro de dados feitos por hackers (ransomware) na primeira metade de 2021, diz relatório do Departamento do Tesouro americano divulgado nesta sexta-feira (15).A cifra é 42% maior que a reportada para todo o ano de 2020, segundo o documento, que destaca que os ataques com ransomware dispararam nos últimos meses."Se as tendências atuais continuarem assim, projeta-se que [os informes] apresentados em 2021 terão um valor de transação relacionado com os ransomwares mais alto que os apresentados nos 10 anos anteriores somados", informou o Tesouro americano.Neste tipo de ataque, os hackers invadem os sistemas de alguma entidade com o uso de um malware que restringe o acesso a seus dados, para depois exigir o pagamento de um resgate, geralmente em criptomoedas, em troca de uma chave digital para desbloquear a rede.Washington vem tentando tomar medidas enérgicas contra o aumento exponencial dos ataques de ransomware, incluindo sanções contra o sistema de câmbio online que os operadores ilícitos supostamente utilizam para trocar criptomoedas por moeda corrente.Os últimos ataques contra um importante oleoduto nos Estados Unidos, unidades do frigorífico brasileiro JBS nos EUA, Canadá e Austrália, e o sistema de correio eletrônico Microsoft Exchange chamaram a atenção para a vulnerabilidade dos sistemas em relação aos ataques cibernéticos. Veja Mais

Mais de 180 rebeldes morrem em novos ataques no Iêmen

em - Internacional A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita no Iêmen afirmou, nesta sexta-feira (15), ter matado mais de 180 rebeldes houthis no sul da cidade estratégica de Marib, onde os combates causaram centenas de mortes nos últimos dias."A operação destruiu dez veículos militares e matou mais de 180 elementos terroristas" em Al Abdiya e arredores desta cidade localizada ao sul de Marib, informou a coalizão, citada pela agência de imprensa oficial saudita SPA.Marib, capital da província que leva o mesmo nome, é o último reduto do governo no norte do Iêmen, uma parte do país controlada especialmente pelos houthis.Os houthis lançaram uma campanha em fevereiro para tomarem Marib e nas últimas semanas intensificaram sua ofensiva. A coalizão respondeu desde segunda-feira com ataques aéreos que, segundo ela, provocaram a morte de centenas de insurgentes.Não foi possível verificar esses dados de forma independente e os houthis não costumam informar as mortes em suas fileiras.As duas partes travam uma guerra devastadora desde 2014, quando os houthis, apoiados pelo Irã, tomaram a capital Sanaa (norte ). Desde 2015, a coalizão dirigida pelos sauditas ajuda as forças pró-governo que lutam contra os rebeldes.A guerra no Iêmen mergulhou o país mais pobre da Península Arábica na pior crise humanitária do mundo, segundo a ONU.Dezenas de milhares de pessoas, a maioria civis, morreram e milhões foram deslocadas desde o início da guerra. Veja Mais

Engarrafamento portuário dos EUA antecipa o Natal dos importadores

em - Internacional No porto de Los Angeles, o Natal chegou em junho, quando os importadores correram para se adiantarem devido ao engarrafamento causado pela pandemia, que impactou o transporte marítimo mundial, e agora o trabalho é de 24 horas.O porto, o maior terminal de contêineres da América do Norte, começou a trabalhar 24 horas por dia na quinta-feira (14), depois que a Casa Branca interveio para resolver gargalos que dificultam o comércio e aumentam os preços.Ainda assim, cerca de doze navios com milhares de contêineres permanecem ancorados na baía aguardando uma vaga nas docas lotadas. Alguns esperam há mais de 10 dias.Enquanto varejistas e fabricantes lutam para contornarem os bloqueios nos portos, alguns recorreram a Rickenbacker, um aeroporto dedicado à carga cuja localização em Columbus, Ohio, oferece acesso rápido às principais estradas, o que permite aos caminhoneiros chegarem a quase metade da população dos Estados Unidos e a um terço da do Canadá em um dia."Estamos ocupados", disse Gene Seroka, diretor executivo do porto de Los Angeles.Os americanos "não estão indo aos jogos. Não vamos ao cinema nem à ópera. Estamos comprando produtos. Seja em nossos grandes varejistas ou online, esses produtos precisam ser reabastecidos".- Redes cortadas -As economias fechadas durante parte do último ano por governos que tentavam conter o coronavírus estão reabrindo e a demanda está no auge, mas a oferta tem dificuldades de alcançá-la.A globalização gerou redes de abastecimento que se estendem desde a extração de recursos em lugares como Austrália até a produção em fábricas asiáticas e compradores no Ocidente. Em cada etapa, as mercadorias são carregadas em contêineres e transportadas em navios, trens e caminhões através de portos e estações.Se uma conexão falhar, toda a rede é interrompida. Durante a pandemia, isso aconteceu com quase todos. E mesmo que os Estados Unidos tenham começado a se normalizar, os efeitos persistem."Tudo está atrasado. Todos os navios estão no oceano", disse à AFP Tony Nguye, motorista de caminhão há quase 10 anos. "Este ano está sendo terrível. Nunca vi isso antes", acrescenta.Devido às interrupções, os importadores americanos iniciaram seus preparativos para a temporada de compras de Natal antecipadamente. Enquanto as pessoas se preparavam para o verão boreal, eles carregavam itens natalinos e brinquedos."Os importadores começaram a carregar as compras de Natal em junho; dois meses e meio antes", disse.- Impacto mundial -O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou na terça-feira que as alterações nas redes de abastecimento estão encarecendo os produtos. Nos Estados Unidos, os preços do consumidor subiram mais de 5% em 12 meses até setembro.Existem muitos fatores por trás da falta de matérias-primas e bens finalizados que afeta os comerciantes varejistas.Também são influenciados pelos fechamentos forçados de fábricas devido às restrições da covid, um aumento inesperado da demanda de alguns bens, mudanças na conduta dos consumidores e falta de trabalho.Mas o atraso dos portos americanos foi um fator preponderante.Em nenhum lugar isso é mais evidente do que nos portos próximos a Los Angeles e Long Beach, as principais portas de entrada para a Ásia, onde milhares de contêineres são empilhados, processados e organizados todos os dias.Todo ano, um quarto de trilhão de dólares em bens passa pelo porto de Los Angeles. O Banco Mundial estima que 8,5% dos contêineres do mundo está detido nesses portos ou próximo a eles. Veja Mais

Candidatos chilenos de oposição prometem mudar sistema privado de pensões

em - Internacional Três candidatos à presidência do Chile da oposição se comprometeram, nesta sexta-feira (15), a reformar o questionado sistema previdenciário administrado por empresas privadas e repudiado, de acordo com pesquisas, pela maioria da população por pagar aposentadorias muito baixas. "Eu me comprometo a acabar com as AFPs" (Administradoras de Fundos de Pensão), empresas privadas que, há quatro décadas, administram as aposentadorias individuais dos trabalhadores chilenos, declarou o candidato de esquerda Gabriel Boric, em debate organizado pela Associação de Radiodifusores do Chile (Archi). Nas sondagens, Boric aparece como favorito para as eleições de 21 de novembro, A candidata de centro-esquerda Yasna Provoste, única mulher na disputa, também prometeu reformar o sistema previdenciário, se chegar ao poder, devido ao "fracasso das AFPs". A mesma promessa foi feita pelo progressista Marco Enríquez-Ominami.A proposta de mudança do sistema previdenciário foi rejeitada pelo candidato da direita, Sebastián Sichel."Não quero que meu dinheiro seja administrado por um órgão fiscal", disse ele, em sintonia com sua linha crítica de tudo o que esteja relacionado com uma maior presença do Estado em temas sociais, como Educação e Previdência, em um modelo de economia ultraliberal.O candidato de extrema direita José Antonio Kast propôs algumas reformas no sistema e sugeriu melhorar as condições de aposentadoria dos militares, afirmando que eles "trabalham mais" do que os civis. Essa proposta é polêmica, uma vez que as Forças Armadas têm um sistema especial de previdência administrado pelo Estado, o qual concede pensões muito superiores às do restante da população.A indignação com as baixas aposentadorias foi, inclusive, uma das causas da violenta explosão social de 2019, uma mobilização que foi canalizada para um processo constituinte. No Chile, existe um clamor pela mudança do sistema previdenciário, mas, por enquanto, não há uma proposta concreta de um modelo que substitua o atual. Desde setembro de 2020 e em meio à pandemia da covid-19, o Congresso aprovou três retiradas de 10% cada dos recursos acumulados em contas individuais nas AFPs. Nos três primeiros saques, os trabalhadores chilenos retiraram um total de US$ 50 bilhões, segundo a Superintendência de Pensões. Com essas retiradas, hoje são cinco milhões de pessoas entre 11 milhões de associados, sem fundos de aposentadoria nestas administradores instituídas há 40 anos, sob a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).Boa parte da atual expansão econômica se deve ao forte aumento do consumo gerado pelas retiradas e pelos benefícios sociais concedidos pelo governo às famílias. No segundo semestre, estas ajudas alcançaram 16 milhões dos 19 milhões de habitantes do país. Veja Mais

Deputado conservador britânico esfaqueado morreu

em - Internacional O deputado conservador britânico David Amess morreu nesta sexta-feira (15) após ser esfaqueado em um ato com eleitores no sudeste da Inglaterra, informaram a polícia e a imprensa britânica. "Um homem foi detido como suspeito do assassinato depois que um homem foi esfaqueado em Leigh-on-Sea", informou a polícia de Essex, destacando que ele "morreu posteriormente". A imprensa britânica identificou a vítima como Amess, de 69 anos, membro do partido do primeiro-ministro Boris Johnson. Veja Mais

Social-democratas, verdes e liberais estabelecem bases de futuro governo na Alemanha

em - Internacional Os social-democratas, que ficaram em primeiro lugar nas eleições legislativas alemãs, os verdes e os liberais anunciaram nesta sexta-feira (15) que alcançaram um acordo preliminar com o objetivo de formar um novo governo, que será liderado por Olaf Scholz.Os impostos não serão elevados, os limites de endividamento público serão respeitados e o fim do uso de carvão será antecipado na Alemanha: os três partidos começam a virar a página do governo Angela Merkel e a esboçar a política que desejam levar adiante.Com base no documento apresentado nesta sexta-feira, os três partidos, com programas muito diferentes, vão aprofundar as conversas e iniciar negociações oficiais que abordarão, ponto a ponto, todos os detalhes da futura aliança.Caso as negociações avancem da maneira desejada, uma coalizão dos três partidos assumirá o poder na Alemanha antes do fim do ano.E a união conservadora CDU-CSU de Angela Merkel corre o risco de passar para a oposição, depois de 16 anos de poder, o que resultará em meses difíceis, entre ajustes de contas e definição de uma nova linha política.- Coalizão inédita -"Conseguimos, de fato, chegar a um acordo sobre um documento. É um resultado muito bom. Isso mostra, claramente, que se pode formar um governo na Alemanha", comemorou o líder social-democrata Olaf Scholz, provável futuro chanceler, em declaração à imprensa ao lado dos dirigentes do Partido Verde e do Partido Democrático Liberal.A copresidente do Partido Verde, Annalena Baerbock, citou uma "proposta de coalizão de reforma e progresso", enquanto o líder liberal, Christian Lindner - possível ministro da Economia do futuro governo - celebrou a "oportunidade de modernizar a sociedade, a economia e o Estado".Os três partidos, que formariam uma coalizão inédita para governar a Alemanha, elaboraram um documento de uma dezena de páginas para recapitular seus pontos de acordo e as reformas que pretendem organizar nos próximos quatro anos.O documento preliminar prevê que os impostos não serão elevados - uma linha vermelha para os liberais - e a manutenção dos limites de endividamento público. Além disso, social-democratas, verdes e liberais querem antecipar o fim do uso de carvão na Alemanha de 2038 para 2030."Para respeitar os objetivos de proteção do clima, precisamos de uma saída acelerada da produção de energia elétrica com carvão", afirmam.Esta é uma concessão importante aos Verdes, que ficaram em terceiro lugar nas legislativas de setembro, e que são, ao lado do Partido Democrático Liberal (FDP) - quarto mais votado - essenciais nas negociações para formar a coalizão de governo.A coalizão é apoiada por 62% dos alemães, de acordo com uma pesquisa publicada nesta sexta-feira.E a popularidade de Scholz é ainda maior: 75% dos entrevistados consideram positivo o seu nome como o novo chanceler.Se a coalizão concretizar a chegada ao poder, os partidos terão muito trabalho em um cenário delicado para a economia alemã, fragilizada pela escassez de matérias-primas e componentes.O objetivo de uma redução drástica das emissões vai exigir muitos investimentos nos setores de construção e transporte.A formação de um novo governo na Alemanha é esperada com impaciência pelos aliados do país, que temem uma paralisação, especialmente da União Europeia, em caso de prorrogação do vazio político em Berlim. Veja Mais

EUA permitirá entrada de estrangeiros completamente vacinados a partir de 8 de novembro

em - Internacional Os Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira (15) que a partir de 8 de novembro permitirão a entrada no país de visitantes estrangeiros que estejam completamente vacinados contra a covid-19."Este anúncio e data se aplicam tanto às viagens aéreas internacionais quanto às terrestres", anunciou no Twitter Kevin Muñoz, subsecretário de imprensa da Casa Branca. Veja Mais

Protestos e bloqueios na Itália contra o passe sanitário

em - Internacional Antes das manifestações programadas nas principais cidades italianas, milhares de opositores à obrigação do passe sanitário para o trabalho, que entrou em vigor nesta sexta-feira (15), se mobilizaram em todo o país com bloqueios nas entradas de portos e armazéns.O setor de transporte e logística é o principal envolvido nas ações: no transporte rodoviário, até 30% dos 900 mil motoristas, entregadores e trabalhadores de armazéns não estão vacinados, informou à AFP o patrão da organização patronal Confetra, Ivano Russo.Esta manhã, quase 300 estivadores montaram um piquete na entrada do porto de Gênova (noroeste) para impedir a entrada de caminhões, de acordo com um fotógrafo da AFP."Hoje está muito difícil descarregar", testemunhou Marco, um caminhoneiro de 50 anos, citado pela agência Ansa. "Eu me vacinei para trabalhar".Em Trieste (nordeste), "o porto funciona" apesar da reunião de mais de 6.500 opositores, garantiu o presidente da região de Friul-Veneza Júlia, Massimiliano Fedriga. "Claro que existem algumas dificuldades em alguns pontos, mas funciona".O mesmo acontece em Nápoles e nos portos do Adriático, em particular em Bari e Brindisi."Cidadãos, não fantoches", "Não ao passe sanitário, sem discriminação", diziam as faixas em Trieste.Em Veneza, a rede dos famosos "vaporetto" operava normalmente, assim como o transporte público em Roma ou Milão. Em Settala, próximo a Milão, cerca de trinta funcionários impediam o acesso a um local da entregadora DHL.Além disso, um quarto dos 400.000 trabalhadores agrícolas italianos e estrangeiros não são vacinados, de acordo com a confederação agrícola Coldiretti. "Com a colheita de azeitonas e maçãs, isso pode criar algumas dificuldades", comentou à AFP Romano Magrini, funcionário da Coldiretti.- 1.500 euros de multa -De acordo com a lei adotada pelo governo de coalizão de Mario Draghi, qualquer funcionário que não tenha sido vacinado ou que não tenha se recuperado recentemente da covid-19 deve apresentar ao seu empregador prova de um teste negativo que ele mesmo pagou, sob pena de ser declarado faltoso e privado de seu salário.O trabalhador que chegar ao local de trabalho sem o passe incorre em multa de até 1.500 euros.Mais de 85% dos italianos com mais de 12 anos receberam pelo menos uma dose, mas até três milhões de outras pessoas, não vacinadas, correm o risco de ter o acesso negado a seus locais de trabalho. Ao tornar o passe de saúde obrigatório, o Executivo quer estimular a imunização. Aposta parcialmente ganha, já que 560.000 novos passes de saúde foram baixados na quarta-feira e 860.000 na quinta.Mario Draghi espera limitar o risco de surtos epidêmicos e evitar novos confinamentos na Itália, um dos países europeus mais afetados pela pandemia, com mais de 130.000 mortes e uma queda no PIB de 8,9% em 2020. O programa de vacinação lançado em dezembro do ano passado manteve as taxas de infecção baixas e a terceira maior economia da zono do euro deve crescer 5,8% este ano, de acordo com as últimas previsões do FMI. Em Roma, as autoridades se preparam para novas mobilizações após a manifestação anti-passe no sábado passado, que degenerou em confrontos violentos. Um protesto foi marcado para começar às 16h00 (11h00 de Brasília).No sábado, os sindicatos convocaram uma marcha antifascista para denunciar o ataque à sede da Cgil, principal confederação do país, durante a manifestação anti-passe de 9 de outubro, atribuída a um pequeno grupo de extrema-direita, Forza Nuova. Veja Mais

Cervo à beira da extinção volta à China

em - Internacional Sobreviveu a enchentes, contrabando e até bombas. À beira da extinção, o cervo-do-padre-david volta a rugir na China, sua terra de origem, depois de passar várias décadas na Europa.A extraordinária sobrevivência deste cervo com chifres impressionantes reflete a importância da cooperação internacional, no momento em que uma conferência da ONU sobre biodiversidade (COP15) está sendo realizada na China. Desaparecido da China no final do século XIX, o animal foi reintroduzido 100 anos depois e, hoje, conta com 8.000 exemplares, estimou o Ministério do Meio Ambiente na semana passada."Sua sobrevivência contra todas as probabilidades se deve à sorte e à determinação de um pequeno grupo de amigos da natureza na China e no exterior", resume Zhou Jinfeng, membro da associação que participou da reintrodução do animal em seu país.Esta espécie leva o nome do padre Armand David, um missionário francês que a descobriu em meados do século XIX em seu último refúgio natural, um terreno de caça do imperador da China no sul de Pequim.Em 1895, o rebanho escapou por pouco da extinção, depois de uma inundação neste terreno pantanoso. Cinco anos depois, o último espécime foi morto e comido por soldados alemães destacados para ocupar a capital chinesa após a Revolta dos Boxers.Felizmente, alguns desses animais foram enviados para a Europa.Foi graças a esta iniciativa que 22 de seus descendentes puderam regressar à China em 1985, no âmbito de uma reaproximação entre Pequim e Londres, antes da devolução de Hong Kong ao gigante asiático.Atualmente, cerca de 200 espécimes vivem em um habitat semi-selvagem no antigo domínio imperial de Nanhaizi.- Zonas protegidas -A história da sobrevivência do cervo é menos conhecida do que a do panda gigante, um dos símbolos da fauna ameaçada de extinção que hoje tem mais de 1.800 exemplares e foi retirado da lista de espécies ameaçadas.A potência chinesa se orgulha de seus esforços para proteger a biodiversidade. Em sessão da COP15, na terça-feira (12), o presidente Xi Jinping prometeu uma contribuição de US$ 233 milhões para a proteção da natureza nos países em desenvolvimento.A China designou 18% do território nacional como área protegida. O desmatamento, a exploração ilegal do subsolo e o turismo ainda pesam, porém, sobre o futuro dessas reservas e o habitat dos animais."A China investiu bilhões para salvar pandas, elefantes e outros animais, mas o crescimento da indústria prejudicou seriamente a biodiversidade em muitas regiões do país", admite Zhou, da Fundação para o Desenvolvimento Verde e Proteção da Biodiversidade na China.Após décadas de industrialização e urbanização massiva, a poluição tem causado estragos em espécies como o golfinho Yangtze, considerado praticamente desaparecido, ou o jacaré chinês, uma espécie criticamente ameaçada de extinção.O cervo-do-padre-david também sobreviveu graças aos esforços do duque de Bedford, um nobre inglês que conseguiu multiplicar a espécie em suas terras ao norte de Londres.Durante a Segunda Guerra Mundial, o duque teve de mover o grupo várias vezes para evitar bombardeios alemães.A mudança para a Europa "foi uma bênção inesperada, pois a população conseguiu sobreviver após sua extinção na China", disse Zhou.Este cervo ainda é classificado como "extinto na natureza", de acordo com a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), mas alguns de seus espécimes foram levados para áreas naturais, e a China espera reconstituir uma espécie selvagem. "A China é o país deles... Sua comida, clima e meio ambiente são bons para eles", acrescenta Zhou. Veja Mais

Quatro imigrantes são encontrados mortos na costa de Cádiz, há 21 desaparecidos

em - Internacional Os corpos sem vida de quatro imigrantes foram recuperados perto da costa de Cádiz, no sul da Espanha - anunciaram equipes de resgate nesta sexta-feira (15), em busca de outras 21 pessoas que estariam desaparecidas, de acordo com depoimentos de três sobreviventes.As três pessoas encontrada com vida foram resgatadas na quinta-feira (14), pouco antes das 21h locais de uma precária embarcação que estava naufragando, disse à AFP uma porta-voz do Salvamento Marítimo.A instituição lançou um aviso de busca aos navios da zona para tentar encontrar os demais ocupantes do barco. O barco foi localizada 70 km a oeste do Cabo Trafalgar, relataram os socorristas, que intervieram após receberem o alerta de um navio. Foram encontrados a bordo dois homens com vida e o corpo de uma terceira pessoa, disse a porta-voz, acrescentando que uma terceira sobrevivente pôde ser resgatada do mar, junto com três mortos.De acordo com os sobreviventes, havia 28 pessoas na embarcação.Iniciada na quinta noite e em curso nesta sexta-feira, a busca inclui um helicóptero sobrevoando a área. Esse tipo de tragédia migratória é recorrente na costa espanhola, a qual os imigrantes tentam alcançar, apesar dos perigos. Eles parte, principalmente, do Marrocos e da Argélia. No total, 27.136 imigrantes chegaram à Espanha pelo mar entre janeiro e setembro deste ano. Isso representa 53,8% a mais do que o total registrado no mesmo período de 2020, segundo dados do Ministério do Interior.Conforme números divulgados no final de setembro pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), 2021 foi o ano mais letal na rota migratória para a Espanha, com pelo menos 1.025 mortos. A rota para as Ilhas Canárias é particularmente perigosa. Ao menos 785 pessoas morreram tentando chegar à sua costa entre janeiro e agosto deste ano, de acordo com a OIM. Com base nos depoimentos de migrantes e de suas famílias, a ONG espanhola CaminandoFronteras estima que mais de 2.000 pessoas morreram, ou desapareceram, em sua tentativa de chegar às Canárias este ano. Veja Mais

Projetos de vacinas antigripe com RNA mensageiro avançam

em - Internacional Trazendo febre, tosse e calafrios, a gripe chega e, com ela, a campanha de vacinação. Se até agora as vacinas contra esse vírus, que sofre muita mutação, utilizam tecnologia que não é totalmente eficaz, o uso de RNA mensageiro pode mudar o quadro.Mais e mais laboratórios se lançam no desenvolvimento de vacinas contra o vírus da gripe usando essa nova tecnologia. Líder mundial em imunizantes contra gripe, a francesa Sanofi já começou a testar uma vacina de RNA monovalente - contra uma única cepa do vírus - e fará testes com uma vacina quadrivalente no próximo ano. Em setembro, a gigante americana Pfizer fez as primeiras injeções em humanos de um imunizante contra gripe com RNA mensageiro, mecanismo que já usa em seu produto contra a covid-19.O laboratório Moderna, também americano, lançou seus testes no início de julho.Quais são os benefícios dessa tecnologia, amplamente usada contra a covid-19, mas que nunca foi empregada para outros vírus? As vacinas contra a gripe existem há muito tempo, mas sua eficácia é relativa. Utilizam vírus inativados, que devem ser preparados com bastante antecedência, e seus níveis de eficácia variam entre 40% e 60% - ou até 70%, em alguns casos."Seis meses antes da epidemia, avaliamos as cepas que mais circulam. Às vezes cometemos erros, e isso cria um excesso de mortalidade significativo", explica a imunologista e diretora de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (Inserm), Claude-Agnès Reynaud.- Mercado atrativo -Além disso, "o problema quando um vírus é inativado para preparar uma vacina é que isso pode danificar algumas proteínas de superfície", as mesmas que fornecem a resposta imunológica, diz a cientista.Já o RNA mensageiro não precisa produzir antígenos (a substância estranha que ativa a reação imunológica), pois é a célula humana que criará as proteínas do vírus."Se a Organização Mundial da Saúde (que indica as cepas a serem usadas) alerta sobre uma mudança nas cepas prevalentes, podemos mudá-la mais rapidamente com RNA do que com a tecnologia existente", enfatiza Jean-Jacques Le Fur, analista da Bryan, Garnier & Co Y. E com uma eficiência que pode chegar a 95%.Com essas vantagens, muitos pesquisadores avançam nesse caminho. Norbert Pardi, especialista em vacinas da Universidade da Pensilvânia, tenta, com o RNA mensageiro, incluir vários antígenos em uma única vacina, testada em camundongos. "Essas vacinas multivalentes provavelmente provocarão uma resposta imunológica globalmente superior" do que os imunizantes atuais, disse ele, recentemente, à AFP.Essa tecnologia também tem desvantagens, como condições de armazenamento em temperaturas muito baixas. "Teremos que chegar a vacinas termoestáveis, que podem ser armazenadas na geladeira de 2 a 8 graus, em uma seringa. Há muito o que fazer para converter o RNA mensageiro contra a gripe", estimou o vice-presidente do ramo de vacinas da Sanofi, Thomas Triomphe. Sem esquecer "a questão da aceitabilidade: quando chegarem essas vacinas, a população vai ficar tranquila com essa tecnologia, ou a relutância vai continuar?", questiona Jean-Jacques Le Fur.Isso não impede, porém, que as pesquisas avancem. "A Sanofi entendeu que não pode ignorar essa tecnologia. Para eles, as vacinas contra gripe representam 2,5 bilhões de euros (2,9 bilhões de dólares) de vendas a cada ano", acrescenta."É um mercado muito atraente para grandes laboratórios. À exceção da Moderna, que é nova no setor, os demais - como Sanofi, AstraZeneca, ou GSK - estão muito bem estabelecidos na gripe", diz Jamila El Bougrini, especialista em biotecnologia da Invest Títulos."Foram US$ 5 bilhões em vendas em 2020. Em 2021, são esperados US$ 6,5 bilhões, ou US$ 7 bilhões", completa, com um possível crescimento anual de 7% a 8% no período 2020-2026.L'OREALASTRAZENECAPFIZERGLAXOSMITHKLINE Veja Mais

Tensão extrema no Líbano após confrontos violentos em Beirute

em - Internacional O Líbano enterra nesta sexta-feira (15), em um ambiente tenso, as vítimas dos confrontos de quinta-feira (14), os mais violentos em muitos anos e que abalaram o centro de Beirute, provocando o temor de uma guerra civil.Ao menos cinco das sete vítimas fatais pertencem aos dois partidos xiitas, o Hezbollah pró-Irã e seu aliado, o movimento Amal, que organizaram na quinta-feira um protesto diante do Palácio de Justiça de Beirute para exigir a substituição do juiz responsável pela investigação sobre a explosão no porto da capital, no ano passado.As formações xiitas acusam o partido cristão Forças Libanesas de ter posicionado franco-atiradores nos telhados de edifícios próximos ao Palácio de Justiça. Também afirma que estes abriram fogo contra seus militantes, que se aproximavam dos bairros cristãos vizinhos.As Forças Libanesas negaram as acusações, exigiram uma investigação oficial e acusaram o Hezbollah de "invasão" aos bairros cristãos.O jornal Al Akhbar, próximo ao Hezbollah, publicou na primeira página de sua edição desta sexta-feira uma imagem do líder do partido cristão, Samir Geagea, com um uniforme nazista e um bigode similar ao de Hitler, acompanhado da frase: "Não há dúvida"."Samir Geagea, você foi o primeiro a saber o que aconteceu ontem (..) porque você planejou, preparou e executou um grande crime", acusa o jornal. O partido cristão é um grande rival da formação pró-Irã.A tensão é palpável nesta sexta-feira, dia de luto nacional, apesar da presença do exército libanês nos bairros dos confrontos.Na quinta-feira, centenas de milicianos do Amal e do Hezbollah seguiram até as ruas do bairro de Tayouné, perto do Palácio de Justiça, nos arredores da antiga linha de demarcação durante a guerra civil (1975-1990) entre os bairros muçulmanos e cristãos de Beirute.As circunstâncias exatas dos confrontos continuam confusas. O exército menciona "tiroteios quando os manifestantes seguiam para um protesto diante do Palácio de Justiça". O ministro do Interior, Bassam Mawlawi, afirmou que "franco-atiradores" abriram fogo contra os manifestantes.Os tiros aterrorizaram os libaneses e muitos recordaram a guerra civil que acreditavam ter ficado definitivamente no passado.A Rússia pediu "moderação" às forças políticas no Líbano. A França também pediu calma e o governo dos Estados Unidos expressou apoio "à independência do Poder Judiciário" no Líbano.O porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, fez um apelo e pediu o "fim dos atos de provocação". Também defendeu uma "investigação imparcial" da explosão do porto, que aconteceu em agosto de 2020.- Crise de governo -Duas vítimas são integrantes do influente Hezbollah e três do movimento Amal. Uma libanesa, mãe de cinco filhos, morreu ao ser atingida por uma bala perdida quando estava em casa.O ministério da Saúde informou que 32 pessoas ficaram feridas.Hezbollah e Amal exigem a destituição do juiz Tareq Bitar, responsável pela investigação da explosão no porto de Beirute, ocorrida em 4 de agosto de 2020 devido à grande quantidade de nitrato de amônio armazenada de forma irregular no local.O balanço da tragédia foi de pelo menos 214 mortos, mais de 6.000 feridos e vários prédios da capital libanesa destruídos.O Hezbollah e seus aliados consideram que o juiz está politizando a investigação. Na terça-feira, o magistrado emitiu uma ordem de prisão contra um deputado e ex-ministro membro do Amal e foi criticado por vários políticos, o que o obrigou a paralisar novamente a investigação.A justiça libanesa rejeitou as demandas e autorizou o prosseguimento do trabalho, o que motivou os protestos de quinta-feira.O tema está prestes a provocar a implosão do recém-formado governo libanês, após um ano de bloqueio político. Na terça-feira, ministros de partidos xiitas pediram a substituição do juiz e o governo não voltou a se reunir desde então. Enquanto Amal e Hezbollah exigem que o governo se pronuncie a respeito, os demais integrantes do gabinete defendem a separação de poderes. Veja Mais

Assassino de crianças é linchado no Quênia: 'vampiro sedento de sangue'

O Tempo - Mundo Homem de 20 anos confessou ter matado ao menos dez crianças em cinco anos Veja Mais

Angústia e irritação em Taiwan após incêndio que matou 46 pessoas

em - Internacional A autoridades de Taiwan investigam as causas do incêndio em um edifício de Kaohsiung (sul do território) que matou 46 pessoas, uma tragédia que provocou irritação e angústia em uma sociedade vítima de grandes desigualdades.O incêndio, o pior em décadas, voltou a demonstrar as frágeis medidas de segurança em Taiwan, e as precárias condições de vida de muitos idosos, em um país que envelhece em ritmo acelerado.O fogo começou na madrugada de quinta-feira em um edifício de 13 andares da cidade de Kaohsiung, sul da ilha. As chamas rapidamente se propagaram por todo prédio, e os bombeiros demoraram horas para controlar a situação.O imóvel antigo estava em péssimas condições. Muitas vítimas eram idosos de baixa renda, alguns portadores de deficiência. As autoridades informaram que 41 pessoas foram hospitalizadas.Nesta sexta-feira, Lee Mao-shen, 61 anos, observava os pombos na grade do apartamento de um amigo que faleceu na tragédia.Na varanda do sétimo andar, o falecido Cheng Yong-Kang costumava criar pombos, conta Lee, que mora em um prédio do outro lado da rua há 40 anos."Conversamos na noite em que ele morreu", disse à AFP."O bairro é, principalmente, de classe trabalhadora e idosos", descreve. O imóvel do incêndio teve um bom passado, mas, como grande parte do distrito, caiu em decadência."Havia um centro comercial e um cinema aqui", recorda. Mas os primeiros andares do edifício, de uso comercial, estavam vazios e abandonados.No bairro, é possível ouvir o som de címbalos, enquanto um sacerdote taoísta reza com alguns sobreviventes do incêndio.- Cabos, tubos enferrujados e escombros -Os bombeiros afirmam que a rápida propagação das chamas aconteceu porque os cinco andares comerciais estavam repletos de escombros e material abandonado. Isso gerou uma grande quantidade de fumaça que rapidamente envolveu os andares residenciais superiores.Lin Chieh-ying, uma professora de balé aposentada que mora no bairro, recordou que o edifício registrou um incêndio há 20 anos, em uma loja atualmente fechada.Ninguém morreu na época, mas nenhum reparo foi feito. "Deveriam ter demolido o edifício há 20 anos", afirma.O incêndio começou no térreo. Moradores declararam que ouviram barulhos intensos antes de observarem as chamas e a fumaça.A imprensa publicou imagens recentes do edifício que mostram cabos à vista, tubos enferrujados e escadas bloqueadas por escombros.O jornal Taipei Times informou que o diretor do escritório de obras públicas de Kaohsiung admitiu que problemas de segurança foram detectados durante inspeções nos últimos três anos.Mas a tentativa de solucionar os problemas foi frustrada pelo comitê de direção disfuncional do edifício, afirmou o diretor Su Chih-hsun.O procurador de Kaohsiung visitou o local da tragédia. As autoridades não descartam nenhuma hipótese, inclusive a de incêndio intencional. A presidente Tsai Ing-wen deve visitar a cidade no sábado (16).Afetado por terremotos e ciclones, Taiwan tem códigos de construção rígidos, mas os parâmetros de segurança com frequência permanecem na teoria e não são aplicados - sobretudo, nos edifícios antigos.O prefeito de Kaohsiung anunciou a criação de uma equipe especial para estudar a gestão municipal dos edifícios e outras estruturas antigas.A ilha é um dos chamados "tigres asiáticos", que registraram um crescimento econômico acelerado no final do século passado com uma rápida industrialização. O estímulo costumava ser desigual, porém, e deixou muitos para trás.E como acontece no Japão, Coreia do Sul, Hong Kong e Singapura, a população de Taiwan envelhece rapidamente. No ano passado, a ilha registrou mais mortes que nascimentos. Veja Mais